Aula 12 E 13 Drpa

11.770 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Esportes
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.770
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
82
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
201
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 12 E 13 Drpa

  1. 1. D. Reumáticas Periarticulares Membros superiores Curso de Fisioterapia Maria Manuela Costa Universidade Atlântica
  2. 2.  A dor por compromisso das estruturas periarticulares é frequente na prática clínica  Inclui  Ligamentos  Tendões  Bolsas serosas  músculos
  3. 3. Causa  Mecânica  Traumatismo agudo ou crónico  Inflamatória  Artrite reumatóide  Espondilite Anquilosante  Todas as artropatias inflamatórias  Deposição de microcristais  Gota úrica  Cristais de pirofosfato de cálcio
  4. 4. Tendinite da Longa Porção do Bicípite
  5. 5. Tendinite da L. P. Bicípite  Manifestações clínicas:  Dor na face anterior do ombro  Irradia pelo braço  A dor agrava-se com os movimentos activos  Sinal Yergarson – dor à supinação contrariada da mão com a flexão contrariada do cotovelo  Sinal Speed – dor à flexão do ombro com o cotovelo em extensão e o antebraço em supinação  Sinal de Popeye – ruptura do bicípite – tumefacção no 1/3 médio do braço
  6. 6. Sinal yergason Sinal speed Supinação contrariada da mão Flexão contrariada do ombro Flexão contrariada do cotovelo Com o cotovelo em extensão E a mão em supinação
  7. 7. Tendinite da Coifa dos rotadores T. Supra-espinhoso T. Infra-espinhoso Inserem-se no troquiter T. Sub-escapular
  8. 8. Tendinite da coifa dos rotadores  Função:  Abdução 0 aos 40º  Rotação externa  Rotação interna  Bolsa serosa sub-acromio-deltoideia  Deslizamento deste tendão sob o músculo deltóide  A coifa dos rotadores estabiliza a cabeça do úmero » na rotura da coifa há subida da cabeça do úmero
  9. 9. Tendinite da coifa dos rotadores  Manifestações clínicas:  Dor no ombro  Dor na região sub-acromial  A dor agrava-se com o decúbito homolateral  Arco doloroso – dor entre os 60 e 120º  Rotação externa contrariada dolorosa – infra- espinhoso  Rotação interna contrariada dolorosa- sub-escapular  Abdução contrariada dolorosa – supra-espinhoso
  10. 10. Manobras especificas para localizar o processo inflamatório Abdução contrariada exacerba a dor Tendinite do supraespinhoso Rotação externa contra resistência exacerba dor de tendinite do supra e infraspinhoso Rotação interna contra resistência exacerba dor de tendinite do sub- escapular
  11. 11. Arco Doloroso
  12. 12. T. Infraespinhoso Rotação externa contra-resistência
  13. 13. T. Subescapular Rotação interna Contra-resistência
  14. 14. T. Supraespinhoso Abdução Contra-resistência
  15. 15. Conflito coraco-acromial  A coifa dos rotadores, principalmente o tendão do supra-espinhoso desliza sob a arcada acromio-coracoideia durante o movimento de abdução  Se temos conflito coraco-acromial – o espaço por onde passa o TCR está diminuído e durante o movimento de abdução do membro superior o TCR fica em contacto com a arcada
  16. 16. Conflito coraco-acromial  Etiologia:  Desporto  Profissão  Elevação mantida do membro superior  Fisiopatologia:  Microtraumatismo » inflamação » degenerescência  3 fases na evolução do conflito coraco-acromial: 1. Inflamação do tendão com edema 2. Degenerescência tendinosa 3. rotura
  17. 17. Bursite sub-acromio-deltoideia  Inflamação da bolsa serosa sub-acromio- deltoideia  Etiologia:  Traumatismo, microcristalina, artropatias inflamatórias, infecciosa  Quadro clínico:  Dor intensa no ombro  Pode haver tumefacção local  Dor abdução > 80º
  18. 18. Epicondilite  Tendinite de inserção dos músculos epicondilianos  Extensores do punho e dedos  Supinadores  Cotovelo do tenista,  outras actividades repetitivas  Quadro clínico:  Dor na face externa do cotovelo  Dor agrava-se pela extensão e supinação contrariada do punho  Dor à palpação do tubérculo inferior e externo do úmero - epicôndilo
