A alma encantadora das ruas.Autor: João do Rio<br />Goiânia, 08 de Junho de 2011<br />Alunas: Ingrid Cristina e Maite Barr...
Crônica escolhida:  “Pequenas Profissões”.<br />Foi primeiramente publicada em 1904, no jornal A Gazeta de Notícias, sob o...
Para tal, o autor aborda as profissões (exóticas ou subempregos) que podiam ser encontrados na cidade, ou seja, são mostra...
Para atingir seu objetivo, o cronista mostra como no cenário maravilhoso, natural e rico do Rio de Janeiro convivem pessoa...
Crônica escolhida:  “Os Tatuadores”<br />E dentre as várias formas de constituir discursos tendo como veículo, suporte e t...
O narrador, de início, já se coloca como um observador da vida cotidiana em especial, nessa crônica, da ação dos tatuadore...
O narrador divide as tatuagens do Rio de Janeiro em três tipos:<br />Dos negros – crença religiosa e servilismo<br />Dos t...
Com o aumento da clientela, a arte da tatuagem transformou-se em uma indústria com certa hierarquia. Exemplo o Madruga – c...
Ao final o narrador, dialogando com o pequeno marcador do início da crônica, surpreende-se sobre o montante conseguido com...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

4 pequenas profissões e os tatuadores

1.353 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.353
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4 pequenas profissões e os tatuadores

  1. 1. A alma encantadora das ruas.Autor: João do Rio<br />Goiânia, 08 de Junho de 2011<br />Alunas: Ingrid Cristina e Maite Barra.<br />Professora: Malu<br />
  2. 2. Crônica escolhida: “Pequenas Profissões”.<br />Foi primeiramente publicada em 1904, no jornal A Gazeta de Notícias, sob o título de Profissões Exóticas.<br />Essa crônica pretende figurativizar como as relações de poder ocorrem com as pessoas das ruas do Rio de Janeiro.<br />
  3. 3. Para tal, o autor aborda as profissões (exóticas ou subempregos) que podiam ser encontrados na cidade, ou seja, são mostradas as estratégias (financeiras, econômicas) empregadas pelas pessoas mais pobres a fim de sobreviverem naquele local, num regime capitalista.<br />
  4. 4. Para atingir seu objetivo, o cronista mostra como no cenário maravilhoso, natural e rico do Rio de Janeiro convivem pessoas de todas as espécies, que lutam pela sobrevivência exercendo atividades não reconhecidas, desvalorizadas e que, muitas vezes, nem são percebidas pelos mais abastados.<br />
  5. 5. Crônica escolhida: “Os Tatuadores”<br />E dentre as várias formas de constituir discursos tendo como veículo, suporte e texto o corpo, destaca-se, em João do Rio, a tatuagem. Pois, nas palavras do próprio cronista, a “tatuagem é a inviolabilidade do corpo e a história das paixões” . Dessa forma, o cronista reconstitui por meio da leitura destes corpos inviolados o registro de paixões, preferências religiosas e governamentais.<br />
  6. 6. O narrador, de início, já se coloca como um observador da vida cotidiana em especial, nessa crônica, da ação dos tatuadores. Após narrar a abordagem começa a refletir sobre a tatuagem. Nessa parte a crônica é altamente lingüística.<br />A tatuagem como registro: história, amor, crenças, alegrias, ódio etc. Ela é a exteriorização daquilo que a alma carrega.“As meretrizes e os criminosos nesse meio de becos e de facadas têm indeléveis idéias de perversidade e de amor. Um corpo desses nu, é um estudo social.”<br />
  7. 7. O narrador divide as tatuagens do Rio de Janeiro em três tipos:<br />Dos negros – crença religiosa e servilismo<br />Dos turcos – ícones representativos da cultura e da crença<br />Da classe baixa – como é grupo numeroso e bem diverso as tatuagens também diversificam bastante.<br />
  8. 8. Com o aumento da clientela, a arte da tatuagem transformou-se em uma indústria com certa hierarquia. Exemplo o Madruga – chefe dos marcadores ambulantes. O seu próprio corpo é emblemático. Domina a técnica para apagar a tatuagem, muito útil na troca de amores. A dor do processo apaga a outra dor.<br />Cada tipo de tatuagem tem sua significação, o que de uma forma ou de outra acaba criando os grupos – o que hoje modernamente chamamos de tribos.<br />
  9. 9. Ao final o narrador, dialogando com o pequeno marcador do início da crônica, surpreende-se sobre o montante conseguido com o seu trabalho.<br />Uma observação importante nessa crônica é o multifacetamento da cidade – a cidade de todos que vai perdendo a identidade, ou criando uma nova.<br />

×