SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
LEITURA DELEITE
Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas
usadas... Que já tem a forma do nosso corpo... E esquecer
os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos
lugares... É o tempo da travessia... E se não ousarmos
fazê-la... Teremos ficado... Para sempre... À margem de
nós mesmos...
FERNANDO PESSOA
Compreender e produzir textos orais e escritos
de diferentes gêneros, veiculados em suportes
textuais diversos, e para atender a diferentes
propósitos comunicativos, considerando as
condições em que os discursos são criados e
recebidos.
Apreciar e compreender textos do universo
literário (contos,fábulas, crônicas, poemas,
dentre outros), levando-se em conta os
fenômenos de fruição estética, de imaginação
e de lirismo, assim como os múltiplos
sentidos que o leitor pode produzir durante a
leitura.
Apreciar e usar em situações significativas os
gêneros literários do patrimônio cultural da
infância, como parlendas, cantigas, trava
línguas.
Compreender e produzir textos destinados à
organização e socialização do saber
escolar/científico (textos didáticos, notas de
enciclopédia, verbetes,resumos,
resenhas, dentre outros) e à organização do
cotidiano escolar e não escolar
(agendas, cronogramas, calendários, cadernos
de notas...).
Participar de situações de leitura/escuta e
produção oral e escrita de textos destinados à
reflexão e discussão acerca de temas sociais
relevantes (notícias,reportagens, artigos de
opinião,
cartas de leitores, debates, documentários...).
Produzir e compreender textos orais e escritos
com finalidades voltadas para a reflexão sobre
valores e comportamentos sociais, planejando e
participando de situações de combate aos
preconceitos e atitudes discriminatórias
(preconceito racial, de gênero, preconceito a
grupos
sexuais, preconceito linguístico, dentre outros).
Atividade prática
Examinem os livros didáticos adotados em
nosso município;
Leiam os descritores do PNAIC
Escolham um conteúdo programático;
Relacionem o descritor com o conteúdo;
E escrevam a habilidade que essa atividade
desenvolve no seu aluno.
O Direito à Educação Básica é garantido a todos os
brasileiros e, segundo prevê a Lei 9.394,
que estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional, “tem por finalidades desenvolver
o educando, assegurar-lhe a formação comum
indispensável para o exercício da cidadania e
fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em
estudos posteriores” (Art. 22).
Art. 32.
O ensino fundamental obrigatório,
com duração de 9 (nove) anos,
gratuito na escola pública, iniciando-se
aos 6 (seis) anos de idade,terá por
objetivo a formação básica do
cidadão, mediante:
I- o desenvolvimento da capacidade
de aprender,tendo como meios
básicos o pleno domínio da leitura, da
escrita e do cálculo;
II- a compreensão do ambiente
natural e social, do sistema político, da
tecnologia, das artes e dos valores em
que se fundamenta a sociedade;
III- o desenvolvimento da capacidade de
aprendizagem,tendo em vista a aquisição
de conhecimentos e habilidades e a
formação de atitudes e valores;
IV - o fortalecimento dos vínculos de
família, dos laços de solidariedade
humana e de tolerância recíproca em que
se assenta a vida social.
No documento “Indagações sobre o currí-
culo”, Moreira e Candau (2007) apontam
a necessidade atual de recuperar o direito
do estudante ao conhecimento. Recupera,
