SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
PAINEL: CORPO CLÍNICO FECHADO X CORPO CLÍNICO ABERTO
Por Guilherme Brauner Barcellos
Coordenador do Programa de Hospitalistas do Hospital Divina Providência
Médico do Programa de Gestão da Qualidade e da Informação em Saúde (Qualis) -
Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Fellow in Hospital Medicine/Society of Hospital Medicine
Roteiro Proposto
Diante da transformação pela qual os médicos vem passando, com os desafios de
competitividade de mercado, o avanço da tecnologia e a sobrevivência em um cenário
cheio de turbulências, tem diminuído o número de profissionais que optam por
manter um consultório. Nota-se o aumento do interesse dos profissionais em atrelar-
se aos instituições de saúde.
• Entenda quais são as vantagens e desvantagens do corpo clínico aberto e fechado.
• O corpo clínico aberto gera riscos para os hospitais consolidados?
• Como remunerar esses profissionais?
• Como fidelizar o corpo clínico?
• Analise qual a melhor opção para a sua instituição e reduza custos.
• Tire suas dúvidas.
Definições Tradicionais
HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO ABERTO
É onde se permite a quaquer profissional
independente credenciado internar e tratar seus
pacientes.
HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO FECHADO
É onde não se permitem atividades de outros
profissionais além de um grupo fechado. Apenas
muito eventualmente, mediante permissão
especial, libera-se o exercício para terceiro.
HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO ABERTO
É onde se permite a quaquer profissional
independente credenciado internar e tratar seus
pacientes.
HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO FECHADO
É onde não se permitem atividades de outros
profissionais além de um grupo fechado. Apenas
muito eventualmente, mediante permissão
especial, libera-se o exercício para terceiro.
DA DÉCADA DE 70
NÃO DÃO CONTA DA COMPLEXIDADE E DO
DINAMISMO DA PRÁTICA HOSPITALAR MODERNA
POUCO CENTRADAS NO PACIENTE
CONSTUMAM SERVIR APENAS PARA FOMENTAR
EXERCÍCIOS DE PODER IMPRODUTIVOS
Definições Tradicionais
Frequentemente escondem [mal] outras questões
ou mitos, como:
• a defesa da atividade “liberal”
De acordo com 2011 Today’s Hospitalist Compensation & Career
Survey, mais da metade dos hospitalistas no EUA não são
empregados dos hospitais. As possibilidades de contratos, vínculos e
formas de remuneração dos profissionais podem variar. Interessa
mesmo onde se quer chegar, e como se vai tentar.
• sugestão de que uma corresponde à atividade 100%
independente, absolutamente autônoma, e de que somente o
corpo clínico fechado é gerenciável.
Administrators must measure quality
indicators, mortality, length of stay,
readmissions, infection rates, cost per case
and other metrics and set minimum
standards for physicians who practice in
their hospital whether they are hospitalists
or not. The minimum standards should be
the same for all. Perverse financial
incentives will unfortunately promote care
processes that are not necessarily in the
best interest of the patients. David Klocke,
Chair, Division HM, Mayo Clinic em
04/10/2010
O sistema norte-americano já está claramente dividido
com 3 tipos de médicos categorizados
de acordo com sua relação com o hospital,
e não mais em corpo clínico predominantemente aberto ou fechado:
• The home team
• Important visitors
• Office-based physicians
E o sistema brasileiro tem percorrido o mesmo caminho!
The Home Team versus Important Visitors
Realidade local e atual (quem sou, qual meu perfil, quem
são meus pacientes, onde quero chegar, o que me é mais
custo-efetivo) deve pautar a maior utilização de um ou de
outro, bem como a maneira de se relacionarem.
Médico de Família
Internista
Pediatra
Ambulatório Inpatient
Hospitalista
Sistema norte-americano:
exemplo de composição
Sub-especialistas
Eis que, recentemente, Gerente de Qualidade e Segurança de tradicional hospital paulista
disse-me: “vontade até teríamos, mas não podemos em razão de nosso corpo clínico”.
Se refere-se a clínicos e pediatras, estaríamos falando apenas em posicioná-los diferente.
Se refere-se a sub-especialistas: NÃO SE FAZ MAIS BOA MEDICINA SEM ELES!
O QUE É O
HOSPITALISTA?
O conceito é de uma simplicidade incrível,
mas, antes de apresentá-lo, para aguçar interesse...
• Nos EUA, os médicos que passaram a atuar nele
organizaram-se por sociedade de especialidade
(Society of Hospital Medicine) e hoje representam a
que mais rapidamente cresceu na história da
medicina moderna:
2012 AHA Survey
• 38,114
• Estimativas conservadoras
para 2014: 44,456
• Presentes em 66% dos
hospitais norte-
americanos.
