SlideShare uma empresa Scribd logo
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br


                                  FUNÇÕES

      O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática.
O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e
algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do
primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função.
      O uso de funções pode ser encontrado em diversos assuntos. Por
exemplo, na tabela de preços de uma loja, a cada produto corresponde um
determinado preço. Outro exemplo seria o preço a ser pago numa conta de luz,
que depende da quantidade de energia consumida.

      Observe, por exemplo, o diagrama das relações abaixo:




      A relação acima não é uma função, pois existe o elemento 1 no conjunto
A, que não está associado a nenhum elemento do conjunto B.




      A relação acima também não é uma função, pois existe o elemento 4 no
conjunto A, que está associado a mais de um elemento do conjunto B.

      Agora preste atenção no próximo exemplo:
Só Matemática – O seu portal matemático
                        http://www.somatematica.com.br




      A relação acima é uma função, pois todo elemento do conjunto A, está
associado a somente um elemento do conjunto B.

 De um modo geral, dados dois conjuntos A e B, e uma relação entre eles,
 dizemos que essa relação é uma função de A em B se e somente se, para
 todo x ∈A existe um único y ∈B de modo que x se relacione com y.



                  DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO:

      O domínio de uma função é sempre o próprio conjunto de partida, ou
seja, D=A. Se um elemento x ∈A estiver associado a um elemento y ∈B,
dizemos que y é a imagem de x (indica-se y=f(x) e lê-se “y é igual a f de x”).

      Exemplo: se f é uma função de IN em IN (isto significa que o domínio e
o contradomínio são os números naturais) definida por y=x+2. Então temos
que:
• A imagem de 1 através de f é 3, ou seja, f(1)=1+2=3;
• A imagem de 2 através de f é 4, ou seja, f(2)=2+2=4;

   De modo geral, a imagem de x através de f é x+2, ou seja: f(x)=x+2.
   Numa função f de A em B, os elementos de B que são imagens dos
elementos de A através da aplicação de f formam o conjunto imagem de f.

  Com base nos diagramas acima, concluímos que existem 2 condições para
uma relação f seja uma função:

 1ª) O domínio deve sempre coincidir com o conjunto de partida, ou seja,
 todo elemento de A é ponto de partida de flecha. Se tivermos um elemento
 de A do qual não parta flecha, a relação não é função.
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br




 2ª) De cada elemento de A deve partir uma única flecha. Se de um
 elemento de A partir mais de uma flecha, a relação não é função.


Observações:
• Como x e y têm seus valores variando nos conjuntos A e B, recebem o
  nome de variáveis.
• A variável x é chamada variável independente e a variável y, variável
  dependente, pois para obter o valor de y dependemos de um valor de x.
• Uma função f fica definida quando são dados seu domínio (conjunto A),
  seu contradomínio (conjunto B) e a lei de associação y=f(x).


EXERCÍCIOS RESOLVIDOS:

1) Considere a função f: A  B representada pelo diagrama a seguir:




   Determine:
   a) o domínio (D) de f;
   b) f(1), f(-3), f(3) e f(2);
   c) o conjunto imagem (Im) de f;
   d) a lei de associção

   Resolução:
   a) O domínio é igual ao conjunto de partida, ou seja, D=A.
   b) f(1)=1, f(-3)=9, f(3)=9 e f(2)=4.
Só Matemática – O seu portal matemático
                             http://www.somatematica.com.br

            c) O conjunto imagem é formado por todas imagens dos
       elementos do domínio, portanto: Im = {1,4,9}.
    d) Como 12=1, (-3)2=9, 32=9 e 22=4, temos y=x2.

2) Dada a função f: IRIR (ou seja, o domínio e a contradomínio são os
    números reais) definida por f(x)=x2-5x+6, calcule:
    a) f(2), f(3) e f(0);
    b) o valor de x cuja imagem vale 2.

    Resolução:
    a) f(2)= 22-5(2)+6 = 4-10+6 = 0
       f(3)= 32-5(3)+6 = 9-15+6 = 0
       f(0)= 02-5(0)+6 = 0-0+6 = 6

    b) Calcular o valor de x cuja imagem vale 2 equivale a resolver a equação
       f(x)=2, ou seja, x2-5x+6=2. Utilizando a fórmula de Bhaskara
       encontramos as raízes 1 e 4. Portanto os valores de x que têm imagem 2
       são 1 e 4.


                    OBTENÇÃO DO DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO:

•   O domínio é o subconjunto de IR no qual todas as operações indicadas em
    y=f(x) são possíveis.
    Vamos ver alguns exemplos:

    1) f ( x) = 2 x − 4
     Como 2 x − 4 só é possível em IR se 2 x − 4 ≥ 0, ou seja, x ≥ 2, então,
     D = {x ∈ IR / x ≥ 2}


                  5
     2) f ( x ) =
                x +1
     Como x + 1 é denominador, ele não poderá ser nulo (pois não existe divisão por zero).
     Portanto x + 1 ≠ 0, ou seja, x ≠ −1. Então :
     D = {x ∈ IR / x ≠ −1}


                    x−2
     3) f ( x) =
                  3− x
     Vamos analisar primeiro o numerador : como x - 2 está dentro da raiz, então devemos ter
     x − 2 ≥ 0, ou seja, x ≥ 2 (condição 1)
Só Matemática – O seu portal matemático
                          http://www.somatematica.com.br



    Agora o denominador: como 3-x está dentro da raiz devemos ter 3-x ≥ 0, mas além
disso ele também está no denominador, portanto devemos ter 3-x ≠ 0. Juntando as duas
condições devemos ter: 3-x > 0, ou seja, x < 3 (condição 2).
       Resolvendo o sistema formado pelas condições 1 e 2 temos:




Devemos considerar o intervalo que satisfaz as duas condições ao mesmo tempo.
Portanto, D={x ∈ IR | 2 ≤ x < 3}.


