PMI Mobilidade Urbana Grande Florianópolis

1.736 visualizações

Publicada em

O Grupo CCR e o Consórcio Floripa em Movimento apresentaram os projetos e estudos de viabilidade para a implantação de novos modais de transporte coletivo para melhorar a mobilidade urbana na Grande Florianópolis.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.736
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PMI Mobilidade Urbana Grande Florianópolis

  1. 1. MOBILIDADE URBANA – GRANDE FLORIANÓPOLIS PMI MOBILIDADE URBANA Reunião do Comitê Gestor de Parcerias Público-Privadas Raimundo Colombo – Governador do Estado de Santa CatarinaRaimundo Colombo – Governador do Estado de Santa Catarina César Souza Júnior - Prefeito de Florianópolis Adeliana Dal Pont – Prefeita de São José Camilo Martins – Prefeito de Palhoça José Eduardo Deschamps – Prefeito de Biguaçu Florianópolis, 21 de agosto de 2013
  2. 2. AÇÕES A SCPar, está participando de duas ações de Governo que estão relacionadas, porém independentes, no sentido de contribuir para a melhoria das condições da mobilidade urbana na Grande Florianópolis: 1) Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), visando receber recebimento de estudos e projetos da iniciativa privada para a definição de alternativas de melhoria/requalificação e/ou implantação de sistemas de transporte, visando à melhoria da mobilidade urbana e de acesso à Região Insular de Florianópolis; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS 2) Estudo de Mobilidade Urbana com abrangência aos 13 municípios da Grande Florianópolis, em Convênio com o BNDES – Plano Diretor Regional de Mobilidade;
  3. 3. ÁREA DE ABRANGÊNCIA PMI 002/2012 BNDES PLANO DIRETOR REGIONAL DE MOBILIDADE MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS PMI 002/2012 Apenas travessia
  4. 4. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse -- PMIPMI Embasamento legalEmbasamento legal OO ProcedimentoProcedimento dede ManifestaçãoManifestação dede InteresseInteresse éé umum instrumentoinstrumento pelopelo qualqual oo PoderPoder PúblicoPúblico receberecebe propostas,propostas, projetosprojetos ee estudosestudos dede implementaçãoimplementação dede ParceriasParcerias PúblicoPúblico--PrivadasPrivadas,, nono âmbitoâmbito dada LeiLei FederalFederal 1111..079079//20042004;; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS OO instrumentoinstrumento (PMI)(PMI) éé regulamentadoregulamentado emem SantaSanta CatarinaCatarina pelopelo DecretoDecreto EstadualEstadual 962962//20122012;; OsOs projetosprojetos dede ParceriaParceria PúblicoPúblico--PrivadaPrivada sãosão coordenadoscoordenados pelopelo ComitêComitê GestorGestor dede ParceriasParcerias PúblicoPúblico--PrivadasPrivadas (CGPPP(CGPPP));;
  5. 5. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Edital Aviso PMI 002/2012Edital Aviso PMI 002/2012 –– Disposições GeraisDisposições Gerais -- TodoTodo oo investimentoinvestimento parapara aa realizaçãorealização dosdos estudosestudos éé dodo autorautor dada propostaproposta.. NãoNão háhá qualquerqualquer desembolsodesembolso dede recursosrecursos públicospúblicos nosnos projetosprojetos apresentadosapresentados;; -- AA estruturaçãoestruturação econômicoeconômico--financeirafinanceira deverádeverá priorizarpriorizar oo menormenor desembolsodesembolso possívelpossível dede recursosrecursos públicos,públicos, bembem comcom aa modicidademodicidade tarifáriatarifária;; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS modicidademodicidade tarifáriatarifária;; -- NãoNão háhá qualquerqualquer espécieespécie dede exclusividadeexclusividade aoao manifestante,manifestante, nemnem geragera direitodireito dede preferência,preferência, vantagemvantagem ouou privilégioprivilégio parapara aa outorgaoutorga dada concessãoconcessão ouou permissãopermissão –– aa implantaçãoimplantação dosdos projetosprojetos deverádeverá serser licitadalicitada nana modalidademodalidade concorrênciaconcorrência (Art(Art.. 175175 CF),CF), ee deverádeverá serser estimuladaestimulada aa competiçãocompetição nono certamecertame..
