SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
As sociedades são conduzidas por agitadores de sentimentos,
não por agitadores de ideias. Recorro ao poeta português Fernando
Pessoa para reafirmar que pessoas não são números. Povo tem
nome, rosto e endereço.


    Senhor Presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina,
Joares Ponticelli
    Senhoras e senhores,


    Começo minha manifestação com uma história simples, mas
emblemática. No dia 17 de janeiro de 2013 estava em Grão Pará,
cidade encravada no pé da montanha, no Sul de Santa Catarina, para
assinar o edital de licitação das obras na estrada que atravessa a
Serra do Corvo Branco. Na pequena comunidade de Aiurê,
caminhava para o local da solenidade. Uma moradora esperava
pacientemente no meio do caminho com um livro debaixo do braço.
Era a Dona Normélia Kunhen, filha do Seu Pedro Kunhen, morador
da região. Homem simples e visionário entendeu que a construção
de uma picada, uma ligação, por mais precária que fosse, com o
Planalto catarinense iria trazer ganhos para a região. Afinal a
estrada terminava ali nas suas terras e de seus amigos.
     O livro que Normélia carregava como um troféu era o diário da
construção da estrada. Dia após dia, Pedro Kunhen registrou as
atividades e todas as pessoas que o ajudavam, nome a nome. Ele não
tinha máquinas e muito menos conhecimento para construção da
estrada. Mas ele tinha o principal: vontade de fazer com que as
coisas acontecessem, independente dos desafios que iria enfrentar.
    Há dois anos assumi o Governo do Estado, respaldado pela
confiança dos catarinenses com um propósito: trabalhar para as
pessoas. Na bagagem eu tinha além da experiência na vida pública, a
vontade de promover as mudanças necessárias. Assim como o Seu
Pedro Kunhen fez em 1959, que decidiu abrir uma picada com foice
e facão, eu participei de uma disputa sabendo que a vitória não me
daria direito a berço esplêndido. Ao contrário, estaria me colocando
à prova todos os dias.
    Não sou dado a promessas, mas a planos e projetos. Não
acredito em discursos, mas em decisões e ações. Por isso antes de
tomar qualquer atitude me dediquei a governar o governo. Isso
significa desvendar o intrincado funcionamento da máquina
pública, identificar suas potencialidades e vulnerabilidades, definir
as prioridades reais do estado, não a partir do olhar do governante,
mas do cidadão.
     Aprendi desde cedo com minha mãe que a casa precisa estar
arrumada não só quando se tem visitas, mas todos os dias. E que
isso não é só uma pessoa que faz. É preciso colaboração de todos.
No estado não é diferente. Temos que ter a casa arrumada para
garantir o bem-estar de todas as pessoas, sejam elas visitantes ou
moradoras de Santa Catarina. O cidadão colabora com seus
impostos e é nosso dever como Estado retribuir na forma de
serviços de qualidade.
     A administração pública tem muitas coisas boas, mas também
ficou claro que está engessada em processos ultrapassados que só
dão sobrevida à burocracia. O remédio para essa doença que se
instalou na administração pública ao longo das últimas décadas é a
implantação de processos de gestão. Temos que aperfeiçoar os
recursos materiais e humanos. Eliminar o desperdício. É a isso que
me refiro ao dizer fazer mais com menos, sem diminuir a
quantidade ou qualidade dos serviços, sem comprometer
investimentos. Não podemos mais onerar o cidadão com novos
impostos. É preciso administrar os recursos com seriedade. E
repito: usar o dinheiro para as prioridades reais do cidadão.
    Nas minhas andanças pelo Estado percebi que as pessoas não
pedem obras grandiosas. Elas querem um posto de saúde, um
hospital, uma estrada para frequentar uma faculdade na cidade
vizinha sem se arriscar todos os dias. Ou uma rodovia pavimentada
para poder vender a sua produção em municípios maiores. Querem
calcário para corrigir o solo, sementes, cisternas para enfrentar a
estiagem que já se tornou rotina em nosso Estado.
    No Vale do Itajaí as pessoas pedem obras pontuais de
prevenção que podem fazer toda a diferença numa enchente. O Sul
do estado quer movimentar a economia, quer voltar a ver o Porto de
Imbituba como corredor de desenvolvimento, quer a BR-101
duplicada. O Norte catarinense pede estradas, investimentos em
energia porque já é um polo industrial consolidado e caminha para
uma ampliação com a chegada da BMW.
    A partir deste retrato do Estado que tem tão bem definidas as
suas regiões com geografia e economia próprias é que nasceu o
Pacto Por Santa Catarina, um grande programa de gestão de
projetos para garantir que obras tenham não só interesse público,
mas que tenham começo, meio e fim. O nome por si só se revela:
pacto quer dizer acordo entre duas partes. É isso que propus à
sociedade: um pacto para fazer com que o estado esteja mais
próximo e atendendo aos anseios da população.
    O programa atende às principais necessidades cotidianas das
pessoas: Infraestrutura, Saúde, Segurança Pública, Justiça e
Cidadania, Assistência Social, Educação e Saneamento Básico. Santa
Catarina está recebendo mais de R$ 7 bilhões em investimentos.
Esse número astronômico só faz sentido para as pessoas quando
elas têm atendimento médico próximo de sua casa, transporte e
escolas para seus filhos, capacitação profissional para ingressar em
um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente.
     Nossas metas são ousadas, mas absolutamente possíveis. Não é
um sonho impossível Santa Catarina ser o primeiro Estado a