portanto, os vínculos entre cultura,
currículo e aprendizagem
• QUANDO CONCEBE A EDUCAÇÃO COMO UM
DIREITO DE TODOS;
• QUANDO ENCARA OS DIREITOS DE
APRENDIZAGEM COMO UM COMPROMISSO
SOCIAL;
• QUANDO ELE PROMOVE A IGUALDADE DE
OPORTUNIDADES;
• QUANDO CONSIDERA A DIVERSIDADE DE
PROCESSOS DE APRENDIZAGEM;
• QUANDO RESPEITA A HETEROGENEIDADE DAS
TURMAS;
• QUANDO CUMPRE A DIMENSÃO POLÍTICA E
PEDAGÓGICA DA ALFABETIZAÇÃO.
Moreira e
Candau (2007, p. 19) afirmam que “o papel do educador
no processo curricular é,
assim, fundamental. Ele é um dos grandes
artífices, queira ou não, da construção dos
currículos que se materializam nas escolas
e sala de aula”.
(Art. 3º inciso IV, p. 48)
As Diretrizes Curriculares
Nacional( DCN) orientam para
que as propostas curriculares
contemplem várias áreas do
conhecimento: Ciências
Humanas, Ciências Naturais
e Matemática e Linguagens, de
forma articulada e
interdisciplinar.
• A interdisciplinaridade funciona como elemento
estruturante do plano curricular no ciclo de
alfabetização e aponta para a necessidade de um
planejamento que dialogue com as diversas áreas
do conhecimento.
• Além disso, planejamento deve ser coletivo,
contextualizado e fundamentado no contexto
escolar.
• PARA IDENTIFICAR CONHECIMENTOS
PRÉVIOS;
• PARA CONHECER AS DIFICULDADES E
PLANEJAR ATIVIDADES ADEQUADAS;
• PARA VERIFICAR O APRENDIZADO E DECIDIR O
QUE PRECISA RETOMAR;
• PARA VERIFICAR A UTILIDADE/VALIDADE DAS
ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS E REDIMENSIONAR O
ENSINO.
“A avaliação cruza o
trabalho pedagógico
desde seu planejamento
até a execução, coletando
dados para melhor
compreensão da relação
entre o planejamento, o
ensino e aprendizagem e
poder orientar a
intervenção didática para
que seja qualitativa e
contextualizada.” (Silva,
2003, p. 14)
ESTUDO DE CASOS
PELA TARDE
PELA TARDE
Dinâmica da caixa – DeleiteDinâmica da caixa – Deleite
Alfabetização eAlfabetização e
LetramentoLetramento
Ilustração: André Neves
TEMPO DE LETRAMENTO
Nessa tarde pretendemos discutir o
fenômeno do letramento, diferenciando-o
do processo de alfabetização que muitos
ainda insistem em realizar, bem como fazer
com que reflitamos sobre nossa prática
pedagógica, atualizando-nos em termos de
novas teorias. Verifica-se que não se pode
pensar em alfabetização, distanciada das
práticas de letramento, pois uma completa
a outra.
1966 1980 1990 2000
ALFABETIZAÇÃO E SUAS CRENÇAS
• Cartilhas - caminhos sintéticos ou analíticos;
• se ensinava “do mais simples para o mais complexo”;
• só era oferecido à criança textos que ela pudesse
dominar;
• repetição e memorização;
• funções perceptivo motoras;
• não se ensina a ler e a escrever antes da prontidão;
1970
Há alguns anos, as pessoas eram
classificadas em alfabetizadas ou
analfabetas, pela condição de saber,
ou não, escrever o próprio nome
-condição para que se pudesse votar
e escolher os governantes.
Na década de oitenta, surgiu o termo
analfabetismo funcional para
designar as pessoas que, sabendo
escrever o próprio nome e identificar
letras, não sabiam fazer uso da
leitura e da escrita, sendo, portanto,
analfabeto funcional.
1966 1970 1980 1990 2000
1966 1970 1980 1990 2000
Mas, observou-se que, mesmo
dentre os que permaneciam
por mais tempo nas escolas,
alguns não eram capazes de
interagir e se apropriar da
leitura e da escrita
1966 1970 1980 1990 2000
Surge então, a necessidade das escolas repensarem
seu papel social.