  6. 6. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Edital Aviso PMI 002/2012Edital Aviso PMI 002/2012 –– Disposições GeraisDisposições Gerais -- OO PMIPMI nãonão obrigaobriga oo poderpoder públicopúblico aa realizarrealizar aa licitaçãolicitação ouou aa contratarcontratar oo objetoobjeto dosdos estudosestudos recebidos,recebidos, nãonão gerandogerando porpor sisi sósó oo direitodireito aoao ressarcimentoressarcimento;; -- Serão ressarcidos os estudos da proposta escolhida, pelo vencedorSerão ressarcidos os estudos da proposta escolhida, pelo vencedor da licitação para a implantação da soluçãoda licitação para a implantação da solução –– caso ela ocorra. No casocaso ela ocorra. No caso de utilização parcial dos estudos, o ressarcimento também será parcial.de utilização parcial dos estudos, o ressarcimento também será parcial. MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS de utilização parcial dos estudos, o ressarcimento também será parcial.de utilização parcial dos estudos, o ressarcimento também será parcial. -- O Estado poderá consolidar os estudos técnicos obtidos por meio doO Estado poderá consolidar os estudos técnicos obtidos por meio do PMI, podendo combináPMI, podendo combiná--los com as informações técnicas disponíveis oulos com as informações técnicas disponíveis ou que venham a ser geradas através de outros estudos técnicos.que venham a ser geradas através de outros estudos técnicos.
  7. 7. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Comitê Gestor de Parcerias PúblicoComitê Gestor de Parcerias Público--PrivadasPrivadas –– CGPPPCGPPP Estabelecido pelo Decreto Estadual 951/2012, para coordenação dos projetos deEstabelecido pelo Decreto Estadual 951/2012, para coordenação dos projetos de Parcerias PúblicoParcerias Público--PrivadasPrivadas, composto pelos seguintes membros:, composto pelos seguintes membros: Membros EfetivosMembros Efetivos II –– Presidente do CGPPP: DiretorPresidente do CGPPP: Diretor--Presidente da SC Par;Presidente da SC Par; II –– Secretário de Estado da Casa Civil;Secretário de Estado da Casa Civil; IIII –– Secretário de Estado da Fazenda;Secretário de Estado da Fazenda; IIIIII –– Secretário de Estado do Planejamento;Secretário de Estado do Planejamento; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS IVIV –– Secretário de Estado da Infraestrutura;Secretário de Estado da Infraestrutura; VV –– Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável;Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável; VIVI –– Procurador Geral do Estado;Procurador Geral do Estado; Até 03Até 03 Membros indicados pelo Governador do EstadoMembros indicados pelo Governador do Estado VIIVII –– o Secretário de Estado de Desenvolvimento Regional da Grande Florianópolis;o Secretário de Estado de Desenvolvimento Regional da Grande Florianópolis; VIIIVIII –– Sr Glauco José CorteSr Glauco José Corte –– Presidente da FIESCPresidente da FIESC IXIX –– vagovago
  8. 8. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse –– PMIPMI Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana O processo de PMI para recebimento de propostas de soluções para a mobilidade urbanaO processo de PMI para recebimento de propostas de soluções para a mobilidade urbana na Grande Florianópolis foi dividido em duas fases.na Grande Florianópolis foi dividido em duas fases. 1º Fase1º Fase –– maio/2012maio/2012 –– lançamento dolançamento do Edital PMI 001/2012Edital PMI 001/2012 ObjetoObjeto:: recebimentorecebimento dede subsídiossubsídios dada iniciativainiciativa privadaprivada parapara aa definiçãodefinição dede alternativasalternativas dede MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS ObjetoObjeto:: recebimentorecebimento dede subsídiossubsídios dada iniciativainiciativa privadaprivada parapara aa definiçãodefinição dede alternativasalternativas dede requalificaçãorequalificação ee implantaçãoimplantação dede obrasobras estruturantesestruturantes visandovisando àà melhoriamelhoria dodo sistemasistema dede transporte,transporte, dede mobilidademobilidade urbanaurbana ee dede acessoacesso àà regiãoregião insularinsular dede Florianópolis,Florianópolis, aa partirpartir dada BRBR 101101.. RecebimentoRecebimento dasdas propostaspropostas emem 2525 dede julhojulho dede 20122012 OO objetivoobjetivo principalprincipal dada 11ªª fasefase foifoi obterobter subsídiossubsídios parapara aa definiçãodefinição dasdas diretrizesdiretrizes parapara aa 22ªª fasefase..