• Estimativas conservadoras
para 2014: 72%
Estão em praticamente todos os
melhores hospitais norte-americanos…
E está longe de ser impossível no Brasil…
Caxias D’Or - Hospital Privado - RJ
Hospital Nossa Senhora dos Navegantes - SUS - RS
Hospital Pompéia - Filantrópico - RS
O conceito é de uma
simplicidade incrível...
• Não mais “passar visita” e ir fazer qualquer
outra coisa for a da instituição;
• Dedicação e envolvimento com o hospital;
• Generalismo;
• Coordenação do cuidado hospitalar da
admissão à alta;
• Continuidade das/nas equipes deve importar
tanto quanto continuidade do cuidado
Diabolicamente difícil está sendo convencer algumas instituições a abandonar a maneira
pela qual sempre trabalharam e se engajar na promoção da inovação.
O Modelo com Hospitalistas I
Gerenciamento de Pacientes Clínicos
O Modelo com Hospitalistas II
Comanejo Clínico-Cirurgião/Sub-Especialista
”divisão de responsabilidade e autoridade”
“não é consultoria”
O Modelo com Hospitalistas III
Atividades “Não Clínicas”
• Participação em Comissões
Hospitalares ----------- 92%
• Em projetos de melhoria da
qualidade e segurança do
paciente ----------------- 86%
(SHM 2005-2006 Survey)
• Desenvolvimento, implantação e
aprimoramento de rotinas e
protocolos clínicos
• Ensino / treinamentos
2011-2012 Quality Improvement
Community Engagement Survey
• 54% dos hospitalistas norte-americanos com treinamento formal em
melhoria da qualidade;
• 96% dos respondedores estiveram envolvidos em projetos de melhoria da
qualidade e segurança no ano anterior;
• 42% tem de 0-10% de tempo protegido para dedicação a projetos de
melhoria da qualidade e segurança e 26% tem 11-20%.
• “The top projects” multidisciplinares em que participaram no ano anterior:
– Fluxo de pacientes
– Melhoramentos e inovações em TI
– Readmissiões
– TEV/anticoagulantes
– Controle glicêmico
– Reconciliação medicamentosa
– Sepse
O Modelo com Hospitalistas IV
Add-On Services
• Time de PCR
• Time de Resposta Rápida
• Time de Procedimentos Guiados por Ecografia
• Equipe de Cuidados Paliativos
• Consultorias tradicionais
• …
Time de
Resposta
Rápida
Gestão da
Segurança
Rotinas
Assistenciais
Gerenciam
de Leitos
Educação
Continuada
Pesquisa
Auditoria
Clínica
O hospitalista pode e deve atuar
muito além do atendimento direto ao paciente
Hospitalista não é…
• Plantão clínico (por melhor que seja);
• TRR (embora possa compor);
• Auxiliar administrativo (mas por que não se comportar como tal?);
• Assessor ou auditor da gerência de qualidade
Da a teoria à prática
Add-On Services
Pacientes próprios Co-manejo Clínico-CIrurgião
Da teoria a prática no Brasil…
Hospital Divina Providência
• Início do programa em março
de 2014, com aproveitamento
de um hospitalista que já existia
na casa;
• 3 hospitalistas totalmente
dedicados e 3
parcialmente;
• Co-manejo clínico-
cirurgião bariátrico;
• Participação em
comissões;
• Time de Resposta Rápida
Da teoria à prática no Brasil… Hospital Pompéia
Rev Soc Bras Clin Med. 2013 out-dez
Da teoria a prática no Brasil… Hospital Santa Izabel
• Foi feita por eles uma análise de coorte
retrospectiva, comparando antes e depois. A
variável estudada foi custos hospitalares, através
da média de repasse por AIH do SUS. Foram
incluídos 509 pacientes do período pré-
hospitalista e 423 pacientes do período pós-
hospitalista. Como houve redução do tempo de
internação, aumentou a rotatividade de
pacientes.
• Considerando apenas o repasse de AIH´s, houve
uma economia de cerca de 100.000 reais, no
período de 6 meses.
Modelo Global de Assistência em
Hospital com Hospitalistas
Modelo
Internistas
tradicionais
Hospitalistas
Add-on
services
Intensivistas
Emergencistas
Outra Equipe Especial
“Visitantes
importantes”
Roteiro Proposto
Diante da transformação pela qual os médicos vem passando, com os desafios de
competitividade de mercado, o avanço da tecnologia e a sobrevivência em um cenário
cheio de turbulências, tem diminuído o número de profissionais que optam por
manter um consultório. Nota-se o aumento do interesse dos profissionais em atrelar-
se aos instituições de saúde.
• Entenda quais são as vantagens e desvantagens do corpo clínico aberto e fechado.
• O corpo clínico aberto gera riscos para os hospitais consolidados?
• Como remunerar esses profissionais?
• Como fidelizar o corpo clínico?
• Analise qual a melhor opção para a sua instituição e reduza custos.
• Tire suas dúvidas.
http://www.safetymed2014.com.br
Obrigado ! ! !
gbbarcellos@medicinahospitalar.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptxComo conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptxDheniseMikaelly
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341voceduardomscsousa
 
