Cárie de esmalte

864 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
864
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cárie de esmalte

  1. 1. Trabalho ministrado pelo Professor Tiago Pinheiro. Equipe: André Lagos Denis Figueiredo Francinny Figueiredo Lucas Diniz
  2. 2. Mancha branca não-cariada  Visível após cuidadosa limpeza e secagem da superfície Lesão Cavitária
  3. 3.  Superfície Lisa  Sulcos e Fissuras
  4. 4. 1. Estabelecimento da zona translúcida 2. Surgimento da zona escura 3. Formação do corpo da lesão 4. Aparecimento da lesão branca 5. Superfície gredosa no esmalte 6. Formação da Cavidade
  5. 5. Streptococos mutans
  6. 6.  Adolescente de 14 anos chegou ao consultório para uma profilaxia. Ao executar o exame o cirurgião dentista observou manchas brancas e opacas nos dentes da adolescente, verificando a existência da cárie em processo inicial em diversos dentes: a cárie de esmalte. Após a constatação da cárie no esmalte, o dentista começou o processo de remoção do tecido cariado, em seguida começou o processo de restauração com resina composta.
  7. 7.  Escovar bem os dentes, pelo menos 3 vezes ao dia;  Usar fio dental, principalmente antes de dormir;  Não escovar os dentes logo após consumir refrigerantes pois isso implicaria na desgastação do esmalte;
  8. 8.  Remoção do tecido cariado  Restauração com resina composta
  9. 9.  Diminuir a freqüência de ingestão de carboidratos, principalmente de sacarose.  Evitar componentes da dieta com propriedades adesivas contendo sacarose.  Evitar a ingestão de alimentos açucarados sólidos.  Usar açucares menos cariogênicos do que a sacarose.

×