B                                                                                                                   angelo...
EditorialA tábua de salvação                                 Página                                                       ...
Babélia                               3                                                               O           Jane Mar...
Reportagem                               especial                                                                         ...
Babélia                         5                                                                                         ...
Santo Antônio                                   quer a Copa              ESPORTE                                          ...
Novas atrações no                                                                                                         ...
Estado recebe          TECNOLOGIA           CIÊNCIA E                                     nova tecnologia                 ...
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Babélia 16
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Babélia 16

1.625 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.625
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
255
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Babélia 16

  1. 1. B angelo de zorzi abéliaPublicação Experimental do Curso de Jornalismo da Unisinos — Edição 16 — São Leopoldo/RS — Dezembro de 2011 DIEGO DIAS COMPORTAMENTO Internet sem medo Manter o diálogo e estabelecer limites é a melhor forma de ensinar as crianças a navegar na web. 7 DANIELA FANTI POLÍTICA Polêmica nas Câmaras Municipais Emenda constitucional que prevê o aumento do número de vereadores divide opiniões. 13 LÍLIAN STEIN Loucos por SAÚDE Exercícios retardam o envelhecimento Aposentados contam como camisas atividades aeróbicas e alongamentos melhoram a qualidade de vida. 15 MARINA CARDOZO A farta comercialização de artigos dos times de futebol feznascer um novo tipo de fanático: o colecionador de camisetas 4/5 ESPORTE POLÍTICA EDUCAÇÃO MEIO AMBIENTE Goleira gaúcha no Capão da Canoa já Presidiárias Consumo de carne Mundial de Handebol pensa no inverno voltam a estudar afeta ecossistemas Bárbara Arenhart, Secretaria de Turismo Detentas aproveitam O impacto da pecuária de Novo Hamburgo, planeja eventos para o tempo livre para em escala industrial defende a seleção atrair maior público na investir em novos repercute até mesmo nacional em dezembro. 6 baixa temporada. 12 conhecimentos. 18 na qualidade do ar. 17
  2. 2. EditorialA tábua de salvação Página 2 Votar por quê? Jairton Camisolão Redação Jornalística III O s jovens da capital gaú- cha, nos parece, estão Babélia 2 DIVULGAÇÃOda credibilidade sem estímulo para votar nas próximas eleições munici-O s avanços tecnológicos estão tão rápidos quanto a nossa pais que acontecem nos dias capacidade de assimilação das potencialidades e transfor- 7 e 28 de outubro de 2012, mações que provocam. As interfaces de acesso às máqui- respectivamente primeiro enas chegam a moldar o real, principalmente com o advento da segundo turnos, onde serãoweb. A internet encurtou distâncias, deu o poder de voz a todos eleitos vereadores e prefeitose tornou-se protagonista entre os meios de comunicação. Mas o em todo o Brasil.que realmente se ganha e se perde quando vivemos no mundo Não é para menos, comdigital? Ganhamos com a liberdade de nos expressar, temos mais tantos escândalos que têmforça coletivamente. Nesses tempos, regimes ditatoriais são per- acontecido ultimamente nomanentemente sacudidos pelas mobilizações via rede. Não é por cenário político nacional, elesacaso que regimes do Oriente Médio como o de Hosni Mubarak, adiam até a idade limite de 18que governava o Egito com mãos de ferro, caíram. No caso do ex- anos, para fazer o titulo elei-líder egípcio, as redes sociais foram fundamentais para mobilizar toral e exercer o seu direitoa população do país que bradava por liberdade, e disseminaram de cidadão.no mundo o panorama da região. Mubarak tentou inutilmente cor- Os dados divulgados pelotar a internet em todo o espaço nacional. Ele compreendia o foco Tribunal Regional Eleitoralde sua derrocada, que aconteceu em fevereiro deste ano. (TRE/RS) comprovam esta No entanto, se a web não for utilizada de forma ética, ela insatisfação dos jovens porto-pode permitir que as mazelas morais e sociais de nossa sociedade alegrenses com a classe polí-sejam superdimensionadas. O universo subjetivo criado por esse tica. Conforme este levanta-meio é sem lei, ficando à mercê dos princípios de cada usuário mento, a capital tem o menorconectado. É verdadeiro o fato de que pessoas já são presas por percentual de eleitores entrepraticar delitos de trás seus computadores, mas ainda permane- 16 e 17 anos de todas as ci-cem latentes os sentimentos de anonimato e impunidade. Neste dades gaúchas.território livre e desregrado, o fluxo de conteúdos, principalmente Isto representa 0,72% em ocorrendo na capital do Esta- nadores, deputados, senado-informativos, cresce sem controle. Então, como confiar em algo um universo de quase 1.1 mi- do. Muitos preferem virar as res e presidente, delegamos oque está imerso num mar aberto? A tábua de salvação da cre- lhões de eleitores. Pelos nú- costas e fugir da responsabi- poder, com nosso voto, paradibilidade ainda está no jornalista. Ele deve usar seus princípios meros do censo, que o IBGE lidade do que participar das que eles decidam por nós.para não colocar em xeque o que há de mais importante na sua divulgou em agosto passado, questões decisivas do Brasil. Está nas mãos da juven-profissão: a confiança. Porto Alegre deveria