Tac grupo iv

500 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
500
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tac grupo iv

  1. 1. 
 
 
 Em

 
 Relatórios
 Aplicação
na
Educação
 Ideias‐Chave
 Horizon
 
 
 anteriores
 
 A
utilização
do
livro
electrónico
em
contexto
educacional
torna‐se
mais
prático,
tão
prático
que
 já
existem
instituições
a
tornar
o
seu
uso
obrigatório
devido
à
redução
de
peso
e
de
tamanho.
 O
 recurso
 à
 Internet
 (banda
 larga
 /
 cartões
 3G)
 possibilita
 um
 acesso
 rápido
 e
 eficaz
 à
 informação.
 Outro
 dos
 factores
 encontrados
 no
 uso
 desta
 tecnologia
 é
 a
 motivação
 propor‐ cionada
às
gerações
do
futuro
(nativos
digitais),

uma
vez
que
se
aproxima
das
suas
vivências
e
 Livro
electrónico,
ou
e‐book,
é
um
livro
digital
 
2010
 expectativas
criadas.
 que
se
pode
ler
num
ecrã
de
computador
ou
 E‐books
 2008
 São
muitos
os
sítios
onde
se
pode
descarregar
livros
electrónicos,
como
na
Amazon
ou
na
apps‐ em
dispositivos
móveis
como
em
qualquer
 2007
 tore
da
Apple.
E
com
o
recurso
à
Internet,
com
um
simples
clique,
pode‐se
descarregar
um
livro
 lugar
com
os
HandHelds
como
os
PocketPCs,
 numa
questão
de
poucos
minutos.
São
exemplos
em
Portugal
o
portal
da
Universia
e
Leya.
 WinCE,
Palm,
kindles
ou
os
ipad.
 O
uso
desta
tecnologia,
tem
cada
vez
mais
adeptos,
uma
vez
que
proporciona
fácil
manipulação
 e
 interacção.
 Por
 exemplo,
 durante
 a
 leitura,
 
pode‐se
 ampliar
 o
 tamanho
 de
 letra,
 criar
 ano‐ tações
ao
longo
do
texto
e
ainda
tem
os
recursos
de
pesquisa.
 
 O
recurso
aos
dispositivos
móveis
é
um
conceito
que
tem
vindo
a
ser
divulgado
e
utilizado.
A
 Curto
 sua
implementação
na
educação
tem
apresentado
um
papel
prático
e
versátil
com
a
redução
Horizon
 Prazo

 de
peso,
tamanho
e
aumento
da
capacidade
e
desempenho
(são
exemplos
disso
as
aplicações
 2011
 (+/‐
1
 online
 que
 permitem
 a
 sincronização
 de
 contas
 e
 que
 podem
 ser
 acedidas
 de
 qualquer
 com‐ ano)
 putador,
como
o
de
blocos
de
notas,
pen’s
virtuais,
partilha
e
armazenamento
de
links).
A
sua
 ligação
directa
à
Internet
permite
uma
constante
interacção
com
a
informação
(cada
vez
mais
 Verifica‐se
uma
tendência
para
a
utilização
dos
 actualizada)
e
com
aplicações
correspondentes
a
diferentes
conteúdos
educacionais.
Como
é
o
 dispositivos
móveis
como
os
ipads,
telemóveis,
 2010
 caso
de
facilmente
se
poder
aceder
à
Galeria
Nacional
de
Londres,
ou
ter
acesso
a
noções
bási‐ smartphones,
etc.
Isto
é
o
que
se
chama
de
m‐ 2009
 cas
de
mandarim,
ou
até
mesmo
mapas
de
história.
Tudo
isto
pode
ser
encontrado
facilmente
 learning
(mobile
learning
‐
aprendizagem
por
 Dispositivos
 2008
 na
loja
da
Apple,
na
parte
educacional
(http://www.apple.com/pt/education/apps/).
 tecnologias
portatéis),
que
é
apontada
como
 móveis
 2007
 A
utilização
deste
recurso
pode
ainda
potenciar
a
aprendizagem
baseada
em
jogos
electrónicos
 uma
tendência
futura
e
promissora,
uma
vez
 2006
 e
 virtuais
 e
 a
 computação
 baseada
 em
 gestos,
 como
 por
 exemplo
 o
 uso
 de
 smartphones
 e
 que
os
equipamentos
móveis
já
não
são
sim‐ 2005
 tablets
com
ecrãs
tácteis.
 plesmente
usados
como
intermediários
de
 Estas
aplicações
permitem
o
uso
de
redes
sociais
como
o
facebook,
gowalla
e
twitter.
O
Everno‐ comunicação
de
voz.
 te
é
uma
aplicação
que
possibilita
tirar
anotações
e
sincronizar
com
qualquer
PC.
O
CourseNo‐ tes
faculta
tirar
apontamentos
e
partilhar
para
quando
algum
elemento
da
turma
falta.
 Os
 dispositivos
 móveis
 possibilitam,
 ainda,
 o
 uso
 da
 realidade
 aumentada
 (http://www.iphoneness.com/iphone‐apps/best‐augmented‐reality‐iphone‐applications/).
 

  2. 2. 
 A
 realidade
 aumentada
 quando
 aplicada
 na
 educação
 permite,
 por
 exemplo,
 a
 simulação
 de
 
 experiências
reais
(como
na
área
da
medicina).
Exemplo
disso
é
o
jogo
virtual
Second
Life
que
 
 possui
 plataformas
 específicas
 para
 o
 ensino,
 que
 além
 de
 fazer
 a
 simulação,
 permite
 a
 inte‐ O
 termo
 realidade
 aumentada
 refere‐se
 à
 
 racção
 com
 ambientes
 tridimensionais.
 Este
 conceito
 de
 interacção
 pode
 ser
 aplicado
 em
 inserção
 de
 objectos
 do
 mundo
 real
 em
 
 diversas
áreas,
nomeadamente
na
arquitectura
ou
no
design.
 ambientes
virtuais.
 
 O
 envolvimento
 num
 mundo
 virtual
 cria
 possibilidades
 com
 potenciais
 pedagógicos,
 como
 a
 Designa
 um
 grupo
 online,
 normalmente
 sob
 a
 
 construção
de
objectos
virtuais,
como
visitas
virtuais
a
galerias
de
arte
e
outros
espaços
equi‐ forma
 de
 simulações
 de
 computador,
 num
 
 valentes.
 Exemplo
 disso
 é
 o
 site
 Português
 de
 visitas
 virtuais
 a
 galerias
 e
 museus
 ambiente
onde
os
utilizadores
podem
interagir
 
 2010
 (http://www.culturaonline.pt/MuseusMonumentos/Pages/visitasvirtuais.aspx;);
 o
 turismo
 de
 uns
com
os
outros.
 