erradicar a miséria até 2014. É a meta do Pacto pela Ação Social. E
ela será cumprida.
    Lembro-me do dia em que estava em Romelândia e um
agricultor veio de uma forma muito humilde e carinhosa dizer que o
asfalto iria mudar a vida dele, que os filhos iriam poder estudar na
cidade vizinha, que seria mais fácil vender a produção do seu
pequeno e produtivo sítio. Na infraestrutura rodoviária, o Pacto Por
Santa Catarina está investindo R$ 2,8 bilhões na construção ou
recuperação de 1,5 mil quilômetros de rodovias. São estradas em
pontos estratégicos do estado onde as comunidades aguardam com
ansiedade a chegada do asfalto. E isso não vai demorar porque
fizemos a lição de casa. No ano passado buscamos os
financiamentos com organismos nacionais e internacionais e, em
paralelo, fomos elaborando grande parte dos projetos dos trechos.
O resultado é que, voltando a lugares que estive há seis meses
lançando os editais, pude dar a ordem de serviço de contratos de
financiamento que assinamos neste mês. Isso só aconteceu porque
enfrentamos a burocracia.
    Se as coisas não andam é preciso saber o porquê, descobrir
onde está o gargalo e atuar fortemente. Ao longo do ano passado fiz
inúmeras viagens a Brasília e ao Rio de Janeiro para ver de que
forma poderíamos acelerar a assinatura dos contratos de
financiamento a fim de evitar que a falta de um documento, de uma
assinatura, emperrasse todo um processo em andamento. Isso foi
fundamental para que agora as pessoas comecem a ver as máquinas
trabalhando em suas regiões.
     Não vou citar nossas ações em números porque eles só servem
para os técnicos. As pessoas comuns – aquelas para quem eu dedico
o meu trabalho – querem saber se terão estradas para ir e vir sem
arriscar as suas vidas, levar a produção até o consumidor, facilitar a
chegada do milho e da soja para a sua criação, estruturar e manter
seus negócios. Exemplo simples da importância de uma estrada: um
restaurante, um hotel precisam de movimento e uma estrada em
boas condições, ainda mais em lugares belíssimos como temos em
toda Santa Catarina que atraem milhares de visitantes.
    O papel do governo não é financiar empreendimentos, mas
oferecer a infraestrutura para que se desenvolvam. Para as
pequenas empresas o governo do estado tem o Juro Zero. Eu lembro
quando era prefeito de Lages, tinha um rapaz que montou uma
pizzaria e queria ampliar o negócio e implantar uma tele-entrega.
Eu disse para ele fazer um financiamento. Ele respondeu que tinha
medo de uma dívida com um banco. Foi aí que nasceu o Juro Zero.
Um programa simples que fez toda a diferença para o piz-zaiolo e
que agora está acessível a todos os catarinenses. Desde que foi
lançado em novembro de 2011, o Juro Zero emprestou mais de R$
26 milhões para pequenos empreendedores.
     Pequenas empresas precisam de ajuda, não vem só em forma
de dinheiro, mas em capacitação, em treinamento de mão de obra e,
principalmente, em gestão. Por mais dinheiro que uma empresa
tenha se não souber onde, como e quando usar, ela fatalmente vai
fracassar. Hoje o fechamento de uma empresa não representa
prejuízo para o dono, mas também acarreta em desemprego, a
frustração pessoal, estagnação da economia, queda na arrecadação
de tributos. E isso vale para grandes e pequenos municípios.
     Outra área contemplada no Pacto Por Santa Catarina é a saúde.
O grande nó do sistema hoje não é falta de recursos, mas a má
aplicação do que existe por conta da gestão ineficiente das unidades
hospitalares. Isso compromete todo o sistema de saúde. E quem
sofre são as pessoas que precisam de atendimento. Quando um
familiar fica doente de nada adianta saber quem é o culpado, se o
SUS, se o governo do estado ou o município. Nós só queremos
atendimento rápido e eficiente para nossos amigos e familiares. E
esse é um grande desafio para qualquer governante.
     Está em curso em todas as 14 unidades hospitalares um estudo
de dimensionamento da força de trabalho. Nas seis unidades já
analisadas vimos problemas graves, como a distorção na alocação
de funcionários. Algumas áreas têm um grande número de
servidores em detrimento de outras, como as UTIs, só para citar um
exemplo. Outro ponto que compromete a prestação de serviços é a
falta de controle e fiscalização, que vai da distribuição de
medicamentos até o mais básico, que é o registro de ponto. Os
funcionários são pagos com dinheiro público e devem sim prestar
contas ao cidadão.
     O Pacto por Santa Catarina destina R$ 500 milhões para a saúde
que serão usados na ampliação de hospitais, na construção de
policlínicas regionais em locais estratégicos - não para o governo,
mas para a população - reforma de unidades, compra de
equipamentos. As escolhas não levam em conta bandeiras
partidárias. Volto a repetir: briga política não constrói ponte, escola,
hospital ou qualquer melhoria na saúde catarinense.
    É inadmissível que uma pessoa tenha que atravessar o estado
para receber tratamento especializado. Isso é uma deformidade na
gestão da saúde. Temos que cada vez mais descentralizar o
atendimento para reduzir a sobrecarga dos hospitais dos grandes
centros urbanos. A construção de novos prédios para ampliar a
capacidade, ao lado dos hospitais que já existem, tem dois
propósitos: aproveitar a estrutura administrativa existente e
aumentar a complexidade do atendimento. A saúde está sendo
pensada de forma articulada, integrada. Quando se fala em saúde
não podemos esquecer da prevenção de doenças. Prevenção é tão
