SlideShare uma empresa Scribd logo
Lógica informal -Lógica informal -
ArgumentaçãoArgumentação
Estuda os argumentos não apenas doEstuda os argumentos não apenas do
ponto de vista da sua validade formalponto de vista da sua validade formal
mas também do ponto de vista do seumas também do ponto de vista do seu
conteúdo.conteúdo.
Distinção entre dois tipos deDistinção entre dois tipos de
argumentosargumentos
► Argumentos dedutivos.Argumentos dedutivos.
► A validade depende daA validade depende da
sua forma.sua forma.
► A conclusão segueA conclusão segue
necessariamente asnecessariamente as
premissaspremissas
No argumento válido, se asNo argumento válido, se as
premissa são verdadeiraspremissa são verdadeiras
a conclusão também éa conclusão também é
verdadeira.verdadeira.
► Argumentos nãoArgumentos não
dedutivos.dedutivos.
► Não têm forma lógica.Não têm forma lógica.
► A conclusão não segueA conclusão não segue
necessariamente asnecessariamente as
premissas.premissas.
► A conclusão é provável eA conclusão é provável e
não necessariamentenão necessariamente
verdadeira.verdadeira.
Distinção entre o plano da lógicaDistinção entre o plano da lógica
formal e informalformal e informal
► A Lógica formalA Lógica formal
► Distingue argumentosDistingue argumentos
válidos ou inválidosválidos ou inválidos
segundo a sua forma.segundo a sua forma.
► Prescinde das referênciasPrescinde das referências
ao auditório e ao contextoao auditório e ao contexto
► Impessoal, não implica aImpessoal, não implica a
discussão de pontos dediscussão de pontos de
vista. Pretendevista. Pretende
demonstrar.demonstrar.
► Lógica informalLógica informal
► A validade depende doA validade depende do
conteúdo das premissas econteúdo das premissas e
da conclusão.da conclusão.
► Não prescinde dasNão prescinde das
referências ao auditório ereferências ao auditório e
ao contexto.ao contexto.
► Destina-se a persuadir umDestina-se a persuadir um
auditório sem que esteauditório sem que este
seja forçado a aceitarseja forçado a aceitar
Argumentação.Argumentação.
►O plano da argumentação é o plano daO plano da argumentação é o plano da
discussão.discussão.
►Onde se discute a plausibilidade das razõesOnde se discute a plausibilidade das razões
apresentadas.apresentadas.
►Um bom argumento tem premissasUm bom argumento tem premissas
verdadeiras e plausíveis mas em caso deverdadeiras e plausíveis mas em caso de
não sabermos a verdade, podemos aceitarnão sabermos a verdade, podemos aceitar
o mais plausível. O auditório e o contextoo mais plausível. O auditório e o contexto
são importantes.são importantes.
Argumentos:Argumentos:
►Indutivo: Pode ser uma generalização eIndutivo: Pode ser uma generalização e
uma previsão. A partir de certos casos,uma previsão. A partir de certos casos,
conclui-se para todos ou para a maioria.conclui-se para todos ou para a maioria.
►O vírus da gripe o ano passado fez 9O vírus da gripe o ano passado fez 9
vítimas em Portugalvítimas em Portugal
►Dessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadasDessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadas
ou em lares de terceira idade.ou em lares de terceira idade.
►Logo, os idosos em lares são maisLogo, os idosos em lares são mais
vulneráveis ao vírus e devem servulneráveis ao vírus e devem ser
vacinados.vacinados.
►A arma doA arma do
Batman foiBatman foi
destruída,destruída,
assim como oassim como o
seu carro e oseu carro e o
seu poder.seu poder.
►Logo, BatmanLogo, Batman
estáestá
desarmadodesarmado
Regras para uma indução ser válidaRegras para uma indução ser válida
►Ter uma amostra amplaTer uma amostra ampla
►Os casos têm que ser representativos.Os casos têm que ser representativos.
►Não pode haver contra exemplos fortes.Não pode haver contra exemplos fortes.
AnalogiaAnalogia
►Uma analogia é uma comparação entreUma analogia é uma comparação entre
elementos diferentes que têm semelhançaselementos diferentes que têm semelhanças
fortes e evidentes para o tópico que se querfortes e evidentes para o tópico que se quer
concluir.concluir.
►Sócrates: A educação dos cavalos é comoSócrates: A educação dos cavalos é como
a das pessoas. Poucos sabem educar, aa das pessoas. Poucos sabem educar, a
maioria limita-se a servir-se deles.maioria limita-se a servir-se deles.
AnalogiaAnalogia
►Catwoman:Para queCatwoman:Para que
queres tu o teuqueres tu o teu
mordomo? Nãomordomo? Não
precisas dele.precisas dele.
►Batman: TuBatman: Tu
também nãotambém não
precisas de jóiasprecisas de jóias
mas não podesmas não podes
passar sem elas.passar sem elas.
Regras para uma analogiaRegras para uma analogia
válida/forteválida/forte
►Não haver diferenças relevantes.Não haver diferenças relevantes.
►Haver muitas semelhanças relevantesHaver muitas semelhanças relevantes
AutoridadeAutoridade
►Recorre-se a uma autoridade reconhecidaRecorre-se a uma autoridade reconhecida
em assunto que receba a unanimidade noem assunto que receba a unanimidade no
meio.meio.
►A autoridade tem de ser reconhecida pelosA autoridade tem de ser reconhecida pelos
seus paresseus pares
►Não pode haver divergências relevantes.Não pode haver divergências relevantes.
►São argumentos geralmente falaciosos noSão argumentos geralmente falaciosos no
caso da Filosofiacaso da Filosofia
►O mayor e aO mayor e a
assembleia deassembleia de
cidadãoscidadãos
aprovaramaprovaram
regras muitoregras muito
claras contra aclaras contra a
criminalidade.criminalidade.
Logo, aLogo, a
criminalidadecriminalidade
deve serdeve ser
castigadacastigada
Retórica a arte de persuadirRetórica a arte de persuadir
►Persuadir significa poder encaminharPersuadir significa poder encaminhar
alguém a aceitar uma ideia que não tinhaalguém a aceitar uma ideia que não tinha
ou que rejeitava através de razões que sãoou que rejeitava através de razões que são
relevantes para o interlocutor.relevantes para o interlocutor.
►Podemos persuadir com ou semPodemos persuadir com ou sem
manipulação. Em geral as falácias sãomanipulação. Em geral as falácias são
persuasivas no sentido manipulador.persuasivas no sentido manipulador.
►Quem não faz greveQuem não faz greve
está a provocar aestá a provocar a
continuação da mácontinuação da má
política do governo.política do governo.
Os elementos da persuasão:Os elementos da persuasão:
► LOGOSLOGOS
(o discurso e a(o discurso e a
argumentaçãoargumentação
utilizada)utilizada)
O PATHOSO PATHOS
(O estado emocional do(O estado emocional do
auditório)auditório)
O ETHOSO ETHOS
(O comportamento do(O comportamento do
orador)orador)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
Luis De Sousa Rodrigues
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
Luis De Sousa Rodrigues
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Luis De Sousa Rodrigues
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
InesTeixeiraDuarte
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 