         CONSTRUÇÃO DO GRÁFICO CARTESIANO DE UMA FUNÇÃO

      Para construir o gráfico de uma função f, basta atribuir valores do
domínio à variável x e, usando a sentença matemática que define a função,
calcular os correspondentes valores da variável y. Por exemplo, vamos
construir o gráfico da função definida por y=x/2. Escolhemos alguns valores
para o domínio. Por exemplo D={2,4,6,8}, e agora calculamos os respectivos
valores de y. Assim temos:

x=2  y=2/2 = 1          Então montamos a seguinte tabela:
x=4  y=4/2 = 2                 x    y
x=6  y=6/2 = 3                 2    1
x=8  y=8/2 = 4                 4    2
                                6    3
                                8    4

       Identificamos os pontos encontrados no plano cartesiano:
Só Matemática – O seu portal matemático
                        http://www.somatematica.com.br


      O gráfico da função será uma reta que passará pelos quatro pontos
encontrados. Basta traçar a reta, e o gráfico estará construído.
      Obs: para desenhar o gráfico de uma reta são necessários apenas dois
pontos. No exemplo acima escolhemos 4 pontos, mas bastaria escolher dois
elementos do domínio, encontrar suas imagens, e logo após traçar a reta que
passa por esses 2 pontos.


                          RAÍZES DE UMA FUNÇÃO

      Dada uma função y=f(x), os valores, os valores de x para os quais
f(x)=0 são chamados raízes de uma função. No gráfico cartesiano da função,
as raízes são abscissas dos pontos onde o gráfico corta o eixo horizontal.
Observe o gráfico abaixo:




      No gráfico acima temos: f(x1)=0, f(x2)=0 e f(x3)=0.
      Portanto x1, x2 e x3 são raízes da função.


                     PROPRIEDADES DE UMA FUNÇÃO

Essas são algumas propriedades que caracterizam uma função f:AB:

a) Função sobrejetora: Dizemos que uma função é sobrejetora se, e somente
   se, o seu conjunto imagem for igual ao contradomínio, isto é, se Im=B. Em
   outras palavras, não pode sobrar elementos no conjunto B sem receber
   flechas.

b) Função Injetora: A função é injetora se elementos distintos do domínio
   tiverem imagens distintas, ou seja, dois elementos não podem ter a mesma
   imagem. Portanto não pode haver nenhum elemento no conjunto B que
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br

            receba duas flechas. Por exemplo, a função f:IRIR definida por
   f(x)=3x é injetora pois se x1 ≠ x2 então 3x1 ≠ 3x2, portanto f(x1)≠ f(x2).

c) Função Bijetora: Uma função é bijetora quando ela é sobrejetora e
   injetora ao mesmo tempo. Por exemplo, a função f: IRIR definida por
   y=3x é injetora, como vimos no exemplo anterior. Ela também é
   sobrejetora, pois Im=B=IR. Logo, esta função é bijetora.
   Já a função f: ININ definida por y=x+5 não é sobrejetora, pois
   Im={5,6,7,8,...} e o contradomínio CD=IN, mas é injetora, já que valores
   diferentes de x têm imagens distintas. Então essa função não é bijetora.

   Observe os diagramas abaixo:

                        • Essa função é sobrejetora, pois não sobra
                          elemento em B
                        • Essa função não é injetora, pois existem dois
                          elementos com mesma imagem
                        • Essa função não é bijetora, pois não é injetora

                        • Essa função é injetora, pois elementos de B são
                          “flechados” só uma vez.
                        • Essa função não é sobrejetora, pois existem
                          elementos sobrando em B
                        • Essa função não é bijetora, pois não é sobrejetora

                        • Essa função é injetora, pois elementos de B são
                          “flechados” só uma vez.
                        • Essa função é sobrejetora, pois não existem
                          elementos sobrando em B
                        • A função é bijetora, pois é injetora e sobrejetora



                      FUNÇÃO PAR E FUNÇÃO ÍMPAR

      Dada uma função f: AB, dizemos que f é par se, e somente se,
f(x)=f(-x) para todo x ∈ A. Ou seja: os valores simétricos devem possuir a
mesma imagem. O diagrama a seguir mostra um exemplo de função par:
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br




       Por exemplo, a função f: IR IR definida por f(x)=x2 é uma função par,
pois f(x)=x2=(-x)2=f(-x). Podemos notar a paridade dessa função observando o
seu gráfico:




      Notamos, no gráfico, que existe uma simetria em relação ao eixo
vertical. Elementos simétricos têm a mesma imagem. Os elementos 2 e –2,
por exemplo, são simétricos e possuem a imagem 4.

     Por outro lado, dada uma função f: AB, dizemos que f é ímpar se, e
somente se, f(-x)=-f(x) para todo x ∈ A. Ou seja: valores simétricos possuem
imagens simétricas. O diagrama a seguir mostra um exemplo de função ímpar:
Só Matemática – O seu portal matemático
                        http://www.somatematica.com.br




      Por exemplo, a função f: IR IR definida por f(x)=x3 é uma função
ímpar, pois f(-x)=(-x)3=-x3=-f(x). Podemos notar que a função é ímpar
observando o seu gráfico:




Notamos, no gráfico, que existe uma simetria em relação a origem 0.
Elementos simétricos têm imagens simétricas. Os elementos 1 e –1, por
exemplo, são simétricos e possuem imagens 1 e –1 (que também são
simétricas).

Obs: Uma função que não é par nem ímpar é chamada função sem paridade.


