SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Capsulite adesiva (“ombro congelado”)
                                             Abordagem multidisciplinar*
                                                 1                          2                            3
                                OSVANDRÉ LECH , GUILHERME SUDBRACK , CESAR VALENZUELA NETO



RESUMO                                                                the patient and doctor, due to the long-term clinical
     A capsulite adesiva é uma patologia comum na prá-                course and bad results. The authors (orthopaedic sur-
tica ortopédica geral, que pode levar a uma severa inca-              geon, algologist, and physiotherapist) present a multi-
pacidade funcional e insatisfação do paciente e médico,               disciplinar approach to the treatment of adhesive capsu-
devido a longa evolução e maus resultados. Os autores                 litis. 57 patients with 61 cases are evaluated. The onset
                                                                      of the disease was 7 months before the treatment had
(ortopedista, algologista e fisioterapeuta) apresentam
uma abordagem multidisciplinar para o tratamento da                   started, and 82.4% of the patients had prior treatment
capsulite adesiva. Cinqüenta e sete pacientes com 61 ca-               without any improvement. According to the etiology,
sos são avaliados. O tempo médio de evolução da doen-                 the patients were evaluated in two groups: 1º) with
ça no início do tratamento era de sete meses e 82,4%                  general diseases, where the incidence of bad results was
dos pacientes tiveram tratamento prévio sem apresentar                bigger; 2º) with shoulder problems, where the incidence
nenhuma melhora. Os pacientes foram avaliados em                       of good results was bigger. The proposed treatment could
dois grupos, com relação à etiologia: 1º) com doenças                  be of four types: 1)physiotherapy and medication (66.6%);
gerais associadas, em que a incidência de maus resulta-               2) manipulation under anesthesia and hidraulic disten-
dos foi maior, 2º) com doenças do ombro associadas,                   sion (22.8%); 3) manipulation under anesthesia and
em que a incidência de bons resultados foi maior. O tra-              surgery (15.7%); 4) infiltration and physiotherapy (3.5%).
 tamento proposto foi de quatro tipos: 1) fisioterapia e               The final results show that only 19 patients (33.3%) can
 medicação (66,6%); 2) manipulação sob anestesia e dis-                be considered excelent; 38 patients (67.7%) remain with
tensão hidráulica (22,8%); 3) manipulação sob anestesia               some type of disability.
 e cirurgia (15,7%); 4) infiltração e fisioterapia (3,5%).
                                                                      INTRODUÇÃO
 Os resultados finais mostram que apenas 19 pacientes
 (33,3%) podem ser considerados excelentes, 38 pacientes                    A maioria das descrições sobre esta patologia cita
                                                                                      (2)
 (67,7%) permaneceram com algum tipo de limitação fun-                Earl Codman : “Este é um grupo de casos que acho
 cional.                                                              difícil definir, tratar e explicar sob o ponto de vista de
                                                                      patologia”. Essa frustração acompanha os médicos e rea-
SUMMARY                                                               bilitadores até os dias de hoje. O quadro 1 mostra uma
                                                                      lista das denominações e teorias sobre a capsulite ade-
Adhesive capsulitis (“frozen shoulder ”). A multidiscipli-            siva.
nary aproach                                                                A patologia ocorre essencialmente na cápsula articu-
     Adhesive capsulitis of the shoulder is a common                  lar; ela se encontra espessada, inelástica e friável. Ocor-
disease in the general orthopaedic practice. It can result            re fibrose e infiltração perivascular aumentada. O líqui-
in a severe functional disability and dissatisfaction of              do sinovial é normal. O volume da articulação é sempre
                                                                      diminuído, em torno de 3-15ml, ao invés de 20-25ml da
* Trab. realiz. na Clín. & Traumatol. e Ortop., Porto Alegre, RS, e
   Inst. de Ortop. e Traumatol., Passo Fundo, RS.
                                                                      capacidade articular normal. O fator determinante da
1. Pres. do Comitê de Ombro e Cotovelo da SBOT; Chefe do Serv.
                                                                      alteração patológica, no entanto, não é ainda conheci-
   do Inst. de Ortop. e Traumatol, Passo Fundo, RS.                   d o( 3 ) .
2. Algologista, Centro Clínico da PUC, Porto Alegre, RS.                    O quadro clínico se caracteriza por dor mal localiza-
3. Fisioterapeuta, Porto Alegre, RS.                                  da no ombro de início espontâneo, geralmente sem qual-
Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9— Setembro, 1993                                                                               617
O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA Nº




quer história de trauma. Essa dor se torna muito inten-                     ções simples como vestir-se, pentear-se; ocorre restrição
sa, mesmo em repouso, e à noite; ela costuma diminuir                       severa da mobilidade e a elevação vai até 90° à custa
de intensidade em algumas semanas(12) . A mobilidade                        da articulação escapulotorácica, que não se encontra en-
do ombro se torna rapidamente limitada em todas as di-                      volvida no processo. Persiste uma dor leve e contínua,
reções (elevação, rotação interna, rotação externa, abdu-                   que piora aos movimentos abruptos; 3.ª) fase de “descon-
ção). Uma das características sempre presente é o blo-                      gelamento” — o retorno gradual dos movimentos do
queio total da rotação externa e interna, já que esta pato-                 ombro ocorre de forma lenta e progride ao longo de me-
logia ocorre especificamente na articulação glenume-                        ses, embora uma restrição possa persistir sem incomodar
ral (8). Acomete especialmente indivíduos entre 40-60                       o paciente, que está entusiasmado com o alívio da dor
anos, do sexo feminino. O lado mais envolvido é o não-                      e maior liberdade de movimentos(20).
dominante. O quadro costuma ter evolução lenta, não                                 O diagnóstico diferencial deve ser realizado com to-
inferior a 4-6 meses, antes que o diagnóstico seja correta-                 das as patologias do ombro que podem evoluir para rigi-
mente estabelecido. Sem um diagnóstico preciso, muitas                      dez articular. Robert Leffert(9) diferencia a capsulite ade-
vezes o tratamento também não é executado corretamen-                       siva entre ‘‘primária” (sem causa determinada) e ‘‘secun-
te. A capsulite adesiva apresenta-se com um conjunto                        dária” (devido a uma patologia do ombro).
complexo de sintomas, ao invés de uma entidade especí-                              O exame radiológico simples é normal, embora pos-
 fica de diagnóstico(1). Portanto, o examinador deve ter                     sa ocorrer diminuição do espaço articular entre a glenói-
 sempre um alto grau de suspeita desta patologia, já que                     de e a cabeça do úmero na incidência em ântero-poste-
 nem todos os pacientes se apresentam com a mesma evo-                       rior ‘‘verdadeiro”, o que demonstra a retração capsu-
 lução. Observa-se que muitas patologias ocorrem em con-                     lar(4). A osteoporose pelo desuso costuma ser facilmen-
 comitância com a capsulite adesiva: tiroidopatias, diabe-                   te identificada. A artrografia costuma ser um método
 te, doenças auto-imunes, doença degenerativa da colu-                       diagnóstico eficaz, pois avalia ao mesmo tempo a inte-
 na cervical, doença intratorácica (pneumopatia, infarto                     gridade do manguito rotador e a capacidade de volume
 agudo do miocárdio), doença neurológical (TCE, AVC,                         articular do ombro, que estará sempre diminuída.
 tumores), doença psiquiátrica, etc. No entanto, muitos                             Este trabalho se baseia num estudo multidisciplinar
 autores (1,3,8,14) não têm sido capazes de explicar essa con-               da capsulite adesiva do ombro, em que foram avaliados
 comitância sob o ponto de vista patológico. A evolução                      e tratados 57 pacientes.
 clínica consta de três fases distintas: 1.ª) fase dolorosa,
 com início insidioso, gradual, mal localizado no ombro;
                                                                             MATERIAL E MÉTODOS
  causa ansiedade ao paciente, que geralmente não procu-
  ra tratamento adequado por julgar que esta é a melhor                           O presente estudo se baseia na avaliação pré e pós-
  conduta; 2.ª) fase de rigidez — há dificuldade para usar                   tratamento de 61 ombros de 57 pacientes com quadro
  o membro superior longe do tronco, mesmo para fun-                         de ombro congelado (quadro 2). Trinta e um indivíduos
                                                                             eram do sexo masculino(54,3%) e 26 do feminino (45 ,6%),
                            QUADRO 1
                                                                             com idade variando entre 31 e 71 anos(média de 50
            Lista das prováveis teorias e denominações                       anos). Em vinte e sete casos o ombro direito estava aco-
                      sobre a capsulite adesiva                              metido(47,3%) e em 30(52,6%), o esquerdo. O tempo
                                                                             de evolução variou de um a 60 meses, com média de se-
  Ano       Autor            Etiologia            Denominação                te meses. Quarenta e sete casos (82,4%) têm história de
  1896      Duplay      Bursite subacromial     Periartrite escapulumeral
                                                                             tratamento prévio (quadro 3). Quanto à presença de pa-
  1931      Payr                                Cápsula contraída            tologia associada do ombro, os indivíduos foram dividi-
  1932      Pasteur     Tendinite do bíceps     Tenobursite                  dos em dois grupos: grupo I (GI), caracterizado pelos
  1934      Codman      Degeneração do manguito Ombro congelado
  1945      Nevasier    Cápsula inflamada
                                                                             casos de capsulite adesiva propriamente dita e contando
                                                Capsulite adesiva
  1951      De Palma    Tendinite do bíceps     Tenobursite                   com 30 (52,6%) casos; e grupo II (GII), composto por
  1969      Lundberg    Múltiplas causas                                      casos com patologia associada do ombro, somando 27
  1973      Mac Nab     Degeneração do manguito
                                                                              indivíduos (47,3%). Dentre as patologias associadas, in-
                        Doença auto-imune
                                                                              cluem-se: ruptura do manguito rotador (14%), síndro-
 618                                                                                                   Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9 — Setembro, 1993
CAPSULITE ADESIVA (“OMBRO CONGELADO”). ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR




                                                                        QUADRO 2
                                                    Informações gerais sobre os 57 pacientes avaliados


