Nucleovivo novo2 1

182 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
182
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nucleovivo novo2 1

  1. 1. Apoio  aos  familiares  do  paciente  “Borderline”   por  Marli  Tagliari  
  2. 2. “  Quando  uma  pessoa  vive  de  verdade,     todas  as  outras  também  vivem!  ”     Pinkola Éstes
  3. 3. Entendemos que seja:  Nossa individualidade. O que nos distingue do outro  Um conjunto de características marcantes de uma pessoa  Um conjunto de padrões de pensamentos, sentimentos e comportamentos do indivíduo ao longo da vida  Uma tendência psicológica de realizar certos comportamentos sociais  Uma combinação dinâmica do temperamento e do caráter de uma pessoa
  4. 4. Segundo a CID-10 (1933) o transtorno de Personalidade “borderline” é : Um transtorno de personalidade no qual há umatendência marcante a agir impulsivamente sem consideração das conseqüências, junto com a instabilidade afetiva. A capacidade de planejar do indivíduo pode ser mínima, e acessos de raiva intensa pode levar à violência ou a explosões comportamentais: estas são facilmente precipitadas quando atos impulsivos são criticados ou impedidos por outros (p.200).
  5. 5. Você  convive  com  alguém  de  di1cil  acesso  na  família  ou  relações  de  amizade  através  de  um  comportamento  que  envolva:       Instabilidade  /  desregulação  emocional  intensa,  várias  vezes  ao  dia               Suas  emoções  transbordam!             Vivem  no  limite  entre  a  neurose  e  a  psicose             Contato  social  e  afeFvo  prejudicado             Mecanismo  mental  do  pensar,  senFr,  agir  dicotômico:  pensam  de    uma                                              certa  maneira,  sentem  de  outra  e    agem  de  outra  totalmente  diferente  
  6. 6.   Delicados    em  alguns  momentos  e  agressivos  em  outros        Labilidade  afeFva,  ansiedade,  impacientes,  com  reações  imprevisíveis  de   raiva  ou  de  alegria  desproporcional  ao  esMmulo,  de  raciocínio  extremista,     imediaFstas    Não  toleram  frustração.  Sensíveis  à  rejeição.        Desmancha  prazer        Impulsividade  sem  consideração    das  conseqüências         Sedutores    e  as  vezes  manipuladores    Acusam  o  outro  de  ter  feito  algo  que  o  outro  não  fez          SenFmento  persistente  de  vazio  -­‐  vácuo  existencial      
  7. 7.   Acusam  o  outro  de  ter  feito  algo  que  o  outro  não  fez          SenFmento  persistente  de  vazio  -­‐  vácuo  existencial        Compensam  este  senFmento  de  vazio  através  do  comer  compulsivo,  drogas,   bebidas,  sexo,  gastos  excessivos        Distorcem  a  realidade          Ao  senFrem-­‐se  rejeitados  se  auto  muFlam  como  forma  de  tamponar    a  dor   psíquica,  como  tentaFva  de  senFrem  alguma  dor  “palpável”        Confusos  e  desorganizados  emocional  e  afeFvamente        Mundo  interno  e  de  relações    caóFco        Não  toleram  a  separação    
  8. 8.   Enfurecem  quando  supõe  que  seu  cuidador  está  indiferente        São  paradoxais:  buscam  a  aproximação  do  outro  mas  se  afastam  das  pessoas          São  crianças  em  corpos  de  adulto.  Sentem  medo  intenso  do  abandono          Idealizam  e  desvalorizam  as  pessoas  com  as  quais  convivem  permanentemente        Falta  de  auto-­‐esFma          Podem  ser  explosivos  ou  implosivos          Passivos  para  fazer  mas  muito  aFvos  para  achar  quem  faça  por  ele      