ter o tri- A juventude não pode se tude a renovação e talvez um plo de eleitores nesta faixa furtar de eleger nossos gover- jeito mais transparente de se B etária. nantes a cada dois anos. Por fazer política no Brasil, por- A falta de politização de este processo democrático de- que os jovens que decidem abélia alguns adolescentes é outro finimos o futuro do Brasil. Aos hoje nas urnas serão os futu- fator agravante pelo que vem vereadores, prefeitos, gover- ros políticos do amanhã. Universidade do Vale TEXTOS: alunos das disciplinas de Redação O câncer dos rebeldes sem causa do Rio dos Sinos Sao Leopoldo Jornalística I, II e III, sob orientação dos Bruno Lois do câncer do ex-presidente hospitais e médicos e muitos professores Anelise Zanoni, Beatriz Marocco, Redação Jornalística III Lula, o tiroteio de opiniões pacientes, que formam filas Linha Direta Edelberto Behs, Eduardo Veras, Ronaldo sobre o assunto nas redes so- de espera para determinadas (51) 3591 1122 Email: Henn e Thaís Furtado. C erta vez o poeta espa- nhol Jaimes Balmes disse que “muito custa ao homem ciais foi algo digno dos mor- ros cariocas. Foi bala perdida para tudo que é lado. Ora, se- especialidades. Sem defender qualquer fi- gura pública e tampouco sigla unisinos@unisinos.br revelar-se mau, até aos seus jamos francos, o SUS é, sim, partidária: não é o Lula que Reitor: IMAGENS: alunos da disciplina de próprios olhos; e não se atre- um sistema deficitário. Verbas merece tratamento diferen- Marcelo Aquino Fotojornalismo, sob orientação do professor vendo, faz-se hipócrita”. Mais insuficientes ou desviadas da ciado, é a instituição Presi- Vice-reitor: de um século se passou e a finalidade desejada, poucos dência da República. Qualquer José Ivo Folmann Flávio Dutra. frase segue atual e encaixa ex-presidente merece e tem Pró-reitor Acadêmico: exatamente no padrão de direito a tratamento especial. Pedro Gilberto Gomes PLANEJAMENTO GRÁFICO: alunos da comportamento da socieda- Sugerir que Lula se trate pelo Diretor de Graduação: Gustavo Borba de. Protegida pela armadura “A pluralidade SUS, como se isso fosse sen- disciplina de Planejamento Gráfico II de da hipocrisia e reforçada com de informações tença de morte ou descaso é, Gerente de Bacharelados 2011/1 Émerson Vasconcelos, Matheus a internet, o meio mais de- no mínimo, desinformação. Gustavo Fischer Coordenador do Curso mocrático de comunicação, é muito válida Mas veja bem, não é o trata- de Jornalismo: Andreatta e Luciana Andreatta, sob a sociedade descobriu que a na construção mento de Lula o tema central orientação do professor Everton Cardozo. polêmica gratuita é legal. da abordagem e sim o poder e Edelberto Behs Se você começa a leitura de uma opinião a democracia do argumento. esperando uma posição polí- e esse é o A pluralidade de infor- EDITORAÇÃO: realizada pela Agência tica, esqueça, pode parar por cenário das mações é muito válida na aqui. A questão é outra: opi- construção de uma opinião e Experimental de Comunicação (Agexcom). nião todo mundo tem, mas ar- redes sociais. esse é o cenário das redes Diagramação: estagiário Marcelo Grisa, sob gumentos que tornem as opi- Isso configura sociais. Isso configura um niões válidas pouco se veem. espaço democrático onde se supervisão do jornalista Marcelo Garcia. Dou o primeiro exemplo: as- um espaço lê muitas posições inteligen- sim que divulgada a notícia democrático” tes e outras nem tanto.
  3. 3. Babélia 3 O Jane Maria da Silva pinião O leitor entre os letrados Jonas Pilz Redação Jornalística III Bastidores da VIDA A figura de um morador de rua que reside entre os arranha-céus de um dos principais centros econômicos de Porto Alegre, é contrastante. Juca, como gosta de ser chamado, vive há seis meses no cruzamento da aveni- da Carlos Gomes com a Anita Garibaldi, com mais dois amigos. - Chegamos aqui e, como tinha espaço, sem que incomodasse nin- guém, ficamos. A vida de Juca poderia ser como a de qualquer outro morador de rua, não fosse um detalhe curioso: ele passa a maior parte do dia lendo. Com um vocabulário impecável, não sabe precisar quantos livros já leu na vida. - É um hábito que surgiu por acaso. Juca recolhe livros e jornais no lixo, no chão, às vezes recebe de mora- dores das proximidades que sabem do seu apreço. - Gosto de estar informado do que “Gosto de estar acontece. Eu faço parte do mundo tam- bém. E com os livros eu aprendo e me informado do divirto muito. que acontece. Quanto às preferências de gênero, diz que gosta de quase todos, desde Eu faço parte que tenham uma boa história. do mundo - Principalmente os de ação e so- bre lugares do mundo. Dá vontade de também.” conhecer. A vizinhança não ajuda somente com livros, mas também com comida, roupas, cobertores e outras coisas. Assim, ele afirma que não precisa pedir esmola. - Às vezes também aparece algum trabalho. Mas mais pra mim. En- quanto eu leio, eles (seus amigos) ficam dormindo o dia todo - diverte-se.Um doce por um sorriso. Juca e seus colegas têm uma companheira inseparável. A cadela Pulga está sempre pronta pra brincar com quem dê atenção. - Não sou desses que trata cachorro como pessoa, mas tem vezes queÉ por conta da casa leio em voz alta, e ela fica parada olhando, prestando atenção. Percebo reações nela. Deve ser a entonação da voz. Sobre escrever o seu próprio livro, ele diz que não se empolga muitoJaqueline Loreto rônimo. zendo de tudo para agra- com a idéia. Juca vive entre pessoas letradas com garbo e o barulho deRedação Jornalística III Enquanto mexe com dar quem aparece na sua carros. Ele não dá bola. Está imerso em suas histórias. seus doces, conta que sua casa. Enquanto um olhoU ma das melhores primeira moradia