SlideShare uma empresa Scribd logo

Roteiro leituramemorialconvento[1]

G
G

Roteiro leituramemorialconvento[1]

1 de 10
Baixar para ler offline
Nome e
                                   Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                           turma:
                                               Português
                                        Actividade de leitura
                           Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                                  I

1. No início deste capítulo vai saber quase tudo sobre o rei. Um rei que se ocupa a “brincar” às
   construções.
   1.1. Indique o que o rei está a construir.
2. Nomeie o bispo Inquisidor.
3. Anote em que consiste a promessa do rei.
4. Reparou, com certeza, na ironia do narrador ao falar da relação contratual entre o rei e a rainha.
   4.1. Transcreva uma frase reveladora dessa ironia.
5. A páginas tantas, fala-se de percevejos.
   5.1. Saliente a comicidade da descrição.
6. Atente na frase “mesmo não excedendo uns e outros a simples maceração do jejum ou a oculta
   fustigação do cilício.”(pág. 15)
   6.1. Procure saber do que se trata.
7. O rei sonha. A rainha sonha.
   7.1. Transcreva o sonho de um e de outro.

                                                 II

1. Neste capítulo fala-se dos milagres dos franciscanos.
   1.1. Descubra em que ano S. Francisco andava pelo mundo.

                                                 III

1. Na primeira página do capítulo, procure um equivalente para a expressão “no dia em que o rei faz
   anos”.
   1.1. Explique, com base no texto, o sentido da expressão.
2. O excesso de riqueza contrasta com a extrema miséria.
   2.1. Transcreva uma frase que ilustre esta afirmação.
3. Explique a que propósito o narrador exclama “o sol quando nasce é para todos”.
4. A procissão de penitência acontece no final de um certo excesso. Mencione estes dois momentos do
   calendário católico.
5. Registe os cheiros de Lisboa.
6. Procure, na página 29, um indício revelador da contemporaneidade do narrador.
7. Anote um comentário sobre o comportamento do povo.

                                                 IV

1. Baltasar Sete-Sóis é expulso da guerra.
   1.1. Registe o motivo pela boca da personagem.
2. Anote os lugares por onde passou até chegar a Lisboa e em Lisboa.
3. Na página 46, o leitor é confrontado com uma “visão” que nem na guerra se vê, segundo o
   companheiro de Baltasar.
   3.1. Segundo a sua leitura, adjective essa visão.




                                                                          Ficha formativa – Folha 1
Nome e
                                  Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                        turma:
                                               Português
                                        Actividade de leitura
                           Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                                V

1. D. Maria Ana não irá, hoje, ao auto-de-fé.
   1.1. Defina auto-de-fé.
   1.2. Explicite o motivo pelo qual a rainha não estará presente.
2. Atente na página 50 e registe o modo como as mulheres estão vestidas.
3. Procure exemplos que atestem do comportamento do povo.
4. Enumere os crimes de que são acusados os condenados.
5. Ali vai uma mãe que procura a filha, interpelando-a com o olhar.
   5.1. Explique o sentido de feiticeira e marrana no contexto do auto-de-fé.
6. É através desta personagem que temos conhecimento de outras personagens.
   6.1. Indique os seus nomes.
7. Procure a mudança de voz/ ponto de vista do narrador na página 52.
   7.1. Retire conclusões face a essa mudança.
8. Baltasar e Blimunda (re)conhecem-se.
   8.1. Acabe de ler o capítulo, inferindo da cumplicidade dos dois como se estivessem
         predestinados um ao outro.
   8.2. Assinale a expressão que evidencia que Blimunda vê “para além de”.

                                               VI

1. Ficamos a saber quem é o padre Bartolomeu Lourenço.
   1.1. Explicite a origem da sua alcunha.
2. Registe algumas características desta personagem.
3. O diálogo entre o padre Bartolomeu e Baltasar é uma lição de vida.
   3.1. Retire ema frase de que tenha gostado.
4. Procure, na página 63, uma frase elucidativa do percurso natural do Homem.
5. “O homem, bicho da terra…”(pág.64) é um verso conhecido d’Os Lusíadas.
   5.1. Transcreva o resto da frase, indicando o valor do argumento utilizado por Bartolomeu
         Lourenço.
6. Baltasar pergunta ao padre a razão que leva Blimunda a comer sempre pão antes de abrir os olhos
   de manhã.
   6.1. Tendo em conta a resposta do padre, anote a comparação estabelecida, inferindo do grande
         mistério.
7. Baltasar e o padre dirigem-se para o local onde “repousava” a máquina.
   7.1. Registe o nome do sítio e o nome dado à máquina.
8. Baltasar vê o “desenho” de uma ave. O padre Bartolomeu Lourenço faz-lhe uma proposta.
   8.1. Comente a reacção da personagem.
9. Bartolomeu compara Deus a Baltasar.
   9.1. Cite os argumentos enunciados pelo padre.




                                                                       Ficha formativa – Folha 2
Nome e
                                  Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                       turma:
                                              Português
                                       Actividade de leitura
                          Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                              VII

1. Enquanto o projecto da passarola matura, sendo necessário trabalho e meios para tal
   empreendimento, D. Maria Ana dá à luz.
   1.1. Transcreva os elementos frásicos que servem de comparação ao “bojo enorme” da rainha.
2. Encontre, na página 72, a única coisa a que não podemos fugir.
3. Já ouviu, com certeza, a expressão “é o negócio da China”. O narrador retoma esta expressão
   afirmando “negócios bons são os da China” (p.73).
   3.1. Procure explicar o que motivou esta expressão na língua portuguesa.
4. “D. João V vai ter de contentar-se com uma menina.
   4.1. Registe o nome da Infanta.
5. A cerimónia do baptizado é de “pompa e circunstância”.
   5.1. Explique o que significa a expressão realçada.
   5.2. Registe alguns dados que confirmem tamanha pompa.
6. A Infanta nasceu. Falta nascer o convento.
   6.1. Retire a expressão que indicia que o convento há-de ser construído.