importante quanto atendimento.
     Estamos enfrentando problemas históricos com muita
coragem. A superlotação do sistema carcerário é um deles. O Pacto
da Justiça e Cidadania vai investir R$ 268 milhões na construção e
reforma de presídios e penitenciárias. Sei que só construir prédios
equivale a enxugar gelo. É preciso apostar na ressocialização dos
apenados. Atualmente existem cinco mil detentos trabalhando em
funções que exigem qualificação, ou seja, estão cumprindo a pena
pelo delito que cometeram e recebendo a chance de retornar à
sociedade com uma profissão. Os convênios que a Secretaria da
Justiça e Cidadania assina com as empresas têm uma cláusula
pétrea: o detento que prestou serviço durante o cumprimento de
sua pena deve permanecer na empresa um ano após ganhar a
liberdade.
Os internos recebem uma remuneração justa pela atividade que
contribui não só para sua autoestima, mas também para redução da
pena. Aquela cena tradicional que se via na frente da penitenciária
nos dias de visita com as esposas e filhos carregando sacolas de
alimentos e roupas está virando raridade. Hoje a família vai visitar o
preso e leva para casa o salário que ele ganha trabalhando.
     A tecnologia tem sido a grande aliada na Segurança Pública. O
Pacto da Segurança destina R$ 268 milhões para investimentos em
estrutura, mobilidade, equipamentos e ampliação do sistema de
vigilância eletrônica. Mas para que todo esse aparato seja usado de
forma racional e eficiente é preciso que exista uma gestão eficiente
de recursos humanos e materiais. Estamos trabalhando com
inteligência, mapeando os pontos de risco e atuando fortemente. Os
resultados são vistos todos os dias com a apreensão de armas,
drogas e criminosos. O sistema de videomonitoramento está
chegando a 100 municípios e tem se convertido em uma importante
ferramenta para inibir e solucionar crimes. A troca de informação
entre as polícias militar, civil e agentes penitenciários tem
permitido aos agentes da segurança antecipar ações criminosas.
Prova disso foi a apreensão de armas e aparelhos de
radiocomunicação nas muralhas da Penitenciária de São Pedro de
Alcântara que seriam arremessados para o interior da unidade. Foi
a troca de informação entre as inteligências que permitiu esta ação
preventiva.
     O programa também terá recursos no valor de R$ 25 milhões
na compra de equipamentos de combate a incêndio e de socorro ao
Corpo de Bombeiros Militar. Será o primeiro investimento de porte
feito na Corporação desde 1982.
    O Pacto pela Proteção Social chega com outro viés. Em vez de
ações assistencialistas o programa está estruturado em três eixos:
Proteção Social e Garantia de Direitos; Trabalho, Qualificação e
Geração de Renda; e Erradicação da Extrema Pobreza. O crack é o
grande vilão da sociedade – independente da classe social. É uma
droga que compromete física e intelectualmente o usuário. Nesta
toada da proteção social temos que resgatar as pessoas, na sua
grande maioria jovens que estão morando nas ruas e que acabam
superlotando as cadeias por conta de assassinatos ou tráfico. O
Pacto tem o objetivo de proteger a população em vulnerabilidade
social, garantir-lhes os direitos sociais, gerar trabalho, emprego e
renda e erradicar a extrema pobreza. Para isso, serão investidos R$
139,2 milhões em 15 ações até 2014. O que representa este
número? Que vamos tirar os catarinenses que vivem na extrema
pobreza. Primeiro dar a mão para depois capacitar e integrá-los ao
mercado de trabalho. Isso é fácil? Não, mas é possível.
     A construção e revitalização dos Centros de Referência de
Assistência Social (CRAS) e dos Centros de Referência Especializado
de Assistência Social (CREAS), os Centros Dia para idosos, são
fundamentais para ajudar que as pessoas retomem suas vidas. O
CREA é a primeira porta, o primeiro socorro para quem precisa de
ajuda. Famílias com pessoas portadoras de alguma deficiência
mental precisam de assistência e o trabalho dos Centros facilita a
integração dessas pessoas à sociedade. Os idosos, muitas vezes
vítimas de abandono ou de maus tratos, poderão passar o dia nos
Centros. Mais do que uma simples companhia essas pessoas acabam
redescobrindo o prazer de viver. Hoje se fala muito na qualificação
dos jovens, mas é importante salientar que os idosos e crianças, que
ocupam as duas pontas da existência, são os que mais carecem de
cuidados.
    Como já disse, nossas metas são ousadas e possíveis. Não
podemos nos conformar se faltam alimentos na mesa de uma
família. Pessoas precisam de dignidade. Os programas que o
Governo do Estado está implantando não prevêem apenas dar
dinheiro para suprir a necessidade de quem vive na pobreza, mas
resgatar da miséria e oferecer oportunidade de descobrir uma vida
melhor.
    O Estado assim como todos os segmentos da sociedade precisa
se reinventar. Não dá mais para agirmos de forma repetida e
acomodada. É preciso inovar até mesmo na repetição. Foram dois
anos de angústia, de estudos, de negociações estratégicas que
demandaram tempo e, muitas vezes, desagradaram alguns setores
da sociedade. Mas é preciso ter em mente que não se governa com
pressa. Ações afobadas, invariavelmente, resultam em decisões
erradas.
    Estabelecemos prioridades reais e trabalhamos e
trabalharemos nestes próximos dois anos com muita seriedade para
que as obras tenham começo, meio e fim. Esse é o meu
compromisso. Só assim as pessoas vão se sentir, e realmente estar,
em primeiro lugar.
    Com um abraço,


