Modelo NosolóGico Kraepeliniano

951 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo NosolóGico Kraepeliniano

  1. 1. Modelo Classificatório Nosológico Kraepeliniano Modelos Diagnósticos 2 [email_address]
  2. 2. Nosotaxonomia, Nosografia e Nosologia <ul><li>NOSOTAXONOMIA (noso + táxon) – classificação de enfermidades, doenças ou condições patológicas, quaisquer que sejam os critérios empregados. </li></ul><ul><li>NOSOGRAFIA nosos + graphos) – Classificação de enfermidades usando como téxon (critério classificatório) dados descritivos de sua forma, de sua aparência. </li></ul><ul><li>NOSOLOGIA (nosos + logos) – classificação de enfermidades empregando como táxon dados sobre sua explicação (etiopatogenia). </li></ul><ul><li>Esta nota é importante porque muitos dicionários, inclusive médicos, ignoram estes dados lingüísticos essenciais . </li></ul>
  3. 3. Transição do Nosográfico para o Nosológico <ul><li>No fim do século XIX, em 1883, quando surgiu a primeira edição do Compêndio de Psiquiatria de EMIL KRAEPELIN, sua nosotaxia acompanhara o avanço dos últimos anos, mas não apresentava, ainda, qualquer formulação qualitativamente importante, nem apontava para uma transformação radical dos paradigmas diagnósticos nosográficos; as categorias diagnósticas e os critérios classificatórios eram bastante conservadores, nessa primeira edição. Acontece que nas sete reedições seguintes, as modificações foram muito significativas e sua classificação se faez cada vez mais nosológica. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>As características da taxonomia nosoló-gica (etiológica) de Kaepelin, tal como as conhecemos hoje, apenas começaram a ser desenhadas na segunda edição de seu compêndio (em 1887), talvez pela influência de Krafft-Ebing dada pela incorporação dos seus conceitos clínicos de psiconeurose (nas cinco primeiras classes), de degenerescência psíquica (nas classes seis e oito), a separação das psicoses agudas das crônicas e inclusão das inversões sexuais e da loucura moral entre as interrupções do desenvolvimento. </li></ul><ul><li>O conceito de paranóia foi bem delimitado por Kaepelin, que o caracterizou como: 1) desenvolvimento lento e sinuoso, promovido desde o interior da pessoa, de um sistema delirante prolongado e inamovível; 2) conservação plena da claridade e ordem do pensamento, da vontade e da ação. A paranóia corresponde aos delírios intelectuais sistematizados, de Magnan. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A nosotaxia kraepeliana da primeira edição é a seguinte: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Estados depressivos: melancolia simples e delirante. </li></ul><ul><li>Estados crepusculares: estados de sono patológico (hipnose, sonambulismo, embriaguez comatosa); estados crepusculares histéricos e epiléticos; estupor e êxtase; demência aguda. </li></ul><ul><li>Estados de excitação: melancolia agitada; mania; estados de excitação dos deliria (febril e alcoólico). </li></ul><ul><li>Psicose periódica: mania periódica; melancolia periódica; loucura circular. </li></ul><ul><li>Delírio sistematizado primário. </li></ul><ul><li>Demência paralítica. </li></ul><ul><li>Estados de fraqueza psíquica: anomalias evolutivas (idiotia, imbecilidade, debilidade mental e inversão sexual); loucura moral e delírio querelante; estado neurastênico (obsessões); estados de fraqueza psíquica secundária. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Nosologia da 2ª edição </li></ul><ul><li>I.Melancolia: simples, agitada, com estupor. </li></ul><ul><li>II. Mania. </li></ul><ul><li>III. Delírio: febril, tóxico e transitório. </li></ul><ul><li>IV. Estados de Esgotamento agudo: delírio agudo, delírio do colapso, confusão astênica, demência aguda. </li></ul><ul><li>V. Wahnsinn: depressivo, expansivo, alucinatório. </li></ul><ul><li>VI. Loucura periódica e circular: loucura periódica (mania, melancolia, Wahnsinn); loucura circular. </li></ul><ul><li>VII. Loucura (Verrücktheit) sistematizada: depressiva (delírio alucinatório de perseguição, delírio de perseguição combinatório, delírio hipocondríaco, delírio querelante); expansiva (delírio de grandeza alucinatório, combinatório e “loucura (Verrücktheit) originária”. </li></ul><ul><li>VIII. Neuroses Gerais: loucura neurastênica (obsessão), loucura histérica, loucura epilética. </li></ul><ul><li>IX. Intoxicações crônicas: alcoolismo, morfinismo, cocainismo. </li></ul><ul><li>X. Demência paralítica. XI. Estados de enfraquecimento: demência senil, lesões cerebrais, estados de enfraquecimento secundário. </li></ul><ul><li>XII. Suspensão do desenvolvimento psíquico: idiotia, cretinismo, debilidade mental constitucional (incluindo loucura moral e loucura impulsiva), inversão sexual. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Foi só na quinta edição (em 1896) que a nosologia de Kraepelin assumiu forma relativamente estável, embora continuasse a ser modificada a cada edição, sem perder o sentido geral nosológico a que ora se definira. </li></ul><ul><li>Bergeret aponta e eliminação dos últimos vestígios da nosografia francesa (principalmente a influência analítico-descritiva de Pinel e Esquirol) e o aparecimento da influência de Griesinger, através de Kahlbaum e, este, de Krafft-Ebbing. Estabeleceu um primeiro nível novo. As doenças mentais foram divididas em duas grandes categorias: as congênitas e as adquiridas (conceitos que vieram a evoluir para endógeno e exógeno). </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Autores dos século cuja trabalho fomentou ou integrou luta pelo paradigma etiológico: </li></ul><ul><li>Babinski (1857-1932 </li></ul><ul><li>Baillarger (1809-1890) </li></ul><ul><li>Bayle (1799-1858) </li></ul><ul><li>Betchrev (1857-1927) </li></ul><ul><li>Broca (1824-1880) </li></ul><ul><li>Charcot (1825-1893) </li></ul><ul><li>Chiarughi (1759-1820) </li></ul><ul><li>Feuschterleben (1806-1849) </li></ul><ul><li>Georget (1797-1828) </li></ul><ul><li>Griesinger (1779-1868) </li></ul><ul><li>Guislain (1797-1860) </li></ul><ul><li>Heinroth (1773-1843) </li></ul><ul><li>Huss (187-1890) </li></ul><ul><li>Jackson (1835-1911) </li></ul><ul><li>Kahlbaum (1828-1899) </li></ul><ul><li>Kandinski (1849-1889) </li></ul><ul><li>Korsakov (1854-1900) </li></ul><ul><li>Hufeland (1762-1836) </li></ul><ul><li>Kraft-Ebbing (1840-1902) </li></ul><ul><li>Laségue (1816-1883) </li></ul><ul><li>Le Bon (1841-1931) </li></ul><ul><li>Magnan (1835-1912) </li></ul><ul><li>Maudsley (1836-1918) </li></ul><ul><li>Morel (1809-1873) </li></ul><ul><li>Noguchi (1876-1928) </li></ul><ul><li>Parchappe (1800-1866) </li></ul><ul><li>Pavlov (1849-1836) </li></ul><ul><li>Pritchard (1785-1848) cr </li></ul><ul><li>Reil (1759-1853) </li></ul><ul><li>Scipion Pinel (1795-1859) </li></ul><ul><li>Sechenov (1829-1905) </li></ul><ul><li>Sherrington (1857-1952) </li></ul><ul><li>Wernicke (1848-1905) </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Na sexta edição, publicada em 1899, veio à luz aquela que é considerada a classificação mais importante, porque delineava os essencial da nosologia kraepeliniana na psiquiatria de todo o mundo. Em linhas gerais, a sexta edição da classificação de KRAEPELIN é a seguinte: </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  10. 