A Alegoria Da Caverna 2008 09

2.599 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.599
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
622
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • <number><number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • <number>
  • A Alegoria Da Caverna 2008 09

    1. 1. I Módulo Inicial Iniciação à Actividade Filosófica
    2. 2. I Módulo Inicial Iniciação à Actividade Filosófica SUMÁRIO Análise do texto “Alegoria da Caverna”, de Platão: - caracterização da Filosofia; - valor e utilidade da Filosofia.
    3. 3. “Alegoria da Caverna” Alegoria é uma representação figurativa de uma proeza, de uma virtude, de uma ideia ou ser abstracto, apresentada como ficção, com o objectivo de tornar mais acessível a mensagem. Manual página 22
    4. 4. Guião de leitura • Quem representam os homens da caverna? • O que representa o mundo da caverna? • O que vêem os prisioneiros? • O que representa a luz do Sol? • Quem representa o prisioneiro que consegue libertar-se? • Ao regressar à caverna como é recebido pelos outros prisioneiros?
    5. 5. Proposta de análise Numa alegoria, temos de inventariar as imagens, depois os conceitos que elas veiculam, relacionando ambos. Manual, página 22
    6. 6. Proposta de análise 1. Descrição da situação IMAGENS CONCEITOS A caverna O mundo sensível Os prisioneiros Condição humana Trevas Ignorância Confusão sombras/objectos Indistinção aparência/realidade
    7. 7. Proposta de análise 2. Problematização da situação IMAGENS CONCEITOS Dificuldade de olhar a luz e Força dos hábitos adquiridos os objectos Dificuldade do despertar e Poder do conformismo resistência dos prisioneiros Etapas da ascensão até ao Progressiva eliminação mundo exterior dos preconceitos Perturbação dos Espanto filosófico prisioneiros ao descobrir o mundo exterior
    8. 8. Proposta de análise 3. Resolução dos problemas sugeridos pela situação IMAGENS CONCEITOS Contemplação da luz do Sol Conhecimento da verdade Comparação mundo Trabalho de análise exterior/ vida na caverna Compreensão da situação Tomada de consciência/ na caverna mutação do modo de ser O regresso do filósofo à Amor/dever do filósofo caverna Perigosidade de falar a Risco do filósofo verdade
    9. 9. Proposta de análise a. Tema Natureza, existência e condição humanas
    10. 10. Proposta de análise b. Problema Vivendo os seres humanos aprisionados à sua própria ignorância (trevas da caverna), pergunta-se: 1. Como libertar-se das trevas e aceder ao conhecimento (a luz do Sol)? 2. Como mudar se não temos consciência da ignorância?
    11. 11. Proposta de análise C. Tese do autor Esta alegoria caracteriza o imobilismo da existência dos humanos; vivemos mergulhados na ilusão e na inconsciência; acorrentados à nossa ignorância. Mas podemos libertar-nos e alcançar o conhecimento se fizermos o esforço necessário. >>>
    12. 12. Proposta de análise Com efeito, segundo Platão: 1. os humanos (os prisioneiros) vivem num estado de inconsciência causada pela ignorância 2. só uma minoria consegue libertar-se 3. libertar-se é aceder à Sabedoria através da Filosofia
    13. 13. Proposta de análise d. Argumentos ▪ vivemos acorrentados na escuridão, não temos a experiência de outros modos de ver a nossa existência; ▪ não temos consciência da nossa ignorância e por comodismo e medo não queremos mudar; ▪ no entanto, a mudança é possível e vale a pena sair da caverna; ▪ essa mudança exige esforço, aprendizagem contínua e gradual; ▪ aquele que sai e se libertou, compreendeu; ▪ ao compreender alegrou-se, lamentou a situação dos prisioneiros e decide tentar libertá-los.
    14. 14. Conclusão a Alegoria a Filosofia corresponde a uma actividade difícil que exige disciplina intelectual, esforço crítico e autocrítico. CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE FILOSÓFICA Lança a dúvida sobre o que nos habituamos a considerar verdadeiro sem razões para tal Exige que avaliemos os nossos preconceitos, as nossas crenças mais básicas
    15. 15. ARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE FILOSÓFICA (cont.) A crítica filosófica exerce-se mediante o pensamento argumentativo Pressupõe uma tomada de posição devidamente fundamentada, o que corresponde ao uso de um pensamento livre e autónomo Opõe-se ao dogmatismo PESAR DE DÍFICIL, ESTA AVENTURA
    16. 16. Conclusão O valor ou utilidade da Filosofia Uma vez que somos como os prisioneiros, a Filosofia poderá ajudar-nos a fazer a viagem do fundo da caverna em direcção à luz : Aprender a ver a realidade sob nova perspectiva Libertar-nos do pseudo-saber Pensar por nós próprios Procurar orientação para a existência Alcançar autonomia e liberdade através do saber
    17. 17. O valor ou utilidade da filosofia (cont.) A filosofia desenvolve uma capacidade para argumentar e debater problemas filosóficos e não filosóficos. Esta capacidade é importante por duas razões: 5.Pode fazer de nós cidadãos mais informados e participativos na vida pública. 6.Quem souber argumentar bem tem maiores probabilidades de tomar melhores decisões, as quais podem afectar decisivamente a nossa vida.

    ×