SlideShare uma empresa Scribd logo
www.proeletronic.com.br
Arthur R. Santos Jr. [email_address]
Histórico da PROQUALIT ,[object Object]
Histórico da PROQUALIT ,[object Object]
Histórico da PROQUALIT ,[object Object]
Histórico da PROQUALIT ,[object Object]
FILIAL EM MINAS GERAIS Em 2008 segunda planta industrial na cidade de Sapucaí Mirim
Setores de atuação  ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
www.instonline.com.br www.proeletronic.com.br
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Apresentação – Instituto Online
Nossos cursos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Projeto de radioenlaces para Wi-Fi ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estrutura de uma rede cabeada ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estrutura wireless LAN ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Sistema de comunicação sem fio Transmissor/ Receptor Atmosfera Distância Antena Antena Linhas de transmissão Transmissor/ Receptor
Radiofrequência - Definição ,[object Object],[object Object],[object Object]
Banda ISM -   Industrial, Scientific and Medical ,[object Object],902 a 928 MHz 26 MHz 2,4 GHz a 2,4835 GHz 83,5 MHz (IEEE 802.11b/g/n) 5,15 - 5,35 GHz 5,470 - 5,725 GHz 5,725 - 5,850 GHz 480MHz (IEEE 802.11a/n)
Padrões Wireless LAN   802.11b 802.11g 802.11a 802.11n Velocidade Até 11 Mbps Até 54 Mbps Até 54 Mbps Até 600 Mbps Frequência 2,4 GHz 5 GHz 2,4 GHZ e 5 GHz Tecnologia DSSS DSSS/OFDM OFDM MIMO/OFDM Compatibilidade 802.11.g/n 802.11b/n 802.11a/n 802.11a/b/g
Anatomia da forma de onda X y f = freqüência = número de ciclos por segundo (Hertz) λ = Comprimento de onda (metros) f = c /  λ 90 o 180 o 270 o 360 o 0 o
λ a  λ b  f = c /  λ λ a >  λ b   => f a <  f b   Anatomia da forma de onda
Comprimento de onda ,[object Object],[object Object],[object Object],802.11a -> Melhor penetração em obstáculos com estruturas metálicas de espaçamento pequeno 2,45 GHz 5,75 GHz λ  = 12,24 cm  λ  = 5,19 cm
Matemática da Radiofreqüência Potência a serem determinadas  Transmissor/ Receptor L atm  = Perdas na Atmosfera Perdas nas Linhas de transmissão Transmissor/ Receptor P TXA P TXB P eA P eB G B  = Ganho antena B  G A  = Ganho antena A  Potência de transmissão do rádio S RXA S RXB Sensibilidade de recepção do rádio S RXA  = P TXB  – P eB  + G B  - L atm  + G A  - P eA Sensibilidade de recepção do rádio S RXB  = P TXA  – P eA  + G A  - L atm  + G B  - P eB
[object Object],[object Object],Logarítmo log 100 = 2  porque  10 2  = 100 log 10 = 1  porque  10 1  = 10 log 1 = 0  porque  10 0  = 1 log 2 = 0,3  porque  10 0,3  = 2
Relação de potências – Decibel (dB) P Ref  = 50 mW P Saída  =  X2 Relação ent/saída= R E/S  =  P Saída P Ref = 100 mW 50 mW = 2 dBm = 10 log  R E/S  =  10 log  2  =  3 dBm 100 mW Ex.: Antena
Decibel dBm = 10 log  R E/S  =  10 log  2  =  3 dBm -40  -30  -20  -10  0  +10  +20  +30  +40 ÷10000  ÷1000  ÷100  ÷10  1  x10  x100  x1000  x10000 dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm -12  -9  -6  -3  0  +3  +6  +9  +12 ÷16  ÷8  ÷4  ÷2  1  x2  x4  x8  x16 dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm  dBm
Irradiador Isotrópico ,[object Object],[object Object]
Potência isotrópica irradiada específica (eirp) Potência do transmissor (dBm) Rádio Psaída Conector Antena Cabo Feixe de RF Cabo eirp (potência de saída) + ganho da antena (dBi) –  perdas de conexão (dB) –  perdas nos cabos (dB) = eirp  (dBm)