EXERCÍCIO RESOLVIDO:

1) Classifique as funções abaixo em pares, ímpares ou sem paridade:
   a) f(x)=2x
   f(-x)= 2(-x) = -2x  f(-x) = -f(x), portanto f é ímpar.

   b) f(x)=x2-1
   f(-x)= (-x)2-1 = x2-1  f(x)=f(-x), portanto f é par.

   c) f(x)=x2-5x+6
   f(-x)= (-x)2-5(-x)+6 = x2+5x+6
   Como f(x) ≠ f(-x), então f não é par.
   Temos também que –f(x) ≠ f(-x), logo f não é ímpar.
   Por não ser par nem ímpar, concluímos que f é função sem paridade.
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br




             FUNÇÃO CRESCENTE E FUNÇÃO DECRESCENTE

       Dada uma função f: AB, dizemos que f é crescente em algum
conjunto A’ ⊂ A, se, e somente se, para quaisquer x1 ∈ A’ e x2 ∈ A’, com
x1<x2, tivermos f(x1)<f(x2).
       Por exemplo, a função f:IRIR definida por f(x)=x+1 é crescente em
IR, pois x1<x2 => x1+1<x2+1 => f(x1)<f(x2). Ou seja: quando os valores do
domínio crescem, suas imagens também crescem.

      Por outro lado, dada uma função f: AB, dizemos que f é decrescente
em algum conjunto A’ ⊂ A, se, e somente se, para quaisquer x1 ∈ A’ e x2 ∈
A’, com x1<x2, tivermos f(x1)>f(x2).
      Por exemplo, a função f:IRIR definida por f(x)= -x+1 é decrescente
em IR, pois x1<x2 => -x1>-x2 => -x1+1>-x2+1 => f(x1)>f(x2). Ou seja: quando
os valores do domínio crescem, suas correspondentes imagens decrescem.


                          Esse é um exemplo de função crescente. Podemos
                          notar no gráfico que à medida que os valores de x
                          vão aumentando, suas imagens também vão
                          aumentando.




                          Esse é um exemplo de função decrescente.
                          Podemos notar no gráfico que à medida que os
                          valores de x vão aumentando, suas imagens vão
                          diminuindo.




                           FUNÇÃO COMPOSTA
Só Matemática – O seu portal matemático
                        http://www.somatematica.com.br

                Vamos analisar um exemplo para entender o que é uma função
composta.

      Consideremos os conjuntos A={-2,-1,0,1,2}, B={-2,1,4,7,10} e
C={3,0,15,48,99}, e as funções f:AB definida por f(x)=3x+4, e g:BC
definida por g(y)=y2-1.




      Como nos mostra o diagrama acima, para todo x ∈ A temos um único y
∈ B tal que y=3x+4, e para todo y ∈ B existe um único z ∈ C tal que z=y2-1,
então concluímos que existe uma função h de A em C, definida por h(x)=z ou
h(x)=9x2+24x+15, pois:
      h(x)=z  h(x)= y2-1
      E sendo y=3x+4, então h(x)=(3x+4)2-1  h(x)= 9x2+24x+15.
      A função h(x) é chamada função composta de g com f. Podemos
indicá-la por g o f (lemos “g composta com f”) ou g[f(x)] (lemos “g de f de
x”). Vamos ver alguns exercícios para entender melhor a idéia de função
composta.


EXERCÍCIOS RESOLVIDOS:

1) Dadas as funções f(x)=x2-1 e g(x)=2x, calcule f[g(x)] e g[f(x)].
   Resolução:
   f[g(x)] = f(2x) = (2x)2-1 = 4x2-1
   g[f(x)] = g(x2-1) = 2(x2-1) = 2x2-2

2) Dadas as funções f(x)=5x e f[g(x)]=3x+2, calcule g(x).
   Resolução:
   Como f(x)=5x, então f[g(x)]= 5.g(x).
   Porém, f[g(x)]=3x+2; logo 5.g(x)=3x+2, e daí g(x)=(3x+2)/5
Só Matemática – O seu portal matemático
                       http://www.somatematica.com.br

         3) Dadas as funções f(x)=x2+1 e g(x)=3x-4, determine f[g(3)].
   Resolução: g(3)=3.3-4=5  f[g(3)]= f(5)= 52+1 = 25+1= 26.

                             FUNÇÃO INVERSA

      Consideremos os conjuntos A={0,2,4,6,8} e B={1,3,5,7,9} e a função
   f:AB definida por y=x+1. A função f está representada no diagrama
   abaixo:




      A função f é uma função bijetora. A cada elemento x de A está
associado um único elemento y de B, de modo que y=x+1.
      Porém, como f é bijetora, a cada elemento y de B está associado um
único elemento x de A, de modo que x=y-1; portanto temos uma outra função
g:BA, de modo que x=y-1 ou g(y)=y-1. Essa função está representada no
diagrama abaixo:




       Pelo que acabamos de ver, a função f leva x até y enquanto a função g
leva y até x. A função g:BA recebe o nome de função inversa de f e é
indicada por f-1.
       O domínio de f é o conjunto imagem de g, e o conjunto imagem de f é o
domínio de g. Quando queremos, a partir da sentença y=f(x), obter a sentença
de f-1(x), devemos dar os seguintes passos:
       1º) Isolamos x na sentença y=f(x)
       2º) Pelo fato de ser usual a letra x como símbolo da variável
independente, trocamos x por y e y por x.

     Por exemplo, para obter a função inversa de f:IRIR definida por
y=2x+1, devemos:
Só Matemática – O seu portal matemático
                               http://www.somatematica.com.br

                  1º) isolar x em y=2x+1. Assim y=2x+1  y-1=2x 
x=(y-1)/2
      2º) trocar x por y e y por x: y=(x-1)/2.

       Portanto a função inversa de f é: f-1(x)=(x-1)/2.

       Observação: Para que uma função f admita a inversa f-1 é necessário que
ela seja bijetora. Se f não for bijetora, ela não possuirá inversa.


