Two Way Street - Lauren Barnholdt

571 visualizações

Publicada em

Two Way Street - Lauren Barnholdt

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
571
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Two Way Street - Lauren Barnholdt

  1. 1. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 2 créditos tradução e revisão: Grupo Shadows Secrets
  2. 2. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 3 sinopse Há dois lados de todo fim de relacionamento. Esses são Jordan e Courtney, completamente apaixonados. Claro, eles eram um casal incomum na escola. Mas eles ficaram juntos; e funcionou. Eles até iam para a mesma faculdade, e dirigiriam meio país juntos procurando orientação. Então Jordan termina com Courtney—por uma garota que ele conheceu na internet. É tarde demais para mudar os planos, então a viagem começa. Courtney está com o coração partido, mas imagina que pode ser dura por alguns dias. La la la—essa é Courtney fingindo que não se importa. Mas, numa mudança estranha, Jordan se importa. E muito. Para começar, ele tem um ou dois segredos que não contou a Courtney. E eles têm tudo a ver com o motivo de eles terem terminado, porque eles não podem voltar, e como, apesar de tudo, esse casal está destinado um ao outro.
  3. 3. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 4 Courtney - A Viagem Dia Um, 08h07 Sou uma traidora da minha geração. Sério. Tudo que ouvimos hoje em dia é que temos que ser mulheres fortes e defender a nós mesmas, e agora olha o que eu fiz. Eu deveria ser uma daquelas histórias da vida real da Seventeen1. Construí Minha Vida Em Torno De Um Garoto! E Agora Me Arrependo! É claro, isso não teria a intensidade emocional de alguma de suas histórias anteriores, tipo, Peguei DST Sem Fazer Sexo, mas mesmo assim é importante. — Você vai ficar bem — minha mãe diz, mexendo o café na pia. — De fato, você está agindo de forma um pouco ridícula. — Eu sou ridícula? Eu sou ridícula? — como ela pode dizer isso? Perdeu a cabeça? Não tem nada de ridículo ficar chateada por sair de viagem com seu ex-namorado, quando o dito ex-namorado quebrou seu coração e te abandonou por alguma vagabunda da internet. Embora eu realmente não possa dizer de fato que ela seja uma vagabunda. Mas tenho certeza que é. Quer dizer, dar golpes em caras na internet? Pensei que isso só era para quarentonas divorciadas que photoshopeiam suas fotos em um esforço para parecerem mais jovens e mais magras. Para não mencionar, o que ELE estava pensando? Um cara de dezoito anos que poderia ter qualquer garota que quisesse, tendo que recorrer a namoros pela internet? Mas talvez esse seja o problema com os caras que podem ter qualquer garota que eles querem. Uma nunca é suficiente. — Eu não disse que você era ridícula — minha mãe diz. — Eu disse que você estava agindo de forma ridícula. — Não tem realmente alguma diferença — digo a ela. — É como se alguém dissesse, Você está agindo como uma trapaceira, isso é porque você está trapaceando. O que significa que você é um trapaceiro. Como Jordan. Embora suponha que ele tecnicamente não é um trapaceiro, porque terminou comigo antes de começar a sair com a garota da internet. Na minha cabeça, eu ainda penso nele como um trapaceiro. Do contrário, ele só teria conhecido outra garota de que gostava mais, e isso não é tão dramático. — Courtney, você implorou e implorou para ir nessa viagem — minha mãe diz. 1 Uma revista americana para adolescentes.
  4. 4. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 5 — E? — essa é a grande justificação dela para me chamar de ridícula? Ela está brincando? Adolescentes imploram e imploram por coisas o tempo todo: por argolas no nariz, tatuagens que dizem Badass2. Nunca uma boa ideia. Supostamente meus pais devem ser a voz da razão, me guiando para o caminho certo em todos os momentos. Eles estão obviamente loucos por ter concordado com este plano, em primeiro lugar. Quer dizer, no que eu estava pensando? Fazer planos, com meses de antecedência, para dirigir por mais de mil quilômetros até a faculdade com um garoto? Todo mundo sabe que a duração média de um relacionamento de colégio é mais curta que um episódio de TRL3. — Você é a mãe — digo. — Deveria saber que esta era uma ideia horrível. — Fico na esperança de que a culpa recaia sobre ela, mas isso não acontece. — Ah, por favor — diz ela, revirando os olhos. — Como eu poderia saber que ele ia terminar com você? Não sou vidente. Nem tampouco conheço os hábitos de salas de bate- papo da internet. — Não era uma SALA DE BATE-PAPO — digo. — Era o MySpace. — Ninguém mais fica em salas de bate-papo. Embora o porquê de alguma garota querer sair com Jordan baseado em sua página do MySpace eu não consiga entender. A música que ele escolheu para seu perfil é, Let's All Get Drunk Tonight4, do Afroman. — Certo — minha mãe diz, tomando um gole de seu café. Meus pais estão tentando me ensinar algum tipo de lição. Não acham que seja certo que talvez tenham que pagar mais de quinhentos dólares por uma passagem de avião de última hora da Flórida para Massachusetts, quando fui eu quem os convenceu a me deixar ir nessa viagem. Além disso, minha mãe acha que essa coisa toda é mais como a típica angústia adolescente, uma dessas situações retratadas em uma sitcom5 adolescente que é resolvido em meia hora de risos e contratempos. Já sabe, onde a menina é abandonada, mas depois percebe lá no final do episódio que ela está melhor sem ele, e então fica com algum outro cara gato que é muito melhor pra ela, enquanto que o cara que partiu seu coração acaba sozinho, desejando tê-la de volta. O que definitivamente não está acontecendo aqui. De fato, está mais para o contrário. Jordan está se divertindo horrores com sua garota do MySpace, enquanto sou eu a que está sentada, desejando que eu o tivesse de volta. Suspiro e olho pela janela da cozinha, procurando pelo TrailBlazer de Jordan. São 8:07, e ele deveria estar aqui às oito, o que me faz pensar que: a) ele está atrasado; b) está agindo como um idiota e me deixando plantada; Ou; 2 Fodão, Durão, valentão, etc. 3 Total Request Live. É um programa de clipes que passava na MTV dos Estados Unidos. Com 1 hora de duração. 4 Vamos Todos Ficar Bêbados Esta Noite. 5 Seriado cômico na TV
  5. 5. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 6 c) ele se envolveu em um terrível acidente de carro que o deixou morto. A resposta mais provável é a A. (Fomos para o baile juntos, e a limusine teve que esperar em sua entrada da garagem durante meia hora. No final da noite, nos cobraram uma hora extra. Ele – leia-se: seus pais – pagou, mas mesmo assim.) Embora eu vá pela opção C. OK, talvez não a parte do morto. Só, tipo, uma perna quebrada ou algo assim. Quer dizer, seus pais sempre foram super legais comigo, e eu me sentiria péssima se eles perdessem seu filho caçula. Mesmo se ele fosse um mentiroso e trapaceiro. — Quer café? — minha mãe pergunta, o que é ridículo, porque ela sabe que não bebo café. Café dificulta o crescimento. Tenho apenas 1,55m, e ainda mantenho a esperança de que vou crescer mais alguns centímetros. Além disso, já estou bastante tensa. Ficar toda agitada com cafeína definitivamente não é uma boa ideia. — Não, obrigada — digo, olhando pela janela novamente. Sinto um nó crescendo na minha garganta e o ignoro. Ele não iria me deixar plantada, não é? Quer dizer, isso é fodido demais. Embora se fizesse, isso significaria que eu não teria que ir com ele. O que seria ótimo. Se ele me deixar plantada, meus pais não terão escolha a não ser me deixar reservar um voo para Boston. Que é o que eles deveriam ter me deixado fazer desde o primeiro momento. Respiro fundo. Só são três dias. Eu posso passar por isso, certo? Três dias não são nada. Três dias são... eu quebro a cabeça, tentando pensar em algo que dure apenas três dias. Férias de Natal! Férias de Natal duram dez dias e parece sempre passar voando. Três dias é apenas um terço disso. Além disso, eu tenho a coisa toda planejada nos mínimos detalhes. A viagem, quero dizer. De modo que a cada segundo estaremos fazendo alguma coisa. Claro, as férias de Natal são divertidas. E isto vai ser torturante. Meu pai entra na cozinha, vestindo um terno cinza e bebendo um shake de proteínas. Ele está cantarolando uma música da Shakira. Meu pai adora música pop. O que é estranho. Porque ele tem quase cinquenta anos. Embora ache que meu pai pode estar passando por uma pequena crise de meia idade, já que ultimamente tem sido levado a comprar roupas esquisitas. E eu suspeito que ele esteve usando autobronzeador, porque definitivamente ele parece um pouco laranja. — Bom dia — diz ele, indo até onde minha mãe está sentada na mesa da cozinha e plantando um beijo em sua cabeça. Ele abre o armário e tira uma caixa de cereal. — Dia — murmuro, não muito certa do que tem de tão bom nele. — Tudo pronto pra faculdade? — pergunta ele, sorrindo. — É, acho que sim — digo, tentando não soar muito como uma pirralha. Meu pai tem estado bem mais de boa sobre essa coisa toda da separação do que minha mãe. Ele
  6. 6. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 7 passou horas tentando me animar, dizendo que eu vou encontrar alguém melhor, que há mais peixes no mar, que ele nunca gostou do Jordan, etc. Além disso, me comprou um iPod novo e toneladas de roupas novas para a faculdade. Ele também me deu uma cópia de, Ele Não Está Tão Afim de Você6, o que me faz achar que ele pensou que seria encorajador. De fato, é um pouco encorajador, porque fala de como você não deve se contentar com um cara que não quer estar com você. Por outro lado, perceber que o cara que você gosta não está tão afim de você, não é muito bom para sua auto-estima. Além disso, eu estava lendo partes dele para minha amiga Jocelyn uma vez, e ela me interrompeu para dizer: — Na verdade, se você precisa de um livro como esse para te dizer que ele não está tão afim de você, provavelmente você não seja do tipo que seja capaz de realmente seguir em frente. — Ela não tinha intenção de dizer isso sobre mim, exatamente, mas ainda assim. — Nada do Jordan? — meu pai pergunta, derramando leite em seu cereal. — Claro que não — digo. — Ei, se ele não aparecer, então o quê? — Acha que ele não vai aparecer? — meu pai pergunta, levantando a vista. — Porque não iria? — Sei lá — digo. — Mas e se ele não aparecer? — esperança começa a surgir dentro de mim. Não tem jeito de que qualquer um dos meus pais possa ou queira me levar lá de carro. Nem sequer me sentirei mal pelo dinheiro que eles terão de gastar na passagem de avião de última hora, desde que são eles os psicopatas que estão me fazendo ir nessa viagem, em primeiro lugar. — Então o quê? — eu insisto. Mas ninguém tem que responder a isso, porque o som de cascalho rangendo lá fora, na entrada, chega através da janela. Olho para fora, e a luz refletida no para-brisas do TrailBlazer de Jordan atinge meus olhos. Algum tipo ridículo de rap está saindo a todo volume do carro, o que me deixa ainda mais irritada do que já estou. Odeio rap. Ele nem sequer escuta rap normal, como Jay-Z ou Nelly. Ele escuta rap hardcore7. (Palavra dele, não minha. Nunca usei a palavra hardcore na minha vida. Bem, até agora, mas só para citar Jordan). Ignoro a sensação estranha no estômago e corro pra fora para que eu possa gritar com ele por seu atraso. — Onde você estava? — exijo, enquanto ele sai do carro. — Bom te ver também — ele sorri. Ele está usando bermudas folgadas e uma camiseta azul marinho Abercrombie. Seu cabelo escuro está molhado, o que significa que ele provavelmente acabou de sair do chuveiro, o que significa que ele provavelmente acabou de acordar. — Me desculpe, eu estava arrumando minhas coisas, e depois tentava encontrar meus pais para que eu pudesse dizer adeus. 6 O título em inglês é He’s Just Not That into You, é um livro de auto-ajuda. Eu traduzi o título por causa do filme baseado no livro que acabou ficando com o título assim no Brasil. 7 É um sub-gênero da música hip hop. É um rap com um som mais agressivo.