Dipolo de meia onda
Linha de visada (zona de Fresnel) ,[object Object],[object Object],r 0 Até 40% de bloqueio da Zona de Fresnel é um valor aceitável para a boa transmissão/recepção de sinal
Ganho da antena É a capacidade de uma antena em concentrar, na direção de interesse, a potência que seria irradiada em outras direções, caso utilizasse uma antena isotrópica.  63% de luz passa   pelo círculo de mesma área 10% de luz passando pelo círculo de mesma área 30% de luz passando pelo círculo 100% de luz passando pelo círculo Ganho ocorre tanto na transmissão quanto na recepção
Polarização das antenas ,[object Object],Campo Elétrico Campo Elétrico
Perda de isolação por polarização cruzada Nível de recepção  (dBm) Freqüência Vertical - Vertical Isolação por polarização cruzada Vertical - Horizontal
Largura de feixe (ângulo de meia potência) Tipo de antena Largura de feixe vertical (Elevação)  (em graus) Largura do feixe horizontal (Azimute)  (em graus) Omnidirecional 7 a 80 360 Patch/Painel 6 a 90 30 a 180 Parabólica 4 a 21 4 a 25 Setorial 7 a 26 60 a 180
Diagrama de irradiação Vista de corte vertical ou de elevação (Plano-H).  Vista superior Diagrama horizontal ou  de Azimute (Plano-E).
Tipos de antenas ,[object Object],[object Object],[object Object]
Antenas Omnidirecionais Múltiplos dipolos em fase ½ λ Malha externa Linha de transmissão do transmissor Isolante Condutor interno Núm. de dipolos Ganho médio (dBi) 1 2,15 2 5,15 4 8,15 8 11,15 16 14,15
Antenas Omni Proeletronic
Antenas omnidirecionais – Aplicação
Antena painel
Antena painel Proeletronic Painel setorial de 60° Painel setorial de 90°
Painel setorial - Aplicação Vantagem:  . Maior número de assinantes . Maior alcance Pilhagem:  . 6 paineis de 60° = ominidirecional . 4 paineis de 90° = Ominidirecional
Antenas direcionais grade Ganho (dBm) é proporcional a área
Antenas grade - Aplicação
Antenas grade - Aplicação
Antenas grade - Proeletronic
Conectores
Exemplo de cálculo de link Access Point  20 dBm Access Point 20 dBm PigTail = 0,50 dB Protetor de raio = 0,05 dB Cabo LMR 400 = 0,22 dB Conector = 0,25 dB Antena A = 17 dBi Antena B = 17 dBi 10 Km
Exemplo de cálculo de link 1) Atenuação sofrida pelo sinal no trajeto entre as antenas: L  = 20 log(10) + 20 log(2,437) + 92,44 + 20    L = 130 dB 2) Sinal recebido no rádio A: S A  =  20 – 1,02 + 17 – 130 + 17 – 1,02     S A  = - 78 dBm 3) Sinal recebido no rádio B:   S B  =  20 – 1,02 + 17 – 130 + 17 – 1,02     S B  = - 78 dBm L  = 20 log( d ) + 20 log( f)  + 92,44 + 10 S A  = Pot. Rádio B – Perdas linha B + Ganho antena B – Perdas espaço livre    + Ganho antena A – Perdas linha A S B  = Pot. Rádio A – Perdas linha A + Ganho antena A – Perdas espaço livre    + Ganho antena B – Perdas linha B
Exemplo de cálculo de link 4) Verifique dos dados do fabricante se o valor de sinal que chega a cada    rádio é suficiente para sensibilizar o rádio: Como os rádios estão recebendo apenas -78 dBm, faltam 7 dBm para o sistema funcionar na máxima velocidade. Logo, resolvo o problema trocando as antenas de 17dBi  por antenas de 25 dBi Proeletronic. Sensibilidade de recepção do rádio 11 Mbps 54 Mbps -84 dBm - 71 dBm
Obrigado Arthur R. Santos Jr. [email_address]
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistanciasComunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistancias
PauloMaiaCampos
 
