Tendo Jesus entrado em Jericó, passava pela cidade - e havia ali um homem chamado Zaqueu, chefe dos publicanos e muito ric...
– Chegando a esse lugar, Jesus dirigiu para o alto o olhar e, vendo-o, disse-lhe: Zaqueu, dá-te pressa em descer, porquant...
Entretanto, Zaqueu, pondo-se diante do Senhor, lhe disse: Senhor, dou a metade dos meus bens aos pobres e, se causei dano ...
814. Por que Deus concedeu a unsa riqueza e o poder e a outros amiséria?      O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9     ...
815 – Qual das duas provas é maisperigosa para o homem, a dapobreza ou a da riqueza?      O livro dos espíritos - livro 3,...
PROVAS DA RIQUEZA E DA MISÉRIAO rico está sujeito a maiores tentações, mastambém dispõe de mais meios de fazer o bem.Contu...
A riqueza e o poder despertam todas aspaixões que nos prendem à matéria enos distanciam da perfeição espiritual.        (N...
A riqueza é causa dos nossos males?Se a riqueza somente males houvessede produzir, Deus não a teria posto naTerra.     ESE...
Se a riqueza é causa de muitos males, seexacerba tanto as más paixões, se provocamesmo tantos crimes, não é a ela quedevem...
O que possui o homem de plenapropriedade?O homem só possui em plena propriedadeaquilo que lhe é dado levar deste mundo.Do ...
Que é então o que ele possui?Nada do que é de uso do corpo; tudo oque é de uso da alma: a inteligência, osconhecimentos, a...
Quando alguém vai a um país  distante o que leva na bagagem?Quando alguém vai a um país distante,constitui a sua bagagem d...
Ao viajante que chega a um albergue,bom alojamento é dado, se o pode pagar.A outro, de parcos recursos, toca ummenos agrad...
O mesmo sucede ao homem, a suachegada no mundo dos Espíritos:depende dos seus haveres o lugarpara onde vá. - Pascal. (Gene...
Quando considero a brevidade da vida,dolorosamente me impressiona a incessantepreocupação de que é para vós objeto o bem-e...
A quem pertencem os bens da terra?Os bens da Terra pertencem a Deus, que osdistribui a seu grado, não sendo o homemsenão o...
Quer a fortuna vos tenha vindo da vossafamília, quer a tenhais ganho com o vossotrabalho, há uma coisa que não deveisesque...
Em que consiste o desapego dosbens terrenos?Em apreciá-los no seu justo valor, emsaber servir-se deles em benefício dosout...
O homem que se aferra aos bens terrenos écomo a criança que somente vê o momentoque passa. O que deles se desprende é como...
O amor aos bens terrenos constitui um dosmais fortes óbices ao vosso adiantamentomoral e espiritual. Pelo apego à posse de...
Qual, então, o melhor emprego que sepode dar à riqueza?Procurai - nestas palavras: "Amai-vos unsaos outros", a solução do ...
Não nos referimos, é claro, a essa caridadefria e egoísta, que consiste em a criaturaespalhar ao seu derredor o supérfluo ...
Coloca tuas riquezas sobre uma base quenunca lhes faltará e que te trará grandeslucros: a das boas obras.A riqueza da inte...
BIBLIOGRAFIA:Allan Kardec. O Evangelho segundo o      Espiritismo, Capítulo XVII.O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9 -...
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Provas da pobreza e da riqueza

12.641 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.641
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.472
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
408
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Provas da pobreza e da riqueza

