Árbitro de sua propria sorte

7.696 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.696
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.898
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
137
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Árbitro de sua propria sorte

  1. 1. “O homem é, assim, constantemente, oárbitro de sua própria sorte; ele podeabreviar ou prolongar indefinidamente oseu suplício; a sua felicidade ou a suadesgraça dependem da sua vontade defazer o bem.” Allan Kardec - ESE , capítulo XXVII.
  2. 2. Todos somos livres no trabalho do próprio progresso, eo que muito e depressa trabalha, mais cedo recebe arecompensa. O romeiro que se desgarra, ou emcaminho perde tempo, retarda a marcha e não podequeixar-se senão de si mesmo. Allan Kardec – O céu e inferno – código penal da vida futura – CapítuloVII.
  3. 3. O homem, quando crê em Deus e o quersaber, tem meios de distinguir por simesmo o que é bem do que é mal. Deuslhe deu, para isso, a inteligência. (Allan Kardec - L.E., 631)
  4. 4. O Evangelho segundo o Espiritismo » Capítulo XXVII - 21 “O homem sofre sempre a consequência de suas faltas; não há uma só infração à lei de Deus que fique sem a correspondente punição”.
  5. 5. “O homem é quase sempre o obreiro da suaprópria infelicidade. Pela prática da lei de Deus,a muitos males pode forrar-se, proporcionando asi mesmo felicidade tão grande quanto ocomporte a sua existência grosseira.” O Livro dos Espíritos » Parte Quarta - Das esperanças e consolações » Capítulo I - Felicidade e infelicidade relativas. Questão 921.
  6. 6. 932. Por que, neste mundo, os maus exercem geralmentemaior influência sobre os bons? — Pela fraqueza dos bons. Os maus são intrigantes e audaciosos; os bons são tímidos. Estes, quando quiserem, assumirão a preponderância. (Allan Kardec - L.E., 932)
  7. 7. 909. O homem poderia sempre vencer suas más tendências pelosseus esforços?– Sim, e algumas vezes com pouco esforço; é a vontade que lhefalta. Como são poucos dentre vós os que se esforçam! (Allan Kardec - L.E., 909)
  8. 8. 911. Não existem paixões tão vivas e irresistíveis que avontade não tenha o poder de superá-las? – Há muitas pessoas que dizem: Eu quero, . Querem, mas estão bem satisfeitas que assim não seja. (Allan Kardec - L.E., 911)
  9. 9. Compreende a sua naturezaespiritual aquele que as procurareprimir. Vencê-las é, para ele, umavitória do Espírito sobre a matéria.” (Allan Kardec - L.E., 911)
  10. 10. “De nós depende a nossa melhoria, pois todoaquele que se acha no gozo de suasfaculdades tem, com relação a todas ascoisas, a liberdade de fazer ou de não fazer.Para praticar o bem, de nada mais precisasenão do querer”. (Allan Kardec - O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XXVIII, item 18)
  11. 11. Os maus Espíritos procuram desviar do bomcaminho o homem, quando se lhes deparaocasião. Sempre, porém, que um deles se ligaa um indivíduo, age por si mesmo, porqueconta ser atendido. Há então luta entre obom e o mau, vencendo aquele por quem ohomem se deixe influenciar.” Allan Kardec - LE- Capítulo IX - 511.
  12. 12. 467 Pode o homem se libertar da influência dosEspíritos que procuram arrastá-lo ao mal? – Sim, porque apenas se ligam àqueles que os solicitam por seus desejos ou os atraem pelos seus pensamentos. (O livro dos Espíritos- Allan Kardec – Q. 467)
  13. 13. ‎ O melhor meio de expulsar os maus Espíritos"consiste em atrair os bons. Atraí, pois, os bonsEspíritos, praticando todo o bem que puderdes,e os maus desaparecerão, visto que o bem e omal são incompatíveis. Sede sempre bons esomente bons Espíritos tereis junto de vós." O Livro dos Médiuns Segunda parte - Capítulo IX - item 13.
  14. 14. 469 Como se pode neutralizar ainfluência dos maus Espíritos?– Fazendo o bem e colocando toda aconfiança em Deus. (O livro dos espíritos- Alan Kardec – q. 469)
  15. 15. Eis por que Jesus nos ensinou adizer na oração dominical: “Senhor,não nos deixeis cair em tentação,mas livrai-nos do mal!” (O livro dos espíritos- Alan Kardec – q. 469)

×