Jornal chapa2

221 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal chapa2

  1. 1. CHAPA 2 - VAI À LUTA CHAPA 2 - VAI À LUTA Quem somos: Ana Carolina Carvalho – 7º período Antônio Enagico – 2º período Emanoel Daflon – 2º período Gabriel Calixto – 4º período Indiara Soares – 8º período Júlia Zaroni – 4º período Júlio Brito – 8º período Karoline Santos – 7º período Lisyanne Ribeiro – 7º período Ludmylla Gonçalves – 7º período Marcos André – 4º período Renata Sena – 1º período Tatiane Jiquiriça – 1º período Thaís Rodrigues – 4º período Wesley Passos – 4º período Somos Pedros, Amarildos, Thiagos, Matheus, Brunos, Marias, Fernandas... Atividades da semana QUARTA-FEIRA OFICINA DE STENCIL NO HALL (11h e às 18h) QUINTA-FEIRA CINE-DEBATE: COM QUEM CONSTRUIMOS O CAGEO? SEXTA-FEIRA DEBATE ENTRE AS CHAPAS O que queremos! Entendemos que um Centro Acadêmico, mais do que um órgão representativo/deliberativo dos estudantes, deve ser entendido como um órgão mobilizador e canalizador de suas lutas. Historicamente, a Geografia da FFP, e consequentemente o CAGEO, ajudou a compor a vanguarda do Movimento Estudantil em âmbito local, regional e nacional. Infelizmente, esse protagonismo sofreu uma grande queda nos últimos 2 (dois) anos, principalmente com o abandono da última gestão e a despolitização promovida nesse período. Conforme o tempo foi passando, a inquietude e a ausência de um espaço que deliberasse sobre as necessidades da GEOGRAFIA, nos fez junto aos demais estudantes para organizarmos uma autogestão. Colocamo-nos nessa elei- ção como algo novo, pois somos estudantes, pesquisadores(as), futur@s professores(as) que nunca disputaram uma eleição para o Centro Acadêmico, mas que há muito tempo lutam por uma geografia melhor. Construímos junto com os estudantes o Conselhinho de C.A's e a Calourada Unificada (espaços onde inúmeros debates acerca da UERJ e da FFP são traçados pelo movimento estudantil). Acompanhamos e defendemos os interesses dos estudantes nas reuniões do Departamento e do Conse- Conjuntura: NÃO SE DEIXE ENGANAR QUE A LUTA “FORA CABRAL” NADA TEM A VER COM A NOSSA LUTA COTIDIANA NA FFP. Atualmente, vivemos um contraponto bem nítido em nosso cotidiano. De um lado: os lucros exorbitantes daqueles que ditam as regras na sociedade; e do outro: um sucateamento do ensino público, a nível municipal, estadual e federal. Enquanto geógrafos, devemos entender os fenômenos em diferentes escalas de análise: a nível local (CAGEO/FFP, Departamento, Conselho Departamental, Direção), a nível estadual (Reitoria, Governo do Estado) e a nível Nacional (Governo Federal). A FFP/UERJ, nesses 7 anos de governo CABRAL(PMDB) no Estado, e 6 anos de VIERALVES (PT) na reitoria da UERJ, não recebeu nenhum auxilio direto para obras estruturais. Todas as obras foram e estão sendo custeadas, mediante a dinheiro obtido pelos projetos dos professores dos diversos departamentos da FFP/ UERJ. lho Departamental. Através da militância na última greve, conseguimos a desejada dedicação exclusiva e o aumento da bolsa para os estudantes para R$400,00 (que ainda é pouco!). Sobretudo, estamos insatisfeitos com esse modelo de sociedade, insatisfeitos com o sucateamento da UERJ e principalmente com o descaso e os rumos que a GEOGRAFIA vem tomando nos últimos anos. Dada a atual conjuntura, buscamos construir junto a TODOS os estudantes um Centro Acadêmico com um posicionamento AUTÔNOMO e COMBATIVO!
