Apresentação aee

467 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação aee

  1. 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTANCIA DE PROFESSORES PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A PSICOLOGIA E A FONOAUDIOLOGIA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE AS INTERFACES NO PROCESSO EDUCACIONAL. PÓS-GRADUANDAS: CARINA GOMES LEAL PAIVA - [email_address] ELCY DE BARROS ESPÍNDOLA AMARAL – [email_address]
  2. 2. INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA <ul><li>GARCEZ, Liliane & SACALOSKI, Marisa.A </li></ul><ul><li>Psicologia e a Fonoaudiologia na Educação </li></ul><ul><li>Inclusiva: Algumas Considerações Sobre as </li></ul><ul><li>interfaces no Processo Educacional.Anais </li></ul><ul><li>do II Seminário internacional da sociedade </li></ul><ul><li>inclusiva, 2001, Belo Horizonte. </li></ul>
  3. 3. PROBLEMÁTICA <ul><li>A Inclusão é uma mudança benéfica ou mais um modismo. </li></ul><ul><li>Os Professores estão preparados. </li></ul><ul><li>As Escolas têm infra estrutura adequada. </li></ul>
  4. 4. OBJETIVOS <ul><li>Refletir sobre as possibilidades de atuação de Psicólogos e Fonoaudiólogos enquanto membros da equipe escolar no processo de Inclusão. </li></ul>
  5. 5. REFERENCIAL TEÓRICO <ul><li>BRASIL, - A Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. Lei nº 9.394, </li></ul><ul><li>de 20 de dezembro de 1996. </li></ul><ul><li>CORDE, - “Declaração de Salamanca e linha de ação sobre Necessidades </li></ul><ul><li>Educativas Especiais”, Brasília, 1994. </li></ul><ul><li>PATTO, M. S. - “A Produção do Fracasso Escolar: histórias de submissão e </li></ul><ul><li>rebeldia”. São Paulo: T. A. Queiroz Editora, 1990. </li></ul><ul><li>SANTOS, B. S. – A introdução a uma ciência Pós-Moderna. São Paulo: Paz e </li></ul><ul><li>Terra, 1995. </li></ul><ul><li>SAWAIA, B. (org.) – Artimanhas da Exclusão. Petrópolis: Editora Vozes, 1999. </li></ul><ul><li>VYGOTSKY, L. – A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991. </li></ul>
  6. 6. METODOLOGIA <ul><li>Pesquisa bibliográfica. </li></ul><ul><li>Observação da atuação dos </li></ul><ul><li>professores. </li></ul><ul><li>Análise de documentos. </li></ul><ul><li>Política educacional. </li></ul>
  7. 7. RESULTADOS E CONCLUSÕES <ul><li>Rever a educação inclusiva. </li></ul><ul><li>Repensar a inclusão no processo educacional e na sociedade. </li></ul><ul><li>Necessidade de mais dedicação e trabalho. </li></ul>
  8. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>O Terapeuta também é educador e necessário no processo de construção da Escola Inclusiva. </li></ul>
  9. 9. Obrigada!

×