Análise Sintática

42.463 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Espiritual
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42.463
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
397
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise Sintática

  1. 1. ANÁLISE SINTÁTICA FRASE SEM VERBO  NOMINAL COM VERBO  VERBAL
  2. 2. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><li>SIMPLES - oração absoluta </li></ul><ul><li>COMPOSTO </li></ul><ul><ul><ul><li>Coordenação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Subordinação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Subordinação e coordenação </li></ul></ul></ul>PERÍODO
  3. 3. ANÁLISE SINTÁTICA SIMPLES: 1 núcleo COMPOSTO + de 1 núcleo OCULTO --> (desinencial, elíptico, fossilizado): desinência verbal SUJEITO
  4. 4. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><li>INDETERMINADO (Genérico ou abstruso) </li></ul><ul><ul><ul><li>V. 3ª p.p. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>V. 3ª p.s. + SE </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>DIZ que... </li></ul></ul></ul>SUJEITO
  5. 5. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><li>VERBOS IMPESSOAIS : </li></ul><ul><ul><ul><li>fenômenos da natureza </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>HAVER = existir; tempo decorrido </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>FAZER = tempo decorrido; fenômeno da natureza. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SER = horas; datas; fenômeno natural; início de histórias. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PARECER/ESTAR/FICAR+ fenômeno natural. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PASSAR/BASTAR/CHEGAR+ de </li></ul></ul></ul>SUJEITO
  6. 6. ANÁLISE SINTÁTICA PREDICADO <ul><li>VERBAL </li></ul><ul><ul><ul><li>S + VI = A demolição começou </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>S + VTD + OD = Ele devolveu os livros </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>S + VTI + OI = A usina precisava de cana. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>S + VTDI + OD + OI = O medo me leva ao perigo. </li></ul></ul></ul>
  7. 7. ANÁLISE SINTÁTICA PREDICADO <ul><li>NOMINAL </li></ul><ul><ul><li>S + VL + PS = Ele é discreto. </li></ul></ul><ul><li>VERBO-NOMINAL </li></ul><ul><ul><li>S+VI+PS = Ela vinha descuidada. </li></ul></ul><ul><ul><li>S+VTD+OD+PO = Meu pai considerou a atitude perigosa. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>(Obs.: neste caso o verbo é denominado transobjetivo). </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>VL = ser, estar, ficar, parecer, permanecer, continuar, virar, tornar-se... </li></ul></ul></ul>
  8. 8. ANÁLISE SINTÁTICA OBJETOS <ul><ul><li>Preposicionado  A notícia surpreendeu a todos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pleonástico  As normas, inventou- as Quaresma. </li></ul></ul><ul><ul><li>interno  Dormi um sono tranqüilo . </li></ul></ul><ul><ul><li>Cognato  Ele chorou um choro hipócrita . </li></ul></ul>direto  Poucas pessoas leram este livro.
  9. 9. ANÁLISE SINTÁTICA OBJETOS Pleonástico  Aos regulamentos, sempre obedeci- lhes . De interesse  Não me suje o tapete! indireto  Muitos desconfiaram de você .
  10. 10. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><ul><li>AGENTE DA PASSIVA: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Muitas árvores foram destruídas pelo vento . (de/por/pelo) </li></ul></ul></ul>
  11. 11. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><ul><li>ADJ. ADVERBIAL: circunstâncias. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Talvez ele não vá à escola hoje. (relaciona-se ao verbo). </li></ul></ul></ul>
  12. 12. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><ul><li>ADJ. ADNOMINAL: satélites do substantivo. (artigos, adjetivos, numerais, pronomes...) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Os pequenos flocos de espuma boiavam. </li></ul></ul></ul>
  13. 13. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><ul><li>COMPL.NOMINAL : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relaciona-se a Nomes ( SUBST./ ADJ./ADV .) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A acusação ao criminoso foi retirada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>(Obs: recebe a ação do termo que completa). </li></ul></ul></ul>
  14. 14. ANÁLISE SINTÁTICA <ul><li>APOSTO : </li></ul><ul><ul><li>Explicativo: (Carlos, o diretor , ...) </li></ul></ul><ul><ul><li>Enumerativo: (:) </li></ul></ul><ul><ul><li>Resumitivo/Recapitulativo :(... tudo ) </li></ul></ul><ul><ul><li>Comparativo: (As estrelas, grandes olhos azuis ...) </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificativo : (A cidade de Brasília ...) </li></ul></ul>
  15. 15. ANÁLISE SINTÁTICA VOCATIVO : termo à parte; não pertence nem ao SUJ EITO nem ao PREDICADO . Apelo, chamamento. A vida , meu irmão , está triste agora.