  7. 7. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 8 Arrumando as coisas? Quem espera até o dia que está saindo para a faculdade para começar a arrumar suas coisas? Minhas coisas estão arrumadas há uma semana, empilhadas ordenadamente do lado de fora do meu quarto até que eu as transferi para a cozinha esta manhã. Quer dizer, o serviço de alojamento nos enviou uma lista do que levar. Aposto que Jordan não trouxe nada do que pediram. Não é que eu me importe. Se ele quer dormir em um colchão vazio, nojento e sujo porque se esqueceu de comprar lençóis extragrandes, para mim tanto faz. Eu superei Jordan totalmente. Essa sou eu, superando o Jordan. La, la, la. — Você não recebeu meu e-mail? — pergunto a ele. Três dias atrás enviei uma cópia de nosso itinerário de viagem. Foi muito curto, com uma linha de assunto que dizia simplesmente, Horário, e lia, Jordan, por favor, verifique a cópia em anexo do cronograma de nossa viagem. Atenciosamente, Courtney. Eu estava bem orgulhosa dele. Do e-mail, quero dizer. Porque era bem curto e frio. É claro que, levou a mim e a minha amiga Jocelyn cerca de duas horas para encontrar as palavras perfeitas, mas Jordan não sabe disso. Só deve pensar que sou muito importante para compor longos e-mails para ele, ou para perder tempo em um intercâmbio de mensagens. Não que ele tenha enviado um e-mail de volta. Mas isso foi obviamente porque fui muito fria. — Aquele sobre a viagem? — ele franze o cenho. — Sim, acho que sim. — Acha? — pergunto. — Court, você não pode planejar todos os minutos — diz ele. — Vai haver imprevistos. — Ele pega os óculos de sol que estão na sua cabeça e os desliza para baixo sobre os olhos. — Bom, tanto faz — digo. Felizmente tenho três cópias do itinerário de viagem, junto com instruções específicas do Map Quest, tudo impresso e preso juntos com clips. Vou dar a ele um, como referência. Começo a entrar em casa, e Jordan hesita. — Vai me ajudar com minhas coisas ou não? — pergunto. — Oh, sim, com certeza. — Levanto as sobrancelhas. — É claro — ele repete com mais ênfase. Ele me segue para dentro de casa, e sei que está olhando para minha bunda. Pervertido. — Jordan — meu pai diz, acenando. Jordan acena de volta, mas não diz nada. Espero que ele esteja com medo do meu pai. Se não estiver, deveria. Meu pai é meio que um cara grande. Não é que Jordan seja esquelético nem nada, De fato, é exatamente o oposto. Ele tem esses braços realmente incríveis que – ugh. Não vou pensar em nenhuma parte do mentiroso, traidor e sempre-atrasado corpo do Jordan, seja os braços ou outra coisa.
  8. 8. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 9 — Animado por ir à faculdade? — minha mãe pergunta educadamente. Seu tom é reservado, o que me deixa feliz. Quando Jordan e eu estávamos juntos, ela sempre foi super legal com ele. Ela até poderia me fazer ir nessa viagem, mas é óbvio onde sua lealdade está. Espero que Jordan esteja desconfortável. Espero que esteja se contorcendo. Espero que esteja... — Sim, senhora — diz ele. O que é uma mentira total. Ele não poderia se importar menos. Quer dizer, ele nem sequer seguiu a lista do que a gente devia levar. — Não importa — digo, colocando as mãos nas têmporas como se não aguentasse mais. — Pode começar a carregar o carro? Não quero sair mais tarde do que já estamos. — Dou a Jordan um olhar afiado, que ele ignora, e logo aponto para ele a direção das minhas coisas, que estão empacotadas ordenadamente e empilhadas no chão da cozinha. — Jesus, Court — diz ele, olhando para o amontoado. — Você sabe que está indo só por quatro anos, certo? — eu o ignoro e puxo uma cópia do horário do meu bolso. — Estamos bem atrasados — digo, franzindo o cenho. Deveríamos ter saído há vinte minutos. Embora talvez se a gente não parar para o almoço e apenas dirigirmos direto, possamos compensar o tempo dessa forma. Ainda assim, não é bom começar tarde. Eu já me preparei para o tráfego e circunstâncias imprevistas, claro, mas ainda assim. Isso não deveria contar como circunstância imprevista. Uma circunstância imprevista é algo que você não pode evitar. E isto definitivamente poderia ter sido evitado. Jordan se abaixa e pega uma das bolsas que está no chão, perto dos meus pés, e ela roça contra o dedo do meu pé. — Ai — digo, pulando pra trás. — Cuidado. Estou usando sandálias. Ele sorri. — Desculpe, querida. — Ele vira e se dirige para o carro antes que eu possa responder. Inspiro profundamente. Não vou começar a brigar com ele. De jeito nenhum. Se eu começar a brigar com ele, ele vai saber que está me afetando, e eu não posso deixar que isso aconteça. A última coisa que preciso é que ele ache que estou mal porque ele terminou comigo. Passei as últimas duas semanas determinada a mostrar a ele que não me importo, e não vou estragar tudo agora. É claro que, é muito mais fácil fingir que não se importa com alguém quando não está com você, mas posso fazer isso. Só tenho que reunir todo meu autocontrole. Desencanada e desprendida é meu novo lema. Percebo que meu coração está batendo a um ritmo ridiculamente anormal, e respiro profundamente de novo. Posso fazer isso, digo a mim mesma. Começo a pensar em todos os caras gatos que vou conhecer na faculdade. Caras que leem livros de filosofia e bebem café. Caras que escutem música de verdade, como Mozart e Andrea Bocelli e até mesmo Gavin DeGraw. Qualquer coisa, exceto rap. Isso me faz sentir melhor, mas só por um segundo. Porque, vamos encarar: não importa o quanto você diga a si mesma que superou alguém, seu coração conhece a verdade.
  9. 9. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 10 Jordan - A Viagem Dia Um, 08h37 Não posso imaginar por que Courtney está vestindo uma roupa tão apertada. As garotas normalmente usam saias curtas rosas de algodão e blusinhas apertadas quando saem de viagem na estrada? Eu vi esse filme ridículo da Britney Spears, Crossroads, e definitivamente não me lembro das garotas nesse filme usando roupas de vagabunda. Camisetas e calças confortáveis é o que elas usavam. Ela está fazendo isso em uma tentativa de me deixar louco? E ela vai agir como uma vaca o tempo todo? Não é minha culpa ter atrasado. Eu tive que arrumar minhas coisas, o que você pensaria que seria fácil – só jogar suas roupas, computador e CDs em uma mala, certo? Errado. Demorou uma maldita eternidade. Mas eu estava tentando me apressar – nem mesmo passei gel no cabelo, o que foi um sacrifício muito grande. Quando ele finalmente secar vou parecer Seth Cohen8 ou alguma merda assim. Meu celular toca enquanto estou carregando as coisas de Courtney para o porta- malas da minha caminhonete e tentando não pensar sobre os próximos três dias. Respondo sem verificar quem está ligando. — Sim — digo, levantando uma bolsa rosa com alças longas até o porta-malas. Que diabos ela colocou aqui? Parecem pesos. — Ei — meu melhor amigo, B. J. Cartwright, diz, soando bem acordado, o que é surpreendente. B.J. nunca soa totalmente acordado. Especialmente desde que ele geralmente está ou de ressaca, ou bêbado, ou se preparando para ficar bêbado. — Ei — digo, sentando no porta-malas aberto. — E aí? — Notícias de última hora, cara — diz ele, parecendo nervoso. B.J. sempre tem notícias de última hora. Costumavam sempre envolver alguma garota com quem ele queria bater estaca9, mas pelos poucos meses passados, ele esteve saindo com a amiga de Courtney, Jocelyn. Ele ainda é o maior fofoqueiro que eu conheço e um de seus mais ocultos segredos é que ele é assinante da US Weekly10. — É por isso que você está acordado tão cedo? 8 É um personagem do seriado The O.C. 9 Sim, é isso aí, uma gíria bem ofensiva referente a "ter sexo com alguém", enfim, no inglês é "bang". 10 É uma revista americana de fofoca de celebridade
  10. 10. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 11 — Huh? Oh, não, não fui dormir ainda — diz ele. — Você esteve acordado a noite inteira? — pergunto, olhando para o meu relógio. — São nove da manhã. — Cara, a festa foi até as quatro — diz ele. — E depois todos nós fomos tomar café da manhã. Você perdeu um tempo bom pra caralho. A festa da noite passada foi uma espécie de último hurrah, uma despedida antes que todos se fossem para a faculdade, o que muitos estão fazendo neste fim de semana. Fiquei lá por um tempo, mas saí antes que as coisas ficassem realmente fora de controle. Eu sabia que precisava acordar cedo esta manhã, então não deixaria Courtney puta comigo por chegar atrasado. Olha quão bem acabou. — Então, quais são as notícias de última hora? — pergunto. — É sobre Courtney — diz ele, e eu sinto meu estômago afundar. — O que tem ela? — digo. — Ela está ficando com Lloyd — diz ele, e eu engulo em seco. Saca só. Lloyd é o melhor amigo de Courtney, esse completo joguete por quem Court esteve apaixonada desde, tipo, a sétima série. Bom, até que ela me conheceu. Supostamente assim que começamos a namorar, ela perdeu todos seus sentimentos por ele. Ou isso dizia. — Como você sabe? — pergunto, sem muita certeza de querer saber sobre isso. — Ouvi de Julianna Fields, que ouviu de Lloyd. — Quando? — Não tenho certeza — diz B.J. — Ela estava falando disso ontem à noite. Depois da festa, muito tarde. E depois, hum, Lloyd deixou um comentário no MySpace de Courtney na noite passada. — Bem, tanto faz — digo. Levanto-me, coloco o resto das bolsas no porta-malas da minha caminhonete, e o fecho com força. — Courtney pode fazer o que quiser. — Você está bem? — Estou bem — minto. — Obrigado por me deixar saber. — Legal — diz B.J. — Me liga mais tarde. Fecho o celular e respiro fundo. Tanto faz. Não é grande coisa. Quer dizer, eu terminei com ela. Tudo o que tenho que fazer é passar pelos próximos três dias. Três dias não é nada. Três dias são metade das férias de primavera. Férias de primavera passaram voando esse ano. Pensar nas férias de primavera me faz começar a pensar em férias, o que
  11. 11. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 12 me faz começar a pensar em Courtney e eu em Miami, e no biquíni que ela usava, e no que aconteceu na praia... Para. Digo a mim mesmo. Acabou. Tomo fôlego de novo, e quando me viro o pai de Courtney está parado ali, segurando sua pasta em uma mão e uma xícara de café na outra. — Tudo pronto? — diz ele, sorrindo. Faço o melhor que posso para sorrir de volta, e resistir a urgência de socá-lo. — Parece que sim — digo. Sinto meus punhos cerrarem ao meu lado, e me obrigo a afrouxá-los. — Estamos bem claros, certo, Jordan? — diz ele. Inclina-se para perto de mim, e posso cheirar sua loção pós-barba. — Eu odiaria que essa viagem acabasse mal, com Courtney ficando distraída antes de seu primeiro dia de aula. — Eu não iria querer que Courtney ficasse transtornada, tampouco — digo, o que é verdade. O que não acrescento é que se seu pai não fosse tão imbecil, não haveria chance de Courtney descobrir qualquer coisa que a transtornasse em primeiro lugar. — Ótimo — diz ele, dando um tapinha no meu ombro como se fôssemos velhos amigos. — Fico feliz por estarmos na mesma página. — Ele me estuda por um minuto, mas não afasto o olhar. — Eu vou dizer a ela, você sabe. — É claro — digo, mesmo que ele esteja me dizendo a mesma coisa durante os últimos três meses. Ele hesita por um minuto, como se quisesse dizer outra coisa, ou como se estivesse esperando que eu o reassegurasse que não ia falar. Mas não vou fazer. Reassegurá-lo. Ou falar. Mas ele não precisa saber disso. — Tenham uma boa viagem — diz ele, finalmente, e logo sai da entrada. Depois que ele está fora de vista, inclino a cabeça contra a lateral da minha caminhonete e respiro fundo. Passei as duas últimas semanas levando a mim mesmo à completa loucura pelo fato de que, se não fosse pelo imbecil do pai da Courtney, e um segundo que mudou tudo, nós ainda estaríamos juntos. Mas em vez disso, não estamos, e Courtney me odeia. E quem poderia culpá-la? Ela acha que eu a troquei por uma garota que conheci na internet. Se ela soubesse o que realmente aconteceu, provavelmente me odiaria ainda mais. Porque a verdade é, Courtney e eu terminamos por uma razão fodida demais da qual ela não tem conhecimento, e tomara que nunca conheça. Não há garota da internet. Eu a inventei.