  9. 9. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse –– PMIPMI Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana 1ª Fase1ª Fase -- 12 propostas:12 propostas: -- 9 propostas de transporte rodoviário (3 túneis e 6 pontes);9 propostas de transporte rodoviário (3 túneis e 6 pontes); -- 3 propostas de transporte público (Teleférico, Marítimo, VLP);3 propostas de transporte público (Teleférico, Marítimo, VLP); ProponentesProponentes Solução PropostaSolução Proposta Andrade GutierrezAndrade Gutierrez Túnel e AterroTúnel e Aterro MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS Andrade GutierrezAndrade Gutierrez Túnel e AterroTúnel e Aterro CCR/ESSECCR/ESSE Teleférico/MarítimoTeleférico/Marítimo CONCEBCONCEB Ponte MóvelPonte Móvel CONTERNCONTERN Ponte e AterroPonte e Aterro Engevix/PaulitecEngevix/Paulitec Ponte e AterroPonte e Aterro Jaime Lerner AssociadosJaime Lerner Associados MarítimoMarítimo Jaqueline CarvalhoJaqueline Carvalho Ponte, Túnel ePonte, Túnel e IhasIhas ArtificiaisArtificiais LDJ/COMAPAYALDJ/COMAPAYA Ponte e AterroPonte e Aterro Odebrecht/OASOdebrecht/OAS Veículo Leve Sobre Pneus (VLP)Veículo Leve Sobre Pneus (VLP) Queiroz GalvãoQueiroz Galvão Túnel em RochaTúnel em Rocha SOTEPA/IguatemiSOTEPA/Iguatemi Ponte e Anel Viário InsularPonte e Anel Viário Insular WD EngenhariaWD Engenharia Ponte e ElevadosPonte e Elevados
  10. 10. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse -- PMIPMI 2º Fase2º Fase –– novembro/2012novembro/2012 –– LançamentoLançamento Edital PMI 002/2012Edital PMI 002/2012 ComCom basebase nosnos estudosestudos obtidosobtidos nana 11ªª fase,fase, foifoi preparadopreparado oo TermoTermo dede ReferênciaReferência ee diretrizesdiretrizes parapara estaesta etapaetapa.. ObjetoObjeto:: recebimentorecebimento dede estudosestudos ee projetosprojetos dada iniciativainiciativa privadaprivada parapara aa definiçãodefinição dede alternativasalternativas dede melhoria/requalificaçãomelhoria/requalificação e/oue/ou implantaçãoimplantação dede sistemassistemas dede transporte,transporte, MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS alternativasalternativas dede melhoria/requalificaçãomelhoria/requalificação e/oue/ou implantaçãoimplantação dede sistemassistemas dede transporte,transporte, visandovisando àà melhoriamelhoria dada mobilidademobilidade urbanaurbana ee dede acessoacesso àà regiãoregião insularinsular dede FlorianópolisFlorianópolis.. EscopoEscopo:: obterobter propostaspropostas dede implantaçãoimplantação ee operaçãooperação dede sistemassistemas dede transportetransporte públicopúblico dede passageirospassageiros.. RecebimentoRecebimento dasdas propostaspropostas emem dezembrodezembro dede 20122012;; AutorizaçãoAutorização dosdos estudosestudos emem fevereiro/fevereiro/20132013;;
  11. 11. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse –– PMIPMI Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana 2ª Fase2ª Fase –– 7 propostas recebidas, sendo que 3 apresentaram todos os requisitos exigidos7 propostas recebidas, sendo que 3 apresentaram todos os requisitos exigidos no Edital para receberem autorização de prosseguimento dos estudos:no Edital para receberem autorização de prosseguimento dos estudos: ProponentesProponentes Solução PropostaSolução Proposta CCR/ESSECCR/ESSE Teleférico/MarítimoTeleférico/Marítimo Florianópolis Terra MarFlorianópolis Terra Mar (Jaime(Jaime LernerLerner,, SoiferSoifer,, MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS ObsObs.:.: 11 -- AA proponenteproponente FlorianópolisFlorianópolis TerraTerra MarMar declinoudeclinou dede seuseu direitodireito dede desenvolverdesenvolver osos estudos,estudos, porpor meiomeio dede ofícioofício encaminhadoencaminhado aoao CGPPPCGPPP.. 