SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
n o t a bibliográfica
SÍNTESE NOVA FASE
V. 19 N. 58 (1992):391-412.
VIRTUDE, JUSTIÇA, RACIONALIDADE.
A PROPÓSITO DE
ALASDAIR MACINTYRE
Marcelo Perine
Fac. Filosofia CES — SJ (BH)
A lasdair Maclntyre (1929-) não é, certamente, o que se
poderia chamar u m filósofo da moda. Praticamente
ausente na reflexão dos que acreditam ser o u se fazem
considerar como os mais ilustres representantes da nossa filoso- . ^
fia acadêmica, ele p r o v o c o u uma verdadeira avalanche nos
ambientes acadêmicos de língua inglesa em 1981, com a publi-
cação de After Virtue. A Study in Moral Theory (2* edição em
1985) e despertou, logo em seguida, a atenção da filosofia con-
tinental, onde tem sido cada vez mais estudado, discutido e
traduzido.
T o m e i u m primeiro contato com a obra de Maclntyre e m 1987,
na Espanha, ano em que foi publicada a tradução de After Virtue
(Tras Ia virtud, trad. de Amélia Valcárcel, Editorial Crítica, Bar-
celona). E m 1988, estando na Inglaterra para o Congresso M u n -
dial de Filosofia, encontrei Whose Justice? Wliich Rationality?, que
acabava de ser lançado. Trouxe-o comigo e apresentei-o ao Pe.
Vaz, o qual, tendo-o lido, propôs que se o traduzisse para a
Coleção Filosofia. O esforço ingente e a competência d o Prof.
Marcelo Pimenta Marques ( U F M G ) p r o d u z i r a m uma tradução
de boa qualidade, e o livro foi apresentado ao público no encer-
Slntese Nova Fase. u. 19, n. 58, 1992  391
ramento da Semana Filosófica organizada em agosto de 1991
pela Faculdade de Filosofia da Companhia de Jesus. A edição
do texto contém alguns pequenos defeitos que escaparam à revi-
são, mas que, felizmente, não prejudicam a compreensão da obra.
Não pretendo fazer aqui u m resumo desta obra que, no dizer
d o autor, parece não ter alcançado muito, pois "termina con-
cluindo que o que podemos aprender de sua argumentação é
onde e como começar". Entretanto, evocando u m dos acertos de
Descartes, o autor também afirma que " e m filosofia, saber como
começar é a mais difícil de todas as tarefas" (p. 430). A s teses
fundamentais de justiça de quem? Qual racionalidade? dão conti-
nuidade às teses de After Virtue, e são aprofundadas e nova-
mente discutidas na mais recente obra d o autor: Three Rival
Versions of Moral Enquiry: Encyclopaedia, Genealogy, and Tradition:
being Cifford Lectures delivered in lhe University of Edinburgh in
1988 ( L o n d o n , D u c k w o r t h , 1990, 241 pp.). Pretendo simples-
mente chamar a atenção para algumas dessas teses, em vista de
despertar entre nós o interesse por uma grande obra e, com
isso, talvez alcançar u m dos objetivos a que ela se propõe, o u
seja, provocar o diálogo entre as tradições vivas d o nosso tem-
po, mesmo que, dada a situação de desordem geral em que se
encontra a linguagem m o r a l nos nossos meios acadêmicos — e
essa é u m a das teses de Maclntyre —, o máximo que se pode
esperar desse diálogo, como ele diz na Introdução d o seu últi-
m o livro, "é tornar nossos desacordos mais construtivos" {Three
Rival Versions..., p. 8). Antes, porém, de percorrer as principais
teses de justiça de quem? Qual racionalidade?, vejamos em gran-
des linhas o conteúdo de After Virtue.
Uma inquietante sugestão:
buscar a virtude
After Virtue é u m livro deliberada mente provocador e p r o f u n -
damente tradicional. U m leitor apressado e relativamente su-
perficial poderia tentar resumi-lo com o lema já tantas vezes
lançado na história da filosofia: "Voltemos a Aristóteles"! Fazer
isso, contudo, seria pulverizar de início u m a das mais sérias
tentativas atuais de exercer aquele procedimento filosófico típi-
co das grandes filosofias, chamado p o r H e g e l de repensar
{Nachdenken), que consiste em pensar e refletir sobre o que o u -
tros pensaram e disseram antes de nós, para constituir aquilo
que, depois de Hegel, podemos chamar de história filosófica da
filosofia, na qual comparecem algumas obras de doxografia e
nenhuma de filosofia miúda, porque ela é escrita pelas obras
I 392 I Sinteíte Nova Fase. v. 19, n. 58, 1992
que efetivamente exerceram influência sobre o próprio tempo,
ainda que na condição de anão sobre os ombros de a l g u m g i -
gante. É preciso ler o final d o capítulo 18 ( " A f t e r V i r t u e :
Nietzsche or Aristotle, Trotsky and St. Benedict"), para dar-se
conta de que o autor não propõe nenhuma volta simplista a
Aristóteles como solução d o tipo deus ex machina para a inquie-
tante situação da pesquisa m o r a l em nosso tempo: "E se a tra-
dição das virtudes foi capaz de sobreviver aos horrores das
passadas épocas obscuras, nós não estamos totalmente privados
de fundamento para a esperança. N o presente, contudo, os
bárbaros não estão esperando d o outro lado das fronteiras, eles
já estão governando-nos há a l g u m tempo. E é a nossa falta de
consciência disso que constitui parte da nossa desagradável si-
tuação. Não estamos esperando u m Godot, mas outro — sem
dúvida m u i t o diferente — São Bento" (p. 263).
After Virtue quer, fundamentalmente, dizer que a "inquietante
sugestão" d o primeiro capítulo ( " A Disquieting Suggestion"),
se é v e r d a d e i r a m e n t e i n q u i e t a n t e , não é d e f i n i t i v a m e n t e
desesperadora. Que sugestão é essa? O livro começa com uma
parábola sobre uma revolta geral contra os efeitos catastróficos
das ciências naturais, que culminaria c o m a tomada do poder
pelo m o v i m e n t o político "Nenhum-Saber". Os cientistas teriam
sido mortos; os textos, bibliotecas, laboratórios queimados; as
escolas e universidades abolidas. Posteriormente produzir-se-ia
uma reação e as pessoas cultas tentariam ressuscitar a ciência,
embora já tivessem esquecido grande parte do que ela foi. A
partir de fragmentos de teorias, textos, construir-se-iam práticas
que receberiam o nome das antigas ciências: química, física,
biologia, etc. Haveria, naturalmente, discussões sobre as dife-
rentes teorias, embora todos possuíssem u m conhecimento m u i t o
parcial de cada u m a delas. Evidentemente quase ninguém com-
preenderia que o que fazem não é ciência, mas simples adapta-
ção a certos cânones de consistência e coerência, uma vez que
se perderam irremediavelmente os contextos necessários para
dar sentido a essa atividade. Os homens usariam expressões
como " n e u t r i n o " , "gravidade", "peso atômico" de m o d o siste-
mático e fariam ilações mais ou menos similares às que se fa-
z i a m antes da perda do patrimônio científico. Porém, muitas
das crenças implícitas no uso dessas expressões estariam perdi-
das, e revelar-se-ia u m elemento de arbitrariedade e também de
opção. A b u n d a r i a m as premissas contrastantes e excludentes,
apareceriam teorias subjetivistas da ciência e seriam criticadas
por aqueles que sustentassem que a noção de verdade, incorpo-
rada n o que d i z e m ser ciência, seria incompatível c o m o
subjetivismo. O objetivo da parábola é ilustrar u m a hipótese
sobre a nossa situação: no m u n d o e m que vivemos, a linguagem
Síntese Nova Fase. v. 19, n. 58, 1992  393 |
da moral está no mesmo grave estado de desordem que a das
ciências naturais no m u n d o da parábola. Possuímos fragmentos
de u m esquema conceituai, partes às quais agora faltam os con-
textos dos quais d e r i v a m seus significados. "Possuímos, com
efeito, simulacros de moral, continuamos usando muitas das
expressões-chave. Mas perdemos — em grande parte, senão i n -
teiramente — nossa compreensão, tanto teórica como prática da
m o r a l " (p. 2). As filosofias dominantes d o m u n d o atual — a
analítica e a fenomenológica — são incapazes de detectar a
desordem no pensamento e na prática moral, como eram tam-
bém antes da desordem das ciências no m u n d o da parábola.
Porém, isso não nos deixa totalmente desprovidos de recursos.
Pode-se recorrer à filosofia da história. Mas aqui também há
dificuldades, pois a história acadêmica, que é a história tal como
a compreendemos hoje, só existe há dois séculos, e se a catás-
trofe tivesse ocorrido antes da sua fundação, os pressupostos
morais e outras proposições avaliativas da história acadêmica
seriam uma conseqüência das formas de desordem que se pro-
d u z i r a m . Dada a pretensão de neutralidade avaliativa da histó-
ria acadêmica, a desordem m o r a l ser-lhe-ia invisível. O que é
dramático na hipótese é a sugestão de que estamos numa con-
dição em que quase ninguém reconhece o u pode reconhecer a
verdade que ela afirma. De uma coisa, porém, Maclntyre está
convencido: o que resultará da sua pesquisa não será, certamen-
te, o pessimismo, essa espécie de " l u x o cultural d o qual é pre-
ciso prescindir para sobreviver nesses duros tempos" (p. 5).
Os seis primeiros capítulos de After Virtue desenvolvem uma
cerrada argumentação que põe às claras a natureza d o desacor-
do m o r a l contemporâneo e as pretensões do emotivismo (cap.
2), descobre o seu conteúdo e o seu contexto social (cap. 3),
mostra como o projeto iluminista de justificação da m o r a l está
em continuidade e ruptura com a cultura que o precedeu (cap.
4) , aponta as razões pelas quais tal projeto devia fracassar (cap.
5) e conclui indicando algumas conseqüências desse fracasso
(cap. 6). U m a das teses centrais d o livro já aparece com toda
clareza: " O fracasso desse projeto proporciona o pano de f u n d o
histórico sobre o qual chegam a ser inteligíveis as dificuldades
da nossa c u l t u r a " (p. 39). Ora, dois fatores centrais da expressão
moral contemporânea indicam as dificuldades da nossa cultura:
por u m lado a multiplicidade e a incomensurabilidade conceituai
dos argumentos rivais, por outro, o uso assertivo de princípios
últimos para concluir o debate moral, cujo traço mais marcante
nos nossos dias é a inconclusividade. Ora, esta é a "verdade" d o
emotivismo, pois, se Stevenson tem razão, todo desacordo moral
é inconclusivo. A análise de Maclntyre não deixa dúvida: " O
emotivismo está incorporado em nossa c u l t u r a " (p. 22), e o não-
I 394 I Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992
-reconhecimento d o seu poder filosófico, paradoxalmente, " é
indício d o seu poder c u l t u r a l " (p. 20). O " e u emotivista", q u e é
" o eu especificamente m o d e r n o " (p. 31), f o i forjado no espaço
cultural da Europa d o Norte, n o período que vai de 1630 a 1850,
no qual u m a das preocupações dominantes foi a de dar à moral
u m a justificação racional, libertando-a da tutela teológica e m
vista de dar-lhe total autonomia. Nesse a m p l o cenário compa-
recem figuras como Kierkegaard, Diderot, H u m e , Smith e Kant.
Todos fracassaram e d e v i a m fracassar no seu intento, funda-
mentalmente porque todos esses protagonistas compartilhavam
u m fundo histórico c o m u m de crenças morais, herdado d o seu
passado cristão, porém, p r i v a d o justamente d o contexto no q u a l
o esquema moral d o m i n a n t e a partir d o século X I I mostrava-se
coerente. O r a , esse esquema era, basicamente, o esquema
teleológico da Ética Nicomaquéia de Aristóteles, cujos elementos
centrais eram: a concepção de u m a natureza humana e m estado
bruto, a concepção dos preceitos de u m a ética racional e a con-
cepção de u m a na tu reza-humana-como-poderi a-ser-se-rea lizas-
se-o-seu-íc/í)s. Esse esquema fora enriquecido, mas não substan-
cialmente alterado, ao ser inserido n u m marco de crenças teístas.
O a d v e n t o d o p r o t e s t a n t i s m o ( C a l v i n o ) e d o c a t o l i c i s m o
jansenista (Pascal) trouxe u m a nova concepção da razão, a par-
tir da qual começou a romper-se o acordo geral sobre esse es-
quema: a razão decaída já não podia mais d a r nenhuma c o m -
preensão autêntica d o verdadeiro f i m d o h o m e m . N o s protago-
nistas d o l l u m i n i s m o conjugaram-se duas recusas f u n d a m e n -
tais: a recusa leiga das teologias protestante e jansenista católi-
ca, e a recusa científica e filosófica d o aristotelismo. Essa d u p l a
recusa acabou p o r eliminar qualquer noção d o homem-segun-
do-o-seu-fí'/(JS, p r i v a n d o assim o esquema iluminista d o seu
contexto teológico. Os iluministas "herdaram fragmentos incoe-
rentes d o que outrora foi u m esquema coerente de pensamento
e de ação, e, como não se d a v a m conta da sua peculiar situação
histórica e cultural, não p u d e r a m reconhecer o caráter impossí-
vel e quixotesco da tarefa a que se o b r i g a v a m " (p. 55). A s con-
seqüências da perda da teleologia são evidentes: e m primeiro
lugar, a afirmação da impossibilidade d e passar d o "é" ao
" d e v e " ; depois, a substituição de u m conceito funcional de
h o m e m pelo de indivíduo, anterior e separado de qualquer papel
e, last, not least, a mudança radical d o caráter dos conceitos e
juízos morais. Porém, o que aqui é descrito como perda, para os
protagonistas d o l l u m i n i s m o foi entendido como libertação; o
que aqui aparece como a origem da ammia, para eles aparecia
como autonomia. A s s i m , a experiência moral contemporânea
adquire u m caráter paradoxal. Vemo-nos como agentes morais
autônomos, mas submetemo-nos a padrões de relacionamento
Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992  395
manipuladores com os demais: ' T e n t a n d o proteger a autono-
mia, cujo preço temos bem presente, aspiramos a não ser m a n i -
pulados pelos demais; buscando encarnar nossos princípios e
posições no m u n d o prático, não encontramos maneiras de fazê-
-lo senão d i r i g i n d o aos demais aqueles m o d o s fortemente
manipuladores a que cada u m de nós aspira resistir no próprio
caso. A incoerência de nossas atitudes e de nossa experiência
brota do incoerente esquema conceituai que herdamos" (p. 68).
Os capítulos 7 e 8 são uma espécie de intermezzo sociológico no
qual o autor mostra, não só a sua competência, sem dúvida
polêmica, neste campo (com efeito, além de professor de filoso-
fia na Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, ele é
também professor de Sociologia na Universidade de Essex, I n -
glaterra), mas também a coerência de u m dos pressupostos d o
seu pensamento moral, o u seja, que toda filosofia m o r a l pressu-
põe uma sociologia (p. 23). Analisa as noções de "fato", "expli-
cação" e "perícia" (cap. 7) para evidenciar, entre outras coisas,
que a explicação da burocracia de Weber, apesar dos seus de-
feitos, "fornece a chave para grande parte da época m o d e r n a "
(p. 86). O cap. 8, sobre o caráter das generalizações da ciência
social e sua carência de poder previsivo, é dos mais provocado-
res de toda a obra. A ciência social ocupa na nossa época o
lugar que outrora f o i da filosofia. Porém, a fragilidade e a
vulnerabilidade das previsões da ciência social não são mais d o
que sintomas de que "a nossa o r d e m social está literalmente
fora d o nosso controle e d o controle de q u e m quer que seja"
(pp. 106s.).
Na segunda parte d o livro (caps. 9-18), o autor desenvolve sis-
tematicamente a sua tese de f u n d o , segundo a qual o fracasso
da tentativa iluminista não é senão a conseqüência histórica da
rejeição da tradição aristotélica. Começa c o m u m capítulo sobre
Nietzsche o u Aristóteles (cap. 9), em vista de completar a des-
crição do discurso e da prática especificamente modernos iniciada
na primeira parte da obra, u m a vez que "Weber e Nietzsche,
juntos, nos proporcionam a chave teórica das articulações da
ordem social contemporânea" (pp. 114s.). M e l h o r do que qual-
quer o u t r o pensador, Nietzsche percebeu o caráter de disponi-
b i l i d a d e a q u a l q u e r t i p o de uso d a l i n g u a g e m m o r a l na
modernidade. Essa percepção faz da filosofia moral de Nietzsche
" u m a das alternativas teóricas autênticas a que se enfrenta qual-
quer u m que pretenda analisar a situação m o r a l de nossa cul-
t u r a " (p. 110). O mérito histórico de Nietzsche foi ter compre-
endido que o apelo à objetividade, tão característico do projeto
iluminista, não era senão u m dos disfarces da vontade subjeti-
va. Ele errou ao generalizar para a natureza m o r a l aquilo que
I 396 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
era o estado d o juízo moral do seu tempo. Mas f o i o acerto e o
erro de Nietzsche que fizeram dele "o filósofo moral da era
presente" (p. 114). O que resulta da rejeição de Aristóteles e da
força da posição de Nietzsche é a seguinte alternativa: "Ou con-
tinuamos através das aspirações e d o colapso das diferentes
versões d o projeto iluminista até que reste unicamente o diag-
nóstico e a problemática de Nietzsche, ou sustentamos que o
projeto iluminista não só estava errado, mas, antes de tudo,
nunca deveria ter sido e m p r e e n d i d o " (p. 118), e tertium non
datur. O caminho escolhido por Maclntyre exige, portanto, que
se comece por reescrever a história da virtude.
Essa gigantesca tarefa é executada magistralmente nos capítulos
seguintes, começando por u m a descrição das virtudes nas socie-
dades heróicas (cap. 10) e na Atenas dos séculos V - V l a.C. (cap.
11). É importante notar que as diferenças na interpretação das
virtudes, surgidas no interior de u m horizonte c o m u m , estão
ligadas às diferentes formas narrativas usadas para captar a
vida humana. Essa constatação aponta para u m hipótese que se
mostrará i m p o r t a n t e n o d e s e n v o l v i m e n t o da pesquisa de
Maclntyre: "Geralmente, adotar uma posição acerca das v i r t u -
des será adotar uma posição acerca d o caráter narrativo da vida
h u m a n a " (p. 144). Essa hipótese começa a verificar-se na análise
das v i r t u d e s s e g u n d o Aristóteles (cap. 12). Essa " v o l t a a
Aristóteles", porém, exige que se resolvam previamente três tipos
de questão: o primeiro diz respeito à íntima relação entre a
teleologia de Aristóteles e a sua biologia metafísica, o segundo
refere-se à relação da ética com a estrutura da polis, e o terceiro
refere-se ao fato de Aristóteles ser herdeiro de Platão no que diz
respeito à unidade e à harmonia do espírito i n d i v i d u a l e da
cidade, assim como à concepção aristotélica, contrária à platô-
nica, d o conflito como algo a evitar e evitável (cf. p. 163).
A busca da virtude prossegue o seu caminho através das apa-
rências e circunstâncias medievais (cap. 13), mostrando a per-
manência d o esquema aristotélico, enriquecido, mas não subs-
tancialmente modificado, por u m a nova concepção d o telos e
pela descoberta agostiniana da vontade capaz de dar consenti-
mento ao mal. A concepção medieval é teleológica, mas diferen-
te da aristotélica em dois aspectos importantes: 1) Aristóteles
admite que a posse da eudaimonia pode frustrar-se por causas
externas ou por deficiências naturais, enquanto na concepção
medieval é determinante a crença em que n e n h u m ser h u m a n o
está excluído d o bem por circunstâncias, de m o d o que n e n h u m
mal pode excluir-nos necessariamente da felicidade, a não ser
que nos convertamos em seus cúmplices; 2) A visão medieval é
histórica, de u m m o d o que não foi possível a Aristóteles: cami-
Sintese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992  397 |
nhar para o bem é caminhar no tempo, e isso imphca uma nova
forma de compreender o que é caminhar para o bem (cf. p. 176).
N o capítulo 14, sobre a natureza das virtudes, Maclntyre em-
preende a dedução de u m conceito unitário e central das v i r t u -
des, passível de justificação. N o desenvolvimento lógico d o
conceito de virtude, estão implicadas três fases intimamente
relacionadas: a primeira consiste na descrição d o que é uma
prática; a segunda, na descrição da vida humana como uma
o r d e m narrativa, a terceira, na descrição d o que constitui uma
tradição moral. Baste-nos aqui uma referência sumária a cada
uma das fases. A noção de prática é definida como "qualquer
forma coerente e complexa de atividade humana coof>erativa,
estabelecida socialmente, mediante a qual realizam-se os bens
internos a essa forma de atividade no curso da tentativa de
realizar aqueles padrões de excelência que são apropriados a
essa forma de atividade, e que a definem parcialmente, tendo
como resultado a sistemática ampliação da capacidade humana
de realizar a excelência, assim como das concepções humanas
dos fins e dos bens nela envolvidos" (p. 187). Tal conceito de
prática permite u m a primeira definição aproximada da virtude:
"Uma virtude é uma qualidade humana adquirida, cuja posse e exer-
cício tende a fazer-nos capazes de realizar aqueles bens internos às
práticas e cuja carência nos impede efetivamente de realizar qualquer
um desses bens" (p. 191). Porém, é preciso observar que uma
prática não é mero conjunto de habilidades técnicas e que entrar
em uma prática é entrar n u m a tradição. Ademais, deve-se ter
presente que o conceito de virtude apresentado não é aristotélico
em dois aspectos importantes: 1) embora seja teleológico, ele
não exige acordo a l g u m com a biologia metafísica de Aristóteles;
2) por causa da multiplicidade das práticas humanas e a conse-
qüente multiplicidade dos bens em cuja busca as virtudes p o -