  12. 12. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 13 Jordan - Antes 125 Dias Antes da Viagem, 21h02 Eu estaciono meu TrailBlazer na garagem do meu amigo B. J. e aperto a buzina. O nome verdadeiro de B. J. é Brian Joseph Cartwright, mas na sétima série todo mundo começou a chamá-lo de B. J. Nós todos tínhamos acabado de descobrir o termo boquete11 e pensamos que o apelido era super engraçado e legal. Ele ainda adora o nome e se recusa a responder a qualquer outra coisa, mesmo dos professores. B. J. sai da casa usando um body verde, sapatinhos de tricô verdes e um chapéu de duende. Eu estava menos preocupado com o que ele usava e mais preocupado com o fato de que ele se movia na velocidade de uma conexão discada. Nós estamos a caminho da festa de Connor Mitchell e eu não quero perder nem sequer um segundo dela. Ele abre a porta (devagar) e começa a sentar no banco do carona da minha caminhonete. — Qual é, cara? — ele pergunta. Ele bate a porta e reajusta o gorro verde em sua cabeça. — Que porra é essa? — eu pergunto. — Que porra é essa? — ele está confuso. — Essa coisa toda de duende — eu digo, rolando os olhos. Eu reajusto meu retrovisor lateral e saio de sua garagem de ré. — Eu não sou um duende! — ele diz, ofendido. — Eu sou um anão. — Você é um anão? — eu pergunto incrédulo. — Você está vestido como um duende. E eles não chamam mais de anão, eles chamam de pessoas pequenas. — Eu tiro os olhos da estrada e olho para ele rapidamente. É possível que ele já esteja bêbado? — Eu sou uma pessoa pequena, então — ele diz, soando como se não desse a mínima. — Mas sério, quem se importa? Eu vou ficar tão bêbado que isso não vai importar. — A única razão para ser um pouco estranho — eu digo devagar, sem querer irritá- lo, — é que não é uma festa à fantasia. Então eu não entendo por que você está fantasiado. 11 O termo em inglês é “blow job”, por isso B. J.
  13. 13. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 14 — Não é uma festa à fantasia? — ele pergunta, soando confuso novamente. — Eu pensei que Madison tivesse dito algo sobre ir como uma líder de torcida. — Ele abaixa o vidro da janela, o que não faz sentido algum, já que o ar-condicionado está ligado. Eu não entendo por que as pessoas têm que abaixar os vidros de suas janelas quando o ar- condicionado está ligado, uma vez que obviamente está mais quente do lado de fora do que dentro do carro. — Não — eu digo, — Madison é uma líder de torcida. Por que ela iria a uma festa à fantasia vestida como uma? — Ela disse que iria! — Ela disse que talvez ela não tivesse tempo de se trocar após o jogo e precisasse usar o uniforme na festa. — Madison Allesio é essa loira do segundo ano que está no tempo de estudos com B. J. e eu. Ela também é a razão de eu ir a esta festa hoje à noite. Bem, mais ou menos. Eu provavelmente iria de qualquer jeito, já que Connor Mitchell é conhecido por dar umas festas insanas. No ano passado, a metade da turma dos calouros estava sem blusa em sua piscina. Mas Madison esteve flertando comigo intensamente pelo último mês e ontem ela estava toda, Você vai para a festa do Connor, então eu posso ir para casa com você e transar com você? meio desse jeito. — Eu não dou a mínima — B. J. diz, sorrindo. — Eu estarei tão ferrado que eu não vou nem mesmo me importar. E eu sou um duende, e você sabe que duendes sempre são sortudos! Uhuul! — Ele bombeia suas mãos no ar num gesto de levantar o telhado. B. J. está sempre falando sobre quanta diversão ele terá, quando, na verdade, ele não tem nenhuma. Nós ouvimos a festa antes mesmo de chegar lá, um misto do que parece a principal corrente do rap. Jay-Z, 50 Cent, esse tipo de coisa. Impostores. Eu gosto do meu rap sujo e pesado, nada dessas besteiras de os quarenta melhores. Mas depois de beber algumas cervejas, eu tenho certeza que ficarei bem. Eu manobro o carro numa vaga de estacionamento na rua e sigo caminhando com B. J. para dentro da casa. Meia hora depois, eu estou começando a pensar que essa festa poderia explodir de verdade. B. J. me divertiu por um tempo, mas agora ele desapareceu na multidão em algum lugar após fazer um barril de cerveja levantar, e eu não fazia a menor ideia de onde ele estava. Eu estou sentado na sala de estar de Connor, decidindo se levanto ou não para pegar outra cerveja, quando senti um par de mãos tapando meus olhos. — Ei — uma voz feminina diz atrás de mim. — Advinha quem é? — ela está debruçada sobre mim agora e eu senti seu perfume. Eu posso dizer que é Madison pelo seu cheiro: bom e você gostaria de deixá-la nua imediatamente.
  14. 14. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 15 — Eu não sei — eu digo, bancando o bobo. — Jéssica? — eu nem mesmo conheço nenhuma Jéssica. Eu sou um tipo de garanhão. — Não — ela diz, tentando soar magoada. — Jennifer? Jamie? — Nenhum nome com J — ela diz. Ela está mais perto agora e eu posso sentir seu peito pressionando a minha nuca. — Desisto — eu digo, estendendo as mãos para tirar as dela dos meus olhos. Madison faz bico e pôe a mão nos quadris. — É a Madison! — ela diz, bufando. Ela usa uma saia branca curta e um top rosa. Eu meio que esperava que ela estivesse em seu uniforme de líder de torcida, mas ela está gostosa do mesmo jeito. Seus longos cabelos loiros caem ondulados em suas costas. É tudo o que eu posso fazer para não pegá-la e levá-la à minha caminhonete comigo. — Ahhh, Madison — eu digo. — Eu estava procurando por você. — Não estava — ela diz, sorrindo. — Você nem mesmo sabia que era eu. Era isso que me deixava confuso sobre garotas como a Madison. Elas são gostosas, podem ter qualquer cara que quiserem e ainda assim elas gastam a maior parte do seu tempo tentando fazer os caras dizerem para elas que elas são gostosas. Isso não faz sentido. É como se elas não quisessem acreditar que elas são bonitas. Ou talvez elas fiquem excitadas por terem os homens dizendo isso o tempo todo. (Outra nota sobre garotas como Madison: Elas são boas para transar, mas não são para namorar. Inevitavelmente, você se cansa de ouvi-las lamentar sobre se você acha ou não que elas são gostosas e elas têm que ir. E mais, se você namorar uma garota como Madison, você corre o risco de realmente começar a gostar dela e então ela vai acabar te largando por algum outro cara novo que diga o quanto ela é bonita, porque ela está cansada de ouvir isso de você. O truque é brincar com seus egos o bastante para mantê-las por perto, mas não tanto que elas se tornem chatas. Por sorte, eu sou mestre nisso.) — Eu estava procurando você — eu repito. Eu tento parecer desinteressado e tomo um gole da minha bebida. — Você está gostosa. Eu examino a multidão atrás dela, ainda não olhando para ela. — Sério? — ela pergunta, parecendo satisfeita. Ela dá um pequeno giro e sua saia espalha-se em volta de suas pernas. Que são muito, muito bronzeadas. E muito, muito grandes. Eu tento não olhar, sabendo que se eu me deixasse ficar muito estimulado, eu não poderia continuar brincando. Hormônios são uma merda.
  15. 15. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 16 — Então você nunca respondeu a minha mensagem no MySpace — eu digo e o rosto dela cora. Minha última mensagem no MySpace era sobre o quanto seus lábios pareciam incríveis e que eu não podia esperar para beijá-la. — Eu nunca recebi — ela diz, mas eu sei que ela estava mentindo. Ela olha para onde suas amigas estão do outro lado da sala. — Essa festa está tão chata. — Ela olha para mim de canto de olho e eu sei que é a minha deixa. — Você quer sair daqui? — eu pergunto. — Eu tenho a minha caminhonete. Ela dá de ombros, como se não se importasse. — Eu acho. Deixe-me apenas contar às minhas amigas. Madison sai e eu tento achar um modo de me distrair. Eu não posso esperar por ela quando ela voltar. Eu tenho que fazê-la trabalhar para isso um pouco. Eu sei que parece malvado e fodido, mas não é. É apenas como as coisas funcionam. Eu olho em volta para alguma situação que merecesse atenção, ou alguma garota que eu pudesse alegar depois que se aproximou de mim e não o contrário. E é quando eu vejo B. J. preso à perna de Courtney McSweeney.
  16. 16. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 17 Courtney - Antes 125 dias antes da viagem, 21h43 Essa noite contarei para o meu amigo Lloyd que estou apaixonada por ele. Coisas importantes sobre Lloyd: 1. Ele tem sido meu amigo desde a sétima série, quando sentávamos perto em todas as aulas por causa dos nossos últimos nomes. Parecia que cada professor estava fazendo isso em ordem alfabética, então como eu sou McSweeney e ele é McPeak, nós estávamos sempre juntos. Quando fomos para o ensino médio e pudemos escolher nossos próprios lugares, nós ainda sentávamos juntos. Era como uma regra. 2. Desde o primeiro dia da sétima série, eu me apaixonei por ele. Minha amiga Jocelyn diz que você não pode estar apaixonada por alguém se: a. ele não sabe disso; b. ele não sente o mesmo; c. você nunca o beijou, andou de mãos dadas com ele ou fez algo mais do que ser amiga dele. Mas isso não faz sentido para mim, porque, alô, isso é chamado de amor platônico. Veja as pessoas nos filmes. Elas estão sempre dizendo, Eu estou apaixonada por você, quando elas nunca tiveram nenhum contato físico com outra pessoa. Físico é só físico, não significa nada. Além disso, eu contarei ao Lloyd como me sinto. A razão para eu não ter feito até esse momento foi porque eu não queria arruinar a amizade (isto é, eu tenho medo mortal de rejeição). Mas ultimamente, tem havido sinais. Lloyd tem me ligado todas as noites – definitivamente mais que o normal – e conversamos por horas ao telefone. E ele me ajuda com meu trabalho de matemática, mesmo quando eu fico totalmente confusa e leva vinte minutos para que possamos resolver um problema. Ele nunca fica impaciente comigo. Porém, eu tenho que fazer isso logo, porque Lloyd está indo para uma escola na Carolina do Norte e eu vou para uma escola em Boston, então nós precisamos estar namorando por alguns meses antes de eu ir para a faculdade. Dessa forma, estaremos preparados para um relacionamento à distância. Foi por isso que eu planejei contar a ele. Essa noite. Depois da festa. Que eu quero ser mais que amiga dele.
  17. 17. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 18 Eu até mesmo estou usando minha roupa Eu-vou-contar-ao-Lloyd-que-eu-o-quero, que consiste numa saia jeans bem curta e uma blusa branca apertada. Que não é o tipo de coisa que eu normalmente uso. Mas eu preciso fazer Lloyd parar de pensar em mim como uma amiga e começar a pensar em mim como alguém que ele quer namorar. Até agora, a noite não está indo como planejado. Primeiro, Lloyd disse que ele iria a essa festa, e até agora, eu não o vi. Segundo, minha amiga Jocelyn (que eu trouxe até aqui), está conversando com esse cara do terceiro ano por quem ela tem uma queda e me deixou aqui sozinha. Não é culpa dela, porque eu disse a ela que ficaria bem, já que eu pensei que Lloyd estaria aqui logo e eu estaria tão ocupada seduzindo-o que não precisaria de Jocelyn para me divertir de qualquer forma. Terceiro, e definitivamente o mais perturbador, é que nesse exato momento, há um cara vestido de duende com seus braços embrulhados em minhas pernas. Eu estou escandalizada com isso, mas estou tentando ser legal, porque eu acho que ele está bêbado. — Oh, hum, oi — eu digo, tentando retirá-lo gentilmente. — Você é, hum, um duende. — É por isso que eu não vou a festas. Porque coisas como essa sempre acontecem comigo. Eu sempre sou aquela que fica parada em algum canto, sozinha, com um cara vestido de duende babando na minha perna. — Eu não sou — ele diz, olhando para mim. — Eu sou um anão. — Eu dou uma boa olhada em seu rosto e percebo que é B. J. Cartwright. Ótimo. O cara mais louco na classe sênior está enrolado em minhas pernas. B. J. fez algumas coisas insanas, incluindo queimar nossos nomes e anos de classe no gramado do lado de fora das portas de entrada da escola. Ele quase foi expulso por isso, mas o quadro escolar decidiu abrandar já que ninguém se feriu. B. J. colocou camisinhas em todas as caixas de correio dos professores no Dia da Consciência do Sexo Seguro; forjou a competição escolar de dinheiro para que a nossa turma ganhasse e apareceu no Halloween como Hannah Baker, uma garota da nossa turma que foi presa durante o verão por prostituição. Ele usou balões como seios e tudo. — Um anão — eu digo, tentando me desembaraçar dele novamente, mas ele grudou bem forte na minha perna. — Isso é, hum, interessante. — Você sempre quis fazer isso com um anão, não é, Britney? — ele pergunta, lambendo seus lábios para mim. Oh, meu Deus. — Meu nome não é Britney — eu digo, esperando que talvez ele esteja procurando por alguém específico e, quando ele perceber que eu não sou ela, ele vá embora. — Eu sei que não — ele diz, rolando seus olhos. — Mas você se parece com ela. — Com Britney? — eu pergunto, confusa. As mãos dele parecem grudentas contra minha perna nua e eu xinguei-me por estar usando uma saia.