 N°   Pac.     Id.   Sexo   Lado   Profissão    Evol.(em   Mobilid.inicial   Doenças gerais   Doenças ombro      Tto.     Tto.       Mobilid. final   Resul.   Tt. (em)
                                                meses)                                                           Prévio   Proposto                             Meses)
 1    SR       63    M      D      Médico       6          90°/0°/EIPS       Esp. Lomb.       LMR                A        1          165°/60°/T9      E        6
 2    RB       53    F      D      Religiosa    6          40°/0°/S1         -                -                  B        1+2        155°/70°/T9      B        4
 3    RF       40    M      E      Comerc.      6          125°/50°/T9       Tu.mama E        -                  A        1          170°/70°/T6      E        3
 4    JC       52    M      E      Comerc.      6          130°/50°/L1       Diabetes         -                  -        1          170°/60°/T11     B        3
 5    IK       59    M      E      Escrit.      1          55°/45°/EIPS      Tu.Pulm.         -                  -        1          140°/60°/L1      R        2
 6    PL       54    M      D      Médico       4          130°/15°/L5       Cervicoartr.     -                  -        1          150°/50°/L1      B        1
 7    RS       34    M      E      Engen.       2          100°/15°/L4       -                Lux GU             D        1+2        155°/65°/T9      B        3
 8    MLB      55    F      E      Profes.      2          90°/20°/S2        -                -                  B+E      1          180°/75°/T6      E        2
 9    RF       42    M      D      Corretor     9          90°/5°/EIPS       Diabetes         -                  A+B      1          130°/30°/L3      B        4
 10   MCGO     63    F      E      Profes.      24         110°/20°/L4-L5    -                -                  E        1          155°/60°/T10     B        1
 11   UKL      56    F      E      Do lar       1          115°/35°/L4-L5    Espondilartr.    -                  -        1          150°/50°/T11     B        2
 12   MA       53    M      E      Aposent.     6          130°/45°/T12      Cervicoartr.     Impacto II         B        1          160°/65°/T8      B        1
 13   GT       56    M      E      Comerc.      6          90°/10°/S1        -                LMR                A        1          170°/60°/T6      E        10
 14   JL       68    M      D      Arquit.      6          90°/10°/EIPS      Espond. lomb.    LMR                A        1          165°/60°/T12     B        4
 15   AOB      69    M      D      Comerc.      2          140°/20°/S1       -                LMR                -        1          165°/80°/T6      E        1
 16   BJH      63    M      D      Projet.      24         140°/25°/S1       -                LMR                -        3          150°/70°/T10     B        10
 17   CMM      48    F      D      Bancária     3          120°/35°/EIPS     -                -                  -        1          150°/55°/L2      B        7
 18   CF       71    M      D      Comerc.      5          60°/40°/EIPS      -                LMR                -        3          160°/60L/T12     B        6
 19   CRB      45    M      D      Consultor    30         130°/45°/L4       Túnel carpo      -                  B        1          160°/85°/T9      E        2
 20   DM       45    F      E      Profes.      2          90°/10°/EIPS      -                -                  C+E+F    2          160°/60°/T12     B        2
 21   EEA      45    F      E      Profes.      4          90°/30°/EIPS      -                -                  B+E      2          175°/55°/T7      E        7
 22   AV       43    F      E      Bancária     9          90°/20°/EIPS      Depr. psiq.      -                  E        1+2        170°/70°/T10     B        5
 23   AAMS     71    F      D+E    Comerc.      2          D-110°/0°/S1      Cervicoartr.     Impacto II         C+E      3°         D-110°/0°/S1     M        3
                                                           E-100°/0°/S1                                                              E-100°/0°/S1
 24   AFI      42    M      D      Profes.      5          90°/45°/T7        -                Lux GU             B+D                 160°/75°/T5      B        4
 25   ACGS     47    M      D+E    Bancário     8          D-135°/50°/L3     Diabetes         -                  B        2          D-150°/65°/T12   B        5
                                                           E-135°/50°/L2                                                             E-170°/70°/T7
 26   ASL      60    F      D+E    Do lar       2          D-110°/0°/L5      Frat. Costela    Frat.              A+F      1+2        D-160°/45°/T6    B        10
                                                           E-90°/-1°/L5                       úmero D/E                              E-150°/70°/L1
 27   MAS      64    F      D      Do lar       10         80°/0°/EIPS       Cervicoartr.     LMR                B+C+E    3          150°/30°/T12     R        6
 28   AMCER    57    F      E      Comerc.      4          90°/25°/L5        -                -                  C        1          165°/60°/T10     B        5
 29   ARF      64    M      D      Aposent.     12         90°/60°/S1        -                -                  E        1          160°/85°/L3      B        2
 30   AR       49    M      E      Comerc.      12         90°/35°/L5        -                -                  B+C+E    2          170°/60°/T7      E        2
 31   LMA      49    M      D+E    Médico       3          D-140°/40°/T12    -                LMR                -        D-1        D-180°/65°/T7    E        16
                                                           E-120°/45°/L4                                                  E-2        E-180°/50°/T8
 32   LMMS     49    M      E      Engen.       5          100°/20°/T12      -                Frat. Clavic.      D        1          145°/55°/T9      B        2
 33   LCO      33    M      D      Digit.       4          100°/0°/T12       -                Frat. lux. GU      B+E      1          160°/60°/T10     B        4
 34   LH       40    F      E      Comerc.      2          60°/5°/S1         -                -                  -        3          150°/50°/T12     R        3
 35   LMBP     34    F      D      Operária     4          120°/45°/L5       -                -                  B        1          180°/85°/T4      E        2
 36   LMW      49    F      D      Secret.      5          90°/0°/EIPS       -                -                  B+E      1          180°/85°/T6      E        8
 37   LG       69    M      E      Médico       4          130°/30°/L2       -                Tendimite          E+F      1          170°/90°/T6      E        12
 38   JAL      42    F      E      Func.públ.   2          140°/10°/EIPS     Diabetes         -                  B+C      4°         90°/0°/Troc.     M        4
 39   JLB      45    M      E      Bancário     4          120°/10°/EIPS     Diabetes         -                  C+F      1          165°/50°/T8      B        1
 40   JBXA     61    M      E      Dentista     6          120°/40°/L4       -                -                  B+C      1          175°/85°/T7      E        2
 41   JBM      45    M      E      Médico       12         90°/20°/EIPS      -                -                  B+C+E    1+2        150°/40°/L2      B        4
 42   JAG      30    M      D      Engen.       4          130°/40°/T12      AVC              -                  A        1          150°/65°/T9      B        1
 43   JS       55    M      D      Comerc.      6          100°/60°/L2       -                -                  B        1          170°/85T10       E        3
 44   JC       55    M      D      Motor.       5          130°/40°/L4       -                Impacto II         B+C+E    1          160°/75°/T12     M        5
 45   IB       35    F      D      Aux.esc.     3          140°/30°/S1       Epilepsia        Osteo. Artr.       B+C      2          180°/65°/T12     R        4
                                                                                              A-C
 46   IGP      57    M      E      Industrial   8          80°/10°/EIPS      -                Tend. calc.        B+E      1          110°/40°/L3      R        1
 47   IBM      50    F      E      Aposent.     4          120°/40°/L1       -                -                  B+C      2          180°/70°/T12     B        1
 48   IGV      48    F      E      Advog.       12         140°/45°/L3       -                Impacto II         E+F      1          165°/60°/T7      B        3
 49   IS       53    F      E      Profes.      6          90°/0°/L4         -                Frat. colo úmero   F        2          165°/50°/T10     B        4
 50   HY       58    F      D      Do lar       6          90°/0°/EIPS       -                Impacto II         C        1+3        140°/50°/S1      B        4
 51   HAL      64    M      D      Aposent.     2          80°/20°/L5        -                LMR                B        3          175°/70°/T9      E        4
 52   GPW      47    F      E      Filote.      6          110°/40°/EIPS     -                Impacto II         B        1+3        180°/75°/T5      E        10
 53   GZ       47    F      E      Mecanogr.    60         70°/0°/EIPS       Cervicoartr.     Tend. calc.        E        3          170°/75°/T5      B        9
 54   GF       31    M      D      Vendedor     4          90°/40°/T8        -                Impacto II         D        1          180°/85°/T6      E        4
 55   GF       45    M      E      Comerc.      3          120°/20°/EIPS     -                -                  B        1          160°/45°/T11     B        2
 56   EM       40    F      D      Do lar       2          110°/20°/EIPS     -                Osteo. Artr.       -        4          170°/80°/T7      E        3
                                                                                              A-C
 57   NB       64    F      E      Profes.      3          100°/0°/EIPS      -                Frat. colo úmero   C+E      1          165°/75°T8       E        4




Rev Bras Ortop – Vol. 28, N° 9 – Setembro 1993                                                                                                                      619
O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA N°




me do impacto (18%), fraturas (80%) e luxação glenume-
                                                                                         QUADRO 3
ral (5%).                                                       Tratamento prévio realizado am 82,4% dos pacientes desta série
      O tratamento proposto compreendeu: fisioterapia e
medicação, manipulação sob anestesia com ou sem cirur-          Código                 Tipo
gia, infiltração e fisioterapia (quadro 4).
                                                                  A                    Pós-operatório                                    12,28%
      Quarenta casos (70,1%) foram tratados inicialmen-
                                                                  B                    Fisioterapia                                      42,10%
te com fisioterapia e medicação; destes, cinco necessita-         C                    Medicação apenas                                  24,56%
ram posteriormente de manipulaço e distensão hidráuli-            D                    Conservador pós-traumatismo                        8,77%
ca sob anestesia e três precisaram de cirurgia.                   E                    lnfiltração                                       24,56%
                                                                  F                    lmobilização                                      12,28%
      Seis casos (10,5%) tiveram indicação inicial de ma-
nipulação sob anestesia e distensão hidráulica. Seis casos
(10,5%) foram submetidos a tratamento cirúrgico com                                             QUADRO 4
manipulação sob anestesia imediatamente antes da inci-                                     Tratamento proposto

são. Dois pacientes (3,5%) receberam infiltrações seleti-
                                                                Código          Tipo
vas (intra-articular e nervo supra-escapular) e fisiotera-
 pia. O tempo médio de tratamento proposto efetivamen-           1              Fisioterapia e medicação                                   66,60%
 te realizado variou entre urn e 16 meses (média de 4,2          2              Manipulação sob anestesia e distensão hidrául.             22,80%
                                                                 3              Manipulação sob anestesia e cirurgia                       15,78%
 meses). Os resultados finais obtidos com o tratamento           4                                                                          3,50%
                                                                                lnfiltração e fisioterapia
 proposto foram agrupados em excelente, born, regular
 e mau e estão descritos no quadro 5.
                                                                                             QUADRO 5
PONTO DE VISTA ORTOPÉDICO                                               Rasultados finais obtidos com o tratamento proposto

      Ao ortopedista cabe o diagnóstico e a observação                                                                                   Casuística
                                                                 Código                           Descrição
 da evolução do caso (8). Em geral, os pacientes recebem
 tratamento inadequado sem diagnóstico pelo período             (E) excelente      Sem dor, mobilidade igual ao Iado oposto, retor-      19 (33,3%)
                                                                                   no à atividade prévia.
 médio de 3 a 6 meses de sintomas; os melhores resulta-
                                                                (B) bom            Sem dor, mobilidade acima de 50% do Iado opos-        29 (50,8%)
 dos são obtidos exatamente nesse período, caso o diag-                            to, retorno à atividade prévia.
 nóstico e medidas terapêuticas sejam feitos correta-           (R] regular        Dor Ieve ou moderada, mobilidade em torno de            6 (10,5%)
 mente.                                                                            50% ao Iado oposto, sem retorno à atividade pré-
                                                                                   via.
       O diagnóstico preciso é realizado através de uma         (M) mau            Dor severa, mobilidade inalterada ou inferior a 50%     3 (5,2%)
 história clínica competente e de um exame físico detalha-                         do Iado oposto, sem retorno à atividade prévia.
 do de todas as articulações do ombro. Se houver dúvi-
 da sobre a concomitância de outras patologias, deve-se              Em termos gerais, os pacientes com diagnóstico con-
 solicitar avaliação de profissional da área envolvida (en-     firmado de capsulite adesiva devem ser divididos em três
 docrinologista, neurologista, clínico e outros). A avalia-     grupos distintos, com relação à indicação de tratamento:
 ção radiológica dará apenas a confirmação das suspeitas             1°) Existência de restrição de mobilidade e ausência
 levantadas durante o exame físico ortopédico.                  de dor — Devem ser encaminhados à reabilitação e man-
       Deve-se observar que na fase inicial da capsulite ade-   tidos sob supervisão ortopédica constante; se não hou-
  siva a mobilidade está preservada, o que pode levar a         ver melhora da mobilidade nos primeiros 30 dias de tra-
  confusão diagnóstica com a tendinite do supra-espinho-        tamento, deve-se considerar a manipulação sob anestesia
  so, já que os testes ‘‘irritativos” são todos positivos. A    e distensão hidráulica da cápsula articular da glenume-
  reavaliação clínica poucos dias após o exame inicial é        ral com uma combinação de marcaína a 1% (20-25ml),
  muito irnportante para observar a eficácia da terapêuti-      um frasco de corticóide de depósito e uma ampola de
  ca adotada. Se houver aumento do quadro doloroso de-          morfina. A continuidade do programa de reabilitação
  vido aos exercícios de estiramento capsular, ou inexplicá-    (movimentos passivos) continua no mesmo dia da mani-
  vel restrição das rotações interna e extema, o ortopedis-     pulação sob anestesia. O paciente permanece hospitaliza-
  ta não deve ter dúvida sobre o diagnóstico(18).               do por 3 a 5 dias após a manipulação, já que o contro-
  620                                                                                                   Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro, 1993
CAPSULITE   ADESIVA    (“OMBRO    CONGELADO”).      ABORDAGEM   MULTIDISCIPLINAR