  2. 2. PÁGINA 2 CHAPA 2 - VAI À LUTA POSICIONAMENTO DA CHAPA 2: VAI À LUTA, SOBRE A CONJUNTURA DO NOSSO ESTADO E DA UERJ Nós da CHAPA 2: VAI À LUTA temos o orgulho de olhar nos olhos de cada estudante e cada educador do nosso curso e faculdade e dizer que estivemos ao lado dos professores durante essa última (e já histórica) greve de 2013. Temos orgulho de dizer que não fazemos parte dessa parceria PT/ PMDB que há anos vem se esforçando para sucatear a educação. E isso tudo porque sabemos do nosso papel enquanto futuros educadores e formadores de opinião. A UERJ não está neutra nessa conjuntura, dessa forma, não apoiamos o Governador Cabral (PMDB) e o Rei- tor Vieiralves (PT), pois entendemos, que enquanto Chapa, devemos nos posicionar CLARAMENTE a favor dos estudantes, dos professores e demais profissionais da unidade, pois somos uns dos que mais sofrem com o descaso no setor da educação. Assim, acreditamos que o papel do Centro Acadêmico de Geografia vai muito além dos muros da nossa Universidade, por isso devemos nos unir e nos organizarmos enquanto coletivo de estudantes de Geografia da FFP/ UERJ para conseguirmos melhorias para o nosso curso e para a nossa casa: A FFP. PROPOSTAS ACADÊMICAS "O princípio na política não é negociável. Em uma disputa de mesa entre o CA e a reitoria quem deve mudar de posição é o reitor e não o CA" (ASTROGILDO FRANÇA) Um Centro Acadêmico, antes de qualquer coisa, tem como objetivo melhorar e tornar possível a relação entre estudantes e a universidade e assim fazer com que os estudantes tenham voz nas decisões sobre a universidade em que estuda. Por isso, acreditamos que uma proposta fundamental para uma chapa que concorra a eleição para o Centro Acadêmico é a, Proposta Acadêmica. Por exemplo, uma das principais demandas dos estudantes de geografia, no que tange a questão acadêmica, diz respeito aos trabalhos de campo. Nós, enquanto geógrafos, sabemos da importância que os trabalhos de campo têm na nossa formação. Visualizar os fenômenos espaciais para além dos textos que discutimos em sala de aula se torna fundamental para entendermos a relação do homem com o meio em que ele vive. Mais que lutar pelo aumento dos trabalhos de campo, devemos lutar pelo aumento e o pagamento adiantado das diárias de campo, uma vez que como estudantes trabalhadores, que muitas vezes não podemos desembolsar a quantia necessária para a atividade. Nos da Chapa 2 Vai à Luta, para além disso, propomos:  Garantir a participação do CAGEO na construção dos horários!  Lutar pelos trabalhos de campo!  Construir semanas/ jornadas acadêmicas, minicursos, oficinas que devem ser trazidas para discussão com todos os estudantes de geografia, integrando também os estudantes da pósgraduação e no mestrado.  Realizar debates e cinedebates sobre opressões.  Continuar na luta por mais concursos!  Garantir que a escolha do material do cotista seja feita pelos estudante! ESPAÇOS • Lutar e cobrar a construção de vias acessíveis para os portadores de deficiência física na FFP. • Melhoria em espaços como biblioteca e sala de informática e que os livros doados a nossa biblioteca sejam catalogados e liberados para acesso não só da comunidade acadêmi- ca como para a comunidade do entorno da faculdade. • Criar e lutar por mecanismos que garantam a permanência das estudantesmães na FFP, como é o caso da construção de uma “brinquedoteca” e de uma creche comunitária na FFP. • Apoiar e criar mecanismos para a luta dos estudantes pela apropriação dos espaços físicos da FFP/UERJ, assim como lutar pela melhoria dos espaços já existentes, como a reforma da quadra de futsal e da sala de treinamento de jiu jitsu.