  9. 9. • COMO LIDAR COM UM FAMILIAR PORTADOR DE TPB:    Não  se  envolver  diante  dos  ataques  de  fúria  do  TPB    Escutá-­‐lo.  Ser  empáFco.  Manter  roFnas  familiares    É  importante  acolher  o  indivíduo,  mas  não  seu  comportamento.      Falar  a  ele  o  senFmento  que  ele  gerou  em  você  com  seu  comportamento    Mostrar  ao  TPB  que  ele  é  responsável  por  suas  ações      Não  acolher  o  lugar  de  viFma  em  que  ele  se  coloca    Estabelecer  limites  claros    Não  deixá-­‐lo  isolar-­‐se      DiscuFr  com  ele  os  problemas  que  surgem      Apoiá-­‐lo  quando  ele  se  comprometer  a  fazer  um  tratamento  
  10. 10. • PROCESSO TERAPÊUTICO COM O TPB VISA:    Estabelecer    uma  relação  terapêuFca  de  confiança      Não  reforçar  o  comportamento  mal  adaptado  do  TPB    Traçar  junto  com  o  TPB  objeFvos  específicos    Colocar    limites    Trabalho  corporal  (relaxamento)  ,  música  e  artes  expressivas  são                bem  vindos,  pode  acalmá-­‐lo    Construir  sua  subjeFvidade  
  11. 11. • PORQUE O TRABALHO COM AS FAMÍLIAS:    O  familiar  adoece  junto    Probabilidade  do  familiar  ser  acomeFdo  de  depressão  e  stress  é  grande    O  nível  de    ansiedade  dos  familiares  é  grande  em  decorrência                  da  instabilidade  de  humor  do  TPB    Quando   os   familiares   se   vêem   despreparados   e   surpresos   diante   da   impulsividade  do  TPB    Para  facilitar  a  comunicação  do  familiar  com  o  TPB  
  12. 12.   Para  que  os  familiares  aprendam  a  ter  uma  mesma  conduta  diante  do  TPB    Diminuir  a  culpa  que  sentem    Aprender  a  ter  um  tempo  só  para  si  
  13. 13. •  TRATAMENTO E PROGNÓSTICO:    Tratamento  psiquiátrico        Pequenas  doses  de  anF-­‐depressivos            Psicoterapia  para  ajudá-­‐lo  na  reconsFtuição  da  personalidade          Especialistas  acreditam  que  com  o  passar  dos  anos  pode  haver  a   regressão  dos  sintomas,  ainda  que  o  TPB  nunca  se  cure  por  completo.              Acreditam  que  eles  consigam  se  relacionar  melhor  e  a  controlar  o  vazio   que  sentem  
  14. 14. • OBJETIVO DO TRABALHO COM AS FAMÍLIAS:    Colaborar  para  que  a  convivência  diária  do  familiar  com  o                portador  do  TPB  seja  mais  harmoniosa    Ajudá-­‐los  a  desenvolver  habilidades  de  enfrentamento  diante    do  TPB    Ajudá-­‐los  a  diminuir  a  dor  e  os  encargos  emocionais    Aumentar  a  competência  dos  familiares  no  manejo  com  o  TPB    Ajudá-­‐los  a  encontrar  saídas  mais  criaFvas        EsFmular  a  troca  de  experiência  entre  as  famílias  através  do  espelhamento  
  15. 15. Referência bibliográfica:Fonte: CID 10 1992Transtornos mentais e do comportamento da CID 10Sobrevivência EmocionalRosa CukierPorto Alegre – Artes Médicas 1993Corações descontroladosAna Beatriz Barbosa SilvaEd. Fontanar
  16. 16. Marli  Tagliari  –  CRP  06/6074                            Psicóloga  clínica,  psicoterapeuta  de  abordagem  Junguiana,                        formada  pela  Universidade  Metodista  de  São  Paulo.                          Especialista  em:        Terapia  de  Casal,  através  do  Núcleo  de  Casal  da  Sociedade  Brasileira  de   Psicologia  AnalíFca  de  São  Paulo      Terapia  Familiar  Sistêmica,  pelo  Sistemas  Humanos,  Núcleo  e  Estudos  de   práFcas  Sistêmica:  Família,  Individuo,  Grupo  reconhecido  pela  Associação   Brasileira  e  Paulista  de  Terapia  Familiar  ABRATEF/APTF.    Terapia  de  Casal  de  abordagem  psicodramáFca  pelo  InsFtuo  J.L.Moreno      Terapeuta  Corporal  
  17. 17. Contato:   Tel:  (11)  3448-­‐4862  Rua  Araguari,  817  -­‐  5º  andar  /  conj  55   Moema  -­‐  SP  /  Cep:  04514-­‐041   email:  marli@marlitagliari.com.br   Sites:   www.nucleovivo.com.br   www.marlitagliari.com.br   Facebook:   Núcleo  Vivo  

×