le da dor e o sucesso do programa de reabilitação são                              mento da permeabilidade vascular, vasodilatação e esta-
obtidos nesta fase.                                                                se sanguínea, liberação de histamina pelos mastócitos,
      2°) Existência de restrição de mobilidade e dor seve-                        liberação de serotonina pela agregação plaquetária, de-
ra — Estes pacientes geralmente têm um quadro distrófi-                            gradação de fosfolipídios, com consequente formação
co simpaticorreflexo intenso associado e devem ser ava-                            de leucotrienos e prostaglandinas.
liados pelo algologista, que decidirá qual é a melhor for-                                De forma didática, pode-se dizer que se forma um
ma terapêutica de alívio da dor, já que ela é o principal                          círculo vicioso de auto-excitação dolorosa, como: libera-
fator de perpetuação do quadro. Uma vez diminuído o                                ção de neuromediadores da dor, diminuição da microcir-
quadro de dor, o programa de reabilitação é instituído,                            culação (estase), com aumento do transudato e deposi-
com chances significativas de sucesso.                                             ção de fibroblastos, acúmulo de substâbcias que ativam
      3°) Existência de restrição de mobilidade associada                          os nociceptores que por sua vez liberam mais neurome-
com patologia cirúrgica do ombro — Considerar recons-                               diadores da nocicepção(7,12).
trução cirúrgica precedida por manipulação sob aneste-                                    A terapêutica medicamentosa(12,14) visa romper esse
 sia, ou programa de reabilitação completo seguido do                               circulo vicioso e dar condições ao tratamento fisioterápi-
 tratamento cirúrgico. A decisão é variável em cada caso.                           co e inclui:
                                                                                          a) substâncias vasodilatadoras periféricas com o ob-
PONTO DE VISTA DO ALGOLOGISTA
                                                                                    jetivo de melhorar a microcirculação atuando no tônus
        Esta denominação largamente utilizada é pessima-                            neurovegetativo simpático;
 mente compreendida; envolve uma quantidade de ter-                                       b) como toda capsulite retrátil, possui importante
 mos análogos (capsulite adesiva, periartrite, pericapsuli-                         participação distrófica simpaticorreflexa; pode ser neces-
 te, bursite obliterativa, ombro congelado, etc.) para des-                         sária a realização de bloqueios anestésicos do gânglio es-
 crever esta patologia(4,14,18) .                                                   trelado homolateral, principalmente nos quadros hiperál-
         A abordagem é focalizada e fundamentada nos co-                            gicos;
 nhecimentos atuais da fisiopatologia dolorosa. A etiopa-                                 c) analgésicos periféricos em uso contínuo e regular,
 togenia começa com um quadro doloroso e culmina com                                 durante no mínimo duas semanas, com o objetivo de
 uma série de eventos que levam a uma rigidez articular                              combater a sensibilização das terminações nervosas;
 do ombro(8,12). Na evolução desses fenômenos nem sem-                                    d) antiinflamatórios em uso contínuo e regular, du-
 pre encmtra-se uma causa evidente, como traumatismo,                                rante no mínimo dez dias, com o objetivo de bloquear
 lesão capsular, periartrite, ou fatores propiciatórios co-                          a cadeia de formação das prostaglandinas;
 mo diabete, uso de barbitúricos ou acidentes vasculares                                  e) corticóides intra-articular e pericapsular de for-
  cerebrais cosn seqüelas p1égicas. A compreensão dos me-                            ma iterativa e segundo a evolução do quadro; ressalta-
  canismos geradores é difícil, pela inexistência de mode-                           mos que esta indicação não é isenta de complicações,
  los experimentais(4,18) .                                                          pois pode ocasionar infecções e sempre acarreta lesão
         A fisiopatologia da sintomatologia dolorosa consti-                         da cápsula articular, podendo em muitos casos ser um
  tui-se basicamente de três fatores que nela intervêm(7):                           fator de piora do quadro doloroso;
  1°)ligado à lesão, nem sempre comprovado, que ativa                                      f) bloqueios anestésicos do nervo supra-escapular
  os nociceptores (fibras nervosas, tipos A, delta e C); 2°)                         correspondente e com o objetivo de realizar uma analge-
  ligado ao processo inflamatório e vai sensibilizar os noci-                         sia parcial aos procedimentos fisioterápicos.
  ceptores aos demais agentes suscetíveis de ativá-los (pros-
  taglandinas, bradicinina, histamina, ions H+ e K+...);                            PONTO DE VISTA FISIOTERÁPICO
  3°) representado pela liberação de neuromediadores, dos                                 O objetivo da fisioterapia é o de eliminar o descon-
  quais o mais importante é a substância P.                                         forto e de restaurar a mobilidade e a função do om-
         Os dois primeiros são os responsáveis pela hiperalge-                      bro (1,20). Considerando a complexidade da fisiopatologia
   sia primária e o terceiro pela hiperalgesia secundária,                          do ombro “congelado”, existem várias modalidades de
   que propicia a perenização da sintomatologia doloro-                             tratamento físico. Cada procedimento é parte integran-
   sa(8). Acompanhando este último fator, encontramos fe-                           te do programa de fisioterapia e deverá estar de acordo
   nômenos neurovegetativos da inflamação, que são: au-                             com os aspectos clínicos e com o estágio do quadro(20).
  Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro, 1993                                                                                          621
O.LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA N°




       As aplicações de calor, tais como a dia-
termia(ultra-som, ondas curtas ou microon-
das), são auxiliaries empregados para alívio
da dor e para diminuição da excitabilidade
neuromuscular local. Todavia não são os
agentes determinantes da recuperação funcio-
     (20)
nal .Os efeitos fisiológicos restringem-se
aos aumentos do fluxo sanguíneo local e
da distensibilidade tecidual, importantes pa-
 ra a realização dos exercícios(17).
         A mobilização passiva ou ativa é medi.
                   (1)          (20)
 da profilática e curativa , Para McClu-
                  (13)
 re & Flowers , os exercícios passivos são
 os procedimentos fundamentais para o au-
 mento de amplitude de movimento (fig.1).
 Assim, desempenha importante papel a mo-
 bilização passiva oscilatória controlada
 (MPOC), em que são realizados movimen-
 tos acessórios (translacionais) combinados
 com movimentos fisiológicos (angulares) ao
 longo de amplitudes indolores de movimen- Fig. 1 — Exercícios passivos básicos para o aumento da amplitude de movimento (ADM):
 to ou próximo ao limite imposto pela patolo- a) elevação no plano da escápula; h) estiramento na parede; c) rotação externa; d) rota-
                                                     ção interna; e) abdução.
  gia (Maitland)(10,11) (fig. 2). As dosagens da
  MPOC foram classificadas em graus I e II (analgésicas)                vencional com freqüência entre 100 e 150 hertz em bai-
  e III e IV (alongamento). A analgesia é obtida pela esti-             xa intensidade é a eleita para a inibição da dor inten-
                                                                           (21)
  mulação dos proprioceptores mecanossensíveis das cápsu-               sa . Os principais pontos de aplicação envolvem o gân-
  las das articulações da região do ombro. Quando tais fi-              glio estrelado e a cápsula anterior da articulação gle-
  bras são ativadas, imediatamente ocorre inibição recípro-             numeral.
                                                               (6,21)
  ca das fibras de rápida condução dolorosa (A-delta) ;                         Quando a rigidez é o problema primordial, as mobi-
  o alongamento decorre de mobilizações executadas e                    lizações passam a ser mais ,vigorosas, havendo dor ape-
  mantidas próximas ao limite articular disponível. Deve-               nas por estiramento capsular, Rizk & col. (19) experimenta-
  rão ser mobilizadas as articulações glenumeral, acromio -             ram a técnica de tração contínua através de uma rolda-
  clavicular, escapulocostal e esternoclavicular. Os movi.              na com pesos que sustentava o membro fixo à outra ex-
  mentos angulares a serem trabalhados constituem-se em                 tremidade em abdução e aplicação de TNS convencional.
  abdução em 30° e 40° anterior ao plano coronal (plano                 Em oito semanas, observaram acelerada evolução das
   escapular), rotações externa e interna.                              ADMs da abdução e de rotação externa, quando compa-
          O paciente é treinado e instruído para realizar exer-          rado com o grupo controle. Por este método, vigora o
   cícios autopassivos com movimentos angulares em ca-                   princípio de que o tecido conectivo sofre alongamento
   sa(20), com a utilização de bastão e roldana de teto e exer-          plástico ao ser submetido a tensão leve por tempo pro-
   cícios pendulares (fig. 3). A orientação é dada para que              longado. Esta idéia também é defendida por McClure
   sejam realizadas com pouca intensidade, por curtos pe-                & Flowers (13) , que sugeriram a utilização periódica de
                                             (13,20)
   ríodos de tempo e várias vezes ao dia .                               um splint de abdução para ombro até o completo remo-
          Em condições de extrema dor (fase inflamatória),               delamento do tecido capsular.
   em que qualquer mobilização exacerba os sintomas, a                          Com gradual recuperação da mobilidadc articular,
   estimulação elétrica neuromuscular transcutânea (TNS)                 iniciam-se os exercícios ativos objetivando o retorno da
   é empregada para estimular os proprioceptores mecanos-                coordenação de movimento e da função. Devem come-
   sensíveis e alívio da dor espontânea. A mobilidade con-               çar com carga baixa, a partir do decúbito dorsal e res-

  622                                                                                              Rev Bras Ortop – Vol. 28. N.º 9 – Setembro, 1993
CAPSULITE ADESIVA (“OMBRO CONGELADO”). ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR




                                                                                                                   Fig. 3 — Grande
                                                                                                                   ênfase deve ser
                                                                                                                   dada aos
                                                                                                                   exercícios Caseiros:
                                                                                                                   a) elevação com
                                                                                                                   bastão; b) elevação
                                                                                                                   com roldana
                                                                                                                   de teto.




