Jogando para ganhar - Serie um vizinho infernal - R.L. Mathewson

4.328 visualizações

Publicada em

Jogando para ganhar - Serie um vizinho infernal - R.L. Mathewson

Publicada em: Diversão e humor
  • Seja o primeiro a comentar

Jogando para ganhar - Serie um vizinho infernal - R.L. Mathewson

  1. 1. Revi Rita d isão Ini de Cassi Sé 01 Dis icial: In sia, Tha Leit érie U 1 – Jo isponib Tradu namora hay, Flá Revi itura Fin Um V ogan bilizaç ução: C ata, La á Souza visão Fin inal e Fo Vizin ndo p ação: So Cartaxo auri, M a, Deia nal: Bia ormataç nho In ara g oryu o Magali S a KSR, M ah ção. L. A nfern ganh S, Hith Mari ol A. nal ar hiara, oliveiraa
  2. 2. Ca coisas v muito c sugada esquece A se lança Depois q notar qu coisa qu ansada vão mud charme e para den er o que o última asse sob que ele d ue ela s ue resta de ser a dar come e pouca ntro de s o bad bo coisa qu re ele co decide c se encaix é conven 01 – J 0 04 05 SI a maior c eçando compos seu mun oy ao lad ue Jason omo um colocá-la xa perfe ncê-la de INFORM ogando 02 – Perf 03 – Ch 4 – Auto 5 – Auto INOPS covarde d por seu stura. O ndo, mas do é capa n espera Rambo a sob sua eitament e que iss MAÇÕE para ga feição – heckma ora ainda ora ainda E: do mund u vizinho O que ela s Haley t az de faz ava era q por algu a proteç te em su so é algo S DA SÉ anhar - L Revisão ate – Na a não pu a não pu do, Hale o insupo a não es tem um zer. que sua umas flo ção, não ua vida. o mais do ÉRIE: Lançame o Final lista ublicou; ublicou. ey decide ortável q sperava plano e a tímida ores em pode de Agora a o que um ento ; . e que as que tem era ser não vai vizinha ruínas. eixar de a única m jogo.
  3. 3. Capítulo 1 — Oh, não, não, não, não, não! — Haley murmurou incrédula, enquanto observava suas tulipas rosa, brancas e amarelas sendo arrancadas violentamente para fora do chão. Ela empurrou de volta sua mesa do computador e saiu em direção à porta da frente. Estava indo para matá-lo, desta vez não havia nenhuma dúvida sobre isso. Depois de cinco longos anos de disparates juvenis, finalmente ele tinha ido longe demais. Sua colega de faculdade não tinha sido capaz de irritá-la tanto, mesmo quando ela passou por um período de seis meses sem tomar banho, ou usar desodorante para “salvar o planeta”. Cinco anos atrás, ela tinha tido o orgulho de comprar sua primeira casa com apenas vinte e quatro anos. Ela trabalhou para caramba para comprar a casa de seu sonho, a um nível de fazenda de dois quartos. A experiência de possuir sua própria casa era melhor do que qualquer coisa que ela poderia ter imaginado. Ela gastou incontáveis horas escolhendo o esquema de cores perfeito para cada quarto, limpando, organizando e transformando madeira e gesso em um verdadeiro lar. Nenhum destes trabalhos se comparava com as incontáveis horas que passou em seu gramado e jardim. Com inúmeras bolhas, cortes, picadas de abelha e dores nas costas, ela transformou o quintal sem graça em um paraíso.
  4. 4. Sua alegria durou ao todo quatro meses. Foi quando ele se mudou para a casa ao lado. No início, ela estava animada para ter um vizinho que não fosse idoso ou mal-humorado. Toda a sua alegria terminou no momento em que ela conheceu Jason Bradford. Nos primeiros dez minutos de sua chegada, ele havia apoiado na sua caixa de correio, jogado embalagens de fast food de seu carro para a sua propriedade, o que rapidamente fez o seu caminho para o seu gramado impecável, e encostou-se no velho carvalho grande em seu gramado, com um sorriso tímido e um encolher de ombros em sua direção. O homem era um bárbaro. Durante os cinco anos seguintes, ele transformou sua vida pitoresca em um pesadelo. Ela não sabia como uma pessoa conseguia tirar tanto o controle sobre a sua felicidade, mas ele fez. Ao longo dos anos ela lidou com bolas de paintball, com seu varal cheio de roupas penduradas por decoração ao lado da sua casa, com a música alta, festas, duas vezes ela encontrou pessoas nuas tentando escalar o muro para um mergulho rápido em sua piscina, três horas de jogos de basquete de bêbados, mulheres surtando em seu gramado frontal e às vezes no dela quando o idiota se recusava a sair e lidar com elas. O que piorou as coisas foi o fato de ambos trabalharem na mesma escola privada, no mesmo departamento, com salas e lugares de estacionamento um ao lado do outro. Não demorou muito para ele transformar seu sonho de emprego e casa em um pesadelo. No trabalho ela teve que lidar com ele constantemente emprestando as coisas da sua sala como papel, canetas, livros e até mesmo, uma vez, sua mesa.
  5. 5. Ele parecia pensar que era o homem mais charmoso na terra e não tinha nenhum problema em usar esse charme para ser um professor descontraído, deixando-a com trabalho extra e responsabilidades. Não demorou muito tempo para descobrir que ela teria que levantar a poeira, sacudir e dar volta por cima no trabalho. Na idade dela não acreditava ser capaz de conseguir um emprego melhor. Tinha a sorte de ter este. Assim, a única opção para ela, era de se mover. Após o primeiro ano, ela tentou vender sua casa, sem sucesso. Cada vez que um potencial comprador se aproximava, ele os assustava apenas por ser Jason. Ela manteve a ideia de vender sua casa por dois anos, mas no ano passado a colocou novamente à venda, quando ele começou a jogar golfe e quebrou três de suas janelas. Depois, ele conseguiu assustar quinze potenciais compradores, porque teve um ataque particular e memorável de raiva e jogou seu computador pela janela, fazendo um rugido alto e claro, desfilando apenas de cuecas pelo quintal para ver seus emails, e, claro, não houve bom senso, ou melhor, houve sua ausência total. Seu gramado estava coberto de grama caranguejo e ervas daninhas. Ele só pagava o garoto da vizinhança para cortar uma vez por mês. O resto do tempo era o habitat escolhido de pequenas criaturas da floresta. A casa precisava de um trabalho de pintura sério, ou pelo menos uma limpeza de todas as lascas de tinta que tinha caído no chão ao longo dos anos. Se ele pessoalmente não assustasse alguém, a aparência de sua casa fazia esse trabalho. Ela desistiu do sonho de se mudar para longe há cinco meses, e se colocou em oração para que ele mudasse em breve, muito em breve.
  6. 6. Agora ele estava indo atrás de suas tulipas, seus bebês. Isso não estava acontecendo. Já era o suficiente. Nos últimos cinco anos, ela engoliu sapos com muito medo de reclamar. Ela sempre foi assim, até mesmo quando era criança. Ela sempre foi à menina tímida e quieta com o nariz enterrado em um livro, esperando que ninguém a notasse. Não era tanto a ponto de não ser uma pessoa social, ela era. Tinha mais a ver com o fato de que ela era uma garota medrosa. Quando os outros garotos pegavam nela ou a empurravam, ela se encolhia, era incapaz de lidar com o confronto. Esse mau hábito a seguiu até a idade adulta. Ficava pior perto de homens bonitos como Jason. Seus cabelos de ébano e seus olhos azuis acinzentados a deixava nervosa. Ela só não era boa em lidar com pessoas. Esse lance de boa aparência para um cara que estava sendo particularmente imbecil a transformava em uma idiota chorona. Pessoas insistentes realmente lhe sugavam e ela nunca aprendeu a lidar com eles. Quando ela pegou sua companheira de quarto roubando seus documentos, alimentos e dinheiro, o que ela fez? Ela evitou seu quarto, até bem, depois das duas da manhã, quando ela sabia que Angel estaria dormindo e em seguida correu mais do que do inferno para fora de lá antes que ela acordasse de manhã. O mesmo poderia ser dito quando os poucos namorados que ela conseguiu ao longo dos anos que se aproveitaram dela. Ao invés de freá-los, como ela deveria fazer, guardava para si, sabendo que iria se cansar e seguir em frente. Sim, ela era uma covarde. Essa foi à única razão pela qual Jason Bradford tinha mantido seu comportamento durante os últimos cinco anos. Não
  7. 7. mais. As próprio j El acabou acabara — Ja El pequena longa m — autorida El tão mald trás em escondid claro, su muito d bastante 1 Os bulbos d viver durante s flores e jardim q la viu a aqui e am. — Que dia ason pul le não s a vizinha mangueira — Afaste ade. le realm ditamen m um rab dos atrá ua camis decente e quente de flores são or anos florescen eram a ú quando e mangue e agora. abos! lou quan sabia o a tímid a. É evid -se das mente não te bonita bo de c ás de gr seta pre através e. Seus rganismos vivo ndo alguns per última g ela comp eira enr Os di ndo uma que esp a e cole dente qu minhas o poderi a com se avalo to randes ó ta bem do tam olhos c os capazes de ríodos e perma gota. Sua prou a c rolada e ias de a torrent perar, m ga de tr ue ela tin s tulipa ia deixar eu cabel orcido, o óculos f apertada manho aíram p armazenar en anecendo em e a avó lhe asa e ela tomou u sua cov te de águ mas certa rabalho nha perd s - ela r de sorr lo de bro os olhos fazendo- a com a de seu para o sh nergia para tod estado de dorm e deu os a amou. uma dec vardia c ua gelad amente lhe molh dido seu ordenou rir para e onze long verdes -a parec palavra peito a hort bon do o seu ciclo mência durant bulbos1 cisão fác com o da bateu não era hando c juízo. u num ela. Ela go puxa cheios cer ador a “Nerd”, a fazia nitinho q de cresciment te outros. 1 de seu cil. Isso mundo nele. a a sua com sua tom de parecia do para de fogo rável, e, , escrito parecer que era to. Eles podemm
  8. 8. curto e revelava as curvas de suas pernas bronzeadas, muito bom, muito bom mesmo. Claro que ele sabia que a sua vizinha quieta era impressionante. Foi à primeira coisa que notou sobre ela no dia em que se mudou. A segunda, que era muito tímida, muito nervosa, uma mulher facilmente assustada. Ele ainda fez uma careta quando pensou naquele dia. Depois de cinco horas na estrada ele estava precisando desesperadamente de um banheiro. Infelizmente, o corretor de imóveis, que disse que estaria lá, não tinha deixado às chaves e ele teve que tomar uma decisão, urinar nas calças ou regar a árvore. No final, a árvore ficou com uma boa quantidade de refrigerante reciclado. Ela ainda não tinha dado a ele uma chance de se explicar ou pedir desculpas. Seu rosto ficou praticamente vermelho antes dela correr para sua casa. A partir disto, ela o evitava a todo custo. Se ele acenou e disse “Olá” ela murmurava algo ou o ignorava. Se ele ou um de seus amigos idiota quebrasse algo em sua propriedade, ela não falava uma palavra. Se ele fosse um idiota, poderia facilmente fugir para não pagar por todas aquelas janelas quebradas ou manchadas com tiros de paintball, mas ele não era um idiota tão grande. Quando ele fez o rebosteio, soube que ela nunca iria falar por si mesma, assim, ele fez uma chamada e substituiu o que ele tinha quebrado. Isso seria apenas fazer ele se sentir como um idiota maior ainda se aproveitasse da situação. Sempre o incomodava o fato de que ela nunca falou. Ele não conseguia se lembrar de alguém que não gostasse dele tão rápido e intensamente antes em sua vida. Não importa o que ele fazia, ela não
  9. 9. falava com ele. Inferno, ele, no seu lugar, teria chutado sua bunda anos atrás, ou pelo menos teria chamado a polícia, como os outros vizinhos fizeram ou registraria uma reclamação com o Diretor da escola, como muitos de seus outros colegas de trabalho tinham feito. Inferno, ela nunca assinou qualquer uma dessas numerosas petições do resto do bairro que normalmente gostavam de lhe dar rotineiramente. Ele verificou todas e uma por vez. Ele não era um idiota de propósito. Isso só veio naturalmente para ele. Todos entendiam e aceitavam. Provavelmente, porque mesmo que ele fosse um idiota, era um imbecil simpático... a maior parte do tempo. Ele ficou muito feliz que finalmente ela saiu de seu trono para falar com ele, mas também estava chateado de ser encharcado até os ossos em sua camisa favorita e shorts cáqui. Aparentemente, ele não se moveu rápido o suficiente, porque ela o pulverizou novamente. —Você é louca? - ele perguntou. Ela fez um gesto com a mangueira para ele dar um passo atrás. —Afaste-se do meu jardim... Agora. — O canteiro de flores? - ele perguntou incrédulo. —Sim, meu canteiro de flores! — Outra curta pulverização. — Eu plantei essas flores há cinco anos, antes de você se mudar! Jason correu seus dedos frustrados por seu cabelo bagunçado. — Então você deveria ter verificado os limites da propriedade antes de perder seu tempo! — Ele retrucou.
