Recursos subterrâneos helena_silvia(2)

1.366 visualizações

Publicada em

Recursos hidrogeológicos, 11ºano

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
642
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recursos subterrâneos helena_silvia(2)

  1. 1. Helena Dias nº6 Sílvia Almeida nº16 Recursos Hidrogeológicos Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  2. 2. Águas subterrâneas Toda a água que ocupa espaços vazios de uma formação geológica é considerada água subterrânea. Geralmente, estas águas são excedentes das chuvas, de rios, lagos ou derretimento de gelos que se infiltram no solo. Os reservatórios de água subterrânea infiltrada nos espaços vazios das formações geológicas chamam-se aquíferos. No entanto, há uma quantidade de água debaixo do solo chamada de lençol freático que não é considerada água subterrânea, uma vez que é apenas a água que separa a zona de saturação da zona de aeração do solo. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  3. 3. As águas subterrâneas armazenam-se, geralmente, em rochas sedimentares porosas e permeáveis, ou em rochas não-porosas mas que possuem fraturas ou fissuras por onde a água se pode infiltrar. Uma exceção são rochas calcárias, que são facilmente corroídas por águas pouco ácidas, abrindo assim fissuras que permitem a infiltração da água. Calcário Argilito ArgilaArenito Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  4. 4. A zona de saturação localiza-se abaixo do lençol freático e é a zona em que a maioria das fraturas e poros se encontram totalmente preenchidos com água. Por outro lado, a zona de aeração é o local do solo onde ocorre a infiltração da água e onde as fissuras e poros das rochas ainda se encontram parcialmente preenchidos com ar. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  5. 5. A água subterrânea está geralmente dividida em quatro zonas: • Zona de saturação: zona em que a maioria das fraturas e poros se encontram totalmente preenchidos com água. • Orla de capilaridade: localiza-se logo acima da zona de saturação, a água passa para a zona de saturação através de fraturas finas. • Secção intermediária: localiza-se acima da orla de capilaridade. A água, ao se infiltrar nesta secção, é drenada, por acção da gravidade, até ao lençol. É uma zona quase seca que pode ou não existir. • Secção húmida do solo: é uma secção superficial e muito porosa, que contém matéria orgânica. Parte da água, proveniente da chuva, que aqui se encontra é absorvida pela secção intermediária, enquanto que outra parte volta para a atmosfera por meio da transpiração. Ocorrência de águas subterrâneas Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  6. 6. Cerca de 70% da água doce do mundo encontra- se nos glaciares, e quase 30% encontra-se no subsolo. Por volta de 90% da água doce ao dispor do Homem encontra-se nos 30% de água subterrânea. Uma das maiores reservas de água subterrânea do mundo é o Aquífero de Guarani, que ocupa porções de território de quatro países. Necessidade e disponibilidade de água subterrânea Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  7. 7. Necessidade e disponibilidade de água subterrânea Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  8. 8. Aquíferos  Os aquíferos podem ser confinados, ou seja a reserva de água está limitada pelo topo e pela base por camadas impermeáveis, em que a pressão da água induzida pela cobertura impermeável é superior à pressão atmosférica. Nestes aquíferos a recarga é feita lentamente, e há pouca variação com as estações do ano.  Os aquíferos podem também ser livres, se estão limitados no topo por uma camada permeável e na base por uma camada impermeável. Neste tipo de aquíferos, a pressão da água é igual à pressão atmosférica, a recarga é rápida e há variações acentuadas com as estações do ano. Um aquífero é uma formação geológica que armazena água subterrânea. É composto por rochas permeáveis e porosas, que são capazes de reter e ceder água. São reservatórios móveis, que podem abastecer rios e poços. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  9. 9. Tipos de aquíferos: • Aquíferos porosos: apresentam espaços vazios entre os grãos, que permitem a passagem da água. Este tipo de aquífero é geralmente composto por rochas sedimentares detríticas consolidadas e não-consolidadas. Representam o conjunto de aquíferos mais frequente e importante, uma vez que permitem armazenar um grande volume de água. • Aquíferos fissurados: apresentam fraturas ou fissuras causadas por forças tectónicas ou por meteorização. Este tipo de aquífero está associado a rochas magmáticas e rochas metamórficas. • Aquíferos cársicos: apresentam cavidades causadas pela dissolução da rocha. Devido à natureza frágil (quando em contacto com a água) das rochas carbonatadas e marmoreadas que compõem estes aquíferos, existe geralmente a formação de grandes rios subterrâneos. Aquíferos Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  10. 10. A permeabilidade é a propriedade das rochas que permite a infiltração e circulação da água nos aquíferos. Devido a esta propriedade, no Inverno, o nível hidrostático (maioritariamente nos aquíferos cársicos) aumenta significativamente, uma vez que as rochas carbonatadas são facilmente dissolvidas e formam grandes cavidades, permitindo a acumulação de um grande volume de água. Tendo isto em conta, é possível concluir que os aquíferos cársicos são muito mais produtivos, assim como os aquíferos porosos, em contraste com os aquíferos fissurados que são mais raros e menos importantes. Quanto maiores e mais próximos forem os poros, mais elevada é a permeabilidade (como acontece, por exemplo, nas areias). No entanto, se os poros forem pequenos e afastados, a permeabilidade é reduzida (por exemplo, nas argilas). Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  11. 