22 –– AsAs proponentesproponentes CCRCCR ee ESSEESSE apresentaramapresentaram--sese inicialmenteinicialmente emem consórcio,consórcio, porémporém houvehouve aa separaçãoseparação entreentre elas,elas, queque prosseguiramprosseguiram nono processoprocesso dede formaforma individual,individual, sendosendo queque aa ESSEESSE formalizouformalizou aa desistênciadesistência dodo processoprocesso.. Florianópolis Terra MarFlorianópolis Terra Mar (Jaime(Jaime LernerLerner,, SoiferSoifer,, AnderolliAnderolli,, ConselvanConselvan,, FraxinoFraxino, Esteio e, Esteio e RedirectionRedirection)) Marítimo e BRTMarítimo e BRT FloripaFloripa em Movimentoem Movimento (Quark, MPE,(Quark, MPE, ScomiScomi ee BrasellBrasell)) PODPOD--SIT, Marítimo eSIT, Marítimo e MonotrilhoMonotrilho
  12. 12. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA Procedimento de Manifestação de InteresseProcedimento de Manifestação de Interesse –– PMIPMI Mobilidade UrbanaMobilidade Urbana Na data final de entrega, duas proponentes apresentaram seus estudos e projetos:Na data final de entrega, duas proponentes apresentaram seus estudos e projetos: ProponentesProponentes Solução PropostaSolução Proposta CCRCCR TTransporteransporte MarítimoMarítimo FloripaFloripa em Movimentoem Movimento (Quark, MPE,(Quark, MPE, ScomiScomi ee PODPOD--SIT, Marítimo eSIT, Marítimo e MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS FloripaFloripa em Movimentoem Movimento (Quark, MPE,(Quark, MPE, ScomiScomi ee BrasellBrasell)) PODPOD--SIT, Marítimo eSIT, Marítimo e MonotrilhoMonotrilho
  13. 13. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE MOBILIDADE URBANA CONSÓRCIO FLORIPA EM MOVIMENTO MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS
  14. 14. Mapa Geral das Rotas
  15. 15. Mapa Geral das Rotas
  16. 16. Monotrilho – Fase 1 – 7,1 km – Terminal Rita Maria / Novo Terminal Kobrasol 2 Terminais Multimodais (Rita Maria, Kobrasol) 5 Estações (Estreito, Capoeiras, Angeloni, Kobrasol, Campinas) Início das obras: abr/2014 ou abr/2018 Início da operação: dez/2016 ou dez/2017
  17. 17. Monotrilho – Fase 2 – 4,35km 1 Terminal Multimodal (Barreiros) 3 Estações (Delamar, Itaguaçu, CEASA) Início das Obras: jan/2017 ou out/2012 Início da Operação: abr/2019 ou jan/2024 Monotrilho – Fase 3 Integração com Nova Rodoviária na área do CEASA Capacidade de transporte de 100.000Capacidade de transporte de 100.000 passageiros / dia
  18. 18. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE RESUMO DOS PROJETOS APRESENTADOS Monotrilho Estações Elevadas, com acesso por elevador e escadas rolantes ao nível do passeio 6 trens de 4 carros, capacidade para 540 passageiros – ampliação gradativa até 16 trens Tempo de viagem – Terminal Barreiros ao Terminal Rita Maria – 19 minutos MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS Nova Ponte – exclusiva para o monotrilho, paralela à atual
  19. 19. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE RESUMO DOS PROJETOS APRESENTADOS Sistema POD-SIT