  10. 10. Seus olhos se estreitaram nele. —O canteiro é minha propriedade! —Eu acho que não, querida. Vai verificar sua planta se você não acredita em mim. Este canteiro está cem por cento na minha propriedade — disse ele asperamente. Ele apontou para os dois metros de espaço que separava suas casas, onde o canteiro de flores continuava até que ela veio para a grande cerca de madeira de piquete, que começou na esquina da sua casa e continuou na parte de trás, separando seus quintais. —Você tem cinco centímetros da parede de sua casa para fora. Sua propriedade termina dois centímetros antes do meu canteiro de flores! É por isso que a pequena cerca branca estúpida inicia contra a sua casa, em vez de do outro lado do canteiro. Ele viu quando ela olhou para o pequeno espaço que separava suas casas. Quem construiu suas casas era realmente um idiota. Ambas as suítes foram construídas a menos de dois metros de distância. No entanto, há mais de trinta metros de espaço entre cada casa e as outras casas vizinhas. Não havia nenhuma privacidade com a forma idêntica como as casas foram concebidas. Ele não teve escolha senão colocar sua grande cama diretamente para a janela e pelo que ele podia ver nem ela teve. Ficar no quarto menor estava fora de questão. Sua cama nunca se encaixaria nele. Era estranho dormir há menos de dois metros de distância de uma mulher que achava que ele valia menos do que a sujeira do cavalo. Durante o verão, os dois se recusaram a abrir as janelas até que o calor se tornou opressivo, deixando-os sem outra escolha.
  11. 11. Trazer uma mulher para seu quarto esqueça. Ele nunca tinha precisado de um PDA2 para lhe lembrar de não fazer sexo em público e ter relações sexuais em seu quarto seria como uma execução pública. Não importa quantas vezes ele tentou se lembrar de que estavam em casas separadas e separados por mais do que apenas um pequeno jardim de flores estúpido, ele não podia se permitir levar uma mulher para sua cama. Não que ele fizesse isso normalmente. Ele nunca convidou uma mulher para sua casa. Essa era uma de suas dez regras do namoro. A única vez que levou à sua casa, era uma prostituta, quando ele se mudou, o que foi feito do lado de fora. Nunca em toda a sua vida adulta compartilhava a cama com uma mulher. Isso era muita intimidade e enviava a mensagem errada. As poucas vezes que cometeu o erro de relaxar na cama de uma mulher após uma rápida transa, provou ser um grave erro. Elas queriam mimar e sempre fizeram as perguntas que o estremeceu: “O que você está pensando? “Você me ama”?, “Você está tão feliz quanto eu estou?”, “Por que você continua me chamando pelo nome da minha irmã?”, ou o seu favorito “Eu me pergunto o que nossos bebês terão de semelhante conosco.” Não, o sexo estava melhor na casa de uma mulher, no quarto de hotel, ou melhor, ainda, no banco de trás de um carro. Graças a Deus, sua vizinha parecia compartilhar da mesma atitude. Ele odiava a ideia de acordar ao som de um outro homem 2 Assistente digital pessoal. Um computador pessoal bolso. PDAs geralmente podem armazenar listas de tarefas, compromissos e números de telefone. Alguns PDAs têm um pequeno teclado, outros têm apenas uma caneta especial que é usada para entrada e saída. Um PDA também pode ter um modem de fax sem fios. Arquivos podem ser criados em um PDA que são mais tarde transferidos para um computador maior. Newton da Apple foi um dos primeiros PDAs a serem produzidos
  12. 12. grunhindo e gemendo. Com a sorte que tinha, era capaz de filtrar os sons em seu sonho e acabar tendo um sonho gay. Felizmente isso nunca aconteceu, caso contrário, ele estaria dormindo em seu sofá. Não era como se a sua bela vizinha estivesse sem atenção masculina. Tinha visto vários perdedores farejando-a nos últimos cinco anos. Ela estava facilmente despreparada, pelo menos fisicamente. De personalidade sábia, bem, mesmo de longe, ele poderia dizer que eles eram todos idiotas. Ele não era um príncipe, sem sombra de dúvidas, mas estava disposto a dar um soco em alguns deles nos últimos anos, pela forma como a tratavam. Eles nunca bateram nela, senão teria matado os filhos da puta. Ele não era a favor de bater em mulher, sem importar o motivo. Às vezes sentia como se a estivessem usando, não a tratavam corretamente. Não sabia por que se importava só se importava. Haley olhou para a cerca e em seguida, para o comprimento restante do canteiro de flores. Ela suspirou profundamente. — Tudo bem. Se eu cometi um erro sinto muito. Trocarei o último canteiro de flores com as tulipas. Ele acenou com a cabeça contente de que tudo foi resolvido. As flores malditas iriam sumir. Ele não poderia ter outra noite como a noite passada. —Eu só vou mover as flores para os meus cinco centímetros de espaço. — ela anunciou. Seus olhos se arregalaram com esse anúncio. —O inferno que você vai!
  13. 13. Capítulo 2 Os olhos de Haley se arregalaram em descrença total quando Jason se jogou de volta para as tulipas, as destruindo, como um homem possuído. —Pare! — ela gritou. Ele a ignorou e continuou a destruir as tulipas do chão, queria ter certeza que esses malditos bulbos viriam com elas. Ele as jogou longe, em sua propriedade, para que ela não os pegasse novamente e voltasse a plantá-los. Ela apertou a mangueira e enviou uma explosão de água fria sobre ele. Ainda assim, ele continuou a rasgar o canteiro. —Pare! Por favor, pare! — Ela gritou. Ele só diminuiu quando chegou ao espaço apertado entre as suas casas. Jason teve que mudar seus ombros para que pudesse entrar no espaço apertado. Felizmente ela desistiu de esguichar nele. Pode ser abril, mas eles estavam em New England e isso significava um sol brilhante com uma brisa fria. Seu corpo estremeceu violentamente quando ele estendeu a mão para pegar mais um punhado de tulipas. De repente, ele sentiu algo apertado em torno de seus tornozelos. —Que diabos!— Ele foi puxado para fora de seu equilíbrio, caindo de cara na lama grossa, que ela criou com seu esguicho de
  14. 14. água. Antes que pudesse levantar, ela estava rastejando sobre suas costas para chegar a essas flores malditas. Haley usou sua pequena estrutura a seu favor. Depois, rapidamente rastejando sobre Jason, ela começou a desenterrar o maior número de tulipas com as mãos, como ela pode, e as colocou suavemente, mas ainda de forma rápida, na lateral de sua casa. —Ei! Pare com isso! — Ele exigiu, quando se inclinou sobre ela para pegar suas mãos. —Saia de cima de mim! — ela retrucou, escavando mais rápido. —Eu não estaria em cima de você se não estivesse na minha maldita propriedade! Ela o jogou para trás com uma cotovelada para expulsá-lo. Respirando, ele a amaldiçoou e a empurrou com força, até que todo o seu corpo se aconchegou embaixo dele. Ela congelou imediatamente. Ele se aproveitou de sua reação atordoada e pegou tantas flores como podia. —Eu disse para sair de cima de mim e não me esmagar! — esclareceu ela. Era tudo o que podia fazer para controlar sua respiração. Ela iria hiperventilar3 e desmaiar. Não existia nenhuma dúvida sobre isso. Um grande homem musculoso estava em cima dela! Seus sentidos se sobrecarregaram quando ela tentou se concentrar. Mas tudo o que podia pensar era na sensação de sua barriga rígida pressionando contra suas costas. De repente, um 3 A hiperventilação corresponde a respirar mais depressa e mais superficialmente do que aquilo que o corpo precisa
  15. 15. arrepio percorreu o seu corpo, e ele não tinha nada a ver com a água fria que escoa através de suas roupas. Então se afundou em sua realização. Um homem muito grande estava em cima dela! —É melhor não ser o que eu acho que é - ela sussurrou entre os dentes cerrados. —Não é. — Era. —Não se iluda, querida— ele retrucou, tentando não gemer com o rebolar dela. Ele estava um pouco chocado mesmo. Ele não tinha problemas de ereção. É claro que nos dias de hoje o seu interesse por sexo tinha diminuído um pouco. Inferno, ele não conseguia se lembrar da última vez que teve relações sexuais, o que em si já era patético. Ele fez uma tentativa meia boca para puxar mais flores. Isso pareceu distrai-la o suficiente para sua pequena bunda, empinada, se aconchegar em seu colo. Seus olhos se fecharam quando ele aninhou seu rosto em seu pescoço e inalou lentamente. Ela não notou que ele fez isso de novo. Ele seria capaz de jurar por sua vida que ela cheirava como amoras e creme. Foi malditamente atraente. Ela lamentou sua irritação. —Eu não sei qual é seu problema. Eu cometi um erro em plantá-las em sua propriedade. Apenas me deixa movê-las alguns centímetros e tudo será resolvido. Isso o tirou de seu transe. —Não! — Ele passou por ela e começou a arrancar flores novamente. Respirando, ela se arrastou para sair debaixo dele e jurou
  16. 16. que salvaria as flores que pudesse. Ele simplesmente a seguiu, adotando a mesma postura em grande parte para frustrá-la. —Você está sendo um idiota! Eu só quero as minhas tulipas! — Ela disse, tentando não chorar. Estas foram às flores de sua avó. Seu avô comprou para ela depois da guerra para comemorar o sucesso de seu primeiro negócio. —Não, você não irá plantá-las aqui! Eles não podem ficar! — Ele disse, escavando mais rápido. —Por quê? — Ela perguntou, chegando mais perto e mais perto de lágrimas frustradas. —Eu não te entendo! Você não faz nada com a sua propriedade. Por que você se importa se há um canteiro de flores aqui ou alguns centímetros mais? Eles não estão te machucando! —O inferno que não está! — ele retrucou, pensando em todas as manchas nas costas e no pescoço, que ainda latejava. Ela zombou. —Elas são apenas flores. O que poderiam possivelmente fazer para irritá-lo a esse nível? — Ela ouviu um zumbido passando em sua orelha e distraidamente agitou. —As abelhas!— ele disse, tentando recuperar as informações, mas, não conseguiu. Sua grande estrutura foi presa entre suas casas. —Sim, é uma abelha — disse ela lentamente, como se estivesse falando com uma criança. Ele gemeu enquanto tentava girar seu enorme corpo para libertar-se. Quando isso não funcionou, ele tentou empurrá-la para
  17. 17. trás. Seu braço serpenteou em volta de sua cintura, tentando puxá-la junto com ele. —Ei, tire suas mãos. —É a porra de uma colmeia e nós estamos apenas perturbando-a! — ele gritou. Os olhos de Haley dispararam para frente e depois se arregalaram. Com certeza, dois pés à frente dela estava o fim do que parecia ser uma grande colmeia no terreno que agora estava saindo do solo, graças às flores que ele puxou para cima. Abelhas começaram a fervilhar logo acima da colmeia. Não demoraria muito para que elas caíssem em cima deles. —Mexa-se! —Eu não posso! Haley cerrou os dentes quando bateu de volta nele, tão duro quanto podia. Ele gemeu baixo em seu ouvido, mas não saia do lugar. Ela foi para frente dele e bateu novamente, e outra vez. Cada vez que batia, ele gemia e se afastava alguns centímetros. —Mais uma vez! — ele disse de forma natural. Ela foi novamente para sua frente e desta vez, quando bateu de novo nele, o empurrou com os ombros o deslocando. Jason usou a força para levar ambos para vários metros de distância. Ele manteve o braço serpenteando em torno de sua cintura enquanto a arrastou para longe da colmeia. —Elas estão fervilhando! — Haley chorou.
  18. 18. —Merda!— Jason olhou freneticamente em torno buscando um lugar seguro. —Minha casa!— ela disse, gesticulando em direção à porta da frente. —Boa ideia— ele disse enquanto corria para a casa a arrastando junto. O zumbido se tornou cada vez mais alto, quando o enxame começou a circular envolta deles. Assim que eles chegaram e abriram a porta da frente, correram para dentro aliviados que ela havia deixado a porta aberta e logo a fecharam atrás deles. —As abelhas!— Haley gritou, apontando para as abelhas que tinham seguido eles para dentro. Ele rapidamente a soltou e agarrou duas revistas que estavam em uma pequena pilha em cima da mesa de café e jogou uma para ela. Sem dizer uma palavra enrolaram as revistas e começaram a atacar a dúzia de abelhas que conseguiram segui-los para dentro. Nenhum dos dois falou até que a última abelha foi esmagada. —Cinco noites... em ... a ... fileira..... picado ...— Jason disse, enquanto tentava recuperar o fôlego. —Você sabia que havia abelhas e ainda arrancou as flores?— Ela perguntou incrédula. Sua avó lhe ensinou bem. Uma colmeia no chão não era algo para mexer. Ela pode ser tão pequena como uma pilha ou enormes, com vários metros de comprimento. Jason fez um gesto na direção de sua casa. — Eu estava tentando matá-las.