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPia
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPiaConflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPia
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPiagalegoo
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga Dra. Filomena Neto
 
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)Monica Mamedes
 
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergênciaPalestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergênciaWelfane Cordeiro Junior
 
12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa perifericaRafael Tatajuba
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxNaraLcia2
 
Aula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do PacienteAula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do PacienteProqualis
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteMarco Lamim
 
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'Proqualis
 
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbv
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbvSamu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbv
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbvAlessandra Silva
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonEdison Santos
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Proqualis
 

Mais procurados (20)

Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptxComo conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPia
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPiaConflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPia
Conflitos éTicos Em Uti Colorido Com Marcadores Para CóPia
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
 
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
2 apresentacao situacional_das_urgencias (1)
 
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergênciaPalestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
 
12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica
 
Gestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta HospitalarGestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta Hospitalar
 
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e EmergênciasExposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Aula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do PacienteAula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do Paciente
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
 
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbv
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbvSamu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbv
Samu protocolo-de-suporte-básico-de-vida-sbv
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Segurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátricoSegurança do paciente pediátrico
Segurança do paciente pediátrico
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
 

Destaque

Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710InformaGroup
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalarRenata Cristina
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalarbiblisaocamilo
 
Orientação pós alta-hospitalar - DPOC
Orientação pós alta-hospitalar - DPOCOrientação pós alta-hospitalar - DPOC
Orientação pós alta-hospitalar - DPOCPCare Fisioterapia
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Aroldo Gavioli
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalarJosy Braga
 
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...Proqualis
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaViviane da Silva
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Proqualis
 
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação PessoalAgente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação PessoalFrederico Brandão
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarTCC_FARMACIA_FEF
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaTeresa Oliveira
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaManoela Correia
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemYasmin Casini
 

Destaque (16)

Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalar
 
Orientação pós alta-hospitalar - DPOC
Orientação pós alta-hospitalar - DPOCOrientação pós alta-hospitalar - DPOC
Orientação pós alta-hospitalar - DPOC
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...
Por que empregar fatores humanos é importante para a segurança do paciente? -...
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmica
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação PessoalAgente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 

Semelhante a Corpo Clínico x Hospitalistas

Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...Nikiforos Junior
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio LiraCNseg
 
Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710InformaGroup
 
Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar  Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar Sueli Marques
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de riscoIsmael Costa
 
Application Of Lean Tools In Health Care A Literature Review
Application Of Lean Tools In Health Care  A Literature ReviewApplication Of Lean Tools In Health Care  A Literature Review
Application Of Lean Tools In Health Care A Literature ReviewJoe Andelija
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarLuciane Santana
 

Semelhante a Corpo Clínico x Hospitalistas (20)

Hospitalistas no Brasil
Hospitalistas no BrasilHospitalistas no Brasil
Hospitalistas no Brasil
 
Anais
AnaisAnais
Anais
 
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
 
Gestão Clínica
Gestão ClínicaGestão Clínica
Gestão Clínica
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
2º Fórum da Saúde Suplementar - Antonio Lira
 
Seminári..
 Seminári.. Seminári..
Seminári..
 
Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710Gestão do corpo clínico dy0714710
Gestão do corpo clínico dy0714710
 
Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar  Qualidade no atendimento médico hospitalar
Qualidade no atendimento médico hospitalar
 
A transformação da Gestão nos Hospitais do Futuro
A transformação da Gestão nos Hospitais do FuturoA transformação da Gestão nos Hospitais do Futuro
A transformação da Gestão nos Hospitais do Futuro
 
Valor - Michael Porter
Valor - Michael PorterValor - Michael Porter
Valor - Michael Porter
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
Talk show gramado
Talk show gramadoTalk show gramado
Talk show gramado
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
 
Revista saude para todos 1ª edição
Revista saude para todos  1ª ediçãoRevista saude para todos  1ª edição
Revista saude para todos 1ª edição
 
Application Of Lean Tools In Health Care A Literature Review
Application Of Lean Tools In Health Care  A Literature ReviewApplication Of Lean Tools In Health Care  A Literature Review
Application Of Lean Tools In Health Care A Literature Review
 
Demostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalarDemostração da Visita técnica hospitalar
Demostração da Visita técnica hospitalar
 

Mais de Guilherme Barcellos

Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeGuilherme Barcellos
 
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de EmergênciaChoosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de EmergênciaGuilherme Barcellos
 
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...Guilherme Barcellos
 
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na SaúdeO Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na SaúdeGuilherme Barcellos
 
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.Guilherme Barcellos
 
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?Guilherme Barcellos
 
Debunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalistsDebunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalistsGuilherme Barcellos
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresGuilherme Barcellos
 
Conflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na MedicinaConflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na MedicinaGuilherme Barcellos
 

Mais de Guilherme Barcellos (15)

Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
 
Brazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist MedicineBrazilian Hospitalist Medicine
Brazilian Hospitalist Medicine
 
TWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em PerioperatórioTWDFNR em Perioperatório
TWDFNR em Perioperatório
 
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de EmergênciaChoosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
Choosing Wisely aplicada à Medicina de Emergência
 
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
Does Preoperative Coronary Revascularization Improve Perioperative Cardiac Ou...
 
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na SaúdeO Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
O Estranho Mundo dos Conflitos de Interesse na Saúde
 
Medicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no BrasilMedicina Hospitalar no Brasil
Medicina Hospitalar no Brasil
 
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
O moderno movimento de segurança do paciente e o direito da saúde.
 
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
Times de Resposta Rápida: Há um Gatilho Ideal?
 
Debunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalistsDebunking the myths about the hospitalists
Debunking the myths about the hospitalists
 
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalaresDados brasileiros de eventos adversos hospitalares
Dados brasileiros de eventos adversos hospitalares
 
Choosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPAChoosing Wisely HCPA
Choosing Wisely HCPA
 
Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida Times de Resposta Rápida
Times de Resposta Rápida
 
Conflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na MedicinaConflitos de Interesse na Medicina
Conflitos de Interesse na Medicina
 
