Reencarnação instrumento pedagógico

168 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reencarnação instrumento pedagógico

  1. 1. O que sou? De onde vim? Por que e para que estou aqui? Qual será o meu futuro? As pessoas que não aceitam a ideia da reencrnação não conseguem, de forma que atenda à nossa racionalidade, responder as perguntas lá do início e explicar o motivo dos nossos sofrimentos e das diferenças entre as pessoas. Por que razões pessoas sofrem desde que nasceram, sem o direito à mudança de cenário e outras não? Estes casos vistos aos olhos de uma única existência poderiam ser considerados como frutos da injustiça de Deus que, como pai, não deu a elas as mesmas oportunidades e condições de sobrevivência que deu a outros.
  2. 2. Entretanto, vistos com os olhos do Espírito, desvendamos as causas que as levam aos sofrimentos na matéria. Na lei de justiça, os erros cometidos e os males infligidos ao próximo devem ser reparados durante novas existências, a fim de que, experimentando os mesmos sofrimentos, o Espírito possa resgatar seus débitos, passando a conquistar o direito de ser feliz. A reencarnação, chave do crescimento espiritual, é uma das leis da natureza. Só ela pode dar certeza ao homem de onde ele vem, para onde vai e porque está na Terra. Justificando todas as anomalias e injustiças aparentes da vida.
  3. 3. Reencarnação quer dizer voltar à vida material. É a volta do Espírito à vida corpórea, mas em outro corpo, especialmente formado para ele, e que nada tem de comum com o antigo, a fim de se ajustar às leis divinas. Ninguém está aqui pela primeira vez. As pessoas nascem, vivem, e morrem. Passam um período na espiritualidade e tornam a nascer. Isso é um processo educativo. Nesses ciclos: mundo espiritual, mundo material, elas vão encontrando consequências do que fizeram, obedecendo a uma lei chamada de causa e efeito. Nós temos livre-arbítrio? Temos! Mas temos também responsabilidades pelo que fazemos.
  4. 4. Aqui, no mundo material, existem códigos a serem respeitados. Por exemplo: o código de trânsito tem suas regras, quem não as respeita é multado, e o infrator tem que pagar a multa; quem não obedece ao código penal sofre as penas da lei. Com relação à vida espiritual, é a mesma coisa. Quem desobedece é punido. Todo ato contrário às leis soberanas gera desequilíbrio, a exigir reparação. Só que, muitas vezes, o efeito daquilo que se fez não aparece de imediato. Na justiça aqui da Terra, todo mecanismo é externo. É o guarda de trânsito que multa, é o juiz que condena. Já na questão espiritual, esse controle é totalmente automático e interior, ele é feito pela nossa consciência.
  5. 5. Entre as encarnações, a consciência, aos poucos, vai despertando e o Espírito contempla, no cenário da própria consciência, os atos que praticou. Ele vislumbra todas as consequências que advieram de seu proceder. E se vê tal qual é, sem ilusões ou desculpas. Alguns recalcitram no reconhecimento da própria realidade. Esse mecanismo de causa e efeito não é simplesmente justiça. Ele é um processo de educação. Ele nos ensina quais são os resultados das nossas ações. Quando são ações boas, nós nos sentimos bem. E quando cometemos algum deslize qualquer, o efeito é desagradável. Assim, nós vamos aprendendo a caminhar na vida. Aprendendo a viver.
  6. 6. O ponto de partida para se entender a reencarnação é conhecer e entender a existência do Espírito, que quando encarnado é chamado de Alma. O princípio espiritual, centelha divina, evolui desde o momento obscuro de sua criação, sem deter-se um só instante, conquistando com suas experiências os valores divinos do amor em todas as suas manifestações. E, gradualmente, ele sai da ignorância e cresce em conhecimentos e em moralidade. Mas para isto precisa do mergulho na carne, onde vivencia experiências, aprende e interioriza valores, purificando-se para candidatar-se aos planos sublimes da existência.
  7. 7. Esse processo é vasto e demanda incontáveis existências. E nesse longo caminhar, vagarosamente, o Espírito inteira-se do teor das leis divinas, que se encontram inscritas em sua consciência. Aquele que consegue adaptar sua vontade e seu proceder aos estatutos divinos, apressa e ameniza sua evolução para Deus. A reencarnação é, pois, a grande ferramenta que o Criador utiliza para ensinar Seus filhos o verdadeiro sentido do que seja amor ao próximo. Ela é um instrumento pedagógico para o Espírito, indispensável, pois, à sua evolução. Necessária ao duplo progresso, moral e intelectual.
  8. 8. Uma só existência corporal é insuficiente para que o Espírito possa adquirir tudo que lhe falta na prática do bem, e se desfazer de tudo que de mal há em si. Em cada reencarnação, o ser encarnado tem a oportunidade de corrigir os erros que cometeu em outras existências. Aceitando e concordando que somos em espírito criados à semelhança de Deus, e que em espírito estamos destinados à perfeição, pela evolução gradativa, a doutrina da reencarnação é consoladora, pois faz com que o homem veja seu Criador, não como um Deus vingativo e parcial, mas como um pai amigo e justo.
  9. 9. Haveria grande injustiça, daquele que é nosso Criador, se ele não nos desse chances de reparar as faltas cometidas, muitas vezes em momentos impensados, frutos da nossa cegueira e imperfeição espiritual. Não atuaria Deus com equidade, nem de acordo com Sua bondade, se condenasse para sempre uma criatura por seus erros, que a ignorância a fez cometer. Ao contrário, a reencarnação abre-nos uma porta para o arrependimento.
  10. 10. Então, com essas informações e esses esclarecimentos, podemos entender que a reencarnação é uma lei natural, portanto divina, e sua finalidade é o melhoramento progressivo da Humanidade Se nós precisamos atingir a perfeição, como Jesus nos orientou e, ao desencarnarmos não tivermos produzido todos os efeitos de melhoria que deveríamos produzir, evidentemente que precisamos de mais tempo para produzi-los.
  11. 11. Sem a reencarnação, nós não vamos compreender a nossa dor; nós não vamos entender as diferenças sociais; nós não vamos entender por que uma criança fica doente, e por que uns são maus e outros bons. Dentro destas questões de desigualdade, a justiça divina fica traduzida claramente através das vidas sucessivas. Com a ideia de que a vida começa no berço e termina no túmulo, ou seja, uma única existência, a justiça divina se mostra injusta, porque o criminoso não teria oportunidade de uma nova vida para se corrigir.
  12. 12. Com a reencarnação, nós adquirimos a luz do conhecimento, que eliminará a sombra que existe em nós. Que possamos meditar a cerca do que estamos fazendo na nossa atual existência. Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Com estudos comentados semanais de O Livro dos Espíritos e de o Evangelho Segundo o Espiritismo. Nova página: Espiritismo com humor.

×