 Fig. 2 — Mobilização passiva oscilatória controlada (técnica de Mai-
 tland): a) movimento acessório translacional (ântero-posterior); b) mo-
 vimento fisiológico angular de abdução

                                                    (20)
 peitando os limites de fadiga do paciente ; progressiva-
                                                         (5)
 mente, aumenta-se a carga (que varia de 0,5 a 2,5kg)
 e verticaliza-se o tronco. Os exercícios prescritos visam
 o aumento da atividade do manguito rotador e as três
 porções do deltóide, através de movimentos de abdução
 em plano escapular, rotação externa e extensão do om-
 b r o( 5 ) .

 DISCUSSÃO                                                                 sos de capsulite adesiva em 233 lesões de manguito ro-
                                                                           tador.
      A capsulite adesiva é a mais polêmica das patolo-                          Não concordamos com algumas afirmações da biblio-
 gias do ombro. Desde sua denominação e possível etiolo-                   grafia sobre o assunto, entre as quais: 1°) “a artrografia
 gia (quadro 1), até as formas adequadas de tratamento,                    alivia os sintomas” — a quantidade mínima de contras -
 existem opiniões diversas e opostas(1,3,6-10,12,13,15,17,19) . A          te injetado é ideal para diagnosticar uma cápsula retraí-
 bibliografia sobre o assunto é escassa e nem sempre abor-                 da, mas não é suficiente para realizar uma distensão efi-
 da o tema sob o ponto de vista amplo. No Brasil, Morel-                   ciente; 2º) “a artroscopia é uma forma adequada de tra-
                (15)
 li & Morelli apresentaram bons resultados no trata-                       tamento” — os poucos palestrantes sobre o assunto já
 mento fisioterápico de apenas cinco pacientes. Embora                     não a defendem mais, e os livros-texto são reticentes a
 os casos de capsulite adesiva não sejam muito freqüen-                    respeito; 3°) “o quadro evoluirá hem, não importando
 tes na prática ortopédica diária, eles aparecem em núme-                  o método de tratamento adequado”(3) — sabe-se que o
 ro proporcional bem maior na clínica especializada em                     quadro doloroso diminuirá, mas as rotações externa e
 ombro. Neer, Flatow & Lech(l6) encontraram 14% de de ca-                   interna permanecerão com restrições, embora a elevação
 Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro,1993                                                                                      623
O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA Nº




no plano escapular possa melhorar, a ponto de permitir               Os resultados finais mostram que apenas 19 pacien-
a realização de tarefas comuns.                                 tes (33,3%) podem ser considerados excelentes; 38 pacien-
      A abordagem multidisciplinar da capsulite adesiva         tes (67,7%) permaneceram com algum tipo de limitação
é o fator decisivo para a obtenção de resultados funcio-        funcional.
nais adequados; o diagnóstico ortopédico correto, a con-
tribuição do algologista para a diminuição do quadro            REFERÊNCIAS
doloroso (principal motivo de insucesso dos tratamen-
tos), uma equipe de reabilitação familiarizada com a com-        1.   Baslund, B., Thomsen, B. & Jensen, E.: Frozen shoulder: current
                                                                      concepts. Scand J Rheumatol 19: 321-325, 1990.
plexidade desta patologia e o paciente e seus familiares,
                                                                 2.   Codman, E.: The shoulder: rupture of the supraspinatus tendon
envolvidos no processo de entendimento e participação                 and other lesions in or about the subacromial bursa, Supplement
ativa do tratamento, são fatores que certamente antecipa-             Edition, Robert Krieger, 1984.
rão a cura. É importante que o paciente compreenda               3.   Grey, R.G.: The natural history of “idiopathic” frozen shoulder.
                                                                      J Bone Joint Surg 60:564, 1978.
que esta é uma patologia de longa evolução e que serão
                                                                 4.   Hubault, A.: Les rétractions capsulaires et leurs expressions clini-
necessários disciplina e um longo período de reabilitação             ques. ProbI Actueles Rheum:. 200-211, 1985.
na clínica e em casa, para uma melhora aceitável do qua-         5.  Jobe, F., Townsend, H., Pink, M. & Perry, J.: Electromyogra-
dro. Costumamos dizer que o resultado do tratamento                  phic analysis of the glenoumeral muscles during a baseball rehabi-
                                                                     litation program. Am J Sports Med 19: 264-272, 1991.
nunca deve ser avaliado antes de 10 a 12 meses e o pacien-
                                                                 6 . Kisner, C. & Colby, L.A.: Exercícios terapêuticos — Técnicas e
 te deve saber disto, pois participará ativamente durante            fundamentos, 5ª ed, Manole, 1987. Cap. 5.
 todo o tempo.                                                   7 . Le Bars, D. & Willer, J.C.: Fisiologia da sensação dolorosa, in
       Observa-se que os melhores resultados são obtidos             Bonnet, F.: A dor no meio cirúrgico, Artes Médicas, 1992.
                                                                 8 . Lech, O.: Conferência III Curso Patologia do Ombro, Porto Ale-
 nos pacientes que permaneceram em maior tempo em
                                                                     gre, 1993.
 programa de reabilitação, naqueles em que o diagnósti-          9 . Leffert, R.D.: Frozen shoulder. AAOS Instructional Course,
 co foi realizado precocemente e naqueles que efetivamen-            1986.
 te realizaram o programa de exercícios caseiro — “orto-         10. Maitland, G.D.: Peripheral manipulation, 2.ª ed, Butterworth,
           (20)                                                        1977.
terapia” .
                                                                 11. Maitland, G.D.: Treatment of the glenoumeral joint by passive
       A adesão ao tratamento é um fator importante a                  movement. Physiother 69: 3-7, 1983.
 discutir; 82,4% dos pacientes da série já haviam tido tra-      12. Matsen III, F.A., Bonica, J.J. & Franklin, J.: Pain in the shoul-
 tamento prévio com uma média de três ortopedistas ou                  der, arm and elbow, in: Bonica, J.J.: The management of pain,
                                                                       Lea & Febiger, 1990.
 serviços de reabilitação. Na grande maioria deles, o diag-
                                                                 1 3 . McClure, P.W. & Flower, K. R.: Treatment of limited shoulder
 nóstico de capsulite adesiva não havia sido feito; nos de-            motion using an elevation splint. Physiother 72: 57-62, 1992.
  mais, a opinião era de que o tratamento ‘‘não estava           1 4 . Meier, J.L., Gobelet, C. & Waldburger, M.: Epaule gelée:
  adiantando nada”.                                                    algoneurodystrophie particulière de l’épaule? In Les algodystro-
                                                                       phies sympathiques reflexes, Masson, 1987.
       Foram analisados 30 (52,6%) pacientes com capsuli-
                                                                 1 5 . Morelli, R. & Morelli, I.: Capsulite adesiva (“ombro congelado”).
 te adesiva em que haviam “doenças gerais” associadas                  Rev Bras Ortop 24: 287-290, 1989.
  (grupo I); nestes, observou-se maior incidência de resulta-    1 6 . Neer, C.S., Flatow, E. & Lech, O.: Tears of the rotator cuff —
  dos regular e mau. Por outro lado, os 27 (47,3%) pacien-             Long term results of anterior acromioplasty and repair. O r t h o p
                                                                        Trans (12): 735, 1988.
  tes que apresentaram formas variadas de ombro congela-
                                                                 1 7 . Quinn, E.H.: Humeroscapular periarthritis. Observations on the
  do devido a patologia específica do ombro (grupo II) ti-             effects of X-ray therapy and ultrasonic therapy in cases of frozen
  veram uma percentagem maior de resultados bom e exce-                shoulder. Ann Phys Med 10: 64-69, 1969.
  lente. Depreende-se daí que existem fatores ainda não          1 8 . Reeves, B.: The natural history of frozen shoulder syndrome. Scand
                                                                       J Rheumatol 4: 193-196, 1975.
  conhecidos na gênese da capsulite adesiva e que os trata-
                                                                 1 9 . Rizk, T., Christopher, R.P. & Pinnals, R.S.: Adhesive capsulitis
  mentos atuais ainda não são capazes de modificar.                     (Frozm shoulder) — A new approach to its management. Arch
       Por esse motivo, existem várias formas de tratamen-              Phys Med Rehabil 64: 29-33, 1983.
  to (quadro 4), tais como: fisioterapia e medicação (66,6%),    2 0 . Rockwood, C.: Frozen shoulder, in Rockwood, C. & Matsen, F.:
                                                                        (Murnaghan, J.P.: Author’s preferred method of treatment). The
  fisioterapia e infiltração (3,5%), manipulação sob aneste-
                                                                        shoulder, W.B. Saunders, 1990. Vol. 2, Cap. 21.
  sia e distensão hidráulica (22,8%), manipulação sob anes-      2 1 . Walsh, D.: Nociceptive pathways — Relevance to the physiothera-
  tesia e cirurgia (15,7%).                                             pist. Physiother 77: 317-321, 1991.

 624                                                                                               Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9 — Setembro, 1993

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiroDiagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiroadrianomedico
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombaradrianomedico
 
Yas caso clinico hernia discal
Yas caso clinico hernia discalYas caso clinico hernia discal
Yas caso clinico hernia discalYasmin Gomes
 
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnelTratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túneladrianomedico
 
Caso clínico gonartrose (1)
Caso clínico   gonartrose (1)Caso clínico   gonartrose (1)
Caso clínico gonartrose (1)Thais França
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarDra. Welker Fisioterapeuta
 
Aplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAcquanews
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaadrianomedico
 
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaHérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaJoão Augusto Ribeiro
 
Artigos mais saude tratamento da capsulite adesiva do ombro
Artigos mais saude   tratamento da capsulite adesiva do ombroArtigos mais saude   tratamento da capsulite adesiva do ombro
Artigos mais saude tratamento da capsulite adesiva do ombrogvirtual
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombaradrianomedico
 
Condromalácia patelar seminario pdf
Condromalácia patelar  seminario pdfCondromalácia patelar  seminario pdf
Condromalácia patelar seminario pdfAutómono
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pgLuiz Otavio Quintino
 

Mais procurados (19)

Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiroDiagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
Diagnóstico das lombalgias dra luiza ribeiro
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
Yas caso clinico hernia discal
Yas caso clinico hernia discalYas caso clinico hernia discal
Yas caso clinico hernia discal
 
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnelTratamento cirúrgico da síndrome do túnel
Tratamento cirúrgico da síndrome do túnel
 
Caso clínico gonartrose (1)
Caso clínico   gonartrose (1)Caso clínico   gonartrose (1)
Caso clínico gonartrose (1)
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
 
Aplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat Espondiliete
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
 
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaHérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 
Quiropraxia básica
Quiropraxia básicaQuiropraxia básica
Quiropraxia básica
 
Modulo 04
Modulo 04Modulo 04
Modulo 04
 
Torcicolo (cervicalgia)
Torcicolo (cervicalgia)Torcicolo (cervicalgia)
Torcicolo (cervicalgia)
 
Artigos mais saude tratamento da capsulite adesiva do ombro
Artigos mais saude   tratamento da capsulite adesiva do ombroArtigos mais saude   tratamento da capsulite adesiva do ombro
Artigos mais saude tratamento da capsulite adesiva do ombro
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
 
Condromalácia patelar seminario pdf
Condromalácia patelar  seminario pdfCondromalácia patelar  seminario pdf
Condromalácia patelar seminario pdf
 
Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Estenose
EstenoseEstenose
Estenose
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 

Semelhante a Artigos mais saude capsulite adesiva

Hérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesHérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesadrianomedico
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoadrianomedico
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxiaFabio Motta
 
Revistadc 101 123-131 863
Revistadc 101 123-131 863Revistadc 101 123-131 863
Revistadc 101 123-131 863Alon Caveari
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoCarly Glaser
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdfMisslenyHaruna
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosRoberto Mendes
 
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombaradrianomedico
 
dorlombar.pdf
dorlombar.pdfdorlombar.pdf
dorlombar.pdfzLazaro
 
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaAbordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaSimone Regina Grando
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...Franklyn Alves
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Erion Junior de Andrade
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoLarissa20088
 

Semelhante a Artigos mais saude capsulite adesiva (20)

Hérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesHérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizes
 
Modulo 07
Modulo 07Modulo 07
Modulo 07
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
Esotropia Adulto
Esotropia Adulto  Esotropia Adulto
Esotropia Adulto
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
 
Revistadc 101 123-131 863
Revistadc 101 123-131 863Revistadc 101 123-131 863
Revistadc 101 123-131 863
 
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad121cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
1cfcc06f2e548a376d28e848c819ad12
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf
 
Morte Encefálica
Morte EncefálicaMorte Encefálica
Morte Encefálica
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
 
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
dorlombar.pdf
dorlombar.pdfdorlombar.pdf
dorlombar.pdf
 
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaAbordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
 
Pé diabético aspectos clínicos
Pé diabético  aspectos clínicosPé diabético  aspectos clínicos
Pé diabético aspectos clínicos
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
 

Mais de gvirtual

Todas as diretorias e conselhos da cbm cópia
Todas as diretorias e conselhos da cbm   cópiaTodas as diretorias e conselhos da cbm   cópia
Todas as diretorias e conselhos da cbm cópiagvirtual
 
Portfólio note e sul confecções
Portfólio note e sul confecçõesPortfólio note e sul confecções
Portfólio note e sul confecçõesgvirtual
 
Catálago atualizado 22 08 2013 1
Catálago atualizado 22 08 2013 1Catálago atualizado 22 08 2013 1
Catálago atualizado 22 08 2013 1gvirtual
 
Curso o pulo do gato
Curso o pulo do gatoCurso o pulo do gato
Curso o pulo do gatogvirtual
 
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadual
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadualCdhe.douma.2103 utilidade pública estadual
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadualgvirtual
 
Siconv legisla
Siconv legislaSiconv legisla
Siconv legislagvirtual
 
Siconv.inclusão e envio de propostas
Siconv.inclusão e envio de propostasSiconv.inclusão e envio de propostas
Siconv.inclusão e envio de propostasgvirtual
 
Siconv.apostila de curso
Siconv.apostila de cursoSiconv.apostila de curso
Siconv.apostila de cursogvirtual
 
Siconv.apostila
Siconv.apostilaSiconv.apostila
Siconv.apostilagvirtual
 
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011Portaria 507 de 24 de novembro de 2011
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011gvirtual
 
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalho
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalhoOrientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalho
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalhogvirtual
 
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011gvirtual
 
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012gvirtual
 
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscipLei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscipgvirtual
 
Comunicado -acesso_livre_22.02.2013
Comunicado  -acesso_livre_22.02.2013Comunicado  -acesso_livre_22.02.2013
Comunicado -acesso_livre_22.02.2013gvirtual
 
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1gvirtual
 
05.manual de legislação de convenios
05.manual de legislação de convenios05.manual de legislação de convenios
05.manual de legislação de conveniosgvirtual
 
04.manual convenente prestacao contas
04.manual convenente prestacao contas04.manual convenente prestacao contas
04.manual convenente prestacao contasgvirtual
 
03.manual convenente inclusao proposta
03.manual convenente inclusao proposta03.manual convenente inclusao proposta
03.manual convenente inclusao propostagvirtual
 
01.orientações utilização portal
01.orientações utilização portal01.orientações utilização portal
01.orientações utilização portalgvirtual
 

Mais de gvirtual (20)

Todas as diretorias e conselhos da cbm cópia
Todas as diretorias e conselhos da cbm   cópiaTodas as diretorias e conselhos da cbm   cópia
Todas as diretorias e conselhos da cbm cópia
 
Portfólio note e sul confecções
Portfólio note e sul confecçõesPortfólio note e sul confecções
Portfólio note e sul confecções
 
Catálago atualizado 22 08 2013 1
Catálago atualizado 22 08 2013 1Catálago atualizado 22 08 2013 1
Catálago atualizado 22 08 2013 1
 
Curso o pulo do gato
Curso o pulo do gatoCurso o pulo do gato
Curso o pulo do gato
 
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadual
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadualCdhe.douma.2103 utilidade pública estadual
Cdhe.douma.2103 utilidade pública estadual
 
Siconv legisla
Siconv legislaSiconv legisla
Siconv legisla
 
Siconv.inclusão e envio de propostas
Siconv.inclusão e envio de propostasSiconv.inclusão e envio de propostas
Siconv.inclusão e envio de propostas
 
Siconv.apostila de curso
Siconv.apostila de cursoSiconv.apostila de curso
Siconv.apostila de curso
 
Siconv.apostila
Siconv.apostilaSiconv.apostila
Siconv.apostila
 
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011Portaria 507 de 24 de novembro de 2011
Portaria 507 de 24 de novembro de 2011
 
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalho
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalhoOrientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalho
Orientacao passo a_passo_-_analise_de_proposta_e_plano_de_trabalho
 
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011
Manual convenente credenciamento_proponente_vs11_07112011
 
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012
Manual concedente disponibilizacao_programas_vs8_06122012
 
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscipLei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
 
Comunicado -acesso_livre_22.02.2013
Comunicado  -acesso_livre_22.02.2013Comunicado  -acesso_livre_22.02.2013
Comunicado -acesso_livre_22.02.2013
 
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1
Cartilha siconv para_municipios_-_jan_13-1
 
05.manual de legislação de convenios
05.manual de legislação de convenios05.manual de legislação de convenios
05.manual de legislação de convenios
 
04.manual convenente prestacao contas
04.manual convenente prestacao contas04.manual convenente prestacao contas
04.manual convenente prestacao contas
 
03.manual convenente inclusao proposta
03.manual convenente inclusao proposta03.manual convenente inclusao proposta
03.manual convenente inclusao proposta
 
01.orientações utilização portal
01.orientações utilização portal01.orientações utilização portal
01.orientações utilização portal
 

Último

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 

Último (20)