foi le- fica espreitando o prepara- Chão batido e raízes formas de expressar vantada pelos homens da do (normalmente um doce a emoção, de ma- casa, e que era modesta ou um pão) o outro fica noneira que todos compreen- com telhado de sapé e de chimarrão passado de mãodam, é através do sabor da chão batido. Era de pau- em mão. Suas rapaduras André Rafael Herzercomida. a-pique. E nela a cozinha ou broas de milho têm efei- Redação Jornalística III É na panela que se es- também ficava por sua to acalentador. Impossívelcondem histórias das mais conta, usando as panelas resistir, ainda mais quando Sentado na varanda de casa, o idoso magro e de escassos cabelosvariadas formas de inter- de ferro e o fogão à lenha, se escuta a cuia roncando. observa o pouco movimento da rua onde mora. Há 84 anos, ele vive napretações, e as histórias ao de barro, da família. Algumas palavras saem mesma localidade, a estrada de chão batido é testemunha de sua vida.pé do fogão são que mais Ao redor da casa fica pesadas, com dificuldade, Atualmente ele mora em uma casa de alvenaria com a sua esposa, a pou-agradam Eloá dos Santos as plantações, a horta. E devido às emoções lem- cos metros da casa de estilo colonial alemão onde ele nasceu. Vidas intei-Prates, a tia Lolô. de manhã, antes dos ga- bradas, que não são pou- ras se passaram e Libório reluta em abandonar o local no qual cresceu. É só saber que irá rece- los cantarem, era hora de cas. Como a vez em que Os dedos grossos, a mão calejada e a pele escurecida pelo sol reve-ber visitas que ela logo se tirar o leite da vaca e co- se prontificou a fazer os lam que o senhor de idade além de apreciar uma cervejinha nas tardesapronta para ir ao mercado meçar a fazer as lidas da docinhos e salgadinhos de calor, já trabalhou muito na roça. Desde pequeno, Libório e seus oitoe comprar os ingredientes. casa. Os afazeres eram para o primeiro ano de seu irmãos ajudavam no sustento da família, tirado no cultivo de lavouras. O valor de cozinhar so- exaustivos, mas nunca ti- primeiro neto. Ou quando Outra paixão do agricultor é a televisão. Quando a eletricidade chegoubre um bom teto, com pa- raram o seu sorriso. E ain- a família resolveu fazer à localidade onde mora, Libório optou por comprar uma televisão e nãonelas boas e com prazer, da tinha no currículo um uma pequena surpresa em uma geladeira, afinal era ano de Copa do Mundo.Eloá sabe dar. Há quem curso de corte e costura seu aniversário e foram No Bom Fim, local onde mora, o senhor de fala carregada pelo so-diga que as coisas novas – comum naquela época mais de 40 cabeças em taque alemão aprendeu o ofício que pratica até hoje: fazer vassourasque estão inventando dei- para que as mulheres au- sua casa. de palha. A primeira delas foi feita com o material descartado por nãoxam as pessoas acomo- mentassem os ganhos. Talvez seja cozinhan- ser de boa qualidade. Em nenhum momento ele recebeu um conselhodadas, por ser tudo mais Trabalhando como do que Eloá encontre um de seu pai, Libório apenas observou como elas eram produzidas efácil do que antigamente. empregada doméstica motivo para fazer os ou- repetiu o processo. Até hoje ele se orgulha pelo fato de sua primeiraE em parte, não deixam de conheceu o seu marido. tros se sentirem bem. vassoura, mesmo sendo feita com a palha ruim, ter sido melhor doter razão. Juntos, os dois cuidavam Talvez seja o motivo dela que as feitas pelo seu pai. Eloá, ou melhor, a tia dos animais e faziam sua se sentir bem. Mas uma Hoje, a idade avançada atrapalha na produção de vassouras. A ve-Lolô, nasceu em Morri- vida campeira. coisa é certa, quem entra lhice também vem atrapalhando Libório em outros afazeres. Há mais denhos, 90 quilômetros de Hoje, aos 67 anos, tia sempre irá sair com uma cinco anos ele não realiza o percurso de quatro quilômetros até Feliz dePorto Alegre. Aos 18 anos Lolô vive em uma grande “bobagenzinha” – como bicicleta. Na verdade, ele só se desloca até a cidade em casos de urgên-se instalou na cidade que casa e continua no trato ela gosta de falar – pra cia. Ele já criou raízes nesse chão que o viu crescer e o ajudou a levarcontinua residindo, São Je- dos animais. Segue fa- levar na viagem. uma vida decente, enquanto espera sentado na varanda de sua casa, pelo próximo carro que levantará a poeira da rua.
  4. 4. Reportagem especial Babélia 4 A febre das camisas Os uniformes deixaram de ser usados apenas pelos jogadores para se tornarem artigos de coleção e uma paixão sem limites LISIANE MACHADOHelena CaliariJeferson DiasLuís Francisco CaselaniRedação Jornalística IIO “manto” é o maior sím- bolo de um time de fu- tebol. Suas cores iden-tificam seus torcedores. Umacamisa azul, preta e brancatem um gremista dentro. Umavermelha, farda um colorado.É uma fácil associação, que setornou ainda mais simples tãologo iniciou a comercializaçãodelas. Começaram, então, a servistas pelas ruas, indicando umtorcedor do seu próprio time,da equipe rival ou de outro clu-be qualquer. Isso porque suavenda fez nascer um novo tipode fanático: o colecionador decamisas de times de futebol. As coleções começam sem-pre a partir de um item e nãoparam mais. “Comecei tudocom uma camisa de um timeamador de Morro Reuter, há 27anos. Daí se desenrolou umafebre”, diz Valdir Pedro Eiss-mann, dono da Grêmio Maniade Novo Hamburgo e apresen-tador do programa Esporte naTV, da TVNH. Aos 60 anos, suacoleção de mais de 300 cami-sas foi construída através depresentes. “Eu trabalhei comorepórter de campo nas rádios Orgulho: Valdir tem uma coleção de mais de 300 camisas de futebolProgresso e ABC 900. Acabeifazendo vários amigos dentrodos clubes”, conta Valdir, que de segunda mão. deu ao torcedor colorado a tro