  18. 18. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 19 — Sim — ele pronuncia indistintamente, olhando para mim maliciosamente. — Você se parece com Britney Spears. — Sério? — eu pergunto, satisfeita ao contrário do que eu imaginava. Então me ocorre que Britney passou por vários estágios de atratividade e me pergunto se ele quis dizer que eu pareço a Britney Gostosa ou a Não Tão Gostosa Britney, eu considero perguntar a ele para esclarecer, mas não tenho certeza se posso suportar a resposta. Ainda assim, ninguém nunca me disse que eu pareço uma celebridade. Na verdade, uma vez Jocelyn tentou me jogar para esse cara da internet e a primeira coisa que ele me perguntou foi qual era a celebridade que eu parecia. E eu disse a ele — Ninguém, eu pareço comigo mesma — o que, você sabe, era definitivamente meio chato. Porque mesmo que eu NÃO me pareça com uma celebridade, eu podia ter inventado algo ou apenas ter dado uma vaga ideia, como, Bem, eu tenho cabelo preto longo como Rachel Bilson, ou algo assim. Não que isso fosse funcionar de qualquer forma. O relacionamento com o cara da internet, eu quero dizer. Ele me disse que a celebridade que ele se parecia era Jake Gyllenhaal e eu nem mesmo perguntei isso a ele. Ele apenas respondeu voluntariamente. O que significava que ele estava morrendo para me contar, o que significava que ele era totalmente convencido. (Na verdade, eu provavelmente poderia lidar com um pouco de vaidade, mas eu acho que estava apenas assustada porque não há nenhum modo de eu me sentir confortável em sair com um cara que se parece com Jake Gyllenhaal. Isso não seria bom para a minha auto-estima). — Sim — B. J. diz. — Você se parece com Britney. — Ele levanta a mão e me cutuca na barriga. — Exceto pelo abdômen. — Seu rosto cai. Tudo bem então. — Hum, Britney tem filhos — eu digo. — E então seu abdômen, eu tenho certeza, está pior. — Ele considera isso, acena com a cabeça e depois lambe minha perna. Nojento. — Ok, você precisa parar com isso. — Eu tiro minha perna e tento acordá-lo, mas era mais difícil do que parecia. Apesar de estar vestido como um anão e ter andado de joelhos por toda a noite, B. J. tem 1,90m de altura e pesa provavelmente quase noventa quilos. Ele é pesado. Eu olho em volta procurando Jocelyn, mas não consigo encontrá-la em lugar nenhum. Típico. Ela me implora para vir à festa e depois me deixa no momento crucial, isto é, quando eu tenho um anão-duende grudado em minha perna. — Pare! — eu ordeno, me perguntando se eu poderia cravar o salto do meu sapato na barriga dele sem realmente machucá-lo. — Por quê? — ele pergunta. — Eu estou te ajudando com seu fetiche sobre anões. — Ele lambe minha perna de novo. Oh, eww. — Eu NÃO tenho fetiche com anões! — eu digo mais alto dessa vez, esperando que minha mudança de volume o ajudasse a entender a mensagem.
  19. 19. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 20 — Ainda não. — Ele sorri para mim e eu estou prestes a cravar meu salto em sua barriga, sem me importar se isso causará danos permanentes ou não, quando Jordan Richman sai da multidão e levanta B. J. pelos cotovelos. — Tudo bem, sortudo — ele diz, removendo B. J. da minha perna, balançando-o e colocando-o numa posição seguramente distante. Oh, graças a Deus. Jordan deve ser realmente muito forte para conseguir levantar B. J. daquele jeito. Embora, quando ele o sentou novamente, B.J. ficou mole e caiu no chão, então talvez ele estivesse tão bêbado que não importava quão grande ele fosse. Tipo como quando você está na água, seu peso não importa. Talvez seja o mesmo quando você está bêbado. — Eu acho que já chega. — Qual é, cara? — B. J. pergunta a Jordan. Ele sorri para ele e reajusta o gorro verde em sua cabeça. — Nada — Jordan diz parecendo levemente entretido, — mas você não pode sair por aí transando com as pernas das pessoas. Ele rola os olhos. — Eu não estava transando com ela! — B. J. diz, ofendido. — Eu sou um anão. — Você não é um anão — eu digo, antes que eu pudesse me impedir. — Você está vestido como um duende. E eles não são mais chamados de anões, eles são chamados de pessoas pequenas. — Jordan sorri para mim. — Eu sou uma pessoa pequena, então — ele diz, soando animado. — Mas, sério, quem se importa? Eu estou tão bêbado que não importa. — Não é uma festa à fantasia — eu aponto. — Eu sei — B. J. diz tristemente. — Mas Madison disse que ela usaria seu uniforme de líder de torcida. — Mas ela não está usando — Jordan diz. Eu não entendo o que o uniforme de líder de torcida de Madison tem a ver com estar em uma festa à fantasia, mas eu sabia o suficiente para perceber que eles estavam falando de Madison Allesio. Parece que Jordan e ela são amigos. Há esse crescente rumor de que ela gosta de fazer sexo oral com Kool-Aid12. Algo do tipo, uh, diferentes sabores para garotos diferentes. Totalmente nojento, o que parece meio que o tipo do Jordan. Não que eu o conheça tão bem. Nós estamos na mesma turma de matemática e só. Mas uma vez eu o ouvi dizer no corredor antes da aula, discutindo com uma garota. Algo sobre como ela precisava parar de segui-lo por aí. E então ela disse que ele não poderia ter transado com ela se ele não queria uma namorada. Isso foi na verdade meio que um 12 Uma bebida.
  20. 20. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 21 escândalo da turma de matemática, porque a turma toda pôde ouvir tudo o que estava acontecendo. Finalmente, eu acho que ele apenas entrou na sala de aula enquanto ela gritava. Eu não pude ver a garota, mas depois eu descobri que era essa caloura chamada Katie Shaw e então eu realmente não me senti tão mal sobre a coisa toda, porque eu sei que, de fato, que ela transa com vários caras – incluindo Lloyd, com quem ela foi para a terceira base num cinema. De qualquer forma, a questão é, eu não estou surpresa que Jordan e Madison sejam amigos. Ele aparentemente gosta de garotas que crescem em transas e dramas. — Eu não ligo a mínima. — B. J. dá de ombros. — Eu sou um duende. E duendes. Têm. Sorte. — Ele bombeia suas mãos no ar num gesto de levantar o telhado. — Além disso — ele continua, sorrindo, — Britney gosta. — Ele sorri para mim de novo e depois ginga em seus joelhos. — Desculpe-me por isso — Jordan diz, sorrindo timidamente. — Ele fica louco quando está bêbado. Mas ele não faria nada. — Tudo bem — eu digo, me sentindo estúpida. — Aqui — ele diz, tirando um lenço de papel de seu bolso e o estendendo para mim. — Obrigada. — Eu seco a saliva de B. J. da minha perna e verifico minha pele para me certificar que não está ferida, ao mesmo tempo procuro em meu cérebro por doenças que podem ser transmitidas por mordidas. Eu não consigo pensar em nenhuma. Doença de Lyme13, talvez? Mas eu não acho que você possa pegá-la de outras pessoas, apenas de carrapatos. Eles deveriam concentrar em doenças transmissíveis por mordidas nas aulas de saúde, pois aparentemente tenho mais chances de ser mordida do que de perder minha virgindade. — De qualquer forma, é Courtney, certo? — Sim — eu digo, surpresa por ele perguntar. Ele devia saber meu nome. Nós estivemos na mesma turma de matemática avançada por quatro anos. Ele sorri para mim, seus olhos brilhando. — Desculpe, isso foi fraco. Eu sei o seu nome. Eu só tentava ser suave. Eu ri e ele também. — Você está aqui sozinha? — ele pergunta, olhando em volta. — Não — eu digo rapidamente, para que ele não pense que eu sou uma perdedora completa. — Minha amiga Jocelyn está aqui em algum lugar, mas eu perdi seu rastro. 13 A doença de Lyme é uma doença causada pela bactéria espiroqueta Borrelia burgdorferi, transmitida por carraças.
  21. 21. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 22 — Sim — ele diz. — Eu tentei manter um olho em B. J. quando ele começou a beber, mas é difícil com tantas pessoas aqui. — Eu posso imaginar — eu digo, tentando pensar em algo legal para dizer. Não que eu esteja interessada nele ou algo assim. Eu quero dizer, ele é fofo o suficiente, mas não é por isso que eu não consigo pensar em nada legal para dizer. Eu apenas tenho um problema com pequenas conversas. Minha amiga Jocelyn diz que eu sou muito quieta. Mas não é verdade. Eu apenas tenho a tendência a ficar assim com pessoas novas porque não gosto de falar primeiro. E se a outra pessoa não quiser ser incomodada? Eu me perguntei se devia perguntar ao Jordan se ele sabia que tipo de doenças podem ser transmitidas através da saliva. — Seja como for, você quer dançar? — ele pergunta, gesticulando para um lado da festa, onde todos estavam dançando um remix das 40 mais tocadas. — Oh, não obrigada — eu digo, tentando não parecer chocada. De jeito nenhum eu vou dançar nessa festa. Se algum dia ele me vir dançar, ele saberá por que. Eu não sou uma boa dançarina. Eu gosto de dançar, eu só não sou muito boa com isso. Eu gosto de manter minha dança confinada em meu quarto, onde eu posso fingir ser Christina ou Rihanna sem ninguém observando. — Oh — ele diz, parecendo confuso. Provavelmente nenhuma garota negou-se a dançar com ele antes. Ele olha para mim e eu percebo que ele espera uma explicação, algum tipo de razão para eu não querer dançar. — Eu dançaria — eu digo rapidamente, esperando que ele não pensasse que eu sou uma idiota e/ou partisse. Não é que eu esteja adorando falar com ele ou algo assim, mas eu não queria ser a única perdedora na festa que não estava falando com ninguém. Foi assim que eu acabei interpelada por um duende. — Mas minha perna está meio machucada. — Essa era uma mentira total. Além do fato que toda vez que eu penso no que acabara de acontecer, sinto minha perna meio nojenta, eu me sinto bem, na verdade. Quero dizer, B. J. não me mordeu nem nada. Ele só meio que me babou. O que era, você sabe, desagradável e tudo o mais, mas não machucava. — Oh, desculpe — Jordan diz, parecendo honestamente preocupado. O que me fez sentir mal. Mas eu prefiro lidar com a culpa de mentir sobre uma condição médica a lidar com a humilhação de ter que dançar na frente de todos aqui. — Você acha que precisa ir ao médico ou algo assim? — Oh, não, eu não acho que esteja tão ruim — eu digo, — mas eu provavelmente não deveria, uh, dançar ou algo assim. — Ok — ele concorda. Ele manteve-se procurando por cima dos ombros por algo (alguém? B. J.?), o que é meio distrativo.