 Realidade
 2007
 Portugal
 também
 tem
 recursos
 deste
 nível
 onde
 podemos
 ver
 em:
 http://www.oneway‐ O
 envolvimento
 nas
 actividades,
 em
 mundos
 
 aumentada
 2006
 group.com/Solucoes‐Interactivas‐Tablet‐Realidade‐Aumentada‐Turismo‐de‐Portugal‐WTN‐ virtuais,
tem
um
elevado
potencial
pedagógico,
 
 
 2005
 Londres‐g429,85.htm?from=solucoes‐interactivas‐tablet.php%3FmenuKey%3Dsolucoes_tablet.
 permitindo
 a
 interacção
 com
 pessoas
 e
 objec‐ 
 2004
 A
 Ydreams
 (http://www.ydreams.com/#/pt/technologies/augmentedreality/)
 ,
 
 é
 uma
 das
 tos
 em
 ambientes
 simulados,
 de
 modo
 contro‐ 
 empresas‐líder
mundiais
na
área
de
Realidade
Aumentada
em
Portugal,
que
cria
diversas
solu‐ lado,
 assim
 como
 o
 desenvolvimento
 de
 
 ções
na
área
do
turismo,
medicina,
educação,
consumo
e
entretenimento.
 processos
 de
 aprendizagem
 com
 uma
 com‐ 
 A
realidade
aumentada
complementa
a
realidade
presente
na
combinação
de
elementos
reais
 ponente
lúdica.
Nos
mundos
virtuais
é
possível
 
 e
 virtuais
 em
 tempo
 real.
 É
 uma
 tecnologia
 de
 computação
 mais
 entusiasmante,
 pela
 possi‐ desenvolver
actividades
que
seriam
impossíveis
Horizon
 Médio
 bilidade
de
criação
de
uma
nova
geração
de
aplicações.
Podem‐se
também
encontrar
bastantes
 ou
pouco
prováveis
num
ambiente
real.
 2011
 prazo
 aplicações
 móveis
 (http://www.iphoneness.com/iphone‐apps/best‐augmented‐reality‐iphone‐ 
 (2
a
3
 applications/)
na
appstore
da
Apple.
 
 anos)
 Esta
tecnologia
pode
ainda
ser
usada
para
realizar
estudos
de
comportamentos
sociais.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Aprendizagem
 2005
 Os
 Nativos
 digitais
 têm
 maior
 aptidão
 para
 a
 Os
 jogos
 electrónicos
 têm
 vindo
 a
 assumir
 um
 papel
 de
 destaque
 na
 indústria
 do
 entre‐ 
 baseada
em
 realização
 de
 várias
 tarefas.
 Concomi‐ tenimento
 e
 ultimamente
 na
 área
 da
 Educação.
 De
 acordo
 com
 Prensky
 (2001),
 este
 tipo
 de
 
 jogos
 tantemente,
analisam
interacções
frequentes
e
 tecnologia
 fomenta
 uma
 ligação
 entre
 as
 necessidades
 e
 os
 estilos
 de
 aprendizagem
 dos
 
 curtas
 e
 possuem
 excepcionais
 capacidades
 de
 Nativos
Digitais,
uma
vez
que
estes
processam
informação
rapidamente
e
funcionam
em
multi‐ 
 literacia
 visual
 (Van
 Eck,
 2006).
 Estas
 caracte‐ tarefa,
 tendo
 uma
 apetência
 especial
 por
 esta
 tecnologia.
 O
 autor
 defende
 também
 que
 a
 
 rísticas
enquadram‐se
no
perfil
de
um
utilizador
 aprendizagem
é
promovida
pelo
carácter
lúdico
e
que
pode‐se
apresentar
extensível
à
apren‐ 
 de
jogos
electrónicos.
 dizagem
de
diferentes
conteúdos
e
ao
desenvolvimento
de
diferentes
competências.
 
 As
características
e
o
seu
crescente
uso,
levam
 Van
Eck
(2006)
refere
que
o
uso
de
jogos
electrónicos
com
fins
pedagógicos
pode
ser
feito
de
 à
consideração
do
uso
deste
tipo
de
aplicações
 diversas
 formas
 e,
 inclusivamente,
 podem
 ser
 criadas
 aplicações
 com
 objectivos
 pedagógicos
 no
ensino.


 mas
 que
 funcionam
 como
 
 jogos,
 os
 
 chamados
 Serious
 Games,
 que
 defende
 que
 nesta
 tec‐ 
 nologia
 
 existe
 um
 modelo
 de
 aprendizagem
 subjacente
 de
 tal
 forma
 que
 os
 conteúdos
 são
 integrados
no
jogo
fazendo
com
que
a
aprendizagem
se
confunda
com
o
acto
de
jogar.
A
ava‐
  3. 3. 
 
 tablets
 como
 plataformas
 de
 disponibilização
 de
 jogos
 (pervasive
 games,
 expressão
 que
 se
 Os
 Nativos
 digitais
 têm
 maior
 aptidão
 para
 a
 
 pode
traduzir
por
“jogos
penetrantes”)
também
potenciam
a
utilização
desta
tecnologia.
 realização
 de
 várias
 tarefas.
 Concomi‐ 
 Existem
inclusivamente
consolas
de
jogos
que
permitem
a
interacção
com
os
jogadores
e
que
 tantemente,
analisam
interacções
frequentes
e
 
 hoje
já
possuem
jogos
educacionais,
em
que
os
jovens
aprendem
a
brincar
(através
de
gestos,
 curtas
 e
 possuem
 excepcionais
 capacidades
 de
 
 p.e.
Nintendo
Wii,
Sony
PS
Move,
Microsoft
Kinect).
 Aprendizagem
 literacia
 visual
 (Van
 Eck,
 2006).
 Estas
 caracte‐ 
 Além
 disto
 tudo,
 o
 progresso
 verificado
 das
 tecnologias
 de
 realidade
 mista,
 realidade
 baseada
em
 2005
 rísticas
enquadram‐se
no
perfil
de
um
utilizador
 
 aumentada
 e
 na
 indústria
 dos
 jogos
 electrónicos
 elevam
 o
 seu
 potencial
 pedagógico,
 per‐ jogos
 de
jogos
electrónicos.
 
 mitindo
 alargar
 a
 integração
 deste
 meio
 a
 outros
 d
 inamismos
 de
 ensino
 (p.e.
 laboratórios
 As
características
e
o
seu
crescente
uso,
levam
 
 virtuais)
 ‐
 Laboratórios
 virtuais
 na
 Universidade
 do
 Minho
 à
consideração
do
uso
deste
tipo
de
aplicações
 
 (http://vlabs.uminho.pt/biologia/biologia.html)
e
de
processos
químicos
 no
ensino.


 
 
(http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?option=com_frontpage&Itemid=1&lang=pt)
 
 
 
Horizon
 Refere‐se
 à
 interacção
 com
 equipamentos
 2011
 electrónicos
 através
 de
 gestos
 naturais.
 Esta
 
 tecnologia
 pode
 enriquecer
 de
 forma
 muito
 
 significativa
 a
 experiência
 de
 participação
 em
 
 
 mundos
virtuais.
 