    João Raimundo Colombo
    Governador

    Eduardo Pinho Moreira
    Vice-Governador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Um pouco sobre Chico Macena
Um pouco sobre Chico MacenaUm pouco sobre Chico Macena
Um pouco sobre Chico MacenaChico Macena
 
AMA- 2º INFORMATIVO- PDF
AMA- 2º INFORMATIVO- PDFAMA- 2º INFORMATIVO- PDF
AMA- 2º INFORMATIVO- PDFederbraga
 
Prestação de Contas Márcia Lia
Prestação de Contas Márcia LiaPrestação de Contas Márcia Lia
Prestação de Contas Márcia LiaMadario
 
Jornal Tribuna Setembro 2013
Jornal Tribuna Setembro 2013Jornal Tribuna Setembro 2013
Jornal Tribuna Setembro 2013Elaine Fernandes
 
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª edição
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª ediçãoRevista do Desenvolvimento Local – 3ª edição
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª ediçãoPedro Valadares
 
Mensagem anual 2014 - São Paulo do Potengi
Mensagem anual 2014 - São Paulo do PotengiMensagem anual 2014 - São Paulo do Potengi
Mensagem anual 2014 - São Paulo do Potengipaulinhoepedrinho
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015Jornal Cidade
 
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)JPMCartaxo
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52Jornal Cidade
 
Jornal opção 208
Jornal opção 208Jornal opção 208
Jornal opção 208Alair Arruda
 
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014Elaine Fernandes
 

Mais procurados (19)

Um pouco sobre Chico Macena
Um pouco sobre Chico MacenaUm pouco sobre Chico Macena
Um pouco sobre Chico Macena
 
AMA- 2º INFORMATIVO- PDF
AMA- 2º INFORMATIVO- PDFAMA- 2º INFORMATIVO- PDF
AMA- 2º INFORMATIVO- PDF
 
Prestação de Contas Márcia Lia
Prestação de Contas Márcia LiaPrestação de Contas Márcia Lia
Prestação de Contas Márcia Lia
 
O Alterense 13
O Alterense 13O Alterense 13
O Alterense 13
 
Jornal Tribuna Setembro 2013
Jornal Tribuna Setembro 2013Jornal Tribuna Setembro 2013
Jornal Tribuna Setembro 2013
 
Acontece 379
Acontece 379Acontece 379
Acontece 379
 
Jornal digital 21 11-2018
Jornal digital 21 11-2018Jornal digital 21 11-2018
Jornal digital 21 11-2018
 
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª edição
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª ediçãoRevista do Desenvolvimento Local – 3ª edição
Revista do Desenvolvimento Local – 3ª edição
 
Gazeta 22 janeiro de 2014
Gazeta 22 janeiro de 2014Gazeta 22 janeiro de 2014
Gazeta 22 janeiro de 2014
 
Acontece 347
Acontece 347Acontece 347
Acontece 347
 
Mensagem anual 2014 - São Paulo do Potengi
Mensagem anual 2014 - São Paulo do PotengiMensagem anual 2014 - São Paulo do Potengi
Mensagem anual 2014 - São Paulo do Potengi
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 72 - 31/12/2015
 
Guaianas 126
Guaianas 126Guaianas 126
Guaianas 126
 
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)
Jornal de Campanha - Juntos Pela Mudança (1)
 
Cocal Notícias 518
Cocal Notícias 518Cocal Notícias 518
Cocal Notícias 518
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52
Jornal Cidade - Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e região - Ano III Nº 52
 
Jornal opção 208
Jornal opção 208Jornal opção 208
Jornal opção 208
 
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014
JORNAL TRIBUNA POPULAR JUNHO 2014
 
Jornal Claudionor 65214
Jornal Claudionor 65214Jornal Claudionor 65214
Jornal Claudionor 65214
 

Destaque

Investigacion Cualitativa
Investigacion CualitativaInvestigacion Cualitativa
Investigacion Cualitativamelissa
 
História da literatura sílvio romero
História da literatura   sílvio romeroHistória da literatura   sílvio romero
História da literatura sílvio romeroprof.aldemir2010
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIValter Gomes
 
Proposito de dios para la ibe callao # ok1
Proposito de dios para la ibe callao # ok1Proposito de dios para la ibe callao # ok1
Proposito de dios para la ibe callao # ok1IBE Callao
 

Destaque (8)

Investigacion Cualitativa
Investigacion CualitativaInvestigacion Cualitativa
Investigacion Cualitativa
 
Invento
InventoInvento
Invento
 
Turismo
TurismoTurismo
Turismo
 
História da literatura sílvio romero
História da literatura   sílvio romeroHistória da literatura   sílvio romero
História da literatura sílvio romero
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
 
Aminia
AminiaAminia
Aminia
 
los mecanismos
los mecanismoslos mecanismos
los mecanismos
 
Proposito de dios para la ibe callao # ok1
Proposito de dios para la ibe callao # ok1Proposito de dios para la ibe callao # ok1
Proposito de dios para la ibe callao # ok1
 

Semelhante a Mensagem do governador 2013

Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15
Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15
Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15Michel Linke
 
Programa de Governo
Programa de GovernoPrograma de Governo
Programa de GovernoJacson Tiola
 
DAY Borges - 30303
DAY Borges - 30303DAY Borges - 30303
DAY Borges - 30303Day Borges
 
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdf
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdfPLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdf
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdfDay Borges
 
Plano de Governo - Reinaldo Azambuja
Plano de Governo - Reinaldo AzambujaPlano de Governo - Reinaldo Azambuja
Plano de Governo - Reinaldo AzambujaReinaldoAzambuja
 
Do Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadania
Do Choque de Gestão à Gestão Para a CidadaniaDo Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadania
Do Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadaniachoquedegestaomg
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA JULHO 2016
GAZETA SANTA CÂNDIDA  JULHO 2016GAZETA SANTA CÂNDIDA  JULHO 2016
GAZETA SANTA CÂNDIDA JULHO 2016Adilson Moreira
 
