RESISTINDO À MUDANÇA

553 visualizações

Publicada em

Palestra espírita elaborada por Jorge Luiz, Fortaleza, Ceará.
contato: jorge.grauca@gmail.com
Visite os blogs: Canteiro de Ideias e Banca do Coaching

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
553
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

RESISTINDO À MUDANÇA

  1. 1. O SER REAL
  2. 2. “Sem a imortalidade da alma por alicerce, não há como surgir cogitação moral.” “O Homem e sua felicidade”, Carlos T. Rizzini
  3. 3. “O ser humano é um conjunto harmônico de energias, constituído de espírito e matéria, mente e perispírito, emoção e corpo físico, que interagem em fluxo contínuo uns sobre os outros.” “Autodescobrimento”, Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis
  4. 4. O SER EMOCIONAL “No seu ponto de partida, o homem só tem instintos; mais avançado e corrompido, só tem sensações; mais instruído e purificado, tem sentimentos; e o amor é o requinte do sentimento.” Espírito Lázaro “O E.S.E”, XI:8
  5. 5. “A necessidade de controlá- lo, (os sentimentos) educando as emoções, é o passo decisivo para alcançar-lhe a meta felicitadora.” “Autodescobrimento”, Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis
  6. 6. “A sensação e o comportamento que a expressam, bem como a resposta fisiológicas interna à situação-estímulo, constituem um todo intimamente relacionado, que é a emoção propriamente dita.” “Fisiologia das Emoções”, Raul Marino Jr.
  7. 7. conhecimento expressão excitação experiência Elementos principais “Fisiologia das Emoções”, Raul Marino Jr.
  8. 8. O SER PSÍQUICO Inconsciente • psíquico ou subcortical • orgânico ou cortical Subconsciente • pensamentos • atos Inconsciente Profundo • plenitude • reino dos Céus “Autodescobrimento”, Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis
  9. 9. “Diante das possibilidades agigantadas, o indivíduo, lentamente, deixa todos os apegos – remanescentes do ego -, todos os desejos – reflexos perturbadores do ego – todas as reações – persistência dominadora do ego... “Autodescobrimento”, Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis
  10. 10. O QUE MUDAR? Ganhos Perdas
  11. 11. Princípio do Prazer Satisfação imediata Prazer Receptividade Ausência de repressão Princípio da Realidade Satisfação adiada Restrição do prazer Produtividade Segurança
  12. 12. “O homem é axiotrópico, isto é, ele é atraído por valores. (...) podemos dizer que os indivíduos produzem os valores dos grupos, mas são os grupos que determinam os valores individuais.” “Mudar e Vencer”, Paulo Gaudêncio
  13. 13. Autonomia (nível ético) Heteronomia (força social)
  14. 14. MUDAR PARA VIR A SER O QUÊ? “(...) as mudanças de fato se concretizam quando a pessoa sabe muito bem aonde quer chegar, o que efetivamente deseja vir a ser. E essa não é tarefa tão simples, pois a pressão social costuma nos impor projetos de vida que nem sempre estão em concordância com a nossa consciência maior.” “Mudar”(Caminhos para a Transformação Verdadeira), Flávio Gikovate
  15. 15. “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz; mas eu vos chamo amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu vos dei a conhecer.” (Jesus) João, XV:15
  16. 16. “Deus nos deu, para melhorarmos, justamente o que necessitamos e nos é suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas; e nos tira o que nos poderia prejudicar- nos.” (Allan Kardec) “E.S.E.” – V:11
  17. 17. Felicidade Integração às Leis Cósmicas Co-Criação
  18. 18. “Se ainda não combates contigo mesmo, dia virá em que serás chamado a semelhante serviço. (...) Lembra-te, meu irmão, de que nem mesmo Paulo, agraciado pela visita pessoal de Jesus, conseguiu escapar.” (Emmanuel) “Pão Nosso”, Francisco C. Xavier COMO MUDAR?
  19. 19. AUTOANÁLISE PLANEJAMENTO Reconhecer-se como Espírito Imortal Estabelecer Metas Enfrentar os Vícios Comuns Oração e Vigilância Evangelho no Lar
  20. 20. “As mudanças na maneira de sentir são as que alteram definitivamente o comportamento. Sentimentos e emoções estão ligados a comportamento respondentes, relacionados com o sistema nervoso autônomo, no nível de sobrevivência da espécie – por isso dificilmente são extintos.” “Mudar e Vencer”, Paulo Gaudêncio
  21. 21. “(...) até onde podemos discernir, o único propósito da existência humana é acender uma luz na escuridão do mero ser.” Carl Gustav Jung (1875 - 1961) “Memória, Sonhos e Reflexões”, Carl G. Jung
  22. 22. MUDAR: UM DESAFIO “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos, renovando a vossa mente, a fim de poderdes discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, agradável e perfeito.” Paulo, Romanos, 12:2
  23. 23. “(...) A Ética Espírita é a argamassa que cimenta a Filosofia com a Educação Espírita, articulando-as funcionalmente num enlace perfeito e doutrinário: a Filosofia Espírita fornece a Ética para a Educação realizá-la.” Filosofia Espírita da Educação, Ney Lobo – Vol. 1
  24. 24. “Diz-se que uma pessoa atingiu nível ético quando passa a ocupar-se de problemas morais. Esse ponto da evolução individual caracteriza-se por modificações mentais peculiares a saber: 1) pensa por si mesma em termos gerais e críticos; 2) alcança independência interior suficiente para dirigir sua conduta conforme julgar correto frente às situações concretas.” “Evolução para o Terceiro Milênio”, Carlos T. Rizzini
  25. 25. “Moral traz em si abnegação e renúncia, pois o que vale acima de tudo é a meta a atingir longinquamente: o aperfeiçoamento global.” “O Homem e sua felicidade”, Carlos T. Rizzini
  26. 26. “O Espiritismo não cria uma nova moral, mas facilita aos homens a compreensão e a prática da moral do Cristo, ao dar uma fé sólida e esclarecida aos que duvidam e vacilam.” (Allan Kardec) “E.S.E.” – XVII:4
  27. 27. “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para dominar suas más inclinações.” (Allan Kardec) “E.S.E.” – XVII:4

×