  19. 19. El colmeia — que eu manter — — El — vez que El possível faria, o q — — Elas ain H — chamar O ossos e la balan e não co —Por que trabalh seu tom —Eu diss —Não, vo le jogou —Eu tenh me apro la abriu l e estre que a de —Oh, — e —Sim, oh nda estão aley sus —Elas se um exte homem não ser nçou a c ontou a e você nã ho nesse m de voz n se! cê não d as mãos ho tenta oximei vo a boca emeceu. eixou pre ela finalm h, — ele o fervilha spirou. erão um erminad m estava ria capaz cabeça e ela? ão me di e cantei no mesm disse isso s para ci ado lhe d ocê fugiu para arg Sim, iss eocupad mente di retruco ando. m proble or. a congel z de ir p em descr isse que iro — e mo tom. o! ima. dizer na u! gumenta so realm da. isse. ou. Ele e ema por lando. E para sua rença. E havia u ela disse Eles pod as última ar, mas mente so espiou p r algum Ele esta a casa s Ele sabia uma colm e, se es deriam t as sema a fechou oava com pela jane mas hora ava ench se trocar a que ha meia? Vo sforçand ter morri anas, ma u o mais mo algo ela e gem as. Prec harcado r. Norma avia um ocê sabe do para ido! as cada s rápido que ela meu. — cisamos até os almente
  20. 20. ele se despiria e ficaria só de cueca, mas sua vizinha já estava arisca em torno dele. Ele não quis dar a coitadinha um acidente vascular cerebral. Ele olhou para baixo, o piso de madeira estava muito limpo e bem cuidado, obviamente, se encolheu. —Merda, talvez eu devesse sair por trás para me secar— disse ele quando ergueu os olhos para olhar para sua cozinha adjacente. Suas sobrancelhas voaram enquanto observava as janelas escurecer. —Eu não acho que isso vá acontecer por um tempo— Haley disse baixinho enquanto esfregava sua testa. —Por que você não vai tomar um banho e eu vou ver se consigo encontrar alguma coisa para você vestir. Enquanto você está tomando seu banho eu ligo para um exterminador. —Se você está certa— disse ele, esperando que ela não mudasse de ideia. Ele estava congelando. Inferno, neste momento queria apertar sua bunda em uma roupa para se aquecer. Ela assentiu distraidamente, enquanto observava o enxame de abelhas em torno de seu quintal. —Sim, deixe-me mostrar-lhe onde é o banheiro. Dez minutos depois, o tremor finalmente parou e ele estava gostando muito de seu chuveiro. Nunca em sua vida tinha se sentido tão bem com a água quente. Este foi o seu melhor banho. Não doía que sua pequena vizinha tímida compartilhasse o seu apreço pelas coisas simples da vida, como uma barra normal de sabão e nenhuma das merdas caras excessivamente perfumadas que nunca ensaboavam corretamente e sempre deixavam uma erupção na pele. Tampouco machucava que o banheiro parecesse um banheiro e não
  21. 21. estava coberto da cabeça aos pés em rendas e maquiagem. Este era um banheiro que um homem poderia usar confortavelmente sem se preocupar com a sua masculinidade. Ele estava apenas puxando a camiseta que ela deixou quando ouviu o grito: —Não! Não faça isso! Jason estava fora do banheiro em menos de um segundo, correndo em sua direção pronto para matar qualquer bastardo que estivesse tentando machucá-la. Ele chegou a parar derrapando na frente dela. Ele sorriu docemente, quando ela disse. — Deus, eu te amo. Suas sobrancelhas quase atravessaram sua testa e seu coração batia forte. Merda, isso era pior do que ele pensava. Ela não tinha evitado todos esses anos porque ela era tímida. Não, ela estava loucamente apaixonada por ele. Merda. Isso foi estranho, especialmente porque ele estava preso aqui até que um exterminador chegasse. Agora, ele esperava que fosse logo. Muito em breve. Ele abriu a boca para dizer alguma coisa e encontrou um gesto de impaciência o colocando para fora do caminho com uma colher de pau coberta com massa de pão. Ele recuou franzindo a testa, com medo de que a massa caísse nele, e querendo saber o que havia de errado com a mulher que professou seu amor por ele em um momento e a seguir o enxotou para fora do caminho.
  22. 22. —Nunca se coloque entre mim e o homem que eu amo - disse ela, saindo de seus pensamentos. Jason seguiu seu olhar e riu. —Derek Jeter4? Ela franziu a testa como se questionar seu amor pelo homem fosse estúpido. —É claro. Ele não pôde deixar de sorrir. Droga. Como ele perdeu isso? Ela tinha uma enorme televisão. Maior do que a sua, e isso era realmente muito, já que a sua televisão era a única coisa com que ele tinha desperdiçado dinheiro. —Essa é realmente uma grande TV para uma tão pequena mulher - disse provocando. —Bem, sabia que eu vejo os meus jogos e sinto que estou lá? - Ela respondeu de volta. —Além disso, desta forma eu consigo ver o meu futuro marido melhor. —Será que ele sabe? - ele perguntou, olhando para ela. Ela franziu o rosto adoravelmente. —Ainda não, mas eu posso esperar - disse ela com um sorriso que fez seu rosto ir de totalmente adorável e doce para dolorosamente linda em menos de dez segundos. Droga. 4 Derek Sanderson Jeter é um jogador estadunidense de beisebol. É o atual capitão do New York Yankees. Por toda a sua carreira, Jeter jogou pelos Yankees.
  23. 23. Ele trocou os pés desajeitadamente por um momento enquanto ela assistia ao jogo com muita atenção. —Você é fã do Red Sox?5— ela perguntou de repente. —Claro que não! - Disse ele, insultado pela pergunta. Ele podia viver no território dos Red Sox, mas isso não quer dizer que ele era um bastardo traidor. Yankees foi seu primeiro e último amor. Ela suspirou obviamente aliviada. —Graças a Deus. — Ela deu uma última olhada esperançosa no jogo, antes de regressar ao seu balcão da cozinha, onde ele observou com um sorriso que ela tinha uma pequena tela plana, também ligada no jogo. Essa mulher realmente amava os Yankees, ou pelo menos um em particular. Que diabos foi isso com as mulheres e Derek Jeter? Ele levou um momento para olhar ao redor de sua casa. As abelhas malditas ainda estavam cobrindo todas as suas janelas, mas sua atenção estava em outro lugar. Suas paredes estavam cobertas de memórias dos Yankees. Ele não ficou muito surpreso quando viu uma foto autografada de Derek Jeter acima da televisão. —Parece que ficaremos presos aqui dentro até depois do anoitecer - disse ela, voltando sua atenção para a cozinha. —O exterminador disse que tem que esperar a colmeia se acalmar. Isso vai acontecer quando o sol se puser. Ele virá, irá pulverizá-los e se puder remover a colmeia. 5 O Boston Red Sox é um time americano profissional de beisebol, pertencente à divisão Leste da Liga Americana, também formada porNew York Yankees, Baltimore Orioles, Tampa Bay Rays e Toronto Blue Jays.
  24. 24. Ele correu os dedos pelos cabelos úmidos e suspirou. —Eu acho que você ficará comigo por um tempo. Ela encolheu os ombros. —Está tudo bem. Há um bom jogo e isso deve ajudar a passar o tempo. —É verdade - ele concordou. —Eu estou fazendo pizza caseira. Eu espero que você não se importe. Estava pensando em pedir uma pizza hoje para o jogo, mas com as abelhas e tudo... - ela parou, encolhendo os ombros. —Não, isso parece ótimo. Sinto muito que estou incomodando - disse ele, se sentindo um burro. Esta mulher passou os últimos cinco anos o evitando e agora ele estava sendo forçado a ficar com ela pela Mãe Natureza. —Não é um problema - disse ela, e ele teve a sensação de que estava mentindo. Ela nunca gostou de estar ao redor dele antes. Sempre que ele estava muito perto dela no trabalho ou se sentava ao lado dela, ela encontrava uma desculpa para se mover. Agora, ela foi obrigada a tê-lo em sua casa. Isso não poderia fazê-la feliz. Seus olhos se afastaram para a televisão quando ela suspirou de forma sonhadora. Então, novamente sua atenção estava em outro lugar no momento. —Cerveja? —O quê?— ele perguntou um pouco confuso.
  25. 25. —Cerveja— disse ela, apontando para a geladeira, sem tirar os olhos da televisão. —Oh — ele disse com uma risada e pegou duas garrafas. Ele lhe entregou-lhe e ela aceitou com um agradecimento murmurado e, em seguida, murmurou algumas palavras bem escolhidas para um dos jogadores. Jason inclinou-se para trás e viu o show. Não era realmente o jogo, mas Haley, como ela cozinhava e vociferava. Logo se tornou evidente que os legumes deveriam ser cortados e não mutilados, que era o que acontecia cada vez que ela não concordava com uma jogada que o jogador teria que fazer. Durante as seis horas seguintes, cozinharam, assistiram ao jogo, xingaram e gritaram para a televisão, comeram e entraram em uma longa luta com o exterminador sobre a quantia insana que ele queria cobrá-los. Até o final da noite Haley parecia ter saído completamente para fora do escudo que havia em torno dela e se considerou afortunado por ter outra amiga. Alguém que realmente conhecia as estatísticas, sem estragar ou ter que procurar por elas. Não como vários de seus amigos que ele não iria falar. Sem contar que ela era incrivelmente quente. Isso era apenas um bônus. Um bônus agradável, mas um bônus, no entanto para seu mais novo amigo.
  26. 26. Capítulo 3 —É este o 32 Long Point Road?— perguntou um homem baixo com voz rouca que cheirava como se tivesse se banhado em um litro de perfume barato e de alho quando saiu até a Taurus estacionada na garagem de Haley. Normalmente Jason simplesmente ignoraria o idiota ou lhe daria um aceno rápido e continuaria cuidando de seus próprios assuntos enquanto puxava o barril de cerveja de seu banco de trás, mas não hoje. Hoje, ele ia fazer a sua normalmente tímida vizinha e colega de trabalho um favor. Depois de ontem, ele tinha certeza de que isso não iria irritá-la e enviá-la de volta para o esconderijo. Ok, talvez ele não estivesse cem por cento certo, mas simplesmente não conseguia ajudar a si mesmo, especialmente quando o idiota realmente colocou um preservativo no bolso e deu a Jason uma piscadela cúmplice. Foda-se. Naquele momento, ele não se importava que isso a mandaria correndo para as colinas ou que batesse uma ordem de restrição contra ele, ele ia se livrar do cretino. —Você não está aqui por Haley, está?— ele perguntou, puxando o barril e colocando-o no chão. O homem franziu a testa.
  27. 27. —Sim, por quê? Jason fez uma demonstração de servilismo enquanto olhou rapidamente de volta para a casa de Haley como se estivesse certificando-se de que ela não estava olhando para eles. —Eu realmente não acho que é uma boa ideia - Jason murmurou. —Por que não? Ele deu ao homem um olhar do tipo “Você está brincando?” e teve que parar de rir quando o homem moveu-se nervosamente. —Certamente você sabe... - disse ele, propositalmente deixando suas palavras divagar. —Não, meu amigo organizou um encontro com ela - disse ele, lançando um olhar nervoso para a casa de Haley. Será que a cortina acabava de se mover? Jason esfregou a parte de trás do seu pescoço, com um suspiro cansado. —Realmente isso não é da minha conta, mas eu não tenho certeza se esta é uma boa ideia. —O quê?— o homem praticamente choramingou. Depois de uma pausa, ele sacudiu a cabeça. —Me desculpe, mas eu realmente não gosto de falar sobre isso. Tudo o que posso dizer é que você realmente precisa ser cuidadoso. — Ele deu ao homem um olhar aguçado quando frisou — Muito cuidadoso.