Jornal São João do Piauí
Jornal São João do PiauíJornal São João do Piauí
Jornal São João do Piauíluzitania
 
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016Paulo Veras
 
Campinas concorrência comunicação 2/4
Campinas concorrência comunicação 2/4Campinas concorrência comunicação 2/4
Campinas concorrência comunicação 2/4Emilio Viegas
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018Adilson Moreira
 
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36Jornal Cidade - Ano II - Nº 36
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36Jornal Cidade
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019Jornal Cidade
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Flavio Chaves
 

Semelhante a Mensagem do governador 2013 (20)

Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15
Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15
Jornal de Boas Notícias - Alcides e Aldo - 15
 
Programa de Governo
Programa de GovernoPrograma de Governo
Programa de Governo
 
DAY Borges - 30303
DAY Borges - 30303DAY Borges - 30303
DAY Borges - 30303
 
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdf
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdfPLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdf
PLANO DE GOVERNO SC - NOVO.pdf
 
Plano de Governo - Reinaldo Azambuja
Plano de Governo - Reinaldo AzambujaPlano de Governo - Reinaldo Azambuja
Plano de Governo - Reinaldo Azambuja
 
383 de 1 a 4
383 de 1 a 4383 de 1 a 4
383 de 1 a 4
 
Do Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadania
Do Choque de Gestão à Gestão Para a CidadaniaDo Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadania
Do Choque de Gestão à Gestão Para a Cidadania
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA JULHO 2016
GAZETA SANTA CÂNDIDA  JULHO 2016GAZETA SANTA CÂNDIDA  JULHO 2016
GAZETA SANTA CÂNDIDA JULHO 2016
 
Jornal Paulista em Foco
Jornal Paulista em FocoJornal Paulista em Foco
Jornal Paulista em Foco
 
Jornal São João do Piauí
Jornal São João do PiauíJornal São João do Piauí
Jornal São João do Piauí
 
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016
Mensagem de Paulo Câmara à Alepe 2016
 
Campinas concorrência comunicação 2/4
Campinas concorrência comunicação 2/4Campinas concorrência comunicação 2/4
Campinas concorrência comunicação 2/4
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, DEZEMBRO 2018
 
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36Jornal Cidade - Ano II - Nº 36
Jornal Cidade - Ano II - Nº 36
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019
Jornal Cidade - Lagoa da Prata e região - Nº 133 - 31/JAN/2019
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02
 
Diário Oficial: 08-12-2015
Diário Oficial: 08-12-2015Diário Oficial: 08-12-2015
Diário Oficial: 08-12-2015
 
1ª carta aberta
1ª carta aberta1ª carta aberta
1ª carta aberta
 
jornal edição 115
jornal edição 115jornal edição 115
jornal edição 115
 
Jornal 115 site
Jornal 115 siteJornal 115 site
Jornal 115 site
 

Mais de Governo de Santa Catarina

Evolução do setor tecnológico em SC - Dados Acate
Evolução do setor tecnológico em SC - Dados AcateEvolução do setor tecnológico em SC - Dados Acate
Evolução do setor tecnológico em SC - Dados AcateGoverno de Santa Catarina
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança Pública
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança PúblicaBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança Pública
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança PúblicaGoverno de Santa Catarina
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Casan
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CasanBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Casan
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CasanGoverno de Santa Catarina
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Fatma
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - FatmaBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Fatma
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - FatmaGoverno de Santa Catarina
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Celesc
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CelescBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Celesc
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CelescGoverno de Santa Catarina
 
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016Governo de Santa Catarina
 
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)Governo de Santa Catarina
 
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento Regional
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento RegionalLei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento Regional
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento RegionalGoverno de Santa Catarina
 
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024Governo de Santa Catarina
 
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SC
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SCTabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SC
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SCGoverno de Santa Catarina
 

Mais de Governo de Santa Catarina (20)

Novo Portal Transparência SC
Novo Portal Transparência SCNovo Portal Transparência SC
Novo Portal Transparência SC
 
Evolução do setor tecnológico em SC - Dados Acate
Evolução do setor tecnológico em SC - Dados AcateEvolução do setor tecnológico em SC - Dados Acate
Evolução do setor tecnológico em SC - Dados Acate
 
Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016
 
Balanco geral de 2015 volume 1
Balanco geral de 2015 volume 1Balanco geral de 2015 volume 1
Balanco geral de 2015 volume 1
 
Restauração da Ponte Hercílio Luz
Restauração da Ponte Hercílio LuzRestauração da Ponte Hercílio Luz
Restauração da Ponte Hercílio Luz
 
Pacto por SC - 2016
Pacto por SC - 2016Pacto por SC - 2016
Pacto por SC - 2016
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança Pública
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança PúblicaBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança Pública
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Segurança Pública
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Casan
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CasanBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Casan
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Casan
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Fatma
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - FatmaBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Fatma
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Fatma
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Celesc
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - CelescBalanço da temporada de verão 2015/2016 - Celesc
Balanço da temporada de verão 2015/2016 - Celesc
 
Balanço da temporada de verão 2015/2016
Balanço da temporada de verão 2015/2016 Balanço da temporada de verão 2015/2016
Balanço da temporada de verão 2015/2016
 
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016
Relatório de Balneabilidade da Fatma 22/01/2016
 
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)
Pesquisa de preços de material escolar na Grande Florianópolis (2016)
 
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento Regional
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento RegionalLei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento Regional
Lei que transforma SDRs em Agências de Desenvolvimento Regional
 
