A Retórica Desmascara o Discurso

176 visualizações

Publicada em

Comunicação apresentada durante o International Congress of Critical Apllied Linguistics - ICCAL- Universidade de Brasilia - 21/10/2015

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
176
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Retórica Desmascara o Discurso

  1. 1. A RETÓRICA DESMASCARA O DISCURSO Hélia Coelho Mello Cunha Gerson Tavares do Carmo
  2. 2. Objetivo Apresentar técnicas argumentativas e recursos retóricos como facilitadores de compreensão de textos argumentativos a partir de uma percepção de uso da Retórica para a leitura textual, conforme a entende Olivier Reboul. Hélia Coelho Mello Cunha
  3. 3. Retórica- Leitura- Olivier Reboul • “A leitura retórica é um diálogo”. • Diante de um texto, o leitor pergunta “quem fala?”, "quando?", "por quê?" e, principalmente, "como?" e "a quem?". • Ao responder a quem se fala, define-se o auditório que se quer persuadir; e; ao analisar como se fala, o leitor entende o objetivo do uso das estratégias no texto, portanto, compreendendo a unidade do discurso, o seu motivo central. Hélia Coeho Mello Cunha
  4. 4. Retórica • Aristóteles , Chaïm Perelman. • Auditório. • Pathos / Ethos. • Comunhão. • Presença. • Argumentos: exemplo, comparação, analogia. Hélia Coeho Mello Cunha
  5. 5. Semântica Argumentativa • Oswald Ducrot e Carlos Vogt. • Implícitos. • Pressupostos. • Operadores argumentativos - certos elementos da gramática de uma língua que têm por função indicar (“mostrar”) a força argumentativa dos enunciados, o sentido para o qual apontam. • Seleção lexical. Hélia Coeho Mello Cunha
  6. 6. Estilística • Giraud (1978, p.7) diz que “a estilística (...) é uma retórica moderna” , há “valores impressivos, tais como o valor estilístico dos sons, das figuras e das estruturas sintáticas que utiliza, que representam as intenções do falante e a impressão que ele quer produzir” (ibid,p.126). • Todos esses artifícios de composição já eram reconhecidos e classificados pela antiga retórica, nos processos de invenção e disposição. Hélia Coeho Mello Cunha
  7. 7. Figuras Retóricas • Reboul (1998, p.113-114) diz que “A figura só é de retórica quando desempenha papel persuasivo”, e, “se o argumento é o prego, a figura é o modo de pregá-lo”. Hélia Coeho Mello Cunha
  8. 8. O DONO DO LIVRO Martha Medeiros - Zero Hora - 06/11/11 Li outro dia um fato real narrado pelo escritor moçambicano Mia Couto. Ele disse que certa vez chegou em casa no fim do dia, já havia anoitecido, quando um garoto humilde de 16 anos o esperava sentado no muro. O garoto estava com um dos braços para trás, o que perturbou o escritor, que imaginou que pudesse ser assaltado. Mas logo o menino mostrou o que tinha em mãos: um livro do próprio Mia Couto. Esse livro é seu? perguntou o menino. Sim, respondeu o escritor. Vim devolver. O garoto explicou que horas antes estava na rua quando viu uma moça com aquele livro nas mãos, cuja capa trazia a foto do autor. O garoto reconheceu Mia Couto pelas fotos que já havia visto em jornais. Então perguntou para a moça: Esse livro é do Mia Couto?. Ela respondeu: É. E o garoto mais que ligeiro tirou o livro das mãos dela e correu para a casa do escritor para fazer a boa ação de devolver a obra ao verdadeiro dono. Hélia Coeho Mello Cunha
  9. 9. Uma história assim pode acontecer em qualquer país habitado por pessoas que ainda não estejam familiarizadas com os livros – aqui no Brasil, inclusive. De quem é o livro? A resposta não é a mesma de quando se pergunta: “Quem escreveu o livro?”. O autor é quem escreve, mas o livro é de quem lê, e isso de uma forma muito mais abrangente do que o conceito de propriedade privada – comprei, é meu. O livro é de quem lê mesmo quando foi retirado de uma biblioteca, mesmo que seja emprestado, mesmo que tenha sido encontrado num banco de praça. Hélia Coeho Mello Cunha
  10. 10. O livro é de quem tem acesso às suas páginas e através delas consegue imaginar os personagens, os cenários, a voz e o jeito com que se movimentam. São do leitor as sensações provocadas, a tristeza, a euforia, o medo, o espanto, tudo o que é transmitido pelo autor, mas que reflete em quem lê de uma forma muito pessoal. É do leitor o prazer. É do leitor a identificação. É do leitor o aprendizado. É do leitor o livro. Dias atrás gravei um comercial de rádio em prol do Instituto Estadual do Livro em que falo aos leitores exatamente isso: os meus livros são os seus livros. E são, de fato. Não existe livro sem leitor. Não existe. É um objeto fantasma que não serve pra nada. Hélia Coeho Mello Cunha
  11. 11. Aquele garoto de Moçambique não vê assim. Para ele, o livro é de quem traz o nome estampado na capa, como se isso sinalizasse o direito de posse. Não tem ideia de como se dá o processo todo, possivelmente nunca entrou numa livraria, nem sabe o que é tiragem. Mas, em seu desengano, teve a gentileza de tentar colocar as coisas em seu devido lugar, mesmo que para isso tenha roubado o livro de uma garota sem perceber. Hélia Coeho Mello Cunha
  12. 12. Ela era a dona do livro. E deve ter ficado estupefata. Um fã do Mia Couto afanou seu exemplar. Não levou o celular, a carteira, só quis o livro. Um danado de um amante da literatura, deve ter pensado ela. Assim são as histórias escritas também pela vida, interpretadas a seu modo por cada dono. Publicado no jornal Zero Hora no caderno Donna, que tem circulação dominical, em 06 /11/2011; na Revista O Globo (25/11/2012) e no livro “A Graça da Coisa” (LP&M). Hélia Coeho Mello Cunha
  13. 13. Considerações Finais Cremos que esta abordagem foi suficiente para que o ouvinte desta comunicação oral se conscientize da importância do reconhecimento destes na leitura de um discurso argumentativo e de que pode ler com eficiência, desmascarando, como o auxílio da Retórica, o seu verdadeiro sentido . Hélia Coeho Mello Cunha
  14. 14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARISTÓTELES. Retórica. Tradução Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2011. A Estilística. 2.ed. trad. Miguel Maillet. São Paulo: Mestre Jou, 1978. MEDEIROS, Martha. O dono do livro. Jornal Zero Hora. Porto Alegre, 11 nov.2011.Caderno Donna. PERELMAN, Chaïm & OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação - A Nova Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1999. REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998. Hélia Coeho Mello Cunha
  15. 15. CONTATO Hélia Coelho Mello Cunha heliacoelho14@gmail.com hcunha@iff.edu.br Facebook: LINGUA AFI(N)ADA Hélia Coeho Mello Cunha

×