EXERCÍCIO RESOLVIDO:
                            x −1
1) Dada a função f ( x) =        , ( x ≠ −2), calcule f −1 (−1).
                            x+2
Resolução :
                  x −1
Sabemos que y =        e devemos isolar x nessa igualdade
                  x+2
             x −1
Então : y =        ⇒ y ( x + 2) = x − 1 ⇒ y.x + 2 y = x − 1 ⇒ y.x − x = −1 − 2 y ⇒
             x+2
                                   − (1 + 2 y )          1+ 2y
⇒ x ( y − 1) = −(1 + 2 y ) ⇒ x =                 ⇒ x=
                                      y −1                1− y
                                                1 + 2x                       1 + 2x
Trocando x por y e y por x, obtemos : y =              , ou seja f −1 ( x) =        .
                                                 1− x                         1− x
                                   1 + 2(−1) 1 − 2 − 1
O valor de f −1 (−1) é f −1 (−1) =              =       =     .
                                    1 − (−1)      1+1      2
Só Matemática – O seu portal matemático
                                http://www.somatematica.com.br


Esse documento foi criado por Juliano Zambom Niederauer.
Os gráficos e diagramas utilizados no documento foram retirados do livro:
Matemática – Volume Único. FACCHINI. Ed.Saraiva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Funções.saa
Funções.saaFunções.saa
Funções.saa
sosoazevedo
 
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetorasFuncoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
Jhone Cley
 
Funções e Função Afim
Funções e Função Afim Funções e Função Afim
Funções e Função Afim
estudamatematica
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midias
iraciva
 
Projeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
Projeto final Informática educativa I - Michele ZachariasProjeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
Projeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
Michele Zacharias Dos Santos
 
CáLculo NuméRico I
CáLculo NuméRico ICáLculo NuméRico I
CáLculo NuméRico I
educacao f
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funcoes
lopes
 
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoFunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
Antonio Carneiro
 
MatemáTica Intro FunçõEs
MatemáTica Intro FunçõEsMatemáTica Intro FunçõEs
MatemáTica Intro FunçõEs
educacao f
 
Função algébrica
Função algébricaFunção algébrica
Função algébrica
Cristiane Alcântara
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
Gabriele Veleda
 
Funções e Função Afim
Funções e Função Afim Funções e Função Afim
Funções e Função Afim
estudamatematica
 
Função afim
Função afimFunção afim
Função afim
Railson Melo
 
Relacoes e funcoes_apostila
Relacoes e funcoes_apostilaRelacoes e funcoes_apostila
Relacoes e funcoes_apostila
Thalles Anderson
 
Resumo função afim pdf
Resumo função afim pdfResumo função afim pdf
Resumo função afim pdf
cristianomatematico
 
Estudo das Funções
Estudo das FunçõesEstudo das Funções
Estudo das Funções
Anderson Dias
 
Função afim
Função afimFunção afim
Função afim
Railson Melo
 

Mais procurados (17)

Funções.saa
Funções.saaFunções.saa
Funções.saa
 
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetorasFuncoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
Funcoes injetoras sobrejetoras e bijetoras
 
Funções e Função Afim
Funções e Função Afim Funções e Função Afim
Funções e Função Afim
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midias
 
Projeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
Projeto final Informática educativa I - Michele ZachariasProjeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
Projeto final Informática educativa I - Michele Zacharias
 
CáLculo NuméRico I
CáLculo NuméRico ICáLculo NuméRico I
CáLculo NuméRico I
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funcoes
 
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoFunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
 
MatemáTica Intro FunçõEs
MatemáTica Intro FunçõEsMatemáTica Intro FunçõEs
MatemáTica Intro FunçõEs
 
Função algébrica
Função algébricaFunção algébrica
Função algébrica
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Funções e Função Afim
Funções e Função Afim Funções e Função Afim
Funções e Função Afim
 
Função afim
Função afimFunção afim
Função afim
 
Relacoes e funcoes_apostila
Relacoes e funcoes_apostilaRelacoes e funcoes_apostila
Relacoes e funcoes_apostila
 
Resumo função afim pdf
Resumo função afim pdfResumo função afim pdf
Resumo função afim pdf
 
Estudo das Funções
Estudo das FunçõesEstudo das Funções
Estudo das Funções
 
Função afim
Função afimFunção afim
Função afim
 

Destaque

Função sobrejetora, injetora e injetora
Função sobrejetora, injetora e injetoraFunção sobrejetora, injetora e injetora
Função sobrejetora, injetora e injetora
Péricles Penuel
 
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E SobrejetorasFunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
andreabelchol
 
Funcões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
Funcões Injetora, Sobrejetora e BijetoraFuncões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
Funcões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
Cleiton Cunha
 
Funções - Exercícios
Funções - ExercíciosFunções - Exercícios
Funções - Exercícios
Everton Moraes
 
Plano de aula grupo 6
Plano de aula grupo 6Plano de aula grupo 6
Plano de aula grupo 6
Valdelice Garcia
 
Análise das funções
Análise das funçõesAnálise das funções
Análise das funções
MarcioOlmos
 
Notas De Aula
Notas De AulaNotas De Aula
Notas De Aula
lucianefortes
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Ft8
Ft8Ft8
Apostila 3 funções
Apostila 3 funçõesApostila 3 funções
Apostila 3 funções
trigono_metrico
 
funçoes
funçoesfunçoes
funçoes
tagma33
 
Ficha de trabalho teste global revisões
Ficha de trabalho teste global revisõesFicha de trabalho teste global revisões
Ficha de trabalho teste global revisões
Helena Borralho
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Dosvaldo Alves
 
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricosExercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
thieresaulas
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Ulrich Schiel
 