d e m se exercer, o conflito não surgirá apenas das imperfeições
d o caráter i n d i v i d u a l (cf. p p . 196s.). Contudo, essa interpretação
"socialmente teleológica" (p. 197) contém três aspectos clara-
mente aristotélicos: 1) para ser completa, ela requer a elabora-
ção convincente das mesmas distinções e conceitos que exigia a
interpretação de Aristóteles, a saber, a voluntariedade, a distin-
ção entre virtudes intelectuais e do caráter, a relação entre talen-
tos naturais e paixões e a estrutura d o raciocínio prático; 2) ela
pode amoldar-se aos conceitos aristotélicos de prazer e gozo,
embora no que diz respeito ao interesse, ela seja irreconciliável
com qualquer visão utilitarista; 3) ela vincula valoração e ex-
plicação de m o d o tipicamente aristotélico (cf. p p . 197ss.). Mas o
desenvolvimento do conceito de virtude exige ser completado
pela descrição da vida humana como estrutura narrativa e pelo
conceito de tradição. Esta é a tarefa d o capítulo 15.
I 398 I Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992
Maclntyre pensa a unidade do eu como residindo na unidade
de u m a narração que enlaça nascimento, vida e morte como
começo, desenvolvimento e f i m de uma narração. A ação h u m a -
na é aquela da qual pode-se pedir contas, é a que pode ser
narrada, isto é, tornada inteligível, p a r t i n d o das intenções,
motivos, paixões e propósitos de u m agente h u m a n o e encon-
trando o seu lugar n u m a narração. Vivemos narrativa mente as
nossas vidas e porque entendemos nossas vidas em termos
narrativos, "a forma narrativa é a apropriada para entender as
ações dos outros" (p. 212). Somos atores e autores de u m a nar-
ração que se enlaça com outras narrações, de m o d o que cada
u m é personagem principal d o seu próprio drama e tem papel
subordinado no drama dos outros. U m a ação é sempre u m
m o m e n t o n u m a história real o u possível ou em numerosas his-
tórias. Isso implica que a noção de história é tão fundamental
quanto a de ação. Embora a imprevisibilidade seja u m a exigên-
cia da estrutura narrativa, ela é perfeitamente compatível com
a teleologia: mesmo não sabendo o que vai ocorrer em seguida,
a nossa vida se autoprojeta na direção d o futuro: "Se a narração
de nossa vida individual e social deve continuar inteligivelmente
— e qualquer tipo de narração pode cair na ininteligibilidade —,
isso implica tanto que há limitações sobre como a história pode
continuar, quanto que no interior dessas limitações há indefini-
das maneiras nas quais ela pode continuar" (p. 216). Emerge
aqui uma tese central d o pensamento de Maclntyre: " O h o m e m ,
nas suas ações e na sua prática, assim como nas suas ficções, é
essencialmente u m animal que conta estórias (ÍI story-telUng
animal). Ele não é essencialmente, mas torna-se através de sua
história, u m contador de estórias que aspira à verdade" (p. 216).
E no contexto de u m relato e d o tipo de personagem exigido
por ele que se desenha a identidade pessoal, não por u m apelo
à continuidade ou descontinuidade d o eu psicológico. O concei-
to narrativo d o eu requer duas coisas: 1) "De u m lado, sou
aquilo pelo que posso justificadamente ser tomado pelos outros
no transcurso de uma história v i v i d a que vai d o m e u nascimen-
to à m i n h a morte; sou o tema (subject) de uma história que é
minha e de mais ninguém, e que tem seu peculiar significado"
(p. 217). Ser tema da narração é ser responsável pelas ações e
experiências que compõem uma vida narrável. 2) Por outro lado,
não sou só u m ser que deve dar contas, mas também alguém
que pode pedir contas aos demais: sou parte de suas histórias
c o m o eles são da m i n h a . A s s i m , sem a "responsabilidade
explicativa d o e u " {the accounlability of the self) não poderiam
dar-se as séries de acontecimentos que constituem toda narra-
ção e "as narrativas careceriam da continuidade que as t o m a
intehgíveis, assim como as ações que as constituem" (p. 217).
Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992  399 |
E m que consiste, então, a unidade da vida humana? N a u n i d a -
de de u m relato de busca. As buscas às vezes fracassam, são
frustradas, abandonadas o u dissipadas em distrações. "Mas os
únicos critérios para o sucesso ou fracasso na vida humana como
conjunto são os critérios d o sucesso o u fracasso n u m a busca
narrada o u a ser narrada. U m a busca de q u ê ? " (p. 219). Sem
dúvida, u m a busca da vida boa para o h o m e m , que consiste
numa "vida dedicada a buscar a vida boa para o h o m e m , e as
virtudes necessárias para a busca são as que nos capacitam a
entender mais e melhor o que é a vida boa para o h o m e m " (p.
219). Entende-se, assim, a importância d o conceito de tradição:
não sou capaz de buscar o bem o u exercer as virtudes unica-
mente enquanto indivíduo, mas sou herdeiro de uma tradição
que constitui os dados prévios de m i n h a vida, meu ponto de
partida moral, que em parte lhe confere a sua particularidade
moral. " A posse de u m a identidade histórica e a posse de uma
identidade social coincidem" (p. 221). A s s i m , queiramos o u não,
somos também suportes de uma tradição, que é viva quando "é
u m a discussão historicamente desenvolvida e socialmente i n -
corporada e, precisamente, uma discussão que em parte versa
sobre os bens que constituem essa tradição" (p. 222). O sentido
adequado das tradições, que, para Maclntyre, é uma virtude,
manifesta-se na compreensão das possibilidades futuras que o
passado põe à disposição d o presente: " A s tradições vivas, pre-
cisamente porque continuam uma narração ainda incompleta,
c o n f r o n t a m - s e c o m o f u t u r o , cujo caráter d e t e r m i n a d o e
determinável, na medida em que é possuído deriva d o passa-
d o " (p. 223).
Nos três capítulos finais de After Virtue, Maclntyre conclui a sua
p e s q u i s a c o m u m a i m p r e s s i o n a n t e f e n o m e n o l o g i a d a
modernidade e d o seu maior artefato filosófico, a saber, o i n d i -
víduo. O processo de perda da concepção da vida humana como
unidade narrativa e da noção de prática dotada de bens inter-
nos, que levou à perda da noção de virtude, pode ser detectado
já a partir do séc. X V I I , quando começou-se a pensar o h o m e m
como egoísta por natureza, e a m o r a l passou a ser entendida
como resposta ou solução aos problemas postos pelo egoísmo
humano. H u m e apresenta-se, então, como a grande expressão
da tentativa de pensar uma versão mais inteligente d o egoísmo
para não sucumbir à anarquia. Porém, "o que H u m e identifica
como o ponto de vista da natureza humana universal não é
senão o ponto de vista dos preconceitos da elite governante
hanoveriana" (p. 231). Mas é inegável que os principais traços
do pensamento h u m i a n o permanecem enraizados nos pensado-
res dos séculos X V I I I e XIX. Aí, justamente, encontra-se a raiz
da impossibilidade moderna de se chegar a u m acordo sobre o
I 400 I Síntese Nova Fase. v. 19. n. 58. 1992
catálogo das virtudes, assim como da impossibilidade de alcan-
çar u m acordo fundamental sobre a importância relativa dos
conceitos de virtude dentro de u m esquema moral. Se as v i r t u -
des são coYcebdas como " u m a disposição o u sentimento que
p r o d u z e m em nós a obediência a certas regras, o acordo sobre
o que devem ser as regras relevantes é sempre u m pré-requisito
para u m acordo sobre a natureza e conteúdo de uma virtude
particular" (p. 244). Porém, na sociedade individualista, não há
c o m o assegurar esse a c o r d o prévio. O caso da justiça é
paradigmático dessa situação. N o capítulo 17, sobre a justiça
como virtude e suas concepções mutantes, M a c l n t y r e analisa a
incompatibilidade de duas posições paradigmáticas do debate
atual sobre a justiça, a saber, a de ] . Raw^ls (A Theory of justice,
1971) e a de R. N o z i c k [Anarchy, State and Utopia, 1974). A fra-
g i l i d a d e das posições desses dois teóricos, assim c o m o a
inconclusividade d o debate atual sobre a justiça não são mais
do que a conseqüência, no nível teórico, da recusa das noções
de virtude e tradição. N o nível prático, a conseqüência do aban-
d o n o da virtude e da tradição mostra-se na carência de acordo
moral autêntico entre os cidadãos de qualquer c o m u n i d a d e
política moderna, de m o d o que "a política sistemática moderna,
seja ela liberal, conservadora, radical ou socialista, deve ser sim-
plesmente rejeitada d o ponto de vista c o m p r o m e t i d o com a
genuína tradição das virtudes, porque a política moderna ex-
pressa, nas suas formas institucionais, a rejeição sistemática
daquela tradição" (p. 255).
A situação da moralidade e da reflexão moral em nosso tempo,
assim como a sua possível solução, estão caracterizadas pelas
conjunções que aparecem em destaque no título d o capítulo 18:
" E m busca da virtude: Nietzsche ou Aristóteles, Trotsky e São
Bento". A primeira conjunção é claramente exclusiva e a segun-
da não é aditiva, mas adversativa. Quanto à moralidade e à
reflexão m o r a l contemporâneas, isto é, quanto à alternativa
exclusiva que se nos apresenta, é preciso ter presente o seguin-
te: "Proclamar que o rei está n u significa, no máximo, apontar
para u m só a f i m de que todos riam; declarar que praticamente
todos estão vestidos de farrapos é m u i t o menos do que ser
popular. Mas o nietzschiano teria pelo menos o consolo de ser
i m p o p u l a r estando certo — a menos que a rejeição da tradição
aristotélica mostre-se como u m erro" (p. 257). Nietzsche fracas-
sa na sua critica porque quando acerta, não o faz p>or força de
seus argumentos positivos, mas por defeito. Condenar-se ao
solipsismo moral foi a única grandeza de Nietzsche, e o seu atra-
tivo é a sua aparente honestidade. O pseudoconceito nietzschiano
de super-homem "representa a última tentativa, fxjr parte d o indi-
vidualismo, de evitar as suas próprias conseqüências" (p. 259).
Síntese Nova Fase. v. 19, n. 58. 1992  401
Quanto às possibilidades de saída desta situação embaraçosa
em que nos encontramos, isto é, quanto ao problema da conjun-
ção adversativa, é preciso dar-se conta de que no marxismo
oculta-se u m individualismo radical. O Robinson Crusoé socia-
lizado de M a r x é incapaz de evidenciar as bases sobre as quais
entra em associação livre com os outros para constituir a c o m u -
nidade de indivíduos livres. "Não é surpreendente que os prin-
cípios de associação para os quais apelaram efetivamente os
marxistas tenham sido princípios morais abstratos e a utilidade,
e que na sua prática, os marxistas tenham exemplificado preci-
samente o tipo de atitude m o r a l que eles condenam nos outros
como ideológica" (p. 261). Trotsky pelo menos deu-se conta, no
final da sua vida, de que "a União Soviética não era socialista
e que a teoria que devia i l u m i n a r o caminho para a libertação
humana tinha, de fato, levado às trevas" (p. 262). O marxismo
está esgotado como tradição poliiica, mas "essa exaustão é com-
partilhada por todas as outras tradições políticas no interior de
nossa c u l t u r a " (p. 262). De fato, não estamos esp>erando u m
Godot, mas o u t r o São Bento, m u i t o diferente!
Justiça e racionalidade
L o g o no Prefácio de justiça de quem? Qual racionalidade?,
Maclntyre adverte que a presente obra, embora possa ser lida
independentemente de After Virtue, de fato preenche algumas
lacunas e corrige alguns erros daquela, reafirmando, porém, as
suas teses centrais. Nos seus vinte capítulos, encontramos uma
verdadeira odisséia em torno dos conceitos de justiça e raciocí-
nio prático. O autor parte da mesma constatação inicial de After
Virtue, ou seja, a rivalidade e incompatibilidade das concepções
atuais de justiça e racionalidade prática, e a inconclusividade d o
debate. A f i r m a que a nossa situação tem a ver com o fracasso
d o projeto iluminista, que, pretendendo que a razão tomaria o
lugar da autoridade e da tradição, mas mostrando-se incapaz
de entrar em acordo sobre quais eram os princípios que seriam
considerados irrecusáveis por todas as pessoas racionais, dei-
xou-nos como legado " u m ideal de justificação racional que se
mostrou impossível atingir" (p. 17). Foi, justamente, de u m a
concepção da pesquisa racional incorporada n u m a tradição que
o l l u m i n i s m o nos p r i v o u , e é em vista de recuperá-la que
Maclntyre empreende a sua grande viagem, que começa, justa-
mente, em Itaca. O cap. 2, sobre justiça e ação na imaginação
homérica, é como o porto de partida e de chegada dessa grande
402 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
aventura humana da qual todos os que habitam essa parte d o
m u n d o onde o sol se põe são partícipes e herdeiros. Os concei-
tos fundamentais da ética ocidental aí encontram o seu lugar
natural; díke, Ihémis, agathós, arcté, phrónesis, thytnos, sophrosyne
só são verdadeiramente inteligíveis n o horizonte d o agón e da
polis. Mas a herança homérica logo fragmentou-se (cap. 3), e foi
recolhida de quatro modos diferentes, cada u m deles caracteri-
zado p o r u m a visão diferente e incompatível c o m as outras,
sobre o papel de Atenas no final d o século V a . C : Péricles,
Sófocles, Tucídides e Platão são os herdeiros imediatos de
H o m e r o , q u a n d o Atenas é posta e m questão, fundamentalmen-
te pela rivalidade entre u m a "justiça da eficácia" e u m a "justiça
de merecimento" (cap. 4).
A partir d o cap. 5 (Platão e a pesquisa racional), M a c l n t y r e
concentra-se sobre a tradição filosófica que, c o m Platão, pela
primeira vez formula " u m a teoria bem-articulada sobre o q u e
realmente é a excelência humana, e porque é racional, à l u z
dessa teoria, sempre subordinar os bens da eficácia aos bens de
excelência" (p. 81). Porém, a tentativa de Platão deságua mais
n u m dilema que n u m a doutrina, e o dilema é o seguinte: " O u
provamos q u e a vida d o ser h u m a n o racional t e m sua arché [...]
o u prevalece a visão dos sofistas e de Tucídides sobre a realida-
de h u m a n a " (p. 96). Aristóteles, herdeiro de Platão (cap. 6), v a i
completar e corrigir o seu projeto, de m o d o que a Ética a Nicômaco
e a Política devem "ser compreendidas como seqüências da Re-
pública, nas quais a arché, cujas características adequadas Platão
não f o i capaz de propor, é especificada de m o d o a fornecer o
télos último da atividade prática e a justificação e especificação
das virtudes, incluindo a justiça" (p. 97). E m dois outros capí-
tulos monumentais, M a c l n t y r e descreve a visão de Aristóteles
sobre a justiça (cap. 7) e sobre a racionalidade prática (cap. 8).
A análise da Ética e da Política aristotélicas mostra q u e " u m a
história q u e começou, nos poemas homéricos, c o m a justiça de
Zeus, c u l m i n a , na filosofia de Aristóteles, n u m a compreensão
da justiça e das outras virtudes, na qual estão a serviço de u m a
vida m o v i d a , e m sua atividade, pelo M o t o r Imóvel e e m direção
a ele" (p. 158). A grande façanha de Aristóteles f o i , portanto,
" e m primeiro lugar, oferecer u m esquema de pensamento n o
qual as realizações e as limitações de seus predecessores pudes-
sem ser identificadas e avaliadas, e, e m segundo lugar, dessa for-
ma, transcender essas limitações" (pp. 158s.). É importante dar-
-se conta d o alcance da façanha de Aristóteles. Ela significa o
seguinte: " E m termos de racionalidade, só há progresso a partir
de u m determinado ponto de vista. E ele só é alcançado quando
os partidários desse ponto de vista conseguem, n u m grau sig-
nificativo, elaborar formulações cada vez mais compreensivas e
Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 1 403J
adequadas de suas posições, através d o procedimento dialético
de p r o p o r objeções que identificam incoerências, omissões, fa-
lhas explicativas e outros tipos de falha e limitação em elabora-
ções anteriores; através também d o procedimento de encontrar
os mais fortes argumentos disponíveis para sustentar essas
objeções, e, ainda, de tentar reelaborar a posição, de m o d o que
não seja mais vulnerável às objeções e argumentos específicos"
(p. 159). A importância da constatação que essa longa citação
expressa vai se mostrar nas análises dos três últimos capítulos
d o livro.
Maclntyre analisa, em seguida, a alternativa agostiniana (cap.
9), mostrando como a tradição clássica sobre a justiça de mere-
cimento e o raciocínio prático foi enriquecida ao ser assumida
pelo pensamento cristão, particularmente pela singular "desco-
berta" agostiniana da vontade. Agostinho "elabora uma versão
genuinamente nova da natureza da justiça e da gênese da ação
humana. A racionalidade da reta ação I...] não é seu determinante
principal, mas uma conseqüência secundária da reta vontade.
Desse m o d o , a fé que inicialmente move e informa a vontade é
anterior à compreensão; o que a compreensão pode fornecer é
uma justificação racional por ter inicialmente acreditado o u fei-
to o que a fé d e t e r m i n o u , mas tal justificação deve sempre ser
retrospectiva. 1...] Esse caráter secundário da racionalidade prá-
tica é algo com que Agostinho estava necessariamente compro-
metido, d e v i d o à sua psicologia da vontade" (p. 173).
Os dois capítulos sobre Santo Tomás — "Superação de u m
conflito de tradições" (cap. 10) e " A visão de Sto. Tomás sobre
a justiça e a racionalidade prática" (cap. 11) — são os mais
elaborados de toda a obra. Primeiro porque M a c l n t y r e reconhe-
ce que em After Virtue a sua crítica "das leses de Santo Tomás
sobre a u n i d a d e das virtudes estava simplesmente errada, devi-
d o a u m a leitura equivocada d o A q u i n a t e " (p. 8). Mas a razão
mais fundamental só se tornará evidente na última página da
obra, como veremos.
Operando uma verdadeira "suprassunção" de Aristóteles, Sto.
Tomás elabora u m a concepção da justiça e da racionalidade
prática, que unifica, em horizonte teológico, as concepções de
Aristóteles, Cícero e Agostinho. O que fica claro é que a com-
preensão de Sto. Tomás "só é completamente inteligível e de-
fensável, à medida que emerge de u m a ampla e complexa tra-
dição de argumentação e conflito que inclui m u i t o mais d o que
Aristóteles e A g o s t i n h o " (p. 224). Infelizmente, muitos dos con-
temporâneos e sucessores de Sto. Tomás não compreenderam a
idiossincrasia d o seu projeto, a saber, "desenvolver o trabalho
|404 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58. 1992
da construção dialética sistematicamente, de m o d o a integrar
toda a história anterior da pesquisa, à medida que a conhecia,
na sua própria. Sua contraposição de autoridades foi concebida
para mostrar o que, em cada u m a delas, resistia ao teste dialético
de todos os pontos de vista até então desenvolvidos, com o
objetivo de identificar as limitações de cada ponto de vista e o
que, em cada u m deles, não podia ser i m p u g n a d o n e m mesmo
pelo mais rigoroso dos testes" (p. 225).
Movendo-se n u m terreno que lhe é familiar pelas suas origens,
Maclntyre apresenta a seguir a terceira das grandes tradições de
pesquisa que são objeto d o seu livro, a saber, a tradição escoce-
sa. O capítulo 12 desvela o substrato agostiniano e aristotélico
d o l l u m i n i s m o escocês; o capítulo 13 apresenta a filosofia na
o r d e m social escocesa, e o capítulo 14, a visão de Hutcheson
sobre a justiça e a racionalidade prática. Impossível resumir o
itinerário desses três capítulos densos e eruditos. Podemos,
contudo, reler alguns pontos fundamentais. O primeiro deles é
que a tradição escocesa, essencialmente teológica, "cujos textos
clássicos v i n h a m da versão calvinista da teologia agostiniana"
(p. 274), desenvolve-se como uma aliança entre calvinismo e
aristotelismo, da qual o primeiro grande representante foi Robert
Baillie, professor de filosofia na Universidade de Glasgow de
1625 a 1631. Em seguida, que essa aliança teológica levou a uma
ascensão da filosofia ao primeiro plano na o r d e m social escoce-
sa, gerando assim " u m período no qual as asserções referentes
aos primeiros princípios eram avaliadas, justificadas e i m p u g -
nadas, através dos padrões de debate e de pesquisa filosóficos"
(p. 267). Finalmente, que Hutcheson "revelou-se u m a figura de
transição", pois o que ele na verdade preparou foi, quando não
a expulsão da filosofia da área teológica, "pelo menos as bases
para a sua transformação radical" (p. 301). Os que se propuse-
r a m remover as incoerências da filosofia de Hutcheson encon-
traram-se diante da seguinte alternativa: "Ou eles retinham a
epistemologia m o r a l de Hutcheson, adaptando-a onde fosse
necessário, e rejeitando sua visão dos princípios morais, da lei
da natureza, da justiça e dos deveres em relação a Deus; ou
retinham a posição moral e teológica fundamental de Hutcheson,
rejeitando sua epistemologia. D a v i d H u m e e A d a m Smith re-
presentam a primeira dessas alternativas; Thomas Reid e D u g a l d
Stewarl, a segunda. Todos os quatro concordavam, implícita ou