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 

Artigos mais saude capsulite adesiva

  • 1. Capsulite adesiva (“ombro congelado”) Abordagem multidisciplinar* 1 2 3 OSVANDRÉ LECH , GUILHERME SUDBRACK , CESAR VALENZUELA NETO RESUMO the patient and doctor, due to the long-term clinical A capsulite adesiva é uma patologia comum na prá- course and bad results. The authors (orthopaedic sur- tica ortopédica geral, que pode levar a uma severa inca- geon, algologist, and physiotherapist) present a multi- pacidade funcional e insatisfação do paciente e médico, disciplinar approach to the treatment of adhesive capsu- devido a longa evolução e maus resultados. Os autores litis. 57 patients with 61 cases are evaluated. The onset of the disease was 7 months before the treatment had (ortopedista, algologista e fisioterapeuta) apresentam uma abordagem multidisciplinar para o tratamento da started, and 82.4% of the patients had prior treatment capsulite adesiva. Cinqüenta e sete pacientes com 61 ca- without any improvement. According to the etiology, sos são avaliados. O tempo médio de evolução da doen- the patients were evaluated in two groups: 1º) with ça no início do tratamento era de sete meses e 82,4% general diseases, where the incidence of bad results was dos pacientes tiveram tratamento prévio sem apresentar bigger; 2º) with shoulder problems, where the incidence nenhuma melhora. Os pacientes foram avaliados em of good results was bigger. The proposed treatment could dois grupos, com relação à etiologia: 1º) com doenças be of four types: 1)physiotherapy and medication (66.6%); gerais associadas, em que a incidência de maus resulta- 2) manipulation under anesthesia and hidraulic disten- dos foi maior, 2º) com doenças do ombro associadas, sion (22.8%); 3) manipulation under anesthesia and em que a incidência de bons resultados foi maior. O tra- surgery (15.7%); 4) infiltration and physiotherapy (3.5%). tamento proposto foi de quatro tipos: 1) fisioterapia e The final results show that only 19 patients (33.3%) can medicação (66,6%); 2) manipulação sob anestesia e dis- be considered excelent; 38 patients (67.7%) remain with tensão hidráulica (22,8%); 3) manipulação sob anestesia some type of disability. e cirurgia (15,7%); 4) infiltração e fisioterapia (3,5%). INTRODUÇÃO Os resultados finais mostram que apenas 19 pacientes (33,3%) podem ser considerados excelentes, 38 pacientes A maioria das descrições sobre esta patologia cita (2) (67,7%) permaneceram com algum tipo de limitação fun- Earl Codman : “Este é um grupo de casos que acho cional. difícil definir, tratar e explicar sob o ponto de vista de patologia”. Essa frustração acompanha os médicos e rea- SUMMARY bilitadores até os dias de hoje. O quadro 1 mostra uma lista das denominações e teorias sobre a capsulite ade- Adhesive capsulitis (“frozen shoulder ”). A multidiscipli- siva. nary aproach A patologia ocorre essencialmente na cápsula articu- Adhesive capsulitis of the shoulder is a common lar; ela se encontra espessada, inelástica e friável. Ocor- disease in the general orthopaedic practice. It can result re fibrose e infiltração perivascular aumentada. O líqui- in a severe functional disability and dissatisfaction of do sinovial é normal. O volume da articulação é sempre diminuído, em torno de 3-15ml, ao invés de 20-25ml da * Trab. realiz. na Clín. & Traumatol. e Ortop., Porto Alegre, RS, e Inst. de Ortop. e Traumatol., Passo Fundo, RS. capacidade articular normal. O fator determinante da 1. Pres. do Comitê de Ombro e Cotovelo da SBOT; Chefe do Serv. alteração patológica, no entanto, não é ainda conheci- do Inst. de Ortop. e Traumatol, Passo Fundo, RS. d o( 3 ) . 2. Algologista, Centro Clínico da PUC, Porto Alegre, RS. O quadro clínico se caracteriza por dor mal localiza- 3. Fisioterapeuta, Porto Alegre, RS. da no ombro de início espontâneo, geralmente sem qual- Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9— Setembro, 1993 617
  • 2. O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA Nº quer história de trauma. Essa dor se torna muito inten- ções simples como vestir-se, pentear-se; ocorre restrição sa, mesmo em repouso, e à noite; ela costuma diminuir severa da mobilidade e a elevação vai até 90° à custa de intensidade em algumas semanas(12) . A mobilidade da articulação escapulotorácica, que não se encontra en- do ombro se torna rapidamente limitada em todas as di- volvida no processo. Persiste uma dor leve e contínua, reções (elevação, rotação interna, rotação externa, abdu- que piora aos movimentos abruptos; 3.ª) fase de “descon- ção). Uma das características sempre presente é o blo- gelamento” — o retorno gradual dos movimentos do queio total da rotação externa e interna, já que esta pato- ombro ocorre de forma lenta e progride ao longo de me- logia ocorre especificamente na articulação glenume- ses, embora uma restrição possa persistir sem incomodar ral (8). Acomete especialmente indivíduos entre 40-60 o paciente, que está entusiasmado com o alívio da dor anos, do sexo feminino. O lado mais envolvido é o não- e maior liberdade de movimentos(20). dominante. O quadro costuma ter evolução lenta, não O diagnóstico diferencial deve ser realizado com to- inferior a 4-6 meses, antes que o diagnóstico seja correta- das as patologias do ombro que podem evoluir para rigi- mente estabelecido. Sem um diagnóstico preciso, muitas dez articular. Robert Leffert(9) diferencia a capsulite ade- vezes o tratamento também não é executado corretamen- siva entre ‘‘primária” (sem causa determinada) e ‘‘secun- te. A capsulite adesiva apresenta-se com um conjunto dária” (devido a uma patologia do ombro). complexo de sintomas, ao invés de uma entidade especí- O exame radiológico simples é normal, embora pos- fica de diagnóstico(1). Portanto, o examinador deve ter sa ocorrer diminuição do espaço articular entre a glenói- sempre um alto grau de suspeita desta patologia, já que de e a cabeça do úmero na incidência em ântero-poste- nem todos os pacientes se apresentam com a mesma evo- rior ‘‘verdadeiro”, o que demonstra a retração capsu- lução. Observa-se que muitas patologias ocorrem em con- lar(4). A osteoporose pelo desuso costuma ser facilmen- comitância com a capsulite adesiva: tiroidopatias, diabe- te identificada. A artrografia costuma ser um método te, doenças auto-imunes, doença degenerativa da colu- diagnóstico eficaz, pois avalia ao mesmo tempo a inte- na cervical, doença intratorácica (pneumopatia, infarto gridade do manguito rotador e a capacidade de volume agudo do miocárdio), doença neurológical (TCE, AVC, articular do ombro, que estará sempre diminuída. tumores), doença psiquiátrica, etc. No entanto, muitos Este trabalho se baseia num estudo multidisciplinar autores (1,3,8,14) não têm sido capazes de explicar essa con- da capsulite adesiva do ombro, em que foram avaliados comitância sob o ponto de vista patológico. A evolução e tratados 57 pacientes. clínica consta de três fases distintas: 1.ª) fase dolorosa, com início insidioso, gradual, mal localizado no ombro; MATERIAL E MÉTODOS causa ansiedade ao paciente, que geralmente não procu- ra tratamento adequado por julgar que esta é a melhor O presente estudo se baseia na avaliação pré e pós- conduta; 2.ª) fase de rigidez — há dificuldade para usar tratamento de 61 ombros de 57 pacientes com quadro o membro superior longe do tronco, mesmo para fun- de ombro congelado (quadro 2). Trinta e um indivíduos eram do sexo masculino(54,3%) e 26 do feminino (45 ,6%), QUADRO 1 com idade variando entre 31 e 71 anos(média de 50 Lista das prováveis teorias e denominações anos). Em vinte e sete casos o ombro direito estava aco- sobre a capsulite adesiva metido(47,3%) e em 30(52,6%), o esquerdo. O tempo de evolução variou de um a 60 meses, com média de se- Ano Autor Etiologia Denominação te meses. Quarenta e sete casos (82,4%) têm história de 1896 Duplay Bursite subacromial Periartrite escapulumeral tratamento prévio (quadro 3). Quanto à presença de pa- 1931 Payr Cápsula contraída tologia associada do ombro, os indivíduos foram dividi- 1932 Pasteur Tendinite do bíceps Tenobursite dos em dois grupos: grupo I (GI), caracterizado pelos 1934 Codman Degeneração do manguito Ombro congelado 1945 Nevasier Cápsula inflamada casos de capsulite adesiva propriamente dita e contando Capsulite adesiva 1951 De Palma Tendinite do bíceps Tenobursite com 30 (52,6%) casos; e grupo II (GII), composto por 1969 Lundberg Múltiplas causas casos com patologia associada do ombro, somando 27 1973 Mac Nab Degeneração do manguito indivíduos (47,3%). Dentre as patologias associadas, in- Doença auto-imune cluem-se: ruptura do manguito rotador (14%), síndro- 618 Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9 — Setembro, 1993
  • 3. CAPSULITE ADESIVA (“OMBRO CONGELADO”). ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR QUADRO 2 Informações gerais sobre os 57 pacientes avaliados N° Pac. Id. Sexo Lado Profissão Evol.(em Mobilid.inicial Doenças gerais Doenças ombro Tto. Tto. Mobilid. final Resul. Tt. (em) meses) Prévio Proposto Meses) 1 SR 63 M D Médico 6 90°/0°/EIPS Esp. Lomb. LMR A 1 165°/60°/T9 E 6 2 RB 53 F D Religiosa 6 40°/0°/S1 - - B 1+2 155°/70°/T9 B 4 3 RF 40 M E Comerc. 6 125°/50°/T9 Tu.mama E - A 1 170°/70°/T6 E 3 4 JC 52 M E Comerc. 6 130°/50°/L1 Diabetes - - 1 170°/60°/T11 B 3 5 IK 59 M E Escrit. 1 55°/45°/EIPS Tu.Pulm. - - 1 140°/60°/L1 R 2 6 PL 54 M D Médico 4 130°/15°/L5 Cervicoartr. - - 1 150°/50°/L1 B 1 7 RS 34 M E Engen. 2 100°/15°/L4 - Lux GU D 1+2 155°/65°/T9 B 3 8 MLB 55 F E Profes. 2 90°/20°/S2 - - B+E 1 180°/75°/T6 E 2 9 RF 42 M D Corretor 9 90°/5°/EIPS Diabetes - A+B 1 130°/30°/L3 B 4 10 MCGO 63 F E Profes. 24 110°/20°/L4-L5 - - E 1 155°/60°/T10 B 1 11 UKL 56 F E Do lar 1 115°/35°/L4-L5 Espondilartr. - - 1 150°/50°/T11 B 2 12 MA 53 M E Aposent. 6 130°/45°/T12 Cervicoartr. Impacto II B 1 160°/65°/T8 B 1 13 GT 56 M E Comerc. 6 90°/10°/S1 - LMR A 1 170°/60°/T6 E 10 14 JL 68 M D Arquit. 6 90°/10°/EIPS Espond. lomb. LMR A 1 165°/60°/T12 B 4 15 AOB 69 M D Comerc. 2 140°/20°/S1 - LMR - 1 165°/80°/T6 E 1 16 BJH 63 M D Projet. 24 140°/25°/S1 - LMR - 3 150°/70°/T10 B 10 17 CMM 48 F D Bancária 3 120°/35°/EIPS - - - 1 150°/55°/L2 B 7 18 CF 71 M D Comerc. 5 60°/40°/EIPS - LMR - 3 160°/60L/T12 B 6 19 CRB 45 M D Consultor 30 130°/45°/L4 Túnel carpo - B 1 160°/85°/T9 E 2 20 DM 45 F E Profes. 2 90°/10°/EIPS - - C+E+F 2 160°/60°/T12 B 2 21 EEA 45 F E Profes. 4 90°/30°/EIPS - - B+E 2 175°/55°/T7 E 7 22 AV 43 F E Bancária 9 90°/20°/EIPS Depr. psiq. - E 1+2 170°/70°/T10 B 5 23 AAMS 71 F D+E Comerc. 2 D-110°/0°/S1 Cervicoartr. Impacto II C+E 3° D-110°/0°/S1 M 3 E-100°/0°/S1 E-100°/0°/S1 24 AFI 42 M D Profes. 5 90°/45°/T7 - Lux GU B+D 160°/75°/T5 B 4 25 ACGS 47 M D+E Bancário 8 D-135°/50°/L3 Diabetes - B 2 D-150°/65°/T12 B 5 E-135°/50°/L2 E-170°/70°/T7 26 ASL 60 F D+E Do lar 2 D-110°/0°/L5 Frat. Costela Frat. A+F 1+2 D-160°/45°/T6 B 10 E-90°/-1°/L5 úmero D/E E-150°/70°/L1 27 MAS 64 F D Do lar 10 80°/0°/EIPS Cervicoartr. LMR B+C+E 3 150°/30°/T12 R 6 28 AMCER 57 F E Comerc. 4 90°/25°/L5 - - C 1 165°/60°/T10 B 5 29 ARF 64 M D Aposent. 12 90°/60°/S1 - - E 1 160°/85°/L3 B 2 30 AR 49 M E Comerc. 