  22. 22. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 23 Houve uma pausa e eu tomo um gole da minha soda num esforço para parecer ocupada. Eu finalmente localizo Jocelyn do outro lado da sala, onde ela está sentada num sofá de couro gigante, conversando com um cara diferente do outro pelo qual ela originalmente me deixou. Ela me olha e ergue a sobrancelha, tipo, Qual o problema? Eu tento telegrafar de volta, Absolutamente nada! Mas ela me dá um olhar de Sim, certo. Eu sei que ela está pensando em Lloyd. — Ei — Jordan diz, olhando em volta novamente. O que ele está procurando? Talvez ele perdeu algo. Ou talvez alguém roubou algo dele e agora ele está procurando por quem quer que levara. Ou talvez ele queira se certificar que seu amigo anão esteja bem. — Como está sua perna agora? — Bem, obrigada — eu digo sem pensar. — Bem melhor. — Ótimo — ele diz. — Recuperação milagrosa. — Ele tira da minha mão a bebida que estava segurando e a coloca na mesa próximo a nós. — Então você pode dançar. — Oh, não — eu digo em pânico. — Eu não acho que estou pronta para isso. — Colocar um mix de iTunes de Destiny’s Child e dançar no seu quarto enquanto finge ser a Beyoncé é uma coisa. Realmente dançar na frente de pessoas da escola é outra coisa. E mais, e se eu ficar toda suada ou cair ou algo assim? E então depois, Lloyd falaria, Você sabe o quê, Courtney? Eu sairia com você, exceto que nessa noite eu vi você parecendo uma coisa desajeitada e suada. Eu terei que dispensá-la. Eu não acho que esteja preparada para arriscar minha chance de felicidade com Lloyd em uma dança. — Qual é? — Jordan diz, pegando minha mão. — Você vai ficar bem. — Ele olha para mim e sorri, e eu hesito. — Eu não sei dançar — eu confesso, optando pela verdade. — Eu serei gentil — ele promete e antes que eu pudesse protestar, ele me arrasta para a pista de dança.
  23. 23. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 24 Courtney - A Viagem Dia Um, 09h02 — Então — digo, colocando o cinto de segurança e me acomodando no carro. — Agora que estamos completamente atrasados e vamos perder a orientação... — deixo a frase no ar, esperando que ele reconheça seu erro. Seu erro, você sabe, que vamos perder a orientação e acabar nos dando mal na faculdade por causa disso. Quem sabe o que poderia acontecer se não tivéssemos orientação? Poderia ser ruim. Poderíamos acabar perdidos e confusos por quatro anos, destruindo nosso futuro porque perdemos algumas informações vitais que foram passadas exclusivamente durante a orientação. — Não vamos perder a orientação — diz ele, puxando o espelho retrovisor para baixo e verificando seu reflexo. — Oii? Poderia gastar menos tempo se arrumando e mais tempo, tipo, realmente dirigindo? — seu cabelo está uma bagunça. Desgrenhado, como se acabasse de sair da cama. Na verdade é meio que bonitinho. Mas eu não vou perder a faculdade só porque ele não teve tempo de arrumar o cabelo. Ou porque é bonitinho. Já perdi bastante do meu amor próprio. — Tipo, tudo bem — diz ele, fazendo uma imitação muito boa da minha voz. Ele sorri e puxa os óculos de sol que está em sua cabeça para os olhos. Liga o carro, que estala e para, e eu olho para ele em alarme. — Brincadeira — diz. Ele pisca e dá partida no carro. Ugh. Que besta! Como ele pode brincar em um momento como este? Quer dizer, mesmo se ele não está preocupado pelo fato de que vamos perder nossa orientação, ele ainda deveria estar afetado de que estamos indo nesta viagem e que nós terminamos. Há silêncio por alguns minutos enquanto ele sai da entrada da minha casa. Coloco a mão na minha bolsa e tiro meu livro, determinada a ignorá-lo. Estou lendo O Apanhador no Campo de Centeio pela milionésima vez, pensando que ele é: 1. engraçado; 2. sobre um menino que enlouquece, então não me sinto tão mal sobre mim mesma, e;
  24. 24. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 25 3. não vou ter que me preocupar com compreendê-lo, desde que eu já o li um milhão de vezes. Eu me afundo mais no assento e o empurro para trás. — O que está lendo? — Jordan pergunta educadamente. — Como se você se importasse — bufo. Eu não acho que já tenha visto Jordan pegar um livro em sua vida. Eu alcanço e diminuo o volume do CD player do carro, que estava tocando algum tipo de rap ridículo. — Não posso me concentrar no livro. Ele dá de ombros. — Ei — digo, ao perceber que ele não está dirigindo pelo caminho certo. — Você não está indo pelo caminho certo. — Oh — diz ele. — Sim, eu sei. Pensei que poderíamos pegar café da manhã. — Ele diz isso como se não soubesse que vai me irritar, o que me irrita ainda mais do que se ele tivesse dito em tom de desculpas. — Mas eu tenho uma programação — digo, tentando não começar uma briga tão cedo no jogo. A última coisa que quero é tirá-lo do sério. — E já estamos atrasados. — Mas estou com fome. — Bem, você deveria ter comido antes de sair — digo. Se ele não estava tomando café da manhã, então o que estava fazendo? — Eu te disse — ele diz, — estava arrumando minhas coisas. — Bem, não importa — digo. — Você deveria ter planejado corretamente. — Olha, podemos parar bem rápido no Johni's Dinner — ele diz. — Podemos pegar a rodovia dali mesmo, e nem vamos sair muito do nosso caminho. — Sim, mas já estamos atrasados — digo, agitando o itinerário na frente de seu rosto. — Assim, nós devíamos, na verdade, tentar ganhar tempo, não ficar mais atrasados. — Olha, se a gente não parar agora, só vamos ter que... — o som de seu celular toca, o interrompendo. Ele o programou para tocar Sir Mix-a-Lot's Baby Got Back, que é muito brega, porque essa música é muito 1999. E ele nem mesmo gosta de bundas grandes. Acho que não. A menos que eu tenha uma bunda enorme e não saiba disso. Ele checa o identificador de chamadas brevemente e depois abre o telefone. Ele tem um daqueles telefones que também é um mini computador e reprodutor de mp3. É claro. Seus pais compram tudo para ele.
  25. 25. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 26 — Ei — diz no fone, olhando para mim pelo canto do olho. Ele me pega olhando para ele, e eu me viro, me esticando até o banco de trás. Eu remexo em uma das minhas bolsas pelo CD que gravei ontem à noite. — Não, já estamos a caminho — diz Jordan, soando tenso. Provavelmente é sua garota do MySpace. Não sei exatamente o nome dela, ou qualquer coisa sobre ela, mas isso não é por falta de tentar. Eu procurei seu perfil no MySpace dele obsessivamente, mas não consegui encontrar nada. Você pensaria que ela teria deixado um comentário para ele ou algo assim, certo? Mas logo pensei que talvez ele tenha imaginado que eu iria procurar, então ele disse a ela para não deixar. Ou os deletou. E então, justo quando eu estava começando a realmente ficar obcecada, ele mudou a idade de seu perfil para 14, assim ninguém podia vê-lo. MySpace tem essa regra, onde se você tem catorze ou menos, seu perfil automaticamente fica privado, e somente as pessoas que você tem como amigo pode vê-lo. Então Jordan mudou sua idade e depois me tirou da sua lista de amigos! O que foi realmente uma coisa horrível de se fazer quando você pensa nisso, porque foi, tipo, um verdadeiro ato de agressão. Quer dizer, uma coisa é me deixar por outra garota, mas me bloquear no MySpace? Isso é grosseiro. Ele me bloqueou no MSN também. E eu nem mesmo podia ir e inventar um nome falso, porque ele tinha todos que não estavam em sua lista de amigos bloqueados. Mas sei que ela é de Tampa14 (a nova garota, quero dizer), e que ela vai pra Faculdade de Boston. Que supostamente é como ela o encontrou. Ela estava procurando perfis de MySpace das pessoas que iam para a faculdade de Boston. Estou surpresa que ele não tenha oferecido a ela uma carona. Como eu imagino a nova namorada de Jordan (Uma Ilusão Psicótica, por Courtney Elizabeth McSweeney): 1. Ela é loira. Eu tenho cabelo escuro e pele clara. (Apesar de viver na Flórida, eu tenho a tendência de queimar quando me sento no sol, o que é uma droga, porque todo mundo na escola está sempre bronzeado. Pelo menos em Boston, não vou ter de me preocupar com isso.) Ela também tem olhos azuis e pele escura. Ela se parece com uma daquelas meninas do Laguna Beach15. Não tenho ideia do porque acho isto, porque uma vez estávamos assistindo Laguna Beach juntos e Jordan me disse que pensava que todas as garotas desse programa pareciam iguais. Suponho que esse é o porquê imagino que ele me deixaria por alguém que era totalmente meu oposto, e isso inclui fisicamente; 2. Ela tem uma tatuagem de uma borboleta ou algum tipo de desenho rosa na parte inferior das costas. E usa muito jeans de cintura baixa; 3. Ela gosta de música pop, e adora ir dançar. Em minhas fantasias alucinadas, ela e Jordan estão sempre indo para farra. Ela é também um dos piores tipos de meninas, dessas 14 Cidade do estado da Florida. 15 Laguna Beach foi um reality show americano que documentava a vida de diversos adolescentes em Laguna Beach, Califórnia.
  26. 26. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 27 que todos os caras querem e ficam babando, mas é completamente digna de confiança e nunca faz nada por trás das costas de seu namorado; 4. Ela é rica; 5. Ela não é virgem, e ela e Jordan fazem por todo o lugar. De fato, ela quer fazer tantas vezes que Jordan nem mesmo consegue acompanhá-la. Ele está cansado o tempo todo. Ela sempre está arrancando as roupas e se atirando nele. Acho o CD na minha bolsa e mexo ali um pouco mais, tentando fazer de conta que estou procurando algo mais. A última coisa que quero é ele achando que estou escutando sua conversa com Mercedes (imagino que seja o nome dela), apesar de ser totalmente o que estou fazendo. — OK, legal — diz ele. Fecha o telefone e o deixa cair no console, entre nossos assentos. Eu mexo um pouco mais, me perguntando quanto tempo era o bastante para virar de volta sem ser óbvia. Pelo menos não disse, eu te amo, quando desligou. Embora talvez eles geralmente digam, mas ele não quis dizer isso na minha frente, já que temia que eu ficasse psicótica com ele ou algo assim. O que eu não teria feito. Ficar psicótica, quero dizer. Pelo menos não em voz alta. — O que está procurando? — pergunta ele. Embora possa ser um pouco cedo demais para eles estarem dizendo eu te amo um ao outro, não é? Quer dizer, eles só estão juntos há duas semanas. O pensamento de Jordan dizendo, eu te amo para outra garota me faz sentir como se quisesse vomitar. Eu me sento de volta rapidamente, segurando o CD. — Isso — digo a ele. Então meu telefone começa a tocar, e eu o ignoro, por que: 1. Acho que é rude falar pelo telefone celular quando você está no carro com alguém, e como quero me reservar ao direito de dar um sermão em Jordan sobre isso no futuro, não acho que eu deva ser hipócrita agora; 2. É provavelmente Jocelyn, chamando para me perguntar se estou bem, e ela vai fazer um milhão de perguntas, e não serei capaz de falar realmente com ela, porque só vou ser capaz de dar respostas monossilábicas, como sim e não e Jordan, obviamente, vai saber que estamos falando dele, caso contrário, porque eu estaria dando respostas monossilábicas? I Will Survive de Gloria Gaynor vem do meu telefone, e eu me xingo por não trocar meu ringtone antes desta viagem. Tão ridiculamente estúpido. Procuro pela minha bolsa o telefone, mas na hora que o encontro, ele para de tocar. E então começa novamente. — Vai atender ou o quê? — Jordan pergunta, parecendo irritado.
  27. 27. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 28 — Sim — digo, — como, aliás, eu estou. — O que não faz sentido, porque cinco segundos atrás eu não ia atender, mas isso foi antes de I Will Survive sair do meu telefone, e agora eu quero que Jordan pense que estou bem, e que eu realmente gosto de música dos anos setenta. E sei que atender ao telefone vai aborrecê-lo, o que eu realmente, realmente quero fazer. Essa viagem está me deixando mentalmente exausta, e nós ainda nem cruzamos as linhas estatais. — Olá! — digo animadamente, sem verificar o identificador de chamadas. — Courtney? — Lloyd pergunta, soando como se acabasse de acordar. — Ei — eu digo, meu coração afundando. Loyd vai fazer ainda mais perguntas do que Jocelyn faria, e não há nenhuma maneira de que ele vá me deixar sair com respostas de sim ou não. Não é que Lloyd seja intrometido por natureza, nem nada. É só que ele vai estar super preocupado com o que está acontecendo comigo e Jordan. — Pensei que você me ligaria antes de sair — diz ele, bocejando. — Eu ia — digo, — mas era tão cedo, pensei em te deixar dormir. — Então, como vai? — pergunta ele. — Está no carro? — eu aperto o botão para baixar o volume no meu telefone, assim Jordan não será capaz de ouvir qualquer coisa da parte da conversa de Lloyd. Quem sabe que tipo de coisas constrangedoras ele estará propenso a dizer. — Hm, ahãm — digo, — estou. — Olho para Jordan do canto do olho. Ele está olhando para frente, suas mãos agarrando o volante. — Ele está agindo como um idiota? — Lloyd pergunta. — Uh, não, não realmente — digo, enquanto Jordan se estica e aumenta o volume do CD player em uns cinco níveis, tornando extremamente difícil ouvir Lloyd por cima do rap. — Provavelmente seja um pouco difícil para você falar agora, hein? Com ele aí e tudo mais? Você acha? — Sim, mais ou menos. — OK, bem, me ligue de volta mais tarde. Quando você estiver em uma parada de descanso ou algo assim. — Eu vou — prometo. Lloyd hesita, como se quisesse dizer outra coisa, mas então desliga.