explicitamente, que era possível concordar com Hutcheson quanto
à justiça ou o raciocínio prático, nunca quanto a ambos" (p. 301s.).
Os capítulos 15 ( " A subversão anglicizante de H u m e " ) e 16 ( " A
visão de H u m e sobre a justiça e a racionalidade prática") mos-
tram, não só que o que H u m e representou " f o i o abandono de
Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 405
m o d o s de pensamento tipicamente escoceses e m função de
modos de compreender a vida social e seu tecido moral carac-
teristicamentc ingleses e anglicizantes" (p. 302), mas também
que foi a sua capacidade de "combinar u m ceticismo metafísico
mitigado com uma ausência de ceticismo nos assuntos morais"
(p. 311), que o levou, na sua tarefa de justificação filosófica das
concepções escocesas da teologia, a "substituir os recursos do
aristotelismo escolástico, no qual tinha sido inicialmente educa-
do, pelos recursos oferecidos por Shaftesbury e pelo caminho
das idéias" (p. 347), tornando-se, assim, "o campeão filosófico
de uma cultura essencialmente não-filosófica" (p. 348).
Depois de ter analisado três grandes tradições de pesquisa,
Maclntyre dedica u m capítulo ao Liberalismo transformado e m
tradição (cap. 17). Posto que uma tradição de pesquisa não é só
u m m o v i m e n t o coerente de f>ensamento, mas " u m m o v i m e n t o ,
ao longo d o qual seus adeptos tornam-se conscientes dele e de
sua direção e, de m o d o autoconsciente, tentam participar de
seus debates e dar prosseguimento às suas pesquisas" (p. 351),
o Liberalismo pode ser considerado como tradição, apesar de
ter inscrito na sua certidão de nascimento o projeto de libertar
os homens da tirania da tradição. É da maior importância ter
presentes duas coisas: primeiro, que o projeto liberal "de fundar
u m tipo de o r d e m social, no qual os indivíduos possam eman-
cipar-se da contingência e da particularidade da tradição, atra-
vés d o recurso a normas genuinamente universais e indepen-
dentes da tradição, não foi e não é apenas, nem principalmente,
u m projeto de filósofos" (p. 361), mas da sociedade liberal mo-
derna e individualista; segundo, que a própria história d o Libe-
ralismo mostra que a sua continuidade é parcialmente definida
pela interminabilidade d o debate sobre aqueles princípios e
normas universais, de m o d o que aquilo que para o Liberalismo
nascente "era u m grave erro a ser remediado o mais rápido
possível, tornou-se, pelos menos aos olhos de alguns liberais,
u m tipo de v i r t u d e " (p. 361). É inegável que o Liberalismo tem
uma concepção d o b e m e d o que antigamente chamava-se vir-
tude. A sua novidade está em que o b e m passou a ser concebido
exclusivamente em termos de preferências pessoais expressas
em primeira pessoa, como formulações de uma razão para a
ação e, portanto, como premissas para o raciocínio prático. Ora,
essa transformação ocorre d e v i d o a u m a reestruturação do pen-
samento e da ação, "de u m m o d o harmônico com os procedi-
mentos dos domínios públicos d o mercado e da política i n d i v i -
dualista liberal" (p. 364). Maclntyre, contudo, não afirma que os
procedimentos do domínio público tenham sido a causa e a
psicologia do indivíduo liberal o efeito. O que ele propõe "é que
406 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
u m exigiu o outro e que, ao se u n i r e m , definiram u m n o v o
artefato social e cultural, 'o indivíduo'", de m o d o que, ao con-
trário de todas as outras tradições analisadas, " n o raciocínio
prático da modernidade liberal é o indivíduo enquanto indiví-
d u o que raciocina" (p. 365). Intimamente ligada a essa concep-
ção d o raciocínio prático está a concepção liberal da o r d e m jus-
ta, o u seja, "o supremo bem d o Liberalismo é a manutenção
continuada da o r d e m social e política liberal, nada mais, nada
menos" (p. 370). A astúcia d o Liberalismo consiste em que, ten-
d o uma teoria do bem h u m a n o , ele só pode oferecer argumen-
tos decisivos em favor da sua concepção de bem "através d o
recurso a premissas que coletivamente já pressupõem essa teo-
ria", de m o d o que, "a inconclusividade dos debates no Libera-
lismo, quanto aos princípios fundamentais da justiça liberal (ver
After Virtue, cap. 17), reforça a visão de que a teoria liberal é
melhor compreendida, não como tentativa de encontrar u m a
racionalidade independente da tradição, mas como a articula-
ção de u m conjunto historicamente desenvolvido de instituições
e formas de atividade, isto é, como a voz de uma tradição" (p.
371). Ora, o problema que se apresenta aqui é de saber se estamos
obrigados a tragar o Liberalismo como a última, a mais elevada
e, segundo as suas pretensões, a única forma de conceber o b e m
h u m a n o e, portanto, a justiça e a racionalidade prática. Esse
problema começa a ser afrontado por Maclntyre no capítulo 18,
sobre a racionalidade das tradições.
E m poucas palavras, o problema consiste em saber se há crité-
rios para que uma tradição reivindique a superioridade sobre
outra. A o que parece, a partir dos debates e conflitos de tradi-
ções socialmente encarnadas e historicamente contingentes, não
há n e n h u m critério para decidir entre concepções rivais da jus-
tiça e da racionalidade prática, porque "não há nenhuma base,
n e n h u m lugar para a pesquisa, n e n h u m m o d o de se avançar,
avaliar, aceitar e rejeitar argumentações raciocinadas que não
seja fornecido por uma ou outra tradição particular" (p. 376). As
duas principais posições contemporâneas a respeito desse pro-
blema procedem da objeção relativista, que se baseia "na nega-
ção de que o debate racional entre tradições adversárias, assim
como a escolha racional entre elas, seja possível", e da objeção
perspectivista, que "questiona a possibilidade de se reivindicar
a verdade a partir de qualquer tradição" (p. 378). É preciso
observar que a base para uma possível resposta ao relativismo
e ao perspectivismo não deve ser buscada n u m a teoria da
racionalidade, tal como explicitamente articulada e proposta
numa ou mais das tradições expostas por Maclntyre, "mas n u m a
teoria expressa nas suas práticas de pesquisa e por elas pressupos-
ta" (p. 380), mesmo que nunca completamente desenvolvida.
Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58. 1992  407
A racionalidade d e u m a pesquisa é constituída p o r u m a tradi-
ção, mas também é constitutiva dela, dado q u e ela é, essencial-
mente, " u m a questão d o tipo de progresso que ela faz, através
de vários estágios b e m definidos". Ora, "toda forma de pesqui-
sa começa a partir de u m a condição de pura contingência his-
tórica, de crenças, instituições e práticas de u m a comunidade
particular que constituem u m d a d o " (p. 380). Analisando os
diferentes estágios n o d e s e n v o l v i m e n t o d e u m a tradição,
Maclntyre mostra que a racionalidade de qualquer tradição é,
inevitavelmente, anticartesiana, uma vez que começa sempre da
contingência e da positividade d e u m conjunto estabelecido de
crenças. Porém, aquilo que nessa tradição assume o caráter de
primeiros princípios metafísicos e práticos, deve, para tanto,
passar pelo processo histórico de justificação dialética, tal como
ocorreu, p o r exemplo, com Aristóteles o u na síntese de Sto. To-
más ao superar o conflito de tradições. Portanto, o tipo de jus-
tificação racional que os primeiros princípios recebem é, ao mes-
m o tempo, dialético e histórico: "Eles são justificados à medida
que, na história dessa tradição, eles se mostraram superiores
aos seus predecessores históricos, sobrevivendo ao processo de
questionamento dialético" (p. 387). Além de anticartesiana, na-
quilo de onde surge, a pesquisa constituída e constitutiva da
tradição é anti-hegeliana naquilo para onde se move. C o m efei-
to, embora na racionalidade da pesquisa esteja implícita u m a
concepção da verdade final, "ninguém, em n e n h u m estágio, pode
excluir a possibilidade futura de que suas crenças e julgamentos
presentes possam ser mostrados como sendo inadequados de
vários m o d o s " (p. 387).
A resposta à questão da superioridade de u m a tradição de
pesquisa é sugerida p o r M a c l n t y r e pela capacidade que u m a
tradição t e m d e superar a q u i l o q u e ele chama d e "crise
e p i s t e m o l ó g i c a " ( V e r : " E p i s t e m o l o g i c a l C r i s i s , D r a m a t i c
Narrative a n d the Philosophy of Science", The Monisf, 69, 4,
1977), caracterizada pela dissolução de certezas historicamente
fundadas, que exige a invenção o u descoberta de novos concei-
tos, e a estruturação de novos tipos de teoria q u e respondam a
três exigências. A primeira é que o novo esquema conceituai
f o r n e ç a " u m a s o l u ç ã o aos p r o b l e m a s q u e se r e v e l a r a m
intratáveis, anteriormente, de m o d o sistemático e coerente"; a
segunda, que ele forneça " u m a explicação justamente daquilo
que tornava a tradição estéril o u incoerente, o u ambos, antes
que ela adquirisse esses novos recursos"; e a terceira, que essas
duas tarefas sejam realizadas " d e m o d o a apresentar a continui-
dade fundamental das novas estruturas conceituais e teóricas
com relação às crenças comuns, e m cujos termos a tradição de
pesquisa tinha se definido até então" (p. 389). Passar p o r u m a
|4Q8 1 Síntese Nova Fase. v. 19. n. 58. 1992
crise epistemológica pode significar, para u m a tradição, não só
o reconhecimento de que outra tradição é capaz de lhe fornecer
os novos esquemas conceituais necessários para sobreviver como
tradição, mas também que u m a tradição pode ser racionalmen-
te desacreditada pelos seus próprios padrões de racionalidade.
Ora, é exatamente isso que a objeção relativista não consegue
perceber. Baseada no argumento de que toda tradição tem i n -
ternamente a ela seus próprios padrões de justificação racional
e que, por isso, nenhuma tradição pode pretender superiorida-
de racional com relação às rivais, a objeção relativista não vê
que "se isso fosse verdade, não poderia haver nenhuma boa
razão para se aderir ao ponto de vista de uma tradição qual-
quer, e não a o u t r o " (p. 393). Ademais, o relativista não vê que
para formular a sua objeção, ele deve o u pertencer a uma das
tradições rivais, ou estar fora de qualquer tradição de pesquisa.
A primeira alternativa, evidentemente, nega a possibilidade d o
relativismo; quanto à segunda, "estar fora de todas as tradições
significa ser estranho à pesquisa; significa estar n u m estado de
destituição moral e intelectual, uma condição a partir da qual é
impossível formular a objeção relativista" (p. 394). Quanto ao
perspectivismo, o seu fracasso é complementar ao do relativismo,
pois ele "é uma doutrina que só é possível para aqueles que se
consideram de fora, descompromissados, ou melhor, atores que
encarnam uma série sucessiva de papéis temporários" (p. 395).
Em última análise, o relativismo e o perspectivismo não con-
cluem sobre a verdade, mas sobre a exclusão dela e, assim, d o
debate racional. Nietzsche não é o único patrono d o pers-
pectivismo e d o r e l a t i v i s m o m o d e r n o s . Q u a n d o D u r k h e i m
mostrou, no final d o século XIX, "como o colapso das formas
tradicionais de relação social aumentou a incidência de ammia"
(p. 395), ele deu uma chave de leitura para a procedência de
ambos. Porém, o que é dramático na nossa situação é que aquilo
que D u r k h e i m "considerava uma patologia social é, agora, apre-
sentado vestindo as máscaras da pretensão filosófica" (p. 396).
O capítulo 19, sobre tradição e tradução, pode dar a impressão
de levantar u m problema já exaustivamente solucionado pelas
ciências da linguagem e da interpretação. Na realidade, o que
Maclntyre pretende aqui é preparar o assentamento da pedra
angular, responsável f>ela coerência de todo o edifício da sua
pesquisa, no capítulo final sobre a racionalidade das tradições.
O problema é o da tradutibilidade de uma tradição em outra. O
que está i m p l i c a d o aí não é só u m problema lingüístico, mas
todo o problema das tradições, dado que "os Hmites de u m a
língua são as fronteiras de uma comunidade lingüística que é
também uma comunidade social" (p. 400), e dado também que
"aprender uma língua e adquirir a compreensão cultural não
Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992  409
são duas atividades independentes" (p. 401). C o m o traduzir "da
língua de u m a comunidade, cuja língua-em-uso expressa e pres-
supõe u m sistema particular de crenças bem-definidas, para uma
língua diferente de u m a outra comunidade, com crenças que,
em algumas áreas fundamentais, são fortemente incompatíveis
c o m as da primeira comunidade"? Além disso, como traduzir
de uma língua-em-uso n u m a comunidade "para uma das lín-
guas internacionalizadas da modernidade"? (p. 407)
O problema da tradutibilidade foi resolvido em pelo menos u m a
das tradições analisadas nesse l i v r o , não só pela inovação
c o n c e i t u a i , mas pela sua c a p a c i d a d e de s u p e r a r a crise
epistemológica e m que se encontrou diante de u m conflito de
tradições. Esse mesmo problema, pelo que parece, não pode ser
resolvido pela tradição liberal da modernidade, antes de t u d o
pela sua recusa de toda tradição, mas também porque uma das
crenças definidoras da cultura da modernidade é a "crença na
sua habilidade de compreender t u d o sobre a cultura e a história
humanas, independente de quão estranho lhes possa ser" (p.
413). Assim, "o tipo de tradução característico da modernidade
gera, por sua vez, seu próprio engano com relação à tradição"
(p. 413). N a realidade, a modernidade recusa o pensamento de
que "possa haver modos tradicionais de vida social, cultural e
intelectual que sejam inacessíveis a ela e aos seus tradutores"
(p. 414). O ponto-cego d o Liberahsmo está, justamente, em não
aceitar a possibilidade de que em certas áreas, outras tradições
possam ser racionalmente superiores a ele, justamente naquilo
que, nessas tradições, ele não pode compreender. " A existência
de amplas possibilidades de intradutibilidade e, portanto, de
ameaças potenciais à hegemonia cultural, lingüística, social e
racional de u m a tradição, seja em geral o u n u m a área particu-
lar, é mais d o que u m a ameaça, e diferente de uma ameaça.
Apenas aqueles cuja tradição concede a possibilidade de que
sua hegemonia possa ser posta em questão p o d e m ter a garan-
tia racional para afirmar essa mesma hegemonia. E apenas as
t r a d i ç õ e s cujos a d e p t o s r e c o n h e c e m a p o s s i b i l i d a d e d e
intradutibilidade na sua própria língua-em-uso p o d e m lidar ade-
quadamente com essa possibilidade" (p. 416). Tais adeptos não
são, certamente, os "cidadãos de lugar n e n h u m " (p. 416) da
modernidade.
Para concluir, recordemos a citação de M a c l n t y r e que fiz no
início desta exposição: " U m livro que termina concluindo que o
que podemos aprender de sua argumentação é onde e como
começar pode parecer não ter alcançado m u i t o " (p. 430). Che-
gando ao último capítulo, sobre justiças e racionalidades contes-
tadas (cap. 20), pode-se ter a impressão de que a tese da i n -
410 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
tradutibilidade autoriza, de certo m o d o , a objeção relativista
anteriormente refutada. Não é verdade o u , pelo menos, não
parece ser isso que M a c l n t y r e realmente quis dizer. A pesquisa
pretendeu chegar a uma concepção verdadeira da justiça e da
racionalidade prática. O que ela revelou foi que as concepções
da justiça e da racionalidade prática apresentam-se como aspec-
tos intimamente relacionados de visões gerais da vida humana
e de seu lugar na natureza. "Tais visões, à medida que reivin-
dicam nossa adesão racional, expressam tradições de pesquisa
racional que são, ao mesmo tempo, tradições expressas em tipos
particulares de relações sociais" (p. 417). A s s i m , "as teorias da
justiça e da racionalidade prática nos apresentam aspectos das
tradições, cuja adesão exige a vivência de u m a forma mais o u
menos sistematicamente incorporada de vida humana, cada u m a
com seus modos específicos de relação social, seus cânones de
interpretação e explicação d o comportamento dos outros, suas
próprias práticas avaliativas" (p. 419).
Isso significa que, hoje em dia, só se pode ser m o d e r n o e m
sentido liberal? Certamente não. As tradições de pesquisa ana-
lisadas nesse Hvro sobrevivem, de a l g u m m o d o , na modernidade.
O Liberalismo, tal como foi apresentado por Maclntyre, carac-
teriza-se pela sua incapacidade de pôr-se em questão. Ora, opon-
do-se ao L i b e r a l i s m o , na t e n t a t i v a de c o n s t r u i r u m f o r o
institucional n o q u a l os termos d o debate sobre justiça e
racionalidade prática não tenham de antemão determinado o
seu resultado, Maclntyre pretende pôr o Liberalismo e m ques-
tão. Por isso ele dirige o seu livro àqueles que, não tendo ainda
aderido a nenhuma tradição coerente de pesquisa, são assedia- .
dos por "disputas sobre o que é justo e sobre como é razoável
agir, tanto no nível de questões imediatas particulares — I...] —
como no nível no qual concepções sistemáticas rivais, informa-
das pela tradição, estão em disputa" {p. 421).
A primeira coisa que o destinatário d o livro de M a c l n t y r e pode
aprender com ele é "como testar diaíeticamente as teses que lhe
forem propostas por cada tradição e, ao mesmo tempo, utilizar
essas mesmas teses para testar diaíeticamente as convicções e
reações que ele próprio trouxe para o encontro" (p. 426). Envol-
vendo-se no diálogo entre as tradições, aprendendo as línguas
delas, ele poderá também "transformar suas próprias incoerên-
cias iniciais em vantagens argumentativas, exigindo de cada
tradição que ela lhe forneça uma visão de como essas incoerên-
cias p o d e m ser melhor caracterizadas, explicadas e superadas"
(p. 426). Last, nof least, ele poderá fazer com que u m a tradição
de pesquisa forneça-lhe u m tipo de autoconhecimento que ele
ainda não possuía, proporcionando-lhe " u m a consciência d o
Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 1 411 j
caráter específico da sua própria incoerência e, ainda, explican-
do o caráter particular dessa incoerência através de seu esquema
metafísico, moral e político de classificação e explicação" (p. 426).
São as universidades liberais modernas os foros adequados para
o diálogo entre as tradições? Segundo M a c l n t y r e , não. A con-
cepção de competência acadêmica independente de qualquer
ponto de vista; a pretensão da possibilidade de u m a língua
c o m u m o u da tradutibilidade de qualquer língua e m qualquer
outra; a ficção de padrões universais de racionalidade e a pres-
suposição da irrelevância da história dos indivíduos para as
suas posições como participantes de u m debate fizeram das
universidades "instituições comprometidas e m sustentar u m a
objetividade fictícia" (p. 428). Isso implica que "a racionalidade
específica das tradições de pesquisa só pode se restabelecer o
suficiente para questionar, efetivamente, a hegemonia cultural e
política d o Liberalismo, evitando ou subvertendo os modos l i -
berais de debate" (p. 429).
As tradições analisadas p o r M a c l n t y r e p o d e m ter suas narrati-
vas continuadas de muitas maneiras. T u d o dependerá da res-
posta que cada u m assumir para as perguntas que dão título ao
livro: justiça de quem? Qual racionalidade? A resposta de Maclntyre
é inequívoca; a tradição aristotélica t e m recursos para a sua
própria expansão, correção e defesa, de m o d o que ele julga poder
concluir legitimamente que, " e m p r i m e i r o lugar, aqueles que
desenvolveram suas reflexões através dos tópicos da justiça e
da racionalidade prática, a partir d o ponto de vista construído
por Aristóteles, e na direção apontada, primeiro por Aristóteles,
depois por Sto. Tomás, têm toda razão, pelo menos até agora,
para sustentar que a racionalidade da sua tradição foi confirma-
da nos seus encontros com outras tradições e, em segundo l u -
gar, que a tarefa de caracterizar e explicar as realizações e su-
cessos, assim como as frustrações e fracassos, da tradição tomista
nos termos oferecidos por tradições rivais de pesquisa |X>de,
mesmo d o ponto de vista dos adeptos dessas tradições, ser u m a
tarefa mais difícil d o que às vezes se supõe" (p. 431).
Estamos condenados à inconclusividade no debate entre as tra-
dições? A l g u m a s iniciativas honestas de discussão dos proble-
mas da m o d e r n i d a d e e d o Liberalismo parecem querer dizer
que não. C o n t u d o , não nos esqueçamos de que e m filosofia,
saber começar, como dizia Descartes, é a mais difícil de todas as
tarefas.
Endereço do autor:
Av. Cristiano Guimarães, 2127
31720-300 — Belo Horizonte — MG
412 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação de adultos políticas e práticas numero2 completo
Formação de adultos políticas e práticas numero2 completoFormação de adultos políticas e práticas numero2 completo
Formação de adultos políticas e práticas numero2 completo
Bélita Paiva
 