                                              VIII

1. Explique em que consiste o “desporto” de D. Francisco.
2. O narrador refere-se à traição dos soldados, traçando um retrato muito crítico em relação ao
   “poder”.
   2.1. Explique o motivo da traição, aludindo à posição do narrador.
3. O narrador “põe a nu” comportamentos promíscuos entre devotas e padres.
   3.1. Transcreva uma frase que ilustre este “pecado”.
   3.2. Releve exemplos da ironia manifestada pelo narrador.
4. Atente na formalidade do cardeal D. Nuno da Cunha e no aparato da sua comitiva.
   4.1. Retire dois ou três exemplos que comprovem o estatuto e o poder da personagem.
5. Baltasar pediu uma tença.
   5.1. Explique o motivo de tal pedido.
6. Nomeie o local onde será construído o convento.
7. Em determinado contexto utiliza-se a expressão “pobreza franciscana”. Relacione esta expressão
   com o que os franciscanos terão e o que bastaria a S. Francisco de Assis (p.88).




                                                                       Ficha formativa – Folha 3
Nome e
                                   Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                           turma:
                                               Português
                                        Actividade de leitura
                           Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                                 IX

1. Baltasar e Blimunda mudam de casa.
   1.1. Anote o motivo por que o fazem.
2. Registe, segundo o narrador, o pecado de Bartolomeu Lourenço.
3. Procure o significado de abegoaria.
4. Na página 91 alude-se à falta que uma das mãos faz a um homem.
   4.1. Refira-se à falta maior evocada pelo narrador.
5. O padre Bartolomeu tem necessidade de experimentar/ensaiar os sermões que compôs.
   5.1. Teça um comentário que reflicta de algum modo a sua experiência no que respeita ao
         treino/ensaio para a competência do oral.
6. “Todos os caminhos vão dar a Roma” é uma expressão que vem de longe. O narrador parodia esta
   expressão ao contrapor “por isso é que não vão os caminhos dar todos a Roma, mas ao corpo”.
   6.1. Interprete o sentido da “reinvenção” da expressão popular.
7. Indique a quem comparam a verve de padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão.
8. Na página 93 diz-se que “Rl-Rei é tão moço que ainda gosta de brinquedos”.
   8.1. Explique esta afirmação do narrador.
9. Registe o elemento que fará voar a passarola, segundo Bartolomeu de Gusmão.
10. Comente a explicação do narrador sobre a reclusão conventual das mulheres.
11. Identifique os condenados do auto-de-fé.
12. Registe o acontecimento social a que se faz referência.
13. Explique porque é que “o cheiro a carne queimada não ofende estes narizes”.
14. Indique o local para onde partem Baltasar e Blimunda.

                                                 X

1. Atente na emoção da mãe que reencontra o seu filho, vindo da guerra.
   1.1. Seleccione uma palavra como prova dessa emoção.
2. Procure o sentido do verbo desajoujar.
3. O pai de Baltasar explica-lhe que El-Rei os obrigou a vender as terras. Explique porquê.
4. Registe o que, em matéria de trabalho, Baltasar pode ou não pode fazer.
5. Procure, na página 107, marcas de antecipação dos acontecimentos.
6. O cunhado de Baltasar trabalha na obra. Identifique essa obra.
7. Explicite o humor do narrador ao falar do Norte e do Sul.
8. Clarifique a noção de grandeza do convento, segundo Álvaro Diogo.
9. Registe a que é comparada a vila de Mafra.
10. Indique a razão pela qual os frades são malquistos pela população.
11. Anote a importância da conversa das mulheres.
12. Identifique os dois pares de noivos, salientando as diferenças entre um par e outro, no que
   respeita ao amor.
13. Clarifique, na página 112, “guerra de João e guerra da Inquisição”.
14. O rei está doente. O leitor é informado da vida leviana e libertina do rei. Procure uma frase que
   sintetize o real comportamento.
15. Releve as intenções do Infante D. Francisco.




                                                                          Ficha formativa – Folha 4
Nome e
                                   Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                           turma:
                                               Português
                                        Actividade de leitura
                           Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                                 XI

1. Enuncie o que é que segura o mundo para além da conversa das mulheres.
2. Refira-se ao tempo em que o padre esteve ausente.
3. Identifique o que faziam tantos homens a “rebentar tantos tiros de pólvora”.
4. Dê conta dos passos do padre Bartolomeu na vila de Mafra.
5. Anote a grande descoberta do padre Bartolomeu de Gusmão.
6. Identifique as funções de cada personagem para atingir o objectivo comum: voar.

                                                XII

1. Registe a metáfora para ventre, na página 129.
2. Procure o significado de soga.
3. Transcreva o que há, segundo Blimunda, entre a vida e a morte.
4. Explique o motivo pelo qual Baltasar e Blimunda se demoram em Mafra antes de voltarem a
   Lisboa.
5. Proceda ao levantamento de algum vocabulário específico dos domínios da arquitectura e da
   construção.
6. Refira-se ao milagre ocorrido em Mafra.
   6.1. Explique o sentido da expressão “o cabo dos trabalhos”.
7. Anote alguns dos ornamentos da Igreja (feita exclusivamente para a inauguração e para deitar
   abaixo de seguida) que demonstrem a ostentação do rei.
8. Sintetize o ritual da inauguração.
9. Indique os custos envolvidos para tal cerimónia.

