1 - Lucas, a execução desta obra, "Saltos no Tempo", como muitas obras musicais, é um trabalho
de muita precisão e coorden...
em diferentes direções, assim teci eu mesmo a rede que pode ser
vista no vídeo (não há redes com células de meio metro à v...
cinco linhas da pauta? Isso já é tão conhecido, por que mudar? Só para ser ou parecer
contemporâneo? Ou o uso do instrumen...
Entrevista Lucas Ciavatta[1]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entrevista Lucas Ciavatta[1]

512 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista Lucas Ciavatta[1]

  1. 1. 1 - Lucas, a execução desta obra, "Saltos no Tempo", como muitas obras musicais, é um trabalho de muita precisão e coordenação de movimentos, que pressupõe muita atenção de cada no que faz o outro, todos os outros. Vendo com olhos de educador de outra área que não a música, chama-me a atenção a evidente intensidade da colaboração que há entre os participantes, da parceria entre eles. Este é um trabalho que tem origem escolar, essas moças e esses rapazes foram seus alunos no ensino fundamental. Como se consegue isso com jovens estudantes em um trabalho escolar? Não podemos esquecer que o Bloco do Passo é um grupo profissional. Mas o interessante é constatar que o profissionalismo dos integrantes do Bloco não nasceu com a profissionalização nos palcos, ele nasceu de uma postura "profissional" já em sala de aula. Seriedade. É um jogo, uma diversão, mas eles sempre tentaram fazer o melhor. A meu ver, esse movimento em direção de ser o melhor que você puder ser é um movimento natural. O que acontece é uma série de obstáculos frearem este movimento natural até que ele simplesmente cesse. Estes obstáculos normalmente surgem de uma, digamos assim, inabilidade dos responsáveis pelo processo educativo de uma determinada pessoa. Quando alguém diz: "Esse aí não quer nada", se esquece que todo mundo sempre quer alguma coisa. Talvez essa pessoa não queira o que a gente quer que ela queira, mas, certamente, algo ela quer. Assim a potência para realizar com maestria já está. O que vejo em todas as ações que envolvem O Passo, e isto está muito forte neste número do Bloco do Passo, é a crença de que vale a pena se esforçar para aprender. Vejo a autoconfiança daqueles que estão tentando vencer seus desafios, pois O Passo nos ajuda a nomear estes desafios e fornece ferramentas para vencê-los. Quando um estudante percebe isso, ele faz algo como o “Saltos no Tempo” e muito mais. 2 - Este é um trabalho que exige muita disciplina e, ao mesmo tempo, é muito criativo. Disciplina e criatividade: na sua opinião, como essas coisas andam juntas, como “conversam” disciplina e criatividade? Há criatividade também no momento da execução desta peça? Ou ela terminou no momento da composição? E nos ensaios, a peça muda? Quando é que ela fica "pronta"? Há de fato um perigoso não esclarecimento por parte do senso comum a respeito do quanto é preciso se preparar para, primeiro, ter boas idéias (elas não chegam do nada), depois, para ter boas idéias de como colocar as boas idéias em prática, e depois, para ter habilidade para colocar as boas idéias em prática. O “Saltos no Tempo”, por exemplo, tem uma história comprida. Esse número tem como origem primeira o filme “Encontro com Homens Notáveis” de Peter Brook, lá, num mosteiro aonde o personagem principal chega ao final do filme, há uma série de danças meditativas e a imagem de uma delas ficou adormecida na minha cabeça durante quase vinte e cinco anos. Um dia, junto com uma outra professora comecei a experimentar alguns movimentos e assim criei uma série de exercícios para aproximar os integrantes do Bloco do Passo daquilo que havia descoberto. Percebi rapidamente que precisaríamos de marcas claras no chão caso quiséssemos saltar
  2. 2. em diferentes direções, assim teci eu mesmo a rede que pode ser vista no vídeo (não há redes com células de meio metro à venda). Após todo um entendimento do que eu queria e um trabalho de convencimento da riqueza do que poderíamos construir (que era uma certeza apenas para mim) passei para o arranjo em si, que pela complexidade precisou envolver um tipo qualquer de partitura. Criei as partituras no Power Point. Pensei estas partituras não só para que eu lembrasse do que estava compondo, mas também para que os integrantes do Bloco pudessem efetivamente se guiar por elas. Depois ainda havia todo o trabalho de aprender a fazer algo “motoramente” tão diferente para todos nós. E mais tarde ainda, com tudo já acontecendo, houve ainda um grande trabalho de avaliar se o que havíamos feito estava bom. Até hoje mudamos coisas em termos de som e em termos de espaço. Neste sentido, mesmo depois de todo o trabalho, o “Saltos no Tempo” é uma obra aberta, ainda em composição. 