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo cópia
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo   cópiaAnderson, perry. a crise da crise do marxismo   cópia
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo cópia
TAmires Iwanczuk
 
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Lívia Willborn
 
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills PatrickSexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
Jaimir Conte
 
Elementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moralElementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moral
Himanshu Rana
 
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
Himanshu Rana
 
Rachel, James - Elementos de Filosofia Moral
Rachel, James - Elementos de Filosofia MoralRachel, James - Elementos de Filosofia Moral
Rachel, James - Elementos de Filosofia Moral
luvico
 
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Caio Grimberg
 
Carl sagan o cérebro de broca
Carl sagan   o cérebro de brocaCarl sagan   o cérebro de broca
Carl sagan o cérebro de broca
Ariovaldo Cunha
 
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmente
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmenteMuchail, salma tannus. foucault, simplesmente
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmente
Dany Pereira
 

Mais procurados (19)

Formação de adultos políticas e práticas numero2 completo
Formação de adultos políticas e práticas numero2 completoFormação de adultos políticas e práticas numero2 completo
Formação de adultos políticas e práticas numero2 completo
 
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo cópia
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo   cópiaAnderson, perry. a crise da crise do marxismo   cópia
Anderson, perry. a crise da crise do marxismo cópia
 
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (boaventura de sou...
 
Perry anderson A crise do marxismo
Perry anderson    A crise do marxismoPerry anderson    A crise do marxismo
Perry anderson A crise do marxismo
 
e-book "História e Apocalíptica" de Vicente Dobroruka
e-book "História e Apocalíptica" de Vicente Dobrorukae-book "História e Apocalíptica" de Vicente Dobroruka
e-book "História e Apocalíptica" de Vicente Dobroruka
 
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills PatrickSexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
Sexto Empírico e o ceticismo grego, de Mary Mills Patrick
 
Elementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moralElementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moral
 
A invenção da cultura trecho
A invenção da cultura   trechoA invenção da cultura   trecho
A invenção da cultura trecho
 
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
167713093 james-rachels-elementos-de-filosofia-moral-pdf
 
REFLEXÕES SOBRE A OBRA DO ESPÍRITO GEOMÉTRICO DE BLAISE PASCAL: caminhos de r...
REFLEXÕES SOBRE A OBRA DO ESPÍRITO GEOMÉTRICO DE BLAISE PASCAL: caminhos de r...REFLEXÕES SOBRE A OBRA DO ESPÍRITO GEOMÉTRICO DE BLAISE PASCAL: caminhos de r...
REFLEXÕES SOBRE A OBRA DO ESPÍRITO GEOMÉTRICO DE BLAISE PASCAL: caminhos de r...
 
fala do falador
fala do falador fala do falador
fala do falador
 
Rachel, James - Elementos de Filosofia Moral
Rachel, James - Elementos de Filosofia MoralRachel, James - Elementos de Filosofia Moral
Rachel, James - Elementos de Filosofia Moral
 
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
 
Carl sagan o cérebro de broca
Carl sagan   o cérebro de brocaCarl sagan   o cérebro de broca
Carl sagan o cérebro de broca
 
Reale, giovanni 3
Reale, giovanni 3Reale, giovanni 3
Reale, giovanni 3
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 
Boaventura
BoaventuraBoaventura
Boaventura
 
Reale, miguel experiência e cultura
Reale, miguel   experiência e culturaReale, miguel   experiência e cultura
Reale, miguel experiência e cultura
 
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmente
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmenteMuchail, salma tannus. foucault, simplesmente
Muchail, salma tannus. foucault, simplesmente
 

Destaque (7)

Tema 6 administ. prerrogativas
Tema 6 administ. prerrogativasTema 6 administ. prerrogativas
Tema 6 administ. prerrogativas
 
TEMA IV. Principio de legalidad y discrecionalidad administrativa tiv
TEMA IV. Principio de legalidad y discrecionalidad administrativa tivTEMA IV. Principio de legalidad y discrecionalidad administrativa tiv
TEMA IV. Principio de legalidad y discrecionalidad administrativa tiv
 
Potestad administrativa
Potestad administrativaPotestad administrativa
Potestad administrativa
 
