Paisagens Pós-Urbanas


      O fim da experiência urbana e as formas
             comunicativas do habitar
Paisagens Pós-Urbanas

   Urbano: do latim urbs
   Remete aos sulcos traçados pelo arado nos
    assentamentos romanos a...
Paisagens Pós-Urbanas
   Pós-urbano = espaço territorial não definido
   Crise da cidade e da forma urbana de habitar po...
Paisagens Pós-Urbanas
   Novas configurações na metrópole:
    - Multiplicação eletrônica do espaço;
    - Superação da d...
Paisagens Pós-Urbanas
 “Desde o surgimento da paisagem desfocada do
 trem em trânsito até aquela transitória do
 flaneur, ...
Paisagens Pós-Urbanas
   Metrópole eletrônica:
    - Indivíduo deixa de ser somente intérprete-leitor para
    se tornar ...
Paisagens Pós-Urbanas
   A digitalização dos territórios introduz:
    - As interações entre sujeito e território mediada...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Paisagens_Pos_Urbanas

504 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paisagens_Pos_Urbanas

  1. 1. Paisagens Pós-Urbanas O fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar
  2. 2. Paisagens Pós-Urbanas  Urbano: do latim urbs  Remete aos sulcos traçados pelo arado nos assentamentos romanos antes da construção das cidades  Experiência urbana = habitar dentro de formas delimitadas de arquitetura  Cidades estruturadas com a centralidade entre o espaço arquitetônico e as práticas sociais da cidadania  Ex: Praças medievais e cidades-jardim renascentistas
  3. 3. Paisagens Pós-Urbanas  Pós-urbano = espaço territorial não definido  Crise da cidade e da forma urbana de habitar por 3 fatores: 1. Surgimento da metrópole moderna: expansão irregular do território;* 2. Giulio C. Argan: crise da arte e crise da cidade, na medida em que não há parâmetros estéticos duradouros ou ordem para o crescimento;* 3. - Advento da técnicas eletrônicas e dos media de massa: instauram novas dimensões da cidadania e novas formas de territorialidade.*
  4. 4. Paisagens Pós-Urbanas  Novas configurações na metrópole: - Multiplicação eletrônica do espaço; - Superação da dimensão objetiva do espaço; - Deslocamento e velocidade alteram a percepção e redesenham a espacialidade; - As praças, as ruas, as avenidas, deixam de ser os lugares unicamente da experiência social urbana e passam a ser flanqueados por imagens, luzes, publicidades; - O espaço deixa de ser coisa externa e simples objeto de intervenção da ação humana.*
  5. 5. Paisagens Pós-Urbanas “Desde o surgimento da paisagem desfocada do trem em trânsito até aquela transitória do flaneur, o espaco moderno metropolitano se constitui, desde a sua origem, como um tipo de território deslocativo e inédito, distante da paisagem familiar e aconchegante da velha cidade européia…um habitar deslocativo e plural, em parte arquitetônico, em parte eletrônico-comunicativo-imaterial”.
  6. 6. Paisagens Pós-Urbanas  Metrópole eletrônica: - Indivíduo deixa de ser somente intérprete-leitor para se tornar experimentador dinâmico do espaço; - As inovações tecnológicas comunicativas provocam a transformação dos modos de ver, sentir e construir a realidade e o mundo; - As espacialidades eletrônicas criam novas formas informativas de apropriação, uso e deslocamento espacial.
  7. 7. Paisagens Pós-Urbanas  A digitalização dos territórios introduz: - As interações entre sujeito e território mediadas por softwares e interfaces digitais que criam interações dinâmicas e espacialidades manipuláveis;* - Novas formas de sociabilidade em rede; - Profundas transformações conceituais que desafiam os paradigmas tradicionais da urbanidade; - Passagem dos lugares aos fluxos (Abruzzese);* - Redefinição da noção de posição social (Meyrowitz) – mídia como arquitetura do social.

×