Grecia

2.136 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Grecia

  1. 1. Grécia PRÉ-HOMÉRICO (SÉC. XX-XII a.C.) • Formação do povo grego • Invasões dos povos indo-europeus: Aqueus, Eólios, Jônios. • Séc. XII a.C. Invasão dos Dórios o Efeito: Diásporas: Ilhas do Mar Egeu e Ásia Menor (colonização) HOMÉRICO (SÉC. XII VIII a.C.) Fonte histórica: • Ilíada e Odisséia (poemas épicos atribuídos a Homero) Século XII a.C a VIII a.c Formação e Desagregação das Comunidades gentílicas As comunidades gentílicas viviam sob forma coletivista (ausência de propriedade privada) e igualitária (ausência de classes sociais). A liderança sobre os membros da comunidade cabia ao pater, pessoa de prestígio dentro do grupo, que não usufruía de maiores privilégios que os demais indivíduos, mas que possuía a autoridade militar e religiosa. PÓLIS Século VIII a.C – Crescimento Populacional Cada cidade-estado possuía governo e administração próprios • Efeito: 2ª Diáspora: Magna Grécia (Sul da Itália) sem que uma interferisse nos • Advento do Escravismo assuntos da outra ou que houvesse um poder central que • Nascimento das Pólis controlasse todas elas. A economia de cada uma era auto- suficiente. ARCAICO O governo da polis era exercido por um rei, assessorado por um conselho aristocrático, que Esparta formulava as leis, as quais eram discutidas e votadas pela Localização: assembléia dos cidadãos. Conforme a quantidade de • Península do Peloponeso - Região da Lacônia indivíduos aceitos nessa assembléia tínhamos os regimes Características do povo espartano oligárquico (“o governo de • Militarismo poucos”) e democrático. • Xenofobia • Laconismo A política de Esparta • Diarquia: governo exercido por dois reis;
  2. 2. • Gerúsia: conselho aristocrático, formado por 28 membros com mais de 60 anos de idade a quem cabia, além de controlar as atividades dos diarcas, elaborar as leis da cidade; • Ápela: assembléia dos cidadãos, formada pelos homens de mais de 30 anos de idade; era responsável pela eleição dos gerontes e pela aprovação das leis; • Eforato: fonte do poder em Esparta; constituído por 5 membros, escolhidos pela Gerúsia, a quem cabia fiscalizar a vida dos cidadãos. Em Esparta a educação tinha papel Sociedade importante na manutenção da ordem vigente, visando garantir a imobilidade social. O objetivo dessa educação era • Espartanos ou esparciatas: elite militar, detentora do poder preparar o indivíduo para a carreira das político; eram os cidadãos de Esparta, únicos com participação armas, desprezando a formação na vida política e que ocupavam os cargos religiosos e intelectual. administrativos; • Periecos: grupo intermediário entre a elite e a massa da população; viviam nos arredores da cidade, praticando uma agricultura rudimentar; não tinham direitos políticos, apesar de estarem obrigados, em caso de necessidade, a prestar serviço militar; • Hilotas: categoria subalterna, encarregada das atividades rurais; eram servos do Estado espartano e não tinham acesso à cidadania. ATENAS Localização: • Planície da Ática Principais atividades econômicas: • Comércio e navegação Sociedade • Eupátridas: grandes proprietários de terra, que tinham acesso à cidadania e ocupavam os principais cargos políticos e administrativos; • Georgoi: pequenos proprietários e camponeses que viviam em péssimas condições; cidadãos, apesar de seu papel político ser secundário; • Thetas: grupo intermediário que arrendava terras; alguns deles enriqueceram, dedicando-se ao comércio, artesanato ou carreira militar, e tornaram-se pessoas de prestígio conhecidas como demiurgos; participavam da vida política da cidade; • Metecos: estrangeiros que viviam em Atenas, dedicando-se sobretudo ao comércio; não tinham acesso à cidadania; • Escravos: base da mão-de-obra ateniense; ocupados em todas as atividades sem direito à cidadania. PERÍODO DE REFORMAS POLÍTICAS E SOCIAIS
  3. 3. Processo de constituição da democracia ateniense • Lento conflituoso. • Drácon, - propôs a implantação de um código de leis escritas e extremamente severas para evitar delitos. • Sólon, a libertação dos escravos por dívida; divisão da sociedade pela renda e não pelo nascimento; criação da Bule (Conselho dos 500). • Tiranias (Psístrato, Hiparco e Hípias.) governo autoritário – confiscaram as terras dos nobres de distribuíram aos agricultores. DEMOCRACIA Ostracismo, mecanismo pelo qual o indivíduo que ameaçasse o regime seria punido pela Eclésia (assembléia), podendo ter suspensos seus direitos Clístenes políticos e, até mesmo, ser banido da cidade pelo prazo • Implantou o regime democrático em Atenas. de 10 anos. • Instituiu o ostracismo • Reforma política na