possibilitou aos presentes possibilitando-o a conhecerbrincava: “Me dê sua camisa e Cada colecionador junta oportunidade de escolher sua realizar trocas ou mesmo um novo jeito de comparti-será campeão”. suas peças seguindo determi- terceira camisa tanto no ano vendas de uniformes que já lhar o esporte. Ganhar camisas é privilé- nado critério. Alguns possuem passado quanto neste ano. Os não interessavam mais. Uma Para participar do eventogio de poucos. A maioria dos camisas apenas do clube pelo gremistas também puderam camisa era negociada pelo não é necessário colecionarcolecionadores acaba tendo qual torcem. Outros reúnem escolher a sua, tanto com a preço médio de 350 reais. Em camisas. Qualquer pessoaque desembolsar considerá- camisas bonitas, marcantes, Puma, no ano passado, quan- geral, os torcedores não têm pode comparecer e conhe-veis quantias por elas – uma que conquistaram títulos ou to com a Topper, neste ano. A preferência por camisas do cer mais sobre essa mania,nova sai em torno de 160 re- de algum jogador de desta- camisa escolhida foi apresen- seu time; gostam mesmo é já que a ideia é justamenteais. A solução é comprar pro- que. “Tenho camisas de vá- tada no dia 20 de novembro. de possuir raridades, aquelas criar uma confraternizaçãodutos em liquidação ou então rios times, tanto profissionais O mercado consumidor é que ninguém mais tem. entre todos que se interes- como amadores. Mas meus cada vez maior e inflaciona os O evento é promovido por sam pelo assunto. xodós são as únicas duas ca- valores de patrocínios, que já uma parceria entre a Secre- Esses artigos de coleção “Meus xodós misas que tenho do Grêmio, chegam a 42,66 milhões de taria da Cultura do estado de representam a essência do fu- utilizadas por Paulo Nunes e euros anuais – valor pago pela São Paulo e o site “Minhas tebol, a paixão envolvente que são as únicas Jardel. São relíquias”, diz Val- Nike à Seleção Francesa. Mas Camisas”, com o objetivo de ele proporciona, mas mostram duas camisas dir. Todos, no entanto, se inte- isso pouco importa aos fãs de preservar a memória do fu- também o lado comercial em ressam pelo design e pela arte camisas. Elas continuarão a sig- tebol brasileiro e homenage- que o esporte está inserido que tenho do de cada uma delas. nificar, para eles, a identidade de ar aquelas pessoas que gos- hoje em dia. A necessidade Grêmio, utilizadas Hoje existem blogs que cada clube e de cada torcida. tam e admiram o esporte. No de faturamento dos clubes, no debatem novos lançamentos. evento, é possivel encontrar entanto, não estraga o prazer por Paulo Nunes Isso fez com que as empresas Encontro uniformes como o do Boca desses amantes, apaixonados fornecedoras de material es- Juniors de Cristinápolis-SE por camisas, por suas histórias e Jardel. São portivo questionassem os tor- Realizado anualmente no estádio Pacaembu, em frente ou do Santos de Itacoatiara- e pela glória que cada uma de- relíquias.” cedores sobre como eles de- ao museu do futebol, a última AM. A coordenação do encon- las evoca. Elas podem até não sejam que seja a nova camisa edição do Encontro de Cami- tro acredita que esta é uma ser a matéria-prima do futebol, Valdir Pedro Eissmann de seu time. A Reebok, pa- sas reuniu cerca de 600 torce- maneira diferente de apre- mas que são elas que colorem Colecionador trocinadora do Internacional, dores de todo o país. O encon- sentar o futebol ao público, o futebol, isso não há dúvida.
  5. 5. Babélia 5 OPINIÃO LISIANE MACHADO Guilherme Endler Redação Jornalística III A paixão vira alto negócio J á faz muito que o futebol deixou de ser um simples jogo. Além de ser o esporte mais popular do mun- do, movimentando milhões de pes- soas numa paixão que se mistura com questões raciais, socioeconô- micas e até religiosas, o futebol se tornou, quase que acima de tudo, um negócio. Não basta toda a corrupção que acontece entre os clubes, empresá- rios e as entidades máximas do fu- tebol, nem as picuinhas com contra- tos de direito de transmissão de TV, ou os desvios de verba pública para a construção de estádios, o dinhei- ro macula também um dos símbolos máximos dos clubes: a camiseta. Os anúncios publicitários infes- tam os uniformes. São propagandas de todos os tamanhos e cores, des- caracterizando símbolos às vezes centenários. A tradicional camisaRaridade: a camisa mais cara que Carlos já vendeu foi uma que o ex-jogador do Inter Falcão usou na Roma branca do Santos, por exemplo, leva um enorme logotipo laranja em seuBrechó do Futebol peito. A do Corinthians, então, pa- rece um abadá, com propaganda até nas axilas dos jogadores. E o pior de tudo é que essa quan-atrai colecionadores tidade absurda de merchandising parece não gerar muito lucro, já que a camiseta oficial de qualquer clube da Série A não custa menos do que R$ 150. Cento e cinquenta reais por Em 2001, quando comprou uma e que sejam oficiais”, diz. Seleção da Grécia, num total de 120. um uniforme com marcas de ban-camiseta da seleção de futebol da Com visão de empreendedor, ele A decoração de sua loja é toda cos, desodorantes, camisinhas e, aliItália, Carlos Caloghero não sabia que dá a dica: “Se alguém está precisan- de mantas e bandeiras, que não no cantinho, o escudo do clube.aquilo mudaria a sua vida. “Comprei do de dinheiro para ir à praia, por estão à venda. O preço das peças A saída pensada pelos coleciona-a camisa pela manhã e de tarde já exemplo, e tiver uma camiseta de variam de acordo com o ano, o nú- dores de camisas foi potencializartinha vendido pelo triplo que eu havia qualquer time, passa na loja que faço mero e o significado da conquista a importância desse símbolo. Parapago”, lembra Carlos. a avaliação e compro