Ft areas
Ft areasFt areas
Ft areas
Helena Borralho
 
Angulos Opostos Retos Rasos Suplementares
Angulos Opostos Retos Rasos SuplementaresAngulos Opostos Retos Rasos Suplementares
Angulos Opostos Retos Rasos Suplementares
tioheraclito
 
Ficha de Avaliação de Matemática
Ficha de Avaliação de Matemática Ficha de Avaliação de Matemática
Ficha de Avaliação de Matemática
Helena Borralho
 

Destaque (18)

Função sobrejetora, injetora e injetora
Função sobrejetora, injetora e injetoraFunção sobrejetora, injetora e injetora
Função sobrejetora, injetora e injetora
 
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E SobrejetorasFunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
 
Funcões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
Funcões Injetora, Sobrejetora e BijetoraFuncões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
Funcões Injetora, Sobrejetora e Bijetora
 
Funções - Exercícios
Funções - ExercíciosFunções - Exercícios
Funções - Exercícios
 
Plano de aula grupo 6
Plano de aula grupo 6Plano de aula grupo 6
Plano de aula grupo 6
 
Análise das funções
Análise das funçõesAnálise das funções
Análise das funções
 
Notas De Aula
Notas De AulaNotas De Aula
Notas De Aula
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funcoes
 
Ft8
Ft8Ft8
Ft8
 
Apostila 3 funções
Apostila 3 funçõesApostila 3 funções
Apostila 3 funções
 
funçoes
funçoesfunçoes
funçoes
 
Ficha de trabalho teste global revisões
Ficha de trabalho teste global revisõesFicha de trabalho teste global revisões
Ficha de trabalho teste global revisões
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
 
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricosExercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
Exercícios: noções de conjuntos e conjuntos numéricos
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
 
Ft areas
Ft areasFt areas
Ft areas
 
Angulos Opostos Retos Rasos Suplementares
Angulos Opostos Retos Rasos SuplementaresAngulos Opostos Retos Rasos Suplementares
Angulos Opostos Retos Rasos Suplementares
 
Ficha de Avaliação de Matemática
Ficha de Avaliação de Matemática Ficha de Avaliação de Matemática
Ficha de Avaliação de Matemática
 

Semelhante a Funcoes Para Alunos Do 2º Grau

Função Afim
Função AfimFunção Afim
Função Afim
Nome Sobrenome
 
Relações e funções
Relações e funçõesRelações e funções
Relações e funções
Ivaneteseixas
 
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função   1º ano do ensino medioProduto cartesiano e função   1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Simone Smaniotto
 
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função   1º ano do ensino medioProduto cartesiano e função   1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Simone Smaniotto
 
Apostila3funes 111212025004-phpapp01
Apostila3funes 111212025004-phpapp01Apostila3funes 111212025004-phpapp01
Apostila3funes 111212025004-phpapp01
Romilda Dores Brito
 
Revisão em -funções - calculo 1
Revisão   em -funções - calculo 1Revisão   em -funções - calculo 1
Revisão em -funções - calculo 1
Eduardo Soares
 
Apostila cálculo 1
Apostila cálculo 1Apostila cálculo 1
Apostila cálculo 1
Gabriel Mendes
 
Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.
Antonio Carneiro
 
Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016
Antonio Carneiro
 
Funçoes2
Funçoes2Funçoes2
Funçoes2
jwfb
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
MilkaCorra1
 
Estudo das Funções I.ppt - A função de p
Estudo das Funções I.ppt - A função de pEstudo das Funções I.ppt - A função de p
Estudo das Funções I.ppt - A função de p
RobsonNascimento678331
 
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
jullianestudos
 
Funções do 1º grau
Funções do 1º grauFunções do 1º grau
Funções do 1º grau
leilamaluf
 
Funcao do-primeiro-grau
Funcao do-primeiro-grauFuncao do-primeiro-grau
Funcao do-primeiro-grau
con_seguir
 
Função inversa
Função inversa Função inversa
Função inversa
Meire de Fatima
 
Aula4-Função (1).pptx
Aula4-Função (1).pptxAula4-Função (1).pptx
Aula4-Função (1).pptx
AndreaStahlberg
 
Mat ppt1
Mat ppt1Mat ppt1
Mat ppt1
YvesRaphael
 
Leno 2012
Leno 2012Leno 2012
Leno 2012
Leno SanOli
 

Semelhante a Funcoes Para Alunos Do 2º Grau (20)

Função Afim
Função AfimFunção Afim
Função Afim
 
Relações e funções
Relações e funçõesRelações e funções
Relações e funções
 
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função   1º ano do ensino medioProduto cartesiano e função   1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
 
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função   1º ano do ensino medioProduto cartesiano e função   1º ano do ensino medio
Produto cartesiano e função 1º ano do ensino medio
 
Apostila3funes 111212025004-phpapp01
Apostila3funes 111212025004-phpapp01Apostila3funes 111212025004-phpapp01
Apostila3funes 111212025004-phpapp01
 
Revisão em -funções - calculo 1
Revisão   em -funções - calculo 1Revisão   em -funções - calculo 1
Revisão em -funções - calculo 1
 
Apostila cálculo 1
Apostila cálculo 1Apostila cálculo 1
Apostila cálculo 1
 
Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.
 
Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016
 
Funçoes2
Funçoes2Funçoes2
Funçoes2
 
Funcoes
FuncoesFuncoes
Funcoes
 
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
004 - RELAÇÃO ENTRE FUNÇÕES - FUNÇÕES INVERSA - BIJETORA - INJETORA E COMPOST...
 