  20. 20. Sistema POD-SIT Mapa de Rotas e Cronograma de Implantação 169 baias, 1300 carros Ext (km) Estações Bairros Atendidos Início de Implantação* Início de Operação* Fase 1 8,2 8 Centro, Coqueiros, Capoeiras, Estreito jul/16 abr/17 Fase 2 4,1 7 Av. Rio Branco, Av. Mauro Ramos abr/18 out/19 Fase 3 3,32 5 Av. Beira Mar - Agronômica abr/19 abr/20 Fase 4 5,65 4 Agronômica - CIC jul/20 jul/21 Fase 5/6 12,25 11 Trindade / Itacorubi (UFSC/UDESC) jul/21 jul/22 *considerando o cenário mais otimista
  21. 21. Transporte Marítimo Mapa de Rotas e Cronograma de Implantação Início de Implantação* Início de Operação* Terminal Kobrasol abr/14 out/15 Terminal Rita Maria abr/14 out/15 Terminal Barreiros abr/17
  22. 22. Terminais de Integração Terminal Rita Maria Integração entre Monotrilho, Marítimo, POD-SIT e ônibus municipal
  23. 23. Terminal Rita Maria “Parque Jardim do Mar” Transferência do TICEN para o Rita Maria – Transferência das linhas intrermunic. p/ São José Estacionamento em semi-subsolo, para 3.855 vagas Revitalização da superfície, permitindo a implantação de um parque urbano
  24. 24. Terminal de Integração Kobrasol Interligação entre ônibus intermunicipais, transporte marítimo, monotrilho e estacionamento Proposta de Implantação em terreno do Ministério da Agricultura
  25. 25. Terminal de Integração Barreiros Interligação entre ônibus intermunicipais, transporte marítimo, monotrilho e estacionamento Proposta de Implantação em terreno da CASAN
  26. 26. Transformação e Integração Urbana Parque Jardim das Águas (Aterro da Baía Sul) Nível Superior
  27. 27. Transformação e Integração Urbana Parque Jardim das Águas (Aterro da Baía Sul) Nível Inferior
  28. 28. Transformação e Integração Urbana Bulevar das Águas (Aterro de Campinas)
  29. 29. Investimentos 5 Cenários Valores dos Investimentos para Implantação do Projeto (CAPEX) – (R$ milhões) Equipamentos FLORIPA EM MOVIMENTO CENÁRIO 1 CENÁRIO 1 A CENÁRIO 2 CENÁRIO 3 CENÁRIO 3 A Terminais de Integração 213 213 181 181 181 Transporte Marítimo (Embarcações + Terminais) 311 311 311 Estacionamentos 566 566 566 566 566 Monotrilho (Infraest., Veíc. e Estações) 1.808 1.808 1.808 1.808 POD-SIT (Infraestrutura, Veículos e Estações) 2.142 2.142 Total do CAPEX 2.586 4.729 1.057 2.864 5.007
  30. 30. Estimativa de Passageiros Transportados - Monotrilho
  31. 31. Estimativa de Passageiros Transportados – POD-SIT
  32. 32. Cronograma de Implantação das Soluções
  33. 33. Estimativa de Passageiros Transportados – Barcas
  34. 34. Indicadores Financeiros FLORIPA EM MOVIMENTO CENÁRIOS CENÁRIO 1 (Monotrilho + Estacionamentos + Terminais de Integração) CENÁRIO 1 A (Monotrilho + Estacionamentos + Terminais de Integração + POD) CENÁRIO 2 (Marítimo + Estacionamentos + Terminais de Integração) CENÁRIO 3 (Monotrilho +Marítimo + Estacionamentos + Terminais de Integração) CENÁRIO 3 A (Monotrilho +Marítimo + POD+Estacion.+ Terminais de Integração) Investimentos (R$ milhões)* 2.542 4.757 1.050 2.938 5.100 Aporte Público (R$ milhões) 543 999 220 617 1.072 Contraprestação Anual (R$ milhões) 105 229 2 149 319Contraprestação Anual (R$ milhões) 105 229 2 149 319 Tempo de Concessão (anos) 35 35 35 35 35 Total de Inv. Público a Valor Corrente 3.903 8.141 274 5.240 10.795 Total de Inv. Público a Valor Presente 1.267 2.356 231 1.423 2.548 Solução Tarifa Monotrilho (Fase 1 e 2) R$ 3,00 POD-SIT R$ 5,30 Barcas Fase 1 R$ 2,60 Barcas Fase 2 R$ 3,00
  35. 35. Estudo de Demanda – Contagens de Tráfego, Pesquisa Origem-destino, etc.
  36. 36. Estudo de Demanda – Contagens de Tráfego, Pesquisa Origem-destino, etc.
  37. 37. Estudo de Demanda – Contagens de Tráfego, Pesquisa Origem-destino, etc.