 A
computação
baseada
em
gestos,
na
área
da
educação,
possibilita
a
interacção

com
informa‐ As
 tecnologias
 de
 realidade
 aumentada
 e
 a
 
 ção
e
objectos,


colaboração
em
mundos
virtuais;
fomenta
uma
aprendizagem
mais
motivado‐ aprendizagem
 baseada
 em
 jogos,
 em
 conjunto
 
 ra
e
ainda
possibilita
diversas
funcionalidades
em
diferentes
contextos
educacionais.
 com
os
equipamentos
e
a
computação
baseada
 
 
 Longo
 2010
 em
 gestos,
 podem
 indiciar
 um
 futuro
 uso
 na
 
 Computação
 A
Microsoft
Surface
é
um
exemplo
de
aplicação
de
formas
de
interacção
baseadas
em
gestos.
O
 prazo
 2006
 educação
 de
 aplicações
 semelhantes
 aos
 
 baseada
em
 título
 mais
 experimental,
 o
 projecto
 Sixth
 Sense
 também
 permite
 este
 tipo
 de
 interacção.
 (4
a
5
 2005
 actuais
jogos
usados
para
fins
lúdicos,
mas
com
 
 gestos
 Temos
ainda
as
consola
de
jogos
da
wii,
os
ecrãs
tácteis
dos
smartphones
e
tablets
e
uma
apli‐ anos)
 2004



 novas
 funcionalidades.
 Estas
 são
 permitidas
 
 cação
 Portuguesa
 para
 descarregar
 e
 instalar
 em
 smartphones
 (iphones)
 o
 Dropoly
 (
 pela
 realidade
 aumentada,
 pelos
 mundos
 vir‐ 
 http://www.inovaworks.com/dropoly/
).
 tuais
 e
 por
 novas
 formas
 de
 interacção,
 como
 
 os
 movimentos
 do
 corpo.
 A
 ubiquidade
 per‐ 
 mitida
 pelos
 equipamentos
 móveis
 como
 os
 
 smartphones,
tablets,
netbooks,
etc,
onde
essas
 aplicações
 podem
 ser
 executadas,
 possibilitará
 ainda
diferenciar
a
experiência
de
utilização
em
 função
do
contexto
do
utilizador.
 
Horizon
 2011
 Longo
 Análise
de
 2010
 
 Em
 contexto
 educacional,
 a
 análise
 virtual
 de
 dados
 permite
 avaliações
 do
 progresso
 aca‐ A
 análise
 visual
 de
 dados
 respeita
 à
 inter‐ prazo
 dados
 2008
 
 démico
 e
 possibilita
 o
 desempenho
 individual
 de
 cada
 aluno,
 uma
 vez
 que
 pode
 conseguir‐se
 pretação
 visual
 de
 grandes
 quantidades
 de
 (4
a
5
 observar
 e
 identificar
 potenciais
 problemas,
 notas,
 faltas,
 entre
 outros
 factores
 observáveis.
 dados,
descobrindo
padrões,
tirando
partido
de
 anos)
 Esta
tecnologia
inclui
perfil
de
alunos
e
as
suas
interacções
entre
eles
e
os
cursos,
possibilitando
 ferramentas
 de
 software
 de
 análise
 e
 dispo‐
  4. 4. 
 ainda
a
análise
dos
currículos,
dos
programas
e
das
instituições.
São
exemplos
da
sua
utilização
 sitivos
de
visualização.

 
 Longo
 o
 Mixpanel,
 Userfly,
 Gephi,
 Snapp,
 MicroStrategy
 entre
 outros.
 Em
 Portugal
 contamos
 com
 a
 prazo
 Análise
de
 2010
 O
 objectivo
 é
 permitir
 que
 professores
 e
 esco‐ 
 Google
analytics
e
o
Pinpoint
da
Microsoft.
 (4
a
5
 dados
 2008
 las
 possam
 personalizar
 as
 oportunidades
 edu‐ 
 anos)
 
 cacionais
 para
 cada
 aluno,
 tendo
 em
 conta
 as
 
 suas
necessidades
e
capacidades.
 
 
 Oferecem
 uma
 variedade
 crescente
 de
 actividades
 devido
 às
 aplicações
 concebidas
 espe‐ 
 2009
 cialmente
 para
 estes
 equipamentos.
 Professores
 e
 profissionais
 da
 tecnologia
 educacional
 Os
dispositivos
portáteis
(smartphones,
compu‐ 
 2008
 experimentam
 as
 possibilidades
 que
 a
 computação
 móvel
 permite
 à
 colaboração
 e
 à
 comu‐ tadores)
 capazes
 de
 operarem
 em
 rede,
 são
 Computação
 úteis
 para
 a
 produtividade,
 para
 a
 apren‐ 
 2007
 nicação.
 móvel
 dizagem
e
para
a
comunicação.
 
 2006
 Ferramentas
 como
 Evenote,
 Nozbe,
 Wesabe
 e
 TripIt
 permitem
 aos
 utilizadores
 organizar
 efi‐ 
 2005
 cazmente
 a
 sua
 informação
 pessoal,
 colaborar,
 aceder
 e
 compartilhar
 ficheiros
 facilmente
 
 
 (Dropbox,
CalenGoo...)
ou
navegar
pelas
redes
sociais
(Limbo,
Facebook,
Foursquare,
Whrrl).
 
 
 
 Curto
 Este
fenómeno
desencadeou
uma
profunda
mudança
na
forma
como
os
estudantes
estudam
e
Horizon
 prazo
 aprendem.
 2010
 (+/‐
1
 Entende‐se
este
fenómeno
como
uma
resposta
para
reduzir
os
custos,
cada
vez
mais
elevados,
 ano)
 da
 educação,
 para
 aceder
 facilmente
 a
 certas
 áreas
 educacionais
 e
 para
 uma
 aprendizagem
 
 2008
 mais
individualizada.
 Esta
abertura
iniciou‐se
há
uma
década
quando
 
 Disponi‐ Os
 alunos
 desenvolvem
 competências
 relacionadas
 com
 a
 forma
 de
 encontrar
 a
 informação
 2007
 instituições
 começaram
 a
 permitir
 o
 livre
aces‐ 
 bilização
 mais
pertinente,
avaliando
e
interpretando.
 2006
 so
aos
conteúdos
dos
seus
cursos.
 
 
 aberta
de
 
 2005
 A
 tendência
 é
 para
 que
 haja
 cada
 vez
 mais
 
 conteúdos
 Aproveita‐se
 a
 Internet
 como
 um
 recurso
 para
 a
 difusão
 global
 do
 conhecimento
 e
 conceber
 2004
 acesso
à
informação.
 
 experiências
de
aprendizagem
colaborativa.
 
 Temos
assistido
à
formação
de
comunidades
de
prática
e
de
aprendizagem
no
âmbito
de
várias
 disciplinas.
 Em
 portais
 como
 Folksemantic
 (http://www.folksemantic.com)
 encontram‐se
 mui‐ 
 tas
ofertas
de
conteúdo
aberto.
 