Estudo das Funções I.ppt - A função de p
Estudo das Funções I.ppt - A função de pEstudo das Funções I.ppt - A função de p
Estudo das Funções I.ppt - A função de p
 
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
1 ano A ideia de Funcao em conjuntos.pptx
 
Funções do 1º grau
Funções do 1º grauFunções do 1º grau
Funções do 1º grau
 
Funcao do-primeiro-grau
Funcao do-primeiro-grauFuncao do-primeiro-grau
Funcao do-primeiro-grau
 
Função inversa
Função inversa Função inversa
Função inversa
 
Aula4-Função (1).pptx
Aula4-Função (1).pptxAula4-Função (1).pptx
Aula4-Função (1).pptx
 
Mat ppt1
Mat ppt1Mat ppt1
Mat ppt1
 
Leno 2012
Leno 2012Leno 2012
Leno 2012
 

Funcoes Para Alunos Do 2º Grau

  • 1. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. O uso de funções pode ser encontrado em diversos assuntos. Por exemplo, na tabela de preços de uma loja, a cada produto corresponde um determinado preço. Outro exemplo seria o preço a ser pago numa conta de luz, que depende da quantidade de energia consumida. Observe, por exemplo, o diagrama das relações abaixo: A relação acima não é uma função, pois existe o elemento 1 no conjunto A, que não está associado a nenhum elemento do conjunto B. A relação acima também não é uma função, pois existe o elemento 4 no conjunto A, que está associado a mais de um elemento do conjunto B. Agora preste atenção no próximo exemplo:
  • 2. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br A relação acima é uma função, pois todo elemento do conjunto A, está associado a somente um elemento do conjunto B. De um modo geral, dados dois conjuntos A e B, e uma relação entre eles, dizemos que essa relação é uma função de A em B se e somente se, para todo x ∈A existe um único y ∈B de modo que x se relacione com y. DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: O domínio de uma função é sempre o próprio conjunto de partida, ou seja, D=A. Se um elemento x ∈A estiver associado a um elemento y ∈B, dizemos que y é a imagem de x (indica-se y=f(x) e lê-se “y é igual a f de x”). Exemplo: se f é uma função de IN em IN (isto significa que o domínio e o contradomínio são os números naturais) definida por y=x+2. Então temos que: • A imagem de 1 através de f é 3, ou seja, f(1)=1+2=3; • A imagem de 2 através de f é 4, ou seja, f(2)=2+2=4; De modo geral, a imagem de x através de f é x+2, ou seja: f(x)=x+2. Numa função f de A em B, os elementos de B que são imagens dos elementos de A através da aplicação de f formam o conjunto imagem de f. Com base nos diagramas acima, concluímos que existem 2 condições para uma relação f seja uma função: 1ª) O domínio deve sempre coincidir com o conjunto de partida, ou seja, todo elemento de A é ponto de partida de flecha. Se tivermos um elemento de A do qual não parta flecha, a relação não é função.
  • 3. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br 2ª) De cada elemento de A deve partir uma única flecha. Se de um elemento de A partir mais de uma flecha, a relação não é função. Observações: • Como x e y têm seus valores variando nos conjuntos A e B, recebem o nome de variáveis. • A variável x é chamada variável independente e a variável y, variável dependente, pois para obter o valor de y dependemos de um valor de x. • Uma função f fica definida quando são dados seu domínio (conjunto A), seu contradomínio (conjunto B) e a lei de associação y=f(x). EXERCÍCIOS RESOLVIDOS: 1) Considere a função f: A  B representada pelo diagrama a seguir: Determine: a) o domínio (D) de f; b) f(1), f(-3), f(3) e f(2); c) o conjunto imagem (Im) de f; d) a lei de associção Resolução: a) O domínio é igual ao conjunto de partida, ou seja, D=A. b) f(1)=1, f(-3)=9, f(3)=9 e f(2)=4.
  • 4. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br c) O conjunto imagem é formado por todas imagens dos elementos do domínio, portanto: Im = {1,4,9}. d) Como 12=1, (-3)2=9, 32=9 e 22=4, temos y=x2. 2) Dada a função f: IRIR (ou seja, o domínio e a contradomínio são os números reais) definida por f(x)=x2-5x+6, calcule: a) f(2), f(3) e f(0); b) o valor de x cuja imagem vale 2. Resolução: a) f(2)= 22-5(2)+6 = 4-10+6 = 0 f(3)= 32-5(3)+6 = 9-15+6 = 0 f(0)= 02-5(0)+6 = 0-0+6 = 6 b) Calcular o valor de x cuja imagem vale 2 equivale a resolver a equação f(x)=2, ou seja, x2-5x+6=2. Utilizando a fórmula de Bhaskara encontramos as raízes 1 e 4. Portanto os valores de x que têm imagem 2 são 1 e 4. OBTENÇÃO DO DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO: • O domínio é o subconjunto de IR no qual todas as operações indicadas em y=f(x) são possíveis. Vamos ver alguns exemplos: 1) f ( x) = 2 x − 4 Como 2 x − 4 só é possível em IR se 2 x − 4 ≥ 0, ou seja, x ≥ 2, então, D = {x ∈ IR / x ≥ 2} 5 2) f ( x ) = x +1 Como x + 1 é denominador, ele não poderá ser nulo (pois não existe divisão por zero). Portanto x + 1 ≠ 0, ou seja, x ≠ −1. Então : D = {x ∈ IR / x ≠ −1} x−2 3) f ( x) = 3− x Vamos analisar primeiro o numerador : como x - 2 está dentro da raiz, então devemos ter x − 2 ≥ 0, ou seja, x ≥ 2 (condição 1)
