Chuva áCida

5.811 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
2 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.811
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
122
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Chuva áCida

  1. 1. O termo quot;chuva ácidaquot; refere-se à precipitação acidificada sob a forma de chuva, neve ou granizo. Este termo foi pela primeira vez utilizado em 1858 e tem sido usado desde então.
  2. 2. A água pura, a 20ºC tem um pH = 7, mas a água que existe na atmosfera não é neutra. A chuva dita “normal” é ligeiramente ácida, apresenta um pH que ronda os 5,6. Esta acidez normal é resultante da combinação do dióxido de carbono existente na atmosfera com a água, formando ácido carbónico, um ácido fraco, que faz com que o pH da chuva seja próximo de 5.6.
  3. 3. No entanto, o pH da água da chuva tem decaído constantemente desde o início da revolução industrial. Isto deve-se ao facto de alguns compostos poluentes, como o dióxido de enxofre e os óxidos de azoto, contribuírem para a contínua acidificação da chuva.
  4. 4. • Os óxidos de azoto, cujos principais emissores são os veículos automóveis e as centrais termoeléctricas, reagem com as moléculas de água, originando ácido nítrico; • O dióxido de enxofre, também expelido pelos automóveis e pelas centrais termoeléctricas, ao reagir com a água origina ácido sulfúrico. Isto faz com que o pH da chuva baixe, muitas vezes para valores próximos de 3.
  5. 5. • A acidificação dos lagos e dos rios tem como consequência a morte de plâncton, moluscos, peixes e anfíbios. Se a precipitação for muito ácida, pode mesmo destruir todos os seres vivos.
  6. 6. • As chuvas ácidas são responsáveis pela alteração das características dos solos e pela ocorrência de lesões graves nas plantas, tendo causado danos irreversíveis em algumas florestas da Europa do Norte e Central.
  7. 7. A chuva ácida é responsável pela corrosão de pedra, metal ou tinta. Praticamente todos os materiais expostos à chuva e ao vento durante muito tempo degradam-se gradualmente. A chuva ácida vai acelerar esse processo, destruindo estátuas, prédios ou monumentos. Reparar os estragos causados pela chuva ácida em casas e prédios pode ser muito caro.
  8. 8. • O ozono (O3) é um gás cuja molécula contém três átomos de oxigénio (O). Cerca de 90% do ozono que existe na atmosfera localiza-se na estratosfera, entre 10 a 50Km acima da superfície terrestre; mas as maiores concentrações de ozono aparecem a altitudes aproximadamente entre 15 e 35Km, constituindo o que se convencionou chamar “Camada de Ozono”.
  9. 9. Esta camada é fundamental para assegurar a vida na Terra, visto que: • tem a capacidade de absorver grande parte da radiação ultravioleta-B (UV-B), que pode provocar efeitos nocivos (ou até mesmo letais) nos seres vivos.
  10. 10. Na formação e decomposição naturais do ozono na estratosfera existe um equilíbrio dinâmico que manteve constante a concentração do ozono nesta camada, durante muito tempo.
  11. 11. • Apesar da composição da camada de ozono se ter mantido inalterada por milhões de anos, nas últimas décadas têm-se assistido à sua rápida degradação, com o consequente aparecimento dos designados quot;buracos de ozonoquot;, zonas da estratosfera onde esta camada se apresenta extremamente fina, com redução óbvia dos seus efeitos protectores.
  12. 12. • Os CFCs (clorofluorcarbonetos) são os principais responsáveis pela destruição da camada de ozono, já que, devido à sua composição química, reagem facilmente com o ozono. Os CFCs foram produzidos a partir da década de 30 e utilizados nos frigoríficos, aparelhos de ar condicionado e aerossóis. Estas descobertas levaram os países industrializados a comprometer-se a reduzir a produção de CFCs
  13. 13. • O buraco do ozono foi inicialmente detectado na Antárctida, esta é uma zona do globo com condições particularmente favoráveis à degradação do ozono nomeadamente devido ás condições meteorológicas muito particulares deste continente.
  14. 14. Protocolo de Montreal • Face a esta ameaça, mais de 60 países assinaram em Setembro de 1987 este Protocolo, comprometendo-se a reduzir em 50% o uso dos CFCs até finais de 1999. • Em 1990, na Conferência de Londres, 70 países concordaram em acelerar o processo de eliminação destes compostos, decidindo, não a redução, mas a proscrição total da produção até ao ano 2000. • Para além dos CFCs, o Protocolo impõe igualmente a interdição da utilização do metilclorofórmio, tetracloreto de carbono e moléculas brometadas, que também possuem uma acção destrutiva sobre o ozono. • Actualmente, 155 países são signatários do acordo.
  15. 15. As consequências da diminuição da camada de ozono são: • O aumento da incidência de cancro de pele • Efeitos sobre o sistema imunológico : a exposição ás radiações UV-B reduzem a capacidade de resposta do nosso sistema imunológico tornando o organismo mais susceptível a doenças • Decréscimo da quantidade fitoplâncton marinho, base da cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos

×