  28. 28. Os olhos do homem se arregalaram enquanto sua boca caiu aberta. Ele deu vários passos para trás, lançando olhares nervosos em direção à casa de Haley. Quando ele chegou ao seu carro, disse: — Eu, uh, de repente lembrei-me de que deveria estar em algum outro lugar. — Com isso, ele praticamente pulou em seu carro e fugiu. Jason riu enquanto caminhava até a porta da frente de Haley. Ele bateu na porta e não estava muito surpreso por um momento mais tarde, quando não houve resposta. Ele afastou sua decepção e bateu novamente. Simplesmente ótimo. Parecia que a noite passada tinha sido um golpe de sorte e sua tímida vizinha estava aqui para ficar. Ele realmente gostou de passar o tempo com Haley ontem à noite, mais do que pensava ser possível. Sentindo-se como um idiota, ele voltou para sua casa com o barril. Uma forte tosse o fez parar na metade de sua pequena entrada. A porta da frente abriu-se lentamente enquanto Haley dizia: — Sinto muito por ter demorado tanto tempo — outra tosse seca — para responder — outra tosse — a — tosse — porta. Mas, o médico disse que seguia sendo — várias fortes e perturbadoras tosses depois — contagiosa, então eu — Oh, é só você. — Haley disse com um suspiro de alívio. Seus lábios tremeram quando ele notou sua roupa. Em sua cabeça estava um dos mais feios chapéus de malha da cor verde vômito que ele já tinha visto. Seu enorme roupão surrado era pior,
  29. 29. mas a grande bola de tecido enrolada na sua mão era um toque agradável. Não havia nenhuma dúvida em sua mente de que ela estava fingindo, considerando que ele estava com ela na noite passada e tinha sido o retrato da saúde. Agora ela parecia bem o suficiente, apenas deselegante com essas roupas de grandes dimensões. —Amei o chapéu - disse ele, sorrindo enquanto caminhava até ela. Rindo, ela tirou o ofensivo chapéu e jogou em cima dele. Ele pegou-o antes de bater na cara dele. — O que é tudo isso? — Ele fez um gesto em direção ao seu traje com o chapéu. —Nada - disse ela rapidamente. —Parece até um repelente de encontro para mim. Com uma expressão inocente em seus olhos, ela disse: — Eu não tenho ideia do que você está falando. Estou doente — tosse — muito doente. — E só para fazer backup de sua história, ela fungou. Era triste, adorável, mas triste. Ele não conseguia parar de rir revirando os olhos. —É muito triste que você não pode simplesmente admitir que estivesse evitando o amor de sua vida. Porém, por muito que eu gostaria de ouvir a sua pequena e triste negação eu temo que deva ir, pois você está muito doente.
  30. 30. — bem mo óculos b Co direção — viesse p El — festa?— tinha vis — ela solto sua casa Ta estava n interior brownie uma ce um pou reuniões qualque —Eu esto orrer enq bonitinho om um a sua ca — Isso é ara a mi la pressi —Hmmm — ela per sto. —Oito ho ou um p a. alvez es na porta repreen es para u rvejada uco assu s e nu er festa o ou - ress quanto f os de vo encolhe asa. é uma p inha fes ionou as , você s rguntou oras, sua pequeno sa não de Jaso ndeu-se uma cerv desde q ustador a unca pr ou encon saltou. — falássem lta ao na er de om pena, po ta de hoj s costas sabe o q com o a peque grito an fosse u on com u por ser vejada? que tinh ao longo resenciou ntro que — Realm mos - dis ariz. mbros, el orque eu oje, mas da mão que? Eu mais bo ena farsa nimado uma boa um prato r uma i Ok, ela ha teste o dos an u esse ela já es mente doe sse ela e le deu u u estav desde qu contra a estou m onito so ante - d enquan a ideia, o de brow idiota. Q estava a emunhad nos dura tipo d steve. ente. Até enquanto um pass a espera ue está d a testa d melhor. rriso tím disse ele nto corria Haley p wnies. C Que tipo assumin do um c ante as e comp é poderia o empur o para t ando qu doente.. dela. Que ho mido qu , rindo a de vol pensou Com um o de ne ndo que e comport suas pe portamen a muito rrava os trás em ue você . oras é a e ele já quando lta para quando gemido erd traz esta era tamento equenas nto em
  31. 31. Algumas das coisas que tinha visto e ouvido tinha a assustado, mas algumas a tinham intrigado. Não que ela alguma vez fosse admitir, mas em mais de uma ocasião, ela se perguntou como seria ir a uma das festas de Jason, razão pela qual havia aproveitado essa chance hoje. As festas dele tinham que ser o equivalente as festas que as crianças populares na escola podiam fazer e que de alguma maneira evitavam convidar Haley, mas agora ela estava prestes a corrigir tudo isso. Talvez não, pensou, mordendo seu lábio inferior ansiosamente enquanto olhava para o prato cheio de brownies. Ela ia parecer tão estúpida trazendo brownies para a cervejada. Pensando que provavelmente ninguém ouviu seus golpes devido à música alta, decidiu que uma parada rápida em uma loja de conveniência era apropriada. Ela estava prestes a fazer a sua fuga, quando a porta se abriu. —O que você quer? — Perguntou uma mulher olhando para ela. Haley franziu a testa enquanto rapidamente notava o cabelo preto lustroso da mulher, características perfeitas retocada pela impecável maquiagem e o vestido curto de assassina e decidiu que estava severamente mal vestida para a festa em sua calça jeans e uma camiseta rosa bebê dos Yankees de manga comprida. Haley abriu a boca para dar uma desculpa para que pudesse sair, sabendo que era algo que ela não podia manejar, quando a mulher bufou. —Você é a vizinha do lado - disse a mulher, em tom divertido. —O que você quer?— Seus olhos se estreitaram no prato nas mãos de Haley.
  32. 32. —Eu só... —Amy, quem é? — A voz de Jason veio de algum lugar atrás da mulher aparentemente chamada Amy. Amy revirou os olhos. —É apenas a sua vizinha que veio trazer brownies. —Ela estendeu a mão para pegar o prato de Haley. —Vou levá-los para que ela possa ir... —Brownies?— Jason disse, enchendo a porta, fazendo com que Amy tropeçasse para trás e para fora do caminho. —Hey!— Amy espetou, mas Jason não parecia ouvi-la. Seus olhos estavam grudados no prato. —São aqueles - ele visivelmente engoliu - brownies cobertos com calda de manteiga de amendoim? Ele acabou de choramingar? — São brownies com pedaços de chocolate e calda de manteiga de amendoim - ela esclareceu automaticamente quando seus olhos encontraram o olhar assassino que Amy estava enviando em seu caminho. Ela estava prestes a entregar o prato a Jason e sair quando tudo nela se acalmou. Depois da noite passada, ela estava farta de ser manipulada e intimidada. Estava cansada de perder as coisas porque estava com muito medo de fazer algo a respeito. Ela era uma mulher adulta, caramba, e se queria festejar em sua primeira cervejada então ela ia e estava indo para se divertir fazendo isso. Mesmo que a matasse e a
  33. 33. julgar pelo brilho no olhar que Amy estava enviado em sua direção isso era uma boa possibilidade. —Deixe-me tirar isto de suas mãos para que você possa pegar uma cerveja - Jason disse, pegando o prato dela, olhando-a amorosamente enquanto se voltava para o interior da casa, deixando que Haley o seguisse. —Hey, isso tem um bom aspecto! Posso pegar um?— Um homem que ela tinha visto centenas de vezes ao redor da casa de Jason perguntou, estendendo a mão para pegar um. —Afaste-se seu bastardo! Ela trouxe para mim, filho da puta!— Soltou Jason. Haley automaticamente deu um ansioso passo para trás, com medo de ser pega no meio de uma luta que definitivamente estava para acontecer. Mas em vez de gritar com Jason ou ficar com raiva como ela tinha visto um monte de caras fazer em bares por muito menos que isso, o homem apenas revirou os olhos e voltou sua atenção para ela. —Oi, meu nome é Brad — disse ele, estendendo a mão. Depois de apenas uma ligeira hesitação, que esperava que ele não tivesse notado, ela deu um passo para a frente e apertou sua mão. — Haley. —Haley, é bom conhecê-la — disse ele com um sorriso encantador. — Peço desculpas pela grosseria do meu amigo, ele só
  34. 34. aprendeu a andar ereto no ano passado — disse ele secamente, ganhando uma risada suave dela e de quase todos ao seu redor. Jason lançou lhe um olhar desagradável antes de fazer o seu caminho em direção à cozinha, certificando-se de fulminar qualquer um que viesse tentar tocar seus brownies. Brad fez um gesto em direção à cozinha. — Há pizza, batatas fritas e uma abundância de bebidas lá dentro, desde que Jason não chegue em primeiro lugar, e um jogo de voleibol acontecendo no quintal e, claro, videogames no salão de jogos. Sinta-se em casa — disse ele com um sorriso. —Obrigada— ela murmurou, tomando todos os detalhes. Era isso? Ela se perguntava enquanto entrava na festa descontraída. Algo deve ter se mostrado em seu rosto, porque alguns segundos depois Brad se inclinou — Estava esperando uma Casa Animal? — ele perguntou, rindo. —Não! — ela disse rapidamente, muito rapidamente. Ela na verdade estava esperando algo nesse sentido. Ela definitivamente não tinha imaginado nada disso. Isso definitivamente poderia assegurar. Ele riu. — Vamos para dentro comigo para que eu possa apresentá-la a minha mulher — Brad disse, sorrindo. —Eu prometo que você vai ter um bom momento. Pela primeira vez desde que entrou aqui ela pensou que poderia se encaixar com os amigos de Jason.
  35. 35. — Se — comport tinha pe desagra tímida v direção — Fr Pete par no Xbox — pouco d — olhos de — — Eu não que nós Ja salvar H —Quem é em levan — Amy tamento erdido o dáveis q vizinha a sua ca — Não, a ranzindo ra o sofá x. — Ela é da expres — Ela est e Haley. — Não. — Bom— vou ne podemo ason su Haley de é a gosto ntar o ol — Pelo pegajos o ato de que esta toda a asa mais coisa bo o a testa á onde H minha ssão no tá aqui — Pete di m incom os apena uspirou dois idio osa que e har de s menos so estav cadela ava env noite. E s cedo qu onitinha a, Jason Haley est vizinha rosto de com alg isse, olh modar p as ir par profund otas em está qua seu prato s ele es va ficand que ela viando n Ele sabi ue dever com os n olhou p tava sen — diss e Pete. guém? — hando po pedindo a a casa damente um dia. ase no co o de pizz sperava do um p a fez par na direç a que q ria tê-la óculos. para cim ntada ao se ele, n — Pete p or cima para us a dela. . Pareci olo de Mi za ele dis que fo pouco ch ra Haley ção de s quando mandad ma e segu lado de não gost pergunto do ombr ar o seu ia que itch? sse: osse Am hato, e y ou os sua peq a viu in do para l uiu os o Mitch, j tando n ou, sem ro, sorri u quarto ele ia t my. Seu ele não olhares quena e ndo em longe. olhos de jogando nem um tirar os indo. — o desde ter que
  36. 36. Pete virou-se para olhar para ele. — O que foi isso? — O quê?— Jason perguntou inocentemente. — Esse pequeno suspiro que você fez— Pete disse, gesticulando preguiçosamente em direção a ele. — Nada — disse ele, com um encolher de ombros, voltando sua atenção para juntar comida em seu prato — Eu só pensei que você não estivesse nisso, isso é tudo. — Em quê?— Pete perguntou, soando um pouco inseguro. Considerando a reputação do homem provavelmente não havia muita coisa em que ele não estivesse a fim, e por essa razão Jason decidiu que ele não se aproveitaria de sua pequena e tímida vizinha. Demorou cinco anos para que Haley chegasse a sair da sua concha. Ele não estava prestes a deixar este idiota mandá-la de volta lá para sempre. — Esqueça o que eu disse — Jason disse, pegando um refrigerante de um refrigerador portátil do chão. — Mas... — Eu não quero me envolver nisso — Jason disse, interrompendo-o. Moveu-se em um passo perto do homem só para fazer uma pausa. — Só... apenas certifique-se que ela tome a medicação e que você esteja seguro, eu quero dizer... bem. — Jason rapidamente se afastou antes que ele caísse na gargalhada ao ver a expressão horrorizada de seu amigo.
  37. 37. Droga como me senti bem. Ele deveria ter feito isso anos atrás, quando avistou o primeiro imbecil farejando Haley. Será que isso lhe faz bem camarada? Ele refletiu sobre esse pensamento enquanto caminhava até o sofá e empurrava Mitch para fora, assim ele poderia sentar-se ao lado de seu pequeno novo projeto. Isso estava bom para ele, decidiu, porque no momento em que terminasse com ela, ela estaria vivendo uma vida muito mais divertida e livre de idiotas.