  3. 3. PÁGINA 3 PROPOSTAS POLÍTICAS Dentro da FFP • Manter a autonomia do CA em relação a Direção, Reitoria, Departamento e a Partidos Políticos nas discussões políticas e nas lutas. • Garantir a participação do C.A. nos espaços democráticos da FFP-UERJ (reunião de departamento, conselho departamental, conselho de CAs) • Articular as lutas contra o monopólio da Cantina e da Xerox, propondo para além do fim do monopólio, a reversão da verba pra os Centros Acadêmicos e para a Direção da Unidade, como já determinado em Conselho Departamental da Faculdade. • Lutar junto aos demais órgãos estudantis pela assistência estudantil (bandejão, ônibus intercampi, acumulo real de bolsas para os cotistas, aumento na quantidade e no valor das bolsas. • Organizar GDs (espaços de discussão) onde se faça o debate sobre as opressões. Fora da FFP Estamos passando por um momento único na nossa sociedade, milhares de pessoas foram as ruas protestar contra esse modelo de sociedade, devido a inúmeras atrocidades promovidas pelo Governo (PT/PMDB) e sua base aliada nos últimos meses, que só privilegia os ricos e que a cada dia aumenta a desigualdade social. Entendemos que como um Centro Acadêmico, devemos ser ativos dentro da FFP/UERJ, mas também devemos ser ativos para além dos nossos Muros. • A tomada de posição signi- fica nos colocarmos na luta junto com professores, trabalhadores e demais estudantes no Brasil inteiro na campanha por 10% do PIB pra educação. Contra o ENADE e qualquer avaliação externa que vise somente propagar uma meritocracia sem avaliar o curso de verdade. Contra a exoneração dos colegas professores do Estado do Rio de Janeiro e pelo livre direito a Manifestação. • Da mesma forma, continuaremos na luta pelos 6% do PIB do Estado para a UERJ. Articulação com sindicatos e movimentos sociais que levantem bandeiras por uma educação pública gratuita e de qualidade. • Articular nossas lutas com os demais orgãos deliberativos da geografia, como CONEEG, AGB, ETC. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FINANCEIRA Tornar a gestão um instrumento dos estudantes da geografia, democratizando ainda mais a participação dos estudantes nas decisões do CAGEO, é o principal objetivo da CHAPA 2: VAI À LUTA! Buscaremos construir essa ampla participação, através da organização em forma de Grupos de Trabalho (GT’s). Grupos que buscam através do trabalho coletivo, organizar o Centro Acadêmico. É importante frisar que esses grupos incluem todos os estudantes, inclusive aqueles que não fazem parte da gestão, garantindo a esses o direito de fala e o respeito as opiniões divergentes. Uma maior participação dos estudantes, perpassa por dar maior visibilidade as finanças do CAGEO, dessa forma propomos:  Fazer um levantamento das dívidas ou pendências, das necessidades básicas contínuas, e dos recursos disponíveis do CAGEO.  Divulgação de balanços bimestrais, a serem disponi- bilizados no mural do CAGEO e na internet;  Fóruns de discussão, afim de debater em que deve ser utilizado os recursos do CAGEO. Tendo que os gastos serem aprovados em reunião deliberativa do CAGEO.  Criar mecanismos que possibilitem uma autonomia financeira do CAGEO, sem que o mesmo necessite recorrer a livros ouros, “vaquinhas”, ou algo do tipo.  Entendemos que cada evento que dependa ou gere renda para o CAGEO deve ser minuciosamente registrado e planejado, e o excedente deve ficar no caixa do CAGEO para suas necessidades e eventos futuros.  Chega de CAGEO sem di- nheiro, temos que nos mobiliar a CHAPA 2 VAI À LUTA para fazer a GEO-FFP presente dentro e fora do Rio. “Ninguém é sujeito da autonomia de ninguém” (PAULO FREIRE)