                                                XIII

1. Devemos tentar sempre fazer até conseguirmos fazer bem.
   1.1. Explique de que modo o narrador se exprime a favor dessa conduta.
2. Indique o número de vontades que Blimunda terá que reunir para que a passarola voe.
3. Explicite a referência ao cavalo Pégaso.
4. Nomeie as forças que deverão ser conjugadas para que consigam voar.
5. Enuncie as instruções e os materiais necessários à constrição da passarola.
6. A procissão do Corpo de Deus não será como habitualmente. Explique porquê.
7. A procissão começa a sair. Resuma a organização ritualizada da procissão.
8. Procure, na página 153, o excerto que revela a profusão e a diversidade dos que participam na
   procissão.
9. Traduza a metáfora “este jardim à beira-mar plantado”.
10. Refira-se à intenção do narrador ao enumerar todos os santos e santas referenciados na procissão.
11. Saliente o humor tecido com a palavra mitra.
12. Enumere os pecados apontados aos penitentes.
13. Ordene correctamente a seguinte expressão, utilizada ironicamente pelo narrador: “Dai a César o
   que é de Deus, a Deus o que é de César”.
14. Transcreva sinónimos de “Corpo de Deus”.




                                                                          Ficha formativa – Folha 5
Nome e
                                   Ficha de Avaliação Formativa
                                                                                          turma:
                                               Português
                                        Actividade de leitura
                           Roteiro para a leitura de Memorial do Convento


                                               XIV

1. O padre Bartolomeu regressa, doutor, de Coimbra. Transcreva uma frase reveladora da protecção
   de El-Rei ao padre.
2. Identifique o professor de música que El-Rei contratou para ensinar a Infanta Dona Maria Bárbara.
3. Explicite a forma como nos é apresentada a música que il maestri “dedilhou no cravo”.
4. Indique o motivo da inversão da expressão “Mãe nossa que na terra estais”.
5. Anote o efeito que o improviso do maestro provocou em padre Bartolomeu de Gusmão.
6. Atente na conversa entre o músico e o pregador. Registe a conclusão da conversa.
7. A música de Scarlatti penetra em todo o lado. Explicite como esta serviu de inspiração ao padre.
8. O segredo é mostrado a Scarlatti. Descreva o que o músico vê.
9. Explicite as semelhanças e as diferenças entre os três homens
10. Atente (pág. 174) nas palavras contraditórias do padre Bartolomeu de Gusmão. Transcreva a
   conclusão a que o padre chegou sobre esta matéria depois de ter reflectido sobre o assunto.

                                                XV

1. Explicite as várias facetas do padre Bartolomeu de Gusmão.
2. Procure, na página 178, o verbo que demonstra as dúvidas do padre Bartolomeu de Gusmão.
3. Transcreva o modo como é explicada a música de Scarlatti.
4. Associe a palavra graça ao que este vocábulo pode representar.
5. Indique o nome da doença que então grassa em Lisboa.
6. Refira-se às estratégias utilizadas para afastar a peste.
7. Indique o número de pessoas vítimas da peste em Lisboa.
8. Refira-se ao estado de Baltasar e Blimunda quando recolheram à quinta.
9. No final da “recolha das vontades”, Blimunda adoece.
   9.1. Exemplifique com uma citação o remorso do padre em ter pedido este trabalho a Blimunda.
   9.2. Revele a terapia que cura Blimunda.

                                               XVI

1. Clarifique a referência a padre António Vieira.
2. Revele a origem da inquietação/medo do padre Bartolomeu de Gusmão.
3. O tempo escasseia. O padre tem de fugir. Indique de que modo o fará.
4. Transcreva a treze palavras que o Anjo Custódio saberá para ajudar na descolagem.
5. “A passarola voa”. Refira-se à euforia do padre perante a concretização do sonho.
6. Explique o significado de “poderemos ir à procura de novas Índias”.
7. Substitua a expressão “tarde piaram” por outra equivalente.
8. Indique o destino do cravo.
9. Procure, na página 202, as interrogações retóricas de cariz camoniano, explicitando o seu valor
   semântico.
10. Baltasar reconhece a terra que sobrevoam. Finalmente descem dos ares!
   10.1. Indique o local onde aterraram.
   10.2. Comente a estranha reacção do padre Bartolomeu.




                                                                         Ficha formativa – Folha 6

Recomendados

Roteiro leituramemorialconvento[1]
Roteiro leituramemorialconvento[1]Roteiro leituramemorialconvento[1]
Roteiro leituramemorialconvento[1]guest57586
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leituraCarla Luís
 
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano2009/2010_3ª ficha de avaliação_9ano
2009/2010_3ª ficha de avaliação_9anoSusana Sobrenome
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9Susana Sobrenome
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 69-70
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 69-70Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 69-70
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 69-70luisprista
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9aSusana Sobrenome
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)apfandradeg
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122luisprista
 
2 f form_gil auto da barca do inferno 9º
2 f form_gil auto da barca do inferno 9º2 f form_gil auto da barca do inferno 9º
2 f form_gil auto da barca do inferno 9ºlmmj
 
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1ssuser5df5fb
 
Prova de ensaio para avaliação parcial primeiro bimestre - lct iii
Prova de ensaio para avaliação parcial   primeiro bimestre - lct iiiProva de ensaio para avaliação parcial   primeiro bimestre - lct iii
Prova de ensaio para avaliação parcial primeiro bimestre - lct iiiHumberto Silva de Lima (UERJ / UFRJ)
 