De ruiz n
De ruiz nDe ruiz n
De ruiz n
 
UNIDAD III. DERECHO ADMINISTRATIVO
UNIDAD III. DERECHO ADMINISTRATIVOUNIDAD III. DERECHO ADMINISTRATIVO
UNIDAD III. DERECHO ADMINISTRATIVO
 
Derecho administrativo 2013
Derecho administrativo 2013Derecho administrativo 2013
Derecho administrativo 2013
 
DERECHO ADMINISTRATIVO
DERECHO ADMINISTRATIVODERECHO ADMINISTRATIVO
DERECHO ADMINISTRATIVO
 

Semelhante a 1533 5609-2-pb

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdfCLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
VIEIRA RESENDE
 
Clastres arqueologia violencia
Clastres arqueologia violenciaClastres arqueologia violencia
Clastres arqueologia violencia
textosantropologia
 
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdfLallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
CarinaSilva626903
 
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdfCritica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
VIEIRA RESENDE
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
BlackBlocRJ
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
Jaimir Conte
 
Reflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicusReflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicus
celemggjunior
 
As aporias do livro b da metafísica de aristóteles
As aporias do livro b da metafísica de aristótelesAs aporias do livro b da metafísica de aristóteles
As aporias do livro b da metafísica de aristóteles
LeoCavatti
 
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
Marta Caregnato
 
Para ler michel foucault crisoston terto livro
Para ler michel foucault      crisoston  terto  livroPara ler michel foucault      crisoston  terto  livro
Para ler michel foucault crisoston terto livro
Marcos Silvabh
 

Semelhante a 1533 5609-2-pb (20)

Bourdieu
BourdieuBourdieu
Bourdieu
 
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdfCLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
 
Clastres arqueologia violencia
Clastres arqueologia violenciaClastres arqueologia violencia
Clastres arqueologia violencia
 
O circulo-de-viena-e-o-empirismo-logico
O circulo-de-viena-e-o-empirismo-logicoO circulo-de-viena-e-o-empirismo-logico
O circulo-de-viena-e-o-empirismo-logico
 
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdfLallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
Lallement, Michel - Historia das Ideias Sociologicas v1.pdf
 
Teoria literária culler
Teoria literária cullerTeoria literária culler
Teoria literária culler
 
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdfCritica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
Critica e Profecia - Luiz Felipe Ponde.pdf
 
Coscarelli introducao logicamodal
 Coscarelli introducao logicamodal Coscarelli introducao logicamodal
Coscarelli introducao logicamodal
 
Lukács, györgy conversando com lukács
Lukács, györgy   conversando com lukácsLukács, györgy   conversando com lukács
Lukács, györgy conversando com lukács
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
 
Reflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicusReflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicus
 
Reflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicusReflexoes sobre homo_sociologicus
Reflexoes sobre homo_sociologicus
 
Filosofia em Tempos Difíceis
Filosofia em Tempos DifíceisFilosofia em Tempos Difíceis
Filosofia em Tempos Difíceis
 
As aporias do livro b da metafísica de aristóteles
As aporias do livro b da metafísica de aristótelesAs aporias do livro b da metafísica de aristóteles
As aporias do livro b da metafísica de aristóteles
 
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
Reale, Giovanni (em 7 volumes) V.1
 
Para ler michel foucault crisoston terto livro
Para ler michel foucault      crisoston  terto  livroPara ler michel foucault      crisoston  terto  livro
Para ler michel foucault crisoston terto livro
 
3. do humanismo à descartes
3. do humanismo à descartes3. do humanismo à descartes
3. do humanismo à descartes
 
Filosofia e fé cristã - trecho
Filosofia e fé cristã - trechoFilosofia e fé cristã - trecho
Filosofia e fé cristã - trecho
 
Tradução da Introdução: Main Currents of Marxism de kolakowski
Tradução da Introdução: Main Currents of Marxism de kolakowskiTradução da Introdução: Main Currents of Marxism de kolakowski
Tradução da Introdução: Main Currents of Marxism de kolakowski
 

Mais de grazi87

7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
grazi87
 
Trabalho r saraiva
Trabalho   r saraivaTrabalho   r saraiva
Trabalho r saraiva
grazi87
 
R saraiva trabalho (2013)
R saraiva   trabalho (2013)R saraiva   trabalho (2013)
R saraiva trabalho (2013)
grazi87
 
Relatorio tcu 031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
Relatorio tcu   031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - anRelatorio tcu   031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
Relatorio tcu 031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
grazi87
 
Apresentação tac anatel
Apresentação tac anatelApresentação tac anatel
Apresentação tac anatel
grazi87
 
Analise 23 2015
Analise 23 2015Analise 23 2015
Analise 23 2015
grazi87
 

Mais de grazi87 (20)

Lora 6
Lora 6Lora 6
Lora 6
 
Lora 5
Lora 5Lora 5
Lora 5
 
Lora 4
Lora 4Lora 4
Lora 4
 
Lora 3
Lora 3Lora 3
Lora 3
 
Lora 2
Lora 2Lora 2
Lora 2
 
Lora 1
Lora 1Lora 1
Lora 1
 
2500 questões
2500 questões2500 questões
2500 questões
 
7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
7 3-2013--18h19min17s-apresentação tac
 
Trabalho r saraiva
Trabalho   r saraivaTrabalho   r saraiva
Trabalho r saraiva
 
R saraiva trabalho (2013)
R saraiva   trabalho (2013)R saraiva   trabalho (2013)
R saraiva trabalho (2013)
 
Relatorio tcu 031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
Relatorio tcu   031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - anRelatorio tcu   031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
Relatorio tcu 031.996-2013-2 agências reguladoras - antt - antaq - an
 
Limites tac
Limites tacLimites tac
Limites tac
 
Aspectosacp
AspectosacpAspectosacp
Aspectosacp
 
Apresentação tac anatel
Apresentação tac anatelApresentação tac anatel
Apresentação tac anatel
 
