Oportunidades para refazer

172 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oportunidades para refazer

  1. 1. Com base no conto “O Disfarce”, do livro Almas em Desfile, pelo Espírito Hilário Silva. (Momentos de Paz Maria da Luz) A velha Jordelina Torres recebera do fazendeiro Paulo Mota as piores humilhações da vida. A princípio, quando mais moço, perseguira-a com propostas menos dignas a que resistira valentemente. O homem teimoso, contudo, para vingar-se, crivara-lhe o esposo, então empregado da fazenda, com tantas tarefas de sacrifício, que o pobre veio a desencarnar de maneira inesperada e violenta. Desde então, o adversário gratuito apertou o cerco. Seduziu-lhe ambas as filhas, ao preço de ouro, lançando- as à existência em que a mulher bebe fel com o nome de “vida fácil” e em seguida, não contente, tomou-lhe a casinha esburacada, banindo-a do sítio.
  2. 2. Jordelina, analfabeta, buscou a cidade grande, encorajada na fé, e fez-se cozinheira na residência de um médico, junto de quem teve a felicidade de encontrar uma família do coração. Os anos rolaram e, certo dia, já grisalha, Jordelina Torres foi solicitada a comparecer no leito de morte do fazendeiro. O portador comunicou-lhe que Paulo Mota, muito doente, se fizera religioso e queria vê-la, antes de partir para o túmulo. Quem sabe se o poderoso sitiante tencionava pedir-lhe perdão ou aquinhoá-la com algum bem? Jordelina realmente não desejava rever o desafeto, mas, vencida pelos argumentos da casa afetuosa a que servia, pôs-se de viagem para a fazenda. Lá chegando, contudo, encontrou a surpresa. Paulo Mota estava morto, desde a véspera.
  3. 3. E, deitado no féretro, mostrava curiosa apresentação, pois pedira à filha que o vestisse como Jesus no dia do Calvário. O cadáver estava em posição solene, envergando grande roupão branco, cana humilde entre as mãos, coroa de espinhos na cabeça, pés descalços. Tudo simples, sem uma flor. O fazendeiro dissera que desejava chegar ao outro mundo com a pobreza e a simplicidade do Divino Mestre. Jordelina Torres chegou, respeitosa, e fitou o morto, compungidamente. Orava, serena, quando foi abordada por D. Mariana Mota, a filha do fazendeiro, que lhe falou: - Dona Jordelina, lamento que a senhora não tenha chegado antes. Papai estava muito interessado em que a senhora o perdoasse por alguma falta de outros tempos.
  4. 4. - Não tenho nada contra ele, disse a velha humilde, pois também sou pecadora, necessitando do perdão de Deus. Encorajada por uma resposta assim tão doce, a jovem senhora indicou o morto, cuja figuração efetivamente lembrava o Sublime Crucificado, e falou à recém-chegada: - A senhora não acha que papai está bem como está? Foi então que Jordelina explicou, sem afetação: -Sim, minha filha, Nhô Paulo está muito bem disfarçado, mas ele agora está seguindo para o lugar onde é bem conhecido. REFLEXÃO:
  5. 5. O Espírito do homem tem por missão evoluir em amor e verdade, assegurando paz, harmonia e equilíbrio no Universo. Quando encarnado, no entanto, nas relações com o mundo material, encontra uma porta larga que, geralmente atravessa, e que se constitui de prazeres e de paixões; de vícios e apegos que o aprisiona nas esferas mais baixas da vibração espiritual. É movido pela vaidade, pela inveja, pelo amor ao dinheiro, pelo orgulho, pelo sexo irresponsável, pela prepotência, pela ilusão da autoridade, pelo egoísmo e pela traição. Quando contrariado em seus interesses imediatos, julga, com base em seus valores ilusórios, e reage agredindo, ofendendo, perseguindo e cobrando, o que chama de seus direitos, quando não busca vingança pelos prejuízos que considera reais.
  6. 6. Não percebe que os prejuízos reais estão no fato de não aproveitar as oportunidades que são concedidas pelo Deus amoroso, e que poderiam fazê-lo ascender às sublimes estalagens do Universo. Enquanto não atingir a integridade, o espírito gravita dentro de felicidade relativa, alternando bons e maus momentos, boas e más experiências. A falta da integridade no homem leva-o a dar mais importância à sua personalidade do que à sua individualidade. Assim, torna-se um ator de muitos papeis, em muitas cenas, assumindo a postura mais adequada segundo os valores do mundo, para lidar com a vida de relação e as conveniências. São disfarces, maquiagem e roupagem diferentes que mascaram sua individualidade, e não permitem que enxerguem sua realidade interior.