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-2024
 
Ponte Hercílio Luz - Etapa Final da Obra
Ponte Hercílio Luz - Etapa Final da Obra Ponte Hercílio Luz - Etapa Final da Obra
Ponte Hercílio Luz - Etapa Final da Obra
 
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SC
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SCTabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SC
Tabela de vencimento - Plano de Carreira do Magistério SC
 
Plano de Carreira dos ACTs
Plano de Carreira dos ACTsPlano de Carreira dos ACTs
Plano de Carreira dos ACTs
 
Plano de Carreira Profissionais da Educacao
Plano de Carreira Profissionais da EducacaoPlano de Carreira Profissionais da Educacao
Plano de Carreira Profissionais da Educacao
 
Novo Plano de Carreira do Magistério 2015
Novo Plano de Carreira do Magistério 2015Novo Plano de Carreira do Magistério 2015
Novo Plano de Carreira do Magistério 2015
 

Mensagem do governador 2013

  • 1. As sociedades são conduzidas por agitadores de sentimentos, não por agitadores de ideias. Recorro ao poeta português Fernando Pessoa para reafirmar que pessoas não são números. Povo tem nome, rosto e endereço. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, Joares Ponticelli Senhoras e senhores, Começo minha manifestação com uma história simples, mas emblemática. No dia 17 de janeiro de 2013 estava em Grão Pará, cidade encravada no pé da montanha, no Sul de Santa Catarina, para assinar o edital de licitação das obras na estrada que atravessa a Serra do Corvo Branco. Na pequena comunidade de Aiurê, caminhava para o local da solenidade. Uma moradora esperava pacientemente no meio do caminho com um livro debaixo do braço. Era a Dona Normélia Kunhen, filha do Seu Pedro Kunhen, morador da região. Homem simples e visionário entendeu que a construção de uma picada, uma ligação, por mais precária que fosse, com o Planalto catarinense iria trazer ganhos para a região. Afinal a estrada terminava ali nas suas terras e de seus amigos. O livro que Normélia carregava como um troféu era o diário da construção da estrada. Dia após dia, Pedro Kunhen registrou as atividades e todas as pessoas que o ajudavam, nome a nome. Ele não tinha máquinas e muito menos conhecimento para construção da estrada. Mas ele tinha o principal: vontade de fazer com que as coisas acontecessem, independente dos desafios que iria enfrentar. Há dois anos assumi o Governo do Estado, respaldado pela confiança dos catarinenses com um propósito: trabalhar para as pessoas. Na bagagem eu tinha além da experiência na vida pública, a vontade de promover as mudanças necessárias. Assim como o Seu
  • 2. Pedro Kunhen fez em 1959, que decidiu abrir uma picada com foice e facão, eu participei de uma disputa sabendo que a vitória não me daria direito a berço esplêndido. Ao contrário, estaria me colocando à prova todos os dias. Não sou dado a promessas, mas a planos e projetos. Não acredito em discursos, mas em decisões e ações. Por isso antes de tomar qualquer atitude me dediquei a governar o governo. Isso significa desvendar o intrincado funcionamento da máquina pública, identificar suas potencialidades e vulnerabilidades, definir as prioridades reais do estado, não a partir do olhar do governante, mas do cidadão. Aprendi desde cedo com minha mãe que a casa precisa estar arrumada não só quando se tem visitas, mas todos os dias. E que isso não é só uma pessoa que faz. É preciso colaboração de todos. No estado não é diferente. Temos que ter a casa arrumada para garantir o bem-estar de todas as pessoas, sejam elas visitantes ou moradoras de Santa Catarina. O cidadão colabora com seus impostos e é nosso dever como Estado retribuir na forma de serviços de qualidade. A administração pública tem muitas coisas boas, mas também ficou claro que está engessada em processos ultrapassados que só dão sobrevida à burocracia. O remédio para essa doença que se instalou na administração pública ao longo das últimas décadas é a implantação de processos de gestão. Temos que aperfeiçoar os recursos materiais e humanos. Eliminar o desperdício. É a isso que me refiro ao dizer fazer mais com menos, sem diminuir a quantidade ou qualidade dos serviços, sem comprometer investimentos. Não podemos mais onerar o cidadão com novos impostos. É preciso administrar os recursos com seriedade. E repito: usar o dinheiro para as prioridades reais do cidadão. Nas minhas andanças pelo Estado percebi que as pessoas não pedem obras grandiosas. Elas querem um posto de saúde, um hospital, uma estrada para frequentar uma faculdade na cidade
  • 3. vizinha sem se arriscar todos os dias. Ou uma rodovia pavimentada para poder vender a sua produção em municípios maiores. Querem calcário para corrigir o solo, sementes, cisternas para enfrentar a estiagem que já se tornou rotina em nosso Estado. No Vale do Itajaí as pessoas pedem obras pontuais de prevenção que podem fazer toda a diferença numa enchente. O Sul do estado quer movimentar a economia, quer voltar a ver o Porto de Imbituba como corredor de desenvolvimento, quer a BR-101 duplicada. O Norte catarinense pede estradas, investimentos em energia porque já é um polo industrial consolidado e caminha para uma ampliação com a chegada da BMW. A partir deste retrato do Estado que tem tão bem definidas as suas regiões com geografia e economia próprias é que nasceu o Pacto Por Santa Catarina, um grande programa de gestão de projetos para garantir que obras tenham não só interesse público, mas que tenham começo, meio e fim. O nome por si só se revela: pacto quer dizer acordo entre duas partes. É isso que propus à sociedade: um pacto para fazer com que o estado esteja mais próximo e atendendo aos anseios da população. O programa atende às principais necessidades cotidianas das pessoas: Infraestrutura, Saúde, Segurança Pública, Justiça e Cidadania, Assistência Social, Educação e Saneamento Básico. Santa Catarina está recebendo mais de R$ 7 bilhões em investimentos. Esse número astronômico só faz sentido para as pessoas quando elas têm atendimento médico próximo de sua casa, transporte e escolas para seus filhos, capacitação profissional para ingressar em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente. Nossas metas são ousadas, mas absolutamente possíveis. Não é um sonho impossível Santa Catarina ser o primeiro Estado a erradicar a miséria até 2014. É a meta do Pacto pela Ação Social. E ela será cumprida. Lembro-me do dia em que estava em Romelândia e um agricultor veio de uma forma muito humilde e carinhosa dizer que o