 
 
 
 Os
 dispositivos
 electrónicos
 de
 leitura,
 práticos
 e
 úteis,
 permitem
 a
 aquisição,
 o
 armaze‐ Os
 livros
 electrónicos
 estão
 disponíveis
 desde
 
 2008
 namento,
a
leitura
e
anotações
de
livros
digitais.
Sendo
assim,
o
transporte
de
várias
obras
é
 há
 4
 décadas.
 No
 entanto,
 só
 no
 último
 ano
 é
 E‐books
 que
 nos
 deparámos
 com
 uma
 maior
 aceitação
 
 2007
 facilitado
 por
 ser
 mais
 leve
 e
 compacto
 ,
 sendo
 uma
 solução
 mais
 ambiental
 com
 um
 menor
 
 custo.
 do
seu
uso.
 Médio
 
 
 prazo
 
 (2
a
3
 
 anos)
 
 
 Realidade
 2007
 O
seu
uso
já
é
habitual
nos
campus
universitários.
A
realidade
aumentada
está
preparada
para
 A
realidade
aumentada
(Caudel,
1990),
que
até
 
 aumentada
 2006
 entrar
 no
 mercado
 de
 forma
 generalizada.
 As
 aplicações
 sociais
 e
 lúdicas
 demonstram
 muito
 aqui
 era
 associada
 a
 um
 equipamento
 espe‐ 
 2005
 potencial
 para
 a
 sua
 implementação
 na
 educação
 nos
 próximos
 anos.
 Estas
 aplicações,
 que
 cializado,
 possui,
 hoje
 em
 dia,
 aplicações
 para
 2004
 mostram
 informações
 sobre
 um
 determinado
 lugar
 ou
 objecto
 existente
 na
 realidade,
 pro‐ computadores
 portáteis
 e
 smartphones
 que
 porcionam
uma
aprendizagem
pela
descoberta
(“saindo
sem
sair”
da
escola).
 sobrepõem
 informação
 digital
 para
 o
 mundo
 
 físico
de
forma
rápida
e
fácil.

  5. 5. 
 
 Este
 conceito
 resulta
 da
 combinação
 do
 O
seu
uso
já
é
habitual
nos
campus
universitários.
A
realidade
aumentada
está
preparada
para
 
 2007
 aumento
de
dados
virtuais
com
o
que
vemos
no
 entrar
 no
 mercado
 de
 forma
 generalizada.
 As
 aplicações
 sociais
 e
 lúdicas
 demonstram
 muito
 
 Realidade
 2006
 mundo
real,
tendo
como
finalidade
melhorar
a
 potencial
 para
 a
 sua
 implementação
 na
 educação
 nos
 próximos
 anos.
 Estas
 aplicações,
 que
 
 aumentada
 2005
 percepção
da
informação
que
recebemos.
 mostram
 informações
 sobre
 um
 determinado
 lugar
 ou
 objecto
 existente
 na
 realidade,
 pro‐ 
 2004
 
 porcionam
uma
aprendizagem
pela
descoberta
(“saindo
sem
sair”
da
escola).
 
 
Horizon
 2010
 O
mercado
já
está
pronto
para
receber
este
tipo
de
computação.
No
entanto
são
as
empresas
 Trata‐se
 de
 dispositivos
 controlados
 pelos
 Computação
 2006
 ligadas
aos
jogos
que
estudam
estas
potencialidades.
A
característica
cinética;
a
interface
ges‐ movimentos
 do
 nosso
 corpo.
 Este
 conceito
 baseada
em
 2005
 tual
natural,
intuitiva
e
divertida
permitirão
novos
tipos
de
simulações
para
o
mundo
da
edu‐ muda
 a
 forma
 como
 entendemos
 a
 interacção
 gestos
 2004
 cação.
Certamente,
os
estudantes
poderão
interagir
com
o
conteúdo
de
forma
simultânea.
 entre
nós
e
o
computador.
 Longo
 Actualmente,
só
os
estudantes
de
medicina
beneficiam
deste
tipo
de
computação.
 
 prazo
 
 (4
a
5
 
 anos)
 Um
 dos
 aspectos
 mais
 relevantes
 para
 implementar
 a
 análise
 de
 dados
 visuais
 na
 educação
 Trata‐se
 de
 uma
 interpretação
 visual
 para
 reside
na
forma
como
convoca
as
capacidades
naturais
que
as
pessoas
possuem
para
procurar
 Análise
visual
 facilitar
 a
 descoberta
 e
 o
 entendimento
 dos
 2008
 e
encontrar
padrões
em
tudo
o
que
visualizam.
 de
dados
 padrões
em
grandes
conjuntos
de
dados.
 Será
um
conceito
muito
útil
no
que
diz
respeito
a
áreas
como
a
Física
Quântica,
Química
Orgâ‐ 
 nica,
Medicina
ou
Economia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Curto
Horizon
 prazo
 2009
 (+/‐
1
 
 ano)
 Computação
 2008
 O
surgimento
de
aplicativos
baseados
em
nuvem
está
a
transformar
a
forma
de
pensar
e
usar
o
 O
conceito
de
computação
em
nuvem
consiste
 
 
 em
nuvem
 software
 e
 o
 modo
 de
 guardar
 os
 dados.
 Estes
 elementos
 ficam
 acessíveis
 em
 qualquer
 com‐ no
uso
da
memória
e
das
capacidades
de
arma‐ 
 
 putador,
integrados
na
rede,
permitindo
partilhar
e
editar
colaborativamente
documentos. zenamento
 e
 de
 processamento
 de
 compu‐ As
 instituições
 educacionais
 beneficiam
 de
 aplicações
 prontas,
 hospedadas
 em
 nuvem,
 possi‐ 
 
 tadores
 e
 servidores
 interligados
 por
 bilitando
 aos
 utilizadores
 a
 execução
 de
 tarefas
 que,
 anteriormente,
 exigiam
 licenciamento,
 
 
 intermédio
 da
 Internet.
 É
 um
 instrumento
 que
 instalação
e
manutenção
de
cada
pacote
de
software.
Desta
forma,
proporcionam
aos
alunos
e
 
 
 permite,
numa
forma
simples
e
de
fácil
acesso,
 aos
professores
acesso
gratuito
ou
de
baixo
custo,
sendo
possível
o
acesso
independentemente
 
 
 o
 armazenamento
 externo,
 diversas
 aplicações
 do
seu
sistema
operativo
e
hardware. e
 processamento
 de
 dados,
 modificando
 a
 
 
 Neste
sentido,
a
utilização
deste
conjunto
de
tecnologias,
no
âmbito
da
educação,
promove
o
 forma
 de
 pensar
 sobre
 computadores,
 soft‐ 
 
 trabalho
 em
 grupo
 e
 a
 colaboração
 à
 distância,
 em
 qualquer
 lugar,
 usando
 qualquer
 com‐ wares
e
arquivos. putador. O
 principal
 objectivo
 é
 o
 de
 ser
 possível
 tra‐ Exemplos
destes
recursos
são
Google
Docs,
Office
Web
Apps
e
Live@Edu
da
Microsoft. balhar
off‐line.
Assim,
muitos
aplicativos,

como
 
 arquivos
 e
 outros
 dados
 relacionados,
 não
 precisam
 estar
 instalados
 ou
 armazenados
 no
 computador
 ou
 num
 servidor
 próximo.
 Esse