11. É possível fazer um furo num aquífero confinado, para retirar água dele e tirar proveito da mesma. Ao perfurar o teto do aquífero, a água sobe sob pressão pelo interior do furo e eleva-se acima do nível do teto do aquífero, estabilizando ao nível em que fica sob pressão atmosférica. Este nível denomina-se de nível piezométrico. Quando um furo é feito abaixo do nível piezométrico, forma-se um repuxo que inunda a superfície. O nível piezométrico é utilizado quando se fala de aquíferos cativos; quando se trata de aquíferos livres, o termo correto é nível hidrostático ou nível freático, que é a posição estável a que a água se encontra no subsolo. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  12. 12. Composição das águas subterrâneas Ao estar em contacto com várias rochas a água ganha várias composições químicas, podendo estas ser também influenciadas por outros fatores, como a quantidade de precipitação, a taxa de evaporação, a temperatura da água e o tempo de permanência em profundidade. Deste facto segue-se que as águas têm diferentes composições químicas consoante os locais por onde passam/ onde estão armazenadas. Uma água diz-se água mineral quando contém uma concentração de sais minerais excede 1 g/L. Quando uma água mineral pode ter efeitos positivos para a saúde e é, por isso, engarrafada e distribuída, designa-se de água mineral natural. As águas de nascente não têm a designação de minerais uma vez que têm baixa concentração de sais dissolvidos, devido à circulação pouco profunda (ou até superficial) e de curta duração. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  13. 13. Contaminação e sobreexploração de águas subterrâneas A composição de uma água pode ser alterada de forma a torná-la imprópria para alguns fins, sendo então considerada água poluída. Isto deve-se à incapacidade, por parte do solo e da zona saturada, de reter substâncias dissolvidas na água que a contaminam. Ou seja, o solo e a zona saturada filtram determinadas partículas e micróbios, mas não conseguem filtrar algumas substâncias. Após poluídas, há uma grande dificuldade em recuperar as águas. A grande causa por detrás da poluição das águas é a ação humana.Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  14. 14. Causas e efeitos da poluição da água subterrânea Poluição agropecuária Causas Efeitos Pesticidas Elevada toxicidade das águas Fertilizantes Aumento da concentração de nitratos, nitritos e amónia Dejetos de animais Aumento da concentração de sais; contaminação orgânica Água subterrânea reutilizada para rega Aumento da concentração de sais Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  15. 15. Causas e efeitos da poluição da água subterrânea Poluição industrial Causas Efeitos Efluentes industriais Destruição de vida aquática, contaminação de rios e afluentes, o que afetará as canalizações Gases de enxofre e azoto Derrames Poluição urbana Causas Efeitos Fossas sépticas Aumento da concentração de sais, contaminação orgânica Efluentes domésticos Cemitérios Depósitos de lixo Incorporação de dióxido de carbono e metano; aumento da concentração de sais Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  16. 16. Vulnerabilidade dos aquíferos O risco de contaminação depende da vulnerabilidade do aquífero onde a água está. Os aquíferos mais vulneráveis ocupam as classes V1, V2 e V3, sendo aquíferos cársicos (formados por rochas carbonatadas muito carsificadas ou sedimentos não-consolidados) em que há risco de contaminação muito alto a médio. Os aquíferos menos vulneráveis ocupam as classes V4 a V7 e são formados por rochas carbonatadas, fissuradas e sedimentos consolidados, apresentando um risco de contaminação entre médio e baixo. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  17. 17. Medidas para diminuir a poluição das águas subterrâneas •Realização de estudos locais e regionais; •Regulamentação específica, que impeça certas práticas (como o uso de certos pesticidas ou fertilizantes) que ponha em causa a qualidade das águas; •Delimitação de perímetros de proteção da captação de águas subterrâneas; •Restrição da atividade humana perto de furos de captação com fim a impedir a poluição do aquífero; Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  18. 18. Sobreexploração dos aquíferos A quantidade de água existente para uso humano é também uma preocupação, uma vez que existe uma sobreexploração cuja maior consequência é o esgotamento dos aquíferos. A posição do nível freático é influenciada pela relação entre a velocidade de infiltração ou recarga, e de consumo. Se a velocidade de consumo for superior à de recarga, obviamente que haverá uma diminuição da água disponível. Devido à captação de água dos aquíferos, forma-se um cone de depressão em torno dos furos de captação, que causa uma alteração no nível freático original, geralmente fazendo com que este diminua. O rebaixamento do nível freático pode fazer com que alguns furos de captação deixem de ser produtivos. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  19. 19. Sobreexploração de aquíferos Outros problemas causados pela sobreexploração de águas subterrâneas: •Secagem de cursos de água ou de nascentes, uma vez que o nível freático deixa de intersetar a superfície topográfica, levando a uma alteração no regime normal de águas superficiais e nos ecossistemas relacionados; •Salinização dos aquíferos costeiros; •Modificação do estado de tensão dos materiais rochosos, uma vez que os poros deixam de estar preenchidos por água; •Défice de água à superfície. A salinização dos aquíferos costeiros acontece devido à diferença de densidade entre a água doce e a água salgada. Ou seja, enquanto que a água doce escoa para o mar, a água salgada penetra no aquífero, levando a uma elevação do nível do mar. Quando uma extração de grandes volumes de água doce subterrânea junto às linhas de costa, forma-se uma intrusão salina e uma consequente contaminação das águas do aquífero pela água do mar. Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano
  20. 20. Salinização de um aquífero Colégio Vasco da Gama - Biologia 11ºano

×