Não apenas alfabetizar.
Não apenas fazer com que o indivíduo permaneça na
escola por mais tempo.
Mas dar qualidade a esse tempo de permanência nas
escolas. Ou seja, que o indivíduo modifique as suas
condições iniciais, sob os aspectos: social, cultural e
econômico para este crescer tanto cognitiva quanto
criticamente.
A apropriação da leitura e escrita
...e além
da
literatura...
Mudanças nas concepções
de alfabetização
1970
 Psicogênese da língua escrita:
• compreensão das escritas não
convencionais;
• questionamento da graduação de
dificuldade;
• importância da função social da escrita;
• ambiente alfabetizador;
• apresentação de diferentes tipos de
texto;
• entendimento do erro.
1966 1990 20001970 1980
Mudanças conceituais e práticas
Letramento:
•Percepção da escrita como um outro modo
de falar (discurso monológico letrado);
•Atenção voltada para os gêneros dos
textos;
•Questionamento da validade do trabalho
centrado no texto.
1966
1970 1980 1990 2000
Mudanças Conceituais e Práticas
É tempo de letramento!
Usos, conhecimentos,
valorização da escrita
e
valores e crenças em
torno da escrita
(Silvia Terzi)
“Uso social da escrita
e da leitura”
“DESINVENÇÃO” DA ALFABETIZAÇÃO
Perda da especificidade do processo de apropriação
do sistema alfabético devido a:
• Inferências errôneas na transposição da concepção
construtivista e da psicogênese para a prática pedagógica;
• Ideia de que o convívio com textos seria suficiente para a
alfabetização acontecer;
• ideia da incompatibilidade entre a concepção construtivista e
a questão do método;
• Privilégio da faceta psicológica em detrimento da linguística;
• Foco no processo de letramento.
Reinvenção da Alfabetização
Ao lado do trabalho com a leitura e escrita em
diversos gêneros, é preciso, então, garantir
intervenções no sentido de:
• favorecer a conquista gradual do nível alfabético (provocar o
avanço nas hipóteses de escrita) e, depois, das
correspondências grafofônicas;
• provocar a reflexão fonológica (consciência fonológica com e
sem a presença da escrita);
• ampliar, no contexto de práticas lúdicas, contextualizadas e
significativas, o conhecimento das letras, signos da escrita no
nosso sistema (categorização gráfica e funcional);
• favorecer o uso de estratégias várias de reconhecimento de
palavras, de leitura.
As crianças pensam sobre a escrita. Ora, pensam
também sobre as unidades menores como letras, sobre
sons, pensam sobre relação entre letras e sons...
a
fffffffff
r
MP
xxxxx
...pensam. Sobre tudo.
Desde textos, palavras, até unidades fonológicas e
gráficas menores que a palavra.
rimas
Sílabas
-ola
-ÃO
trr
prrr
palavras
aliterações
assonâncias
Versos, frases
ALFABETIZAR LETRANDO
ALFABETIZAÇÃO
LETRAMENTO
REFLETINDO!
ACHE O INTRUSO...
PONDO EM PRÁTICA O QUE
REFLETIMOS!
Nessa perspectiva
Avaliação x Erro:
 Organizar grupos de 5 pessoas;
 Escolher um conteúdo atual do livro de
Língua Portuguesa;
Relacioná-lo com o descritor proposto;
 Criar uma atividade avaliativa;
 Listar as habilidades a serem avaliadas nessa
atividade;
Socializar a atividade.
Aconteceu aqui...
“Momento das atividades
exitosas”
O que estou
levando
para casa...
Ensinamos para
que todos
possam
aprender
a ousadia, e não
o medo;
a solidariedade,
e não o
individualismo;
o prazer, e não o
Sofrimento...
são os pilares
de um Currículo
Inclusivo.
Dinâmica de encerramentoDinâmica de encerramento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
tlfleite
 
