A páscoa na visão espírita

12.912 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.912
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9.609
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
296
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A páscoa na visão espírita

  1. 1. 1
  2. 2. Com a aproximação da páscoa, seriainteressante falar um pouco sobre estacomemoração.Na doutrina espírita, não hácomemoração da páscoa, pois paraos espíritas, não existiu ressurreiçãofísica, por ser "cientificamenteimpossível”. 2
  3. 3. O que houve foi uma aparição docorpo espiritual que é algo natural.A vida de Jesus é cheia deexemplos. 3
  4. 4. A origem da palavra páscoa é Judaica e significa, “pessach”, passagem em hebraico, dia em que se comemora a libertação do povo Hebreu do cativeiro.O povo Hebreu foi libertado daescravidão egípcia por Moisés . 4
  5. 5. Está evidente, aí, a referência de quea páscoa já era uma“comemoração”, na época deJesus, uma festa cultural e,portanto, o que fez a igreja foi“aproveitar-se” do sentido da festa,para adaptá-la, dando-lhe um novosignificado, associando-o à“imolação” de Jesus, no pós-julgamento, na execução dasentença de Pilatos. 5
  6. 6. No que concerne à ressurreição,podemos dizer que a interpretaçãotradicional aponta para apossibilidade do reagrupamento daestrutura corporal do cristo, nopost-mortem, situação totalmenterechaçada pela ciência, em virtudeda deterioração do envoltório físico. 6
  7. 7. Mas, como explicar,então as “aparições” deJesus, nos quarenta diaspóstumos, mencionadaspelos religiosos naalusão à páscoa? 7
  8. 8. A fenomenologia espírita(mediúnica) aponta para asmanifestações psíquicasdescritas como mediunidades. 8
  9. 9. Em algumas ocasiões, como aconversa com Maria deMagdala, que havia ido até osepulcro para depositar algumasflores e orar, perguntando a Jesus– como se fosse o jardineiro –após ver a lápide removida, “paraonde levaram o corpo do Raboni”. 9
  10. 10. Podemos estar diante da“materialização”, isto é, a utilizaçãode fluido ectoplásmico de seresencarnados ou de elementos da natureza– para possibilitar que o espírito sejavisto (por todos). 10
  11. 11. Noutras situações, estamos diantede uma outra manifestação psíquicaconhecida, a mediunidade devidência, quando, pelo uso defaculdades mediúnicas, alguémpode ver os espíritos. 11
  12. 12. O coelho, apesar de ser um mamíferoe, por conseguinte, não botar ovos,assumiu o papel de produtor eentregador dos ovos de páscoa. 12
  13. 13. Isso devido à notória capacidade dereprodução desses animais que setornaram símbolo da fertilidade. 13
  14. 14. Já o ovo, representa o surgimentoda vida e a origem do mundo.Daí sua relação com aressurreição de Cristo e a páscoa. 14
  15. 15. Mas, foi com os Maias e os Astecas que toda essa história começou. 15
  16. 16. A história do chocolate começou noano 600 a.C., Nas regiões tropicaisda América do Sul e na AméricaCentral, mais precisamente ondeficam atualmente o México e aGuatemala. Nesta época o cacau jáera cultivado pelos Maias e Astecase usado para elaborar uma bebidafermentada e amarga. 16
  17. 17. Chega o século XX, e osbombons e os ovos de páscoasão criados, como mais umaforma de estabelecer de vez oconsumo do chocolate nomundo inteiro. 17
  18. 18. Nesta Páscoa, lembra-te de reverenciar osbelos exemplos de Jesus, que o imortalizame que nos guiam para, um dia, tambémestarmos na condição experimentada por ele,qual seja a de “Sermos Deuses”, “Fazendobrilhar a nossa luz”. Comemore, uma“outra” Páscoa. 18
  19. 19. FONTE: Artigo: A Páscoa na visão Espírita Autor: Luciano Ribeiro *** Cozinhando com arte e almahttp://chefdeboracordeiro.Blogspot.Com/2008/08/paixo-por-chocolate.html Imagens: Extraídas da Internet. 19

×