  38. 38. Capitulo 4 Haley respirou fundo e disse: —Eu sou gay. —Você é gay? - Repetiu o cara detestável que estava farejando ao seu redor e incomodando o inferno fora dela pelos últimos 10 minutos seguidos. —Você tem certeza? Ela reprimiu uma risada. O cara parecia realmente chateado. Odiava retirar o cartão gay, principalmente porque ela não era, mas às vezes não tinha escolha. Se ele tivesse sido agradável quando ele estivesse dando em cima dela, ela teria recusado educadamente, mas não, ele tinha que ser um porco completo o tempo todo. Na verdade, ele usou uma linha antiga. — Esse vestido fica bem em você, mas será ainda melhor amassada no chão do meu quarto pela manhã. Sim. Foi realmente triste, especialmente porque eles estavam em uma loja de café e era apenas 7:30 da manhã. Entre comentários sujos e olhadas para seus seios, ela estava começando a ficar um pouco irritada. Além disso, o odor de seu corpo estava realmente revirando seu estômago. Se ela não precisasse de uma dose de cafeína tão desesperadamente já teria saído, mas precisava e não podia ir ou estava muito segura de que morreria. Jason e alguns dos rapazes foram até tarde da noite assistido ao jogo e desde que entrou na prorrogação e como ela era uma fã
  39. 39. dedicada, permaneceu acordada até às duas da manhã e, claro, teve que assistir ao jogo até o final. Com apenas quatro horas de sono ali estava praticamente sendo atacada por um garoto-propaganda de desodorante. Depois de três semanas ainda era curioso como passou de estar completamente intimidada pelo homem a pensar nele como um urso de pelúcia gigante. Sentia-se tola por seu comportamento. Jason ainda poderia ser um pé no saco, mas um muito agradável pé no saco. Ele ainda tomava “emprestado” as coisas de sua sala de aula, mas agora deixava notas engraçadas que a faziam ela até chorar, assustando totalmente os seus alunos. Ela não podia evitar se perguntar quantas boas amizades ela tinha perdido ao longo dos anos por causa de sua timidez. Devido a isso, claro, parte dela devia no decorrer dos anos ter construído suas defesas e ela estava julgando as pessoas como Jason um pouco duramente. Todavia, ele era um pouco selvagem e um ridículo paquerador, mas era muito querido também. Ele a tratava como sua amiga. Na verdade, era bastante agradável de ser tratada como um dos rapazes. Dito isto, apesar de algumas vezes, as primeiras impressões eram certas, assim como o seu problema atual. — Sim, eu tenho certeza. Ele ficou pensativo por um instante. — Bem, você acha que vocês duas gostariam de... — Não - ela disse com firmeza. — Mas e se eu...
  40. 40. — Não. — Vamos lá, você não vai me deixar terminar. Eu tenho essa câmera... — Não. — Seria divertido... — Não. — Mas e se... — Ela disse que não – Jason disse enquanto entrava na fila e jogava o braço em volta de seus ombros, dessa forma preguiçosa dele. — Hey! Eu pensei que você disse que era gay! — O homem disse acusador. Sem perder o ritmo Jason disse: —Ela é. Eu sou apenas sua puta. O homem lançou um olhar fulminante para o braço de Jason e depois para ela. Ele enviou outro olhar para Jason e ela se deu conta de que o homem estava decidindo se queria pressionar ainda mais. Baseado na pequena estatura do homem e no corpo grande e musculoso de Jason, ele sabiamente decidiu deixar passar. — Então, o que você vai me comprar esta manhã? — ela perguntou a Jason. Ele zombou. — Eu? Por que eu vou pagar?
  41. 41. — noite pa El — — balcão chocolat coisa pa — disse co El dirigiu-s — — sorrir. À Ja diretor J Um mês seu café — Porque assada. le reviro — Eu teri — Uh hu para fa te, sabe ara roub — Eu teri om mais la pegou se para a — Até ma — Eu gan Às vezes, ason rep Jenkins s atrás, é e acena e eu te a u os olh ia vencid uh - diss azer o s endo que ar sua c ia feito. firmeza. u seu pe a porta. ais. nhei a a ele era primiu u que ela sua ami ado com ajudei a hos. do sem a se ela d seu ped e Jason comida. Eu não . edido, en aposta po como um um sorris não pod iguinha m a cabe ganhar a sua aju distraidam dido. Ela n ia roub preciso nquanto or minh ma crian so, enqu dia acom tímida t ça, não cinquen uda. mente, d a acresc bar dela de sua o ele est ha conta nça gran uanto ob mpanha- teria sim importa nta dólar dando u centou a. Ele pa ajuda v ava espe - ele gr nde. Era bservava lo ao ba mplesmen ando qua res do B um pass um mu arecia t você sab erando ritou, faz muito b a Haley d aile hoje nte olha ais fosse Brian na so até o uffin de ter uma e — ele o seu e zendo-a bonito. dizer ao à noite. do para em seus
  42. 42. planos. Agora, ela estava dizendo ao homem que não, firmemente ainda que suavemente. Ele sentiu algo como orgulho com isso. Era graças a ele, afinal. Deu um pouco de trabalho, mas ela estava indo muito bem. Quem poderia saber que havia um pouco de tigresa abaixo de toda essa fofura? Ele com certeza não sabia, mas foi bom vê-la defender-se pela primeira vez. O pessoal poderia queixar-se de seus métodos e de sua relação fácil com as crianças, mas pelo menos ele nunca encurralava uma mulher como Haley e se aproveitava dela para convertê-la em uma acompanhante disto ou organizadora daquilo. — Mas Haley, nós realmente precisamos de você para que seja a acompanhante. John tem ingressos para um jogo hoje à noite. — Sinto muito, Tom, mas eu já tenho planos para hoje. Eu realmente gostaria de poder ajudá-lo, mas eu não posso quebrar meus planos na última hora. Você entende — disse ela educadamente, mas com firmeza. Sua autoestima estava claramente em ascensão e fez todo o pacote ainda melhor e ele não era o único a notar isso. Outros professores estavam mostrando-lhe mais respeito e os homens estavam definitivamente a observando. Oh, ele levava cem por cento do crédito por sua pequena protegida. Sim, ele era o mestre. Provavelmente era hora de que ele usasse a sua grandeza para o bem. Ele viu a mesa onde ela deixou seu café e bolos, bem como três homens, perdedores em sua opinião, que observavam o assento ao lado do dela. Sem qualquer hesitação, ele passou por eles e sentou-se à mesa, ganhando olhares assassinos dos outros homens. Muito
  43. 43. ruim. Em sua opinião, se um homem não tem coragem para fazer uma jogada não merecia a mulher que ele desejava. Não que ele desejasse Haley. Ele não desejava. Ela era sua amiga e estava se convertendo em uma de suas melhores amigas. Não, o que desejava era o muffin quente de chocolate com a manteiga extra que ele a viu comprar mais cedo. Ele suspirou alegremente enquanto pescava o muffin de sua bandeja. — Quando vai aprender? - Ele murmurou enquanto pagava seu muffin recém adquirido. — Por favor, ajude a si mesmo — Haley disse secamente quando sentou-se e adicionou açúcar no café. — Obrigado, eu acho que eu vou — disse ele alegremente enquanto passava mais manteiga em seu muffin. — Quais são estes incríveis planos que você tem para esta noite? — ele perguntou entre mordidas. — Encontro — disse ela. — Eu acho que isso significa que o nosso amor acabou — ele disse com um beicinho. — Eu acho que sim. — Estou ferido. — Você vai sobreviver... com terapia, é claro — disse ela com uma piscadela e um sorriso. — Este é outro perdedor?
  44. 44. Ela desviou o olhar e murmurou algo. — Me desculpe, eu não falo entre dentes — disse ele, enquanto a observava o bolo de maçã e amêndoas com cobertura de streusel6 que ela acabava de tirar da bandeja. Inferno, como ele tinha perdido aquele delicioso pedaço pequeno? Sua mão parecia ter vida própria, uma vez que deslizou para essa saborosa e pequena surpresa. Com um suspiro, as mãos de Haley desceram para proteger seu muffin. — Controle-se! — Ela gemeu enquanto partia um pequeno pedaço e comia. Seus olhos se voltaram para o muffin. Ele sabia que estava fazendo beicinho quando Haley revirou os olhos e continuou a comer. Droga, onde estava o amor? Ele era um homem com fome. Com um suspiro, abriu sua bolsa e tirou um dos seus três bolos de café e começou a comer tudo, mantendo os olhos no muffin. — Você é patético — Haley murmurou com um rolar de olhos. Ela empurrou a última metade do seu bolinho para ele. Com um enorme sorriso, ele meteu a grande metade em sua boca e saboreou- o. Realmente era tão bom como parecia. — Então, o que é que você não quer que eu saiba meu pequeno gafanhoto? — ele perguntou, mexendo o café. O último encontro que ela teve era com um perdedor, em sua opinião, pelo menos, e realmente não era isso o que importava? O perdedor não era digno de toda a sua obra. Eles trabalhariam nisso até que ela namorasse caras que ele aprovasse. Alguém legal com uma cabana em New Hampshire 6 É um tipo cobertura feito de manteiga, farinha e açúcar, que é cozida em cima de bolos, pães, tortos e bolos.
  45. 45. para viagens de pesca ou uma casa na Flórida o deixaria muito feliz. Ele realmente poderia ir para alguma pesca em alto mar no inverno. — Pare de me chamar assim!— Haley assobiou baixinho. — Pela centésima vez, eu não sou o Daniel San e nem você é o Sr. Miyagi. Ele simplesmente deu de ombros. — Se é nisso que você acredita ... — É, e eu acredito. — Eu poderia ter a atenção de todos vocês antes de voltarem para a sala de aula? — Jenkins disse, segurando sua prancheta para chamar a atenção de todos na sala de descanso de professores. — Precisamos de mais um voluntário para a dança de hoje à noite — disse ele, lançando um olhar esperançoso na direção de Haley. — Cresça... cresça... — Jason murmurou, ganhando um bufo de forma bastante indelicada de Haley. — Você quis dizer alguma coisa, senhorita Blaine?— Jenkins perguntou a Haley, chamando a atenção de todos para ela. Jason recostou-se na cadeira e observou Haley quando um rubor subiu por seu lindo rosto. Ela nervosamente empurrou os óculos para cima do nariz. Ah, parece que sua protegida ainda odiava chamar a atenção para si mesma. Bem, ela teria que se acostumar com isso, se eles estavam começando a serem amigos, desde que ele tinha o mau costume de chamar a atenção para si praticamente em todos os lugares por onde passava.
  46. 46. — Sim, senhorita Blaine, você tem algo a dizer? — Jason perguntou em um tom divertido. Ela lançou lhe um olhar estreitou antes de se virar para olhar Jenkins. O brilho se foi apenas para ser substituído por um sorriso bastante doce e inocente. Ele estava tão concentrado em seu sorriso que ele quase perdeu o que ela disse. — Não, Sr. Jenkins, não era eu. O Sr. Bradford estava se voluntariando para ser acompanhante esta noite — disse ela alegremente. — O quê?— Disse ele, demasiadamente tarde. Jenkins sorriu para ele. — Bem, isso é excelente! Muito bom. Certifique-se de que você esteja aqui às sete horas em ponto e vai até as onze. Obrigado, Sr. Bradford. — Disse Jenkins. Não escapou a Jason que o homem não se incomodou de confirmar com ele e que praticamente correu para fora da sala antes que Jason pudesse recusar. Sua atenção imediatamente dirigiu-se para a pequena traidora. — Sua maldita traidora — ele suspirou. Seu sorriso passou de inocente a malvada em menos de um segundo. — Divirta-se no baile. — Ela levantou-se e colocou as mãos na frente dela, como se estivesse rezando e se curvou. Espertinha.
  47. 47. El realmen — lamento nervosa especial nervosa grupo de — — — você —, braço em Bo bando d música — pergunt la o trai nte estav — Oh me ou em mente. lmente mente e e menin — Ele é u — Não dig — Oh, eu uma m m volta d om. Tud de adole horrível — Sr. Br tou. iu. Drog va se sain eu Deus, voz al Ele nu as em soltou u nas rodea um idiota ga isso! E u sei qu menina u da moça do estav escentes . Sim, el radford, a isso d ndo mui , eu o am ta, faze unca tin moções um susp arem a m a!— Diss Eu o am e você a um pouc a. va bem. s com o le ia real por que doía. Ele ito bem. mo! — A endo co nha lid feminin pirou de menina. se uma d mo! —Cin ama. Ele co gordin Ele po s hormô lmente m e ele far não pôd A menina om que dado be nas. E alívio q delas. ndy chor e não é nha diss deria vo ônios im matar Ha ria isso de deixa a, Cindy e Jason em com Ele olho uando v rava. bom o se enqua oltar par mpulsion aley. Ele comigo ar de sor y ou algo n se m m as em ou ao viu um p suficien anto col ra escol nados po e se afas ? — A rrir. Ela o assim, movesse moções, redor pequeno nte para ocava o ltar um or uma tou. menina
  48. 48. Ele congelou a meio passo e olhou em volta nervosamente, esperando que algum outro Sr. Bradford estivesse por perto e disposto a lidar com isso. Não teve essa sorte. Ele limpou a garganta. — Faria o quê, exatamente? Ela zombou dele, com um olhar de descrença absoluta, lhe dizendo que pensava que ele devia ser muito consciente de tudo em sua vida. Considerando que ele nunca tinha prestado muita atenção à vida de qualquer mulher, ela estava em um inferno de um despertar rude. Felizmente, um de seus amigos ficou com pena dele. — Marc Griswold. Eles comeram na mesma mesa duas vezes nas últimas duas semanas, ele falou com ela na sala de estudo, e lhe pediu emprestada as suas anotações. Agora ele está aqui com ela —, disse com tal desgosto que ele não poderia deixar de seguir o seu olhar. Ele viu Marc dançando com uma morena muito bonita. Ele se lembrava do nome dela, Janie. Ela era uma menina inteligente e engraçada como o inferno. Se não lhe falhasse a memória corretamente, Marc estava apaixonado pela menina nos últimos dois anos. O pobre rapaz, que era normalmente tão seguro de si mesmo e de fácil convívio transformava-se em um tolo gago quando a menina estava por perto. Ele se perguntava quando que o garoto tomaria coragem e finalmente iria pedir a garota para sair. —Hmmm, bom para ele — ele murmurou, ganhando um suspiro coletivo de indignação.