  • 4. asfalto iria mudar a vida dele, que os filhos iriam poder estudar na cidade vizinha, que seria mais fácil vender a produção do seu pequeno e produtivo sítio. Na infraestrutura rodoviária, o Pacto Por Santa Catarina está investindo R$ 2,8 bilhões na construção ou recuperação de 1,5 mil quilômetros de rodovias. São estradas em pontos estratégicos do estado onde as comunidades aguardam com ansiedade a chegada do asfalto. E isso não vai demorar porque fizemos a lição de casa. No ano passado buscamos os financiamentos com organismos nacionais e internacionais e, em paralelo, fomos elaborando grande parte dos projetos dos trechos. O resultado é que, voltando a lugares que estive há seis meses lançando os editais, pude dar a ordem de serviço de contratos de financiamento que assinamos neste mês. Isso só aconteceu porque enfrentamos a burocracia. Se as coisas não andam é preciso saber o porquê, descobrir onde está o gargalo e atuar fortemente. Ao longo do ano passado fiz inúmeras viagens a Brasília e ao Rio de Janeiro para ver de que forma poderíamos acelerar a assinatura dos contratos de financiamento a fim de evitar que a falta de um documento, de uma assinatura, emperrasse todo um processo em andamento. Isso foi fundamental para que agora as pessoas comecem a ver as máquinas trabalhando em suas regiões. Não vou citar nossas ações em números porque eles só servem para os técnicos. As pessoas comuns – aquelas para quem eu dedico o meu trabalho – querem saber se terão estradas para ir e vir sem arriscar as suas vidas, levar a produção até o consumidor, facilitar a chegada do milho e da soja para a sua criação, estruturar e manter seus negócios. Exemplo simples da importância de uma estrada: um restaurante, um hotel precisam de movimento e uma estrada em boas condições, ainda mais em lugares belíssimos como temos em toda Santa Catarina que atraem milhares de visitantes. O papel do governo não é financiar empreendimentos, mas oferecer a infraestrutura para que se desenvolvam. Para as pequenas empresas o governo do estado tem o Juro Zero. Eu lembro
  • 5. quando era prefeito de Lages, tinha um rapaz que montou uma pizzaria e queria ampliar o negócio e implantar uma tele-entrega. Eu disse para ele fazer um financiamento. Ele respondeu que tinha medo de uma dívida com um banco. Foi aí que nasceu o Juro Zero. Um programa simples que fez toda a diferença para o piz-zaiolo e que agora está acessível a todos os catarinenses. Desde que foi lançado em novembro de 2011, o Juro Zero emprestou mais de R$ 26 milhões para pequenos empreendedores. Pequenas empresas precisam de ajuda, não vem só em forma de dinheiro, mas em capacitação, em treinamento de mão de obra e, principalmente, em gestão. Por mais dinheiro que uma empresa tenha se não souber onde, como e quando usar, ela fatalmente vai fracassar. Hoje o fechamento de uma empresa não representa prejuízo para o dono, mas também acarreta em desemprego, a frustração pessoal, estagnação da economia, queda na arrecadação de tributos. E isso vale para grandes e pequenos municípios. Outra área contemplada no Pacto Por Santa Catarina é a saúde. O grande nó do sistema hoje não é falta de recursos, mas a má aplicação do que existe por conta da gestão ineficiente das unidades hospitalares. Isso compromete todo o sistema de saúde. E quem sofre são as pessoas que precisam de atendimento. Quando um familiar fica doente de nada adianta saber quem é o culpado, se o SUS, se o governo do estado ou o município. Nós só queremos atendimento rápido e eficiente para nossos amigos e familiares. E esse é um grande desafio para qualquer governante. Está em curso em todas as 14 unidades hospitalares um estudo de dimensionamento da força de trabalho. Nas seis unidades já analisadas vimos problemas graves, como a distorção na alocação de funcionários. Algumas áreas têm um grande número de servidores em detrimento de outras, como as UTIs, só para citar um exemplo. Outro ponto que compromete a prestação de serviços é a falta de controle e fiscalização, que vai da distribuição de medicamentos até o mais básico, que é o registro de ponto. Os