3 – Dois temas são bastante candentes hoje em educação e eles estão presentes de forma muito nítida neste trabalho de vocês: projetos de trabalho e trabalho colaborativo ou aprendizagem colaborativa. Como é que é o desenvolvimento de um projeto como esse? Todos aprendem as mesmas coisas? A aprendizagem de uns ajuda a aprendizagem dos outros? Aprendem com o professor ou com os colegas? Uma característica marcante d’O Passo é a autonomia. Quem aprende se apropria não apenas do conhecimento, mas também do processo pelo qual adquiriu o conhecimento. Quem aprende sabe exatamente como aprendeu. Assim, imediatamente, como se fosse tudo uma coisa só, quem aprende pode em seguida ensinar. Estamos vendo isso o tempo todo, nossos estudantes ensinam aos irmãos, aos amigos, aos pais e aos outros estudantes. O trabalho no “Saltos no Tempo” é polifônico, várias vozes falando coisas diferentes, mas num mesmo discurso. Cada um segue um trajeto diferente para compor a riqueza que se tem ao final. O interessante é que vários integrantes sabem várias frases. Há em alguns momentos uma simetria nas frases que ajuda quem está indo a entender seu próprio caminho a partir do caminho daquele que está vindo. Contudo, o mais importante, o que permite este diálogo, é a vontade de dialogar (que está diretamente relacionada à capacidade de dialogar). Os arranjos compostos na perspectiva que O Passo propõe, a exemplo do “Saltos no Tempo”, evidenciam a necessidade do diálogo (quanto melhor alguém ao meu lado toca, melhor eu toco), e O Passo fornece as ferramentas necessárias para que este diálogo se dê. Assim, com O Passo, fica clara a diferença entre “tocar ao lado” e “tocar junto”. 4 – Esta obra pode parecer tudo, menos primitiva. Os sons são produzidos só com movimentos de corpos, corpos em movimento, nenhum outro instrumento fabricado pelo homem. Mas tem tecnologia por trás disso, você me disse. Por que fazer a partitura usando um programa de edição de apresentações? Por que não usou uma partitura tradicional com suas claves de sol e fá sobre as
  3. 3. cinco linhas da pauta? Isso já é tão conhecido, por que mudar? Só para ser ou parecer contemporâneo? Ou o uso do instrumento, da tecnologia, neste caso, também contribui para mudar a música que vocês fazem? No caso do “Saltos no Tempo” usar um outro tipo de partitura foi uma necessidade e não uma opção. O uso da tecnologia viabilizou nossa música. Com uma partitura tradicional não teríamos como deixar claro o espaço, e ele aqui é fundamental. O uso do Power Point foi importante também para que com o recurso “apresentação de slides” pudéssemos ter uma idéia de como espacialmente a peça se desenvolveria. 5 – Você diria que qualquer um toca isso? Quanto tempo e que tipo de trabalho foi necessário para chegar até aí? Acho, sim, que qualquer um pode chegar a tocar isso. Mas é importante ter me mente que todos os que estão ali construíram através d’O Passo uma base musical extremamente sólida. Neste sentido, para os integrantes do Bloco do Passo esse não é, no nosso show, nosso maior desafio. Certamente houve muito trabalho para ensaiar o “Saltos no Tempo”, mas houve muito mais trabalho anteriormente para potencializá-lo. 6 – Esta nossa conversa é para ser apresentada em um curso de formação de educadores para uso de tecnologias. Fará parte da unidade em que tratamos de “prática pedagógica e mídias digitais”. Você diria que há alguma coisa a aprender com este trabalho do “Saltos no tempo” que seja útil para quem vai trabalhar com tecnologia? Voltando um pouco à sua primeira pergunta, eu diria que o “Saltos no Tempo” é um bom exemplo de como a tecnologia se desenvolve. No início havia apenas uma idéia cênico-musical, uma imagem. Não havia partitura para organizar a idéia, não havia ferramentas didáticas para compartilhar a idéia, e não havia nem mesmo a rede para realizar a idéia. Todos os meios para se alcançar o objetivo de ver soar aquela música tiveram que ser criados. Tudo certamente a partir minhas experiências anteriores, mas dentro de um movimento de firme propósito de ir onde fosse necessário e abertura para experimentar vários caminhos até achar um que fosse satisfatório. 7 – O que mais você gostaria de dizer sobre este seu trabalho para colegas nossos, professores? Não nos esqueçamos de que todos os nossos estudantes estão sempre dispostos a vencer um desafio, desde que entendam que vale a pena vencer este desafio e desde que tenham a certeza de que possuem e sabem usar as ferramentas necessárias para vencê-lo. Essa compreensão é a que me move cada vez mais em direção a essa nossa profissão que, quando bem feita, é única.

×