  38. 38. Levantamento Batimétrico
  39. 39. Terminal Centro – Miramar - 2 Berços para Passageiros
  40. 40. Terminal Centro – Miramar - 2 Berços para Barcas de Passageiros
  41. 41. Terminal Saco dos Limões – 4 Berços para Ferry-Boats
  42. 42. Terminal Saco dos Limões – 4 Berços para Ferry-Boats
  43. 43. Terminal São José Norte – Barreiros 1 Berço para Barcas de Passageiros, 2 Berços para Ferry-Boat
  44. 44. Terminal São José Sul – Kobrasol 1 Berço para Barcas de Passageiros, 2 Berços para Ferry-Boat
  45. 45. Terminal São José Sul – Kobrasol
  46. 46. Terminal Canasvieiras
  47. 47. Projeto das Embarcações – 500 passageiros – 14 unidades
  48. 48. Projeto das Embarcações – Avatares
  49. 49. Projeto dos Ferry-boats – 102 veículos – 24 unidades
  50. 50. Demanda
  51. 51. Cronograma de Implantação das Soluções
  52. 52. Investimentos Valores dos Investimentos para Implantação do Projeto (CAPEX) – em R$ milhões Equipamentos CCR TRANSPORTE MARÍTIMO Embarcações 490Embarcações 490 Estaleiros 18 Estações 342 Sistemas 91 Total do CAPEX 941
  53. 53. Indicadores Financeiros CCR CENÁRIOS TRANSPORTE MARÍTIMO: BARCAS e FERRYBOATS Investimentos (R$ milhões)* 941 Aporte Público (R$ milhoes) 500 Contraprestação Anual (R$ milhoes) 41Contraprestação Anual (R$ milhoes) 41 Tempo de Concessão (anos) 30 Total de Inv. Público a Valor Corrente 1.685 Total de Inv. Público a Valor Presente 974 Solução Tarifa BARCAS R$ 4,00 FERRY SL > SJN (BARR) R$ 20,00 FERRY SL > SJS (KOBR) R$ 15,00
  54. 54. Próximos Passos Definição do(s) Modal(is) a ser(em) licitado(s); Revisão e ajustes dos estudos e projetos; Processo de licenciamento ambiental (EIA/RIMA);Processo de licenciamento ambiental (EIA/RIMA); Audiências e consultas públicas; Lançamento do edital de Concorrência Pública.
  55. 55. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES - Assinado em 12 de março de 2013, entre o Estado de SC e o BNDES; - Anuência formal dos 13 prefeitos dos Municípios da Grande Florianópolis; - Criação da Comissão Inter-institucional de Avaliação das Propostas e Acompanhamento: BNDES / SCPar / SDR / Sec. Planejamento / Sec. Infraestrutura PM Florianópolis / PM São José / PM Palhoça / PM Biguaçu - Recursos oriundos do FEP – Fundo de Estruturação de Projetos - Contratação por meio de chamada pública – processo diferenciado de contratação MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS - Contratação por meio de chamada pública – processo diferenciado de contratação - Financiamento não-reembolsável ao autos dos estudos - Sem ônus financeiro para Estado e Municípios - Estudo será publicado e de DOMÍNIO PÚBLICO - Abertura das propostas em 24 de junho de 2013 – 8 propostas recebidas – as propostas estão sendo avaliadas pela Comissão Interinstitucional - Meta para início dos trabalhos em agosto/2013 – Prazo de 12 meses para apresentação do resultado final;
  56. 56. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES Objeto “Fornecer elementos de subsídio ao planejamento de médio e longo prazo, para formulação e implantação de políticas públicas que visem à melhoria das condições de vida da população da região, sendo a base técnica para a implantação de um PLANO DIRETOR DE MOBILIDADE REGIONAL”. O resultado Estudo poderá também ser adotado pelos Municípios como MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS O resultado Estudo poderá também ser adotado pelos Municípios como base técnica para a implantação dos seus Planos Diretores de Mobilidade, atendendo à exigência da Lei 12.587/2012. Os estudos decorrentes do PMI também serão adotados como dados de entrada, independente da decisão pela implantação de algum dos projetos.