na hora.” Carlos de cada campeonato ou torneio. eles, o preço da camiseta baseia-se O ex-estudante de Relações Pú- ainda incentiva a rotatividade das pe- Apesar de não revelar o preço, ele na sua história. Pouco importa se elablicas da Universidade Federal do Rio ças pelas mãos dos colecionadores ou diz que a camisa mais cara que ele foi fabricada com um tecido high-tecGrande do Sul, hoje com 29 anos, apaixonados por futebol. já vendeu foi a do ex-jogador do que faz o suor evaporar mais rápido,trancou o curso para iniciar sua ati- Aproveitando o ditado que a pro- Sport Club Internacional Falcão, ou se foi feita pela empresa X ou Y.vidade comercial. Há um ano e três paganda é a alma do negócio, Carlos usada pelo próprio jogador na épo- Essa necessidade, por vezes exorbi-meses dedica-se integralmente à só usa camisa de seu time, o Grêmio. ca em que jogou na Roma, da Itá- tante, de conseguir o item mais rarocompra, troca e venda de camisas. Em casa, tem camisas do Grêmio e da lia. “Uma raridade”, exibe-se. traz de volta a essência do futebol,Na pequena loja Brechó do Futebol, Além dos diversos modelos clas- que é justamente esta paixão exa-localizada no centro da Capital gaú- sificados por ano e marcas, à dispo- gerada, exorbitante.cha, estão reunidas mais de 1400camisetas oficiais de times de futebol Para quem quiser sição para qualquer negociação, o espaço abriga um bar no andar dedo mundo inteiro. São verdadeiraspeças raras. Muitas vezes o proprie- visitar a loja de Carlos baixo, que é mantido por Carlos e mais dois sócios. “Recebemos pesso-tário sente até pena em negociá-las. as de todas as idades.” “A saída pensada Mas não era assim no início. “Eu Brechó do Futebol - Bar e Camisetas Carlos comenta que há muitas ra-comprava uma camiseta e a ven- http://brechodofutebol.com/loja ridades em sua loja, que atua tam- pelos colecionadoresdia pelo dobro, aí sobrava dinheiro Endereço: Rua Fernando Machado, bém com vendas online. “Vendo ca- de camisas foipara comprar mais duas e assim por 1.188, Centro Histórico, misas para todo o Brasil e também potencializar adiante.” Com a ajuda de um amigo, negocio com outros colecionadoresCarlos passou a comprar as camisas Porto Alegre – RS. da América do Sul”, diz. Seu empre- importância dessepelo site de compra e vendas Merca- Funcionamento da Loja: de segunda endimento, que começou ao acaso, símbolo”do Livre, mas com um porém: “Só à sexta, das 16h às 20h. acabou se tornando uma boa opçãocompro as que estão em bom estado para os maníacos por camisas.
  6. 6. Santo Antônio quer a Copa ESPORTE B Santo Antônio da Patrulha é uma das 12 cidades gaúchas que quer receber uma delegação internacional da Copa do Mundo 2014. As principais exigências são um Centro de Treinamento de Seleções e abélia um hotel dentro dos padrões Fifa. A cidade já conta com o Parque 6 da Guarda, complexo de 46 hectares, com dois campos de futebol e academia de ginástica. Quanto ao hotel, o prefeito Daiçon Ma- ciel revelou que um empresário manifestou interesse em lançar o empreendimento e o projeto arquitetônico já foi encaminhado à prefeitura. (Por Tatiana Oliveira / Redação Jornalística 1)Gaúcha no Mundial Farrapos fortalecerá o time em 2012de Handebol 2011 Augusto Veber Redação Jornalística I Luís Francisco Flores, presi- dente do clube. Para o treinador CarlitosBárbara Arenhart, de Novo Hamburgo, defende a Seleção Com o fim da tempora- Baldassari, 2012 servirá para da, o Farrapos, time de rugby fortalecer a equipe. “Estamosno campeonato que pela primeira vez se realiza no Brasil de Bento Gonçalves, prepara de olho em alguns jogadores FOTOS: PHOTO&GRAFIA a equipe para os desafios do que se destacaram em outras próximo ano, e propõe novos equipes nacionais”, diz. objetivos aos jogadores. O time volta ao treina- O Farrapos foi bicampeão mento em fevereiro do ano gaúcho em 2011, após ven- que vem. O calendário de jo- der o Charrua de Porto Ale- gos inicia-se pelo Gaúcho, em gre. Além disso, foi o único março. O Farrapos Rugby Clu- time do estado a participar do be existe desde 2007, mas foi Super10, campeonato que re- em 2009 que o time começou úne a elite do rugby nacional. a contratar apenas jogadores “Concluímos nossos objetivos profissionais, e recebe apoio para este ano, conquistando financeiro apenas de seus pa- o gaúcho e conseguindo vaga trocinadores. Todos os jogos no Super10 de 2012”, afirma são gratuitos. Rugby: elas também têm a força Jackeline Moraes tor de desenvolvimento da Fede- Redação Jornalística I ração Gaúcha de Rugby, Nilson Taminato, explica o crescimento O rugby parece ter deixado de das gurias no esporte: “Diferente ser o “patinho feio” brasileiro e se de outros, o rugby é conhecido lança a longos arremessos para o por aceitar um vasto número de estrelato esportivo da nação. O ru- biótipos, porque são 15 posições gby feminino, em destaque, figura em campo que exigem força ou entre os esportes que mais se de- velocidade”. senvolvem no Brasil, conquistando Embora seja um jogo tradi- não só fãs como praticantes. A Se- cionalmente agressivo, o esporte leção Brasileira de rugby feminino acolhe as mulheres. “Não há umConquista: a goleira Bárbara Arenhart, a Babi, ganhou o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara galgou seis títulos Sul-Americanos limitador para a prática, o joga- e a décima posição no mundial em dor participa das atividades comGustavo Ev que a maioria delas joga na Dubai, em 2009. regras que mitigam a disputa eRedação Jornalística I Europa, e pelo técnico, que O interesse das gaúchas tem aumentam a segurança, assim”, trouxe uma outra filosofia de surpreendido os clubes. O dire- afirma Taminato.O mundial de handebol trabalho