HM2014
HM2014HM2014
HM2014
 

Corpo Clínico x Hospitalistas

  • 1. PAINEL: CORPO CLÍNICO FECHADO X CORPO CLÍNICO ABERTO Por Guilherme Brauner Barcellos Coordenador do Programa de Hospitalistas do Hospital Divina Providência Médico do Programa de Gestão da Qualidade e da Informação em Saúde (Qualis) - Hospital de Clínicas de Porto Alegre Fellow in Hospital Medicine/Society of Hospital Medicine
  • 2. Roteiro Proposto Diante da transformação pela qual os médicos vem passando, com os desafios de competitividade de mercado, o avanço da tecnologia e a sobrevivência em um cenário cheio de turbulências, tem diminuído o número de profissionais que optam por manter um consultório. Nota-se o aumento do interesse dos profissionais em atrelar- se aos instituições de saúde. • Entenda quais são as vantagens e desvantagens do corpo clínico aberto e fechado. • O corpo clínico aberto gera riscos para os hospitais consolidados? • Como remunerar esses profissionais? • Como fidelizar o corpo clínico? • Analise qual a melhor opção para a sua instituição e reduza custos. • Tire suas dúvidas.
  • 3. Definições Tradicionais HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO ABERTO É onde se permite a quaquer profissional independente credenciado internar e tratar seus pacientes. HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO FECHADO É onde não se permitem atividades de outros profissionais além de um grupo fechado. Apenas muito eventualmente, mediante permissão especial, libera-se o exercício para terceiro. HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO ABERTO É onde se permite a quaquer profissional independente credenciado internar e tratar seus pacientes. HOSPITAL OU UNIDADE DE CORPO CLÍNICO FECHADO É onde não se permitem atividades de outros profissionais além de um grupo fechado. Apenas muito eventualmente, mediante permissão especial, libera-se o exercício para terceiro. DA DÉCADA DE 70 NÃO DÃO CONTA DA COMPLEXIDADE E DO DINAMISMO DA PRÁTICA HOSPITALAR MODERNA POUCO CENTRADAS NO PACIENTE CONSTUMAM SERVIR APENAS PARA FOMENTAR EXERCÍCIOS DE PODER IMPRODUTIVOS
  • 4. Definições Tradicionais Frequentemente escondem [mal] outras questões ou mitos, como: • a defesa da atividade “liberal”
  • 5. De acordo com 2011 Today’s Hospitalist Compensation & Career Survey, mais da metade dos hospitalistas no EUA não são empregados dos hospitais. As possibilidades de contratos, vínculos e formas de remuneração dos profissionais podem variar. Interessa mesmo onde se quer chegar, e como se vai tentar. • sugestão de que uma corresponde à atividade 100% independente, absolutamente autônoma, e de que somente o corpo clínico fechado é gerenciável. Administrators must measure quality indicators, mortality, length of stay, readmissions, infection rates, cost per case and other metrics and set minimum standards for physicians who practice in their hospital whether they are hospitalists or not. The minimum standards should be the same for all. Perverse financial incentives will unfortunately promote care processes that are not necessarily in the best interest of the patients. David Klocke, Chair, Division HM, Mayo Clinic em 04/10/2010
  • 6. O sistema norte-americano já está claramente dividido com 3 tipos de médicos categorizados de acordo com sua relação com o hospital, e não mais em corpo clínico predominantemente aberto ou fechado: • The home team • Important visitors • Office-based physicians E o sistema brasileiro tem percorrido o mesmo caminho!
  • 7. The Home Team versus Important Visitors Realidade local e atual (quem sou, qual meu perfil, quem são meus pacientes, onde quero chegar, o que me é mais custo-efetivo) deve pautar a maior utilização de um ou de outro, bem como a maneira de se relacionarem.
  • 8. Médico de Família Internista Pediatra Ambulatório Inpatient Hospitalista Sistema norte-americano: exemplo de composição Sub-especialistas Eis que, recentemente, Gerente de Qualidade e Segurança de tradicional hospital paulista disse-me: “vontade até teríamos, mas não podemos em razão de nosso corpo clínico”. Se refere-se a clínicos e pediatras, estaríamos falando apenas em posicioná-los diferente. Se refere-se a sub-especialistas: NÃO SE FAZ MAIS BOA MEDICINA SEM ELES!
  • 9. O QUE É O HOSPITALISTA?
  • 10.
  • 11. O conceito é de uma simplicidade incrível, mas, antes de apresentá-lo, para aguçar interesse... • Nos EUA, os médicos que passaram a atuar nele organizaram-se por sociedade de especialidade (Society of Hospital Medicine) e hoje representam a que mais rapidamente cresceu na história da medicina moderna: 2012 AHA Survey • 38,114 • Estimativas conservadoras para 2014: 44,456 • Presentes em 66% dos hospitais norte- americanos. • Estimativas conservadoras para 2014: 72%