  • 5. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br Agora o denominador: como 3-x está dentro da raiz devemos ter 3-x ≥ 0, mas além disso ele também está no denominador, portanto devemos ter 3-x ≠ 0. Juntando as duas condições devemos ter: 3-x > 0, ou seja, x < 3 (condição 2). Resolvendo o sistema formado pelas condições 1 e 2 temos: Devemos considerar o intervalo que satisfaz as duas condições ao mesmo tempo. Portanto, D={x ∈ IR | 2 ≤ x < 3}. CONSTRUÇÃO DO GRÁFICO CARTESIANO DE UMA FUNÇÃO Para construir o gráfico de uma função f, basta atribuir valores do domínio à variável x e, usando a sentença matemática que define a função, calcular os correspondentes valores da variável y. Por exemplo, vamos construir o gráfico da função definida por y=x/2. Escolhemos alguns valores para o domínio. Por exemplo D={2,4,6,8}, e agora calculamos os respectivos valores de y. Assim temos: x=2  y=2/2 = 1 Então montamos a seguinte tabela: x=4  y=4/2 = 2 x y x=6  y=6/2 = 3 2 1 x=8  y=8/2 = 4 4 2 6 3 8 4 Identificamos os pontos encontrados no plano cartesiano:
  • 6. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br O gráfico da função será uma reta que passará pelos quatro pontos encontrados. Basta traçar a reta, e o gráfico estará construído. Obs: para desenhar o gráfico de uma reta são necessários apenas dois pontos. No exemplo acima escolhemos 4 pontos, mas bastaria escolher dois elementos do domínio, encontrar suas imagens, e logo após traçar a reta que passa por esses 2 pontos. RAÍZES DE UMA FUNÇÃO Dada uma função y=f(x), os valores, os valores de x para os quais f(x)=0 são chamados raízes de uma função. No gráfico cartesiano da função, as raízes são abscissas dos pontos onde o gráfico corta o eixo horizontal. Observe o gráfico abaixo: No gráfico acima temos: f(x1)=0, f(x2)=0 e f(x3)=0. Portanto x1, x2 e x3 são raízes da função. PROPRIEDADES DE UMA FUNÇÃO Essas são algumas propriedades que caracterizam uma função f:AB: a) Função sobrejetora: Dizemos que uma função é sobrejetora se, e somente se, o seu conjunto imagem for igual ao contradomínio, isto é, se Im=B. Em outras palavras, não pode sobrar elementos no conjunto B sem receber flechas. b) Função Injetora: A função é injetora se elementos distintos do domínio tiverem imagens distintas, ou seja, dois elementos não podem ter a mesma imagem. Portanto não pode haver nenhum elemento no conjunto B que
  • 7. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br receba duas flechas. Por exemplo, a função f:IRIR definida por f(x)=3x é injetora pois se x1 ≠ x2 então 3x1 ≠ 3x2, portanto f(x1)≠ f(x2). c) Função Bijetora: Uma função é bijetora quando ela é sobrejetora e injetora ao mesmo tempo. Por exemplo, a função f: IRIR definida por y=3x é injetora, como vimos no exemplo anterior. Ela também é sobrejetora, pois Im=B=IR. Logo, esta função é bijetora. Já a função f: ININ definida por y=x+5 não é sobrejetora, pois Im={5,6,7,8,...} e o contradomínio CD=IN, mas é injetora, já que valores diferentes de x têm imagens distintas. Então essa função não é bijetora. Observe os diagramas abaixo: • Essa função é sobrejetora, pois não sobra elemento em B • Essa função não é injetora, pois existem dois elementos com mesma imagem • Essa função não é bijetora, pois não é injetora • Essa função é injetora, pois elementos de B são “flechados” só uma vez. • Essa função não é sobrejetora, pois existem elementos sobrando em B • Essa função não é bijetora, pois não é sobrejetora • Essa função é injetora, pois elementos de B são “flechados” só uma vez. • Essa função é sobrejetora, pois não existem elementos sobrando em B • A função é bijetora, pois é injetora e sobrejetora FUNÇÃO PAR E FUNÇÃO ÍMPAR Dada uma função f: AB, dizemos que f é par se, e somente se, f(x)=f(-x) para todo x ∈ A. Ou seja: os valores simétricos devem possuir a mesma imagem. O diagrama a seguir mostra um exemplo de função par:
  • 8. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br Por exemplo, a função f: IR IR definida por f(x)=x2 é uma função par, pois f(x)=x2=(-x)2=f(-x). Podemos notar a paridade dessa função observando o seu gráfico: Notamos, no gráfico, que existe uma simetria em relação ao eixo vertical. Elementos simétricos têm a mesma imagem. Os elementos 2 e –2, por exemplo, são simétricos e possuem a imagem 4. Por outro lado, dada uma função f: AB, dizemos que f é ímpar se, e somente se, f(-x)=-f(x) para todo x ∈ A. Ou seja: valores simétricos possuem imagens simétricas. O diagrama a seguir mostra um exemplo de função ímpar:
  • 9. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br Por exemplo, a função f: IR IR definida por f(x)=x3 é uma função ímpar, pois f(-x)=(-x)3=-x3=-f(x). Podemos notar que a função é ímpar observando o seu gráfico: Notamos, no gráfico, que existe uma simetria em relação a origem 0. Elementos simétricos têm imagens simétricas. Os elementos 1 e –1, por exemplo, são simétricos e possuem imagens 1 e –1 (que também são simétricas). Obs: Uma função que não é par nem ímpar é chamada função sem paridade. EXERCÍCIO RESOLVIDO: 1) Classifique as funções abaixo em pares, ímpares ou sem paridade: a) f(x)=2x f(-x)= 2(-x) = -2x  f(-x) = -f(x), portanto f é ímpar. b) f(x)=x2-1 f(-x)= (-x)2-1 = x2-1  f(x)=f(-x), portanto f é par. c) f(x)=x2-5x+6 f(-x)= (-x)2-5(-x)+6 = x2+5x+6 Como f(x) ≠ f(-x), então f não é par. Temos também que –f(x) ≠ f(-x), logo f não é ímpar. Por não ser par nem ímpar, concluímos que f é função sem paridade.