  28. 28. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 29 — Pode, por favor, parar com esse rap? — digo, fechando meu celular e o deslizando de volta na minha bolsa. — Era Lloyd? — pergunta Jordan, tentando parecer indiferente. Ele nunca gostou de Lloyd, principalmente porque no espírito de total honestidade da relação, uma vez cometi o erro de dizer a Jordan sobre a queda gigantesca que eu costumava ter por Lloyd. Tenho. Tive. Merda. A coisa é, a primeira noite que Jordan e eu saímos, eu estava pronta para dizer a Lloyd que estava a fim dele desde o ensino fundamental. E então algumas, uh, circunstâncias se puseram no caminho, e as coisas não saíram exatamente conforme o planejado. Mas então, Jordan teve que ir e me deixar por essa garota estúpida da internet, e Lloyd estava sendo tão solidário sobre a coisa toda, e aí na noite passada quando Lloyd e Jocelyn se aproximaram para dizer adeus, eu estava ficando toda nostálgica, e comecei a pensar como as coisas teriam sido se nunca tivesse conhecido Jordan. Você sabe, se Lloyd e eu tivéssemos acabado juntos. O que foi uma coisa realmente estúpida de começar a pensar, já que nunca se deveria começar a pensar no que poderia ter sido, e também nunca se deveria começar a pensar em outro menino quando você está arrasada com algum outro. Embora Jocelyn diga que a única maneira de esquecer alguém é ficar com alguém mais. Então comecei a pensar que talvez isso fosse verdade, e talvez eu precisasse ter encontros só para conseguir aquele jerk16 fora do meu sistema, porque, vamos enfrentar, Jordan foi meu primeiro namorado de verdade, e quem termina com seu primeiro namorado de verdade? Sim, ninguém. De qualquer forma, para encurtar a história, eu estava me sentindo nostálgica e Jocelyn foi embora mais cedo porque deveria ter o carro de sua mãe em casa lá pelas onze, e então era apenas Lloyd e eu, e logo antes de ir ele me deu um abraço de despedida, e eu o beijei. Eu sei. E então, em vez de se afastar, ele me beijou de volta, e isto se transformou em uma grande sessão de amassos, e quando ele foi embora, comecei a chorar, porque acabou que: 1. ficar com Lloyd foi estranho, e de modo nenhum como pensei que seria; 2. eu deveria ter ficado com ele antes, porque talvez então, e eu o teria superado bem antes; 3. acontece que a melhor maneira de esquecer alguém NÃO é ficar com outra pessoa, porque depois que Lloyd foi embora, senti falta de Jordan mais do que nunca. De qualquer jeito, agora é totalmente estranho, porque não sei o que vai acontecer em seguida. Especialmente desde que Jordan e eu pretendemos parar na Carolina do Norte amanhã para visitar Lloyd (ele está tomando um voo para CN ainda hoje), e o irmão de Jordan, Adam, que também vai para a escola em Middleton. Acho que em algum 16 Jerk quer dizer tanto “idiota” como “arrancar/puxar”, então ela faz esse joguinho com a palavra jerk dizendo que ela quer “aquela arrancada/ aquele puxão” fora do sistema dela, ao mesmo tempo se referindo a “aquele idiota”
  29. 29. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 30 momento Lloyd e eu vamos ter que conversar sobre a gente ter ficado, o que vai ser estranho. Ou talvez nós apenas nunca mencionemos isso de novo. Coisas assim acontecem o tempo todo, certo? Pessoas ficam, e logo percebem que foi um erro, e uma vez que seria muito estranho falar sobre isso, simplesmente não falam. — O que Lloyd está fazendo acordado tão cedo? — Jordan pergunta, sorrindo afetadamente. — Nada — eu estalo. Aperto o botão no estéreo e tiro o CD que está no player, que tem Gangsta Mix do Jordan escrito nele com marcador preto. Reviro os olhos e o substituo por meu CD. Wide Open Spaces das Dixie Chicks enche o carro, e Jordan revira os olhos. — Acostume-se com isso — digo, voltando para o meu livro. — Estamos escutando country. — Meio a meio — diz ele, sorrindo. — A música nesta viagem será meio a meio. — Ceeerto — eu digo. — Assim como nosso relacionamento, né? Ele não diz nada, mas quando passamos pela lanchonete, ele continua dirigindo.
  30. 30. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 31 Jordan - Antes 125 Dias Antes da Viagem, 21h53 Courtney McSweeney está se esfregando em mim como estivesse em um vídeo número um do TRL. Chego ao redor e a puxo para mais perto de mim, nossos corpos se balançando ao som da música. Ela parece surpresa, mas pressiona seu corpo mais forte contra o meu. Ela é sempre tão tranquila em matemática. E definitivamente não se veste assim na escola. Pego o olhar de Madison do outro lado do cômodo e rapidamente olho para outro lado, como se eu tivesse esquecido quem é ela. Não estou sendo um idiota. Bem, ok, talvez esteja, mas isto é só um meio para o fim. O fim, é claro, conseguir Madison ficando comigo. — Ei — digo, me afastando de Courtney. — Quer uma bebida? — ela empurra o cabelo para longe do rosto e sorri. — Claro. — Ela se dirige para onde os coolers estão e eu a sigo. Sério, ela realmente não se veste assim na escola. Estou tendo um momento bem difícil em não encarar sua bunda. — O que quer beber? — pergunto, buscando em um dos coolers. O gelo deixa minhas mãos frias. — Tem refrigerante, cerveja... e é isso. — Vou tomar uma cerveja ― diz ela, soando insegura. Torço a tampinha de uma Corona e entrego a ela. Ela toma um gole. — Então — eu digo. A música está meio alta, e de repente percebo que agora vou ter que ser espirituoso e encantador para que Courtney pareça se divertir, assim fazendo Madison achar que estou flertando com ela. — Então — diz ela. Ela mexe com a borda de sua cerveja e olha para seus sapatos. Ótimo. Tão sociável esta garota. — Já começou a tarefa de matemática? — pergunto a ela, achando que é um assunto seguro. — Sim, na verdade já terminei — diz ela. Levanto minhas sobrancelhas e ela ruboriza. ― Só porque essa é a nota que estou preocupada. — Sério? — franzo o cenho. — Como assim?
  31. 31. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 32 — Cálculo está me fazendo escorregar por alguma razão — diz ela. — Então tento terminar minhas coisas mais cedo, e então mando meu amigo Lloyd revisar. Ele é um gênio total da matemática. — Parece que sim, com um nome como Lloyd — bufo. Não estou tentando ser mesquinho, só engraçado, mas ela parece magoada. — Uow — digo. — Só brincando. — Está tudo bem — diz ela, olhando para longe. Pego o olhar em seu rosto, porém, o que me faz pensar que ela está, provavelmente, dormindo com ele. Ou gostaria que estivesse. — De qualquer forma — ela continua, — eu tenho que manter minha média em matemática alta, então me asseguro de terminar as tarefas mais cedo, assim meu amigo tem tempo de revisá-las. — Qual é o grande problema? — pergunto. — Você está na lista de espera ou algo assim? — todo mundo sabe que as notas que estamos recebendo agora realmente não têm efeito sobre o que acontece conosco. Até agora, as aplicações para as faculdades estão finalizadas e enviadas, e você está dentro ou não está. É surpreendente que alguém vá para a aula. Tomo mais um gole da minha cerveja e tento fingir que não percebo Madison me observando. — Não — diz ela. — Vou para Universidade de Boston. — Não brinca — eu digo, — eu também. — De repente tenho um pensamento horrível. ― Eles estão verificando as notas do nosso último ano? — Não sei — diz ela. — Só estou nervosa por causa dessa coisa com o garoto da UNC17. — Dou um olhar em branco. Ela suspira. — Aquele garoto da UNC, não ouviu falar? Ele foi aceito e logo totalmente ignorou todas suas aulas. Eles retiraram sua aceitação desde que suas notas ficaram bem ruins. — Tenho certeza que eles só tentavam fazer dele um exemplo — digo. — Quer dizer, sério. Eles não vão te expulsar da BU18 só porque sua nota em matemática é ruim. — Não tenho certeza se é verdade ou não, mas ela me parece do tipo que se preocupa com cada pequena coisa. E não posso a deixar parecer transtornada. Preciso parecer feliz, e como se eu estivesse bem perto de entrar em suas calças, o que assim, me deixará muito mais perto do meu objetivo principal, que é Madison. — De qualquer maneira — digo, decidindo que é hora de começar a fazer meu movimento. — Você é gatinha demais. Tudo o que tem que fazer é enviar a eles uma foto, e tenho certeza que eles não vão se importar se você se der mal em cálculo. — Ela ruboriza e eu a alcanço e toco seu braço. Com o canto do olho, vejo Madison deixar sua bebida e começar a se aproximar de nós. Sim. Missão cumprida. 17 UNC: University of North Carolina- Universidade da Carolina do Norte. 18 Boston University- Universidade de Boston
  32. 32. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 33 Antes que chegue aqui, porém, um cara usando uma camisa pólo listrada – alguém ainda realmente usa camisa pólo? – se aproxima de Courtney. — Ei — ele diz, tocando seu cotovelo. — O que está acontecendo? — Ei Lloyd — ela diz, seu rosto iluminando. Ah, o infame Lloyd. Ele parece como se fosse bom em matemática. Mas o que ele está fazendo aqui? Quer dizer, além de obviamente estar na festa. Madison pega sua bebida de volta e finge não olhar para mim. Merda. — Quem é esse? — Lloyd pergunta, me avaliando. — Este é Jordan — diz Courtney. — Ele está na minha sala de matemática. — Ele está na minha sala de matemática? Que tal eu só estava me esfregando nele como se não tivesse conseguido nada em meses? É bom saber onde estão suas lealdades. Tomo mais um gole da minha cerveja. — Ei — diz Lloyd, me olhando. — O que está rolando? — Não muito, cara — digo, me perguntando quando ele vai sair. Ele está estragando o plano. Tento parecer entediado em um esforço para fazê-lo ir embora. Não funciona. — Eu ainda tenho que te dar uma carona para casa, certo? — pergunta ele a Courtney, me olhando pelo canto do olho. Qual é o problema desse cara? Ele parece como se estivesse a um segundo de bater um taco de beisebol nos meus joelhos. Ou querendo fazer. Eu me pergunto se é assim como começam os seriais killers. Não era o Unabomber19 muito bom em matemática? — Certo — Courtney diz, lançando um olhar para mim, também. Tomo mais um gole da minha Corona. Ei, eles não têm que se preocupar por mim. A última coisa que preciso é ela esperando que eu a leve para casa. Como eu disse, ela é bem bonitinha, e seu corpo de matar, mas tenho a vista em algo mais. — Então, George, você é do penúltimo ano? — Lloyd pergunta, e eu reviro os olhos. Que joguete. Conheço caras como ele. Caras que mantém um monte de garotas ao redor, provocando-as, mas nunca realmente saindo com elas. Inclusive eles ficam zangados se alguém mais tenta fazer um movimento. O que eu não estou tentando fazer. Mas quando ele me chama de George, quase quero, já que eu sei que ele sabe meu nome. Um comentário não-tão-sutil. Legal, Lloyd. — Estou no último ano — digo, e deixo por isso mesmo. Há um silêncio embaraçoso. 19 Theodore John Kaczynski, mais conhecido como “Unabomber” é um matemático norte-americano escritor e ativista político, condenado a prisão perpétua na sequência de uma série de atentados à bomba.