  49. 49. — mais alt O — provavel H — para exp muito d que era Es homem sugeriss um enc aparente esse per Nã que ele pouco m estavam estava c Fo primeira —Como v to, fazen h, ele re —Eu tiv lmente, aley obr —Eu tam plicar so difícil enc agradáv sta era a que Ma se. Qualq contro c emente rdedor. ão come era mui magro, m m limpas certo oco oi então a vez, de você pôd do-o est ealmente ve um pela déc rigou-se mbém— obre o q contrar a vel que e absoluta ary, um quer um com um não, poi eçou mal ito bonit mas aind e ele ch orreu qua o quand esde que de, Sr. B tremecer e ia mata momen cima vez a sorrir disse ela ue ela a algo agr estava te amente o ma de su m poderia taxider is de alg l. Na ver to de um da assim heirava b ando ele do sua e chegara Bradford r. ar Haley nto mu z. e mentiu a, esper achou bo radável s erminand o último uas ami a pensar rmista, guma for rdade, el ma man m, ele p bem. O p es chega mãe li am ali h d? — A por esta uito bom u, é clar rando qu om, porq sobre est do. encontr igas ma r que dep havia a rma ela c le chego neira ing arecia a primeiro aram ao r igou pe havia ma menina a merda m— dis ro. ue ele n que ela r ta noite, ro que el ais antig pois que aprendid concordo ou na ho ênua. E agradáve indício d restaura la prim ais de um a chorou . sse Jon não lhe realmen , exceto, la teria c gas e qu e Mary a do a sua ou em s ora e ela Ele era a el. Suas de que a ante. meira vez ma cham u ainda nathan, pedisse nte seria é claro com um ueridas, arranjou a lição, air com achava alto, um roupas algo não z. Sim, mada de
  50. 50. sua mãe. De fato, durante o seu encontro de quatro horas, que durou tanto tempo porque ele demorou muito tempo comendo, ela chamou um total de vinte e três vezes. Sim, ela estava muito certa de que era a mãe dele, desde que se sentou à mesa quando começou as chamadas e o alto-falante de seu telefone era muito alto. As razões para as chamadas variavam entre, que sentia falta dele, queria saber se ele preferia voltar para casa e comer o que ela havia cozinhado, lembrou-lhe para limpar seu quarto amanhã, e o seu favorito, queria saber se ele ainda estava com “ela”. A julgar pelo seu tom de voz e da quantidade de ligações, sua mãe não estava muito satisfeita com seu filhinho em um encontro. Contanto seu filhinho tinha trinta e cinco anos de idade e segundo ele nunca viveu por sua conta. Por que faria isso quando ele morava com sua melhor amiga? Ou seja, sua mamãe querida. Claro que ele passou um bom tempo reclamando sobre como injusta sua mãe poderia ser. Quem diria que um homem de 35 anos de idade ainda pudesse ficar de castigo por não pegar suas meias sujas? Ela certamente não diria. Ela não podia esperar para chegar a sua casa e por um par de jeans e uma camiseta e ter uma boa risada sobre isso com Jason. Isso é claro se Jason a tivesse perdoado por sua pequena brincadeira de antes. Daí o grande pedaço de bolo de chocolate com cobertura de manteiga de amendoim que ela trazia em um recipiente. Jason era um bebê grande, mas um bebê grande que poderia ser comprado com guloseimas. —Bem, aqui estamos nós, — disse ela brilhantemente enquanto eles entravam em sua garagem. —Foi divertido. Obrigada mais uma
  51. 51. vez — disse ela rapidamente quanto praticamente saiu correndo do carro. —Esta casa é muito bonita— disse ele perto, muito perto. Haley olhou para trás e engoliu a maldição que ameaçava escapar de seus lábios. O homem estava seguindo-a até a porta. Ela queria chorar, realmente, ela queria. Quando é que este pesadelo acabaria? Ela caminhou até a porta e ensaiou outro sorriso falso no rosto. —Bem, obrigada novamente. —De nada.— Ele deu-lhe um sorriso tímido antes de se inclinar para beijá-la. Felizmente ela viu o que estava por vir e virou a cabeça a tempo de receber um beijo bastante molhado em seu rosto. Ew... Ela mal se conteve em enxugar o rosto. Ela teria que esfregar isso em questão de minutos, em uma ducha com água quente. —Oops. Desculpe —, ele murmurou enquanto se inclinava para lhe dar um beijo. Mais rápido do que ela achava ser possível, ela teve a porta da frente destrancada e aberta. Ela cambaleou para trás salvando-se de mais baba. —Bem, foi bom, mas... —Posso entrar para uma xícara de café?— ele perguntou ansiosamente, e depois, claro, teve de acrescentar: — Eu posso voltar para casa à hora que eu queira esta noite.— Oh, ela sabia que ele estava mentindo. Alguém ia ficar muito encrencado quando chegasse a casa. Ela mentalmente o incumbiu.
  52. 52. Ela abriu a boca para recusar educadamente quando a gritaria começou. —Ajude-me! Haley saltou. Mas que diabos? Parecia que Jason estava dentro de sua casa. —Ajude-me, por favor! Alguém, por favor, me ajude! Por que não vem me ajudar? —O que é isso?— Jonathan perguntou nervosamente. Haley não parou para responder. Ela já estava correndo na direção dos gritos. O quarto dela? Ela abriu a porta e quase tropeçou enquanto se detinha a 1,50m de distância dentro do quarto, o que a colocava bem na frente de sua cama. —Que diabos... — Jonathan parou atrás dela. —Oh, graças a Deus você está aqui, Haley!— Jason disse, parecendo feliz apesar de estar amarrado a sua cama vestindo apenas um par de boxers. —Eu sei que você disse que se excita sabendo que eu estou amarrado a sua cama esperando por você, mas eu realmente preciso usar o banheiro e esticar as pernas, antes de começar...—, sua voz sumiu quando avistou Jonathan. Jason suspirou dramaticamente. —Eu pensei que nós concordamos que você me diria antecipadamente antes de adicionar mais alguém a nossa cama.— Rolando os seus olhos, ele disse: —Está tudo bem desta vez. Sorte a sua, eu acho que nós temos um monte de lubrificante. —Ele olhou
  53. 53. pensativo para Jonathan, que ainda estava olhando para Jason silenciosamente. —Eu espero que você não seja escandaloso. O último cara gritava como um desesperado cada vez que eu... —Você é doente!— Jonathan gritou, cortando Jason. —Fique longe de mim e não tente me chamar também. Eu vou falar para minha mãe sobre você! Haley não poupou nem um piscar de olhos para Jonathan enquanto olhava para o homem que estava com um grande sorriso malvado e amarrado a sua cama. Ela estava vagamente consciente de sua porta da frente se fechando e o som de pneus arrancando de sua garagem. —Isso é para mim? — Perguntou Jason, olhando incisivamente para o recipiente de isopor em suas mãos. —Mmmhmm— disse ela, enquanto caminhava ao redor da cama e colocava o recipiente em seu peito e o abria. Ela não perdeu quando seus olhos se arregalaram de prazer. —Isso é... —Cobertura com manteiga de amendoim, sim— ela terminou para ele. Ele lambeu os lábios, enquanto olhava para a enorme sobremesa. —Você é a melhor, sempre. Desata-me para que eu possa comer — disse ele distraidamente, enquanto continuava a olhar para o bolo, provavelmente tentando decidir qual extremo ele atacaria primeiro.
  54. 54. —Você não pode se livrar sozinho? —Não. —Você mesmo fez isso? —Sim. Agora o bolo, mulher. —Uh huh ...— Ela afastou-se da cama e foi para o banheiro. —Espera, aonde você vai? —Eu vou procurar algo para lhe desamarrar. —Depressa. —Claro que sim — disse ela, feliz por ele não poder ver o seu sorriso malvado.
  55. 55. Capítulo 5 —Eu disse cale a boca!— Jason estalou quando ele roubou a bola de Brad, seu amigo mais antigo e jogou a bola de basquete na cesta. Brad enxugou as lágrimas do seu rosto enquanto ele lutava para parar de rir. Ele falhou miseravelmente e caiu de joelhos quando ele não era mais capaz de suportar. —Cale a boca! —Eu não posso... não posso... acreditar... ela... raspou... suas pernas!— Brad disse entre suspiros e risos. O bastardo. Felizmente ele estava vestindo uma camisa que cobria o peito e as axilas agora sem pelos . Oh, ela ia pagar por isso. —Ela comeu meu bolo também!— Disse Jason, que em sua mente era a traição mais grave. Ela não teria sequer deixá-lo lamber a colher limpa e ele pediu, várias vezes. Droga de provocação. Esse bolo tinha um cheiro tão bom. Seu estômago roncou só de pensar nisso. —Oh, meu amigo, para alguém tão obcecado por comida, você tem sorte, que não esteja gordo — disse Brad enquanto ele continuava a lutar com seu riso. Felizmente ele agora era capaz de ficar assim Jason poderia chutar a bunda dele neste jogo. —Não é sorte. Eu tenho um metabolismo acelerado e faço exercício - disse ele, lançando outra bola. —Quanto tempo pode mantê-lo amarrado?
  56. 56. Jason lançou um olhar para Bradon. —Eu não sei por que você acha isso tão engraçado. Você deveria ser meu melhor amigo. Isso deveria te dar uma certa indignação que alguém por se aproveitar de mim assim. Onde está sua lealdade? Brad abruptamente parou de rir e arqueou uma sobrancelha. —Você contratou duas strippers na minha despedida de solteiro para me fazer uma depilação estilo à brasileira, quando eu estava desmaiado. Jason riu. Oh, que tinha sido uma noite muito boa mesmo. Na verdade, ele tinha certeza de que ele tinha as imagens em algum lugar em sua casa. Durante toda a cerimônia Brad mexeu no altar enquanto tentava discretamente coçar. A partir do que ouviu que sua esposa tinha amado tanto que estava atrás dele para fazer novamente. Dizer que Brad estava relutante em permitir que a cera quente perto de seus bens mais uma vez foi um eufemismo. —Nada que você possa se queixar, nada foi pior do que o que você já fez com todos os outros, ao longo dos anos. Na verdade, eu acredito que Haley agora é meu herói. —Ela está morta para mim - ele disse com uma fungada. —Uh, huh — disse Brad, roubando –lhe a bola e fez um tiro de merda. —O que isso quer dizer?— Jason perguntou, tomando a bola de volta.
  57. 57. Brad encolheu os ombros. —Parece que você gosta dela. —Eu gosto dela— disse ele facilmente antes de acrescentar: — Quando ela não está me traindo é minha amiga. —Ela é uma mulher muito quente e muito bonita, eu diria—, Brad acrescentou. —Também é isso— Jason disse, driblando com a bola. —É bom ter um colírio para os olhos em torno de meu prazer. — Ele olhou para Brad—Ele não iria matá-lo se você estiver junto comigo. —Sim, eu vou dar um jeito nisso—, Brad disse ironicamente. —Veja o que você faz. Depois de alguns minutos de jogo, Brad perguntou: — Então, há alguma coisa acontecendo entre você e Haley? Jason mal conteve uma gargalhada. —Vamos lá! Ela é minha amiga. Eu não a vejo dessa maneira! —Uh huh. —Eu não a vejo assim. —Claro. Jason empurrou a bola para Brad. —Que diabos isso quer dizer? Brad deu de ombros quando ele tomou outro tiro.
  58. 58. —Nada. Só notei como você olha para ela, às vezes. —Oh! Esclareça-me. Como é que eu olho para ela? Brad olhou para a bola quando ela saltou uma vez, duas vezes, e, em seguida, olhou para cima. —Como se você quisesse devorá-la de cima para baixo e mataria qualquer pessoa que cruzar o seu caminho. Jason bufou. Então, para uma boa medida ele bufou novamente. —Não, eu não faço. —Sim, você faz. —Está tudo na sua cabeça. —Tudo o que você diz — Brad disse facilmente, enjoando Jason ainda mais. Ele não queria Haley. Ele não olhou para ela de alguma forma especial. Ela era sua amiga, e ele não a viu como que algum petisco que ele queria devorar. Ok, então sim, ela estava quente e os óculos a fazia parecer absolutamente adorável e ele percebeu que ela tinha as pernas muito bonitas e grandes seios que ele tinha certeza de que iria embalar sua cabeça muito bem, mas quem não iria perceber isso? Ela também foi muito boa com ele, que o fez protetor dela, e gostava de colocar o braço em torno dela, porque ela se sentia bem ao seu lado e se encaixam perfeitamente debaixo do braço. Então o quê? Isso não significa nada mais do que amizade.