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
Naysa Taboada
 
PNAIC Ano 02 unidde 07
PNAIC Ano 02 unidde 07PNAIC Ano 02 unidde 07
PNAIC Ano 02 unidde 07
ElieneDias
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Naysa Taboada
 
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Terc Cre
 
Formação 25 05 revisado blogger
Formação 25 05 revisado  bloggerFormação 25 05 revisado  blogger
Formação 25 05 revisado blogger
Heloiza Moura
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
Roberta Scheibe
 
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
Naysa Taboada
 
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetizaçãoUnidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
PNAICMESQUITA
 
Currículo inclusivo alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
Currículo inclusivo   alfabetização e letramento 04.05.2013 bloggerCurrículo inclusivo   alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
Currículo inclusivo alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
Heloiza Moura
 
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
ElieneDias
 

Mais procurados (20)

Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
 
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
Unidade 6 alfabetização e as áreas do conhecimento (1)
 
Caderno 1 curriculo - Pontes e Lacerda - MT
Caderno 1  curriculo - Pontes e Lacerda - MTCaderno 1  curriculo - Pontes e Lacerda - MT
Caderno 1 curriculo - Pontes e Lacerda - MT
 
PNAIC Ano 02 unidde 07
PNAIC Ano 02 unidde 07PNAIC Ano 02 unidde 07
PNAIC Ano 02 unidde 07
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
 
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
Formação para professores alfabetizadores 19 03-2013
 
O curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetizaçãoO curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetização
 
Formação 25 05 revisado blogger
Formação 25 05 revisado  bloggerFormação 25 05 revisado  blogger
Formação 25 05 revisado blogger
 
5 encontro
5 encontro5 encontro
5 encontro
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
 
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
 
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetizaçãoUnidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
Unidade 01 ano 01 - Currículo no ciclo de alfabetização
 
Unidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - HeterogeneidadeUnidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
 
Alfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramentoAlfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramento
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
 
Currículo inclusivo alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
Currículo inclusivo   alfabetização e letramento 04.05.2013 bloggerCurrículo inclusivo   alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
Currículo inclusivo alfabetização e letramento 04.05.2013 blogger
 
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
PNAIC - Direitos de aprendizagem em história
 
Pnaic caderno 3
Pnaic caderno 3 Pnaic caderno 3
Pnaic caderno 3
 

Destaque

Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Helena Zanotto
 
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
Heloiza Moura
 
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemáticaPNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
ElieneDias
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
Dayane Hofmann
 
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊLEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
Marisa Seara
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
silsiane
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Solange Mendes
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
roessencia
 

Destaque (20)

Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
 
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemáticaPNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊLEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
 
Alfabetização slides
Alfabetização slidesAlfabetização slides
Alfabetização slides
 
Unidade1 - PNAIC - Currículo
Unidade1 - PNAIC - CurrículoUnidade1 - PNAIC - Currículo
Unidade1 - PNAIC - Currículo
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Formação - caderno 3 pnaic 2015
Formação - caderno 3 pnaic  2015Formação - caderno 3 pnaic  2015
Formação - caderno 3 pnaic 2015
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Pnaic caderno 5
Pnaic caderno 5Pnaic caderno 5
Pnaic caderno 5
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
 

Semelhante a Slides 04-05

Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Mirlene Marinho
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
Martha Lucía Salamanca Solis
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Valéria Maciel
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
silvinha331
 

Semelhante a Slides 04-05 (20)

Planejamento 6º ano
Planejamento 6º ano   Planejamento 6º ano
Planejamento 6º ano
 
Alfa.letramento
Alfa.letramentoAlfa.letramento
Alfa.letramento
 
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesaDireitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao   lingua portuguesa
Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetizacao lingua portuguesa
 
Reunião de 15 de março.
Reunião de 15 de março.Reunião de 15 de março.
Reunião de 15 de março.
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
 
Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais
Trabalhando Linguagens nos Anos IniciaisTrabalhando Linguagens nos Anos Iniciais
Trabalhando Linguagens nos Anos Iniciais
 
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
 
Caderno memorias-literarias
Caderno memorias-literariasCaderno memorias-literarias
Caderno memorias-literarias
 
Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
 
2. simulado leitura e escrita.docx
2. simulado leitura e escrita.docx2. simulado leitura e escrita.docx
2. simulado leitura e escrita.docx
 
Pacto lp unidade 1
Pacto lp   unidade 1Pacto lp   unidade 1
Pacto lp unidade 1
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Ad2 de didatica
Ad2 de didaticaAd2 de didatica
Ad2 de didatica
 