ao grupo. feminino, da categoria Em Novo Hamburgo, o téc- adulta, ocorre neste nico do time de handebol fe-mês de dezembro, com finalprevista para o dia 18. É a minino do Colégio Santa Ca- tarina, Renato Arena, diz que Cerâmica dá carros a jogadoresprimeira vez que a América usa a Bárbara como exemplo:realiza este evento, e é o Bra- “Ela estudou e jogou desdesil que terá a honra de fun- o início aqui no Santa. Ela écionar como sede. Uma das uma atleta excepcional, e que Caroline Weigel nos motivou muito, pois ne-jogadoras que tentará fazer soube conquistar o seu espa- Redação Jornalística I nhum clube dá um automó-com que a seleção brasileira ço. É muito bom dizer que ela vel como prêmio.”melhore seu desempenho é a saiu daqui, sei que o mérito Após subir para a Série Perguntado sobre como segoleira hamburguense Bárba- é todo dela, mas nós demos A do Gauchão de futebol, sentiu ao conquistar a vaga,ra Arenhart, 25 anos. essa forçinha”. o Cerâmica Atlético Clube, Robson exclama: “Me senti Babi, como é conhecida, Bárbara e as outras atle- de Gravataí, presenteou os realizado, pois foi um trabalhocomeçou a jogar no Colégio tas competirão contra as 11 atletas que mais joga- longo, e o objetivo era muitoSanta Catarina, em Novo Ham- Babi: o começo de tudo foi principais equipes e atletas ram com um Celta 2012. difícil de ser alcançado.”burgo, mas teve seu primeiro no Colégio Santa Catarina do mundo, que estão no Bra- O volante Robson O jogador agora projetasalário em 2007, quando se sil para disputar a competição Dal’Santo, 22 anos, que in- o próximo ano: “Espero quetransferiu para a Metodista/ que todo torcedor brasileiro mais importante do handebol. gressou nas categorias de façamos um grande Gauchão.São Bernardo. No mesmo ano, pode esperar de nós muita Resta aos fãs do esporte e base do clube e acompanha Estamos em um momentoa goleira foi jogar na Europa, luta, muita entrega e muita aos outros brasileiros torce- a equipe profissional des- muito especial, e todos estãoe atualmente joga no Hypo alegria nesses jogos, somos rem pelas meninas. “Agora de o seu surgimento, em motivados para vencer e con-Niederösterreich, da Áustria. uma equipe guiada pela raça, mais do que nunca estamos 2007, explica: “Na Copa seguir uma boa colocação”. O Ao ser perguntada so- e isso se deixa transparecer trabalhando para representar RS de 2010, o presidente time inicia na competição nobre o que o torcedor brasi- em todos os momentos”. Ela o Brasil da melhor maneira do clube, Décio Becker, fa- dia 22 de janeiro, contra o Ju-leiro pode esperar da sele- ainda elogia a seleção pelas possível”, comenta Babi em lou sobre a premiação. Isso ventude, no Estádio Vieirão.ção, Bárbara diz: “Acredito jogadoras convocadas, por- relação ao mundial.
  7. 7. Novas atrações no COMPORTAMENTO Natal Luz de Gramado B Este ano, na 26ª edição do Natal Luz em Gramado, uma das abélia atrações inéditas é a Mágica Árvore de Natal. Com 30m de al- tura, o equivalente ao Cristo Redentor, por 15 m de diâmetro, pesa 75 toneladas. A tecnologia, importada da Dinamarca, faz 7 dela um monumento à parte. “Com softwares específicos de iluminação, criamos este atrativo. Sem tecnologia não faríamos ela nem o próprio Natal Luz”, conta Mário Kleinowski, criador da árvore. A atração pode ser vista até o dia 15 de janeiro de 2012, às 19h. (Por Karine Vasem Klein / Redação Jornalística 1) Geração webAudrey Lockmann municação com outros internau-Felipe de Souza tas. Depois vem os daily usersGreice Nichele (usuários diários) e no topo daRedação Jornalística II pirâmide, os influenciadores e sem bicho papão geradores de conteúdo.Q uando a geração que está Pode parecer fácil para um pai nas escolas já nasce em que trabalha no ramo administrar um ambiente sem distin- o acesso e a vivência dos filhos na ção entre o on e o offline, web. Mas vale ressaltar: os Cefrino que fazer para que as crianças A conversa ainda é o melhor antídoto contra as ciladas são uma família como qualquer ou-consigam aproveitar toda a tec- tra, e o diálogo deve sempre bali-nologia disponível? A resposta que a internet 2.0 pode provocar dentro de casa zar o comportamento de todos. “Oestá em duas palavras: conversa legal é os pais não terem medo dee convivência. Essa é a receita da GREICE NICHELE aprender, pois os filhos tem algorelação entre o analista de conte- para ensinar”, orienta Cefrin.údo Israel Cefrin e sua filha Isa-bela, de sete anos. Ele conheceu Caso de políciaa internet aos 20 anos, enquanto Nem todas as famílias, no en-Isabela cresce em plena era da tanto, sabem como se relacionarweb 2.0. “Ela nasceu em 2004 e de forma saudável com a internet.eu trabalhava com internet. Não O delegado de Crimes Virtuais dalembro quando a Isabela come- Polícia Civil do Rio Grande do Sul,çou a usar porque sempre mos- Emerson Wendt, alerta para os ris-tramos vídeos na web para ela.” cos da superexposição na internet: O pai admite que as grandes “O mais comum é o que chamamosmancadas na web foram dadas de cyberbullying. Mas há tambémpor ele, justamente por ter conhe- casos de revenge porn e pedofilia”,cido a internet só na fase adulta. enumera o policial (veja quadro).