Mini Curso RFID Módulo I - Dr. Jung
Mini Curso RFID  Módulo I - Dr. JungMini Curso RFID  Módulo I - Dr. Jung
Mini Curso RFID Módulo I - Dr. Jung
Carlos Fernando Jung
 
Fundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüênciaFundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüência
Carlos Melo
 
Formação ITED Ensaios Coaxial
Formação ITED Ensaios CoaxialFormação ITED Ensaios Coaxial
Formação ITED Ensaios Coaxial
Fernando Reis
 
Modulação Por Fase
Modulação Por FaseModulação Por Fase
Modulação Por Fase
Fábio Seco
 
Aula 2 - Redes sem fios - Microondas
Aula 2 - Redes sem fios - MicroondasAula 2 - Redes sem fios - Microondas
Aula 2 - Redes sem fios - Microondas
Andre Peres
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
Carlos Melo
 
Bandas de radiofrequência
Bandas de radiofrequênciaBandas de radiofrequência
Bandas de radiofrequência
PauloMaiaCampos
 
Cabeamento topologia
Cabeamento topologiaCabeamento topologia
Cabeamento topologia
redesinforma
 

Mais procurados (20)

Formação TDT
Formação TDTFormação TDT
Formação TDT
 
Comunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistanciasComunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistancias
 
Treinamento antenas
Treinamento antenasTreinamento antenas
Treinamento antenas
 
Mini Curso RFID Módulo I - Dr. Jung
Mini Curso RFID  Módulo I - Dr. JungMini Curso RFID  Módulo I - Dr. Jung
Mini Curso RFID Módulo I - Dr. Jung
 
Fundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüênciaFundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüência
 
Apostila de antena coletiva
Apostila de antena coletivaApostila de antena coletiva
Apostila de antena coletiva
 
Spectrum day-2009-star one-pb
Spectrum day-2009-star one-pbSpectrum day-2009-star one-pb
Spectrum day-2009-star one-pb
 
Formação ITED Ensaios Coaxial
Formação ITED Ensaios CoaxialFormação ITED Ensaios Coaxial
Formação ITED Ensaios Coaxial
 
Transmissão de informação
Transmissão de informaçãoTransmissão de informação
Transmissão de informação
 
Trasmissão de sinal de Tv
Trasmissão de sinal de TvTrasmissão de sinal de Tv
Trasmissão de sinal de Tv
 
Modulação Por Fase
Modulação Por FaseModulação Por Fase
Modulação Por Fase
 
Sistemas de Transmissão Digital
Sistemas de Transmissão Digital Sistemas de Transmissão Digital
Sistemas de Transmissão Digital
 
Aula 2 - Redes sem fios - Microondas
Aula 2 - Redes sem fios - MicroondasAula 2 - Redes sem fios - Microondas
Aula 2 - Redes sem fios - Microondas
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
 
Bandas de radiofrequência
Bandas de radiofrequênciaBandas de radiofrequência
Bandas de radiofrequência
 
2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem
 
Cabeamento topologia
Cabeamento topologiaCabeamento topologia
Cabeamento topologia
 
27 transmissão da informação
27  transmissão da informação27  transmissão da informação
27 transmissão da informação
 
Transmissão de Informação
Transmissão de InformaçãoTransmissão de Informação
Transmissão de Informação
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
 

Destaque (16)

Manual das antenas
Manual das antenasManual das antenas
Manual das antenas
 
Antena Logaritmica
Antena LogaritmicaAntena Logaritmica
Antena Logaritmica
 
Aula 4 - Redes sem fios - Antenas
Aula 4 - Redes sem fios - AntenasAula 4 - Redes sem fios - Antenas
Aula 4 - Redes sem fios - Antenas
 
Logaritmica
LogaritmicaLogaritmica
Logaritmica
 
Diseño de antena logaritmica periodica para tv digital
Diseño de antena logaritmica periodica para tv digitalDiseño de antena logaritmica periodica para tv digital
Diseño de antena logaritmica periodica para tv digital
 