  6. 6. 
 O
surgimento
de
aplicativos
baseados
em
nuvem
está
a
transformar
a
forma
de
pensar
e
usar
o
 apenas
 preocupa‐se
 com
 o
 seu
 acesso
 e
 a
 sua
 
 software
 e
 o
 modo
 de
 guardar
 os
 dados.
 Estes
 elementos
 ficam
 acessíveis
 em
 qualquer
 com‐ utilização. 
 putador,
integrados
na
rede,
permitindo
partilhar
e
editar
colaborativamente
documentos. As
 inovações
 informáticas,
 para
 garantir
 a
 As
 instituições
 educacionais
 beneficiam
 de
 aplicações
 prontas,
 hospedadas
 em
 nuvem,
 possi‐ protecção
 contra
 desastres
 naturais,
 
permiti‐ 
 bilitando
 aos
 utilizadores
 a
 execução
 de
 tarefas
 que,
 anteriormente,
 exigiam
 licenciamento,
 ram
o
arquivo
e
o
partilha
de
dados
em
muitas
 
 instalação
e
manutenção
de
cada
pacote
de
software.
Desta
forma,
proporcionam
aos
alunos
e
 e
diferentes
instalações
de
hospedagem. 
 Computação
 2008
 aos
professores
acesso
gratuito
ou
de
baixo
custo,
sendo
possível
o
acesso
independentemente
 
 em
nuvem
 do
seu
sistema
operativo
e
hardware. Melhorias
 na
 infra‐estrutura
 proporcionam
 o
 
 Neste
sentido,
a
utilização
deste
conjunto
de
tecnologias,
no
âmbito
da
educação,
promove
o
 aumento
 da
 confiança
 e
 segurança
 no
 uso
 da
 
 
 trabalho
 em
 grupo
 e
 a
 colaboração
 à
 distância,
 em
 qualquer
 lugar,
 usando
 qualquer
 com‐ nuvem,
mudando
fundamentalmente
as
noções
 
 putador. de
computação
e
comunicação.
 
 Exemplos
destes
recursos
são
Google
Docs,
Office
Web
Apps
e
Live@Edu
da
Microsoft. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Horizon
 
 2009
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Telemóveis
 2006
 Actualmente,
 cada
 vez
 mais
 empresas
 desenvolvem
 aplicações
 educacionais
 para
 Os
telemóveis
são
uma
ferramenta
versátil
 
 Curto
 quase
todas
as
áreas,
de
forma

a
se
tornarem
acessíveis
para
os
smartphones.
Recur‐ e
 de
 carácter
 multimédia,
 podendo
 ser
 
 prazo
 sos
como
a
câmara,
o
microfone
e
o
acelerometro
podem
ser
usados
para
a
elabora‐ usados
 em
 contexto
 educativo,
 pro‐ 
 (+/‐
1
 ção
de
trabalhos
de
pesquisa,
enriquecendo
as
aprendizagens.
 fissional,
 de
 entretenimento
 e
 de
 inte‐ 
 ano)
 Os
alunos
de
línguas
estrangeiras
podem
procurar
palavras,
praticar
o
ouvir,
a
fala
e
a
 racção
social. 
 escrita
e
comparar
a
sua
pronúncia
com
um
orador
nativo. É
 um
 elemento
 que
 está
 sempre
a
evoluir
 
 Também
 é
 possível
 aceder
 a
 calculadoras
 gráficas
 que
 mostrem
 gráficos
 em
 3D,
 ao
 nível
 dos
 seus
 recursos,
 capacidades
 e
 
 
 podendo
 ser
rodados
 com
um
 dedo
 sobre
o
ecrã
táctil
ou
vistos
 a
 partir
de
 ângulos
 aplicações,
 como
 por
 exemplo:
 realizar
 
 diferentes
pela
inclinação
do
telefone,
permitindo,
assim,
outras
formas
de
explorar
e
 chamadas
 telefónicas,
 tirar
 fotos,
 gravar
 
 aprender. áudio
e
vídeo,
armazenar
dados,
músicas
e
 
 A
 variedade
 e
 a
 qualidade
 dos
 conteúdos
 didácticos
 está
 a
 crescer
 a
 um
 ritmo
 ace‐ filmes,
 navegar
 na
 Web
 ou
 aceder
 ao
 e‐ 
 lerado,
sendo,
a
seguir,
apresentados
alguns
exemplos: mail.
 ■
 Matemática:
 Ao
 seleccionar
 aplicativos
 personalizados,
 os
 alunos
 podem
 trans‐ A
 evolução
 constante
 dos
 telemóveis
 está
 formar
os
seus
iPhones
em
sofisticadas
calculadoras. a
 revolucionar
 a
 maneira
 de
 pensar
 e
 de
 ■
 Música:
 Simuladores
 de
 Instrumento
 para
 piano,
 guitarra,
 tambores
 e
 outros
 instrumentos
 interagir
 com
 dispositivos
 móveis,
 possi‐ permitem
aos
alunos
praticar
acordes
simples
ou
compor
peças.
 bilitando
 o
 contacto
 constante
 com
 a

  7. 7. 
 
 Actualmente,
 cada
 vez
 mais
 empresas
 desenvolvem
 aplicações
 educacionais
 para
 podendo
 ser
 acrescentados
 jogos,
 mate‐ 
 quase
todas
as
áreas,
de
forma

a
se
tornarem
acessíveis
para
os
smartphones.
Recur‐ riais
de
referência,
ferramentas
para
medir
 
 sos
como
a
câmara,
o
microfone
e
o
acelerometro
podem
ser
usados
para
a
elabora‐ e
calcular,
listas
de
verificação,
material
de
 
 ção
de
trabalhos
de
pesquisa,
enriquecendo
as
aprendizagens.
 leitura
ou
ferramentas
de
redes
sociais. 
 Os
alunos
de
línguas
estrangeiras
podem
procurar
palavras,
praticar
o
ouvir,
a
fala
e
a
 Assim,
 podemos
 recorrer
 a
 diversas
 fun‐ 
 
 escrita
e
comparar
a
sua
pronúncia
com
um
orador
nativo. cionalidades
 de
 um
 computador
 portátil
 
 Também
 é
 possível
 aceder
 a
 calculadoras
 gráficas
 que
 mostrem
 gráficos
 em
 3D,
 utilizando
 estes
 dispositivos
 de
 bolso
 que,
 
 podendo
 ser
rodados
 com
um
 dedo
 sobre
o
ecrã
táctil
ou
vistos
 a
 partir
de
 ângulos
 desta
 forma,
 está
 a
 tornar‐se
 uma
 fer‐ 
 Telemóveis
 2006
 diferentes
pela
inclinação
do
telefone,
permitindo,
assim,
outras
formas
de
explorar
e
 ramenta
 universal
 para
 comunicação
 de
 
 aprender. todos
os
tipos. 
 A
 variedade
 e
 a
 qualidade
 dos
 conteúdos
 didácticos
 está
 a
 crescer
 a
 um
 ritmo
 ace‐ 
 lerado,
sendo,
a
seguir,
apresentados
alguns
exemplos: 
 ■
 Matemática:
 Ao
 seleccionar
 aplicativos
 personalizados,
 os
 alunos
 podem
 trans‐ 
 formar
os
seus
iPhones
em
sofisticadas
calculadoras. 
 ■
 Música:
 Simuladores
 de
 Instrumento
 para
 piano,
 guitarra,
 tambores
 e
 outros
 instrumentos
 
 permitem
aos
alunos
praticar
acordes
simples
ou
compor
peças.
 