  7. 7. No mundo, valemos pelo que temos e pela quantidade de mentiras e ilusões que conseguimos manter em nosso disfarce de homem de bem. O homem íntegro só representa um papel, o do justo, coerente com os valores do espírito e alinhado com a força sublime do amor e da caridade. Não falseia, não engana, não trai, não ofende, não calunia, não prejudica, não mente sob hipótese alguma, não julga, simplesmente ama. Para entendermos o que é integridade, o que é ser coerente consigo mesmo, basta observarmos aquilo que fazemos, quando ninguém está nos olhando. Se nós nos permitimos falhar, porque ninguém nos vê, ainda não somos íntegros.
  8. 8. Pessoas afirmam que o importante não é ser honesto, mas parecer ser honesto; não é ser íntegro, mas parecer íntegro. Isto corresponde a vestirem sempre a pele de cordeiro diante do mundo onde, na realidade, são lobos vorazes por baixo. Em uma palavra, são fariseus. Nós, que já recebemos a luz da vida espiritual, através da Doutrina Espírita, temos mais responsabilidades do que outros que ainda não compreendem. Não são o mundo exterior, a aparência, a vestimenta, as máscaras que usamos ou a maquiagem que farão diferença em nós, mas as nossas obras, as nossas ações, e a integridade que tenhamos conquistado na nossa vida de relação.
  9. 9. Existe uma música, muito bonita, que nos leva a meditar sobre a misericórdia de Deus. Essa música diz: “Todo tempo é tempo de recomeçar”. A análise de consciência, a busca do conhecimento de si próprio, ajudam o recomeço. Eliminar a ilusão do mundo, não satisfazer- se mais em viver no erro, são sempre oportunidades de recomeço. Recomeçar significa romper com modelos, com paradigmas, ou com falsos valores da matéria, que nos impedem de ascender em espírito e em verdade. Recomeçar é assumir a postura do eterno aprendiz, disposto a vencer a si próprio, para poder vencer o mundo. Recomeçar significa identificar os rumos adequados, traçar o caminho e persegui-lo a todo instante,
  10. 10. Baseados em novos valores, necessários para a sustentação da jornada, construindo a felicidade em cada passo. Recomeçar significa buscar novas formas para vencer as inferioridades, corrigir os erros anteriormente cometidos; refazer o que foi mal feito; ajustar o que foi desajustado. Mas, sobretudo, amparar e recuperar o amor daqueles a quem perseguimos, traímos ou prejudicamos. A reencarnação e o esquecimento do passado são acréscimos de misericórdia com o que o Pai nos favorece, para que possamos recomeçar. Mas, todavia, não nos exime das consequências dos desatinos cometidos anteriormente. Diante, porém, do sincero propósito de recomeço, as oportunidades surgem, cada vez mais intensas, para que, no futuro, tenhamos forças e conquistemos a condição de encarar novamente...
  11. 11. Aqueles a quem prejudicamos, transmitindo agora amor e compreensão. Todo tempo é tempo de recomeçar. No plano espiritual, entretanto, não existem disfarces, maquiagens, roupagens, a não ser aqueles que trazemos impressos em nosso espírito, sofredor e impuro. Nossa inferioridade estará sempre visível, a quem tenha os olhos de ver. Somos aquilo que somos. Temos apenas o que conquistamos no esforço do bem. Jesus nos disse em seu Evangelho que devemos aproveitar enquanto estivermos a caminho para reconciliarmo-nos com nossos adversários. Suas palavras representam que todo instante é uma oportunidade para refazer, consertar, corrigir, construir, a partir de firmes propósitos de regeneração. Se não encontrarmos, entretanto, a receptividade necessária, não importa.
  12. 12. Às vezes, as dores que causamos deixam feridas profundas, que levam tempo para cicatrizar. Mas hão de cicatrizar um dia. Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Estudos comentados de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Veja, também, uma página nova: “Espiritismo com humor”.

×