JORNAL MURAL DA IMPRENSA JOVEM
JORNAL MURAL DA IMPRENSA JOVEMJORNAL MURAL DA IMPRENSA JOVEM
JORNAL MURAL DA IMPRENSA JOVEM
 
00045847 (2)
00045847 (2)00045847 (2)
00045847 (2)
 
Antena Ranurada
Antena RanuradaAntena Ranurada
Antena Ranurada
 
Antenas rombicas y cuadradas
Antenas rombicas y cuadradasAntenas rombicas y cuadradas
Antenas rombicas y cuadradas
 
Taller uno antenas
Taller uno antenasTaller uno antenas
Taller uno antenas
 
Apresentaçã O Jornal Mural
Apresentaçã O Jornal MuralApresentaçã O Jornal Mural
Apresentaçã O Jornal Mural
 
Jornal mural
Jornal muralJornal mural
Jornal mural
 
Jornal Mural
Jornal MuralJornal Mural
Jornal Mural
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 

Semelhante a Palestra Proeletronic - Congresso Ceitel

Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
ssuser892ef3
 
Cobra 148-gtl manual em portugues
Cobra 148-gtl   manual em portuguesCobra 148-gtl   manual em portugues
Cobra 148-gtl manual em portugues
Henrique Carvalho
 
Cobra 148-gtl
Cobra 148-gtlCobra 148-gtl
Cobra 148-gtl
rambo03
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Faculdade Mater Christi
 

Semelhante a Palestra Proeletronic - Congresso Ceitel (20)

Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
Sistemas de Telecomunicações Decibel db. Rui Marcelino Abril Engenharia Elect...
 
Antenas parabólicas.pdf
Antenas parabólicas.pdfAntenas parabólicas.pdf
Antenas parabólicas.pdf
 
Wireless - Aula 7
Wireless - Aula 7Wireless - Aula 7
Wireless - Aula 7
 
Alfacomp e Altus 2010
Alfacomp e Altus 2010Alfacomp e Altus 2010
Alfacomp e Altus 2010
 
Teoria slides - antenas e microondas
Teoria   slides - antenas e microondasTeoria   slides - antenas e microondas
Teoria slides - antenas e microondas
 
Spectrum day-2010-union
Spectrum day-2010-unionSpectrum day-2010-union
Spectrum day-2010-union
 
Newtec evolucoes-em-satellite-broadcast
Newtec evolucoes-em-satellite-broadcastNewtec evolucoes-em-satellite-broadcast
Newtec evolucoes-em-satellite-broadcast
 
Caixas acusticas integrando a acustica e a electroacustica
Caixas acusticas   integrando a acustica e a electroacusticaCaixas acusticas   integrando a acustica e a electroacustica
Caixas acusticas integrando a acustica e a electroacustica
 
RegulaçãO3
RegulaçãO3RegulaçãO3
RegulaçãO3
 
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
 
SERVIÇO MANUAIS COBRA 148GTL
SERVIÇO MANUAIS COBRA 148GTLSERVIÇO MANUAIS COBRA 148GTL
SERVIÇO MANUAIS COBRA 148GTL
 
Fibras ópticas
Fibras ópticasFibras ópticas
Fibras ópticas
 
Cobra 148-gtl manual em portugues
Cobra 148-gtl   manual em portuguesCobra 148-gtl   manual em portugues
Cobra 148-gtl manual em portugues
 
Cobra 148-gtl
Cobra 148-gtlCobra 148-gtl
Cobra 148-gtl
 
Cobra 148-gtl portugal
Cobra 148-gtl portugalCobra 148-gtl portugal
Cobra 148-gtl portugal
 
Rádio modem RM2071
Rádio modem RM2071Rádio modem RM2071
Rádio modem RM2071
 
Cabeamento estruturado teleprocessamento e redes ii
Cabeamento estruturado   teleprocessamento e redes iiCabeamento estruturado   teleprocessamento e redes ii
Cabeamento estruturado teleprocessamento e redes ii
 
Lista03
Lista03Lista03
Lista03
 
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicaçãoComponentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
Renandantas16
 
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 

Último (6)

Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 

Palestra Proeletronic - Congresso Ceitel

  • 2. Arthur R. Santos Jr. [email_address]
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. FILIAL EM MINAS GERAIS Em 2008 segunda planta industrial na cidade de Sapucaí Mirim
  • 8.
  • 9.  
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Sistema de comunicação sem fio Transmissor/ Receptor Atmosfera Distância Antena Antena Linhas de transmissão Transmissor/ Receptor
  • 17.
  • 18.
  • 19. Padrões Wireless LAN   802.11b 802.11g 802.11a 802.11n Velocidade Até 11 Mbps Até 54 Mbps Até 54 Mbps Até 600 Mbps Frequência 2,4 GHz 5 GHz 2,4 GHZ e 5 GHz Tecnologia DSSS DSSS/OFDM OFDM MIMO/OFDM Compatibilidade 802.11.g/n 802.11b/n 802.11a/n 802.11a/b/g
  • 20. Anatomia da forma de onda X y f = freqüência = número de ciclos por segundo (Hertz) λ = Comprimento de onda (metros) f = c / λ 90 o 180 o 270 o 360 o 0 o
  • 21. λ a λ b f = c / λ λ a > λ b => f a < f b Anatomia da forma de onda
  • 22.
  • 23. Matemática da Radiofreqüência Potência a serem determinadas Transmissor/ Receptor L atm = Perdas na Atmosfera Perdas nas Linhas de transmissão Transmissor/ Receptor P TXA P TXB P eA P eB G B = Ganho antena B G A = Ganho antena A Potência de transmissão do rádio S RXA S RXB Sensibilidade de recepção do rádio S RXA = P TXB – P eB + G B - L atm + G A - P eA Sensibilidade de recepção do rádio S RXB = P TXA – P eA + G A - L atm + G B - P eB
  • 24.
  • 25. Relação de potências – Decibel (dB) P Ref = 50 mW P Saída = X2 Relação ent/saída= R E/S = P Saída P Ref = 100 mW 50 mW = 2 dBm = 10 log R E/S = 10 log 2 = 3 dBm 100 mW Ex.: Antena
  • 26. Decibel dBm = 10 log R E/S = 10 log 2 = 3 dBm -40 -30 -20 -10 0 +10 +20 +30 +40 ÷10000 ÷1000 ÷100 ÷10 1 x10 x100 x1000 x10000 dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm -12 -9 -6 -3 0 +3 +6 +9 +12 ÷16 ÷8 ÷4 ÷2 1 x2 x4 x8 x16 dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm dBm
  • 27.
  • 28. Potência isotrópica irradiada específica (eirp) Potência do transmissor (dBm) Rádio Psaída Conector Antena Cabo Feixe de RF Cabo eirp (potência de saída) + ganho da antena (dBi) – perdas de conexão (dB) – perdas nos cabos (dB) = eirp (dBm)
  • 30.
  • 31. Ganho da antena É a capacidade de uma antena em concentrar, na direção de interesse, a potência que seria irradiada em outras direções, caso utilizasse uma antena isotrópica. 63% de luz passa pelo círculo de mesma área 10% de luz passando pelo círculo de mesma área 30% de luz passando pelo círculo 100% de luz passando pelo círculo Ganho ocorre tanto na transmissão quanto na recepção