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
Planejamento   3º ano ( 2ª série )Planejamento   3º ano ( 2ª série )
Planejamento 3º ano ( 2ª série )
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Cantinho
CantinhoCantinho
Cantinho
 
Concepcoes alfabetizacao e_letramento
Concepcoes alfabetizacao e_letramentoConcepcoes alfabetizacao e_letramento
Concepcoes alfabetizacao e_letramento
 
Planejamento 2 ano
Planejamento   2 anoPlanejamento   2 ano
Planejamento 2 ano
 

Mais de Heloiza Moura

Primeiros socorros1º dia tarde
Primeiros socorros1º dia tardePrimeiros socorros1º dia tarde
Primeiros socorros1º dia tarde
Heloiza Moura
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
Heloiza Moura
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
Heloiza Moura
 
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo 28-jan pnaic revisado
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo   28-jan pnaic revisadoPacto nacional pela alfabetiza+ç+âo   28-jan pnaic revisado
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo 28-jan pnaic revisado
Heloiza Moura
 
Motivaçao com metáforas
Motivaçao com metáforasMotivaçao com metáforas
Motivaçao com metáforas
Heloiza Moura
 

Mais de Heloiza Moura (8)

Primeiros socorros1º dia tarde
Primeiros socorros1º dia tardePrimeiros socorros1º dia tarde
Primeiros socorros1º dia tarde
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
 
Apresentação da iv formação sea luciana
Apresentação da iv formação   sea lucianaApresentação da iv formação   sea luciana
Apresentação da iv formação sea luciana
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo 28-jan pnaic revisado
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo   28-jan pnaic revisadoPacto nacional pela alfabetiza+ç+âo   28-jan pnaic revisado
Pacto nacional pela alfabetiza+ç+âo 28-jan pnaic revisado
 
Currículo roteiro
Currículo   roteiroCurrículo   roteiro
Currículo roteiro
 
Motivaçao com metáforas
Motivaçao com metáforasMotivaçao com metáforas
Motivaçao com metáforas
 