  59. 59. —Oh, aqui vem o objeto de seu desejo agora — Brad disse, rindo. —Cale a boca!— Jason o agarrou antes que ele voltasse sua atenção para Haley, que estava com uma nova blusa de seda verde e uma saia escura. Parecia que ela estava indo para o trabalho, não para sair em um domingo. Ela segurava um prato de alumínio na frente dela. —Você está bonita. Onde você está indo? — Perguntou Brad. Haley suspirou — Churrasco. Ambos os homens ficaram boquiabertos quando a olharam. —Você está indo para um churrasco assim?— Perguntou Brad. Quem ia a um churrasco assim? O que aconteceu com calça jeans e uma camiseta ou um top? É claro que ainda tinha muito a trabalhar. —Churrasco de família, não pergunte - disse ela antes de voltar sua atenção para ele. —Você ainda está com raiva de mim? Ele resmungou antes de sair. —Oh, vamos lá! Eu finalmente deixei você ir! —Ele virou-a sem olhar para trás. —Vamos lá! Esse bolo não parecia metade tão gostoso quanto pretendia. Isso me deixou desconfortavelmente cheia! — Ela gritou, ganhando um sorriso de Brad e uma segunda saudação de Jason. —O que você tem aí? — Perguntou Brad.
  60. 60. Haley suspirou quando ela puxou a folha, revelando grandes biscoitos com pedaço de chocolate. —Eu fiz isso para o grande bebê, para ele parar com sua pequena birra. —Uau, estão com ótima aparência! Posso pegar um? Ela encolheu os ombros. —Claro, desde que o bebê não quer um. Brad pegou um biscoito e trouxe-o à boca. Foram centímetros de distância, quando uma grande mão bronzeada agarrou. Jason pegou o prato dela antes de enviar a Brad um olhar matador. —Como você se atreve a tocar nos meus cookies, seu bastardo!— Jason disse em desgosto antes de estalar o cookie na boca e voltar para sua casa. —Droga aqueles parecia bom também — Brad resmungou. Haley suspirou. —Não se preocupe, eu tenho uma segundo prato no meu balcão.— As palavras mal tinham saído de sua boca quando Jason abruptamente mudou de rumo e se dirigiu para a casa dela. —Bem, não mais - disse ela, observando Jason entrar em sua casa como se fosse dono dela. Um minuto depois, ele saiu de sua casa, levando ambas os pratos e os galões de leite que ela tinha em sua geladeira. Ele voltou para sua casa, mas não antes de olhar para Brad. —Você ladrão de bolinho safado - ouviram-no murmurar.
  61. 61. Br — com ele H carro. P El mansão revirar o eles se p família n da famí provar patético prevista língua. S Pa disse qu ataque olhares sua apa Po antes d rad revir —E as pe na facu aley ape or um m la ignoro de seu os olhos preocupa não sab ília que que ele os, se vo a para ap Sim, isso ara as p ue ela a para ac de pieda arência. S or que e chega rou os o essoas pe ldade. enas riu momento ou o bril u pai e e , mas si avam, el ia que e também es eram ocê pergu parecer o ia ser m próximas absoluta abar com ade sobr Sim, isso o carro ar aqui, lhos, rin erguntam u quando o ela esqu lho do m estacion implesm la nunca eles eram m não e o melh untar a em even muito di s quatro amente m todos re seu es o ia ser f confiáv ou melh ndo. m como o tranco ueceu o manobris nou seu mente nã a saberia m ricos. eram ric hores e ela, nin ntos fam ivertido. horas, e tinha qu s os aju stado civ fenomen vel não hor, ain eu perd ou a cas inferno sta quan próprio ão conseg a. Não e Também os. Esta mais r nguém f miliares, era o má ue ficar stes, Ha vil, sem nal. Simp podia te da tives di peso d a e se d que a es ndo ela d carro. E guia se c era como m não er avam se ricos. Q fez, é cla ato perfe áximo qu r ou ela aley teria filhos, s plesmen er parad sse acab dividindo dirigiu p sperava. dirigiu em Ela tent conter. o o resto ra como empre te Que tipo aro. Ela feito e m ue sua m a ia lan a que s seu traba nte ótimo do no c bado a g o quarto ara seu . m torno tou não Por que o de sua o resto entando os mais a estava morder a mãe lhe çar um uportar alho e a o. caminho gasolina
  62. 62. deixando-a encalhada à mercê dos animais selvagens que a atacariam e salvando-a desse inferno? Foi realmente muito para pedir? Ela passou a mão sobre a camisa para alisá-lo para baixo quando ela se aproximou da porta da frente. Antes que ela pudesse bater, a porta foi aberta. Jameson, o mordomo esnobe desde que ela tinha 10 anos, olhou com desagrado cima para baixo do nariz dela. —Sua mãe á espera á meia hora, Srtª. Blaine — ele disse com uma fungada. Não escapou a perceber que ele chamou as irmãs por seus primeiros nomes e até sorriu quando ele fez isso. Ela não ia ficar aqui e discutir com o homem. —Onde ela está? Outra fungada. —Madame está no quintal. Está muito exausta. Ela trabalhou dia e noite neste churrasco. Ela foi até o romper da aurora e não descansou desde então! —Uh huh. - Haley disse distraidamente enquanto passava por um monte de pessoas que ela não conhecia. Engraçado como churrascos de família em sua família realmente significava trazer todos aqueles nos quais queriam impressionar ou trocar ideias. Parecia que ela era a única que não tinha trazido uma comitiva. Tinha amigos que ela realmente se preocupava e poderia ter trazido, mas bem, era porque ela se preocupava com eles que não poderia infligir tal castigo a eles. —Haley, tão bom ver você!— Disse seu primo Jacob. —Você deve vir para o vinhedo neste verão e ficar na minha casa nova. É
  63. 63. fabulosa, você vai adorar! — Disse alto o suficiente para chamar a atenção para si mesmo. Ela não tinha dúvida de que era para o benefício da multidão ao seu redor, considerando que ele absolutamente a odiava. Poderia ter algo a ver com ela ter colocando creme de barbear em seu shampoo quando eles eram crianças. Ah, sei lá. Ela simplesmente deu aquele sorriso falso perfurando sua cabeça e fez o seu caminho para o quintal, onde ela encontrou a mãe trabalhando duro para beber um Martini e fofocando com suas irmãs, algumas tias e sua avó cochilando em uma cadeira de rodas a poucos metros afastado sob seu próprio guarda-sol. Seu pai, cunhados e vários tios, primos e homens que ela não conhecia estavam sentados no extremo oposto do grande pátio de tijolos que se estendeu por toda a extensão da mansão. No gramado, fornecedores, profissionais que colocavam a carne na enorme churrasqueira a gás enquanto outros colocavam a comida nas mesas e cadeiras em torno destas que agora cobriam uma pequena parcela dos dez acres do quintal. Ela não se surpreendeu que não houvesse crianças no churrasco de família e sugerir trazer uma criança aqui mandaria sua mãe para um grande mau humor. A rainha social, sua mãe foi definitivamente, uma mãe e avó? Nem um pouco. Ela estava quase lá na a sua infância. Por que fazer isso quando podia pagar alguém.. esse era o lema de sua mãe. Babás e empregadas domésticas tomavam conta dela e de seus irmãos até a idade de dez anos, quando cada um foi para o internato. A partir de então era óbvio que eles eram apenas os hóspedes nesta casa.
  64. 64. Alguns podem pensar que era uma educação patética e um ponto que ela concordaria. Uma vez que eles só viam crianças como um acessório que realmente não tinha nada com eles. Teria sido uma infância horrível se seus avós não tivessem comprado uma casa perto de sua escola na primeira semana e levou Haley para morar com eles. Graças a seus avós, ela teve uma infância maravilhosa. Ela amava a vida com os avós dela, é uma das razões que há dezoito anos ela tomava conta de sua vida e decidiu perseguir seus próprios sonhos em vez de seguir os passos de sua família. —Oh, Haley! Aí está você, querida! — Sua mãe disse alegremente. Ela estava tentando sorrir? Sim, parecia que ela tinha feito Botox mais uma vez. Todo o seu rosto estava completamente congelado. —Olá, mãe - disse ela, dando-lhe a mãe um beijo na bochecha enquanto sua mãe lhe dava outro. —Sente-se, querida!— Sua mãe fez um gesto para o assento ao lado dela. Suas irmãs Marta e Rose deram-lhes sorrisos e com isso pegaram os copos e ajeitaram para trás os cabelos na tentativa de mostrar qualquer nova bugiganga ganhada de seus maridos, mas provavelmente tenham sido compradas por suas secretárias. —É tão bom ver você, Haley - disse Rose com um sorriso frio enquanto ela balançava sua pulseira de diamantes. —É bom ver você também, Rose. Como estão seus filhos? — Perguntou Haley. Rose deu-lhe um olhar bastante sem graça.
  65. 65. —Como eu poderia saber? Haley abriu a boca para ressaltar que eles eram de fato seus filhos, mas decidiu não o fazer. Martha se inclinou tentando ser discreta. O fato de ela levantar a voz destruiu esse efeito. —Coitadinha! Eu vejo que a dieta não esta funcionado. —Ela fez beicinho. —Será que você levou um fora de novo?— Ela balançou a cabeça como se fosse irrelevante e tirou um cartão de visita que provavelmente tinha preparado para este momento. —Aqui está o nome de um bom médico que faz maravilhas com a remoção de gordura e cirurgia plástica. Ainda sorrindo, Haley aceitou o cartão. Desde que ela tinha perdido alguns quilos no último par de semanas e não se considerava gorda, especialmente porque o seu estômago era plano, ela sabia que sua irmã era delicada como sempre apontando que Haley não era tão magra como o resto deles. Peitos retos e parecer esquelético estavam na moda aparentemente. Desde que ela nunca seria parecido com eles e ela não queria ser, simplesmente deixou o cartão de visita sobre a mesa. Ela não tinha nenhum problema quando se olhava. Ela estava confortável com suas curvas. Ela tinha o mesmo tipo de corpo, que sua avó tinha quando era mais jovem. E mesmo sentada em sua cadeira de rodas e com todo mundo aqui, ela temia irritar. Ela poderia ser um pouco diabinha para lidar com eles. Todos olharam com desdém para ela por seus caminhos de classe média, esquecendo que era o seu trabalho duro e sacrifícios que fez a família o que é hoje.
  66. 66. —Você sabe que eles podem reduzir essas coisas nos dias de hoje - disse Rose desagradavelmente, puxando Haley de seus pensamentos. —Que coisas? — Perguntou Haley, distraída por um de seus primos olhando sua avó como um abutre. Ela não tinha dúvida de que ele estava contando suas respirações. Inferno, o sacana estava murmurando as palavras. Essas pessoas eram patéticas. —Seus seios, querida. Eles são... bem... eles são tão classe baixa. Eles fazem você parecer como uma garçonete ou algo assim —a tia disse simpaticamente. —Eu acho que você ficaria ótimo com menos curvas... — Rose acrescentou. Sorrindo ela disse; —Eu vou manter isso em mente, obrigada. Agora, se vocês me desculparem. —Oh, espere, querida!— Disse sua mãe, segurando sua mão. — Eu queria lhe perguntar como anda o seu pequeno passatempo. Seu pequeno passatempo queria dizer seu trabalho. Sorrindo ela respondeu: —Está indo muito bem. Obrigada por perguntar. Nossas férias de verão será em dois meses. Estou pensando em viajar, ou alugar uma cabana em New Hampshire por algumas semanas. —Francamente, querida, eu não sei por que você faz isso. Se você está tão determinado a trabalhar você deve voltar para a escola e
  67. 67. obter um verdadeiro diploma como de direito ou medicina como seu pai. Será que é porque você está tentando encontrar um homem? — perguntou a sua mãe, parecendo esperançosa. Sorrindo ela respondeu: —Não, eu não estou procurando por um homem. Eu gosto do que eu faço. A resposta de sua mãe era uma carranca, bem parecia que ela estava tentando franzir a testa. Na verdade, todos na mesa estavam franzindo a testa agora. Não conseguiam entender por que ela trabalhava, parecia que nenhuns deles jamais haviam trabalhado um dia em suas vidas. Pessoalmente, ela pensou que todo o grupo estava bastante mimado e ela queria saber por que ela tinha vindo aqui em primeiro lugar. Então se lembrou. Ela veio aqui por causa da sua avó. Ela não podia deixar a avó com estes abutres e sem contar que a sua avó ameaçou coloca-la sobre os joelhos e espancá-la se ela não aparecer. —Querida!— Seu pai disse, sorrindo enormemente. Ele se inclinou e beijou ambas as bochechas. Sorriu. —Feliz aniversário, querida. Sinto muito, que venha com algumas semanas de atraso — disse ele timidamente. —Obrigada, pai — disse ela, levando o cartão de aniversário. Sorrir. Seu aniversário foi há cinco meses. Sim, toda a sua família tinha esquecido, bem, exceto avó, claro. Ela ligou às cinco da manhã, acordando Haley em seu aniversário, exigindo que Haley devesse colocar algum sentido em seus pais. Haley acalmou e agradeceu o presente que ela tinha enviado no dia anterior. No dia seguinte, ela foi
  68. 68. e viu. Suas antigas babás enviaram cartões e presentes de aniversário. Seus amigos fizeram-lhe um jantar e saíram, por isso estava bem. —Eu não posso acreditar que meu bebê esta com vinte e cinco!—, Disse. —Eu sei.— Ela não conseguia acreditar desde que ela tinha vinte e nove anos, mas se queriam fazê-la mais jovem quem era ela para discutir? —Ela tem vinte e nove anos, seu idiota!— Disse a avó. —Ela fez vinte e nove anos em dezembro. Como são estúpidos, —Resmungou a sua avó. Sorrindo, ela respondeu: —Obrigado, pai. Está tudo bem. Seu sorriso vacilou e pela primeira vez em sua vida ele realmente parecia constrangido e envergonhado. —Eu vou ligar para você no final desta semana— disse ele com firmeza. —Pai, está tudo bem— disse ela, deixando-o livre da culpa. —Não, não esta— disse ele, antes de forçar um falso sorriso e virou-se para responder a alguém que chamava seu nome. —Honestamente, Haley. Não há necessidade de criar tal drama por esse absurdo — disse sua mãe, tentando salvar sua reputação. Todo mundo enviou sua mãe olhares piedosos e rolos de olho para Haley como se fosse culpa dela o fato de simplesmente viver.