  • 32.
  • 33. Perda de isolação por polarização cruzada Nível de recepção (dBm) Freqüência Vertical - Vertical Isolação por polarização cruzada Vertical - Horizontal
  • 34. Largura de feixe (ângulo de meia potência) Tipo de antena Largura de feixe vertical (Elevação) (em graus) Largura do feixe horizontal (Azimute) (em graus) Omnidirecional 7 a 80 360 Patch/Painel 6 a 90 30 a 180 Parabólica 4 a 21 4 a 25 Setorial 7 a 26 60 a 180
  • 35. Diagrama de irradiação Vista de corte vertical ou de elevação (Plano-H). Vista superior Diagrama horizontal ou de Azimute (Plano-E).
  • 36.
  • 37. Antenas Omnidirecionais Múltiplos dipolos em fase ½ λ Malha externa Linha de transmissão do transmissor Isolante Condutor interno Núm. de dipolos Ganho médio (dBi) 1 2,15 2 5,15 4 8,15 8 11,15 16 14,15
  • 41. Antena painel Proeletronic Painel setorial de 60° Painel setorial de 90°
  • 42. Painel setorial - Aplicação Vantagem: . Maior número de assinantes . Maior alcance Pilhagem: . 6 paineis de 60° = ominidirecional . 4 paineis de 90° = Ominidirecional
  • 43. Antenas direcionais grade Ganho (dBm) é proporcional a área
  • 44. Antenas grade - Aplicação
  • 45. Antenas grade - Aplicação
  • 46. Antenas grade - Proeletronic
  • 48. Exemplo de cálculo de link Access Point 20 dBm Access Point 20 dBm PigTail = 0,50 dB Protetor de raio = 0,05 dB Cabo LMR 400 = 0,22 dB Conector = 0,25 dB Antena A = 17 dBi Antena B = 17 dBi 10 Km
  • 49. Exemplo de cálculo de link 1) Atenuação sofrida pelo sinal no trajeto entre as antenas: L = 20 log(10) + 20 log(2,437) + 92,44 + 20  L = 130 dB 2) Sinal recebido no rádio A: S A = 20 – 1,02 + 17 – 130 + 17 – 1,02  S A = - 78 dBm 3) Sinal recebido no rádio B: S B = 20 – 1,02 + 17 – 130 + 17 – 1,02  S B = - 78 dBm L = 20 log( d ) + 20 log( f) + 92,44 + 10 S A = Pot. Rádio B – Perdas linha B + Ganho antena B – Perdas espaço livre + Ganho antena A – Perdas linha A S B = Pot. Rádio A – Perdas linha A + Ganho antena A – Perdas espaço livre + Ganho antena B – Perdas linha B
  • 50. Exemplo de cálculo de link 4) Verifique dos dados do fabricante se o valor de sinal que chega a cada rádio é suficiente para sensibilizar o rádio: Como os rádios estão recebendo apenas -78 dBm, faltam 7 dBm para o sistema funcionar na máxima velocidade. Logo, resolvo o problema trocando as antenas de 17dBi por antenas de 25 dBi Proeletronic. Sensibilidade de recepção do rádio 11 Mbps 54 Mbps -84 dBm - 71 dBm
  • 51. Obrigado Arthur R. Santos Jr. [email_address]
  • 52.  