 
Horizon
 2009
 
 
 
 
 
 
 
 Médio
 
 prazo
 
 (2
a
3
 Georefe‐ 2008
 É
 um
 instrumento
 que
 permite
 determinar
 
 A
 Geolocalização
 automática
 promove
 a
 pesquisa
 de
 dados
 de
 ciências,
 a
 observação
 social,
 anos)
 renciação
 automaticamente
 e
 gravar
 suas
 próprias
 loca‐ 
 estudos
de
medicina
e
saúde,
estudos
culturais,
entre
outras
áreas.

 lizações
 com
 precisão,
 podendo
 guardar
 os
 
 Os
investigadores
podem
estudar
as
migrações
de
diversos
animais
ou
controlar
a
propagação
 dados
que
são
capturados
com
ferramentas
de
 
 de
epidemias,
usando
dados
providos
de
fotografias
georeferenciadas,
vídeos
ou
outros
meios
 multimédia
 (como
 fotos),
 ou
 transmiti‐los
 para
 
 de
comunicação
traçadas
nos
mapas
prontamente
disponíveis.
Neste
sentido,
com
o
acesso
a
 aplicações
baseadas
na
web.
 
 estes
dados,
os
alunos
podem
estudar
os
padrões
presentes.
 As
implicações
de
“geo‐tagging”
estão
ainda
em
 
 Estão
 a
 ser
 desenvolvidos
 aplicações
 de
 multimédia
 que
 combinam
 dados
 topográficos
 com
 desenvolvimento,
 mas
 o
 impacto
 na
 inves‐ 
 georeferenciados,
tornando‐se

o
foco
da
importância
de
geolocalização
para
a
prática
educa‐ tigação
já
foi
profunda.
 
 cional.
 Muitas
 das
 aplicações
 não
 necessitam
 de
 competências
 de
 programação
 e
 os
 alunos
 podem
 utilizá‐las
 para
 produzir
 visualizações
 personalizadas
 de
 camadas
 de
 mapas
 detalhados
 ou
 Paisagens
em
3D,
utilizando
os
dados
do
mundo
real.
 No
âmbito
da
literatura,
a
georeferenciação
pode
ser
usada
para
criar
mapas
relacionados
com
 as
obras
estudas,
de
modo
a
melhorar
a
experiência
de
ler
a
história.


  8. 8. 
 e
dos
seus
habitantes.
 É
 um
 instrumento
 que
 permite
 determinar
 
 automaticamente
 e
 gravar
 suas
 próprias
 loca‐ 
 lizações
 com
 precisão,
 podendo
 guardar
 os
 
 dados
que
são
capturados
com
ferramentas
de
 Georefe‐ 
 2008
 multimédia
 (como
 fotos),
 ou
 transmiti‐los
 para
 renciação
 
 aplicações
baseadas
na
web.
 
 As
implicações
de
“geo‐tagging”
estão
ainda
em
 
 desenvolvimento,
 mas
 o
 impacto
 na
 inves‐ 
 tigação
já
foi
profunda.
 
 As
 ferramentas
 que
 permitem
 a
 elaboração
 das
 páginas
 web
 pessoais
 são
 ideais
 como
 ferra‐ 
 mentas
 de
 investigação
 e
 aprendizagem.
 A
 capacidade
 de
 marcar,
 categorizar
 e
 publicar
 tra‐ 
 Médio
 balhos
online
faculta
um
conjunto
de
oportunidades
para
professores
e
alunos.
A
organização
 
 prazo
 de
informações
online
com
tags
e
feeds
da
web,
possibilita
a
criação
de
uma
colecção
perso‐ 
 (2
a
3
 nalizada
de
recursos.

 anos)
 Ferramentas
como
o
Delicious
e
Diigo
utilizam
a
marcação,
como
meio
de
guardar
e
organizar
 A
utilização
cada
vez
mais
frequente
de
páginas
Horizon
 os
marcadores
da
web.
 Web
 pessoais
 tem
 sido
 possível
 devido
 ao
 uso
 2009
 Muitos
elementos
da
comunidade
educativa
utilizam
uma
variedade
de
serviços
de
web‐based
 de
 um
 conjunto
 de
 ferramentas
 tecnológicas
 Página
web
 para
publicar
e
hospedar
conteúdos
de
multimédia,
como
por
exemplo:
 o
 YouTube,
 o
Blip.tv,
 simples
 e
 gratuitas,
 assim
 como
 de
 aplicações
 
 pessoal
 Twitter
 e
 um
 conjunto
 de
 plataformas
 de
 blogs,
 Flickr
 e
 Picasa.
 A
 marcação
 (tagging)
 é
 uma
 que
permitem
configurar
e
gerir
estas
páginas,
 forma
de
organizar
essas
informações
dispersas.

 de
forma
personalizada.
Estas
podem
ser
adap‐ Outra
funcionalidade
desta
tecnologia
é
a
possibilidade
 
de
agrupar
num
único
local,
os
feeds
 tadas
 a
 contextos
 sociais,
 profissionais
 e
 edu‐ da
 Web
 que
 se
 utiliza,
 onde
 as
 actualizações
 são
 automáticas
 e
 onde
 também
 se
 podem
 adi‐ cativos.
 cionar
comentários...
 Ferramentas
 como
 Swurl
 ou
 friend
 agrupam
 todo
 o
 material
 publicado
 num
 "Fluxo
 de
 acti‐ vidade".
 Os
 alunos
 
podem
 usar
 essas
 ferramentas
 para
 recolher
 os
 seus
 trabalhos
 numa
 espécie
de
portfólio
online.
 
 Perso‐ A
 visão
 para
 a
 web
 semântica,
 inicialmente
 nalização
e
 concebida
por
Sir
Tim
Berners‐Lee,
tinha
como
 Aplicações
 Até
ao
momento,
o
desenvolvimento
destas
 
aplicações
tem
focado
a
 criação
 de
 ferramentas
 base
 
ajudar
 as
 pessoas
 a
 resolver
 problemas
 Longo
 com
tra‐ para
automatizar
o
processo
de
contextualizar
informações
e
ferramentas
para
processar
con‐ difíceis,
 apresentando
 conexões
 entre,
 aparen‐ prazo
 tamento
 teúdo,
contra
um
léxico
semântico.
 temente,
 conceitos
 independentes,
 pessoas,
 
 (4
a
5
 semântico
da
 Uma
ferramenta
que
ilustra
o
potencial
para
educação
é
Twine,
uma
rede
social
organizada
em
 eventos
ou
coisas,
facilitando
a
compreensão
e
 anos)
 informação,
 torno
de
temas
de
interesse.
 articulação
de
conceitos.
 ambas
inte‐ 
 Estão
 a
 emergir
 novas
 aplicações
 que
 possi‐ gradas
na
 bilitam
o
tratamento
semântico
da
informação,
 Web
Semânti‐ recolhendo
 o
 contexto
 em
 que
 informação
 é

  9. 9. 
 Semântica
 expressa,
 de
 forma
 a
 ser
 extraído
 desse
 con‐ texto
o
significado
embutido.
Estas
ferramentas
 proporcionam
 novas
 maneiras
 de
 encontrar
 e
 agregar
 conteúdos.
 Do
 mesmo
 modo,
 estão
 a
 ser
 desenvolvidas
 ferramentas
 que
 permitem
 que
 o
 contexto
 possa
 ser
 facilmente
 modi‐ ficado,
 moldado
 e
 redefinido
 como
 fluxos
 de
 informação
combinados.
 Assim,
 é
 possível
 evitar
 aplicar
 camadas
 adi‐ cionais
 de
 tags,
 identificadores
 ou
 outros
 métodos
 de
 cima
 para
 baixo
 da
 definição
 de
 contexto.
 
