ReflexãO Da AcçãO AvaliaçãO

206 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
206
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ReflexãO Da AcçãO AvaliaçãO

  1. 1. Rede de Bibliotecas Escolares O Modelo de Auto-Avaliação de Avaliação das Bibliotecas Escolares Reflexão Formanda: Maria João X.F. Matias M. de Abreu Turma 4 – DREC
  2. 2. Reflexão “Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares” Logo na primeira reunião do GT concelhio, exprimi as minhas aflições ao Dr. José Saro, relativamente ao novo modelo de avaliação. Apesar de trabalhar na BE e pertencer à REDE há 7 anos, só estava como coordenadora há dois. Durante as férias, em Agosto, tinha começado a manusear o modelo de Auto-avaliação e respectivos instrumentos, e quase me arrependi de ter concorrido ao cargo de PB. Fiquei tensa ( em férias…), com medo de falhar. Bom, o ano começou e, como já referi, falei com o coordenador interconcelhio, que logo me transmitiu que se iria realizar uma formação. Surgiu a oportunidade e, embora “zangada” por ter sido avisada apenas umas horas antes do início da acção, não hesitei. Foi um grande esforço, até porque fiquei a frequentar 3 acções em simultâneo!! Muitas horas roubadas à família e ao verdadeiro trabalho da biblioteca. Fiquei um bocado desnorteada! Eu era mesmo a “Perdida” ! E quando comecei a ler, em contra relógio, aqueles trabalhos todos em Inglês, que por sua vez falavam num super bibliotecário? Achei eu que esse , ou essa ,Super P.B, era uma figura imaginária, irreal, fantástica e que no mínimo estavam a brincar connosco! Estou na Biblioteca, porque gosto! Mas de repente fiquei assustada , não só pelo perfil do SPB, mas também porque gosto muito de ser professora, de ensinar, e fiquei com receio de não poder no futuro de ter pelo menos uma turma.( receio que permanece...logo veremos!) Não queria acabar a formação sem fazer um pequeno balanço, pois deparei-me ao com algumas dificuldades: o trabalho na Plataforma Moodle, apesar de permitir trabalhar de qualquer lugar,o que é óptimo, é muito solitário, impessoal e frio, pois trabalhamos com algo virtual, interagindo pouco com os companheiros, apesar dos esforços que se foram fazendo par nos ajudarmos. Acresce a isto a falta de retorno dos trabalhos realizados: saber o que está mal e precisa de ser melhorado. Só assim é que se entende a aprendizagem, seja em que contexto for! Nas primeiras semanas da acção o trabalho foi excessivo, com muita informação para analisar, para além dos textos estarem em inglês, o que em nada contribui para facilitar a elaboração das tarefas. Espero sinceramente que a copiar os bons exemplos, façamos como os Espanhóis, preservando a sua língua e investindo nas traduções. É uma questão de patriotismo e de preservação do nosso património. Desculpem o meu desabafo! Felizmente que os textos das formadoras nos guiaram... No entanto, apesar destas adversidades o trabalho foi surgindo. Espero conseguir pôr este modelo em prática. Considero-o um bocado “pesado”, já que há muitos indicadores que se entrecruzam e que se repetem. Os poucos relatórios de auto-avaliação que já manuseei são muito exaustivos. Continuei e continuo assustada! Mas, o caminho é sempre para a frente!
  3. 3. Até sempre! “ A Perdida”

×