“Uma vez entrei em um grupo de Segundo ele, os pais devemdiscussão sobre pedofilia e briguei estar atentos e acompanhar a vidacom um dos componentes. É uma virtual de seus filhos. As escolascoisa que eu me envergonharia se também precisam de preparo,meus filhos presenciassem.” Do pois existem comunidades criadasepisódio sai o primeiro conselho: para ofender professores, o que“Na internet é melhor você discutir pode ser enquadrado em crimeideias e opiniões e não questionar contra a honra.os valores das pessoas”. Quando o assunto é pedofi- Isabela dispõe da conexão lia, a superexposição preocupapor cerca de cinco horas diárias. Wendt. “Um perfil de rede socialApesar do limite ser respeitado, contendo dados como telefoneo pai utiliza aplicativos para pa- e e-mail facilita a ação do cri-trulhar a navegação da filha. A Controle: pais e autoridades concordam em estabelecer limites para o uso do computador por crianças minoso. Se tiver uma foto daferramenta chama-se Gnanny criança com o uniforme da es-e informa o horário de acesso e cola, é um prato cheio.”quais endereços foram visitados. Com adolescentes é maisMesmo assim, nessa família a in- OPINIÃO Bianca Hennemann / Redação Jornalística III “Como falam complicado, porque eles sempreternet nunca foi um bicho-papão, o que bem tentam burlar o acompanhamen-pelo contrário. “A Isabela entrou to dos pais. Nesse caso, vale ana escola já sabendo ler e co- entendem, conversa. “O jovem tende a con-meçou a interagir com as letrasatravés do teclado, digitando o Virtualmente abaladas abertos a quaisquer fiar demais nas pessoas de suas redes, e isso nem sempre acabaendereço dos sites”, recorda. bem”, explica o delegado. oportunidades, A menina usa Facebook eTwitter. No primeiro, tem 66 ami- A tualmente, é impossível imaginar o funcionamen- têm coragem de ser aquilo que sempre quiseram e que, esses jovens A superexposição também pode ocasionar crimes comuns,gos e apenas cinco deles não são to da sociedade sem as tec- muitas vezes, os dogmas da também como roubo. Basta comentar umconhecidos pessoais. “Lá está nologias e, principalmente, sociedade real impedem- evento. “Se todos saíram para umtoda nossa família, então é mais a internet. A rede virtual é nos. Muitos se prendem às se tornam fim de semana na praia, fica fácilseguro”, explica Cefrin. “Sempre uma ferramenta de troca de magias audiovisuais e, como vulneráveis” para um ladrão invadir e limpar aaviso minha mãe quando alguém conhecimentos, que contri- que hipnotizados, negam-se casa”, ressalta Wendt. Apesar dapede para me adicionar”, garante bui para o desenvolvimento a sair desse universo. existência de outros crimes pra-Isabela. da cultura em todo o mundo. Alienados, há tantos que ano, revelando que 77 mil ticados através da web, para as Segundo Cefrin, que é pro- Socialmente falando, através parecem viver somente para usuários brasileiros são ví- crianças o risco maior vem da fal-fissional da área, no mundo dos da internet ninguém mais é suas vidas virtuais. Muitos timas diárias de crimes vir- ta de cuidados. Fica o alerta!usuários Isabela é classificada anônimo. A vida de qualquer esquecem até que têm fa- tuais. Esse dado negativo sócomo butterfly, pessoa que visitavários sites sem fixar muita co- indivíduo está explícita na tela: basta um clique para mília, trocando um diálogo e contatos físicos por uma cai- poderá ser modificado atra- vés da educação. Promover Entenda quais são enxergá-la. Porém, neste xa de interatividade. Como ações de alerta aos jovens os crimes virtuais mundo mágico, no qual tudo falam e são o que bem en- sobre os perigos do mundo “O jovem tende é resolvido com a ponta dos tendem, abertos a quaisquer virtual seria uma solução Cyberbullying: bullying prati- a confiar demais dedos, feito uma varinha de oportunidades, esses jovens prática para tentar diminuir cado por meio das redes soci- condão, nem tudo é bené- também se tornam vulnerá- índices de crimes na rede. ais e comunidades específicas nas pessoas de fico. Há jovens, principal- veis, com grandes chances Além disso, fazer com que da internet. suas redes, e mente, que não utilizam a de atraírem fatores negati- eles se aceitem como são, Revege porn: pornografia por rede a seu favor – usam-na vos para perto de si. Um es- sem que precisem se escon- vingança. Acontece quando, isso nem sempre como uma espécie de escu- tudo que evidencia esse la- der atrás de múltiplos perso- após uma briga ou discussão, acaba bem.” do para se proteger da sua mentável fato foi divulgado nagens, vivendo uma peça fotos ou vídeos de nudez ou própria realidade. Escondi- pela empresa de antivírus de teatro virtual que não se relação sexual são divulgados Emerson Wendt dos por detrás da tela, eles Norton, em setembro deste sabe direito o roteiro. na rede. Delegado de crimes virtuais
  8. 8. Estado recebe TECNOLOGIA CIÊNCIA E nova tecnologia B O Rio Grande do Sul deve projetar-se ainda mais no ramo da tec- nologia: a empresa HT Mícron vai atuar no encapsulamento e tes- te de semicondutores, que consiste na ligação de circuitos internos abélia dos componentes com outras conexões. A empresa apresentou 8 no dia 17 de outubro, no campus da Unisinos, em São Leopoldo, o primeiro lote comercial de chips totalmente encapsulados no es- tado. O empreendimento ocupará inicialmente a sede da antiga gráfica da Unisinios até o novo prédio tecnológico Tecnosinos ficar pronto. (Por Bibiane Engroff / Redação Jornalística 1)Por um concreto Pesquisa diz que games não emburrecemà prova de bala Gabriela Giralt Redação Jornalística I Mais um mito sobre a re- gentes. “As crianças são leva- das a descobrir as regras do jogo e como pensar estrategi- camente, isso as tornam maisFormando de Engenharia Civil da Unisinos desenvolve lação das crianças e o vide- inteligentes”, diz a psicóloga. ogame é colocado em xeque. A pesquisa revela que os jo-pesquisa inédita em busca de material mais resistente Um recente estudo da Uni- vens que jogam com frequência ALEXANDER DRESCH versidade do Estado de Mi- apresentam o que os especia- chigan, junto com a Fundação listas chamam de “inteligência Nacional de Ciência dos EUA, fluida”, ou resolução de proble- revelou que as crianças que mas e se