Mairinque

1.740 visualizações

Publicada em

PPT do RI

Publicada em: Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.740
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mairinque

  1. 1. Estação de Mayrink Pedro Pieri Ricardo Stanzani (1906) Victor Dubugras ‏
  2. 2. Victor Dubugras 1868 - Nasce na cidade de Sarthe, na França 1890 – Forma-se em arquitetura em Buenos Aires (?)‏ 1891 – Transfere-se para São Paulo onde trabalha sob a direção de Ramos de Azevedo 1894 – É convidado a integrar o corpo docente da Escola Politécnica, na sua fundação 1928 – Transfere sua residência pra o Rio de Janeiro 1933 – Falece
  3. 3. Art Noveau Residência Horácio Sabino (1903)‏ Proto-modernismo Estação de Mayrink (1906)‏ Neocolonial Residência para Arnaldo Guinle (1927)‏
  4. 4. Estação Ferroviária de Jacareí-1876 Exemplares da mesma tipologia – Estações Ferroviárias. Estação ferroviária de Cubatão-1867 Estação da Luz- São Paulo- 1901
  5. 5. Estação Ferroviária de Mayrink Victor Dubugras
  6. 6. <ul><li>Obra encomendada pela Cia Sorocabana para servir de ponto de baldeação das linhas. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Importância do contexto da cafeicultura. As ferrovias possibilitavam os negócios e escoavam a produção. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Surgimento da Vila de Mairinque em conseqüência da implantação da estação. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Reconhecida já na época de inauguração. Aclamada pela Revista da Politécnica. </li></ul>
  10. 10. Espera das damas Telégrafo Bilhetes Encomendas Buffet Chefe Armazém
  11. 12. Estrutura <ul><li>Formas mais simplificadas com caráter estrutural e não decorativo </li></ul>Laje plana Abóbadas
  12. 13. <ul><li>Uso de elementos novos, como os tirantes </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Pouquíssima ornamentação, apenas nos frisos das portas e nos torreões. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Traços de Art Nouveau estão presentes </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Armazém e os condutores de águas pluviais </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Uso da tecnologia mais avançada da época, o concreto. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Detalhe da cobertura e do concreto armado com trilhos </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Torres que se elevam nos quatro cantos da construção </li></ul>
  19. 20. Divisórias de estrutura modulada de peças verticais metálicas com placas lisas de concreto e placas de vidro
  20. 21. <ul><li>Janelas simples, sem ornamentações </li></ul>Janelas de madeira, sala de bagagem Janelas com caixilho de ferro, cozinha
  21. 22. <ul><li>Pisos </li></ul>Piso de madeira, bilheteria, agência e inspetoria Ladrilhos hidráulicos decorados, sala de composição
  22. 24. Bibliografia <ul><li>Relatório técnico para as obras de recuperação de mairinque/apresentado á FEPASA-FErrovia Paulista S/A pela PlANART S/C-Planejamento e Arquitetura Ltda. 1979 Coordenação de Nestor Goulart Reis Filho. </li></ul><ul><li>CÁSSIA FANTINI DE LIMA, Rita de. Projetos de Victor Dubugras para Ribeirão Preto, 2004 </li></ul><ul><li>SOUKEF JUNIOR,Antonio_ Reabilitação do Conjunto Ferroviário de Mayrink_Dissertação de Mestrado, 1999 </li></ul><ul><li>GOULART REIS, Nestor. Racionalismo e Proto-Modernismo na obra de Victor Dubugras. </li></ul><ul><li>GOULART REIS, Nestor. Precursor da Arquitetura Moderna na América Latina </li></ul><ul><li>SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900-1990. </li></ul><ul><li>http://www.estacoesferroviarias.com.br/m/fotos/mairinque_sd.jpg </li></ul><ul><li>http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq065/arq065_01.asp </li></ul><ul><li>http://www.usp.br/jorusp/arquivo/2005/jusp718/pag0607.htm </li></ul><ul><li>http://www.arcoweb.com.br/entrevista/entrevista52.asp </li></ul>

×