  33. 33. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 34 — Então, ouça — digo, observando Madison pelo canto do olho. — Preciso voltar para meus amigos, mas foi legal dançar com você, Court. — Com você também — diz ela, e por um segundo, quase não faço o que estou prestes a fazer. Porque ela parece uma garota legal. Mas então vejo Lloyd me dando um olhar assassino, e posso dizer que Madison está me observando, então vou em frente. Dane-se, se eu vou para o inferno, será por ficar com Kendra Carlson na festa de formatura de seu irmão no verão passado e depois nunca ligar para ela de novo. — Então, posso pegar seu número? — digo, tentando parecer encabulado, como se não tivesse certeza que ela me daria. Ela parece chocada por um minuto, então eu acrescento rapidamente, — ah, me desculpe, vocês dois estão... — olho dela para Lloyd, embora eu saiba que de forma alguma eles estão juntos. Os olhos de Lloyd escurecem. Isso é o que você consegue por me chamar de George, Garoto Pólo. — Hum, não — diz Courtney, parecendo ainda mais confusa. — Não, eu não posso ter seu número? — digo, sorrindo para ela novamente. — Não, não estamos juntos — diz ela, mais vigorosamente desta vez. — E sim, você pode ter meu número. — As sobrancelhas de Lloyd se levantam pela surpresa. Será que ele realmente achava que ela ia dizer não só por causa dele? É óbvio que ela quer ele, mas qual é. Ela não está tão desesperada assim. Qualquer garota que dança do jeito que ela dança não vai ficar sentada esperando por um cara chamado Lloyd. Courtney toma uma caneta e papel da pequena bolsa presa ao redor de sua cintura e escreve seu número. Faço um grande show ao colocá-lo na minha carteira, apesar de não ter intenção de usá-lo. Isto é na sua maior parte para Madison me ver fazendo, embora mais tarde direi a ela que Courtney e eu ficamos em dupla para um projeto na escola, e eu só estava dançando com ela para ser agradável, e peguei o número dela para que pudéssemos trabalhar na tarefa. Ela não vai saber se é verdade ou não, mas, novamente, isso é parte da diversão. — Prazer em te conhecer, Lloyd — digo, olhando diretamente para ele. — E eu te ligo — digo a Courtney. — Mais tarde — diz ela, e penso brevemente sobre o que vai acontecer na escola na segunda-feira, quando eu me desfizer dela. Felizmente, ela se senta do outro lado da sala na aula de matemática. E não parece psicótica, o que sempre é um extra. Garotas psicóticas são um pé no meu saco. No ano passado beijei uma caloura na festa da piscina e ela não soltou minhas bolas por seis meses. Esse é o porquê minha política agora é não psicóticas, e não calouras. A coisa das calouras, obviamente, é fácil de evitar, enquanto que as psicóticas apresentam um pouco mais de problema. Não é como se as garotas andassem por aí com um sou louca estampado em seus peitos.
  34. 34. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 35 Decido me dirigir ao redor da festa pelo caminho mais longo, e me aproximar sorrateiramente de Madison por trás. Quão demais seria isso, eu fazendo com ela o mesmo truque que ela fez mais cedo? Mas quando faço meu caminho através da multidão para onde Madison e seus amigos estão, o único ali é B. J. Seu chapéu de duende está manchando de cerveja e ele está sentado no chão, parecendo desanimado. — Cara — digo, me agachando ao lado dele. — Você tá legal? — Sim — ele diz tristemente. — Eu tô legal. Só bêbado. — Que droga. — Sim — ele concorda. — Ei, você não notou onde Madison Allesio e seus amigos foram, não é? — Não tenho certeza — diz ele, com uma aparência pensativa. Ele franze o cenho, tira o chapéu de duende da cabeça, e o torce nas mãos. — Acho que disseram algo sobre ir à casa do Jeremy Norfolk. ― Merda. Jeremy Norfolk também estava dando uma festa esta noite, e, aparentemente, Madison e seus amigos se mandaram enquanto deveriam me esperar. Estou impressionado a despeito de mim mesmo, e um pouco excitado. Qualquer garota que me abandona enquanto estou no processo de deixá-la com ciúmes é quente. — Quer ir no Jeremy? — pergunto a B. J. Ele olha para mim, seus olhos vidrados e a frente de sua roupa de duende encharcada de cerveja. — Sim — acena com a cabeça. — Cara, você tá acabado — digo. — Não vai a lugar algum, a não ser para casa. Vamos lá. ― Tento ajudar B. J. a se levantar sem realmente ficar muito perto dele. De jeito nenhum quero sair com a Madison cheirando como um duende bêbado. Vinte minutos mais tarde, depois de conseguir café em um drive-thru para B. J. e levá-lo para casa, decido parar na minha casa para reaplicar minha colônia e matar um pouco de tempo. Não posso deixar Madison pensando que eu me mandei depois dela assim que percebi que ela tinha ido embora. Há um carro desconhecido na entrada. Meu pai está fora da cidade, então assumo que é um dos clientes de minha mãe – ela é uma advogada, e às vezes quando está no meio de um caso grande, leva clientes para casa. Abro o porta-luvas e tiro um chiclete, estourando-o na minha boca só no caso de eu cheirar a álcool. Só tomei umas duas cervejas, mas a última coisa que preciso é parecer embriagado e desordeiro na frente da minha mãe e um de seus clientes. — Mãe! — eu chamo, me movendo pelo vestíbulo, e tentando calcular quanto tempo minha mãe estaria de pé e trabalhando. Ela tem um sono pesado, e nossa casa é
  35. 35. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 36 grande o suficiente para que se minha mãe estiver dormindo, eu totalmente poderia trazer Madison aqui comigo mais tarde. — Estou em casa. Ouço um pouco de tumulto e sussurros vindos da sala de estar. Viro a esquina, e é aí quando vejo. Minha mãe. No sofá, com sua blusa desabotoada. Tem um cara ao lado dela, SEM a camisa. E não é meu pai. Por um segundo, eu só fico ali. — Jordan — minha mãe diz, ajeitando o cabelo. Ela fecha a blusa. — Não pensei que você estaria em casa até muito mais tarde. — Obviamente — digo, avaliando o cara com quem ela está. Ele não parece envergonhado. Em vez disso, parece quase satisfeito. Ninguém se move. Só esperamos, sem dizer nada. — Tá tudo bem — digo finalmente. Eu me viro e volto para a porta. — Na verdade eu ia voltar a sair de qualquer maneira, então... ― deixo nisso, sem muita certeza do que deveria dizer. — Você não tem que ir — diz o cara. Ele se levanta do sofá. — Eu já estava saindo de qualquer maneira. — Eu sei que não TENHO que ir — digo, me virando, — eu moro aqui. — Jordan... — minha mãe começa, mas me viro em meus calcanhares e saio para o meu carro. Bato a porta da minha caminhonete e subo o volume da música. Alto. Sento ali por um segundo, esperando minha mãe vir correndo atrás de mim, para explicar, para me dizer que foi um estranho mal entendido. Mas ela não vem. Depois de uns minutos, baixo a música e saio da entrada de casa. Não tenho ideia para onde estou indo ou o que vou fazer. Não estou mais com estado de ânimo para perseguir Madison, e B. J. definitivamente está fora de combate por essa noite. E todos meus outros amigos provavelmente estão na festa do Jeremy. Dirijo sem rumo por alguns minutos, e então me lembro do número de Courtney McSweeney, escrito em um pedaço de papel na minha carteira.
  36. 36. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 37 Courtney – Antes 125 Dias Antes da Viagem, 23h37 Então eu amarelei. Sobre contar ao Lloyd, quero dizer. Mas não foi mesmo minha culpa, porque quando nós deixamos a festa, nós encontramos Olivia Meacham do lado de fora e ela estava toda para cima do Lloyd em uma daquelas maneiras, eu estou deixando claro que você pode transar comigo se você quiser. O que eu jamais poderia compreender. Como garotas podiam fazer aquilo, quero dizer. Eu estou sempre apavorada por dar a um menino uma ideia que eu posso gostar dele, então eu compenso em demasia fingindo que eu não gosto. Como essa noite, por exemplo. Eu realmente queria dançar com Jordan. Mas eu hesitei por que: 1. Eu pensei que fosse parecer estúpida. O que eu provavelmente pareci, mas esperançosamente todo mundo estava muito bêbado para notar; 2. Eu não queria que ele pensasse que eu o queria. Porque eu não quero. Eu quero Lloyd. Mas a questão é, não importa quem seja, um cara que eu goste ou um cara que eu não goste, eu não quero que eles achem que eu gosto deles. Seja como for. Havia Olivia Meacham, usando uma saia de brim desfiada que eu experimentei uma vez em Hollister com Jocelyn e então vetei porque era muito curta, e uma frente única que mostrava sua barriga. Custou-me, oh, sei lá, cinco anos para tomar coragem para sequer pensar em falar para Lloyd que eu gosto dele. Olivia transferiu-se para nossa escola por volta do natal e três meses depois ela está praticamente fazendo sexo oral nele nessa festa. De qualquer forma, Lloyd começou a cantar Olivia e a próxima coisa que eu me lembro é que ela estava no carro conosco e Lloyd nos dava uma carona para casa. E Lloyd me deixou em casa primeiro. O que foi um pouco estranho, uma vez que ele fez toda a produção para ter certeza que eu iria para casa com ele, quando esse nem mesmo era o plano, para começar. Mas eu não sou idiota. Eu sei que você sempre deixa primeiro aquele que está segurando vela. Então aqui estou eu, em casa, sozinha e isso é uma grande decepção. Eu realmente queria contar a ele. E eu nem posso lamentar sobre isso com Jocelyn, porque ela não está atendendo seu telefone ou respondendo minhas mensagens de texto.
  37. 37. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 38 E com certeza ninguém está no MSN, porque todo mundo ou está dormindo ou saiu. Eu baixo algumas músicas do iTunes e então decido ver se Jordan tem um MySpace. Não porque eu goste dele ou algo assim. Mas porque eu estou curiosa. Jordan Richman, eu digito na barra de pesquisa e o perfil dele aparece na tela. A música que ele escolheu é, Vamos todos ficar bêbados esta noite do Afroman. Encantador. Eu rolo por suas fotos. Uma dele na escola, saindo da quadra, uma dele com seu irmão, Adam, que eu reconheço porque ele era um aluno do último ano quando nós éramos calouros. E algumas de Jordan com garotas. Sério, ele tem tipo umas dez fotos dele com garotas. As garotas não perdem a cabeça por estar na página dele com um monte de fotos de outras garotas? Eu me pergunto. Aperto o botão voltar e verifico seus amigos. 789 amigos. Completamente o tipo popular, esse Jordan. Eu tenho 117. Rolo pelos comentários. Parece que ele e Louca loucaa Madison estão flertando muito no MySpace. Eu vou e volto nos perfis deles, lendo-os. O que você está usando? Jordan perguntou a ela. Por que você não vem aqui e eu te mostro, Madison respondeu. Piada. Eles não podiam pensar em nada melhor do que isso? Que fraco. Meu celular toca e eu o pego, esperando que fosse Jocelyn me retornando. Mas o identificador de chamadas mostra um número que eu não reconheço. — Alô? — Court? — É a Courtney — eu digo, segurando o telefone com meu ombro e rolando pelas fotos de Madison, a maioria das quais a mostravam fazendo bico para a câmera e usando roupas de banho. E ela não estava na praia ou na piscina em nenhuma delas. — Ei — a voz diz, soando nervosa. — É o Jordan. — Oh — eu digo. — Hum, oi. — Eu fecho o navegador, me perguntando se de alguma forma ele viu que eu estou no seu perfil e me ligou agora para me pedir para parar de persegui-lo. — Você não estava dormindo, estava? — Não, de modo algum — eu digo. — Eu acabei de chegar em casa. — Legal — ele diz e então fez silêncio. — Então, hum, o que você está fazendo? Voltando da festa? — oh, sim, realmente ótimo. Obviamente ele está voltando da festa ou ele não estaria me ligando. É por isso que eu nunca tive um namorado. Porque enquanto outras garotas estão usando frentes únicas
  38. 38. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 39 e deixando mensagens de paquera nos perfis do MySpace dos outros, eu estou falando pérolas como, Então, hum, o que você está fazendo? — Dirigindo por aí — ele diz. — Eu deixei B. J. em casa e então ia para essa outra festa, mas não estou com humor para isso. — Legal — eu digo. — Mas por que você está dirigindo por aí à... — eu olho o relógio, — meia-noite? — Sei lá — ele diz, soando confuso. — Apenas pareceu apropriado. — Hum, ok — eu digo. — Então — ele diz. — Onde você mora? — Onde eu moro? — eu digo, caindo na cama. — Jordan, eu não posso te dizer isso! Tecnicamente, você é um estranho. — Eu não sou um estranho — ele diz. — E além do mais, se eu não souber onde você mora, eu não posso buscar você. — Me buscar? — eu digo, engolindo. — Sim — ele diz. — Para tomar café da manhã comigo. — Como você sabe que eu estou com fome? — pergunto, pensando sobre as fotos dele no perfil do MySpace e me perguntando se todas aquelas garotas receberam um convite para tomar café da manhã, também. Eu me pergunto se essa era uma daquelas competições estranhas que os garotos têm. Como essa coisa que eu li sobre os garotos da faculdade que inventam esses jogos para ver quem consegue dormir com a garota mais fantástica. Era realmente, realmente nojento. Talvez Jordan e seus amigos tenham algum tipo de competição de fotos no MySpace. Se ele acha que vai tirar uma foto nossa, ele está enganado. — Bem, você está? — Morta de fome, na verdade. — Eu estou com fome. Mas isso não significa que eu vá tomar café da manhã com ele. Quero dizer, alô? Não é assim que as pessoas são perseguidas e mortas? Elas escapam no meio da noite para encontrar algum cara sobre quem elas não sabem nada a respeito e a próxima coisa que você sabe é que ninguém mais ouve falar delas de novo. — Então está tudo resolvido — ele diz. — Onde você mora? Eu hesito. — Courtney? — ele diz. — Por favor? — e alguma coisa na forma que ele disse meu nome me faz pensar que ele realmente, realmente quer que eu vá.