Notas do Editor

  1. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  2. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  3. O Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc – IEEE, criou grupos de estudo para desenvolverem padrões, com o objetivo de orientar a indústria de equipamentos para aplicações sem fio, buscando interoperabilidade entre eles. As especificações criadas propõem: Wireless Personal Area Network (WPAN) Usa a tecnologia Bluetooth (802.15) com a vantagem de requerer baixa potência para permitir conectividade dentro de uma pequena área. Wireless LANs (WLAN): Usada dentro de edifícios para prover conectividade entre usuários móveis. Também pode ser usada para conexão entre edifícios em um campus. Wireless Metropolitan Area Network (WMAN) O 802.16 foi estabelecido em 1988 para criar um padrão para uma conexão fixa wireless ponto-para-multiponto que suportasse uma ampla área de cobertura. É um sistema wireless que alcança toda uma cidade usando links de alta potência para criar uma rede. Seu objetivo é proporcionar acesso wireless em banda larga para Internet e telefonia via Internet, usando VoIP. Unir muitos links wireless ponto-a- ponto para formar um rede através de uma grande área geográfica é considerado uma WMAN, porém, a tecnologia empregada é a mesma da WLAN. A diferença entre WMAN e WLAN será, em muitos casos, apenas o fato de que WMANs usam freqüências licenciadas, enquanto freqüências não licenciadas são usadas pela WLANs. A razão para isto está no fato de que a organização implementadora da rede terá o controle sobra a faixa de freqüência onde a WMAN está implementada e não precisará se preocupar com a chance de alguém implementar uma rede que provoque interferências. O mesmo fator se aplica a Wireless World Area Network - WWAN Wireless World Area Networks (WWAN) Este padrão , ainda em proposta, pretende criar a possibilidade de comunicação wireless entre cidades.
  4. Para avaliar qual padrão wireless escolher, deve-se avaliar suas necesidades e instalações. Alguns critérios para a escolha são: Requerimentos de capacidade total : para instalações em que se requer alta densidade de usuários de alta velocidade, usar 802.11a pode ser a melhor escolha. Se for necessário adicionar um número pequeno de usuários de alta velocidade a uma rede 802.11b existente, o 802.11g será a melhor escolha. Problemas com interferência : Se você está observando interferências na banda de freqüência de 2,4GHz, proveniente de produtos bluetooth ou telefones sem fio, uma boa solução pode ser migrar para uma banda de frequência menos poluída, como a de 5GHz em dispositivos 802.11a. O padrão 802.11g provê desempenho similar ao padrão 802.11a, com 54Mbps, além de ser compatível com o padrão 802.11b. Porém, no instante em que um dispositivo 802.11b aparece na vizinhança, o modo de proteção para a coexistência dos padrões 802.11g/802.11b provocará significante redução do throughput potencial da célula. Além disso, 802.11g é susceptível às mesmas fontes de interferência da banda 2,4GHz as quais o 802.11b estão sujeitos, como o forno de microondas e o telefone sem fio. O padrão 802.11a tem a grande vantagem de operar na banda de 5GHz, a qual é menos poluída que a de 2,4GHz e, consequqntemente, menos susceptível a interferências. O padrão 802.11a provê um throughput máximo de 54Mbps, maior que o s 11Mbps do 802.11b. Porém, a grande vantagem do 802.11a é a diversidade de canais. Este padrão oferece até 8 canais não sobrepostos. Esta característica permite o emprego de mais rádios próximos uns dos outros, sem interferência e degradação do desempenho. Concluindo, cada instalação é única e requer análise pra se escolher o melhor dispositivo. Em alguns casos, pode ser interessante misturar dois padrões num mesmo sistema.
  5. Para avaliar qual padrão wireless escolher, deve-se avaliar suas necesidades e instalações. Alguns critérios para a escolha são: Requerimentos de capacidade total : para instalações em que se requer alta densidade de usuários de alta velocidade, usar 802.11a pode ser a melhor escolha. Se for necessário adicionar um número pequeno de usuários de alta velocidade a uma rede 802.11b existente, o 802.11g será a melhor escolha. Problemas com interferência : Se você está observando interferências na banda de freqüência de 2,4GHz, proveniente de produtos bluetooth ou telefones sem fio, uma boa solução pode ser migrar para uma banda de frequência menos poluída, como a de 5GHz em dispositivos 802.11a. O padrão 802.11g provê desempenho similar ao padrão 802.11a, com 54Mbps, além de ser compatível com o padrão 802.11b. Porém, no instante em que um dispositivo 802.11b aparece na vizinhança, o modo de proteção para a coexistência dos padrões 802.11g/802.11b provocará significante redução do throughput potencial da célula. Além disso, 802.11g é susceptível às mesmas fontes de interferência da banda 2,4GHz as quais o 802.11b estão sujeitos, como o forno de microondas e o telefone sem fio. O padrão 802.11a tem a grande vantagem de operar na banda de 5GHz, a qual é menos poluída que a de 2,4GHz e, consequqntemente, menos susceptível a interferências. O padrão 802.11a provê um throughput máximo de 54Mbps, maior que o s 11Mbps do 802.11b. Porém, a grande vantagem do 802.11a é a diversidade de canais. Este padrão oferece até 8 canais não sobrepostos. Esta característica permite o emprego de mais rádios próximos uns dos outros, sem interferência e degradação do desempenho. Concluindo, cada instalação é única e requer análise pra se escolher o melhor dispositivo. Em alguns casos, pode ser interessante misturar dois padrões num mesmo sistema.