Analise 23 2015
Analise 23 2015Analise 23 2015
Analise 23 2015
 
Acordao tac
Acordao tacAcordao tac
Acordao tac
 
321327
321327321327
321327
 
03 1320
03 132003 1320
03 1320
 
Tac3
Tac3Tac3
Tac3
 
Tac
TacTac
Tac
 

1533 5609-2-pb

  • 1. n o t a bibliográfica SÍNTESE NOVA FASE V. 19 N. 58 (1992):391-412. VIRTUDE, JUSTIÇA, RACIONALIDADE. A PROPÓSITO DE ALASDAIR MACINTYRE Marcelo Perine Fac. Filosofia CES — SJ (BH) A lasdair Maclntyre (1929-) não é, certamente, o que se poderia chamar u m filósofo da moda. Praticamente ausente na reflexão dos que acreditam ser o u se fazem considerar como os mais ilustres representantes da nossa filoso- . ^ fia acadêmica, ele p r o v o c o u uma verdadeira avalanche nos ambientes acadêmicos de língua inglesa em 1981, com a publi- cação de After Virtue. A Study in Moral Theory (2* edição em 1985) e despertou, logo em seguida, a atenção da filosofia con- tinental, onde tem sido cada vez mais estudado, discutido e traduzido. T o m e i u m primeiro contato com a obra de Maclntyre e m 1987, na Espanha, ano em que foi publicada a tradução de After Virtue (Tras Ia virtud, trad. de Amélia Valcárcel, Editorial Crítica, Bar- celona). E m 1988, estando na Inglaterra para o Congresso M u n - dial de Filosofia, encontrei Whose Justice? Wliich Rationality?, que acabava de ser lançado. Trouxe-o comigo e apresentei-o ao Pe. Vaz, o qual, tendo-o lido, propôs que se o traduzisse para a Coleção Filosofia. O esforço ingente e a competência d o Prof. Marcelo Pimenta Marques ( U F M G ) p r o d u z i r a m uma tradução de boa qualidade, e o livro foi apresentado ao público no encer- Slntese Nova Fase. u. 19, n. 58, 1992 391
  • 2. ramento da Semana Filosófica organizada em agosto de 1991 pela Faculdade de Filosofia da Companhia de Jesus. A edição do texto contém alguns pequenos defeitos que escaparam à revi- são, mas que, felizmente, não prejudicam a compreensão da obra. Não pretendo fazer aqui u m resumo desta obra que, no dizer d o autor, parece não ter alcançado muito, pois "termina con- cluindo que o que podemos aprender de sua argumentação é onde e como começar". Entretanto, evocando u m dos acertos de Descartes, o autor também afirma que " e m filosofia, saber como começar é a mais difícil de todas as tarefas" (p. 430). A s teses fundamentais de justiça de quem? Qual racionalidade? dão conti- nuidade às teses de After Virtue, e são aprofundadas e nova- mente discutidas na mais recente obra d o autor: Three Rival Versions of Moral Enquiry: Encyclopaedia, Genealogy, and Tradition: being Cifford Lectures delivered in lhe University of Edinburgh in 1988 ( L o n d o n , D u c k w o r t h , 1990, 241 pp.). Pretendo simples- mente chamar a atenção para algumas dessas teses, em vista de despertar entre nós o interesse por uma grande obra e, com isso, talvez alcançar u m dos objetivos a que ela se propõe, o u seja, provocar o diálogo entre as tradições vivas d o nosso tem- po, mesmo que, dada a situação de desordem geral em que se encontra a linguagem m o r a l nos nossos meios acadêmicos — e essa é u m a das teses de Maclntyre —, o máximo que se pode esperar desse diálogo, como ele diz na Introdução d o seu últi- m o livro, "é tornar nossos desacordos mais construtivos" {Three Rival Versions..., p. 8). Antes, porém, de percorrer as principais teses de justiça de quem? Qual racionalidade?, vejamos em gran- des linhas o conteúdo de After Virtue. Uma inquietante sugestão: buscar a virtude After Virtue é u m livro deliberada mente provocador e p r o f u n - damente tradicional. U m leitor apressado e relativamente su- perficial poderia tentar resumi-lo com o lema já tantas vezes lançado na história da filosofia: "Voltemos a Aristóteles"! Fazer isso, contudo, seria pulverizar de início u m a das mais sérias tentativas atuais de exercer aquele procedimento filosófico típi- co das grandes filosofias, chamado p o r H e g e l de repensar {Nachdenken), que consiste em pensar e refletir sobre o que o u - tros pensaram e disseram antes de nós, para constituir aquilo que, depois de Hegel, podemos chamar de história filosófica da filosofia, na qual comparecem algumas obras de doxografia e nenhuma de filosofia miúda, porque ela é escrita pelas obras I 392 I Sinteíte Nova Fase. v. 19, n. 58, 1992
  • 3. que efetivamente exerceram influência sobre o próprio tempo, ainda que na condição de anão sobre os ombros de a l g u m g i - gante. É preciso ler o final d o capítulo 18 ( " A f t e r V i r t u e : Nietzsche or Aristotle, Trotsky and St. Benedict"), para dar-se conta de que o autor não propõe nenhuma volta simplista a Aristóteles como solução d o tipo deus ex machina para a inquie- tante situação da pesquisa m o r a l em nosso tempo: "E se a tra- dição das virtudes foi capaz de sobreviver aos horrores das passadas épocas obscuras, nós não estamos totalmente privados de fundamento para a esperança. N o presente, contudo, os bárbaros não estão esperando d o outro lado das fronteiras, eles já estão governando-nos há a l g u m tempo. E é a nossa falta de consciência disso que constitui parte da nossa desagradável si- tuação. Não estamos esperando u m Godot, mas outro — sem dúvida m u i t o diferente — São Bento" (p. 263). After Virtue quer, fundamentalmente, dizer que a "inquietante sugestão" d o primeiro capítulo ( " A Disquieting Suggestion"), se é v e r d a d e i r a m e n t e i n q u i e t a n t e , não é d e f i n i t i v a m e n t e desesperadora. Que sugestão é essa? O livro começa com uma parábola sobre uma revolta geral contra os efeitos catastróficos das ciências naturais, que culminaria c o m a tomada do poder pelo m o v i m e n t o político "Nenhum-Saber". Os cientistas teriam sido mortos; os textos, bibliotecas, laboratórios queimados; as escolas e universidades abolidas. Posteriormente produzir-se-ia uma reação e as pessoas cultas tentariam ressuscitar a ciência, embora já tivessem esquecido grande parte do que ela foi. A partir de fragmentos de teorias, textos, construir-se-iam práticas que receberiam o nome das antigas ciências: química, física, biologia, etc. Haveria, naturalmente, discussões sobre as dife- rentes teorias, embora todos possuíssem u m conhecimento m u i t o parcial de cada u m a delas. Evidentemente quase ninguém com- preenderia que o que fazem não é ciência, mas simples adapta- ção a certos cânones de consistência e coerência, uma vez que se perderam irremediavelmente os contextos necessários para dar sentido a essa atividade. Os homens usariam expressões como " n e u t r i n o " , "gravidade", "peso atômico" de m o d o siste- mático e fariam ilações mais ou menos similares às que se fa- z i a m antes da perda do patrimônio científico. Porém, muitas das crenças implícitas no uso dessas expressões estariam perdi- das, e revelar-se-ia u m elemento de arbitrariedade e também de opção. A b u n d a r i a m as premissas contrastantes e excludentes, apareceriam teorias subjetivistas da ciência e seriam criticadas por aqueles que sustentassem que a noção de verdade, incorpo- rada n o que d i z e m ser ciência, seria incompatível c o m o subjetivismo. O objetivo da parábola é ilustrar u m a hipótese sobre a nossa situação: no m u n d o e m que vivemos, a linguagem Síntese Nova Fase. v. 19, n. 58, 1992 393 |
  • 4. da moral está no mesmo grave estado de desordem que a das ciências naturais no m u n d o da parábola. Possuímos fragmentos de u m esquema conceituai, partes às quais agora faltam os con- textos dos quais d e r i v a m seus significados. "Possuímos, com efeito, simulacros de moral, continuamos usando muitas das expressões-chave. Mas perdemos — em grande parte, senão i n - teiramente — nossa compreensão, tanto teórica como prática da m o r a l " (p. 2). As filosofias dominantes d o m u n d o atual — a analítica e a fenomenológica — são incapazes de detectar a desordem no pensamento e na prática moral, como eram tam- bém antes da desordem das ciências no m u n d o da parábola. Porém, isso não nos deixa totalmente desprovidos de recursos. Pode-se recorrer à filosofia da história. Mas aqui também há dificuldades, pois a história acadêmica, que é a história tal como a compreendemos hoje, só existe há dois séculos, e se a catás- trofe tivesse ocorrido antes da sua fundação, os pressupostos morais e outras proposições avaliativas da história acadêmica seriam uma conseqüência das formas de desordem que se pro- d u z i r a m . Dada a pretensão de neutralidade avaliativa da histó- ria acadêmica, a desordem m o r a l ser-lhe-ia invisível. O que é dramático na hipótese é a sugestão de que estamos numa con- dição em que quase ninguém reconhece o u pode reconhecer a verdade que ela afirma. De uma coisa, porém, Maclntyre está convencido: o que resultará da sua pesquisa não será, certamen- te, o pessimismo, essa espécie de " l u x o cultural d o qual é pre- ciso prescindir para sobreviver nesses duros tempos" (p. 5). Os seis primeiros capítulos de After Virtue desenvolvem uma cerrada argumentação que põe às claras a natureza d o desacor- do m o r a l contemporâneo e as pretensões do emotivismo (cap. 2), descobre o seu conteúdo e o seu contexto social (cap. 3), mostra como o projeto iluminista de justificação da m o r a l está em continuidade e ruptura com a cultura que o precedeu (cap. 4) , aponta as razões pelas quais tal projeto devia fracassar (cap. 5) e conclui indicando algumas conseqüências desse fracasso (cap. 6). U m a das teses centrais d o livro já aparece com toda clareza: " O fracasso desse projeto proporciona o pano de f u n d o histórico sobre o qual chegam a ser inteligíveis as dificuldades da nossa c u l t u r a " (p. 39). Ora, dois fatores centrais da expressão moral contemporânea indicam as dificuldades da nossa cultura: por u m lado a multiplicidade e a incomensurabilidade conceituai dos argumentos rivais, por outro, o uso assertivo de princípios últimos para concluir o debate moral, cujo traço mais marcante nos nossos dias é a inconclusividade. Ora, esta é a "verdade" d o emotivismo, pois, se Stevenson tem razão, todo desacordo moral é inconclusivo. A análise de Maclntyre não deixa dúvida: " O emotivismo está incorporado em nossa c u l t u r a " (p. 22), e o não- I 394 I Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992
  • 5. -reconhecimento d o seu poder filosófico, paradoxalmente, " é indício d o seu poder c u l t u r a l " (p. 20). O " e u emotivista", q u e é " o eu especificamente m o d e r n o " (p. 31), f o i forjado no espaço cultural da Europa d o Norte, n o período que vai de 1630 a 1850, no qual u m a das preocupações dominantes foi a de dar à moral u m a justificação racional, libertando-a da tutela teológica e m vista de dar-lhe total autonomia. Nesse a m p l o cenário compa- recem figuras como Kierkegaard, Diderot, H u m e , Smith e Kant. Todos fracassaram e d e v i a m fracassar no seu intento, funda- mentalmente porque todos esses protagonistas compartilhavam u m fundo histórico c o m u m de crenças morais, herdado d o seu passado cristão, porém, p r i v a d o justamente d o contexto no q u a l o esquema moral d o m i n a n t e a partir d o século X I I mostrava-se coerente. O r a , esse esquema era, basicamente, o esquema teleológico da Ética Nicomaquéia de Aristóteles, cujos elementos centrais eram: a concepção de u m a natureza humana e m estado bruto, a concepção dos preceitos de u m a ética racional e a con- cepção de u m a na tu reza-humana-como-poderi a-ser-se-rea lizas- se-o-seu-íc/í)s. Esse esquema fora enriquecido, mas não substan- cialmente alterado, ao ser inserido n u m marco de crenças teístas. O a d v e n t o d o p r o t e s t a n t i s m o ( C a l v i n o ) e d o c a t o l i c i s m o jansenista (Pascal) trouxe u m a nova concepção da razão, a par- tir da qual começou a romper-se o acordo geral sobre esse es- quema: a razão decaída já não podia mais d a r nenhuma c o m - preensão autêntica d o verdadeiro f i m d o h o m e m . N o s protago- nistas d o l l u m i n i s m o conjugaram-se duas recusas f u n d a m e n - tais: a recusa leiga das teologias protestante e jansenista católi- ca, e a recusa científica e filosófica d o aristotelismo. Essa d u p l a recusa acabou p o r eliminar qualquer noção d o homem-segun- do-o-seu-fí'/(JS, p r i v a n d o assim o esquema iluminista d o seu contexto teológico. Os iluministas "herdaram fragmentos incoe- rentes d o que outrora foi u m esquema coerente de pensamento e de ação, e, como não se d a v a m conta da sua peculiar situação histórica e cultural, não p u d e r a m reconhecer o caráter impossí- vel e quixotesco da tarefa a que se o b r i g a v a m " (p. 55). A s con- seqüências da perda da teleologia são evidentes: e m primeiro lugar, a afirmação da impossibilidade d e passar d o "é" ao " d e v e " ; depois, a substituição de u m conceito funcional de h o m e m pelo de indivíduo, anterior e separado de qualquer papel e, last, not least, a mudança radical d o caráter dos conceitos e juízos morais. Porém, o que aqui é descrito como perda, para os protagonistas d o l l u m i n i s m o foi entendido como libertação; o que aqui aparece como a origem da ammia, para eles aparecia como autonomia. A s s i m , a experiência moral contemporânea adquire u m caráter paradoxal. Vemo-nos como agentes morais autônomos, mas submetemo-nos a padrões de relacionamento Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 395
  • 6. manipuladores com os demais: ' T e n t a n d o proteger a autono- mia, cujo preço temos bem presente, aspiramos a não ser m a n i - pulados pelos demais; buscando encarnar nossos princípios e posições no m u n d o prático, não encontramos maneiras de fazê- -lo senão d i r i g i n d o aos demais aqueles m o d o s fortemente manipuladores a que cada u m de nós aspira resistir no próprio caso. A incoerência de nossas atitudes e de nossa experiência brota do incoerente esquema conceituai que herdamos" (p. 68). Os capítulos 7 e 8 são uma espécie de intermezzo sociológico no qual o autor mostra, não só a sua competência, sem dúvida polêmica, neste campo (com efeito, além de professor de filoso- fia na Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, ele é também professor de Sociologia na Universidade de Essex, I n - glaterra), mas também a coerência de u m dos pressupostos d o seu pensamento moral, o u seja, que toda filosofia m o r a l pressu- põe uma sociologia (p. 23). Analisa as noções de "fato", "expli- cação" e "perícia" (cap. 7) para evidenciar, entre outras coisas, que a explicação da burocracia de Weber, apesar dos seus de- feitos, "fornece a chave para grande parte da época m o d e r n a " (p. 86). O cap. 8, sobre o caráter das generalizações da ciência social e sua carência de poder previsivo, é dos mais provocado- res de toda a obra. A ciência social ocupa na nossa época o lugar que outrora f o i da filosofia. Porém, a fragilidade e a vulnerabilidade das previsões da ciência social não são mais d o que sintomas de que "a nossa o r d e m social está literalmente fora d o nosso controle e d o controle de q u e m quer que seja" (pp. 106s.). Na segunda parte d o livro (caps. 9-18), o autor desenvolve sis- tematicamente a sua tese de f u n d o , segundo a qual o fracasso da tentativa iluminista não é senão a conseqüência histórica da rejeição da tradição aristotélica. Começa c o m u m capítulo sobre Nietzsche o u Aristóteles (cap. 9), em vista de completar a des- crição do discurso e da prática especificamente modernos iniciada na primeira parte da obra, u m a vez que "Weber e Nietzsche, juntos, nos proporcionam a chave teórica das articulações da ordem social contemporânea" (pp. 114s.). M e l h o r do que qual- quer o u t r o pensador, Nietzsche percebeu o caráter de disponi- b i l i d a d e a q u a l q u e r t i p o de uso d a l i n g u a g e m m o r a l na modernidade. Essa percepção faz da filosofia moral de Nietzsche " u m a das alternativas teóricas autênticas a que se enfrenta qual- quer u m que pretenda analisar a situação m o r a l de nossa cul- t u r a " (p. 110). O mérito histórico de Nietzsche foi ter compre- endido que o apelo à objetividade, tão característico do projeto iluminista, não era senão u m dos disfarces da vontade subjeti- va. Ele errou ao generalizar para a natureza m o r a l aquilo que I 396 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
  • 7. era o estado d o juízo moral do seu tempo. Mas f o i o acerto e o erro de Nietzsche que fizeram dele "o filósofo moral da era presente" (p. 114). O que resulta da rejeição de Aristóteles e da força da posição de Nietzsche é a seguinte alternativa: "Ou con- tinuamos através das aspirações e d o colapso das diferentes versões d o projeto iluminista até que reste unicamente o diag- nóstico e a problemática de Nietzsche, ou sustentamos que o projeto iluminista não só estava errado, mas, antes de tudo, nunca deveria ter sido e m p r e e n d i d o " (p. 118), e tertium non datur. O caminho escolhido por Maclntyre exige, portanto, que se comece por reescrever a história da virtude. Essa gigantesca tarefa é executada magistralmente nos capítulos seguintes, começando por u m a descrição das virtudes nas socie- dades heróicas (cap. 10) e na Atenas dos séculos V - V l a.C. (cap. 11). É importante notar que as diferenças na interpretação das virtudes, surgidas no interior de u m horizonte c o m u m , estão ligadas às diferentes formas narrativas usadas para captar a vida humana. Essa constatação aponta para u m hipótese que se mostrará i m p o r t a n t e n o d e s e n v o l v i m e n t o da pesquisa de Maclntyre: "Geralmente, adotar uma posição acerca das v i r t u - des será adotar uma posição acerca d o caráter narrativo da vida h u m a n a " (p. 144). Essa hipótese começa a verificar-se na análise das v i r t u d e s s e g u n d o Aristóteles (cap. 12). Essa " v o l t a a Aristóteles", porém, exige que se resolvam previamente três tipos de questão: o primeiro diz respeito à íntima relação entre a teleologia de Aristóteles e a sua biologia metafísica, o segundo refere-se à relação da ética com a estrutura da polis, e o terceiro refere-se ao fato de Aristóteles ser herdeiro de Platão no que diz respeito à unidade e à harmonia do espírito i n d i v i d u a l e da cidade, assim como à concepção aristotélica, contrária à platô- nica, d o conflito como algo a evitar e evitável (cf. p. 163). A busca da virtude prossegue o seu caminho através das apa- rências e circunstâncias medievais (cap. 13), mostrando a per- manência d o esquema aristotélico, enriquecido, mas não subs- tancialmente modificado, por u m a nova concepção d o telos e pela descoberta agostiniana da vontade capaz de dar consenti- mento ao mal. A concepção medieval é teleológica, mas diferen- te da aristotélica em dois aspectos importantes: 1) Aristóteles admite que a posse da eudaimonia pode frustrar-se por causas externas ou por deficiências naturais, enquanto na concepção medieval é determinante a crença em que n e n h u m ser h u m a n o está excluído d o bem por circunstâncias, de m o d o que n e n h u m mal pode excluir-nos necessariamente da felicidade, a não ser que nos convertamos em seus cúmplices; 2) A visão medieval é histórica, de u m m o d o que não foi possível a Aristóteles: cami- Sintese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 397 |
  • 8. nhar para o bem é caminhar no tempo, e isso imphca uma nova forma de compreender o que é caminhar para o bem (cf. p. 176). N o capítulo 14, sobre a natureza das virtudes, Maclntyre em- preende a dedução de u m conceito unitário e central das v i r t u - des, passível de justificação. N o desenvolvimento lógico d o conceito de virtude, estão implicadas três fases intimamente relacionadas: a primeira consiste na descrição d o que é uma prática; a segunda, na descrição da vida humana como uma o r d e m narrativa, a terceira, na descrição d o que constitui uma tradição moral. Baste-nos aqui uma referência sumária a cada uma das fases. A noção de prática é definida como "qualquer forma coerente e complexa de atividade humana coof>erativa, estabelecida socialmente, mediante a qual realizam-se os bens internos a essa forma de atividade no curso da tentativa de realizar aqueles padrões de excelência que são apropriados a essa forma de atividade, e que a definem parcialmente, tendo como resultado a sistemática ampliação da capacidade humana de realizar a excelência, assim como das concepções humanas dos fins e dos bens nela envolvidos" (p. 187). Tal conceito de prática permite u m a primeira definição aproximada da virtude: "Uma virtude é uma qualidade humana adquirida, cuja posse e exer- cício tende a fazer-nos capazes de realizar aqueles bens internos às práticas e cuja carência nos impede efetivamente de realizar qualquer um desses bens" (p. 191). Porém, é preciso observar que uma prática não é mero conjunto de habilidades técnicas e que entrar em uma prática é entrar n u m a tradição. Ademais, deve-se ter presente que o conceito de virtude apresentado não é aristotélico em dois aspectos importantes: 1) embora seja teleológico, ele não exige acordo a l g u m com a biologia metafísica de Aristóteles; 2) por causa da multiplicidade das práticas humanas e a conse- qüente multiplicidade dos bens em cuja busca as virtudes p o - d e m se exercer, o conflito não surgirá apenas das imperfeições d o caráter i n d i v i d u a l (cf. p p . 196s.). Contudo, essa interpretação "socialmente teleológica" (p. 197) contém três aspectos clara- mente aristotélicos: 1) para ser completa, ela requer a elabora- ção convincente das mesmas distinções e conceitos que exigia a interpretação de Aristóteles, a saber, a voluntariedade, a distin- ção entre virtudes intelectuais e do caráter, a relação entre talen- tos naturais e paixões e a estrutura d o raciocínio prático; 2) ela pode amoldar-se aos conceitos aristotélicos de prazer e gozo, embora no que diz respeito ao interesse, ela seja irreconciliável com qualquer visão utilitarista; 3) ela vincula valoração e ex- plicação de m o d o tipicamente aristotélico (cf. p p . 197ss.). Mas o desenvolvimento do conceito de virtude exige ser completado pela descrição da vida humana como estrutura narrativa e pelo conceito de tradição. Esta é a tarefa d o capítulo 15. I 398 I Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992