Slides 04-05

  • 1.
  • 3. Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas... Que já tem a forma do nosso corpo... E esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares... É o tempo da travessia... E se não ousarmos fazê-la... Teremos ficado... Para sempre... À margem de nós mesmos... FERNANDO PESSOA
  • 4.
  • 5. Compreender e produzir textos orais e escritos de diferentes gêneros, veiculados em suportes textuais diversos, e para atender a diferentes propósitos comunicativos, considerando as condições em que os discursos são criados e recebidos.
  • 6. Apreciar e compreender textos do universo literário (contos,fábulas, crônicas, poemas, dentre outros), levando-se em conta os fenômenos de fruição estética, de imaginação e de lirismo, assim como os múltiplos sentidos que o leitor pode produzir durante a leitura.
  • 7. Apreciar e usar em situações significativas os gêneros literários do patrimônio cultural da infância, como parlendas, cantigas, trava línguas.
  • 8. Compreender e produzir textos destinados à organização e socialização do saber escolar/científico (textos didáticos, notas de enciclopédia, verbetes,resumos, resenhas, dentre outros) e à organização do cotidiano escolar e não escolar (agendas, cronogramas, calendários, cadernos de notas...).
  • 9. Participar de situações de leitura/escuta e produção oral e escrita de textos destinados à reflexão e discussão acerca de temas sociais relevantes (notícias,reportagens, artigos de opinião, cartas de leitores, debates, documentários...).
  • 10. Produzir e compreender textos orais e escritos com finalidades voltadas para a reflexão sobre valores e comportamentos sociais, planejando e participando de situações de combate aos preconceitos e atitudes discriminatórias (preconceito racial, de gênero, preconceito a grupos sexuais, preconceito linguístico, dentre outros).
  • 11. Atividade prática Examinem os livros didáticos adotados em nosso município; Leiam os descritores do PNAIC Escolham um conteúdo programático; Relacionem o descritor com o conteúdo; E escrevam a habilidade que essa atividade desenvolve no seu aluno.
  • 12.
  • 13.
  • 14. O Direito à Educação Básica é garantido a todos os brasileiros e, segundo prevê a Lei 9.394, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, “tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22).
  • 15. Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade,terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante: I- o desenvolvimento da capacidade de aprender,tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II- a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III- o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem,tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
  • 16. No documento “Indagações sobre o currí- culo”, Moreira e Candau (2007) apontam a necessidade atual de recuperar o direito do estudante ao conhecimento. Recupera, portanto, os vínculos entre cultura, currículo e aprendizagem
  • 17. • QUANDO CONCEBE A EDUCAÇÃO COMO UM DIREITO DE TODOS; • QUANDO ENCARA OS DIREITOS DE APRENDIZAGEM COMO UM COMPROMISSO SOCIAL;
  • 18. • QUANDO ELE PROMOVE A IGUALDADE DE OPORTUNIDADES; • QUANDO CONSIDERA A DIVERSIDADE DE PROCESSOS DE APRENDIZAGEM; • QUANDO RESPEITA A HETEROGENEIDADE DAS TURMAS; • QUANDO CUMPRE A DIMENSÃO POLÍTICA E PEDAGÓGICA DA ALFABETIZAÇÃO.
  • 19. Moreira e Candau (2007, p. 19) afirmam que “o papel do educador no processo curricular é, assim, fundamental. Ele é um dos grandes artífices, queira ou não, da construção dos currículos que se materializam nas escolas e sala de aula”.
  • 20. (Art. 3º inciso IV, p. 48) As Diretrizes Curriculares Nacional( DCN) orientam para que as propostas curriculares contemplem várias áreas do conhecimento: Ciências Humanas, Ciências Naturais e Matemática e Linguagens, de forma articulada e interdisciplinar.
  • 21. • A interdisciplinaridade funciona como elemento estruturante do plano curricular no ciclo de alfabetização e aponta para a necessidade de um planejamento que dialogue com as diversas áreas do conhecimento. • Além disso, planejamento deve ser coletivo, contextualizado e fundamentado no contexto escolar.
  • 22.
  • 23. • PARA IDENTIFICAR CONHECIMENTOS PRÉVIOS; • PARA CONHECER AS DIFICULDADES E PLANEJAR ATIVIDADES ADEQUADAS; • PARA VERIFICAR O APRENDIZADO E DECIDIR O QUE PRECISA RETOMAR; • PARA VERIFICAR A UTILIDADE/VALIDADE DAS ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS E REDIMENSIONAR O ENSINO.
  • 24. “A avaliação cruza o trabalho pedagógico desde seu planejamento até a execução, coletando dados para melhor compreensão da relação entre o planejamento, o ensino e aprendizagem e poder orientar a intervenção didática para que seja qualitativa e contextualizada.” (Silva, 2003, p. 14)
  • 25.
  • 27.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Dinâmica da caixa – DeleiteDinâmica da caixa – Deleite
