Política contemporanea

2.056 visualizações

Publicada em

O trabalho se refere ao texto de Cintra. Descreve os tipos de governos e os tipos de câmaras de cada modelo.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.056
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Política contemporanea

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE (UFCG) Seminário 1 Alunas: Josileide Carvalho de Araújo Maria da Conceição B. dos Santos
  2. 2. O SISTEMA DE GOVERNO NO BRASIL ANTÔNIO OCTÁVIO CINTRA  
  3. 3. 1. contexto da opção presidencialista <ul><li>CONTEXTO HISTÓRICO: </li></ul><ul><li>Brasil republicano; </li></ul><ul><li>histórico de monarquia com o mínimo de instituições necessária a monarquia parlamentarista; </li></ul><ul><li>baixa participação política, imensa população rural, poder tradicional; </li></ul><ul><li>(Silvio Romero e Rui Barbosa, Bolivar Lamounnier). </li></ul>
  4. 4. 2. Parlamentarismo: tentativa de implantá-lo <ul><li>Apesar da escolha presidencial, alguns traços da república velha permaneceram; </li></ul><ul><li>tentativa de implantar o parlamentarismo – 1961 renúncia de Jânio Quadros (vice-joão Goulart); </li></ul><ul><li>aparência de Golpe – não foi aceito e em 1963 o Brasil volta a ser presidencialista; </li></ul><ul><li>as discussões continuaram e em 1993 foi feito um plebiscito para saber que tipo de governo os brasileiros queriam. </li></ul>
  5. 5. 3. Resistências <ul><li>Preconceitos em relação ao sistema parlamentarista; </li></ul><ul><li>a idéia de parlamentarismo estava ligada a idéia de atraso (monarquia); </li></ul><ul><li>não demonstrava liderança forte; </li></ul><ul><li>precisava de líder carismático; </li></ul><ul><li>segundo o autor o parlamentarismo seria um bom modo de governo para o Brasil; </li></ul>
  6. 6. 4. Com quem ficamos: O presidencialismo brasileiro <ul><li>Presidencialista, multipartidarista, federalista, bicameralista, e tem representação proporcional; </li></ul><ul><li>base de coalizão; </li></ul><ul><li>segundo Sérgio Abranches – o presidencialismo de coalizão causa instabilidade, é de alto risco, sempre na dependência de seu desempenho corrente. </li></ul>
  7. 7. 5. Como funciona o presidencialismo brasileiro <ul><li>Especificidade do regime presidencial no Brasil; </li></ul><ul><li>combinação do presidencialismo com o multipartidarismo; </li></ul><ul><li>o índice de coalescência; </li></ul><ul><li>(Amorin Neto e Santos, Fernando Limongi); </li></ul><ul><li>as três visões negativas feita por Rennó. </li></ul>
  8. 8. 6. A visão de um ex-presidente da república. <ul><li>Publicação do livro: Análise de um protagonista privilegiado dos eventos descritos; </li></ul><ul><li>visão dos partidos políticos; </li></ul><ul><li>a ambivalência do presidencialismo de coalizão. </li></ul>
  9. 9. 7. O presidencialismo Estadual e municipal <ul><li>Modelo presidencialista rege os governos dos Estados e dos municípios; </li></ul><ul><li>as eleições dos governadores e prefeitos independentes dos Deputados Estaduais e vereadores; </li></ul><ul><li>Fernando Abruci; </li></ul><ul><li>Barry Ames: os quatro perfis. </li></ul>
  10. 11. Referências     Avelar.L.: Cintra.A. O sistema político brasileiro: uma introdução. 2º Ed. São Paulo: Konrad Adenauer Stiftung/ Editora da Unesp. 2007.  

×