Obsessão por fascinação - parte 1

48.066 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
48.066
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42.249
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
127
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obsessão por fascinação - parte 1

  1. 1. Caríssimos, não acrediteis em qualquer espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo. (João, Epístola 1ª, cap. 4, v. 1.)
  2. 2. E levantar-se-ão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E porquanto multiplicar-se-á a iniquidade, se resfriará a caridade de muitos. Mas o que perseverar até o fim, esse será salvo. Mateus, 24:11-13
  3. 3. É possível que os Espíritos estejam em contato com os homens sem que estes se apercebam? Estamos incessantemente cercados por uma multidão de Espíritos que, por serem invisíveis aos nossos olhos materiais, nem por isso deixam de estar no espaço, ao redor de nós, ao nosso lado, espiando nossas ações, lendo os nossos pensamentos, uns para nos fazerem o bem, outros para nos induzirem ao mal, conforme sejam bons ou maus. Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1858.
  4. 4. Existem mais na Terra espíritos inferiores ou superiores? Pela inferioridade física e moral de nosso globo na hierarquia dos mundos, os Espíritos inferiores são aqui mais numerosos que os superiores. Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1858.
  5. 5. O homem sofre a influência dos espíritos que estão ao seu redor? Entre os Espíritos que nos rodeiam, há os que se vinculam a nós, que agem mais particularmente sobre o nosso pensamento, aconselham‐nos, e cujo impulso seguimos sem o saber. Felizes se escutarmos somente a voz dos bons. Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1858.
  6. 6. Por que os espíritos inferiores podem agir sobre os homens? Os Espíritos inferiores não se ligam senão aos que os ouvem, junto aos quais têm acesso e aos quais se prendem. Caso consigam estabelecer domínio sobre alguém, identificam‐se com o seu próprio Espírito, fascinam‐no, obsidiam-no, subjugam‐no e o conduzem como se fosse uma verdadeira criança. Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1858.

×