10. Modelo Nosológico Kraepeliniano <ul><li>Nosologia da 6ª edição (1889) </li></ul><ul><li>Loucuras infecciosas (delírios febril e infeccioso, enfraquecimento infeccioso); </li></ul><ul><li>Loucuras de esgotamento (delírio agudo, amência, neurastenia adquirida); </li></ul><ul><li>Intoxicações; </li></ul><ul><li>Loucuras tireogênicas; </li></ul><ul><li>Demência praecox; </li></ul><ul><li>Demência paralítica; </li></ul><ul><li>Loucura das lesões cerebrais; </li></ul><ul><li>Loucuras de involução (melancolia, delírio de prejuízo pré-senil, demência senil); </li></ul><ul><li>Loucura maníaco-depressiva; </li></ul><ul><li>Paranóia; Neuroses Gerais; </li></ul><ul><li>Estados psicopáticos (loucura degenerativa); </li></ul><ul><li>Interrupção do desenvolvimento psíquico. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>A classificação de Kraepelin foi sofrendo sucessivas revisões, a cada edição de seu compêndio que escrevia (um volume de 380 páginas na primeira edição, 1883; quatro volumes, totalizando 2.500 páginas na última edição, 1913). A classificação desta última edição de Kraepelin, reproduzida por Sollé-Sagarra e Leonhard, é a seguinte: </li></ul><ul><li>A 13ª edição </li></ul><ul><li>ALTERAÇÕES NOS TRAUMATISMOS CRANIANOS: a) Delírio traumático; b) Epilepsia traumática; c) Defeitos psíquicos tramáticos. </li></ul><ul><li>ALTERAÇÕES PSIQUICAS EM OUTRAS ENCEFALOPATIAS ORGÂNICAS: a) tremores, abscessos, cisticercose; b) Esclerose lobar e esclerose múltipla; c) Doenças germinais (coréia de Hungtington, esclerose tuberosa, idiotismo amaurótico, doença de Neuzbacher, doença de Wilson, pseudo-esclerose); d) Encefalites (inclusive a encefalite epidêmica; hidrocefalia); e) Insolação. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>ALTERAÇÕES MENTAIS NAS INTOXICAÇÕES: </li></ul><ul><li>A – Intoxicações exógenas: 1 – Alcoolismo (a) embriaguez; b) embriaguez agitada; c) alcoolismo crônico; d) delírio alcoólico de ciúme; e) delirium tremens; f) alucinação alcoólica; g) psicose de Korsakow, h) epilepsia alcoólica). 2 – Intoxicações crônicas por alcalóides: (a) morfinismo, opiomania, codeísmo, heroinismo, dioninismo); b) cocainismo (com morfinismo ou sem ele). 3 – Outras intoxicações crônicas: a) Intoxicações com clorofórmio, petróleo, benzina, hidrato de cloral, paraldeído, bromo, trional, veronal, chumbo, mercúrio, sulfureto de carbono, haxixe). b) Ergotismo, pelagra, beribéri (com sintomas mentais). 4 – Intoxicações agudas: a) Gases (óxido de carbono, gás de iluminação, óxido nitroso, ácido sulfúrico, etc.); b) Medicamentos (atropina, iodofórmio, quinina, ácido salicílico, tropacoaína, etc.); c) Outros tóxicos (fungos, anilina, dinitropoluol, toluidina, etc.). </li></ul>
  13. 13. <ul><li>B – Intoxicações endógenas: 1 – Por produtos metabólicos (a) delírio anêmico; b) delírio eclâmptico; c) psicose na diabetes; d) delírio na colemia (ictirícia grave); e) delírio nos transtornos circulatórios; f) delírio nas caquexias (carcinoma, anemias graves, etc.); g) asfixia por calor; h) delírio por fome e sede, delírio por colapso (pneumonia, erisipela). 2 – Intoxicações endócrinas (doenças endócrinas): A – Psicoses tirogênicas (1) doença de Basedow; 2) mixedema; 3) cretinismo; B – debilidade mental nas doenças 1) da hipófise (gigantismo, distrofia adiposogenital, nanismo); 2) da epífisis (macrogenitosomia precoce, obesidade): 3) da cápsula supra-renal (pseudo-hermfroditismo, doença de Addison); 4) das glândulas sexuais (eunucoidismo, gigantismo, virilidade); 5) do timo (idiotismo tímico, estado tímico-linfático); 6 – insuficiências pluriglandulares. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>IV – ALTERAÇÕES MENTAIS NAS DOEÇAS INFECCIOSAS (tifo, varíola, poliartrite, pneumonia, gripe, coréia, febre interminente, paludismo, septicemia, buberculose, raiva, lepra, tripanosomia): 1 – delírio febril e infeccioso; 2 – estados confusionais (depois de doenças infecciosas, amência); 3 – estados de debilidade infecciosas. </li></ul><ul><li>V – SÍFILIS: 1 – sífilis cerebral (a) neurastenia sifilítica; b) pseudoparalisia sifilítica (quadros clínicos análogos a paralisia geral progressiva); c) lues cerebral apoplética (debilidade mental sifilítica simples com paralisia); d) epilepsia sifilítica; e) formas paranóides; f) sífilis congênita (paralisia cerebral infantil, debilidade mental); 2- Paralisia Geral Progressiva (a) demencial; b) depressiva; c) expansiva; d) formas agitadas e galopante; e) tabo-paralisia; f) formas atípicas de Lissauer; g) paralisia juvenil; 3 – psicoses tabéticas. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>IV – PROCESSOS ARTEROSCLERÓTICOS E DA INVOLUÇÃO: 1 – arteroscleroses (a) demência arterosclerótica; b) encefalites subcorticais (diagnóstico anatômico); c) epilepsia tardia; d) demência apoplética. 2 – Processos pré-senis: a) formas perniciosas ( doenças de idade da regressão que conduzem rapidamente à morte, com lesões anatômicas características); b) formas catatônicas (catatonia tardia); c) formas paranóides ( que não apresentam sintomas esquizofrênicos). 3 – Psicoses senis: a) demência senil; b) presbiofenia; c) doença de Alzheimer; d) delírio senil de perseguição. </li></ul><ul><li>VII – EPILEPSIA GENUÍNA (imbecilidade epiléptica, demência epiléptica, estados crepusculares, status epilépticos). </li></ul><ul><li>VIII – ESQUIZOFRENIA. A – Demência precoce (a) forma simples; b) demência precocíssima (na idade infantil); c) hebefrênica; d) formas depressivas e estuporosas; e) forma circular e agitada; f) catatonia; g) demência; h) confusão da linguagem. B – Parafrenias: a) sistemática; b) expansiva; c) confabulatória; d) fantástica . </li></ul>
  16. 16. <ul><li>IX – PSICOSES MANÍACO-DEPRESSIVAS: a) mania; b) melancolia; c) estados mistos. </li></ul><ul><li>X – PSICOPATIAS (incluídas as personalidades histéricas): a) nervosos; b) neurose obsessiva; c) excitáveis (com ou sem traços histéricos); d) instáveis (com ou sem traços histéricos); e) débeis de vontade (com ou sem traços histéricos); f) impulsivos (aumento dos impulsos normais), epilepsia afetiva; g) impulsivos patológicos; h) perversos sexuais (homossexuais, sádicos, masoquistas, fetichistas, exibicionistas); i) discutidores (querelantes); j) estravagantes, terorcidos; k) mentirosos; l) personalidades histéricas (caráter histérico, histeria degenerativa); m) rixentos; n) anti-sociais. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>XI – REAÇÕES PSICÓGENAS (inclui todas as reações histéricas): </li></ul><ul><li>A – Psicoses e neuroses situacionais: a) depressão psicógena (causa externa); b) loucura induzida; c) psicose de prisão de origem psicógena (delírio de inocência, de indulto, litigantes de prisão); Psicoses de espanto (estados confucionais passageiros causados por impressões muito fortes); e) neurose de guerra (atitude de recusar serviços na frente de combate); f) neuroses traumáticas (atitude de repulsa ante à volta ao trabalho); g) neuroses de renda; h) delírio de litigantes. </li></ul><ul><li>B – Estados nervosos: a) esgotamento nervoso (por excesso de trabalho e emoções); b) Neurose de angústia. </li></ul><ul><li>C – Reações histéricas: a) histerismo do desenvolvimento (na idade juvenil); b) histerismo alcoólico; c) histerismo traumático; d) estados crepusculares histéricos; e) estados crepusculares de Ganser; f) histérico de prisão. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>XII – PARANÓIA: a) personalidade paranóica; b) formas atenuadas e abortivas de paranóia; c) delírio de perseguição dos surdos; d) paranóia clássica (delírio de perseguição, de ciúmes, de descendência, de grandeza, religioso, de inventores, eróticos). </li></ul><ul><li>XIII – OLIGOFRENIAS: 1- graus diferentes: a) idiotismo; b) imbecilidade; c) debilidade mental. 2 – Mongolismo. 3 – Infantilismo. </li></ul>

×