  16. 16. ANÁLISE SINTÁTICA A lenda do Santo Graal, que se encontra em livros da cavalaria medieval e em muitas literaturas da Europa, afirma que do Cálice flui um líquido prodigioso, que dá força e juventude perene a quemo beba. Graal, em português antigo, significa cálice, taça ou vaso. O cálice, da mesma forma que o coração, desempenha um papel importante nas tradições antigas. Nos hieróglifos sagrados egípcios, o coração é figurado pelo emblema de um vaso. Tal simbologia correu também entre os celtas, mas sofreu adulterações de caráter folclórico antes de ser cristianizada. A Demanda do Santo Graal. Heitor Megalle
  17. 17. ANÁLISE SINTÁTICA O Santo Graal, nos romances de cavalaria do ciclo arturiano, era o cálice da última ceia, do qual se serviu Jesus Cristo para instituir a eucaristia. Nesse mesmo cálice, José de Arimatéia recolheu o sangue que corria das feridas do Cristo crucificado. A Demanda do Santo Graal. Heitor Megalle
  18. 18. ANÁLISE SINTÁTICA Julgue os itens: ( ) No primeiro parágrafo, a palavra que é sempre pronome relativo. ( ) A última ocorrência da palavra que, no primeiro parágrafo, constitui sintaticamente, sujeito da oração conseqüente. ( ) O primeiro parágrafo apresenta duas orações subordinadas adjetivas explicativas. ( ) No segundo período, a segunda vírgula pode ser suprimida e o texto continua correto. ( ) O termo `o cálice da última ceia`(l.9) classifica-se sintaticamente como predicativo. ( ) Os termos `nos hieróglifos sagrados egípcios`(l.6) e ´Nesse mesmo cálice´ (l.10-11) são locuções adverbiais com função sintática de adjuntos adverbiais.
  19. 19. ANÁLISE SINTÁTICA A Carolina Querida, ao pé do leito derradeiro Em que descansas dessa longa vida, Aqui venho e virei, pobre querida, Trazer-te o coração do companheiro. Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro Que, a despeito de toda a humana lida, Fez a nossa existência apetecida E num recanto pôs um mundo inteiro. (Machado de Assis. In Lins, Álvaro & Buarque de Holanda, Aurélio.)
  20. 20. ANÁLISE SINTÁTICA A Carolina Trago-te flores, - restos arrancados Da terra que nos viu passar unidos E ora mortos nos deixa e separados. Que eu, se tenho nos olhos malferidos Pensamentos de vida formulados, São pensamentos idos e vividos. (Machado de Assis. In Lins, Álvaro & Buarque de Holanda, Aurélio.)
  21. 21. ANÁLISE SINTÁTICA Com base no texto, julgue os itens: ( ) Os versos 1 e 3 apresentam vocativo. ( ) O termo `Em que` representa, sintaticamente, adjunto adverbial ( ) O verbo `Pulsa`classifica-se, quanto a predicação, como transitivo direto e indireto. ( ) Em `Trago-te flores`, temos verbo transitivo direto e indireto. ( ) O adjetivo `apetecida`constitui, sintaticamente, predicativo do objeto. ( ) O sujeito do verbo `viu`é o termo ´terra`.
  22. 22. UMA TEORIA PARA A TIAZINHA Luiz Fernando Veríssimo E se todo esse entusiasmo com a Tiazinha estiver nos dizendo algo mais grave sobre nós mesmos ? E se depois de tantos anos de não nos entendermos, temos, finalmente , a resposta? Não somos cordatos e incivilizados , não somos tristes e carnavalescos , não somos, afinal, nem contraditórios nem de boa paz -somos masoquistas ! Tudo se explica. A tal índole, pacífica do brasileiro era apenas a expectativa de não sabíamos bem o que, e agora sabemos: uma mulher com um chicote para nos machucar, e para adorarmos. Aquela nossa indecisão, aquela nossa irresolução – não temos uma história, temos uma série de começos em falso – era falta de autoconhecimento. Não sabíamos o / que queríamos / porque não sabíamos o / que éramos. Agora, sabemos o que somos e do / que gostamos. queremos que pisem em nós com saltos altos e nos chamem de vermes .
  23. 23. Tudo o que o brasileiro sofreu na sua pseudo-história, sem se revoltar, era um substituto inadequado para o que, secretamente , desejávamos: a abjeção completa, sem nos revoltarmos. Quem não entendeu por que o o pais se sujeitou ao Collor é porque não entendia que o Collor era a Tiazinha antes do tempo . Era o começa da abjeção completa . Ele vinha para nos botar na linha . A Zélia nos depilou, metaforicamente, com o confisco, mas não foi o bastante. Foi humilhação insuficiente, faltou o chicote ! Tese: Collor teria dado certo se a Zélia usasse ligas pretas . Hoje, quem defende o FMI e diz que ele só quer nos ajudar, é porque também não entendeu. Queremos que o FMI nos discipline todas as noites , com insultos e arreios , e que nada dê certo. Nada de alívio: dor , FMI , dor , recessão , mmmm , miséria , que delícia!
  24. 24. Vende tudo o que é nosso, Efe Agá , que a gente gosta. Cort a no social, corta. Assim, assim. Agora apaga a luz e passa sal. Está certo, é uma teoria exagerada . Adequada, se fosse verdade. Afinal, a perpetuação, sem reação, de uma elite tão sádica só se explicaria pelo gosto da maioria em sofrer. Mas a própria Tiazinha, daquele tamaninho, é uma pseudodominadora , significando nada . No fundo, a gente está sempre atrás daquilo que a Física busca para o universo, uma teoria unificada do Brasil, que nunca descobrirá. O que pensando bem, não deixa de ser um sinal de masoquismo. Tarefa: Classifique, sintaticamente, todos os termos em destaque. (No caderno )

×