  • 12. Estão em praticamente todos os melhores hospitais norte-americanos…
  • 13. E está longe de ser impossível no Brasil… Caxias D’Or - Hospital Privado - RJ Hospital Nossa Senhora dos Navegantes - SUS - RS Hospital Pompéia - Filantrópico - RS
  • 14. O conceito é de uma simplicidade incrível... • Não mais “passar visita” e ir fazer qualquer outra coisa for a da instituição; • Dedicação e envolvimento com o hospital; • Generalismo; • Coordenação do cuidado hospitalar da admissão à alta; • Continuidade das/nas equipes deve importar tanto quanto continuidade do cuidado Diabolicamente difícil está sendo convencer algumas instituições a abandonar a maneira pela qual sempre trabalharam e se engajar na promoção da inovação.
  • 15. O Modelo com Hospitalistas I Gerenciamento de Pacientes Clínicos
  • 16. O Modelo com Hospitalistas II Comanejo Clínico-Cirurgião/Sub-Especialista ”divisão de responsabilidade e autoridade” “não é consultoria”
  • 17. O Modelo com Hospitalistas III Atividades “Não Clínicas” • Participação em Comissões Hospitalares ----------- 92% • Em projetos de melhoria da qualidade e segurança do paciente ----------------- 86% (SHM 2005-2006 Survey) • Desenvolvimento, implantação e aprimoramento de rotinas e protocolos clínicos • Ensino / treinamentos
  • 18. 2011-2012 Quality Improvement Community Engagement Survey • 54% dos hospitalistas norte-americanos com treinamento formal em melhoria da qualidade; • 96% dos respondedores estiveram envolvidos em projetos de melhoria da qualidade e segurança no ano anterior; • 42% tem de 0-10% de tempo protegido para dedicação a projetos de melhoria da qualidade e segurança e 26% tem 11-20%. • “The top projects” multidisciplinares em que participaram no ano anterior: – Fluxo de pacientes – Melhoramentos e inovações em TI – Readmissiões – TEV/anticoagulantes – Controle glicêmico – Reconciliação medicamentosa – Sepse
  • 19. O Modelo com Hospitalistas IV Add-On Services • Time de PCR • Time de Resposta Rápida • Time de Procedimentos Guiados por Ecografia • Equipe de Cuidados Paliativos • Consultorias tradicionais • …
  • 20. Time de Resposta Rápida Gestão da Segurança Rotinas Assistenciais Gerenciam de Leitos Educação Continuada Pesquisa Auditoria Clínica O hospitalista pode e deve atuar muito além do atendimento direto ao paciente
  • 21. Hospitalista não é… • Plantão clínico (por melhor que seja); • TRR (embora possa compor); • Auxiliar administrativo (mas por que não se comportar como tal?); • Assessor ou auditor da gerência de qualidade
  • 22. Da a teoria à prática Add-On Services Pacientes próprios Co-manejo Clínico-CIrurgião
  • 23. Da teoria a prática no Brasil… Hospital Divina Providência • Início do programa em março de 2014, com aproveitamento de um hospitalista que já existia na casa; • 3 hospitalistas totalmente dedicados e 3 parcialmente; • Co-manejo clínico- cirurgião bariátrico; • Participação em comissões; • Time de Resposta Rápida
  • 24. Da teoria à prática no Brasil… Hospital Pompéia Rev Soc Bras Clin Med. 2013 out-dez
  • 25. Da teoria a prática no Brasil… Hospital Santa Izabel • Foi feita por eles uma análise de coorte retrospectiva, comparando antes e depois. A variável estudada foi custos hospitalares, através da média de repasse por AIH do SUS. Foram incluídos 509 pacientes do período pré- hospitalista e 423 pacientes do período pós- hospitalista. Como houve redução do tempo de internação, aumentou a rotatividade de pacientes. • Considerando apenas o repasse de AIH´s, houve uma economia de cerca de 100.000 reais, no período de 6 meses.
  • 26. Modelo Global de Assistência em Hospital com Hospitalistas Modelo Internistas tradicionais Hospitalistas Add-on services Intensivistas Emergencistas Outra Equipe Especial “Visitantes importantes”
  • 27. Roteiro Proposto Diante da transformação pela qual os médicos vem passando, com os desafios de competitividade de mercado, o avanço da tecnologia e a sobrevivência em um cenário cheio de turbulências, tem diminuído o número de profissionais que optam por manter um consultório. Nota-se o aumento do interesse dos profissionais em atrelar- se aos instituições de saúde. • Entenda quais são as vantagens e desvantagens do corpo clínico aberto e fechado. • O corpo clínico aberto gera riscos para os hospitais consolidados? • Como remunerar esses profissionais? • Como fidelizar o corpo clínico? • Analise qual a melhor opção para a sua instituição e reduza custos. • Tire suas dúvidas.
  • 28. http://www.safetymed2014.com.br Obrigado ! ! ! gbbarcellos@medicinahospitalar.com.br