Giorgio del vecchio - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro Santos
Giorgio del vecchio  - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro SantosGiorgio del vecchio  - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro Santos
Giorgio del vecchio - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro SantosLeandro Santos
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Ricardo Cordeiro
 
Cargos em um capítulo de MRA
Cargos em um capítulo de MRACargos em um capítulo de MRA
Cargos em um capítulo de MRAjasbranco
 
Nº9 os graus-cores e vestes
Nº9   os graus-cores e vestesNº9   os graus-cores e vestes
Nº9 os graus-cores e vestesjasbranco
 
Preparação de um discurso oratória
Preparação de um discurso oratóriaPreparação de um discurso oratória
Preparação de um discurso oratóriaEliete Correia Santos
 
Ano 3 boletim informativo fev 2012
Ano 3 boletim informativo fev 2012Ano 3 boletim informativo fev 2012
Ano 3 boletim informativo fev 2012joaquim2010_2011
 
Afundação roberto marinho
Afundação roberto marinhoAfundação roberto marinho
Afundação roberto marinhoTom Pereira
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portuguesadridias2007
 

Mais procurados (19)

Exame Nacional 2010
Exame Nacional 2010Exame Nacional 2010
Exame Nacional 2010
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
 
Exame nacional 2010
Exame nacional 2010Exame nacional 2010
Exame nacional 2010
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
 
2 f form_gil auto da barca do inferno 9º
2 f form_gil auto da barca do inferno 9º2 f form_gil auto da barca do inferno 9º
2 f form_gil auto da barca do inferno 9º
 
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
Mensagens11 nl 2020_teste_1 _v1
 
Prova de ensaio para avaliação parcial primeiro bimestre - lct iii
Prova de ensaio para avaliação parcial   primeiro bimestre - lct iiiProva de ensaio para avaliação parcial   primeiro bimestre - lct iii
Prova de ensaio para avaliação parcial primeiro bimestre - lct iii
 
Giorgio del vecchio - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro Santos
Giorgio del vecchio  - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro SantosGiorgio del vecchio  - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro Santos
Giorgio del vecchio - Historia da Filosofia do Direito (2010) By Leandro Santos
 
Trabalho e prosperidade
Trabalho e prosperidadeTrabalho e prosperidade
Trabalho e prosperidade
 
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
Teste 2-112012-13sermo-121130154313-phpapp02
 
Cargos em um capítulo de MRA
Cargos em um capítulo de MRACargos em um capítulo de MRA
Cargos em um capítulo de MRA
 
Trabalho e Prosperidade.
Trabalho e Prosperidade.Trabalho e Prosperidade.
Trabalho e Prosperidade.
 
Nº9 os graus-cores e vestes
Nº9   os graus-cores e vestesNº9   os graus-cores e vestes
Nº9 os graus-cores e vestes
 
Preparação de um discurso oratória
Preparação de um discurso oratóriaPreparação de um discurso oratória
Preparação de um discurso oratória
 
Ano 3 boletim informativo fev 2012
Ano 3 boletim informativo fev 2012Ano 3 boletim informativo fev 2012
Ano 3 boletim informativo fev 2012
 
Afundação roberto marinho
Afundação roberto marinhoAfundação roberto marinho
Afundação roberto marinho
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portugues
 

Destaque

Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina mornaguest57586
 
Apresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsApresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsCarla Luís
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC12anogolega
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86luisprista
 

Destaque (20)

Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Apresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsApresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º Português
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 103-104
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 110
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 108-109
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 92
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 100-101
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 107
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 75-76
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 90-91
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 93-94
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 70-71
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 73-74
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 95-96
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 97
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 85-86
 

Semelhante a Roteiro leituramemorialconvento[1]

os-maias-visao-sinoptica.doc
os-maias-visao-sinoptica.docos-maias-visao-sinoptica.doc
os-maias-visao-sinoptica.docleniafilipe
 
Teste 9 º ano 2º p
Teste 9 º ano 2º pTeste 9 º ano 2º p
Teste 9 º ano 2º pprofcc
 
Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015fatimamendonca64
 
Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015fatimamendonca64
 
Mathesis10 287
Mathesis10 287Mathesis10 287
Mathesis10 287Elisa Dias
 
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfEX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfFJDOliveira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83luisprista
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º bIlda Oliveira
 
Sequencia didactica o segredo do rio
Sequencia didactica   o segredo do rioSequencia didactica   o segredo do rio
Sequencia didactica o segredo do riobibliotecap
 
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias Thainá Ferreira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112luisprista
 

Semelhante a Roteiro leituramemorialconvento[1] (11)

os-maias-visao-sinoptica.doc
os-maias-visao-sinoptica.docos-maias-visao-sinoptica.doc
os-maias-visao-sinoptica.doc
 
Teste 9 º ano 2º p
Teste 9 º ano 2º pTeste 9 º ano 2º p
Teste 9 º ano 2º p
 
Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015
 
Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015Teste diagnostico 8_ano_2015
Teste diagnostico 8_ano_2015
 
Mathesis10 287
Mathesis10 287Mathesis10 287
Mathesis10 287
 
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfEX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
 
Sequencia didactica o segredo do rio
Sequencia didactica   o segredo do rioSequencia didactica   o segredo do rio
Sequencia didactica o segredo do rio
 
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias
Afixos: A Estilística em Memórias de Um Sargento de Milicias
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 