  • 9. Maclntyre pensa a unidade do eu como residindo na unidade de u m a narração que enlaça nascimento, vida e morte como começo, desenvolvimento e f i m de uma narração. A ação h u m a - na é aquela da qual pode-se pedir contas, é a que pode ser narrada, isto é, tornada inteligível, p a r t i n d o das intenções, motivos, paixões e propósitos de u m agente h u m a n o e encon- trando o seu lugar n u m a narração. Vivemos narrativa mente as nossas vidas e porque entendemos nossas vidas em termos narrativos, "a forma narrativa é a apropriada para entender as ações dos outros" (p. 212). Somos atores e autores de u m a nar- ração que se enlaça com outras narrações, de m o d o que cada u m é personagem principal d o seu próprio drama e tem papel subordinado no drama dos outros. U m a ação é sempre u m m o m e n t o n u m a história real o u possível ou em numerosas his- tórias. Isso implica que a noção de história é tão fundamental quanto a de ação. Embora a imprevisibilidade seja u m a exigên- cia da estrutura narrativa, ela é perfeitamente compatível com a teleologia: mesmo não sabendo o que vai ocorrer em seguida, a nossa vida se autoprojeta na direção d o futuro: "Se a narração de nossa vida individual e social deve continuar inteligivelmente — e qualquer tipo de narração pode cair na ininteligibilidade —, isso implica tanto que há limitações sobre como a história pode continuar, quanto que no interior dessas limitações há indefini- das maneiras nas quais ela pode continuar" (p. 216). Emerge aqui uma tese central d o pensamento de Maclntyre: " O h o m e m , nas suas ações e na sua prática, assim como nas suas ficções, é essencialmente u m animal que conta estórias (ÍI story-telUng animal). Ele não é essencialmente, mas torna-se através de sua história, u m contador de estórias que aspira à verdade" (p. 216). E no contexto de u m relato e d o tipo de personagem exigido por ele que se desenha a identidade pessoal, não por u m apelo à continuidade ou descontinuidade d o eu psicológico. O concei- to narrativo d o eu requer duas coisas: 1) "De u m lado, sou aquilo pelo que posso justificadamente ser tomado pelos outros no transcurso de uma história v i v i d a que vai d o m e u nascimen- to à m i n h a morte; sou o tema (subject) de uma história que é minha e de mais ninguém, e que tem seu peculiar significado" (p. 217). Ser tema da narração é ser responsável pelas ações e experiências que compõem uma vida narrável. 2) Por outro lado, não sou só u m ser que deve dar contas, mas também alguém que pode pedir contas aos demais: sou parte de suas histórias c o m o eles são da m i n h a . A s s i m , sem a "responsabilidade explicativa d o e u " {the accounlability of the self) não poderiam dar-se as séries de acontecimentos que constituem toda narra- ção e "as narrativas careceriam da continuidade que as t o m a intehgíveis, assim como as ações que as constituem" (p. 217). Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 399 |
  • 10. E m que consiste, então, a unidade da vida humana? N a u n i d a - de de u m relato de busca. As buscas às vezes fracassam, são frustradas, abandonadas o u dissipadas em distrações. "Mas os únicos critérios para o sucesso ou fracasso na vida humana como conjunto são os critérios d o sucesso o u fracasso n u m a busca narrada o u a ser narrada. U m a busca de q u ê ? " (p. 219). Sem dúvida, u m a busca da vida boa para o h o m e m , que consiste numa "vida dedicada a buscar a vida boa para o h o m e m , e as virtudes necessárias para a busca são as que nos capacitam a entender mais e melhor o que é a vida boa para o h o m e m " (p. 219). Entende-se, assim, a importância d o conceito de tradição: não sou capaz de buscar o bem o u exercer as virtudes unica- mente enquanto indivíduo, mas sou herdeiro de uma tradição que constitui os dados prévios de m i n h a vida, meu ponto de partida moral, que em parte lhe confere a sua particularidade moral. " A posse de u m a identidade histórica e a posse de uma identidade social coincidem" (p. 221). A s s i m , queiramos o u não, somos também suportes de uma tradição, que é viva quando "é u m a discussão historicamente desenvolvida e socialmente i n - corporada e, precisamente, uma discussão que em parte versa sobre os bens que constituem essa tradição" (p. 222). O sentido adequado das tradições, que, para Maclntyre, é uma virtude, manifesta-se na compreensão das possibilidades futuras que o passado põe à disposição d o presente: " A s tradições vivas, pre- cisamente porque continuam uma narração ainda incompleta, c o n f r o n t a m - s e c o m o f u t u r o , cujo caráter d e t e r m i n a d o e determinável, na medida em que é possuído deriva d o passa- d o " (p. 223). Nos três capítulos finais de After Virtue, Maclntyre conclui a sua p e s q u i s a c o m u m a i m p r e s s i o n a n t e f e n o m e n o l o g i a d a modernidade e d o seu maior artefato filosófico, a saber, o i n d i - víduo. O processo de perda da concepção da vida humana como unidade narrativa e da noção de prática dotada de bens inter- nos, que levou à perda da noção de virtude, pode ser detectado já a partir do séc. X V I I , quando começou-se a pensar o h o m e m como egoísta por natureza, e a m o r a l passou a ser entendida como resposta ou solução aos problemas postos pelo egoísmo humano. H u m e apresenta-se, então, como a grande expressão da tentativa de pensar uma versão mais inteligente d o egoísmo para não sucumbir à anarquia. Porém, "o que H u m e identifica como o ponto de vista da natureza humana universal não é senão o ponto de vista dos preconceitos da elite governante hanoveriana" (p. 231). Mas é inegável que os principais traços do pensamento h u m i a n o permanecem enraizados nos pensado- res dos séculos X V I I I e XIX. Aí, justamente, encontra-se a raiz da impossibilidade moderna de se chegar a u m acordo sobre o I 400 I Síntese Nova Fase. v. 19. n. 58. 1992
  • 11. catálogo das virtudes, assim como da impossibilidade de alcan- çar u m acordo fundamental sobre a importância relativa dos conceitos de virtude dentro de u m esquema moral. Se as v i r t u - des são coYcebdas como " u m a disposição o u sentimento que p r o d u z e m em nós a obediência a certas regras, o acordo sobre o que devem ser as regras relevantes é sempre u m pré-requisito para u m acordo sobre a natureza e conteúdo de uma virtude particular" (p. 244). Porém, na sociedade individualista, não há c o m o assegurar esse a c o r d o prévio. O caso da justiça é paradigmático dessa situação. N o capítulo 17, sobre a justiça como virtude e suas concepções mutantes, M a c l n t y r e analisa a incompatibilidade de duas posições paradigmáticas do debate atual sobre a justiça, a saber, a de ] . Raw^ls (A Theory of justice, 1971) e a de R. N o z i c k [Anarchy, State and Utopia, 1974). A fra- g i l i d a d e das posições desses dois teóricos, assim c o m o a inconclusividade d o debate atual sobre a justiça não são mais do que a conseqüência, no nível teórico, da recusa das noções de virtude e tradição. N o nível prático, a conseqüência do aban- d o n o da virtude e da tradição mostra-se na carência de acordo moral autêntico entre os cidadãos de qualquer c o m u n i d a d e política moderna, de m o d o que "a política sistemática moderna, seja ela liberal, conservadora, radical ou socialista, deve ser sim- plesmente rejeitada d o ponto de vista c o m p r o m e t i d o com a genuína tradição das virtudes, porque a política moderna ex- pressa, nas suas formas institucionais, a rejeição sistemática daquela tradição" (p. 255). A situação da moralidade e da reflexão moral em nosso tempo, assim como a sua possível solução, estão caracterizadas pelas conjunções que aparecem em destaque no título d o capítulo 18: " E m busca da virtude: Nietzsche ou Aristóteles, Trotsky e São Bento". A primeira conjunção é claramente exclusiva e a segun- da não é aditiva, mas adversativa. Quanto à moralidade e à reflexão m o r a l contemporâneas, isto é, quanto à alternativa exclusiva que se nos apresenta, é preciso ter presente o seguin- te: "Proclamar que o rei está n u significa, no máximo, apontar para u m só a f i m de que todos riam; declarar que praticamente todos estão vestidos de farrapos é m u i t o menos do que ser popular. Mas o nietzschiano teria pelo menos o consolo de ser i m p o p u l a r estando certo — a menos que a rejeição da tradição aristotélica mostre-se como u m erro" (p. 257). Nietzsche fracas- sa na sua critica porque quando acerta, não o faz p>or força de seus argumentos positivos, mas por defeito. Condenar-se ao solipsismo moral foi a única grandeza de Nietzsche, e o seu atra- tivo é a sua aparente honestidade. O pseudoconceito nietzschiano de super-homem "representa a última tentativa, fxjr parte d o indi- vidualismo, de evitar as suas próprias conseqüências" (p. 259). Síntese Nova Fase. v. 19, n. 58. 1992 401
  • 12. Quanto às possibilidades de saída desta situação embaraçosa em que nos encontramos, isto é, quanto ao problema da conjun- ção adversativa, é preciso dar-se conta de que no marxismo oculta-se u m individualismo radical. O Robinson Crusoé socia- lizado de M a r x é incapaz de evidenciar as bases sobre as quais entra em associação livre com os outros para constituir a c o m u - nidade de indivíduos livres. "Não é surpreendente que os prin- cípios de associação para os quais apelaram efetivamente os marxistas tenham sido princípios morais abstratos e a utilidade, e que na sua prática, os marxistas tenham exemplificado preci- samente o tipo de atitude m o r a l que eles condenam nos outros como ideológica" (p. 261). Trotsky pelo menos deu-se conta, no final da sua vida, de que "a União Soviética não era socialista e que a teoria que devia i l u m i n a r o caminho para a libertação humana tinha, de fato, levado às trevas" (p. 262). O marxismo está esgotado como tradição poliiica, mas "essa exaustão é com- partilhada por todas as outras tradições políticas no interior de nossa c u l t u r a " (p. 262). De fato, não estamos esp>erando u m Godot, mas o u t r o São Bento, m u i t o diferente! Justiça e racionalidade L o g o no Prefácio de justiça de quem? Qual racionalidade?, Maclntyre adverte que a presente obra, embora possa ser lida independentemente de After Virtue, de fato preenche algumas lacunas e corrige alguns erros daquela, reafirmando, porém, as suas teses centrais. Nos seus vinte capítulos, encontramos uma verdadeira odisséia em torno dos conceitos de justiça e raciocí- nio prático. O autor parte da mesma constatação inicial de After Virtue, ou seja, a rivalidade e incompatibilidade das concepções atuais de justiça e racionalidade prática, e a inconclusividade d o debate. A f i r m a que a nossa situação tem a ver com o fracasso d o projeto iluminista, que, pretendendo que a razão tomaria o lugar da autoridade e da tradição, mas mostrando-se incapaz de entrar em acordo sobre quais eram os princípios que seriam considerados irrecusáveis por todas as pessoas racionais, dei- xou-nos como legado " u m ideal de justificação racional que se mostrou impossível atingir" (p. 17). Foi, justamente, de u m a concepção da pesquisa racional incorporada n u m a tradição que o l l u m i n i s m o nos p r i v o u , e é em vista de recuperá-la que Maclntyre empreende a sua grande viagem, que começa, justa- mente, em Itaca. O cap. 2, sobre justiça e ação na imaginação homérica, é como o porto de partida e de chegada dessa grande 402 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
  • 13. aventura humana da qual todos os que habitam essa parte d o m u n d o onde o sol se põe são partícipes e herdeiros. Os concei- tos fundamentais da ética ocidental aí encontram o seu lugar natural; díke, Ihémis, agathós, arcté, phrónesis, thytnos, sophrosyne só são verdadeiramente inteligíveis n o horizonte d o agón e da polis. Mas a herança homérica logo fragmentou-se (cap. 3), e foi recolhida de quatro modos diferentes, cada u m deles caracteri- zado p o r u m a visão diferente e incompatível c o m as outras, sobre o papel de Atenas no final d o século V a . C : Péricles, Sófocles, Tucídides e Platão são os herdeiros imediatos de H o m e r o , q u a n d o Atenas é posta e m questão, fundamentalmen- te pela rivalidade entre u m a "justiça da eficácia" e u m a "justiça de merecimento" (cap. 4). A partir d o cap. 5 (Platão e a pesquisa racional), M a c l n t y r e concentra-se sobre a tradição filosófica que, c o m Platão, pela primeira vez formula " u m a teoria bem-articulada sobre o q u e realmente é a excelência humana, e porque é racional, à l u z dessa teoria, sempre subordinar os bens da eficácia aos bens de excelência" (p. 81). Porém, a tentativa de Platão deságua mais n u m dilema que n u m a doutrina, e o dilema é o seguinte: " O u provamos q u e a vida d o ser h u m a n o racional t e m sua arché [...] o u prevalece a visão dos sofistas e de Tucídides sobre a realida- de h u m a n a " (p. 96). Aristóteles, herdeiro de Platão (cap. 6), v a i completar e corrigir o seu projeto, de m o d o que a Ética a Nicômaco e a Política devem "ser compreendidas como seqüências da Re- pública, nas quais a arché, cujas características adequadas Platão não f o i capaz de propor, é especificada de m o d o a fornecer o télos último da atividade prática e a justificação e especificação das virtudes, incluindo a justiça" (p. 97). E m dois outros capí- tulos monumentais, M a c l n t y r e descreve a visão de Aristóteles sobre a justiça (cap. 7) e sobre a racionalidade prática (cap. 8). A análise da Ética e da Política aristotélicas mostra q u e " u m a história q u e começou, nos poemas homéricos, c o m a justiça de Zeus, c u l m i n a , na filosofia de Aristóteles, n u m a compreensão da justiça e das outras virtudes, na qual estão a serviço de u m a vida m o v i d a , e m sua atividade, pelo M o t o r Imóvel e e m direção a ele" (p. 158). A grande façanha de Aristóteles f o i , portanto, " e m primeiro lugar, oferecer u m esquema de pensamento n o qual as realizações e as limitações de seus predecessores pudes- sem ser identificadas e avaliadas, e, e m segundo lugar, dessa for- ma, transcender essas limitações" (pp. 158s.). É importante dar- -se conta d o alcance da façanha de Aristóteles. Ela significa o seguinte: " E m termos de racionalidade, só há progresso a partir de u m determinado ponto de vista. E ele só é alcançado quando os partidários desse ponto de vista conseguem, n u m grau sig- nificativo, elaborar formulações cada vez mais compreensivas e Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 1 403J
  • 14. adequadas de suas posições, através d o procedimento dialético de p r o p o r objeções que identificam incoerências, omissões, fa- lhas explicativas e outros tipos de falha e limitação em elabora- ções anteriores; através também d o procedimento de encontrar os mais fortes argumentos disponíveis para sustentar essas objeções, e, ainda, de tentar reelaborar a posição, de m o d o que não seja mais vulnerável às objeções e argumentos específicos" (p. 159). A importância da constatação que essa longa citação expressa vai se mostrar nas análises dos três últimos capítulos d o livro. Maclntyre analisa, em seguida, a alternativa agostiniana (cap. 9), mostrando como a tradição clássica sobre a justiça de mere- cimento e o raciocínio prático foi enriquecida ao ser assumida pelo pensamento cristão, particularmente pela singular "desco- berta" agostiniana da vontade. Agostinho "elabora uma versão genuinamente nova da natureza da justiça e da gênese da ação humana. A racionalidade da reta ação I...] não é seu determinante principal, mas uma conseqüência secundária da reta vontade. Desse m o d o , a fé que inicialmente move e informa a vontade é anterior à compreensão; o que a compreensão pode fornecer é uma justificação racional por ter inicialmente acreditado o u fei- to o que a fé d e t e r m i n o u , mas tal justificação deve sempre ser retrospectiva. 1...] Esse caráter secundário da racionalidade prá- tica é algo com que Agostinho estava necessariamente compro- metido, d e v i d o à sua psicologia da vontade" (p. 173). Os dois capítulos sobre Santo Tomás — "Superação de u m conflito de tradições" (cap. 10) e " A visão de Sto. Tomás sobre a justiça e a racionalidade prática" (cap. 11) — são os mais elaborados de toda a obra. Primeiro porque M a c l n t y r e reconhe- ce que em After Virtue a sua crítica "das leses de Santo Tomás sobre a u n i d a d e das virtudes estava simplesmente errada, devi- d o a u m a leitura equivocada d o A q u i n a t e " (p. 8). Mas a razão mais fundamental só se tornará evidente na última página da obra, como veremos. Operando uma verdadeira "suprassunção" de Aristóteles, Sto. Tomás elabora u m a concepção da justiça e da racionalidade prática, que unifica, em horizonte teológico, as concepções de Aristóteles, Cícero e Agostinho. O que fica claro é que a com- preensão de Sto. Tomás "só é completamente inteligível e de- fensável, à medida que emerge de u m a ampla e complexa tra- dição de argumentação e conflito que inclui m u i t o mais d o que Aristóteles e A g o s t i n h o " (p. 224). Infelizmente, muitos dos con- temporâneos e sucessores de Sto. Tomás não compreenderam a idiossincrasia d o seu projeto, a saber, "desenvolver o trabalho |404 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58. 1992
  • 15. da construção dialética sistematicamente, de m o d o a integrar toda a história anterior da pesquisa, à medida que a conhecia, na sua própria. Sua contraposição de autoridades foi concebida para mostrar o que, em cada u m a delas, resistia ao teste dialético de todos os pontos de vista até então desenvolvidos, com o objetivo de identificar as limitações de cada ponto de vista e o que, em cada u m deles, não podia ser i m p u g n a d o n e m mesmo pelo mais rigoroso dos testes" (p. 225). Movendo-se n u m terreno que lhe é familiar pelas suas origens, Maclntyre apresenta a seguir a terceira das grandes tradições de pesquisa que são objeto d o seu livro, a saber, a tradição escoce- sa. O capítulo 12 desvela o substrato agostiniano e aristotélico d o l l u m i n i s m o escocês; o capítulo 13 apresenta a filosofia na o r d e m social escocesa, e o capítulo 14, a visão de Hutcheson sobre a justiça e a racionalidade prática. Impossível resumir o itinerário desses três capítulos densos e eruditos. Podemos, contudo, reler alguns pontos fundamentais. O primeiro deles é que a tradição escocesa, essencialmente teológica, "cujos textos clássicos v i n h a m da versão calvinista da teologia agostiniana" (p. 274), desenvolve-se como uma aliança entre calvinismo e aristotelismo, da qual o primeiro grande representante foi Robert Baillie, professor de filosofia na Universidade de Glasgow de 1625 a 1631. Em seguida, que essa aliança teológica levou a uma ascensão da filosofia ao primeiro plano na o r d e m social escoce- sa, gerando assim " u m período no qual as asserções referentes aos primeiros princípios eram avaliadas, justificadas e i m p u g - nadas, através dos padrões de debate e de pesquisa filosóficos" (p. 267). Finalmente, que Hutcheson "revelou-se u m a figura de transição", pois o que ele na verdade preparou foi, quando não a expulsão da filosofia da área teológica, "pelo menos as bases para a sua transformação radical" (p. 301). Os que se propuse- r a m remover as incoerências da filosofia de Hutcheson encon- traram-se diante da seguinte alternativa: "Ou eles retinham a epistemologia m o r a l de Hutcheson, adaptando-a onde fosse necessário, e rejeitando sua visão dos princípios morais, da lei da natureza, da justiça e dos deveres em relação a Deus; ou retinham a posição moral e teológica fundamental de Hutcheson, rejeitando sua epistemologia. D a v i d H u m e e A d a m Smith re- presentam a primeira dessas alternativas; Thomas Reid e D u g a l d Stewarl, a segunda. Todos os quatro concordavam, implícita ou explicitamente, que era possível concordar com Hutcheson quanto à justiça ou o raciocínio prático, nunca quanto a ambos" (p. 301s.). Os capítulos 15 ( " A subversão anglicizante de H u m e " ) e 16 ( " A visão de H u m e sobre a justiça e a racionalidade prática") mos- tram, não só que o que H u m e representou " f o i o abandono de Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 405