  • 6. funcionários são pagos com dinheiro público e devem sim prestar contas ao cidadão. O Pacto por Santa Catarina destina R$ 500 milhões para a saúde que serão usados na ampliação de hospitais, na construção de policlínicas regionais em locais estratégicos - não para o governo, mas para a população - reforma de unidades, compra de equipamentos. As escolhas não levam em conta bandeiras partidárias. Volto a repetir: briga política não constrói ponte, escola, hospital ou qualquer melhoria na saúde catarinense. É inadmissível que uma pessoa tenha que atravessar o estado para receber tratamento especializado. Isso é uma deformidade na gestão da saúde. Temos que cada vez mais descentralizar o atendimento para reduzir a sobrecarga dos hospitais dos grandes centros urbanos. A construção de novos prédios para ampliar a capacidade, ao lado dos hospitais que já existem, tem dois propósitos: aproveitar a estrutura administrativa existente e aumentar a complexidade do atendimento. A saúde está sendo pensada de forma articulada, integrada. Quando se fala em saúde não podemos esquecer da prevenção de doenças. Prevenção é tão importante quanto atendimento. Estamos enfrentando problemas históricos com muita coragem. A superlotação do sistema carcerário é um deles. O Pacto da Justiça e Cidadania vai investir R$ 268 milhões na construção e reforma de presídios e penitenciárias. Sei que só construir prédios equivale a enxugar gelo. É preciso apostar na ressocialização dos apenados. Atualmente existem cinco mil detentos trabalhando em funções que exigem qualificação, ou seja, estão cumprindo a pena pelo delito que cometeram e recebendo a chance de retornar à sociedade com uma profissão. Os convênios que a Secretaria da Justiça e Cidadania assina com as empresas têm uma cláusula pétrea: o detento que prestou serviço durante o cumprimento de sua pena deve permanecer na empresa um ano após ganhar a liberdade.
  • 7. Os internos recebem uma remuneração justa pela atividade que contribui não só para sua autoestima, mas também para redução da pena. Aquela cena tradicional que se via na frente da penitenciária nos dias de visita com as esposas e filhos carregando sacolas de alimentos e roupas está virando raridade. Hoje a família vai visitar o preso e leva para casa o salário que ele ganha trabalhando. A tecnologia tem sido a grande aliada na Segurança Pública. O Pacto da Segurança destina R$ 268 milhões para investimentos em estrutura, mobilidade, equipamentos e ampliação do sistema de vigilância eletrônica. Mas para que todo esse aparato seja usado de forma racional e eficiente é preciso que exista uma gestão eficiente de recursos humanos e materiais. Estamos trabalhando com inteligência, mapeando os pontos de risco e atuando fortemente. Os resultados são vistos todos os dias com a apreensão de armas, drogas e criminosos. O sistema de videomonitoramento está chegando a 100 municípios e tem se convertido em uma importante ferramenta para inibir e solucionar crimes. A troca de informação entre as polícias militar, civil e agentes penitenciários tem permitido aos agentes da segurança antecipar ações criminosas. Prova disso foi a apreensão de armas e aparelhos de radiocomunicação nas muralhas da Penitenciária de São Pedro de Alcântara que seriam arremessados para o interior da unidade. Foi a troca de informação entre as inteligências que permitiu esta ação preventiva. O programa também terá recursos no valor de R$ 25 milhões na compra de equipamentos de combate a incêndio e de socorro ao Corpo de Bombeiros Militar. Será o primeiro investimento de porte feito na Corporação desde 1982. O Pacto pela Proteção Social chega com outro viés. Em vez de ações assistencialistas o programa está estruturado em três eixos: Proteção Social e Garantia de Direitos; Trabalho, Qualificação e Geração de Renda; e Erradicação da Extrema Pobreza. O crack é o grande vilão da sociedade – independente da classe social. É uma droga que compromete física e intelectualmente o usuário. Nesta
  • 8. toada da proteção social temos que resgatar as pessoas, na sua grande maioria jovens que estão morando nas ruas e que acabam superlotando as cadeias por conta de assassinatos ou tráfico. O Pacto tem o objetivo de proteger a população em vulnerabilidade social, garantir-lhes os direitos sociais, gerar trabalho, emprego e renda e erradicar a extrema pobreza. Para isso, serão investidos R$ 139,2 milhões em 15 ações até 2014. O que representa este número? Que vamos tirar os catarinenses que vivem na extrema pobreza. Primeiro dar a mão para depois capacitar e integrá-los ao mercado de trabalho. Isso é fácil? Não, mas é possível. A construção e revitalização dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), os Centros Dia para idosos, são fundamentais para ajudar que as pessoas retomem suas vidas. O CREA é a primeira porta, o primeiro socorro para quem precisa de ajuda. Famílias com pessoas portadoras de alguma deficiência mental precisam de assistência e o trabalho dos Centros facilita a integração dessas pessoas à sociedade. Os idosos, muitas vezes vítimas de abandono ou de maus tratos, poderão passar o dia nos Centros. Mais do que uma simples companhia essas pessoas acabam redescobrindo o prazer de viver. Hoje se fala muito na qualificação dos jovens, mas é importante salientar que os idosos e crianças, que ocupam as duas pontas da existência, são os que mais carecem de cuidados. Como já disse, nossas metas são ousadas e possíveis. Não podemos nos conformar se faltam alimentos na mesa de uma família. Pessoas precisam de dignidade. Os programas que o Governo do Estado está implantando não prevêem apenas dar dinheiro para suprir a necessidade de quem vive na pobreza, mas resgatar da miséria e oferecer oportunidade de descobrir uma vida melhor. O Estado assim como todos os segmentos da sociedade precisa se reinventar. Não dá mais para agirmos de forma repetida e acomodada. É preciso inovar até mesmo na repetição. Foram dois
  • 9. anos de angústia, de estudos, de negociações estratégicas que demandaram tempo e, muitas vezes, desagradaram alguns setores da sociedade. Mas é preciso ter em mente que não se governa com pressa. Ações afobadas, invariavelmente, resultam em decisões erradas. Estabelecemos prioridades reais e trabalhamos e trabalharemos nestes próximos dois anos com muita seriedade para que as obras tenham começo, meio e fim. Esse é o meu compromisso. Só assim as pessoas vão se sentir, e realmente estar, em primeiro lugar. Com um abraço, João Raimundo Colombo Governador Eduardo Pinho Moreira Vice-Governador