qual os cidadãos participavam das decisões políticas PERÍODO CLÁSSICO Período de apogeu da história grega no qual se destaca o século V a.C., Século de Péricles”, fase de estabilidade política, prosperidade econômica e rica produção cultural. Guerras Médicas Conflitos envolvendo o Mundo Grego contra as investidas expansionistas do Império Persa sobre o Mar Egeu e a Península balcânica Confederação ou Liga de Delos, Liderança: Atenas. Cada uma delas era obrigada a “depositar”, na ilha de Delos, recursos para financiar a luta anti-persa; ou então, fornecer navios e soldados para os conflitos. Os gregos venceram os persaa em 468 a.C. HEGEMONIA ATENIENSE Atenas converteu-se no centro econômico, político e cultural da Grécia, posição garantida pelo imperialismo que exercia sobre as cidades sob seu controle. Guerra do Peloponeso Entre 431 - 404 a.C., Atenas, As cidades gregas submetidas ao imperialismo ateniense Esparta e as cidades coligadas a formaram ambas travaram intenso e Liga do Peloponeso (Formada por Esparta e por todas as equilibrado conflito chamado. polis que não aceitavam o imperialismo ateniense) Depois de anos de combates, e do conseqüente enfraquecimento da Guerra do Peloponeso Grécia como um todo, Esparta venceu Atenas e estabeleceu seu domínio sobre a Grécia.
  4. 4. Os Macedônicos notando a fraqueza grega e, liderados por Filipe II, invadiram e conquistaram o território grego em 338 a.C. Iniciou-se assim o Período Helenístico da história da Grécia. O termo helenístico se refere ao período de tempo decorrido entre o reinado de Alexandre Magno e a ascensão de Roma, e à cultura predominantemente grega que prevaleceu nos três reinos helenísticos Macedônia, Síria e Egito.A civilização helenística caracterizou-se pela extinção das fronteiras entre vários países e culturas. Anteriormente, gregos, romanos, egípcios, babilônios, sírios e persas veneravam seus próprios deuses, no contexto do que geralmente chamamos de “religião nacional”. Agora essas culturas distintas se misturaram em grande caldeirão de idéias religiosas, filosóficas e cientificas. Alexandre Magno • Educado por Aristóteles, • Estendeu seu domínio pelo Oriente Próximo, anexando o Egito e vastas regiões da Ásia até os limites da Índia e da China. Transferiu a capital do Império para a Babilônia e, através da fundação de cidades. • A morte precoce de Alexandre, em 323 a.C., levou à divisão do império entre seus sucessores, originando assim os reinos helenísticos (Ptolomaico, Selêucida e Antígona), os quais não resistiram ao expansionismo romano do século I a.C. PERÍODO ARCAICO (SÉC. VIII - VI a.C.) ESPARTA ATENAS Evolução Política: Monarquia, Oligarquia, Tirania, Democracia Transformações sócio- econômicas Desenvolvimento do comércio Marginalização popular Fundada pelos Dórios Ascensão da Classe Média Península Peloponeso/ Planície da Lacônia Drácon : Leis escritas Laconismo, Xenofobia, Eugenia, Sólon: Abolição da escravidão por dívidas, estímulo ao Sociedade: Espartíatas, Periecos, Hilotas comércio, critério Censitário de Participação. Política: Oligarquia Militar (Diarquia/Apela/Gerúsia/ Tiranos: Pisistrato, Hipias, Hiparco, Iságoras. Éforos ) Clístenes : Implantação Da Democracia Fundador: Licurgo Participação Direta (Eklesia) Apenas Para Cidadãos Ostracismo (Exílio Sem Perda De Direitos) A TE NA S Péricles: Mistoforia ( Remuneração) S É C U L O V III a .C . D E M O C R A C IA A T E N IE N S E T R A N S F O R M A Ç Õ E S S Ó C IO -E C O N O M IC A S IM P L A N T A Ç Ã O C O M O D E S E N V O L V IM E N TO C L IS T E N E S F U N C IO N A V A ? DO C O M É R C IO P A R T IC IP A Ç Ã O R E S T R IT A D IR E T A A O S C ID A D Ã O S E N R IQ U E C IM E N T O E M P O B RE CIM E N TO D O S D E M IU R G O S D O S H O M EN S L IV R E S (R ic o s C o m e r c i a n te s P E Q U EN O S e A rte s ã o s ) A G RIC U LT O R E S M A IO R E S A T E N IE N S E S R E IN V ID I C A M R E IN V I D I C A M O S T R A C IS M O D IR E IT O S J U S TIÇ A (E x íl io 1 0 a n o s ) P O L IT IC O S S O C IA L
  5. 5. PERÍODO CLÁSSICO (SÉC.V A.C.) PERÍODO HELENÍSTICO Apogeu e declínio da civilização grega Hegemonias (supremacia) Guerras Médicas (gregos x persas) Alexandre Magno: Conquista do Oriente Atenas: liga de Delos Helenização do Oriente (Cultura Hegemonia ateniense Helenística) Guerra do Peloponeso (Atenas x Esparta) Fusão da cultura Grega com a Cultura Hegemonia espartana / tebana Oriental Invasão Macedônica (Felipe II) P E R ÍO D O C L A S SIC O G UERRA S G UE RRA M E D IC A S D O P E LO P ON ES O G REGO S LIG A AT ENAS S U IC I D IO x DE X DO PERSAS DE LO S ES PART A M UNDO GR E GO I M P E R I A L IS M O A TE N IEN S E

×