Roteiro leituramemorialconvento[1]

  • 1. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento I 1. No início deste capítulo vai saber quase tudo sobre o rei. Um rei que se ocupa a “brincar” às construções. 1.1. Indique o que o rei está a construir. 2. Nomeie o bispo Inquisidor. 3. Anote em que consiste a promessa do rei. 4. Reparou, com certeza, na ironia do narrador ao falar da relação contratual entre o rei e a rainha. 4.1. Transcreva uma frase reveladora dessa ironia. 5. A páginas tantas, fala-se de percevejos. 5.1. Saliente a comicidade da descrição. 6. Atente na frase “mesmo não excedendo uns e outros a simples maceração do jejum ou a oculta fustigação do cilício.”(pág. 15) 6.1. Procure saber do que se trata. 7. O rei sonha. A rainha sonha. 7.1. Transcreva o sonho de um e de outro. II 1. Neste capítulo fala-se dos milagres dos franciscanos. 1.1. Descubra em que ano S. Francisco andava pelo mundo. III 1. Na primeira página do capítulo, procure um equivalente para a expressão “no dia em que o rei faz anos”. 1.1. Explique, com base no texto, o sentido da expressão. 2. O excesso de riqueza contrasta com a extrema miséria. 2.1. Transcreva uma frase que ilustre esta afirmação. 3. Explique a que propósito o narrador exclama “o sol quando nasce é para todos”. 4. A procissão de penitência acontece no final de um certo excesso. Mencione estes dois momentos do calendário católico. 5. Registe os cheiros de Lisboa. 6. Procure, na página 29, um indício revelador da contemporaneidade do narrador. 7. Anote um comentário sobre o comportamento do povo. IV 1. Baltasar Sete-Sóis é expulso da guerra. 1.1. Registe o motivo pela boca da personagem. 2. Anote os lugares por onde passou até chegar a Lisboa e em Lisboa. 3. Na página 46, o leitor é confrontado com uma “visão” que nem na guerra se vê, segundo o companheiro de Baltasar. 3.1. Segundo a sua leitura, adjective essa visão. Ficha formativa – Folha 1
  • 2. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento V 1. D. Maria Ana não irá, hoje, ao auto-de-fé. 1.1. Defina auto-de-fé. 1.2. Explicite o motivo pelo qual a rainha não estará presente. 2. Atente na página 50 e registe o modo como as mulheres estão vestidas. 3. Procure exemplos que atestem do comportamento do povo. 4. Enumere os crimes de que são acusados os condenados. 5. Ali vai uma mãe que procura a filha, interpelando-a com o olhar. 5.1. Explique o sentido de feiticeira e marrana no contexto do auto-de-fé. 6. É através desta personagem que temos conhecimento de outras personagens. 6.1. Indique os seus nomes. 7. Procure a mudança de voz/ ponto de vista do narrador na página 52. 7.1. Retire conclusões face a essa mudança. 8. Baltasar e Blimunda (re)conhecem-se. 8.1. Acabe de ler o capítulo, inferindo da cumplicidade dos dois como se estivessem predestinados um ao outro. 8.2. Assinale a expressão que evidencia que Blimunda vê “para além de”. VI 1. Ficamos a saber quem é o padre Bartolomeu Lourenço. 1.1. Explicite a origem da sua alcunha. 2. Registe algumas características desta personagem. 3. O diálogo entre o padre Bartolomeu e Baltasar é uma lição de vida. 3.1. Retire ema frase de que tenha gostado. 4. Procure, na página 63, uma frase elucidativa do percurso natural do Homem. 5. “O homem, bicho da terra…”(pág.64) é um verso conhecido d’Os Lusíadas. 5.1. Transcreva o resto da frase, indicando o valor do argumento utilizado por Bartolomeu Lourenço. 6. Baltasar pergunta ao padre a razão que leva Blimunda a comer sempre pão antes de abrir os olhos de manhã. 6.1. Tendo em conta a resposta do padre, anote a comparação estabelecida, inferindo do grande mistério. 7. Baltasar e o padre dirigem-se para o local onde “repousava” a máquina. 7.1. Registe o nome do sítio e o nome dado à máquina. 8. Baltasar vê o “desenho” de uma ave. O padre Bartolomeu Lourenço faz-lhe uma proposta. 8.1. Comente a reacção da personagem. 9. Bartolomeu compara Deus a Baltasar. 9.1. Cite os argumentos enunciados pelo padre. Ficha formativa – Folha 2
  • 3. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento VII 1. Enquanto o projecto da passarola matura, sendo necessário trabalho e meios para tal empreendimento, D. Maria Ana dá à luz. 1.1. Transcreva os elementos frásicos que servem de comparação ao “bojo enorme” da rainha. 2. Encontre, na página 72, a única coisa a que não podemos fugir. 3. Já ouviu, com certeza, a expressão “é o negócio da China”. O narrador retoma esta expressão afirmando “negócios bons são os da China” (p.73). 3.1. Procure explicar o que motivou esta expressão na língua portuguesa. 4. “D. João V vai ter de contentar-se com uma menina. 4.1. Registe o nome da Infanta. 5. A cerimónia do baptizado é de “pompa e circunstância”. 5.1. Explique o que significa a expressão realçada. 5.2. Registe alguns dados que confirmem tamanha pompa. 6. A Infanta nasceu. Falta nascer o convento. 6.1. Retire a expressão que indicia que o convento há-de ser construído. VIII 1. Explique em que consiste o “desporto” de D. Francisco. 2. O narrador refere-se à traição dos soldados, traçando um retrato muito crítico em relação ao “poder”. 2.1. Explique o motivo da traição, aludindo à posição do narrador. 3. O narrador “põe a nu” comportamentos promíscuos entre devotas e padres. 3.1. Transcreva uma frase que ilustre este “pecado”. 3.2. Releve exemplos da ironia manifestada pelo narrador. 4. Atente na formalidade do cardeal D. Nuno da Cunha e no aparato da sua comitiva. 4.1. Retire dois ou três exemplos que comprovem o estatuto e o poder da personagem. 5. Baltasar pediu uma tença. 5.1. Explique o motivo de tal pedido. 6. Nomeie o local onde será construído o convento. 7. Em determinado contexto utiliza-se a expressão “pobreza franciscana”. Relacione esta expressão com o que os franciscanos terão e o que bastaria a S. Francisco de Assis (p.88). Ficha formativa – Folha 3