Mais procurados (20)

Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 

Destaque

Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
Joaquim Melro
 
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Jorge Barbosa
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
António Daniel
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Jorge Barbosa
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Joana Pinto
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos ação
Filazambuja
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
Isaque Tomé
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
Julieta Martins
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1
Isaque Tomé
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
Paulo Gomes
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Isaque Tomé
 

Destaque (12)

Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
 
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos ação
 
Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
 
Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
 

Semelhante a Lógica informal argumentação

O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
Karoline Rodrigues de Melo
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
Elisama Lopes
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
Mário Efatah
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
Nikita Soares
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
MéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNioMéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNio
Walace Cestari
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
Cleber Oliveira
 
Popper
PopperPopper
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
DanielaMoreira84
 
Popper
PopperPopper

Semelhante a Lógica informal argumentação (12)

O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
MéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNioMéTodos De RaciocíNio
MéTodos De RaciocíNio
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Popper
PopperPopper
Popper
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 

Último

Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

Lógica informal argumentação

  • 1. Lógica informal -Lógica informal - ArgumentaçãoArgumentação Estuda os argumentos não apenas doEstuda os argumentos não apenas do ponto de vista da sua validade formalponto de vista da sua validade formal mas também do ponto de vista do seumas também do ponto de vista do seu conteúdo.conteúdo.
  • 2. Distinção entre dois tipos deDistinção entre dois tipos de argumentosargumentos ► Argumentos dedutivos.Argumentos dedutivos. ► A validade depende daA validade depende da sua forma.sua forma. ► A conclusão segueA conclusão segue necessariamente asnecessariamente as premissaspremissas No argumento válido, se asNo argumento válido, se as premissa são verdadeiraspremissa são verdadeiras a conclusão também éa conclusão também é verdadeira.verdadeira. ► Argumentos nãoArgumentos não dedutivos.dedutivos. ► Não têm forma lógica.Não têm forma lógica. ► A conclusão não segueA conclusão não segue necessariamente asnecessariamente as premissas.premissas. ► A conclusão é provável eA conclusão é provável e não necessariamentenão necessariamente verdadeira.verdadeira.
  • 3. Distinção entre o plano da lógicaDistinção entre o plano da lógica formal e informalformal e informal ► A Lógica formalA Lógica formal ► Distingue argumentosDistingue argumentos válidos ou inválidosválidos ou inválidos segundo a sua forma.segundo a sua forma. ► Prescinde das referênciasPrescinde das referências ao auditório e ao contextoao auditório e ao contexto ► Impessoal, não implica aImpessoal, não implica a discussão de pontos dediscussão de pontos de vista. Pretendevista. Pretende demonstrar.demonstrar. ► Lógica informalLógica informal ► A validade depende doA validade depende do conteúdo das premissas econteúdo das premissas e da conclusão.da conclusão. ► Não prescinde dasNão prescinde das referências ao auditório ereferências ao auditório e ao contexto.ao contexto. ► Destina-se a persuadir umDestina-se a persuadir um auditório sem que esteauditório sem que este seja forçado a aceitarseja forçado a aceitar