 Os
 objectos
 inteligentes
 descrevem
 um
 con‐ junto
 de
 tecnologias
 que
 permitem
 a
 objectos
 comuns
a
capacidade
de
reconhecer
o
seu
local
 Algumas
 bibliotecas
 estão
 a
 realizar
 experiências
 com
 novas
 utilizações
 para
 objectos
 inte‐ físico
 e
 responder
 de
 forma
 apropriada
 ou
 ligentes:
um
projecto
chamado
ThinkeringSpace
do
Illinois
Institute
of
Technology
Institute
de
 conectar‐se
 com
 outros
 objectos
 ou
 informa‐ Design
 (http://www.id.iit.edu/ThinkeringSpaces/)
 combina
 as
 componentes
 físicas
 e
 virtuais
 ção.

 para
 produzir
 um
 ambiente
 onde
 os
 objectos
 físicos,
 como
 livros,
 onde
 são
 adicionadas,
 
Um
objecto
inteligente
"sabe"
sobre
si
mesmo,
 
manualmente
ou
automaticamente,
anotações.
 ou
seja,
sabe
onde
e
como
este
foi
criado,
para
 Projectos
 como
 Semapedia
 
mostram
 como
 os
 objectos
 inteligentes
 podem
 trazer
 mais
 valias
 que
serve,
a
quem
pertence
e
como
ser
usado.
 Longo
 para
 a
 educação.
 Este
 é
 um
 projecto
 colaborativo
 que
 visa
 manter
 contacto
 físico
 com
 os
 Este
 tipo
 de
 tecnologia
 permite
 criar
 relatórios
Horizon
 prazo
 Objectos
 objectos
marcados
online
e
as
informações
da
Wikipédia,
utilizando
códigos
QR.
Os
utilizadores
 sobre
 a
 sua
 localização
 exacta
 e
 o
 seu
 estado
 2008
 são
convidados
a
criar
hiperlinks,
imprimi‐los
e
anexá‐los
aos
objectos
ou
locais
no
mundo
real.
 2009
 (4
a
5
 inteligentes
 actual
 (cheio
 ou
 vazio,
 novo,
 se
 foi
 utilizado
 anos)
 Semapedia
inclui
um
mapa
indicando
a
localização
física
correspondente
de
objectos
que
foram
 recentemente
ou
não).
 marcados.
 Seja
 qual
 for
 a
 tecnologia
 que
 incorpora,
 a
 Na
 Arqueologia,
 uma
 etiqueta
 fixa
 no
 rótulo
 de
 cada
 objecto,
 quando
 digitalizado
 com
 um
 capacidade
de
unir
a
informação
a
um
objecto,
 dispositivo
móvel,
como
uma
câmara
de
telemóvel,
de
imediato,
importa
fotografias
de
outros
 resulta
numa
conexão
entre
um
objecto
físico
e
 objectos
da
escavação,
vídeos
do
local
de
escavação,
mapas
e
qualquer
outro
meios
de
comu‐ uma
panóplia
de
informações
contextuais.


 nicação
ou
informação
associada
a
esta
área
 Há
 uma
 série
 de
 tecnologias
 que
 suportam
 
 objectos
 inteligentes:
 identificação
 de
 radio‐ 
 frequência
(RFID),
resposta
rápida
(QR)
códigos
 e
 cartões
 inteligentes
 são
 algumas
 das
 mais
 comuns.


 
 Curto
 
 prazo
 Transmissão
 2007
 Serviços
tais
como
o
YouTube
e
o
iTunes,
para
hospedar
vídeos,
facilitam
uma
sem
precedente
 O
vídeo
tornou‐se
num
meio
popular
de
comu‐ de
vídeo
 e
crescente
variedade
de
vídeos
educativos.
A
disponibilização
online
facilita
o
seu
acesso
por

  10. 10. 
 online
 parte
 dos
 alunos.
 A
 captura
 de
 vídeo
 por
 uma
 turma
 é
 sugerida
 como
 sendo
 uma
 eficiente
 nicação
 pessoal.
 Este
 está
 em
 toda
 a
 parte
 e
 
 estratégia
 de
 recolha
 de
 dados
 ou
 como
 forma
 de
 documentar
 projectos.
 É
 crescente
 a
 sua
 praticamente
 qualquer
 dispositivo
 com
 acesso
 
 utilização
por
organizações
de
aprendizagem,
professores
e
alunos.
 à
Internet
pode
captar
e
reproduzi‐lo.
Tendo
os
 
 2007
 
 custos
 inerentes
 à
 sua
 produção
 e
 distribuição
 
 caído
quase
para
zero,
tornou‐se
mais
apelativo
Horizon
 a
sua
utilização
na
aprendizagem.
 2008
 
 Ferramentas
de
apoio
ao
trabalho
colaborativo
 
 (+/‐
1
 online
encontram‐se
disponíveis
através
de
um
 A
possibilidade
de
colaboração
em
projectos
online,
havendo
uma
interacção
constante
entre
 
 ano)
 computador
 com
 acesso
 à
 Internet,
 servindo
 os
alunos,
é
uma
mais‐valia
para
os
mesmos.
Em
contexto
educativo,
o
professor
pode
avaliar
 
 constantemente
 a
 evolução
 dos
 trabalhos
 dos
 alunos,
 deixando
 comentários
 detalhados,
 este
 de
 porta
 de
 entrada
 para
 uma
 reunião
 Aplicações
 
 podendo
estes
ser
vistos
em
tempo
real.
Os
alunos
podem
trabalhar
em
conjunto
e
à
distância.
 num
 mundo
 virtual
 ou
 para
 uma
 estação
 de
 Web
Colabo‐ 2006
 
 Vídeos,
 áudio
 e
 imagens
 podem
 ser
 editados
 online,
 publicados
 e
 compartilhados,
 utilizando
 trabalho
 conjunto,
 onde
 ficheiros
 são
 criados,
 rativas
 
 diverso
 serviços
 online,
 sendo
 muitos
 deles
 gratuitos.
 Ferramentas
 tais
 como
 Google
 Docs,
 editados
 e
 partilhados
 em
 grupo
 online.
 Tais
 
 Ning,
 Netvibes,
 Pageflakes,
 Zoho
 Office
 ou
 Facebook
 são
 alguns
 dos
 exemplos
 das
 possi‐ espaços
colaborativos
desenvolvem‐se
a
par
de
 
 bilidades
existentes.
 diversas
 infraestruturas
 de
 rede,
 ferramentas
 
 de
redes
sociais
e
aplicações
web.
 
