Gestão da inovação pela criatividade

349 visualizações

Publicada em

A Tucunaré desenvolve palestras, workshops e aplicação de gestão criativa em vários tipos de instituição. Problemas como rotatividade de pessoal, retenção de capital intelectual e qualidade da produtividade pode ser melhoradas utilizando a criatividade como principal aplicação. Valorização dos intangíveis é discussão mundial com excelentes resultados.

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Gestão da inovação pela criatividade

  1. 1. GESTÃO DA INOVAÇÃO PELA CRIATIVIDADE Diminuição da rotatividade de pessoal Retenção de capital intelectual Melhoria da qualidade na produtividade
  2. 2. O panorama de negócios hoje mostra: - fluxo de informações cada vez mais rápido - processos tecnológicos em constante renovação - fornecedores / clientes / parceiros conectados em tempo real - mercado extremamente competitivo -Inovação e produtividade - processos do momento
  3. 3. Avaliando a linha do tempo do processo de desenvolvimento tecnológico e de processos , podemos afirmar que: Se a gestão do seu negócio estiver sendo aplicada da mesma forma como ontem, provavelmente terá um difícil amanhã !!
  4. 4. Desafio: Ser um empreendimento diferenciado no seu segmento de mercado ! Sendo diferenciado, deixa de competir por preço, valorizando-se pela inovação, pelo diferente ! Um empreendimento no setor de serviços, valoriza-se pelo: - diferencial de atendimento - diferencial nos processos - capital intelectual de conhecimento específico de sua área
  5. 5. Maiores problemas identificados na gestão de pessoas: -Comprometimento - Atitude -Rotatividade -Relacionamento inter grupo -Comunicação -Dispersão de potencial Estes problemas são ainda resquícios de uma cultura corporativa onde a competitividade individualista era incentivada (até os anos 90 mais ou menos), contrária a visão do novo ciclo, que caminha por trilhos mais colaborativos. Mas como ¨descristalizar¨ estes comportamentos adotados por várias gerações administrativas? A Tucunaré propõe-se a desenvolver um processo de inovação na gestão de solução de problemas utilizando a CRIATIVIDADE como ferramenta, valorizando o capital intelectual que compõe o grupo de trabalho. A metodologia busca autossuficiência e sustentabilidade do grupo .
  6. 6. Desenvolvimento criativo não está ligado apenas a questões de tecnologia ou de processos, também pode ser aplicados na gestão de pessoas com resultados muito positivos, principalmente na valorização dos intangíveis. No Brasil, a grande mídia já destaca a importância destes valores alinhando-se as discussões mundiais – veja campanha do Pão de Açucar (ser feliz), do Bradesco (nós cuidamos para você poder viver as coisas boas) e programa da National Geographic = Viver Positivamente. http://www.youtube.com/watch?v=oqq0bCNVGxc (campanha Pão de Açucar) Seminários internacionais como a Expogestão de 2013 tem trazido pessoas referência de diversas áreas alertando para esta quebra de paradigmas. E, no cenário de outros países, vemos casos como a Islândia, Espanha, Chile e agora Portugal revertendo cenários econômicos apostando no desenvolvimento criativo onde o potencial intelectual foi o ator principal.
  7. 7. Através dos conceitos da economia criativa da cultura buscamos desenvolver o equilíbrio, a valorização dos intangíveis e a humanização das relações como formato sustentável para a gestão do novo ciclo. Mas afinal, o que são os intangíveis? Intangíveis são os sentimentos, emoções, situações não possíveis de compor de forma fisicamente palpável, como, por exemplo: bem estar, felicidade, respeito, cumplicidade, qualidade de vida. Na rede de discussões e aplicações de inovação, prevê-se em um futuro bem próximo, no qual os intangíveis terão um peso tão importante na decisão de aceitação / manutenção de postos de trabalho quanto o salário nominal. Esta mudança de atitude torna o trabalho também uma fonte de atividade prazerosa e quebra antigos paradigmas, tornando esta relação mais saudável e consequentemente, mais produtiva.
  8. 8. Como? Dentro da discussão da economia criativa, defendemos que o conhecimento vivencial dos colaboradores tem tanto a contribuir para o desenvolvimento do grupo quanto a formação acadêmica. Uma aliança positiva e consistente. Iniciando o processo de desenvolvimento criativo na conscientização da valorização deste conhecimento e do papel de cada individuo dentro da administração e sua importância, constrói-se um sistema baseado em divergência e convergência onde a troca de conhecimentos tem papel fundamental. As soluções para necessidades da gestão administrativa passam ser desenvolvidas ¨de dentro para fora¨ do grupo de trabalho, gerando um processo contínuo e sustentável. Desta forma participativa, o colaborador desenvolve senso de ¨pertencimento¨ ao grupo, sentindo-se útil, responsável e comprometido para com os resultados das sugestões.
  9. 9. Inicialmente, podemos montar pequenos ¨cluster criativos¨ dentro da empresa, como forma inicial de disseminação do conceito. Importante observar que uma ¨ação criativa¨ apenas não leva a processos contínuos – necessário aplicar conceitos da economia = desenvolvimento da criatividade, circulação e a demanda para que seja requisitada e absorvida num processo sustentável. Nesta proposta de autossuficiência na gestão de problemáticas do grupo de trabalho, libera-se potencialmente o tempo do gestor para que possa dedicar-se a questões ¨macro¨ de seu empreendimento. Pessoas felizes envolvem-se com prazer na engrenagem que movimenta o negócio, resultando em produtividade como consequência natural (e não impositiva!)
  10. 10. Estamos a disposição para uma troca de ideias sem compromisso. Telefone (47) 3025.3180 ou contato@tucunare.art.br. Deixamos aqui o nosso abraço tucunaré com uma singela mensagem:

×