  • 10. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÃO CRESCENTE E FUNÇÃO DECRESCENTE Dada uma função f: AB, dizemos que f é crescente em algum conjunto A’ ⊂ A, se, e somente se, para quaisquer x1 ∈ A’ e x2 ∈ A’, com x1<x2, tivermos f(x1)<f(x2). Por exemplo, a função f:IRIR definida por f(x)=x+1 é crescente em IR, pois x1<x2 => x1+1<x2+1 => f(x1)<f(x2). Ou seja: quando os valores do domínio crescem, suas imagens também crescem. Por outro lado, dada uma função f: AB, dizemos que f é decrescente em algum conjunto A’ ⊂ A, se, e somente se, para quaisquer x1 ∈ A’ e x2 ∈ A’, com x1<x2, tivermos f(x1)>f(x2). Por exemplo, a função f:IRIR definida por f(x)= -x+1 é decrescente em IR, pois x1<x2 => -x1>-x2 => -x1+1>-x2+1 => f(x1)>f(x2). Ou seja: quando os valores do domínio crescem, suas correspondentes imagens decrescem. Esse é um exemplo de função crescente. Podemos notar no gráfico que à medida que os valores de x vão aumentando, suas imagens também vão aumentando. Esse é um exemplo de função decrescente. Podemos notar no gráfico que à medida que os valores de x vão aumentando, suas imagens vão diminuindo. FUNÇÃO COMPOSTA
  • 11. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br Vamos analisar um exemplo para entender o que é uma função composta. Consideremos os conjuntos A={-2,-1,0,1,2}, B={-2,1,4,7,10} e C={3,0,15,48,99}, e as funções f:AB definida por f(x)=3x+4, e g:BC definida por g(y)=y2-1. Como nos mostra o diagrama acima, para todo x ∈ A temos um único y ∈ B tal que y=3x+4, e para todo y ∈ B existe um único z ∈ C tal que z=y2-1, então concluímos que existe uma função h de A em C, definida por h(x)=z ou h(x)=9x2+24x+15, pois: h(x)=z  h(x)= y2-1 E sendo y=3x+4, então h(x)=(3x+4)2-1  h(x)= 9x2+24x+15. A função h(x) é chamada função composta de g com f. Podemos indicá-la por g o f (lemos “g composta com f”) ou g[f(x)] (lemos “g de f de x”). Vamos ver alguns exercícios para entender melhor a idéia de função composta. EXERCÍCIOS RESOLVIDOS: 1) Dadas as funções f(x)=x2-1 e g(x)=2x, calcule f[g(x)] e g[f(x)]. Resolução: f[g(x)] = f(2x) = (2x)2-1 = 4x2-1 g[f(x)] = g(x2-1) = 2(x2-1) = 2x2-2 2) Dadas as funções f(x)=5x e f[g(x)]=3x+2, calcule g(x). Resolução: Como f(x)=5x, então f[g(x)]= 5.g(x). Porém, f[g(x)]=3x+2; logo 5.g(x)=3x+2, e daí g(x)=(3x+2)/5
  • 12. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br 3) Dadas as funções f(x)=x2+1 e g(x)=3x-4, determine f[g(3)]. Resolução: g(3)=3.3-4=5  f[g(3)]= f(5)= 52+1 = 25+1= 26. FUNÇÃO INVERSA Consideremos os conjuntos A={0,2,4,6,8} e B={1,3,5,7,9} e a função f:AB definida por y=x+1. A função f está representada no diagrama abaixo: A função f é uma função bijetora. A cada elemento x de A está associado um único elemento y de B, de modo que y=x+1. Porém, como f é bijetora, a cada elemento y de B está associado um único elemento x de A, de modo que x=y-1; portanto temos uma outra função g:BA, de modo que x=y-1 ou g(y)=y-1. Essa função está representada no diagrama abaixo: Pelo que acabamos de ver, a função f leva x até y enquanto a função g leva y até x. A função g:BA recebe o nome de função inversa de f e é indicada por f-1. O domínio de f é o conjunto imagem de g, e o conjunto imagem de f é o domínio de g. Quando queremos, a partir da sentença y=f(x), obter a sentença de f-1(x), devemos dar os seguintes passos: 1º) Isolamos x na sentença y=f(x) 2º) Pelo fato de ser usual a letra x como símbolo da variável independente, trocamos x por y e y por x. Por exemplo, para obter a função inversa de f:IRIR definida por y=2x+1, devemos:
  • 13. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br 1º) isolar x em y=2x+1. Assim y=2x+1  y-1=2x  x=(y-1)/2 2º) trocar x por y e y por x: y=(x-1)/2. Portanto a função inversa de f é: f-1(x)=(x-1)/2. Observação: Para que uma função f admita a inversa f-1 é necessário que ela seja bijetora. Se f não for bijetora, ela não possuirá inversa. EXERCÍCIO RESOLVIDO: x −1 1) Dada a função f ( x) = , ( x ≠ −2), calcule f −1 (−1). x+2 Resolução : x −1 Sabemos que y = e devemos isolar x nessa igualdade x+2 x −1 Então : y = ⇒ y ( x + 2) = x − 1 ⇒ y.x + 2 y = x − 1 ⇒ y.x − x = −1 − 2 y ⇒ x+2 − (1 + 2 y ) 1+ 2y ⇒ x ( y − 1) = −(1 + 2 y ) ⇒ x = ⇒ x= y −1 1− y 1 + 2x 1 + 2x Trocando x por y e y por x, obtemos : y = , ou seja f −1 ( x) = . 1− x 1− x 1 + 2(−1) 1 − 2 − 1 O valor de f −1 (−1) é f −1 (−1) = = = . 1 − (−1) 1+1 2
  • 14. Só Matemática – O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br Esse documento foi criado por Juliano Zambom Niederauer. Os gráficos e diagramas utilizados no documento foram retirados do livro: Matemática – Volume Único. FACCHINI. Ed.Saraiva.