 
 O
 desenvolvimento
 dos
 telemóveis
 dispo‐ 
 nibiliza
 ferramentas
 essenciais,
 sendo
 uma
 
 O
facto
da
quase
totalidade
dos
alunos
possuírem
telemóvel,
continua
a
ser
um
factor
potencial
 delas
 a
 Internet,
 estando
 disponível
 a
 consulta
 
 para
 o
 uso
 do
 mesmo
 em
 contexto
 educativo.
 A
 previsão
 é
 de
 que
 a
 banda
 larga
 móvel,
 de
 email,
 navegação
 na
 Web,
 fotos,
 vídeos,
 Banda
Larga
 
 
 interfaces
touch‐screen
e
software
actualizável
se
tornem
tão
comuns
como
as
câmaras
incor‐ documentos,
 compras
 online,
 entre
 outros.
 A
 móvel
 
 poradas
nos
telemóveis.
 criação
 de
 novos
 softwares
 e
 
 widgets
 para
 
 
 dispositivos
 móveis,
 torna‐os
 cada
 vez
 mais
 
 capazes
 de
 executar
 tarefas
 semelhantes
 às
 
 Médio
 desenvolvidas
num
computador.
 
 prazo
 
 (2
a
3
 
 anos)
 
 
 
 
 Aplicações
 
 As
 aplicações
 web
 híbridas
 inseridas
 na
 educação
 proporcionam
 novas
 conclusões
 ou
 discer‐ Aplicações
 web
 híbridas
 reflectem‐se
 num
 site
 
 web
híbridas
 nimento
de
novos
relacionamentos,
unindo
grandes
quantidades
de
dados
de
uma
forma
fácil
 ou
 aplicação
 com
 combinação
 de
 dados
 de
 
 de
controlar.
A
pesquisa
pode
ser
exibida
em
gráficos
interactivos,
gráficos
ou
mapas
que
cla‐ várias
 fontes
 numa
 única
 ferramenta.
 Estes
 
 rificam
 conceitos.
 A
 título
 de
 exemplo,
 aplicações
 web
 híbridas
 feitas
 a
 partir
 de
 fontes
 de
 capturaram
 um
 maior
 interesse
 devido,
 em
Horizon
 cultura
 pop
 podem
 demonstrar
 o
 domínio
 do
 assunto,
 a
 compreensão
 de
 temas
 cinema‐ grande
 parte,
 à
 exposição
 da
 sua
 integração
 tográficos
e
literários,
a
consciência
social,
entre
outros.
 com
 os
 sistemas
 de
 redes
 sociais
 tais
 como
 o
 
 Facebook.
Ferramentas
como
o
Google
Mashup
 Editor
 permitem
 a
 criação
 de
 aplicações
 de
 forma
 a
 serem
 introduzidos
 dados
 online,

  11. 11. 2008
 
 As
 aplicações
 web
 híbridas
 inseridas
 na
 educação
 proporcionam
 novas
 conclusões
 ou
 discer‐ Ferramentas
 baseadas
 na
 Web
 para
 manipular
 nimento
de
novos
relacionamentos,
unindo
grandes
quantidades
de
dados
de
uma
forma
fácil
 dados
 são
 de
 fácil
 utilização,
 geralmente
 gra‐ de
controlar.
A
pesquisa
pode
ser
exibida
em
gráficos
interactivos,
gráficos
ou
mapas
que
cla‐ tuitas
e
amplamente
disponíveis.
 Aplicações
 
 rificam
 conceitos.
 A
 título
 de
 exemplo,
 aplicações
 web
 híbridas
 feitas
 a
 partir
 de
 fontes
 de
 web
híbridas
 cultura
 pop
 podem
 demonstrar
 o
 domínio
 do
 assunto,
 a
 compreensão
 de
 temas
 cinema‐ tográficos
e
literários,
a
consciência
social,
entre
outros.
 
 Grupos
de
inteligência
colectiva
proporcionam
oportunidades
de
pesquisa
e
estudo
individual,
 Armazenamento
 de
 informação
 criada
 e
 aper‐ possibilitando
aos
alunos
a
construção
de
conhecimento,
podendo
estes
contribuir,
assim
como
 feiçoada,
 em
 tempo
 real,
 por
 milhares
 de
 pes‐ Grupos
de
 também
consumir.
 
 soas,
 funciona
 como
 uma
 “loja
 de
 conhe‐ Inteligência
 Nas
 áreas
 de
 astronomia
 e
 meteorologia,
 os
 grupos
 de
 inteligência
 levaram
 a
 novas
 desco‐ cimento
colectivo”.
São
exemplos
de
tal
a
Wiki‐ bertas,
ampliando
assim
o
entendimento
do
mundo.
O
cruzamento
de
informação
torna
todos
 pédia,
Cellphedia
e
Freebase.
 os
envolvidos
em
colaboradores
importantes.
 O
 surgimento
 das
 redes
 sociais
 levaram
 a
 uma
 nova
 compreensão
 de
 como
 as
 pessoas
 se
 conectam.
 Foi
 alterada
 a
 forma
 de
 pesquisar,
 Professores
 e
 alunos
 interagem
 uns
 com
 os
 outros,
 evidenciando
 que
 pessoas
 e
 as
 suas
 rela‐ trabalhar
 e
 compreender
 a
 informação,
 sendo
 Longo
 ções
estão
no
centro
do
espaço
informativo,
influenciando
todos
os
níveis
no
que
concerne
à
 as
pessoas
colocadas
em
primeiro
plano.
 prazo
 educação.
Prevêem‐se
aplicações
que
ajudarão
a
preencher
os
espaços
do
conhecimento
sobre
 Os
 sistemas
 operativos
 sociais
 passam
 a
 reco‐ (4
a
5
 uma
 pessoa
 encontrada
 num
 espaço
 colaborativo
 online
 ou
 no
 mundo
 virtual,
 mostrando
 os
 nhecer
 o
 “gráfico
 social”,
 ou
 seja,
 a
 rede
 de
 anos)
 contactos
tidos
em
comum
(incluindo
a
profundidade
dessas
conexões),
escrita
ou
outros
tra‐ relacionamentos
que
uma
pessoa
tem.
Assim,
a
 Sistemas
 balhos
feitos
recentemente,
assim
como
locais
online
onde
a
pessoa
está
activa.
 informação
 sobre
 o
 gráfico
 social
 de
 uma
 pes‐ Operativos
 2006
 Ferramentas
que
compõem
o
sistema
operativo
social
acessam
a
informações
armazenadas
em
 soa
 passará
 a
 estar
 incorporado
 em
 toda
 a
 sociais
 toda
a
Internet.
Quanto
à
credibilidade,
esta
será
mais
fácil
de
avaliar,
uma
vez
que
será
iden‐ Web:
 em
 listas
 de
 participantes
 das
 confe‐ tificado
se
um
escritor
desconhecido
é
parte
de
uma
rede
de
colaboradores,
dizendo
se
este
é
 rências
 que
 sejam
 assistidas,
 em
 fotos
 Flickr
 uma
 fonte
 credível
 ou
 não.
 A
 título
 de
 exemplo
 salienta‐se
 os
 já
 conhecidos
 LinkedIn
 e
 Mys‐ com
 tags,
 em
 comentários
 pessoais
 em
 blogs,
 pace.
 em
 documentos
 de
 autoria
 conjunta
 e
 em
 
 apresentações
publicadas
online.
 São
 assim
 ligados
 arquivos,
 contactos
 e
 princi‐ palmente
pessoas.
 
 


×