O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

6 os mercadores de livros e a pintura das ruas

314 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

6 os mercadores de livros e a pintura das ruas

  1. 1. “Os mercadores de livros e a leitura das ruas ”<br />Camila e Amanda<br />
  2. 2. A crônica começa falando sobre um homem que se instalou na frente do teatro São Pedro com uma coleção de livros, cujos alguns eram patriotas e outros “normais”. Mesmo sendo analfabeto, ele guardava os clássicos para si a um ano, não os vendendo para ninguém.<br /> Ao decorrer da obra o autor relata as condições dos vendedores de livros que se espalham pela cidade, sobe morros, entra em casas comerciais e os mais incansáveis são os vendedores de Bíblias protestantes. <br />
  3. 3. Teatro S. Pedro<br />
  4. 4. “Cada sujeito desses pode passar a vida bem. As livrarias vendem baratíssimo os livrecos procurados. Em cada um, os vendedores ganham, no mínimo, seiscentos por cento. Há alguns que, trabalhando com vontade e sabendo lançar – as orações, as modinhas ou a inefável História da Donzela Teodora, arranjam uma diária de dez mil réis, sem grande esforço. Daí, todo dia aumentar o número de camelôs de livros, vir começando a formar-se essa próspera profissão da miséria que todas as cidades têm, ávida e lamentável, num arregimentar de pobres propagandistas do Evangelho e do Espiritismo, de homens que a sorte deixou de proteger, de malandros cínicos, de rapazes vadios.”<br />

×