  1. 1. Tendo Jesus entrado em Jericó, passava pela cidade - e havia ali um homem chamado Zaqueu, chefe dos publicanos e muito rico, - o qual, desejoso de ver a Jesus, para conhecê-lo, não o conseguia devido à multidão, por ser ele de estatura muito baixa. - Por isso, correu á frente da turba e subiu a um sicômoro, para o ver, porquanto ele tinha de passar por ali.Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XVII, item 4.
  2. 2. – Chegando a esse lugar, Jesus dirigiu para o alto o olhar e, vendo-o, disse-lhe: Zaqueu, dá-te pressa em descer, porquanto preciso que me hospedes hoje em tua casa. - Zaqueu desceu imediatamente e o recebeu jubiloso. Vendo isso, todos murmuravam, a dizer: Ele foi hospedar- se em casa de um homem de má vida.Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XVII, item 4.
  3. 3. Entretanto, Zaqueu, pondo-se diante do Senhor, lhe disse: Senhor, dou a metade dos meus bens aos pobres e, se causei dano a alguém, seja no que for, indenizo-o com quatro tantos. Ao que Jesus lhe disse: Esta casa recebeu hoje a salvação, porque também este é filho de Abraão; visto que o Filho do Homem veio para procurar e salvar o que estava perdido. (S. LUCAS, cap. XIX, vv. 1 a 10.)Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XVII, item 4.
  4. 4. 814. Por que Deus concedeu a unsa riqueza e o poder e a outros amiséria? O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9 Provas da riqueza e da miséria, q. 814.
  5. 5. 815 – Qual das duas provas é maisperigosa para o homem, a dapobreza ou a da riqueza? O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9 Provas da riqueza e da miséria, q. 815.
  6. 6. PROVAS DA RIQUEZA E DA MISÉRIAO rico está sujeito a maiores tentações, mastambém dispõe de mais meios de fazer o bem.Contudo, é justamente isso que nem semprefaz. Com sua riqueza, suas necessidadesaumentam e ele nunca julga possuir obastante para si unicamente. (L.E., 816) O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9 Provas da riqueza e da miséria, q. 816.
  7. 7. A riqueza e o poder despertam todas aspaixões que nos prendem à matéria enos distanciam da perfeição espiritual. (Nota Kardec - L.E., 816)
  8. 8. A riqueza é causa dos nossos males?Se a riqueza somente males houvessede produzir, Deus não a teria posto naTerra. ESE - Capítulo XVI, Provas da riqueza e da miséria, item 7
  9. 9. Se a riqueza é causa de muitos males, seexacerba tanto as más paixões, se provocamesmo tantos crimes, não é a ela quedevemos inculpar, mas ao homem, que delaabusa, como de todos os dons de Deus. ESE - Capítulo XVI, Provas da riqueza e da miséria, item 7
  10. 10. O que possui o homem de plenapropriedade?O homem só possui em plena propriedadeaquilo que lhe é dado levar deste mundo.Do que encontra ao chegar e deixa aopartir goza ele enquanto aqui permanece. -Pascal. (Genebra, 1860.) NÃO TEM DAS SUAS RIQUEZAS A POSSEREAL, MAS, SIMPLESMENTE, O USUFRUTO. ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 9.
  11. 11. Que é então o que ele possui?Nada do que é de uso do corpo; tudo oque é de uso da alma: a inteligência, osconhecimentos, as qualidades morais. -Pascal. (Genebra, 1860.) ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 9.
  12. 12. Quando alguém vai a um país distante o que leva na bagagem?Quando alguém vai a um país distante,constitui a sua bagagem de objetos utilizáveisnesse país; não se preocupa com os que ali lheseriam inúteis. - Pascal. (Genebra, 1860.) ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 9.
  13. 13. Ao viajante que chega a um albergue,bom alojamento é dado, se o pode pagar.A outro, de parcos recursos, toca ummenos agradável.Quanto ao que nada tenha de seu, vaidormir numa enxerga. ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 9 - Pascal. (Genebra, 1860.)
  14. 14. O mesmo sucede ao homem, a suachegada no mundo dos Espíritos:depende dos seus haveres o lugarpara onde vá. - Pascal. (Genebra,1860.) ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 9.
  15. 15. Quando considero a brevidade da vida,dolorosamente me impressiona a incessantepreocupação de que é para vós objeto o bem-estar material, ao passo que tão poucaimportância dais ao vosso aperfeiçoamentomoral, a que pouco ou nenhum tempoconsagrais e que, no entanto, é o que importapara a eternidade. -Um Espírito Protetor.(Cracóvia, l861.) ESE - capítulo XVI, Emprego da riqueza , item 12.
  16. 16. A quem pertencem os bens da terra?Os bens da Terra pertencem a Deus, que osdistribui a seu grado, não sendo o homemsenão o usufrutuário, o administrador. - M., Espírito protetor. (Bruxelas, 1861.) ESE - capítulo XVI, a verdadeira propriedade, item 10.
  17. 17. Quer a fortuna vos tenha vindo da vossafamília, quer a tenhais ganho com o vossotrabalho, há uma coisa que não deveisesquecer nunca: é que tudo promana deDeus, tudo retorna a Deus. - Lacordaire.(Constantina, 1863.) ESE - capítulo XVI, desprendimento dos bens terrenos, item 14.
  18. 18. Em que consiste o desapego dosbens terrenos?Em apreciá-los no seu justo valor, emsaber servir-se deles em benefício dosoutros e não apenas em benefíciopróprio, em não sacrificar por eles osinteresses da vida futura, em perdê-lossem murmurar, caso apraza a Deusretirá-los. (Constantina, 1863.)ESE - capítulo XVI, desprendimento dos bens terrenos, item 14.
  19. 19. O homem que se aferra aos bens terrenos écomo a criança que somente vê o momentoque passa. O que deles se desprende é como oadulto que vê as coisas mais importantes,por compreender estas proféticas palavrasdo Salvador: "O meu reino não é destemundo." (Constantina, 1863.) ESE - capítulo XVI, desprendimento dos bens terrenos, item 14.
  20. 20. O amor aos bens terrenos constitui um dosmais fortes óbices ao vosso adiantamentomoral e espiritual. Pelo apego à posse detais bens, destruís as vossas faculdades deamar, com as aplicardes todas às coisasmateriais. - Lacordaire. (Constantina, 1863.) ESE - capítulo XVI, desprendimento dos bens terrenos, item 14.
  21. 21. Qual, então, o melhor emprego que sepode dar à riqueza?Procurai - nestas palavras: "Amai-vos unsaos outros", a solução do problema. -Cheverus. (Bordéus, 1861.)NA CARIDADE ESTÁ, PARA AS RIQUEZAS, O EMPREGO QUE MAIS APRAZ A DEUS. ESE - capítulo XVI, Emprego da riqueza , item 11.
  22. 22. Não nos referimos, é claro, a essa caridadefria e egoísta, que consiste em a criaturaespalhar ao seu derredor o supérfluo de umaexistência dourada. Referimo-nos à caridadeplena de amor, que procura a desgraça e aergue, sem a humilhar. -Cheverus. (Bordéus,1861.) ESE - capítulo XVI, Emprego da riqueza , item 11.
  23. 23. Coloca tuas riquezas sobre uma base quenunca lhes faltará e que te trará grandeslucros: a das boas obras.A riqueza da inteligência deves utilizá-lacomo a do ouro. Derrama em tomo de ti ostesouros da instrução; derrama sobre teusirmãos os tesouros do teu amor e elesfrutificarão. -Cheverus. (Bordéus, 1861.) ESE - capítulo XVI, Emprego da riqueza , item 11.
  24. 24. BIBLIOGRAFIA:Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XVII.O livro dos espíritos - livro 3, Cap. 9 - Provas da riqueza e da miséria.

×