  19. 19. Epicondilite
  20. 20. Epitrocleíte  Tendinite de inserção dos músculos epitrocleanos  Flexores do punho e dedos  Pronadores  Cotovelo do golfista  Outras actividades repetitivas  Quadro clínico:  Dor na face interna do cotovelo  Dor agrava-se pela flexão e pronação contrariada do punho  Dor à palpação do tubérculo ósseo inferior e interno do úmero - epitróclea
  21. 21. Epitrocleíte
  22. 22. Outras tendinites  Tendinite bicipital  Tendinite da inserção distal do bicípite ao nível da tuberosidade proximal do radio  Dor na face anterior do antebraço um pouco abaixo da entrelinha articular  Olecrânealgia  Tendinite da inserção da tricípite braquial no olecrânio  Dor na face posterior do cotovelo
  23. 23. Bursite Olecraneana
  24. 24. Estiloidite radial  Tendinite da inserção do longo supinador na apófise estilóide do radio  Profissão manual  Costureira, trabalhadora rural  Quadro clinico  Dor na extremidade distal do bordo externo do rádio
  25. 25. Tendinite nodular do flexor dedo  O tendão flexor do dedo apresenta dificuldade no deslizamento dentro da bainha sinovial  quer pela existência de um nódulo na bainha do tendão flexor do dedo ou  pela fibrose e estenose da bainha.  Etiologia  Microtraumatismos (profissão)  Diabetes mellitus  amiloidose  Bloqueio doloroso da extensão do dedo, que cede com um ressalto. O nódulo palpa-se junto à MCF
  26. 26. Tendinite nodular do flexor
  27. 27. Tendinite nodular do flexor
  28. 28. Tendinite de Quervain  Afecta os tendões que constituem a tabaqueira anatómica:  Longo abdutor do polegar  Curto extensor do polegar  Profissões  Massagista  pianista  Quadro clínico  Dor e tumefacção base do polegar e apófise estilóide do radio
  29. 29. Tendinite de Quervain
  30. 30. Tendinite de Quervain
  31. 31. S. Canal Cárpico  Neuropatia de compressão do nervo mediano  Canal osteoligamentar:  Ossos do carpo  Ligamento transverso  Tendões flexores dos dedos  Quadro clinico:  Dores e parestesias nocturnas  Perda da sensibilidade  Diminuição da força muscular – abdução e oponência do polegar  Atrofia eminência tenar
  32. 32. S. Canal Cárpico
  33. 33. S. Canal Cárpico
  34. 34.  Doença de Dupuytren Fibrose nodular da aponevrose palmar  Espessamento  Contractura dos dedos  Indolor
  35. 35. Capsulite retráctil  Consiste na restrição de todos os movimentos (activos e passivos) da articulação gleno- umeral.  Quadro clínico:  1ª fase – dolorosa  2ª fase – restrição mobilidade  3ª fase - recuperação  Artrografia  Confirma a restrição do espaço articular
  36. 36. D. Reumáticas Periarticulares Membros inferiores
  37. 37. Bolsas serosas no M. Inferior
  38. 38. Bursite trocantérica
  39. 39. Bursite trocantérica  Inflamação da bolsa serosa trocantérica, localizada entre o tendão do médio glúteo e o grande trocânter  Quadro clínico:  Dor na face externa da coxa, na região trocantérica  Dor aumenta de intensidade com a marcha, subir escadas, e rotação externa contrariada da anca  Dor à palpação do bordo superior do grande trocânter
  40. 40. Bursite ileo-pectinea  Inflamação da bolsa serosa ileo-pectinea que se localiza entre o músculo psoas-iliaco e a face anterior da articulação coxofemoral  Quadro clinico:  Dor na virilha e face antero-superior da coxa  Dor aumenta com a extensão da coxa  E à pressão junto ao ligamento inguinal
  41. 41. Bursite isquio-glutea  Inflamação da bolsa serosa isquio-glútea localizada entre a tuberosidade isquiática e o grande glúteo  Quadro clínico:  Dor na região glútea junto à tuberosidade isquiática  Sentado durante muito tempo em superfícies duras
  42. 42. Tendinite dos adutores da anca  Tendinite de inserção dos músculos adutores da anca no ramo isquio-pubico  Lesão desportiva  Quadro clínico:  Dor na virilha e região púbica  Dor aumenta com a adução contrariada da anca  Dor à palpação dos adutores com a anca flectida e em abdução