  69. 69. Sorrindo ela respondeu: —Perdoem, vocês vão me desculpar— disse ela, pegando o seu cartão praticamente furando-o em sua bolsa. Ela caminhou até sua avó e se sentou. Vovó bufou. —Eu não sei por que aturar tal disparate. —Está tudo bem. —O inferno que esta! Pela primeira vez desde que ela chegou, ela deixou escapar um sorriso real. —Deborah, o que vamos comer hoje?— Vovó exigiu da mãe de Haley, sua menos favorita nora. A mãe sorriu, ou melhor tentou sorrir. —Nós temos salmão com folhas de espinafre grelhado, uma salada de batata e algumas iguarias de soja francesas, que estão simplesmente para morrer. Olhos da avó se estreitaram perigosamente quando sua mão foi para a bengala que estava junto de sua cadeira. Haley discretamente lutou para manter a bengala longe de sua avó. —Ei, isso é meu!— Vovó estalou contra Haley coloque a bengala ao lado de sua cadeira, longe da avó enquanto esfregando as costas com a mão. Droga, a avó tinha um aperto firme.
  70. 70. —Comporte-se — Haley chiou, fazendo avó sorrir. De todos os filhos e netos, Haley era a única que tratava a avó como um ser humano e não como uma velha responsabilidade que estavam presas a eles. Vovó voltou sua atenção para Deborah. —Eu quero um hambúrguer, cachorro-quente e um pouco de salada de batata. —Mãe querida, nós simplesmente não temos isso aqui! — Disse ela, como se a própria ideia de ter esses alimentos básicos em sua casa era algo inédito. Vovó olhou para ela por um longo momento antes de voltar sua atenção para Haley. —Você? —Eu o quê? —Você tem essas coisas em sua casa, não é? Haley assentiu. —Sim. — Na verdade o freezer dela e a despensa estavam cheios até a borda com alimentos básicos para churrascos desde que ela viveu por churrasco no verão, provavelmente tinha algo a ver com a avó levantando-a. A mulher simplesmente vivia por comida churrasco. —Bom — Vovó disse com firmeza quando ela fez um gesto para Chris, seu ajudante. O homem estava apenas entrando em seus cinquenta anos, mas ele ainda trabalha duro para cuidar da avó.
  71. 71. —Vamos, Chris. Chris acenou com a cabeça e caminhou obedientemente e começou a empurrar avó ao redor da casa. Sem olhar para trás sua avó disse: —Vamos, Haley! —Ir para onde? - Haley perguntou. —Para sua casa. Onde mais? Agora venha antes que o parasita tentar impedir a nossa festa. Haley escondeu o sorriso quando ela seguiu obedientemente sua avó para fora da casa. Não é à toa que ela simplesmente adorava a sua avó.
  72. 72. Capítulo 6 —Estou com fome - Jason resmungou, enquanto olhava para os pratos vazios em sua pequena mesa de café. Brad gemeu. — Você praticamente comeu ambos os pratos de cookies. Como diabos você está com fome? Jason deu de ombros inclinando-se para trás na cadeira para assistir ao jogo. —Eu só estou. Deixe-me em paz Eu sou um menino em crescimento, porra! —Sim, um menino em crescimento com 31 anos de idade - Brad murmurou. —Eu ainda estou crescendo caramba cale a boca e me alimente! —Peça algo e pare de reclamar! - Disparou Brad. —Você pede alguma coisa. Eu estou muito fraco para me mover. Brad revirou os olhos. —Eu não sei como Haley tem suportado você nas últimas semanas. Eu teria matado você agora. —Haley me adora - disse ele com uma risada.
  73. 73. —Sim, está bem - Brad disse, rindo. —É por isso que ela namora outros homens e te deixa só para rir de você. —Exatamente. Brad olhou para ele. —Realmente você esta fodido, não é? —Provavelmente - Jason disse despreocupado. —É o que eu pensei. Uma leve batida na porta chamou a atenção de Brad que se encolheu. — Não é mais uma de suas namoradas em busca de vingança, será ? Jason revirou os olhos quando ele se levantou. —Eu acho que chamar algumas delas de minhas namoradas é um pouco de exagero. Prefiro que você se refira a elas como “as mulheres que concordaram em ter um bom tempo, sem amarras, que ficou muito chateada comigo quando me cansei e as deixei por alguém mais quente”. —Uau, isso é difícil de falar — Brad murmurou. — Surpreendente, que nenhuma delas tenha te matado ainda. —Certo. - Jason concordou. Ele abriu a porta, sabendo que nenhuma de suas ex-amantes irritadas estariam lá. Fazia um tempo desde que ele levou uma mulher para a cama e com o melhor de seu conhecimento todas as
  74. 74. mulheres anteriores já o tinham deixando em paz. Assim, pelo menos por enquanto ele era bom. Do lado de fora de sua porta era Haley em um par bonito de botas de vaqueiros, shorts jeans e uma regata. Seu cabelo estava puxado para trás em um coque frouxo confuso e alguns dos fios escaparam e provocaram na sua nuca. Não sabia que os óculos dela a fazia parecer um pouco de bibliotecária sexy. Ela sorriu docemente. —Estou tão feliz que você está aqui!— Ele não pôde reprimir o sorriso daquela declaração. Talvez fosse hora de perdoá-la. Foi muito engraçado, afinal e os biscoitos foram muito bons, para não mencionar que o sorriso que ela estava dando a ele o fez bastante feliz. —Brad, você acha que você poderia me dar uma mão? Eu poderia realmente precisar se ajuda de um homem por alguns minutos. Seu queixo caiu. Ele podia ouvir Brad tentando abafar o riso. —Se você precisa de um homem, eu estou aqui - ele retrucou. Haley piscou e piscou novamente. —Oh, desculpe, eu não penso em você. Eu preciso de um cara com músculo e você .... — Sua voz foi sumindo enquanto ela olhou para ele e depois deu de ombros. —Bem, você sabe - disse ela inocentemente. —Sei o quê? — Ele exigiu.
  75. 75. j El — visitas e Br — já que n disse ele — braço de uma pis e balanç Br uma pa gafanho de pega quebrar tinha en Jason fi — arranca — precisam colocar la o igno —Você ac e eu não rad riu q —Claro. E não há e, em tom —O infern e Haley scadela p çando a rad cam alestra so oto, seja ar Jason r a sua p ncontrad icar de jo —Isso nã r o paco —Há ape mos? —, a comid orou foca cha que posso m quando Eu estav ninguém m divert no que e pratic por cima cabeça e minhou a obre sua lá o que n dando palestra do a sua oelhos er o é o su ote de ha nas três ela perg a. Jason ada para e poderi mover a c ele veio va indo p m por aq tido, com você vai camente a do om em desc até o se a mascu e isso si a bund . Seu am mulher ra aquel uficiente ambúrgu s de nós guntou q n tirou o a trás em ia me d churrasq até a po para cas qui forte m um bri i!—Disse arrasto bro para crença. eu carro ulinidade ignificava a de Ha migo pod r ideal. S la. - Jason ueres con s. Quan quando s pacote m Brad. dar uma queira s orta. a, mas p e o sufic ilho em s e Jason u-a para a Brad, enquan e e algo a. Ele ol aley um deria nã Se algum n zombou ngelados nta comi ela tento es dela e a mão? ozinha. posso lh ciente pa seus olh quando a sua ca que aind nto Jaso sobre e lhou par olhar a ão saber ma mulhe u quand s e cacho ida você ou esqui tirou m Eu esto É meio p he dar um ara ajud hos. o ele ag asa. Ela da estav on deu a ela ser u ra trás a apreciativ ainda, m er poder do Haley orros-qu ê acha q ivar-se l mais com ou com pesado. ma mão dá-la — arrou o a lançou va rindo a Haley uma má a tempo vo, sem mas ele ria fazer y tentou uentes. que nós he para mida.
  76. 76. —Que diabos? Ele deu de ombros. —Eu estou com fome. —Você não está convidado. —Desde quando eu preciso de um convite?— Ele perguntou quando ele dobrou a quantidade de cachorros-quentes no prato. —Três semanas e já temos uma história? Por cinco anos eu contemplei um homicídio. Ele apenas deu de ombros. Ela rosnou. Ele sorriu, fazendo os joelhos dela tremerem. Maldito. —Diga-me quem está chegando? Não pode ser qualquer um dos seus amigos, porque você não se importaria se eu estivesse aqui, uma vez que todos pensam que eu sou um idiota e você se encanta por eles me detestarem. Ela suspirou. —Isso me diverte. —Como deveria. Eu sou um cara muito divertido — disse ele com um sorriso, ele deu uma garfada de salada de batata que ela fez ontem. Ela considerou leva-la com ela hoje, mas sabia o quão bem ela seria sido recebida e decidiu deixá-la aqui. —Droga, isso esta bom, mulher — ele praticamente rosnou.
  77. 77. —Eu estou feliz que você gostou— ela disse casualmente, mas na verdade foi muito bom ter alguém para cozinhar ocasionalmente. Suas amigas estavam constantemente em dietas e a fulminava quando ela oferecia seus cookies ou outros assados. Parecia que Jason não tinha encontrado um alimento que ele não gostava. Ela realmente estava surpresa que ele não era gordo. —Então? — Então o que? —Então, me diga por que você ficou menos de uma hora num churrasco só para voltar para casa para ter um dos seus próprios? A comida estava ruim ou algo assim? — Ele perguntou enquanto sorrateiramente tirava outra garfada da salada antes de voltar para a geladeira. —Ou havia uma família Smack Down? —É complicado — ela disse finalmente. —O que é tão complicado sobre um churrasco de família? —Esquece isso. Minha avó está vindo para cá com seu ajudante. Na verdade, ela deveria estar aqui agora, mas sabendo que ela parou em uma loja de conveniência para comprar todas as suas guloseimas favoritas. Suas sobrancelhas subiram. —Sua avó está vindo para cá? Eu não acho que qualquer um de sua família nunca tenha vindo visitá-la. Ela lhe deu um sorriso malicioso. —Você está me espionando?
  78. 78. —Não é verdade. Eu só noto as coisas no ar. Eu sou um cara observador antes de tudo. —Bem, a minha avó vem aqui várias vezes por ano. Eu costumo convidá-la quando eu sei que você vai estar fora da cidade. —Você tem medo que eu possa envergonhá-la — ele perguntou provocativamente. —Não. Medo de que ela poderia matá-lo. —Por favor, ela vai me amar. Toda mulher ama e me quer — disse ele com sinceridade. Ela riu baixinho. —Fico feliz em ver que você é tão humilde. —Eu sou— disse ele, quando Haley começou a levar os pratos de comida para a grelha. —Então, você resolveu convidá-la para o churrasco. Eu estou supondo que você é muito próxima dela. —Eu sou. Fui morar com ela quando fiz dez anos e ela me criou — disse ela, abrindo a porta de tela para ele. —De qualquer forma, eu decidi encurtar a minha visita à casa da minha mãe hoje. —Por quê? —Porque eu disse para ela. É por isso. — disse a voz nítida de uma mulher. Jason olhou para cima para ver uma mulher idosa em uma cadeira de rodas sendo empurrado em direção a eles por um homem magro com cabelo cinza. Pelo olhar do homem ele era ajudante ou cuidador da avó da Haley.

×