  4. 4. CULTURAL COMUNICAÇÃO A importância do CAGEO vai para além das questões acadêmicas, financeiras e políticas. Entendemos que devemos ter contato com outras pessoas, trocarmos experiências e conhecimentos. Ao pensar que ninguém vive, aprende ou constrói-se sozinho, fica evidente que a integração contribui e muito para uma formação mais sólida do espaço universitário. Partindo deste ponto, um centro acadêmico deve criar propostas também no cultural. Mas o que propostas são essas? • Propor em conjunto com os demais CAs a realização das Olimpíadas da FFP, da continuação da Copa de Futebol e lutar por sua versão feminina; • Realização do Cine Debate; • Festas e sarais com temáticas sociais; • Movimento Artístico na FFP (toda forma de expressão artística dos próprios alunos sendo mostrada em eventos); • Lutar pela volta dos esportes na FFP. Vamos ainda mais adiante fazendo as seguintes perguntas: É por que não uma festa organizada pelos alunos dentro da FFP? Isto também não proporcionaria uma socialização entre todos os estudantes? Temos como posicionamento político, que devemos engendrar formas para que possamos reaver os espaços da universidade, como espaços de socialização e difusão da cultura. Nós não nos restringimos somente a isso, entendemos que TODOS devem sugerir e construir junto ao CAGEO a (re)significação desses espaços que tem como objetivo a interação com o outro. Consideramos fundamental criar mecanismos de integração entre o Centro Acadêmico e os estudantes de geografia. Dessa forma, queremos que o CAGEO seja uma ferramenta de canalização (receptora e transmissora) de notícias e informações concernentes à Geografia, tanto no âmbito interno quanto no externo, de cunho político, acadêmico, cultural etc., pois muitas das vezes não participamos de determinados eventos por desconhece-los ou porque a comunicação é falha. Com isso, temos a intenção de dar igualdade de participação a todos, desnudando todo ou qualquer privilégio de notícias e informações. Neste sentido temos as seguintes propostas:  Continuar passando em sala para manter os alunos informados dos acontecimentos dentro e fora da FFP, aumento assim a interação entre os alunos e o CAGEO.  Construir um calendário, junto com os estudantes, de reuniões para que o CAGEO de fato tenha a participação de todos.  Usaremos o mural do C.A e as mídias sociais para informar e divulgar reuniões, eventos, enfim, mas também teremos espaços para sugestões e críticas para contemplar as pessoas que não se sentem a vontade falando em público e as que não puderem participar das reuniões;  Reativaremos a versão online e também a impressa do Jornal Explosão Geográfica, que seja aberto aos movimentos sociais, estudantes, professores, grupos de pesquisas, bem como com outros cursos, outros estudantes, outras universidades; A realização das assembleias consiste em fazer com que tod@s @s estudantes tenham voz, por isso, buscaremos divulgar as assembleias estudantis de geografia, com o prazo de no mínimo 15 dias de antecedência, em todos os meios de comunicação disponíveis. FFP PARA QUEM? Pensar no estudante em primeiro lugar e nesse sentido, quem nunca teve dificuldade em “se encontrar dentro da faculdade”. Muitos alunos passam por esse problema, precisamos de uma geografia integradora por isso a Chapa 2: Vai à luta! propõe que o CAGEO seja uma ferramenta de apoio assistencial a todos estudantes do curso de geografia da FFP/UERJ com o objetivo de não só recepcionar os alunos no início do ano letivo mas, criar uma comissão que possa dar apoio aos estudantes, ajudando-os nos primeiros dias de aula a se localizar dentro do campus, bem como informar sobre os vários projetos de pesquisa, todas as atividades relacionadas ao curso de geografia, como seminário, encontros estudantis e congressos mantendo-os informados sobre os procedimentos de participação no CA e sobre AGB . Além disso, defendemos cobrar da direção da unidade assistência social e acolhimento aos alunos cotistas e um atendimento mais eficiente. Lutaremos também pela garantia a um apoio psicológico aos estudantes sempre que necessário. Desejamos de fato uma universidade que tenha como prioridade o bem estar de todos, por esse motivo a Chapa 2, Vai À Luta!! CHAPA 2 - VAI À LUTA Para saber mais sobre nossas propostas, nos visite no site: https://www.facebook.com/vaialuta

×