  • 4. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento IX 1. Baltasar e Blimunda mudam de casa. 1.1. Anote o motivo por que o fazem. 2. Registe, segundo o narrador, o pecado de Bartolomeu Lourenço. 3. Procure o significado de abegoaria. 4. Na página 91 alude-se à falta que uma das mãos faz a um homem. 4.1. Refira-se à falta maior evocada pelo narrador. 5. O padre Bartolomeu tem necessidade de experimentar/ensaiar os sermões que compôs. 5.1. Teça um comentário que reflicta de algum modo a sua experiência no que respeita ao treino/ensaio para a competência do oral. 6. “Todos os caminhos vão dar a Roma” é uma expressão que vem de longe. O narrador parodia esta expressão ao contrapor “por isso é que não vão os caminhos dar todos a Roma, mas ao corpo”. 6.1. Interprete o sentido da “reinvenção” da expressão popular. 7. Indique a quem comparam a verve de padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão. 8. Na página 93 diz-se que “Rl-Rei é tão moço que ainda gosta de brinquedos”. 8.1. Explique esta afirmação do narrador. 9. Registe o elemento que fará voar a passarola, segundo Bartolomeu de Gusmão. 10. Comente a explicação do narrador sobre a reclusão conventual das mulheres. 11. Identifique os condenados do auto-de-fé. 12. Registe o acontecimento social a que se faz referência. 13. Explique porque é que “o cheiro a carne queimada não ofende estes narizes”. 14. Indique o local para onde partem Baltasar e Blimunda. X 1. Atente na emoção da mãe que reencontra o seu filho, vindo da guerra. 1.1. Seleccione uma palavra como prova dessa emoção. 2. Procure o sentido do verbo desajoujar. 3. O pai de Baltasar explica-lhe que El-Rei os obrigou a vender as terras. Explique porquê. 4. Registe o que, em matéria de trabalho, Baltasar pode ou não pode fazer. 5. Procure, na página 107, marcas de antecipação dos acontecimentos. 6. O cunhado de Baltasar trabalha na obra. Identifique essa obra. 7. Explicite o humor do narrador ao falar do Norte e do Sul. 8. Clarifique a noção de grandeza do convento, segundo Álvaro Diogo. 9. Registe a que é comparada a vila de Mafra. 10. Indique a razão pela qual os frades são malquistos pela população. 11. Anote a importância da conversa das mulheres. 12. Identifique os dois pares de noivos, salientando as diferenças entre um par e outro, no que respeita ao amor. 13. Clarifique, na página 112, “guerra de João e guerra da Inquisição”. 14. O rei está doente. O leitor é informado da vida leviana e libertina do rei. Procure uma frase que sintetize o real comportamento. 15. Releve as intenções do Infante D. Francisco. Ficha formativa – Folha 4
  • 5. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XI 1. Enuncie o que é que segura o mundo para além da conversa das mulheres. 2. Refira-se ao tempo em que o padre esteve ausente. 3. Identifique o que faziam tantos homens a “rebentar tantos tiros de pólvora”. 4. Dê conta dos passos do padre Bartolomeu na vila de Mafra. 5. Anote a grande descoberta do padre Bartolomeu de Gusmão. 6. Identifique as funções de cada personagem para atingir o objectivo comum: voar. XII 1. Registe a metáfora para ventre, na página 129. 2. Procure o significado de soga. 3. Transcreva o que há, segundo Blimunda, entre a vida e a morte. 4. Explique o motivo pelo qual Baltasar e Blimunda se demoram em Mafra antes de voltarem a Lisboa. 5. Proceda ao levantamento de algum vocabulário específico dos domínios da arquitectura e da construção. 6. Refira-se ao milagre ocorrido em Mafra. 6.1. Explique o sentido da expressão “o cabo dos trabalhos”. 7. Anote alguns dos ornamentos da Igreja (feita exclusivamente para a inauguração e para deitar abaixo de seguida) que demonstrem a ostentação do rei. 8. Sintetize o ritual da inauguração. 9. Indique os custos envolvidos para tal cerimónia. XIII 1. Devemos tentar sempre fazer até conseguirmos fazer bem. 1.1. Explique de que modo o narrador se exprime a favor dessa conduta. 2. Indique o número de vontades que Blimunda terá que reunir para que a passarola voe. 3. Explicite a referência ao cavalo Pégaso. 4. Nomeie as forças que deverão ser conjugadas para que consigam voar. 5. Enuncie as instruções e os materiais necessários à constrição da passarola. 6. A procissão do Corpo de Deus não será como habitualmente. Explique porquê. 7. A procissão começa a sair. Resuma a organização ritualizada da procissão. 8. Procure, na página 153, o excerto que revela a profusão e a diversidade dos que participam na procissão. 9. Traduza a metáfora “este jardim à beira-mar plantado”. 10. Refira-se à intenção do narrador ao enumerar todos os santos e santas referenciados na procissão. 11. Saliente o humor tecido com a palavra mitra. 12. Enumere os pecados apontados aos penitentes. 13. Ordene correctamente a seguinte expressão, utilizada ironicamente pelo narrador: “Dai a César o que é de Deus, a Deus o que é de César”. 14. Transcreva sinónimos de “Corpo de Deus”. Ficha formativa – Folha 5
