Edvard Munch

15.134 visualizações

Publicada em

Trabalho elaborado por Filipa Galo

Publicada em: Educação, Diversão e humor
  • por que na obra a partir desse testemunho , como podemos entender a figura que aparece gritando em primeiro plano ? por que os amigos continuam andando ?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Edvard Munch

  1. 1. Imagens de Vida e de Morte Trabalho elaborado por Filipa Galo
  2. 2. <ul><li>Edvard Munch foi um importante artista plástico norueguês. É considerado, por muitos estudiosos, como um dos artistas que iniciaram o expressionismo na Alemanha. Começou a pintar em 1880, primeiramente retratos e depois uma série de quadros naturalistas que testemunham a sua rejeição do impressionismo da época apesar de ter seguido a corrente naturalista e impressionista posteriormente nas suas obras onde podemos constatar reminiscências de Manet. É característico dessa fase o quadro &quot; Criança doente &quot; ao qual denomina de seu primeiro “quadro d'alma”. Em Paris anos mais tarde foi influenciado pelos pró – impressionistas (Van Gogh e Gaugin) e começou cuidadosamente a calcular as suas composições no intuito de criar tensão e emoção nos seus trabalhos. Também experimentou o pontilhismo de Seurat. </li></ul><ul><li>As figuras de Munch encontram-se a maior parte das vezes num espaço pictórico simplificado e as poses ilustram as suas condições psicológicas e estados da mente como podemos ver no quadro “ Cinzas ” onde a mulher adquire uma presença estática e aterradora. </li></ul>12 Dezembro 1863 – 23 Janeiro 1944
  3. 3. <ul><li>“ Não mais serão interiores pintados, pessoas a ler, mulheres a …, haverá pessoas vivas a respirar e a sentir, a sofrer e a amar” Escreveu Munch no seu diário estando numa fase de maior simbolismo do que realismo (“ O Grito ”). </li></ul><ul><li>No Dezembro de 1893 expôs uma nova selecção de quadros em Berlim, uma serie à qual chamou Amor que mais tarde se tornaram o âmago do Friso da Vida – Um poema de vida, amor e morte exposto em 1902. </li></ul><ul><li>As temáticas por ele abordadas nesta serie e ao longo da sua obra são: </li></ul><ul><li>O Amor </li></ul><ul><li>A Ansiedade </li></ul><ul><li>A Morte </li></ul><ul><li>A Mulher </li></ul><ul><li>Auto - Retratos </li></ul><ul><li>Paisagens </li></ul><ul><li>O Vigor da Vida </li></ul><ul><li>Retratos e Auto Retratos </li></ul>
  4. 4. Estúdio em 1925 Estúdio em 1938 Munch a pintar na praia de Warnemunde Edvard Munch
  5. 5. <ul><li>Em 1906 Munch foi convidado a participar na exposição dos Fauves conhecidos pelas suas cores ousadas. Depois de ter estudado as esculturas de Rodin voltou as suas atenções de novo para a figura humana, abandonando os paisagismos. </li></ul><ul><li>Devido à sua ansiedade e alcoolismo, dois anos depois, teve que recorrer a uns tratamentos concebidos pelo Dr. Jacobson contudo apôs 8 meses hospitalizado as suas obras surgiam cheias de cor e menos pessimistas e o público começou a comprar os seus quadros o que lhe providenciou rendimento para compra de terra e sustento da família. </li></ul>Munch na clínica do Dr. Jacobson
  6. 6. <ul><li>E na exposição Sonderbund (1912) numa sala só para ele foram apresentados 32 dos seus quadros , facto que o colocou em pé de igualdade com Van Gogh, Cézanne, Gaugin e Picasso, granjeando-lhe a atenção internacional para a sua arte. </li></ul><ul><li>Edvard Munch passou praticamente as duas últimas décadas da sua vida em profunda solidão. Saindo ocasionalmente para pintar a vida de agricultor, os murais da fábrica de chocolates Freia e numerosos nus em casa. </li></ul><ul><li>Em 1940 os alemães invadiram Norway e os Nazis tomaram posse do governo. O que fez o Munch de 76 anos temer pela sua colecção inteira no segundo andar da sua casa, ele vivia no medo de um dia os Nazis o confiscarem. </li></ul><ul><li>Morreu no seu país natal um mês apôs completar 80 anos. </li></ul><ul><li>E para seu infortúnio a marcha fúnebre nazi que tocaram no seu funeral deixou aos Noruegueses a impressão que ele era um simpatizante dos Nazis… </li></ul>Auto – Retrato (Em Desespero) 1919
  7. 7. Análise de uma Obra:
  8. 8. <ul><li>A Ansiedade </li></ul><ul><li>Emoção gerada pela antecipação de um perigo vago, de difícil previsão e controlo. Este estado de espírito faz-se acompanhar por modificações fisionómicas bem latentes neste quadro ,tais como: </li></ul><ul><li>Expressão estupefacta </li></ul><ul><li>Olhar arregalado, absorto e inquietante que olha para o “nada” </li></ul><ul><li>Lábios comprimidos ou mesmo inexistentes </li></ul><ul><li>Forma facial cadavérica </li></ul><ul><li>As perturbações ansiosas podem incluir as fobias, as crises de angústia ou existenciais ou ataques de pânico, manifestações obsessivas e compulsivas e a ansiedade pós – traumática. </li></ul><ul><li>Muitas obras ilustram o seu gosto pelas teorias de Dostoievsky. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Temos uma multidão com os olhos arregalados , estáticos e a mudez total da falta de comunicação. </li></ul><ul><li>Os rostos não se voltam para ninguém, em total isolamento mútuo. </li></ul><ul><li>As faces estão distorcidas e absolutamente irreconhecíveis, dando-nos um quadro de um impessoalidade brutal. Essa impessoalidade numa multidão expressa a ansiedade da falta de sentido e de individualidade . </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Representando a ansiedade e o desespero, aqui o isolamento é total, não existindo ninguém consciente da presença de outros. </li></ul><ul><li>Os traços são longos, contínuos, e em vários </li></ul><ul><li>momentos curvos, dando a impressão de um fluxo contínuo, quase como uma evaporação. A face feminina à direita é indefinida, informe; há um mínimo para identificar as personagens. </li></ul><ul><li>O fundo devido às semelhanças com “O Grito” pode ser identificado como uma paisagem de Oslofjord vista pelo monte Ekeberg em Oslo. </li></ul><ul><li>As linhas diagonais e ondulantes do quadro conferem-lhe um movimento perturbador e dramático. A perspectiva, os indivíduos a ficarem cada vez mais longe… acentua a noção de solidão e o ambiente ansiogénico. </li></ul>
  11. 11. Em “Ansiedade” a distorção das imagens começa a atingir proporções assustadoras; o céu vermelho - sangue misturado a tons esverdeados , tudo aponta para uma sensação opressiva de aprisionamento existencial associada ao isolamento. As personagens inertes encontram-se pálidas, alias, o uso do bege nas suas faces transmite melancolia e passividade. A harmonia de cores quentes no céu é activa e significa movimento e espontaneidade; a mistura do amarelo com o vermelho traz agitação no corpo e na mente . O vermelho por si só pode num aspecto negativo pode ser impaciente, ansioso e autoritário. E o preto que predomina na imagem está associado à ideia de morte, luto ou terror, no entanto também se liga ao mistério e à fantasia.
  12. 12. <ul><li>Os barcos apresentam múltiplos significados daí a sua interpretação ser conflituosa. </li></ul><ul><li>O Barco alia em si dois dos elementos mais importantes, a terra e a água, um contrário ao outro, já que a terra representa a solidez e a realidade e a água os sonhos e os ideais. Quando se prepara uma viagem de barco, significa bom augúrio no que respeita aos nossos sonhos e também indica que vamos sofrer uma mudança favorável. No caso de os barcos navegarem em águas sujas ou revoltas é mau augúrio, já que significa preocupações e incita-nos a ter o maior cuidado possivel. </li></ul>
  13. 13. Óleo sobre madeira, 1896
  14. 14. <ul><li>“ Pintei os traços e as cores que afectaram o meu olhar interior. Pintei de memória sem nada acrescentar, sem os pormenores que já não via à minha frente. É esta a razão da simplicidade das minhas telas, do seu óbvio vazio. Pintei as impressões da minha infância, as cores esbatidas de um dia esquecido.” </li></ul><ul><li>“ Na minha arte eu tento explicar a vida e o seu significado a mim mesmo.” </li></ul>
  15. 15. Obrigado pela vossa atenção
  16. 16. <ul><li>Munch – Ulrich Bischoff (TASCHEN) </li></ul><ul><li>Wikipédia, a enciclopédia livre </li></ul><ul><li>http://www.edvard-munch.com </li></ul><ul><li>http://www.pitoresco.com/universal/munch/munch.htm </li></ul><ul><li>http://oseculoprodigioso.blogspot.com/2007/02/munch-edvard-simbolismo-expressionismo.html </li></ul><ul><li>http://www.artchive.com/artchive/M/munch.html </li></ul><ul><li>http://www.suapesquisa.com/biografias/munch.htm </li></ul><ul><li>http://www.artic.edu/aic/collections/exhibitions/Munch/index </li></ul><ul><li>“ O Mundo da arte” – Oceano </li></ul><ul><li>Dicionário de Psicologia – Roland Doron e Françoise Parot – Climepsi editores </li></ul><ul><li>Dicionário dos Sonhos - ASA </li></ul>
  17. 17. Réplicas mais gráficas do quadro, Munch
  18. 18. O Grito, Munch
  19. 19. Cinzas, Munch

×