12 90°/35°/L5 - - B+C+E 2 170°/60°/T7 E 2 31 LMA 49 M D+E Médico 3 D-140°/40°/T12 - LMR - D-1 D-180°/65°/T7 E 16 E-120°/45°/L4 E-2 E-180°/50°/T8 32 LMMS 49 M E Engen. 5 100°/20°/T12 - Frat. Clavic. D 1 145°/55°/T9 B 2 33 LCO 33 M D Digit. 4 100°/0°/T12 - Frat. lux. GU B+E 1 160°/60°/T10 B 4 34 LH 40 F E Comerc. 2 60°/5°/S1 - - - 3 150°/50°/T12 R 3 35 LMBP 34 F D Operária 4 120°/45°/L5 - - B 1 180°/85°/T4 E 2 36 LMW 49 F D Secret. 5 90°/0°/EIPS - - B+E 1 180°/85°/T6 E 8 37 LG 69 M E Médico 4 130°/30°/L2 - Tendimite E+F 1 170°/90°/T6 E 12 38 JAL 42 F E Func.públ. 2 140°/10°/EIPS Diabetes - B+C 4° 90°/0°/Troc. M 4 39 JLB 45 M E Bancário 4 120°/10°/EIPS Diabetes - C+F 1 165°/50°/T8 B 1 40 JBXA 61 M E Dentista 6 120°/40°/L4 - - B+C 1 175°/85°/T7 E 2 41 JBM 45 M E Médico 12 90°/20°/EIPS - - B+C+E 1+2 150°/40°/L2 B 4 42 JAG 30 M D Engen. 4 130°/40°/T12 AVC - A 1 150°/65°/T9 B 1 43 JS 55 M D Comerc. 6 100°/60°/L2 - - B 1 170°/85T10 E 3 44 JC 55 M D Motor. 5 130°/40°/L4 - Impacto II B+C+E 1 160°/75°/T12 M 5 45 IB 35 F D Aux.esc. 3 140°/30°/S1 Epilepsia Osteo. Artr. B+C 2 180°/65°/T12 R 4 A-C 46 IGP 57 M E Industrial 8 80°/10°/EIPS - Tend. calc. B+E 1 110°/40°/L3 R 1 47 IBM 50 F E Aposent. 4 120°/40°/L1 - - B+C 2 180°/70°/T12 B 1 48 IGV 48 F E Advog. 12 140°/45°/L3 - Impacto II E+F 1 165°/60°/T7 B 3 49 IS 53 F E Profes. 6 90°/0°/L4 - Frat. colo úmero F 2 165°/50°/T10 B 4 50 HY 58 F D Do lar 6 90°/0°/EIPS - Impacto II C 1+3 140°/50°/S1 B 4 51 HAL 64 M D Aposent. 2 80°/20°/L5 - LMR B 3 175°/70°/T9 E 4 52 GPW 47 F E Filote. 6 110°/40°/EIPS - Impacto II B 1+3 180°/75°/T5 E 10 53 GZ 47 F E Mecanogr. 60 70°/0°/EIPS Cervicoartr. Tend. calc. E 3 170°/75°/T5 B 9 54 GF 31 M D Vendedor 4 90°/40°/T8 - Impacto II D 1 180°/85°/T6 E 4 55 GF 45 M E Comerc. 3 120°/20°/EIPS - - B 1 160°/45°/T11 B 2 56 EM 40 F D Do lar 2 110°/20°/EIPS - Osteo. Artr. - 4 170°/80°/T7 E 3 A-C 57 NB 64 F E Profes. 3 100°/0°/EIPS - Frat. colo úmero C+E 1 165°/75°T8 E 4 Rev Bras Ortop – Vol. 28, N° 9 – Setembro 1993 619
  • 4. O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA N° me do impacto (18%), fraturas (80%) e luxação glenume- QUADRO 3 ral (5%). Tratamento prévio realizado am 82,4% dos pacientes desta série O tratamento proposto compreendeu: fisioterapia e medicação, manipulação sob anestesia com ou sem cirur- Código Tipo gia, infiltração e fisioterapia (quadro 4). A Pós-operatório 12,28% Quarenta casos (70,1%) foram tratados inicialmen- B Fisioterapia 42,10% te com fisioterapia e medicação; destes, cinco necessita- C Medicação apenas 24,56% ram posteriormente de manipulaço e distensão hidráuli- D Conservador pós-traumatismo 8,77% ca sob anestesia e três precisaram de cirurgia. E lnfiltração 24,56% F lmobilização 12,28% Seis casos (10,5%) tiveram indicação inicial de ma- nipulação sob anestesia e distensão hidráulica. Seis casos (10,5%) foram submetidos a tratamento cirúrgico com QUADRO 4 manipulação sob anestesia imediatamente antes da inci- Tratamento proposto são. Dois pacientes (3,5%) receberam infiltrações seleti- Código Tipo vas (intra-articular e nervo supra-escapular) e fisiotera- pia. O tempo médio de tratamento proposto efetivamen- 1 Fisioterapia e medicação 66,60% te realizado variou entre urn e 16 meses (média de 4,2 2 Manipulação sob anestesia e distensão hidrául. 22,80% 3 Manipulação sob anestesia e cirurgia 15,78% meses). Os resultados finais obtidos com o tratamento 4 3,50% lnfiltração e fisioterapia proposto foram agrupados em excelente, born, regular e mau e estão descritos no quadro 5. QUADRO 5 PONTO DE VISTA ORTOPÉDICO Rasultados finais obtidos com o tratamento proposto Ao ortopedista cabe o diagnóstico e a observação Casuística Código Descrição da evolução do caso (8). Em geral, os pacientes recebem tratamento inadequado sem diagnóstico pelo período (E) excelente Sem dor, mobilidade igual ao Iado oposto, retor- 19 (33,3%) no à atividade prévia. médio de 3 a 6 meses de sintomas; os melhores resulta- (B) bom Sem dor, mobilidade acima de 50% do Iado opos- 29 (50,8%) dos são obtidos exatamente nesse período, caso o diag- to, retorno à atividade prévia. nóstico e medidas terapêuticas sejam feitos correta- (R] regular Dor Ieve ou moderada, mobilidade em torno de 6 (10,5%) mente. 50% ao Iado oposto, sem retorno à atividade pré- via. O diagnóstico preciso é realizado através de uma (M) mau Dor severa, mobilidade inalterada ou inferior a 50% 3 (5,2%) história clínica competente e de um exame físico detalha- do Iado oposto, sem retorno à atividade prévia. do de todas as articulações do ombro. Se houver dúvi- da sobre a concomitância de outras patologias, deve-se Em termos gerais, os pacientes com diagnóstico con- solicitar avaliação de profissional da área envolvida (en- firmado de capsulite adesiva devem ser divididos em três docrinologista, neurologista, clínico e outros). A avalia- grupos distintos, com relação à indicação de tratamento: ção radiológica dará apenas a confirmação das suspeitas 1°) Existência de restrição de mobilidade e ausência levantadas durante o exame físico ortopédico. de dor — Devem ser encaminhados à reabilitação e man- Deve-se observar que na fase inicial da capsulite ade- tidos sob supervisão ortopédica constante; se não hou- siva a mobilidade está preservada, o que pode levar a ver melhora da mobilidade nos primeiros 30 dias de tra- confusão diagnóstica com a tendinite do supra-espinho- tamento, deve-se considerar a manipulação sob anestesia so, já que os testes ‘‘irritativos” são todos positivos. A e distensão hidráulica da cápsula articular da glenume- reavaliação clínica poucos dias após o exame inicial é ral com uma combinação de marcaína a 1% (20-25ml), muito irnportante para observar a eficácia da terapêuti- um frasco de corticóide de depósito e uma ampola de ca adotada. Se houver aumento do quadro doloroso de- morfina. A continuidade do programa de reabilitação vido aos exercícios de estiramento capsular, ou inexplicá- (movimentos passivos) continua no mesmo dia da mani- vel restrição das rotações interna e extema, o ortopedis- pulação sob anestesia. O paciente permanece hospitaliza- ta não deve ter dúvida sobre o diagnóstico(18). do por 3 a 5 dias após a manipulação, já que o contro- 620 Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro, 1993
  • 5. CAPSULITE ADESIVA (“OMBRO CONGELADO”). ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR le da dor e o sucesso do programa de reabilitação são mento da permeabilidade vascular, vasodilatação e esta- obtidos nesta fase. se sanguínea, liberação de histamina pelos mastócitos, 2°) Existência de restrição de mobilidade e dor seve- liberação de serotonina pela agregação plaquetária, de- ra — Estes pacientes geralmente têm um quadro distrófi- gradação de fosfolipídios, com consequente formação co simpaticorreflexo intenso associado e devem ser ava- de leucotrienos e prostaglandinas. liados pelo algologista, que decidirá qual é a melhor for- De forma didática, pode-se dizer que se forma um ma terapêutica de alívio da dor, já que ela é o principal círculo vicioso de auto-excitação dolorosa, como: libera- fator de perpetuação do quadro. Uma vez diminuído o ção de neuromediadores da dor, diminuição da microcir- quadro de dor, o programa de reabilitação é instituído, culação (estase), com aumento do transudato e deposi- com chances significativas de sucesso. ção de fibroblastos, acúmulo de substâbcias que ativam 3°) Existência de restrição de mobilidade associada os nociceptores que por sua vez liberam mais neurome- com patologia cirúrgica do ombro — Considerar recons- diadores da nocicepção(7,12). trução cirúrgica precedida por manipulação sob aneste- A terapêutica medicamentosa(12,14) visa romper esse sia, ou programa de reabilitação completo seguido do circulo vicioso e dar condições ao tratamento fisioterápi- tratamento cirúrgico. A decisão é variável em cada caso. co e inclui: a) substâncias vasodilatadoras periféricas com o ob- PONTO DE VISTA DO ALGOLOGISTA jetivo de melhorar a microcirculação atuando no tônus Esta denominação largamente utilizada é pessima- neurovegetativo simpático; mente compreendida; envolve uma quantidade de ter- b) como toda capsulite retrátil, possui importante mos análogos (capsulite adesiva, periartrite, pericapsuli- participação distrófica simpaticorreflexa; pode ser neces- te, bursite obliterativa, ombro congelado, etc.) para des- sária a realização de bloqueios anestésicos do gânglio es- crever esta patologia(4,14,18) . trelado homolateral, principalmente nos quadros hiperál- A abordagem é focalizada e fundamentada nos co- gicos; nhecimentos atuais da fisiopatologia dolorosa. A etiopa- c) analgésicos periféricos em uso contínuo e regular, togenia começa com um quadro doloroso e culmina com durante no mínimo duas semanas, com o objetivo de uma série de eventos que levam a uma rigidez articular combater a sensibilização das terminações nervosas; do ombro(8,12). Na evolução desses fenômenos nem sem- d) antiinflamatórios em uso contínuo e regular, du- pre encmtra-se uma causa evidente, como traumatismo, rante no mínimo dez dias, com o objetivo de bloquear lesão capsular, periartrite, ou fatores propiciatórios co- a cadeia de formação das prostaglandinas; mo diabete, uso de barbitúricos ou acidentes vasculares e) corticóides intra-articular e pericapsular de for- cerebrais cosn seqüelas p1égicas. A compreensão dos me- ma iterativa e segundo a evolução do quadro; ressalta- canismos geradores é difícil, pela inexistência de mode- mos que esta indicação não é isenta de complicações, los experimentais(4,18) . pois pode ocasionar infecções e sempre acarreta lesão A fisiopatologia da sintomatologia dolorosa consti- da cápsula articular, podendo em muitos casos ser um tui-se basicamente de três fatores que nela intervêm(7): fator de piora do quadro doloroso; 1°)ligado à lesão, nem sempre comprovado, que ativa f) bloqueios anestésicos do nervo supra-escapular os nociceptores (fibras nervosas, tipos A, delta e C); 2°) correspondente e com o objetivo de realizar uma analge- ligado ao processo inflamatório e vai sensibilizar os noci- sia parcial aos procedimentos fisioterápicos. ceptores aos demais agentes suscetíveis de ativá-los (pros- taglandinas, bradicinina, histamina, ions H+ e K+...); PONTO DE VISTA FISIOTERÁPICO 3°) representado pela liberação de neuromediadores, dos O objetivo da fisioterapia é o de eliminar o descon- quais o mais importante é a substância P. forto e de restaurar a mobilidade e a função do om- Os dois primeiros são os responsáveis pela hiperalge- bro (1,20). Considerando a complexidade da fisiopatologia sia primária e o terceiro pela hiperalgesia secundária, do ombro “congelado”, existem várias modalidades de que propicia a perenização da sintomatologia doloro- tratamento físico. Cada procedimento é parte integran- sa(8). Acompanhando este último fator, encontramos fe- te do programa de fisioterapia e deverá estar de acordo nômenos neurovegetativos da inflamação, que são: au- com os aspectos clínicos e com o estágio do quadro(20). Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro, 1993 621