  • 16. m o d o s de pensamento tipicamente escoceses e m função de modos de compreender a vida social e seu tecido moral carac- teristicamentc ingleses e anglicizantes" (p. 302), mas também que foi a sua capacidade de "combinar u m ceticismo metafísico mitigado com uma ausência de ceticismo nos assuntos morais" (p. 311), que o levou, na sua tarefa de justificação filosófica das concepções escocesas da teologia, a "substituir os recursos do aristotelismo escolástico, no qual tinha sido inicialmente educa- do, pelos recursos oferecidos por Shaftesbury e pelo caminho das idéias" (p. 347), tornando-se, assim, "o campeão filosófico de uma cultura essencialmente não-filosófica" (p. 348). Depois de ter analisado três grandes tradições de pesquisa, Maclntyre dedica u m capítulo ao Liberalismo transformado e m tradição (cap. 17). Posto que uma tradição de pesquisa não é só u m m o v i m e n t o coerente de f>ensamento, mas " u m m o v i m e n t o , ao longo d o qual seus adeptos tornam-se conscientes dele e de sua direção e, de m o d o autoconsciente, tentam participar de seus debates e dar prosseguimento às suas pesquisas" (p. 351), o Liberalismo pode ser considerado como tradição, apesar de ter inscrito na sua certidão de nascimento o projeto de libertar os homens da tirania da tradição. É da maior importância ter presentes duas coisas: primeiro, que o projeto liberal "de fundar u m tipo de o r d e m social, no qual os indivíduos possam eman- cipar-se da contingência e da particularidade da tradição, atra- vés d o recurso a normas genuinamente universais e indepen- dentes da tradição, não foi e não é apenas, nem principalmente, u m projeto de filósofos" (p. 361), mas da sociedade liberal mo- derna e individualista; segundo, que a própria história d o Libe- ralismo mostra que a sua continuidade é parcialmente definida pela interminabilidade d o debate sobre aqueles princípios e normas universais, de m o d o que aquilo que para o Liberalismo nascente "era u m grave erro a ser remediado o mais rápido possível, tornou-se, pelos menos aos olhos de alguns liberais, u m tipo de v i r t u d e " (p. 361). É inegável que o Liberalismo tem uma concepção d o b e m e d o que antigamente chamava-se vir- tude. A sua novidade está em que o b e m passou a ser concebido exclusivamente em termos de preferências pessoais expressas em primeira pessoa, como formulações de uma razão para a ação e, portanto, como premissas para o raciocínio prático. Ora, essa transformação ocorre d e v i d o a u m a reestruturação do pen- samento e da ação, "de u m m o d o harmônico com os procedi- mentos dos domínios públicos d o mercado e da política i n d i v i - dualista liberal" (p. 364). Maclntyre, contudo, não afirma que os procedimentos do domínio público tenham sido a causa e a psicologia do indivíduo liberal o efeito. O que ele propõe "é que 406 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
  • 17. u m exigiu o outro e que, ao se u n i r e m , definiram u m n o v o artefato social e cultural, 'o indivíduo'", de m o d o que, ao con- trário de todas as outras tradições analisadas, " n o raciocínio prático da modernidade liberal é o indivíduo enquanto indiví- d u o que raciocina" (p. 365). Intimamente ligada a essa concep- ção d o raciocínio prático está a concepção liberal da o r d e m jus- ta, o u seja, "o supremo bem d o Liberalismo é a manutenção continuada da o r d e m social e política liberal, nada mais, nada menos" (p. 370). A astúcia d o Liberalismo consiste em que, ten- d o uma teoria do bem h u m a n o , ele só pode oferecer argumen- tos decisivos em favor da sua concepção de bem "através d o recurso a premissas que coletivamente já pressupõem essa teo- ria", de m o d o que, "a inconclusividade dos debates no Libera- lismo, quanto aos princípios fundamentais da justiça liberal (ver After Virtue, cap. 17), reforça a visão de que a teoria liberal é melhor compreendida, não como tentativa de encontrar u m a racionalidade independente da tradição, mas como a articula- ção de u m conjunto historicamente desenvolvido de instituições e formas de atividade, isto é, como a voz de uma tradição" (p. 371). Ora, o problema que se apresenta aqui é de saber se estamos obrigados a tragar o Liberalismo como a última, a mais elevada e, segundo as suas pretensões, a única forma de conceber o b e m h u m a n o e, portanto, a justiça e a racionalidade prática. Esse problema começa a ser afrontado por Maclntyre no capítulo 18, sobre a racionalidade das tradições. E m poucas palavras, o problema consiste em saber se há crité- rios para que uma tradição reivindique a superioridade sobre outra. A o que parece, a partir dos debates e conflitos de tradi- ções socialmente encarnadas e historicamente contingentes, não há n e n h u m critério para decidir entre concepções rivais da jus- tiça e da racionalidade prática, porque "não há nenhuma base, n e n h u m lugar para a pesquisa, n e n h u m m o d o de se avançar, avaliar, aceitar e rejeitar argumentações raciocinadas que não seja fornecido por uma ou outra tradição particular" (p. 376). As duas principais posições contemporâneas a respeito desse pro- blema procedem da objeção relativista, que se baseia "na nega- ção de que o debate racional entre tradições adversárias, assim como a escolha racional entre elas, seja possível", e da objeção perspectivista, que "questiona a possibilidade de se reivindicar a verdade a partir de qualquer tradição" (p. 378). É preciso observar que a base para uma possível resposta ao relativismo e ao perspectivismo não deve ser buscada n u m a teoria da racionalidade, tal como explicitamente articulada e proposta numa ou mais das tradições expostas por Maclntyre, "mas n u m a teoria expressa nas suas práticas de pesquisa e por elas pressupos- ta" (p. 380), mesmo que nunca completamente desenvolvida. Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58. 1992 407
  • 18. A racionalidade d e u m a pesquisa é constituída p o r u m a tradi- ção, mas também é constitutiva dela, dado q u e ela é, essencial- mente, " u m a questão d o tipo de progresso que ela faz, através de vários estágios b e m definidos". Ora, "toda forma de pesqui- sa começa a partir de u m a condição de pura contingência his- tórica, de crenças, instituições e práticas de u m a comunidade particular que constituem u m d a d o " (p. 380). Analisando os diferentes estágios n o d e s e n v o l v i m e n t o d e u m a tradição, Maclntyre mostra que a racionalidade de qualquer tradição é, inevitavelmente, anticartesiana, uma vez que começa sempre da contingência e da positividade d e u m conjunto estabelecido de crenças. Porém, aquilo que nessa tradição assume o caráter de primeiros princípios metafísicos e práticos, deve, para tanto, passar pelo processo histórico de justificação dialética, tal como ocorreu, p o r exemplo, com Aristóteles o u na síntese de Sto. To- más ao superar o conflito de tradições. Portanto, o tipo de jus- tificação racional que os primeiros princípios recebem é, ao mes- m o tempo, dialético e histórico: "Eles são justificados à medida que, na história dessa tradição, eles se mostraram superiores aos seus predecessores históricos, sobrevivendo ao processo de questionamento dialético" (p. 387). Além de anticartesiana, na- quilo de onde surge, a pesquisa constituída e constitutiva da tradição é anti-hegeliana naquilo para onde se move. C o m efei- to, embora na racionalidade da pesquisa esteja implícita u m a concepção da verdade final, "ninguém, em n e n h u m estágio, pode excluir a possibilidade futura de que suas crenças e julgamentos presentes possam ser mostrados como sendo inadequados de vários m o d o s " (p. 387). A resposta à questão da superioridade de u m a tradição de pesquisa é sugerida p o r M a c l n t y r e pela capacidade que u m a tradição t e m d e superar a q u i l o q u e ele chama d e "crise e p i s t e m o l ó g i c a " ( V e r : " E p i s t e m o l o g i c a l C r i s i s , D r a m a t i c Narrative a n d the Philosophy of Science", The Monisf, 69, 4, 1977), caracterizada pela dissolução de certezas historicamente fundadas, que exige a invenção o u descoberta de novos concei- tos, e a estruturação de novos tipos de teoria q u e respondam a três exigências. A primeira é que o novo esquema conceituai f o r n e ç a " u m a s o l u ç ã o aos p r o b l e m a s q u e se r e v e l a r a m intratáveis, anteriormente, de m o d o sistemático e coerente"; a segunda, que ele forneça " u m a explicação justamente daquilo que tornava a tradição estéril o u incoerente, o u ambos, antes que ela adquirisse esses novos recursos"; e a terceira, que essas duas tarefas sejam realizadas " d e m o d o a apresentar a continui- dade fundamental das novas estruturas conceituais e teóricas com relação às crenças comuns, e m cujos termos a tradição de pesquisa tinha se definido até então" (p. 389). Passar p o r u m a |4Q8 1 Síntese Nova Fase. v. 19. n. 58. 1992
  • 19. crise epistemológica pode significar, para u m a tradição, não só o reconhecimento de que outra tradição é capaz de lhe fornecer os novos esquemas conceituais necessários para sobreviver como tradição, mas também que u m a tradição pode ser racionalmen- te desacreditada pelos seus próprios padrões de racionalidade. Ora, é exatamente isso que a objeção relativista não consegue perceber. Baseada no argumento de que toda tradição tem i n - ternamente a ela seus próprios padrões de justificação racional e que, por isso, nenhuma tradição pode pretender superiorida- de racional com relação às rivais, a objeção relativista não vê que "se isso fosse verdade, não poderia haver nenhuma boa razão para se aderir ao ponto de vista de uma tradição qual- quer, e não a o u t r o " (p. 393). Ademais, o relativista não vê que para formular a sua objeção, ele deve o u pertencer a uma das tradições rivais, ou estar fora de qualquer tradição de pesquisa. A primeira alternativa, evidentemente, nega a possibilidade d o relativismo; quanto à segunda, "estar fora de todas as tradições significa ser estranho à pesquisa; significa estar n u m estado de destituição moral e intelectual, uma condição a partir da qual é impossível formular a objeção relativista" (p. 394). Quanto ao perspectivismo, o seu fracasso é complementar ao do relativismo, pois ele "é uma doutrina que só é possível para aqueles que se consideram de fora, descompromissados, ou melhor, atores que encarnam uma série sucessiva de papéis temporários" (p. 395). Em última análise, o relativismo e o perspectivismo não con- cluem sobre a verdade, mas sobre a exclusão dela e, assim, d o debate racional. Nietzsche não é o único patrono d o pers- pectivismo e d o r e l a t i v i s m o m o d e r n o s . Q u a n d o D u r k h e i m mostrou, no final d o século XIX, "como o colapso das formas tradicionais de relação social aumentou a incidência de ammia" (p. 395), ele deu uma chave de leitura para a procedência de ambos. Porém, o que é dramático na nossa situação é que aquilo que D u r k h e i m "considerava uma patologia social é, agora, apre- sentado vestindo as máscaras da pretensão filosófica" (p. 396). O capítulo 19, sobre tradição e tradução, pode dar a impressão de levantar u m problema já exaustivamente solucionado pelas ciências da linguagem e da interpretação. Na realidade, o que Maclntyre pretende aqui é preparar o assentamento da pedra angular, responsável f>ela coerência de todo o edifício da sua pesquisa, no capítulo final sobre a racionalidade das tradições. O problema é o da tradutibilidade de uma tradição em outra. O que está i m p l i c a d o aí não é só u m problema lingüístico, mas todo o problema das tradições, dado que "os Hmites de u m a língua são as fronteiras de uma comunidade lingüística que é também uma comunidade social" (p. 400), e dado também que "aprender uma língua e adquirir a compreensão cultural não Síntese Nova Fase, v. 19. n. 58, 1992 409
  • 20. são duas atividades independentes" (p. 401). C o m o traduzir "da língua de u m a comunidade, cuja língua-em-uso expressa e pres- supõe u m sistema particular de crenças bem-definidas, para uma língua diferente de u m a outra comunidade, com crenças que, em algumas áreas fundamentais, são fortemente incompatíveis c o m as da primeira comunidade"? Além disso, como traduzir de uma língua-em-uso n u m a comunidade "para uma das lín- guas internacionalizadas da modernidade"? (p. 407) O problema da tradutibilidade foi resolvido em pelo menos u m a das tradições analisadas nesse l i v r o , não só pela inovação c o n c e i t u a i , mas pela sua c a p a c i d a d e de s u p e r a r a crise epistemológica e m que se encontrou diante de u m conflito de tradições. Esse mesmo problema, pelo que parece, não pode ser resolvido pela tradição liberal da modernidade, antes de t u d o pela sua recusa de toda tradição, mas também porque uma das crenças definidoras da cultura da modernidade é a "crença na sua habilidade de compreender t u d o sobre a cultura e a história humanas, independente de quão estranho lhes possa ser" (p. 413). Assim, "o tipo de tradução característico da modernidade gera, por sua vez, seu próprio engano com relação à tradição" (p. 413). N a realidade, a modernidade recusa o pensamento de que "possa haver modos tradicionais de vida social, cultural e intelectual que sejam inacessíveis a ela e aos seus tradutores" (p. 414). O ponto-cego d o Liberahsmo está, justamente, em não aceitar a possibilidade de que em certas áreas, outras tradições possam ser racionalmente superiores a ele, justamente naquilo que, nessas tradições, ele não pode compreender. " A existência de amplas possibilidades de intradutibilidade e, portanto, de ameaças potenciais à hegemonia cultural, lingüística, social e racional de u m a tradição, seja em geral o u n u m a área particu- lar, é mais d o que u m a ameaça, e diferente de uma ameaça. Apenas aqueles cuja tradição concede a possibilidade de que sua hegemonia possa ser posta em questão p o d e m ter a garan- tia racional para afirmar essa mesma hegemonia. E apenas as t r a d i ç õ e s cujos a d e p t o s r e c o n h e c e m a p o s s i b i l i d a d e d e intradutibilidade na sua própria língua-em-uso p o d e m lidar ade- quadamente com essa possibilidade" (p. 416). Tais adeptos não são, certamente, os "cidadãos de lugar n e n h u m " (p. 416) da modernidade. Para concluir, recordemos a citação de M a c l n t y r e que fiz no início desta exposição: " U m livro que termina concluindo que o que podemos aprender de sua argumentação é onde e como começar pode parecer não ter alcançado m u i t o " (p. 430). Che- gando ao último capítulo, sobre justiças e racionalidades contes- tadas (cap. 20), pode-se ter a impressão de que a tese da i n - 410 I Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992
  • 21. tradutibilidade autoriza, de certo m o d o , a objeção relativista anteriormente refutada. Não é verdade o u , pelo menos, não parece ser isso que M a c l n t y r e realmente quis dizer. A pesquisa pretendeu chegar a uma concepção verdadeira da justiça e da racionalidade prática. O que ela revelou foi que as concepções da justiça e da racionalidade prática apresentam-se como aspec- tos intimamente relacionados de visões gerais da vida humana e de seu lugar na natureza. "Tais visões, à medida que reivin- dicam nossa adesão racional, expressam tradições de pesquisa racional que são, ao mesmo tempo, tradições expressas em tipos particulares de relações sociais" (p. 417). A s s i m , "as teorias da justiça e da racionalidade prática nos apresentam aspectos das tradições, cuja adesão exige a vivência de u m a forma mais o u menos sistematicamente incorporada de vida humana, cada u m a com seus modos específicos de relação social, seus cânones de interpretação e explicação d o comportamento dos outros, suas próprias práticas avaliativas" (p. 419). Isso significa que, hoje em dia, só se pode ser m o d e r n o e m sentido liberal? Certamente não. As tradições de pesquisa ana- lisadas nesse Hvro sobrevivem, de a l g u m m o d o , na modernidade. O Liberalismo, tal como foi apresentado por Maclntyre, carac- teriza-se pela sua incapacidade de pôr-se em questão. Ora, opon- do-se ao L i b e r a l i s m o , na t e n t a t i v a de c o n s t r u i r u m f o r o institucional n o q u a l os termos d o debate sobre justiça e racionalidade prática não tenham de antemão determinado o seu resultado, Maclntyre pretende pôr o Liberalismo e m ques- tão. Por isso ele dirige o seu livro àqueles que, não tendo ainda aderido a nenhuma tradição coerente de pesquisa, são assedia- . dos por "disputas sobre o que é justo e sobre como é razoável agir, tanto no nível de questões imediatas particulares — I...] — como no nível no qual concepções sistemáticas rivais, informa- das pela tradição, estão em disputa" {p. 421). A primeira coisa que o destinatário d o livro de M a c l n t y r e pode aprender com ele é "como testar diaíeticamente as teses que lhe forem propostas por cada tradição e, ao mesmo tempo, utilizar essas mesmas teses para testar diaíeticamente as convicções e reações que ele próprio trouxe para o encontro" (p. 426). Envol- vendo-se no diálogo entre as tradições, aprendendo as línguas delas, ele poderá também "transformar suas próprias incoerên- cias iniciais em vantagens argumentativas, exigindo de cada tradição que ela lhe forneça uma visão de como essas incoerên- cias p o d e m ser melhor caracterizadas, explicadas e superadas" (p. 426). Last, nof least, ele poderá fazer com que u m a tradição de pesquisa forneça-lhe u m tipo de autoconhecimento que ele ainda não possuía, proporcionando-lhe " u m a consciência d o Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992 1 411 j
  • 22. caráter específico da sua própria incoerência e, ainda, explican- do o caráter particular dessa incoerência através de seu esquema metafísico, moral e político de classificação e explicação" (p. 426). São as universidades liberais modernas os foros adequados para o diálogo entre as tradições? Segundo M a c l n t y r e , não. A con- cepção de competência acadêmica independente de qualquer ponto de vista; a pretensão da possibilidade de u m a língua c o m u m o u da tradutibilidade de qualquer língua e m qualquer outra; a ficção de padrões universais de racionalidade e a pres- suposição da irrelevância da história dos indivíduos para as suas posições como participantes de u m debate fizeram das universidades "instituições comprometidas e m sustentar u m a objetividade fictícia" (p. 428). Isso implica que "a racionalidade específica das tradições de pesquisa só pode se restabelecer o suficiente para questionar, efetivamente, a hegemonia cultural e política d o Liberalismo, evitando ou subvertendo os modos l i - berais de debate" (p. 429). As tradições analisadas p o r M a c l n t y r e p o d e m ter suas narrati- vas continuadas de muitas maneiras. T u d o dependerá da res- posta que cada u m assumir para as perguntas que dão título ao livro: justiça de quem? Qual racionalidade? A resposta de Maclntyre é inequívoca; a tradição aristotélica t e m recursos para a sua própria expansão, correção e defesa, de m o d o que ele julga poder concluir legitimamente que, " e m p r i m e i r o lugar, aqueles que desenvolveram suas reflexões através dos tópicos da justiça e da racionalidade prática, a partir d o ponto de vista construído por Aristóteles, e na direção apontada, primeiro por Aristóteles, depois por Sto. Tomás, têm toda razão, pelo menos até agora, para sustentar que a racionalidade da sua tradição foi confirma- da nos seus encontros com outras tradições e, em segundo l u - gar, que a tarefa de caracterizar e explicar as realizações e su- cessos, assim como as frustrações e fracassos, da tradição tomista nos termos oferecidos por tradições rivais de pesquisa |X>de, mesmo d o ponto de vista dos adeptos dessas tradições, ser u m a tarefa mais difícil d o que às vezes se supõe" (p. 431). Estamos condenados à inconclusividade no debate entre as tra- dições? A l g u m a s iniciativas honestas de discussão dos proble- mas da m o d e r n i d a d e e d o Liberalismo parecem querer dizer que não. C o n t u d o , não nos esqueçamos de que e m filosofia, saber começar, como dizia Descartes, é a mais difícil de todas as tarefas. Endereço do autor: Av. Cristiano Guimarães, 2127 31720-300 — Belo Horizonte — MG 412 Síntese Nova Fase, v. 19, n. 58, 1992