  43. 43.  Meralgia parestésica Compressão do nervo femoro-cutâneo superficial na emergência sob o ligamento inguinal  Disestesia e hipostesia na face antero-lateral da coxa  Compressão junto à espinha ilíaca reproduz sintomas  Associa-se a obesidade, uso de roupas ou cintos apertados
  44. 44. Bolsas serosas patelares
  45. 45. Bursite pré-patelar
  46. 46. Bursite pré - patelar  Inflamação da bolsa serosa localizada entre a superfície cutânea e a rótula  Microtraumatismo :  Posição de ajoelhar  Artropatias inflamatórias, deposição de cristais, infecção  Quadro clínico:  Dor e tumefacção local
  47. 47. Bursite anserina
  48. 48. Bursite anserina  Inflamação de bolsa serosa localizada entre o ligamento lateral interno do joelho e o tendão da pata de ganso (recto interno, costureiro, semi- tendinoso, semi-membranoso)  A tendinite da pata de ganso consiste na inflamação da inserção deste tendão na extremidade superior e interna da tíbia  Dor na face interna do joelho
  49. 49. Quisto de Baker
  50. 50. Quisto de Baker  Formação quística localizada na face posterior do joelho - região popliteia – junto ao semi- membranoso, gémeo interno e gémeo externo  Quadro clinico  Dor e tumefacção local  Quando há rotura – dor na massa dos gémeos com tumefacção e equimose local
  51. 51. Tendinites na face anterior da Tibiotársica  Tendinite do tibial anterior  É o mais interno dos tendões  Termina no 1º cuneiforme  Dor com a flexão dorsal do pé e inversão  Subir escadas  Tendinite do extensor próprio 1º dedo e mais externo o extensor comum dos dedos  Dor à flexão dorsal do 1º dedo ou dos últimos 4 dedos
  52. 52. Tendinites da face interna da tibiotársica  Tendão tibial posterior  Tendão do flexor comum dos dedos  Tendão do flexor do 1º dedo  A este nível domina a tendinite do tibial posterior  Detrás do maléolo interno  Termina no escafóide  Dor inversão do pé
  53. 53. Tendinite dos peroneais laterais  A tendinite dos peroneais  Localiza-se por detrás do maléolo externo  Função de eversão e flexão do pé  Dor local que se intensifica com a eversão e flexão do pé  Subluxação dos tendões peroneias laterais  Lesão traumática – bailarinas – movimento súbito de dorsiflexão do pé acompanhado pela contracção dos peroneais
  54. 54. S. Canal Társico  Neuropatia de compressão do nervo tibial posterior  Compressão do nervo tibial a nível goteira –  Face interna calcâneo, bordo posterior do maléolo interno, face posterior do astrágalo, ligamento anular  QC: dor, tipo queimadura, parestesias na região plantar do pé  Fraqueza muscular – flexores dos dedos
  55. 55. Tendinite Aquiliana
  56. 56. Tendinite Aquiliana  Inflamação do tendão de Aquiles  Desporto – bailarinas  QC: dor e tumefacção local  A dor intensifica-se com a dorsiflexão
  57. 57. Tendinite Aquiliana
  58. 58. Ruptura do Tendão Aquiles  Ocorre cerca de 2,5 cm da inserção  Contracção muscular brusca – salto  QC: dor e impotência funcional, a flexão plantar do pé está comprometida  Teste de Thompson positivo
  59. 59. Bursite Aquiliana  2 bolsas serosas junto ao tendão de Aquiles: retro-aquiliana e outra pré-aquiliana  Inflamação secundária a microtraumatismos por ex. calçado
  60. 60. Esporão calcaneano
  61. 61. Fasceíte plantar  Inflamação da fascia localizada entre o calcâneo e as falanges proximais  Microtraumatismos ou doenças inflamatórias crónicas- Espondilite Anquilosante  QC: dor sob o calcâneo estendendo-se pelo arco longitudinal médio. A dor aumenta de intensidade pela dorsiflexão da tibiotársica e extensão dos dedos
  62. 62. Fasceíte plantar T. Aquiliana
  63. 63. Esporão posterior e inferior
  64. 64. Metatarsalgia  É a dor localizada na parte anterior do pé, incluindo os metatarsos e dedos  Causa:  Necrose asséptica da cabeça de um metatarso – D. Freiberg  Sesamoidite »»» Sobrecarga crónica – uso de salto alto, pé cavo  Fractura de fadiga »» marcha longa  Neurinoma de Morton
  65. 65. Hallux valgus
  66. 66. Pé plano Calcâneo valgo

×