ana morgadO & thyagO alexandre

386 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
386
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ana morgadO & thyagO alexandre

  1. 1. Luis de Camões
  2. 2. <ul><li>QUANDO TUDO ACONTECEU... </li></ul><ul><li>1524 ou 1525: Datas prováveis do nascimento de Luís Vaz de Camões, talvez em Lisboa. - 1548: Desterro no Ribatejo; alista-se no Ultramar. - 1549: Embarca para Ceuta; perde o olho direito numa escaramuça contra os Mouros. - 1551: Regressa a Lisboa. - 1552: Numa briga, fere um funcionário da Cavalariça Real e é preso. - 1553: É libertado; embarca para o Oriente. - 1554: Parte de Goa em perseguição a navios mercantes mouros, sob o comando de Fernando de Meneses. - 1556: É nomeado provedor-mor em Macau; naufraga nas Costas do Camboja. - 1562: É preso por dívidas não pagas; é libertado pelo vice-rei Conde de Redondo e distinguido seu protegido. - 1567: Segue para Moçambique. - 1570: Regressa a Lisboa na nau Santa Clara. - 1572: Sai a primeira edição d’ Os Lusíadas . - 1579 ou 1580: Morre de peste, em Lisboa. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Estatua de Luís Vaz de Camões </li></ul><ul><li>Túmulo de Luís Vaz de Camões </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te Alguma causa a dor que me ficou Da mágoa, sem remédio, de perder-te, Roga a Deus, que teus anos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a ver-te, Quão cedo de meus olhos te levou. Luís Vaz de Camões </li></ul>
  5. 5. <ul><li>As armas e os barões assinalados, </li></ul><ul><li>Que da ocidental praia lusitana, </li></ul><ul><li>Por mares nunca dantes navegado, </li></ul><ul><li>Passaram ainda além da Traprobana, </li></ul><ul><li>Em perigos e guerras esforçados </li></ul><ul><li>Mais do que prometia a força humana, </li></ul><ul><li>E entre gente remota edificaram </li></ul><ul><li>Novo Reino, que tanto sublimaram; </li></ul><ul><li>E também as memórias gloriosas </li></ul><ul><li>Daqueles reis que foram dilatando </li></ul><ul><li>A fé, o império e as terras viciosas </li></ul><ul><li>De África e de Ásia andaram devastando </li></ul><ul><li>E aqueles que por obras valorosas </li></ul><ul><li>Se vão da lei da morte libertando </li></ul><ul><li>Cantando espalharei por toda a parte </li></ul><ul><li>Se a tanto me ajudar o engenho e a arte. </li></ul><ul><li>Passagem de “Os Lusíadas” </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Pesquisa de: </li></ul><ul><li>Mariana – 6ºA </li></ul><ul><li> Helena – 6º A </li></ul>

×