tornam pessoas mais jogam videogame são mais perceptivas com a formação criativos. Os estudos mostra- dos seus cérebros, se tornando ram como diferentes formas prontas para analisar as situa- de tecnologia podem interfe- ções de forma mais rápida. rir e desenvolver os campos Apesar de reconhecer os da criatividade das crianças. benefícios, Fabiana ressalta Segundo a psicóloga infantil “É importante ter um controle Fabiana Ferreira, dona da Clíni- do tempo que a criança fica ca Psicorpo, em São Leopoldo, em frente ao videogame, jo- os jogos de videogame estão gar mais de duas horas por tornando crianças mais inteli- dia é prejudicial”. Brasil no fórumTeste: com armas militares, Alexander Dresch experimentou com sucesso 35 placas de concreto balístico da Microsoft Suzi Servo cadores presentes no fórumAnelise Durlo feito a partir de materiais como com a classe III-A, munição que Redação Jornalística I apresentaram projetos sobreRedação Jornalística I areia, cimento, brita, minério de abrange armas militares”, sa- uso criativo de tecnologia no ferro e óxido de alumínio. No to- lientou Alexander. O professor Jorge Cé- aprendizado dos alunos.U m concreto mais resis- tal, foram produzidas 35 placas No Rio Grande do Sul ainda sar Coelho da rede pública O projeto CBB WebTV tente a diversos tipos de de concreto convencional, de não há expectativas da indús- de Ensino Fundamental de tem por objetivo desenvolver armas de fogo, que seria alta resistência, alta densidade e tria em relação à produção do Campo Bom, no Rio Grande um canal de comunicação,usado na blindagem e segu- reforçado com fibra de vidro. material. Entretanto, em São do Sul, foi o único represen- no qual sejam publicadasrança de casas e empresas, é Os testes foram realizados Paulo, a empresa Blindaço, que tante do Brasil na sétima enquetes, votações on-line,o objeto de uma pesquisa iné- nas placas com munições em serviu de referência para o es- edição do Fórum organizado trabalhos escolares, etc. Nodita na Unisinos, realizada pelo diferentes níveis de blindagem, tudo do aluno, desenvolve uma pela Microsoft que ocorreu, blog, os alunos do 9º ano daestudante de Engenharia Civil, segundo as normas da ABNT pesquisa semelhante em con- em Washington (EUA). Nesta EMEF Borges de MedeirosAlexander Dresch. NBL 15000. Com isso, foi possí- junto com o Ministério do Exér- edição, participaram traba- postam suas coberturas jor- No projeto, que levou dez vel traçar uma tabela compara- cito e da Companhia Brasileira lhos vencedores das etapas nalísticas, fotografam, gra-meses para ser concluído, foram tiva, evidenciando a eficiência de de Cartuchos – CBC, utilizan- do prêmio Microsoft Edu- vam e editam vídeos. Eleslevadas em consideração a apli- todos os materiais feitos. “Con- do o auxílio de tecnologia ca- cadores Inovadores 2011. realizam também transmis-cação, a fabricação e o custo- segui comprovar que o concreto nadense, país que já examina Educadores de 107 países sões ao vivo e interativas debenefício do concreto balístico, convencional pode ser usado até esse novo método. estiveram presentes nesta eventos de toda a comunida- ocasião, na qual os 700 edu- de escolar. Sapiranga terá escola Exoesqueleto biônico técnica federal auxilia paraplégicos Cláudia Silva que deve se desenvolver ao inicialmente deverá disponi- Paula Viegas anos em uma cadeira de rodas. Redação Jornalística I longo de 2012. Inicialmente bilizar cem vagas, ainda não Redação Jornalística I O equipamento, de acordo foi cogitada a possibilidade de teve os seus cursos confir- com a fabricante, será oferecido Sapiranga foi confirmada a instituição funcionar no pré- mados. Segundo a secretá- Uma empresa norte-america- inicialmente a centros de reabi- como uma das cidades gaú- dio onde hoje está instalado ria de educação do municí- na apresentou, em 21 de outu- litação para uso sob supervisão chas que receberão novas es- o CIEP que oferece ensino de pio Cleidi do Prado, essa é bro, durante uma convenção mé- médica. Um de seus diferenciais colas técnicas através do Pro- nível médio. Porém, a cons- mais uma grande conquista dica, em Londres, na Inglaterra, é a capacidade de dobrar os jo- grama de Acesso ao Ensino trução de novas instalações para a cidade, que é refe- uma prótese de corpo inteiro que elhos com mais eficiência e, as- Técnico e Emprego (Pronatec). acabou sendo considerada a rencia na educação básica permite às pessoas paraplégicas sim, lidar melhor com terrenos O programa disponibilizará no melhor opção. da região. “Para nós só fal- ou com graves lesões na coluna irregulares. Segundo o fisiotera- total R$ 10 milhões em inves- Através do Pronatec, se- tava a escola técnica, pois vertebral voltem a caminhar. No peuta Denis Garcia Corrêa, além timentos e, em contrapartida, rão instaladas mais de 120 os cursos superiores nós já lançamento do eLEGS, a em- da melhora funcional, o paciente a cidade deverá ceder a área escolas técnicas em todo o conquistamos. Teremos com presa apresentou a palestrante pode apresentar outros benefí- para a instalação da escola. território nacional, que de- isso uma nova visão de cida- americana, Amanda Boxtel, pa- cios, como melhora do condicio- A prefeitura de Sapiranga vem oferecer cursos como de educadora”,comemora a raplégica desde 1992 após um namento cardiovascular, sistema ainda está em fase de escolha informática e eletrotécnica. secretária em declaração ao acidente de esqui. Ela conseguiu digestivo, hipotensão postural, do terreno para a construção, A unidade de Sapiranga, que site da prefeitura municipal. dar seus primeiros passos com nível de massa óssea, e redução o exoesqueleto biônico, após 17 de escaras de pressão.

×