  57. 57. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES Escopo - Amplo estudo de mobilidade urbana com abrangência regional que aborde dentre outros aspectos: - avaliação da atual infraestrutura e sistema de transportes público; - identificação dos principais pontos críticos e gargalos; - pesquisa de origem e destino domiciliar em toda a região – mais de 10.000 entrevistas domiciliares; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS entrevistas domiciliares; -avaliação de forma integrada, englobando também uso do solo, meios não- motorizados, centrais de controle de tráfego, novas tecnologias, estratégias de controle da demanda - priorização das alternativas pela relação benefício/custo, e indicação das fontes e estratégias de financiamento;
  58. 58. ABORDAGEM INTEGRADA Mobilidade Urbana Sustentável Infraestrutura Uso do Solo Aspectos Geográficos e Ambientais Modos não- Tecnologia Qualidade do transporte público Restrições fiscais Fontes alternativas MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS Infraestrutura Sistema Viário Transporte Público Intermodal Plano Diretor Municipal Polos Geradores de Viagens Ambientais Limitações Geográficas Legislação Ambiental Patrimônio Histórico Modos não- motorizados Calçadas Ciclovias Centrais de Controle de Tráfego Fontes renováveis público Custo Tempo Conforto Confiabilidade Segurança Fontes alternativas de financiamento Retorno dos benefícios econômicos
  59. 59. Fase I: Coleta de dados secundários e modelagem da pesquisa Fase II: Pesquisa e levantamentos em campo • Pesquisa volumétrica e de ORIGEM-DESTINO, modo e motivo da viagem com amostragem adequada POR REGIÃO DE TRÁFEGO • Distâncias e tempo de viagem • Informações familiares, condições de moradia e renda, etc. • Coleta e preparação de mapas georreferenciados; • Levantamento das condições e infraestrutura atuais, principais rotas e corredores • Identificação dos principais Polos Geradores de Tráfego, Equipamentos urbanos e de serviço público • Projetos e Planos existentes e em andamento; • Dados socioeconômicos, moradia, trabalho, educação, saúde, turismo • Modelagem, preparação e planejamento da pesquisa Origem-Destino FASES DO TRABALHO 4 FASES campo Fase III: Aplicação da avaliação e modelagem da pesquisa • Informações familiares, condições de moradia e renda, etc. • Disponibilidade do transporte e custo • Levantamento de demanda e oferta atual e futura com caracterização de fluxos intra ou intermunicipais. • Avaliação da repartição modal e indicação de tendências • Diagnóstico da situação e simulação de cenários: implantação de novos modais e infraestrutura de transportes, criação de novas ligações, alterações no uso do solo transferência de equipamentos públicos, etc. • Avaliação de ações de gerenciamento da demanda, espaços de estacionamento, estímulo ao uso do transporte público, melhoria da utilização dos ativos existentes com uso de tecnologias de transporte inteligente, e outras. Fase IV: Avaliação das alternativas de solução • Avaliação de custo das soluções propostas, a melhoria na mobilidade, impacto sócio-ambiental e potenciais fontes de recursos; • Apresentação de Plano de Ação com priorização por indicativos de eficiência (custo/benefício);
  60. 60. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES Etapa Prazo (meses) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Fase 1 Fase 2 Fase 3 CRONOGRAMA MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS Fase 3 Fase 4 A fase de pesquisa de campo deverá ser feita em duas fases, de modo a captar o comportamento da demanda nos meses letivos e nos meses de verão
  61. 61. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE -Seminários de avaliação e discussão com a sociedade civil e os diversos entes governamentais ao final de cada fase, por meio do Comitê Gestor de Mobilidade Urbana – SDR; - Plano de comunicação, de modo a alcançar a amostragem necessária e garantir a confiabilidade deste instrumento; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS - Apresentação dos resultados dos estudos à sociedade civil e aos governos municipais, estadual e federal; - O resultado será de domínio público – será publicado e distribuído (600 exemplares + versão digital);
  62. 62. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES LEGADOS - Melhor conhecimento do problema da mobilidade na Grande Florianópolis; - Diagnóstico profundo e detalhado da mobilidade e das possíveis soluções, indicando as possíveis fontes de recursos e prioridades com base na análise de custo/benefício; - Todos os mapas, bancos de dados e informações em meio impresso e digital serão disponibilizadas ao Estado e também poderão ser disponibilizadas aos Municípios; MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS disponibilizadas ao Estado e também poderão ser disponibilizadas aos Municípios; -Serão disponibilizadas licenças do software de modelagem da rede de transportes da Região da Grande Florianópolis, permitindo que a atualização seja feita de forma permanente; - Desenvolvimento de um ambiente integrado de planejamento do transporte em nível regional
  63. 63. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA - BNDES PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE O OBJETIVO DESTE ESTUDO NÃO É SER UMA PESQUISA PURA, MAS UM INSTRUMENTO QUE SEJA REALMENTE ADOTADO COMO FERRAMENTA EFETIVA DE PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE EM NÍVEL REGIONAL. MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS
  64. 64. OBRIGADO! Guilherme Medeiros MOBILIDADE URBANA GRANDE FLORIANÓPOLIS Guilherme Medeiros Engenheiro – Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A. guilherme@scpar.sc.gov.br (48) 3665-3200

×