  • 6. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XIV 1. O padre Bartolomeu regressa, doutor, de Coimbra. Transcreva uma frase reveladora da protecção de El-Rei ao padre. 2. Identifique o professor de música que El-Rei contratou para ensinar a Infanta Dona Maria Bárbara. 3. Explicite a forma como nos é apresentada a música que il maestri “dedilhou no cravo”. 4. Indique o motivo da inversão da expressão “Mãe nossa que na terra estais”. 5. Anote o efeito que o improviso do maestro provocou em padre Bartolomeu de Gusmão. 6. Atente na conversa entre o músico e o pregador. Registe a conclusão da conversa. 7. A música de Scarlatti penetra em todo o lado. Explicite como esta serviu de inspiração ao padre. 8. O segredo é mostrado a Scarlatti. Descreva o que o músico vê. 9. Explicite as semelhanças e as diferenças entre os três homens 10. Atente (pág. 174) nas palavras contraditórias do padre Bartolomeu de Gusmão. Transcreva a conclusão a que o padre chegou sobre esta matéria depois de ter reflectido sobre o assunto. XV 1. Explicite as várias facetas do padre Bartolomeu de Gusmão. 2. Procure, na página 178, o verbo que demonstra as dúvidas do padre Bartolomeu de Gusmão. 3. Transcreva o modo como é explicada a música de Scarlatti. 4. Associe a palavra graça ao que este vocábulo pode representar. 5. Indique o nome da doença que então grassa em Lisboa. 6. Refira-se às estratégias utilizadas para afastar a peste. 7. Indique o número de pessoas vítimas da peste em Lisboa. 8. Refira-se ao estado de Baltasar e Blimunda quando recolheram à quinta. 9. No final da “recolha das vontades”, Blimunda adoece. 9.1. Exemplifique com uma citação o remorso do padre em ter pedido este trabalho a Blimunda. 9.2. Revele a terapia que cura Blimunda. XVI 1. Clarifique a referência a padre António Vieira. 2. Revele a origem da inquietação/medo do padre Bartolomeu de Gusmão. 3. O tempo escasseia. O padre tem de fugir. Indique de que modo o fará. 4. Transcreva a treze palavras que o Anjo Custódio saberá para ajudar na descolagem. 5. “A passarola voa”. Refira-se à euforia do padre perante a concretização do sonho. 6. Explique o significado de “poderemos ir à procura de novas Índias”. 7. Substitua a expressão “tarde piaram” por outra equivalente. 8. Indique o destino do cravo. 9. Procure, na página 202, as interrogações retóricas de cariz camoniano, explicitando o seu valor semântico. 10. Baltasar reconhece a terra que sobrevoam. Finalmente descem dos ares! 10.1. Indique o local onde aterraram. 10.2. Comente a estranha reacção do padre Bartolomeu. Ficha formativa – Folha 6
  • 7. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XVII 1. Explique porque é que Baltasar “falou antes do tempo”. 2. Baltasar começa a trabalhar na construção do convento. Explicite em que consiste o seu trabalho. 3. Transcreva a referência às Invasões Francesas que decorrerão quase cem anos mais tarde e que denuncia o tempo da escrita posterior ao tempo da História. 4. Os trabalhos são demorados. Transcreva uma frase comprovativa dessa lentidão. 5. A chuva torna todo o trabalho mais difícil, sendo, por vezes, necessário parar. Quando a chuva pára, tudo recomeça. Enumere os verbos que dão conta desse recomeço. 6. “O que vale são estas distracções.” Identifique o referente de estas. 7. Evidencie a emoção de Baltasar quando Blimunda o vem esperar. 8. Atente na descrição das catástrofes naturais. Enuncie dois ou três exemplos. 9. Identifique, na página 223, a aliteração do “inimigo”. 10. Assinale o motivo da vinda de Scarlatti a Mafra. XVIII 1. A riqueza de D. João é imensa. Registe em quanto é avaliada a sua fortuna. 2. Portugal é deficitário em ciência. Transcreva um exemplo demonstrativo desta afirmação. 3. Registe a profusão de artífices necessários à construção do convento. 4. Atente na referência que é feita a padre António Vieira e no cómico de situação que se lhe segue. Explicite a intenção do narrador. 5. Atente na expressão “não passam estes sem tronco”. Seleccione, num dicionário, o significado que mais se adequa ao contexto da frase. 6. Anote o nome do trabalhador quer veio do Alentejo, indicando as razões da sua imigração. 7. Repare nas conversas dos trabalhadores. Saliente a relação que é estabelecida entre o teor das conversas e o Santo Ofício. 7.1. Conclua, numa frase, o que está em causa. Ficha formativa – Folha 7