  6. Para avaliar qual padrão wireless escolher, deve-se avaliar suas necesidades e instalações. Alguns critérios para a escolha são: Requerimentos de capacidade total : para instalações em que se requer alta densidade de usuários de alta velocidade, usar 802.11a pode ser a melhor escolha. Se for necessário adicionar um número pequeno de usuários de alta velocidade a uma rede 802.11b existente, o 802.11g será a melhor escolha. Problemas com interferência : Se você está observando interferências na banda de freqüência de 2,4GHz, proveniente de produtos bluetooth ou telefones sem fio, uma boa solução pode ser migrar para uma banda de frequência menos poluída, como a de 5GHz em dispositivos 802.11a. O padrão 802.11g provê desempenho similar ao padrão 802.11a, com 54Mbps, além de ser compatível com o padrão 802.11b. Porém, no instante em que um dispositivo 802.11b aparece na vizinhança, o modo de proteção para a coexistência dos padrões 802.11g/802.11b provocará significante redução do throughput potencial da célula. Além disso, 802.11g é susceptível às mesmas fontes de interferência da banda 2,4GHz as quais o 802.11b estão sujeitos, como o forno de microondas e o telefone sem fio. O padrão 802.11a tem a grande vantagem de operar na banda de 5GHz, a qual é menos poluída que a de 2,4GHz e, consequqntemente, menos susceptível a interferências. O padrão 802.11a provê um throughput máximo de 54Mbps, maior que o s 11Mbps do 802.11b. Porém, a grande vantagem do 802.11a é a diversidade de canais. Este padrão oferece até 8 canais não sobrepostos. Esta característica permite o emprego de mais rádios próximos uns dos outros, sem interferência e degradação do desempenho. Concluindo, cada instalação é única e requer análise pra se escolher o melhor dispositivo. Em alguns casos, pode ser interessante misturar dois padrões num mesmo sistema.
  7. Para avaliar qual padrão wireless escolher, deve-se avaliar suas necesidades e instalações. Alguns critérios para a escolha são: Requerimentos de capacidade total : para instalações em que se requer alta densidade de usuários de alta velocidade, usar 802.11a pode ser a melhor escolha. Se for necessário adicionar um número pequeno de usuários de alta velocidade a uma rede 802.11b existente, o 802.11g será a melhor escolha. Problemas com interferência : Se você está observando interferências na banda de freqüência de 2,4GHz, proveniente de produtos bluetooth ou telefones sem fio, uma boa solução pode ser migrar para uma banda de frequência menos poluída, como a de 5GHz em dispositivos 802.11a. O padrão 802.11g provê desempenho similar ao padrão 802.11a, com 54Mbps, além de ser compatível com o padrão 802.11b. Porém, no instante em que um dispositivo 802.11b aparece na vizinhança, o modo de proteção para a coexistência dos padrões 802.11g/802.11b provocará significante redução do throughput potencial da célula. Além disso, 802.11g é susceptível às mesmas fontes de interferência da banda 2,4GHz as quais o 802.11b estão sujeitos, como o forno de microondas e o telefone sem fio. O padrão 802.11a tem a grande vantagem de operar na banda de 5GHz, a qual é menos poluída que a de 2,4GHz e, consequqntemente, menos susceptível a interferências. O padrão 802.11a provê um throughput máximo de 54Mbps, maior que o s 11Mbps do 802.11b. Porém, a grande vantagem do 802.11a é a diversidade de canais. Este padrão oferece até 8 canais não sobrepostos. Esta característica permite o emprego de mais rádios próximos uns dos outros, sem interferência e degradação do desempenho. Concluindo, cada instalação é única e requer análise pra se escolher o melhor dispositivo. Em alguns casos, pode ser interessante misturar dois padrões num mesmo sistema.
  8. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  9. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  10. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  11. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  12. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  13. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  14. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  15. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  16. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  17. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  18. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  19. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  20. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  21. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  22. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  23. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  24. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  25. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  26. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.
  27. No modo IBSS, também conhecido como modo ad-hoc , as estações se comunicam diretamente umas com as outras. As limitações da camada física determinam as distâncias que as estações podem suportar.Esta rede atende a maioria das necessidades de usuários ocupando uma pequena área, tal como uma sala de escritório ou uma residência.