  • 4. Argumentação.Argumentação. ►O plano da argumentação é o plano daO plano da argumentação é o plano da discussão.discussão. ►Onde se discute a plausibilidade das razõesOnde se discute a plausibilidade das razões apresentadas.apresentadas. ►Um bom argumento tem premissasUm bom argumento tem premissas verdadeiras e plausíveis mas em caso deverdadeiras e plausíveis mas em caso de não sabermos a verdade, podemos aceitarnão sabermos a verdade, podemos aceitar o mais plausível. O auditório e o contextoo mais plausível. O auditório e o contexto são importantes.são importantes.
  • 5. Argumentos:Argumentos: ►Indutivo: Pode ser uma generalização eIndutivo: Pode ser uma generalização e uma previsão. A partir de certos casos,uma previsão. A partir de certos casos, conclui-se para todos ou para a maioria.conclui-se para todos ou para a maioria. ►O vírus da gripe o ano passado fez 9O vírus da gripe o ano passado fez 9 vítimas em Portugalvítimas em Portugal ►Dessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadasDessas 9 vítimas 8 estavam hospitalizadas ou em lares de terceira idade.ou em lares de terceira idade. ►Logo, os idosos em lares são maisLogo, os idosos em lares são mais vulneráveis ao vírus e devem servulneráveis ao vírus e devem ser vacinados.vacinados.
  • 6. ►A arma doA arma do Batman foiBatman foi destruída,destruída, assim como oassim como o seu carro e oseu carro e o seu poder.seu poder. ►Logo, BatmanLogo, Batman estáestá desarmadodesarmado
  • 7. Regras para uma indução ser válidaRegras para uma indução ser válida ►Ter uma amostra amplaTer uma amostra ampla ►Os casos têm que ser representativos.Os casos têm que ser representativos. ►Não pode haver contra exemplos fortes.Não pode haver contra exemplos fortes.
  • 8. AnalogiaAnalogia ►Uma analogia é uma comparação entreUma analogia é uma comparação entre elementos diferentes que têm semelhançaselementos diferentes que têm semelhanças fortes e evidentes para o tópico que se querfortes e evidentes para o tópico que se quer concluir.concluir. ►Sócrates: A educação dos cavalos é comoSócrates: A educação dos cavalos é como a das pessoas. Poucos sabem educar, aa das pessoas. Poucos sabem educar, a maioria limita-se a servir-se deles.maioria limita-se a servir-se deles.
  • 9. AnalogiaAnalogia ►Catwoman:Para queCatwoman:Para que queres tu o teuqueres tu o teu mordomo? Nãomordomo? Não precisas dele.precisas dele. ►Batman: TuBatman: Tu também nãotambém não precisas de jóiasprecisas de jóias mas não podesmas não podes passar sem elas.passar sem elas.
  • 10. Regras para uma analogiaRegras para uma analogia válida/forteválida/forte ►Não haver diferenças relevantes.Não haver diferenças relevantes. ►Haver muitas semelhanças relevantesHaver muitas semelhanças relevantes
  • 11. AutoridadeAutoridade ►Recorre-se a uma autoridade reconhecidaRecorre-se a uma autoridade reconhecida em assunto que receba a unanimidade noem assunto que receba a unanimidade no meio.meio. ►A autoridade tem de ser reconhecida pelosA autoridade tem de ser reconhecida pelos seus paresseus pares ►Não pode haver divergências relevantes.Não pode haver divergências relevantes. ►São argumentos geralmente falaciosos noSão argumentos geralmente falaciosos no caso da Filosofiacaso da Filosofia
  • 12. ►O mayor e aO mayor e a assembleia deassembleia de cidadãoscidadãos aprovaramaprovaram regras muitoregras muito claras contra aclaras contra a criminalidade.criminalidade. Logo, aLogo, a criminalidadecriminalidade deve serdeve ser castigadacastigada
  • 13. Retórica a arte de persuadirRetórica a arte de persuadir ►Persuadir significa poder encaminharPersuadir significa poder encaminhar alguém a aceitar uma ideia que não tinhaalguém a aceitar uma ideia que não tinha ou que rejeitava através de razões que sãoou que rejeitava através de razões que são relevantes para o interlocutor.relevantes para o interlocutor. ►Podemos persuadir com ou semPodemos persuadir com ou sem manipulação. Em geral as falácias sãomanipulação. Em geral as falácias são persuasivas no sentido manipulador.persuasivas no sentido manipulador.
  • 14. ►Quem não faz greveQuem não faz greve está a provocar aestá a provocar a continuação da mácontinuação da má política do governo.política do governo.
  • 15. Os elementos da persuasão:Os elementos da persuasão: ► LOGOSLOGOS (o discurso e a(o discurso e a argumentaçãoargumentação utilizada)utilizada) O PATHOSO PATHOS (O estado emocional do(O estado emocional do auditório)auditório) O ETHOSO ETHOS (O comportamento do(O comportamento do orador)orador)