  • 33. TEMPO DE LETRAMENTO Nessa tarde pretendemos discutir o fenômeno do letramento, diferenciando-o do processo de alfabetização que muitos ainda insistem em realizar, bem como fazer com que reflitamos sobre nossa prática pedagógica, atualizando-nos em termos de novas teorias. Verifica-se que não se pode pensar em alfabetização, distanciada das práticas de letramento, pois uma completa a outra.
  • 34. 1966 1980 1990 2000 ALFABETIZAÇÃO E SUAS CRENÇAS • Cartilhas - caminhos sintéticos ou analíticos; • se ensinava “do mais simples para o mais complexo”; • só era oferecido à criança textos que ela pudesse dominar; • repetição e memorização; • funções perceptivo motoras; • não se ensina a ler e a escrever antes da prontidão; 1970
  • 35.
  • 36. Há alguns anos, as pessoas eram classificadas em alfabetizadas ou analfabetas, pela condição de saber, ou não, escrever o próprio nome -condição para que se pudesse votar e escolher os governantes.
  • 37. Na década de oitenta, surgiu o termo analfabetismo funcional para designar as pessoas que, sabendo escrever o próprio nome e identificar letras, não sabiam fazer uso da leitura e da escrita, sendo, portanto, analfabeto funcional. 1966 1970 1980 1990 2000
  • 38.
  • 39. 1966 1970 1980 1990 2000 Mas, observou-se que, mesmo dentre os que permaneciam por mais tempo nas escolas, alguns não eram capazes de interagir e se apropriar da leitura e da escrita
  • 40. 1966 1970 1980 1990 2000 Surge então, a necessidade das escolas repensarem seu papel social. Não apenas alfabetizar. Não apenas fazer com que o indivíduo permaneça na escola por mais tempo. Mas dar qualidade a esse tempo de permanência nas escolas. Ou seja, que o indivíduo modifique as suas condições iniciais, sob os aspectos: social, cultural e econômico para este crescer tanto cognitiva quanto criticamente.
  • 41.
  • 42. A apropriação da leitura e escrita
  • 44. Mudanças nas concepções de alfabetização
  • 45. 1970  Psicogênese da língua escrita: • compreensão das escritas não convencionais; • questionamento da graduação de dificuldade; • importância da função social da escrita; • ambiente alfabetizador; • apresentação de diferentes tipos de texto; • entendimento do erro. 1966 1990 20001970 1980 Mudanças conceituais e práticas
  • 46. Letramento: •Percepção da escrita como um outro modo de falar (discurso monológico letrado); •Atenção voltada para os gêneros dos textos; •Questionamento da validade do trabalho centrado no texto. 1966 1970 1980 1990 2000 Mudanças Conceituais e Práticas
  • 47. É tempo de letramento! Usos, conhecimentos, valorização da escrita e valores e crenças em torno da escrita (Silvia Terzi) “Uso social da escrita e da leitura”
  • 48. “DESINVENÇÃO” DA ALFABETIZAÇÃO Perda da especificidade do processo de apropriação do sistema alfabético devido a: • Inferências errôneas na transposição da concepção construtivista e da psicogênese para a prática pedagógica; • Ideia de que o convívio com textos seria suficiente para a alfabetização acontecer; • ideia da incompatibilidade entre a concepção construtivista e a questão do método; • Privilégio da faceta psicológica em detrimento da linguística; • Foco no processo de letramento.
  • 49.
  • 50. Reinvenção da Alfabetização Ao lado do trabalho com a leitura e escrita em diversos gêneros, é preciso, então, garantir intervenções no sentido de:
  • 51. • favorecer a conquista gradual do nível alfabético (provocar o avanço nas hipóteses de escrita) e, depois, das correspondências grafofônicas; • provocar a reflexão fonológica (consciência fonológica com e sem a presença da escrita); • ampliar, no contexto de práticas lúdicas, contextualizadas e significativas, o conhecimento das letras, signos da escrita no nosso sistema (categorização gráfica e funcional); • favorecer o uso de estratégias várias de reconhecimento de palavras, de leitura.
  • 52. As crianças pensam sobre a escrita. Ora, pensam também sobre as unidades menores como letras, sobre sons, pensam sobre relação entre letras e sons... a fffffffff r MP xxxxx
  • 53. ...pensam. Sobre tudo. Desde textos, palavras, até unidades fonológicas e gráficas menores que a palavra. rimas Sílabas -ola -ÃO trr prrr palavras aliterações assonâncias Versos, frases
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. PONDO EM PRÁTICA O QUE REFLETIMOS!
  • 63. Nessa perspectiva Avaliação x Erro:  Organizar grupos de 5 pessoas;  Escolher um conteúdo atual do livro de Língua Portuguesa; Relacioná-lo com o descritor proposto;  Criar uma atividade avaliativa;  Listar as habilidades a serem avaliadas nessa atividade; Socializar a atividade.
  • 64. Aconteceu aqui... “Momento das atividades exitosas”
  • 66. Ensinamos para que todos possam aprender a ousadia, e não o medo; a solidariedade, e não o individualismo; o prazer, e não o Sofrimento... são os pilares de um Currículo Inclusivo.