  • 6. O.LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA N° As aplicações de calor, tais como a dia- termia(ultra-som, ondas curtas ou microon- das), são auxiliaries empregados para alívio da dor e para diminuição da excitabilidade neuromuscular local. Todavia não são os agentes determinantes da recuperação funcio- (20) nal .Os efeitos fisiológicos restringem-se aos aumentos do fluxo sanguíneo local e da distensibilidade tecidual, importantes pa- ra a realização dos exercícios(17). A mobilização passiva ou ativa é medi. (1) (20) da profilática e curativa , Para McClu- (13) re & Flowers , os exercícios passivos são os procedimentos fundamentais para o au- mento de amplitude de movimento (fig.1). Assim, desempenha importante papel a mo- bilização passiva oscilatória controlada (MPOC), em que são realizados movimen- tos acessórios (translacionais) combinados com movimentos fisiológicos (angulares) ao longo de amplitudes indolores de movimen- Fig. 1 — Exercícios passivos básicos para o aumento da amplitude de movimento (ADM): to ou próximo ao limite imposto pela patolo- a) elevação no plano da escápula; h) estiramento na parede; c) rotação externa; d) rota- ção interna; e) abdução. gia (Maitland)(10,11) (fig. 2). As dosagens da MPOC foram classificadas em graus I e II (analgésicas) vencional com freqüência entre 100 e 150 hertz em bai- e III e IV (alongamento). A analgesia é obtida pela esti- xa intensidade é a eleita para a inibição da dor inten- (21) mulação dos proprioceptores mecanossensíveis das cápsu- sa . Os principais pontos de aplicação envolvem o gân- las das articulações da região do ombro. Quando tais fi- glio estrelado e a cápsula anterior da articulação gle- bras são ativadas, imediatamente ocorre inibição recípro- numeral. (6,21) ca das fibras de rápida condução dolorosa (A-delta) ; Quando a rigidez é o problema primordial, as mobi- o alongamento decorre de mobilizações executadas e lizações passam a ser mais ,vigorosas, havendo dor ape- mantidas próximas ao limite articular disponível. Deve- nas por estiramento capsular, Rizk & col. (19) experimenta- rão ser mobilizadas as articulações glenumeral, acromio - ram a técnica de tração contínua através de uma rolda- clavicular, escapulocostal e esternoclavicular. Os movi. na com pesos que sustentava o membro fixo à outra ex- mentos angulares a serem trabalhados constituem-se em tremidade em abdução e aplicação de TNS convencional. abdução em 30° e 40° anterior ao plano coronal (plano Em oito semanas, observaram acelerada evolução das escapular), rotações externa e interna. ADMs da abdução e de rotação externa, quando compa- O paciente é treinado e instruído para realizar exer- rado com o grupo controle. Por este método, vigora o cícios autopassivos com movimentos angulares em ca- princípio de que o tecido conectivo sofre alongamento sa(20), com a utilização de bastão e roldana de teto e exer- plástico ao ser submetido a tensão leve por tempo pro- cícios pendulares (fig. 3). A orientação é dada para que longado. Esta idéia também é defendida por McClure sejam realizadas com pouca intensidade, por curtos pe- & Flowers (13) , que sugeriram a utilização periódica de (13,20) ríodos de tempo e várias vezes ao dia . um splint de abdução para ombro até o completo remo- Em condições de extrema dor (fase inflamatória), delamento do tecido capsular. em que qualquer mobilização exacerba os sintomas, a Com gradual recuperação da mobilidadc articular, estimulação elétrica neuromuscular transcutânea (TNS) iniciam-se os exercícios ativos objetivando o retorno da é empregada para estimular os proprioceptores mecanos- coordenação de movimento e da função. Devem come- sensíveis e alívio da dor espontânea. A mobilidade con- çar com carga baixa, a partir do decúbito dorsal e res- 622 Rev Bras Ortop – Vol. 28. N.º 9 – Setembro, 1993
  • 7. CAPSULITE ADESIVA (“OMBRO CONGELADO”). ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR Fig. 3 — Grande ênfase deve ser dada aos exercícios Caseiros: a) elevação com bastão; b) elevação com roldana de teto. Fig. 2 — Mobilização passiva oscilatória controlada (técnica de Mai- tland): a) movimento acessório translacional (ântero-posterior); b) mo- vimento fisiológico angular de abdução (20) peitando os limites de fadiga do paciente ; progressiva- (5) mente, aumenta-se a carga (que varia de 0,5 a 2,5kg) e verticaliza-se o tronco. Os exercícios prescritos visam o aumento da atividade do manguito rotador e as três porções do deltóide, através de movimentos de abdução em plano escapular, rotação externa e extensão do om- b r o( 5 ) . DISCUSSÃO sos de capsulite adesiva em 233 lesões de manguito ro- tador. A capsulite adesiva é a mais polêmica das patolo- Não concordamos com algumas afirmações da biblio- gias do ombro. Desde sua denominação e possível etiolo- grafia sobre o assunto, entre as quais: 1°) “a artrografia gia (quadro 1), até as formas adequadas de tratamento, alivia os sintomas” — a quantidade mínima de contras - existem opiniões diversas e opostas(1,3,6-10,12,13,15,17,19) . A te injetado é ideal para diagnosticar uma cápsula retraí- bibliografia sobre o assunto é escassa e nem sempre abor- da, mas não é suficiente para realizar uma distensão efi- da o tema sob o ponto de vista amplo. No Brasil, Morel- ciente; 2º) “a artroscopia é uma forma adequada de tra- (15) li & Morelli apresentaram bons resultados no trata- tamento” — os poucos palestrantes sobre o assunto já mento fisioterápico de apenas cinco pacientes. Embora não a defendem mais, e os livros-texto são reticentes a os casos de capsulite adesiva não sejam muito freqüen- respeito; 3°) “o quadro evoluirá hem, não importando tes na prática ortopédica diária, eles aparecem em núme- o método de tratamento adequado”(3) — sabe-se que o ro proporcional bem maior na clínica especializada em quadro doloroso diminuirá, mas as rotações externa e ombro. Neer, Flatow & Lech(l6) encontraram 14% de de ca- interna permanecerão com restrições, embora a elevação Rev Bras Ortop — Vol. 28, N° 9 — Setembro,1993 623
  • 8. O. LECH, G. SUDBRACK & C. VALENZUELA Nº no plano escapular possa melhorar, a ponto de permitir Os resultados finais mostram que apenas 19 pacien- a realização de tarefas comuns. tes (33,3%) podem ser considerados excelentes; 38 pacien- A abordagem multidisciplinar da capsulite adesiva tes (67,7%) permaneceram com algum tipo de limitação é o fator decisivo para a obtenção de resultados funcio- funcional. nais adequados; o diagnóstico ortopédico correto, a con- tribuição do algologista para a diminuição do quadro REFERÊNCIAS doloroso (principal motivo de insucesso dos tratamen- tos), uma equipe de reabilitação familiarizada com a com- 1. Baslund, B., Thomsen, B. & Jensen, E.: Frozen shoulder: current concepts. Scand J Rheumatol 19: 321-325, 1990. plexidade desta patologia e o paciente e seus familiares, 2. Codman, E.: The shoulder: rupture of the supraspinatus tendon envolvidos no processo de entendimento e participação and other lesions in or about the subacromial bursa, Supplement ativa do tratamento, são fatores que certamente antecipa- Edition, Robert Krieger, 1984. rão a cura. É importante que o paciente compreenda 3. Grey, R.G.: The natural history of “idiopathic” frozen shoulder. J Bone Joint Surg 60:564, 1978. que esta é uma patologia de longa evolução e que serão 4. Hubault, A.: Les rétractions capsulaires et leurs expressions clini- necessários disciplina e um longo período de reabilitação ques. ProbI Actueles Rheum:. 200-211, 1985. na clínica e em casa, para uma melhora aceitável do qua- 5. Jobe, F., Townsend, H., Pink, M. & Perry, J.: Electromyogra- dro. Costumamos dizer que o resultado do tratamento phic analysis of the glenoumeral muscles during a baseball rehabi- litation program. Am J Sports Med 19: 264-272, 1991. nunca deve ser avaliado antes de 10 a 12 meses e o pacien- 6 . Kisner, C. & Colby, L.A.: Exercícios terapêuticos — Técnicas e te deve saber disto, pois participará ativamente durante fundamentos, 5ª ed, Manole, 1987. Cap. 5. todo o tempo. 7 . Le Bars, D. & Willer, J.C.: Fisiologia da sensação dolorosa, in Observa-se que os melhores resultados são obtidos Bonnet, F.: A dor no meio cirúrgico, Artes Médicas, 1992. 8 . Lech, O.: Conferência III Curso Patologia do Ombro, Porto Ale- nos pacientes que permaneceram em maior tempo em gre, 1993. programa de reabilitação, naqueles em que o diagnósti- 9 . Leffert, R.D.: Frozen shoulder. AAOS Instructional Course, co foi realizado precocemente e naqueles que efetivamen- 1986. te realizaram o programa de exercícios caseiro — “orto- 10. Maitland, G.D.: Peripheral manipulation, 2.ª ed, Butterworth, (20) 1977. terapia” . 11. Maitland, G.D.: Treatment of the glenoumeral joint by passive A adesão ao tratamento é um fator importante a movement. Physiother 69: 3-7, 1983. discutir; 82,4% dos pacientes da série já haviam tido tra- 12. Matsen III, F.A., Bonica, J.J. & Franklin, J.: Pain in the shoul- tamento prévio com uma média de três ortopedistas ou der, arm and elbow, in: Bonica, J.J.: The management of pain, Lea & Febiger, 1990. serviços de reabilitação. Na grande maioria deles, o diag- 1 3 . McClure, P.W. & Flower, K. R.: Treatment of limited shoulder nóstico de capsulite adesiva não havia sido feito; nos de- motion using an elevation splint. Physiother 72: 57-62, 1992. mais, a opinião era de que o tratamento ‘‘não estava 1 4 . Meier, J.L., Gobelet, C. & Waldburger, M.: Epaule gelée: adiantando nada”. algoneurodystrophie particulière de l’épaule? In Les algodystro- phies sympathiques reflexes, Masson, 1987. Foram analisados 30 (52,6%) pacientes com capsuli- 1 5 . Morelli, R. & Morelli, I.: Capsulite adesiva (“ombro congelado”). te adesiva em que haviam “doenças gerais” associadas Rev Bras Ortop 24: 287-290, 1989. (grupo I); nestes, observou-se maior incidência de resulta- 1 6 . Neer, C.S., Flatow, E. & Lech, O.: Tears of the rotator cuff — dos regular e mau. Por outro lado, os 27 (47,3%) pacien- Long term results of anterior acromioplasty and repair. O r t h o p Trans (12): 735, 1988. tes que apresentaram formas variadas de ombro congela- 1 7 . Quinn, E.H.: Humeroscapular periarthritis. Observations on the do devido a patologia específica do ombro (grupo II) ti- effects of X-ray therapy and ultrasonic therapy in cases of frozen veram uma percentagem maior de resultados bom e exce- shoulder. Ann Phys Med 10: 64-69, 1969. lente. Depreende-se daí que existem fatores ainda não 1 8 . Reeves, B.: The natural history of frozen shoulder syndrome. Scand J Rheumatol 4: 193-196, 1975. conhecidos na gênese da capsulite adesiva e que os trata- 1 9 . Rizk, T., Christopher, R.P. & Pinnals, R.S.: Adhesive capsulitis mentos atuais ainda não são capazes de modificar. (Frozm shoulder) — A new approach to its management. Arch Por esse motivo, existem várias formas de tratamen- Phys Med Rehabil 64: 29-33, 1983. to (quadro 4), tais como: fisioterapia e medicação (66,6%), 2 0 . Rockwood, C.: Frozen shoulder, in Rockwood, C. & Matsen, F.: (Murnaghan, J.P.: Author’s preferred method of treatment). The fisioterapia e infiltração (3,5%), manipulação sob aneste- shoulder, W.B. Saunders, 1990. Vol. 2, Cap. 21. sia e distensão hidráulica (22,8%), manipulação sob anes- 2 1 . Walsh, D.: Nociceptive pathways — Relevance to the physiothera- tesia e cirurgia (15,7%). pist. Physiother 77: 317-321, 1991. 624 Rev Bras Ortop — Vol. 28, Nº 9 — Setembro, 1993