  • 8. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XIX 1. Baltasar, “farto de ser mula de liteira”, torna-se boieiro. Em que consiste o seu novo trabalho? 2. Indique o que os homens vão buscar a Pêro Pinheiro. 3. Para tal incumbência, é necessária a ajuda de muitas pessoas. Explique de que modo o narrador mostra essa quantidade. 4. Transcreva uma expressão que elucide as dimensões da pedra. 5. O narrador passa dos “números” da “pedra da varanda” para a actualidade. Revele a situação para a qual o narrador transita. 6. Explique o motivo do comentário “A viagem começa mal!”. 7. Interprete o valor semântico de bico-de-obra. 8. A designação almoçar, jantar e cear, a que se faz referência no texto, não corresponde exactamente àquilo que hoje designamos. Refira-se a esta não coincidência. 9. Explique o significado de “uma tropa fandanga”. 10. Atente na expressão “Vai ser uma grande jornada”. Substitua o adjectivo por outro, sem que a expressão perca o seu valor semântico. 11. Defina aparato. (pág. 252) 12. Explicite o significado da frase “tantas horas de esforço para tão pouco andar”. 13. Ninguém pode ser, não sendo…”só existe o que forem”. Opine sobre o valor desta frase. 14. O leitor também é convocado para esta epopeia. Refira os moldes em que o narrador o convoca. 15. “Os moradores vieram ao bodo”. Explique bodo. 16. Identifique o contador da história que anima o serão para trabalhadores. Indique a estratégia usada para “aguçar o apetite dos ouvintes”. 17. Transcreva a resposta de Baltasar à sua própria pergunta – “como é que um boieiro se faz homem?”. 18. Refira-se ao comentário de Baltasar ao comparar a pedra que tinham transportado com a basílica. XX 1. Baltasar tem feito a manutenção da passarola. Blimunda acompanha-o. 1.1. Identifique a quem Baltasar revela onde vai. 1.2. Registe duas tarefas de Blimunda junto da máquina. 2. O narrador alude às Doenças Sexualmente Transmissíveis. Pesquise o nome da doença desses tempos, equivalente ao HIV dos nossos dias. 3. Transcreva a antítese que encontra no final do capítulo. Ficha formativa – Folha 8
  • 9. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XXI 1. Explique a primeira frase do capítulo. 2. Indique o motivo pelo qual D. João V mandou chamar o arquitecto. Registe a resposta de Ludovice. 3. Indique o número definitivo de frades que o convento albergaria para compensar a não realização da basílica em Lisboa. 4. Registe a relação entre “Deve e Haver” da contabilidade régia. 5. Explique o significado da expressão “o pior pobre é aquele a quem o dinheiro não falta”, relacionando-a com a expressão popular “pior cego é aquele que não quer ver”. 6. O narrador refere-se à guerra, estabelecendo um confronto entre “ontem” e “hoje”. Evidencie as ideias veiculadas pelo narrador. 7. Refira-se aos receios do rei. 8. Indique o motivo pelo qual foi escolhida a data da sagração da basílica. Anote as consequências da proximidade da data. 9. Sublinhe, na pág. 259, o recurso à linguagem camoniana, explicitando o seu valor semântico. 10. Transcreva o adjectivo que se liga a cada uma das letras que perfazem Mafra. 11. Explique o que acontecerá aos homens “que não prestarem” para a obra. XXII 1. Indique a nacionalidade dos noivos dos filhos do rei. 2. João Elvas era um “velho de aspecto venerando”, qual Velho do Restelo. Explique por que motivo João Elvas passou a Aldegalega. 3. Refira alguns dos números envolvidos na comitiva do rei, reveladores do luso, da grandeza e da vaidade do monarca. 4. Transcreva dois ou três adjectivos que caracterizem D. João V. 5. Afinal, o rei é um despesista. Porquê? 6. Cite como são os homens, na opinião da rainha. 7. Saliente o modo como iam os homens que a Infanta Dona Maria Bárbara vê em Évora. 8. “Toma lá Bárbara, dá cá Mariana”. 8.1. Explique a troca, referindo-se à noção de “conveniência”. 8.2. Indique o modo como acaba a cerimónia do casamento. XXIII 1. Refira-se às ordens dadas pelo provincial. 2. Identifique o percurso efectuado pelos frades. 3. Explique a razão da expressão “malditos sejam os frades”.(pág. 237) 4. Assinale as marcas do tempo na fisionomia de Baltasar. 5. Indique o que vão ver Blimunda e Baltasar. 6. Explique o valor das referências a Oriana/Amadis e Romeu/Julieta na despedida de Baltasar e Baltasar. 7. Explique o motivo do voo de Baltasar. Ficha formativa – Folha 9
  • 10. Nome e Ficha de Avaliação Formativa turma: Português Actividade de leitura Roteiro para a leitura de Memorial do Convento XXIV 1. Indique de que é que se não está livre, segundo o narrador. 2. Blimunda começa à procura de Baltasar. 2.1. Indique por onde começa. 2.2. Refira-se às consequências do encontro entre Blimunda e um frade dominicano. 2.3. Explicite a tecnologia que permitiria a todos ouvir a bênção da inauguração. 2.4. Transcreva exemplos que reflictam a importância dada à sagração/inauguração da basílica do Convento de Mafra. XXV 1. Blimunda procura Baltasar e não o encontra. 1.1. Refira-se ao que Blimunda conheceu durante esse tempo. 1.2. Registe o “milagre” de Blimunda. 2. Procure num dicionário de símbolos a referência aos números 9, 7 e 28, interpretando o seu valor simbólico. 3. Finalmente, Blimunda encontra Baltasar. 3.1. Anote as circunstâncias do encontro. 3.2. Evidencie o modo como se dá o encontro final entre Baltasar e Blimunda. in Interacções, Texto Editores Ficha formativa – Folha 10