  39. 39. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 40 Eu suspiro e pego o jeans que está no chão. — Mil duzentos e trinta e cinco, Whickam Way — eu digo. — E é melhor você pagar. * * * * — Estava tão bom — eu digo uma hora depois, empurrando meu prato. — Eu não consigo acreditar que comi tanto pela manhã. Definitivamente não foi uma boa ideia. — Ahh, tudo bem — ele diz. Ele se debruça e usa seu garfo para cortar um pedaço de panqueca que sobrou no meu prato. Ele enfia na boca. — Como você pode querer comer mais alguma coisa? — eu digo. Ele comeu três panquecas amontoadas com morango e creme de chantily, três pedaços de bacon, três salsichas, batatas fritas, e agora ele está comendo o que sobrou da minha comida. — Eu estou com fome. — Ele dá de ombros e pega a conta que a garçonete deixou sobre a mesa. Ele tira uma nota de vinte de sua carteira. — Quanto eu devo? — pergunto. Pego minha bolsa e procuro minha carteira. — Não — ele diz. — Não se preocupe com isso. — Não — eu digo. — Absolutamente não. Eu não vou deixar você pagar. — Por que não? — ele pergunta, cortando outro pedaço de panqueca para ele. — Eu forcei você a sair de casa à meia-noite, é o mínimo que eu posso fazer. — Você não me forçou — eu digo. Ele dá de ombros. — Bem, que seja. Eu vou pagar. — Obrigada — eu digo, colocando minha carteira de volta em minha bolsa e repentinamente me sentindo envergonhada. Eu sei que brinquei com ele no telefone sobre ele pagar, mas mesmo assim. Isso significa que foi um encontro? Quem vai a um encontro à meia-noite com um cara que encontrou numa festa? É muito estranho. É assim que as coisas funcionam? As garotas escolhem caras aleatoriamente e então vão a encontros com eles? Eu acho que sim, uma vez que Olivia Meacham atraiu Lloyd essa noite em dois segundos. Apesar de que, tecnicamente, Jordan me escolheu, não o contrário. — Então — Jordan diz, levantando-se. — O que você quer fazer agora? — O que eu quero fazer agora? Hum, no caso de você não ter notado, são uma da manhã. — E? — ele diz, sorrindo. — É cedo. Oh, a menos que seus pais precisem de você em casa, ou algo assim. — Oh, não — eu digo. — Nada disso. — A verdade é que meus pais ficariam felizes por eu ter saído.
  40. 40. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 41 Meu pai, especialmente. Ele está sempre tentando me fazer sair mais, ao invés de apenas ficar em casa, fazendo trabalhos da escola ou jogando no computador. — Meus pais confiam totalmente em mim — eu digo a Jordan. Eu me debruço sobre a mesa e tomo um gole do meu chocolate quente, depois pego dois envelopes de açúcar do recipiente sobre a mesa e despejo-os na minha xícara. — Isso é por ter sido santinha pelos primeiros dezoito anos da minha vida. Eles se recusam a acreditar que eu possa fazer algo de errado, então eles me deixam fazer o que eu quiser. — Então você construiu a confiança deles num ponto em que eles nem mesmo consideram a ideia da filha deles mandar mensagens de texto enquanto ela deveria aprender cossenos, certo? Eu quase cuspi meu café. — Ei — eu digo, — como você sabe disso? — eu passo quase toda a aula de matemática mandando mensagem de texto para Jocelyn, uma vez que ela tem tempo vago. Eu normalmente entendo bem matemática por ter lido os capítulos na noite anterior e Lloyd ainda revisa todos os meus trabalhos, então não é como se eu estivesse mesmo perdendo alguma coisa. Mas como Jordan sabe disso? — Eu fico em um ângulo perfeito para ver você tirar seu telefone — ele diz, sorrindo. — Você faz isso bem disfarçadamente, escondendo-o sob o bolso do seu moletom com capuz. O qual, a propósito, você sempre coloca exatamente antes da aula de cálculo, para que você possa mandar mensagens de texto. — Todo mundo manda mensagens de texto na aula — eu digo, dando de ombros. É estranho saber que ele me observava, que ele sabe algo sobre mim. Graças a Deus ele não sabe exatamente sobre o que eu falo com Jocelyn nas mensagens de texto, porque acredite em mim, ele enlouqueceria. Vamos apenas dizer que as palavras Lloyd e sexo são muito usadas. Não que eu esteja transando com Lloyd. Ou queira transar. Eu apenas gosto de falar sobre isso. Muito. — Enfim — eu digo, enquanto a garçonete chega e joga o troco em nossa mesa, — obrigada pelo café da manhã. Jordan deixa $5 na mesa e coloca o resto do dinheiro de volta em sua carteira. Então ele dá boas gorjetas. Isso é quente. — Então, o que você quer fazer agora? — Jordan pergunta, levantando-se. — O que eu quero fazer agora? — eu digo. Checo meu relógio. — Bem, uma vez que temos menos de vinte e um, acho que nossas escolhas são casa ou casa. — Super Wal-Mart está aberto — Jordan diz, segurando a porta aberta para mim. — E eu ouvi que eles estão tendo uma liquidação de moletons. Você poderia comprar outro. Você sabe, para ajudar na sua matemática.
  41. 41. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 42 — Oh, sim, ótimo plano — eu digo. — Em nosso primeiro encontro você me leva para tomar café uma hora da manhã e depois para o Super Wal-Mart. Que romântico. — Ele parece desconfortável por um segundo. — Não que seja um encontro ou algo assim — eu acrescento rapidamente. — Eu estava só brincando. — Oh, meu Deus, eu poderia ter sido mais idiota? Quem diz isso? Referir-se a uma ligação aleatória de um garoto que ela nem mesmo conhece como um encontro? Isso não é um encontro. Encontros são quando o cara liga para você com dias de antecedência para marcar algo e aparece na sua casa, conhece seus pais e então te leva a algum lugar. E todo mundo sabe que você nem mesmo deve aceitar um encontro para o fim de semana depois de quarta-feira, porque então você pareceria desesperada, certo? Ou é na quinta-feira? Que seja; a questão é, isso não era um encontro. Na verdade, eu não tenho certeza do que seja. Se eu não descobrisse nenhuma definição melhor eu diria que é uma ligação para ter sexo. Ligações para sexo sempre acontecem à uma da manhã. Mas com ligações para sexo você não deveria ter direitos? Tipo, o ponto numa ligação para sexo é ficar nu no mesmo momento, não ficar enrolando com formalidades como jantares e encontros. A menos que isso seja uma ligação para sexo, e eu não saiba. E Jordan está tentando me enganar para ficar nua me levando para tomar café da manhã primeiro, para depois, quando eu disser, Isso é uma ligação para ter sexo! ele poderá dizer, Não, não é, nós tomamos café da manhã. — Então — Jordan diz uma vez que estamos na rua. — Você realmente vai para casa? — Sim — eu digo, pensando nos comentários do MySpace que ele e a Louca Maddy trocaram menos de vinte e quarto horas atrás. — Eu realmente devo ir para casa. — Por um segundo, eu espero que ele vá me convencer a voltar a esse lugar, ou pior, estacionar o carro no estacionamento do Super Wal-Mart para que pudéssemos andar sem destino. Quero dizer, por que mais ele me convidaria para sair? Como eu disse, não é um encontro e se isso não era uma ligação para ter sexo, então que diabos era? Ele estaciona em minha garagem. — Tem certeza que você mora aqui? — ele pergunta, deslizando o carro para a garagem, mas mantendo o motor ligado. — Absoluta — eu digo. Tiro as chaves da bolsa. — Eu tenho chave e tudo. — É que a caixa de correio diz Brewster, e seu último nome é McSweeney. Então eu tenho que me certificar que você não está envolvida em nenhuma atividade ilegal, onde eu possa ser implicado por ter saído com você esta noite. — Que tipo de atividade ilegal? — pergunto. — Invadir casas de pessoas para dormir? — Bem, poderia ser qualquer coisa — ele diz, recostando-se em seu assento e fingindo parecer pensativo. — Esse poderia ser seu quartel-general para seu grupo do tráfico de drogas. E todas aquelas mensagens que você manda na aula de matemática
  42. 42. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 43 estão relacionadas aos negócios e devem ser enviadas durante o oitavo período por causa do fuso-horário de certos países da América do Sul. — Sim, eu sou totalmente traficante de drogas — eu digo, revirando meus olhos. — Estou surpresa que seu amigo B. J. não te contou sobre mim, ele é o meu maior cliente. — Touché — Jordan diz, sorrindo. — Não, mas sério, a verdade não é assim tão suspeita — eu digo, olhando para longe por um segundo. — Eu tenho um último nome diferente dos meus pais. — Oh — ele diz. — Eu estou um pouco desapontado que seja algo tão normal. — Talvez eu te conte sobre isso algum dia — eu digo, abrindo a porta. Embora se você realmente quer saber a verdade, você não vai querer ir embora. O que é loucura. Quero dizer, este é Jordan Richman. Ele realmente não faz o meu tipo. Na verdade, eu não sou o tipo dele. Ele gosta de garotas como Olivia e Madison, garotas que são super confiantes em volta de garotos e que têm uma lista de conexão para dar suporte. Minha lista de conexão é mais ou menos assim: 1. Beijei o primo de Jocelyn, Justin, durante a festa de aniversário dela na sétima série num jogo da verdade. Ele estava com os lábios oleosos. Nenhuma língua foi envolvida. 2. Nona série – fui a dois encontros com Paul Gilmore (uma vez no cinema e uma vez a um jantar no restaurante do pai dele, o que eu não tenho certeza que realmente conte, uma vez que ele não teve que pagar). Feito (beijar de língua) durante cada encontro, o que era um pouco vergonhoso, já que em uma das vezes estávamos no cinema e na outra na cozinha do restaurante do pai dele. 3. Passei uma parte do último ano saindo com Blake Letkowski, embora ele nunca tenha sido meu namorado. Ele fumava. Ele não prestava. Mas ele beijava muito bem. Jordan retira seu cinto de segurança e sai do carro. — Deixe-me levar você até a porta — ele diz. — Oh, não, tudo bem — eu digo, pulando para fora antes que ele pudesse protestar. A última coisa que eu quero é algum momento estranho na minha porta, onde ele tentasse conseguir entrar em minha casa para que ele pudesse tentar desvirginar-me. Eu viro e olho para ele no carro novamente. — Obrigada novamente pelo café da manhã, Jordan. — O prazer foi todo meu — ele diz. — Então, hum, vejo você na escola na segunda-feira — eu digo, percebendo que é verdade. Eu ia vê-lo na escola na segunda-feira. O que é estranho. Pensar em vê-lo na escola, quero dizer.
  43. 43. Two-Way Street Lauren Barnholdt Traduzido por Grupo Shadows Secrets 44 — Até mais — ele diz e bate a porta do carro. Ele espera até que eu esteja segura dentro de casa antes de ligar o carro e tirá-lo de minha garagem. Eu o observo da janela de minha sala de estar, perguntando-me o que diabos acabou de acontecer e como eu terminei saindo para tomar café da manhã com Jordan Richman.

×