Aula6

270 visualizações

Publicada em

Tecnologias na Educação

  • Seja o primeiro a comentar

Aula6

  1. 1. Tecnologias na Educação (Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida) Dos caminhos trilhados aos atuais desafios. Apresentação elaborada por Helen Milene da Silva Santos
  2. 2. Introdução <ul><li>A autora apresenta um histórico da utilização das tecnologias de informação e comunicação na educação, analisando esse processos em países como Estados Unidos da América, França, Portugal e Brasil. </li></ul>
  3. 3. BRASIL ESTADOS UNIDOS PORTUGAL FRANÇA Alguns caminhos trilhados... (Clique no país escolhido) CONSIDERAÇÕES
  4. 4. Estados Unidos da América <ul><li>A primeira atividade voltada ao uso de tecnologias na educação ocorreu por volta dos anos 50, mas tornou-se efetiva nas escolas em meados dos anos 70 e início dos anos 90. </li></ul><ul><li>Década de 70 : Uso de softwares do tipo CAI ( Computer Aided Instruction ); </li></ul><ul><li>Décadas de 80 e 90 : experiências com Logo, desenvolvido por Papert ao inconformar-se com a passividade dos alunos diante de softwares do tipo CAI. </li></ul><ul><li>Ano 2000 : Metas traçadas: acesso a todos os professores e estudantes, disponibilidade de computadores e conexão a Internet em todas as salas de aula, formação de todos os professores, integração curricular de softwares interativos adequados ao nível de ensino. </li></ul>VOLTAR
  5. 5. França <ul><li>Os computadores começaram a aparecer nas escolas na década de 70, com expressividade maior nos anos 80. </li></ul><ul><li>Década de 70 : produção de softwares do tipo EAO, semelhante ao CAI desenvolvido nos EUA . </li></ul><ul><li>Década de 80 : experiências com linguagem Logo e utilização de programas aplicativos básicos para realização de tarefas. Preocupação voltada para participação ativa. </li></ul><ul><li>Ano 2006 : Reafirmam o propósito de proporcionar aos alunos o desenvolvimento de uma atitude responsável diante do uso das tecnologias. Para isso, incentivam a utilização dos blogs pedagógicos. </li></ul>VOLTAR
  6. 6. Portugal <ul><li>Ano 1985 : Lança o projeto Minerva (Meios Informáticos na Educação: Racionalizar, Valorizar, Atualizar), visando equipar as escolas e desenvolver a formação continuada de orientadores e professores para o uso da informática. </li></ul><ul><li>Ano 1996 : Amplia o projeto anterior a partir da criação do programa NÓNIO, cuja avaliação identificou como aspectos favoráveis a dedicação dos professores e o interesse dos alunos, mas pouco conhecimento proporcionado pelas TICs aos alunos. </li></ul><ul><li>Ano 2005 : Institui o CRIE, um setor responsável pela concepção, desenvolvimento e avaliação de projetos, formação contínua de professores, implantação e manutenção de equipamentos, redes e Internet. </li></ul><ul><li>Até 2010 : Atingir a meta de acesso ao computador e à Internet banda larga a 47% da população. </li></ul>VOLTAR
  7. 7. Brasil <ul><li>Década de 70 : Primeiros passos para a inserção da tecnologia digital no sistema de ensino, criando um espaço de diálogo com pesquisadores e educadores. </li></ul><ul><li>Ano 1984 : Implantação do Educom em cinco universidades públicas, com o objetivo de promover a criação de centros pilotos para o desenvolvimento de pesquisas nessa área. </li></ul><ul><li>Ano 1989 : Instituição do Proinfe, com enfoque na abordagem educacional construcionista, com base nas ideias de Papert . </li></ul><ul><li>Ano 1996 : Criação da Secretaria de Educação a Distância, que impulsionou a criação de programas com foco na introdução das tecnologias na escola, bem como na preparação do professor. </li></ul><ul><li>Ano 2005 : Censo Escolar indica apenas 16,8% das escolas públicas possuem laboratórios de informática e, além disso, pequena parte delas possui acesso à Internet. </li></ul>VOLTAR
  8. 8. Considerações <ul><li>Observa-se que as experiências com tecnologias na educação se iniciam quase que concomitantemente nos países analisados. </li></ul><ul><li>No Brasil, em especial, o grande desafio ainda é o da universalização das TICs, de modo a atingir o contingente de alunos, docentes e estabelecimentos escolares, bem com o de ampliar a compreensão de que as tecnologias devem ser integradas ao currículo, de modo a promover uma aprendizagem ativa. </li></ul>

×