Teologia Do Novo Testamento Farizeus

4.633 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.633
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
125
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
214
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teologia Do Novo Testamento Farizeus

  1. 1. Contribuições de A. T. Robertson<br />e Oscar Culmann<br />CETAD <br />Pf. Eduardo Sales<br />Teologia do Novo TestamentoSaduceus, Fariseus e Zelotas<br />
  2. 2. Fariseus – A. T. Robertson<br />Os Fariseus.<br /> Fonte: Robertson, A.T. – ThePhariseesand Jesus. <br />O termo fariseu foi encontrado pela primeira vez durante o reino de João Hircano (135 a 106 a.C.). Alguns pensadores acreditam que o termo fariseu originou-se durante o exílio babilônico, como uma forma de descriminar os judeus que acreditavam e usavam os costumes persas. <br />Por haverem saído dos fariseus todos os grandes doutores dos últimos séculos antes de Cristo e primeiro depois de Cristo, doutores que criaram a Mishná e, mais tarde, o Talmud, a seita dos fariseus foi a mais importante no judaísmo. Politicamente foram favoráveis a qualquer forma de governo que não opusesse obstáculos ao seu culto. Suas doutrinas são praticamente as que chegaram até nós através da Mishná e do Talmud.<br />
  3. 3. Análise dos Evangelhos<br />Nos Evangelhos, Jesus atacou com extrema energia os escribas, os doutores da Lei e os fariseus, lançando contra eles oito maldições solenes, que se opõem às oito bem-aventuranças. Normalmente ouvem-se apenas que os fariseus eram hipócritas, acrescentando-se poucas informações.<br />A luta entre Cristo e os fariseus é um dos pontos centrais da narrativa histórica dos Evangelhos, luta que veio a culminar no Calvário.<br />Importa compreender o que foram e o que pensaram esses escribas, doutores da Lei e fariseus. Qual era a sua origem? Qual a sua doutrina ? Por que Cristo se opôs com tanta força? Por que recusaram o Messias? Como se tornaram &quot;cegos ao meio dia&quot; (Is. 59:10)? Por que não aceitaram a Sabedoria, e por que fecharam seus olhos e ouvidos a Cristo, apesar de reconhecerem os seus milagres &quot;Que havemos de fazer? Este homem faz muitos milagres&quot; (Jo.11:,41). Por que não O viram, quando &quot;lançaram o olhar para aquele a quem transfixaram&quot; (Jo. 19:37)?<br />
  4. 4. História do Farisaísmo<br />Nossa história começa em 598 a.C., quando Nabucodonosor, rei dos caldeus, invadiu pela primeira vez a Palestina, a pretexto de que o rei de Judá, Joaquim, recusara pagar-lhe tributos. Jerusalém foi cercada e o rei Joaquim acabou por ser deposto, sendo colocado em seu lugar Sedecias. Nabucodonosor saqueou o Templo de Deus e levou o rei, seus familiares e muitas famílias nobres para o exílio, em Babilônia.<br />Após dezoito meses de luta, a cidade de Deus foi conquistada (junho de 587 A.C.). Desta vez, tudo foi destruído. Nem o Templo de Salomão foi poupado do incêndio. Tendo perdido a pátria e o Templo, não tendo mais nem rei nem Estado nacional, deportados para Babilônia, exilados no Egito, dispersos entre os estrangeiros, estrangeiros em sua antiga terra, os judeus, agora, só tinham a religião como traço de união.<br />O profeta Ezequiel e seus sucessores organizaram casas de oração - as sinagogas - e já que não era mais possível sacrificar no Templo (pois fora destruído), a sinagoga se tornou, desde então, o centro da vida religiosa judaica.<br />
  5. 5. História do Farisaísmo<br />O exílio na Babilônia durou de 587 a.C. até o edito de Ciro, rei dos persas, que, tendo vencido os caldeus, deu permissão a que uma primeira leva de judeus retornasse à sua pátria, em 538 a.C, organizando uma satrapia persa na Palestina. Em 520 a.C., Dario I permitiu a saída de um segundo grupo de judeus, sob a direção de Zorobabel, concedendo-lhes ainda o rei persa que reconstruíssem o Templo de Jerusalém. Este segundo Templo foi concluído em 515 a.C.<br />Em 458 a.C., Esdras trouxe o resto do povo para Jerusalém e fez uma solene promulgação da Lei de Moisés, renovando o pacto do povo judeu com Deus.<br />Os setenta anos de exílio em Babilônia não corrigiram totalmente o povo. Ao que parece, alguns judeus trouxeram de Babilônia muitas idéias religiosas pagãs, que iriam provocar a formação de uma gnose judaica.<br />Além disso, o fato de terem ficado tantos anos sem pátria, sem Estado e sem Templo, fez com que os judeus passassem a centrar sua religião na pura prática escrupulosa da Lei e em seu estudo. Disto nasceu um desvio que supervalorizou a letra da Lei em detrimento de seu espírito.<br />Até o cativeiro de Babilônia, os próprios sacerdotes eram os guardiães da Torah (a Lei de Moisés, isto é, o Pentatêuco). Depois do exílio, sem templo, os líderes das sinagogas começaram a ganhar cada vez mais autoridade e importância como mestres explicadores e guardiães da Lei os chamados sábios ou escribas.<br />
  6. 6. Os Estudiosos da Lei: Escribas e Doutores Atribuíam-se uma tríplice missão :<br />1a. - Definir e aperfeiçoar os princípios legais decorrentes da Torah, a Lei Escrita.<br />2a. – A segunda missão que os escribas se arrogavam era a de ensinar não apenas a Lei escrita, mas também, e principalmente a jurisprudência casuística que eles haviam elaborado e que tomou o nome de Torah Oral ou &quot;Tradição dos Antigos&quot;, ou dos &quot;Sábios&quot;.<br />3a. - A terceira missão que os escribas e doutores da Lei se impuseram e assumiram foi a administração da justiça pela aplicação escrupulosíssima dos Mishnaioth.<br />
  7. 7. Fariseus e Saduceus<br />A invasão grega, no século IV A.C., trouxe novas complicações ao processo religioso que os judeus atravessavam.Sua cultura e filosofia influenciaram largas e importantes camadas do povo judeu. Entre os judeus começou-se a adotar a língua, os modos de ser e os costumes dos gregos, mesmo quando alguns desses costumes eram contrários à Lei Mosaica. <br />Diante do invasor cheio de prestígio, os judeus se dividiram. Formaram-se partidos. O partido dos fariseus mostrou-se aberto às influências estrangeiras, procurando conciliar judaísmo e helenismo, teologia hebraica e filosofia grega. Este partido teve forte penetração entre os sacerdotes. O partido saduceu, pelo contrário, opôs tenaz resistência aos costumes e ao pensamento grego, concentraram-se na observância zelosa e rigorista da letra da Lei escrita e oral. A grande maioria dos escribas e doutores da Lei aderiu ao farisaismo e obteve o apoio quase total do povo judeu, graças ao prestígio moral e religioso que alcançaram.<br />
  8. 8. Principais diferenças entre Farizeuse Saduceus <br />A Ressurreição. Os Fariseus Acreditavam enquanto que os Saduceus não.<br />Os Anjos. Os Fariseus Acreditavam enquanto que os Saduceus não.<br />Predestinação e Livre-Arbítrio. Os Fariseus tendiam mais para o predestinacionismo enquanto que os Saduceus seguiam o livre-arbítrio<br />Tradição dos Antigos. Os fariseus adotavam a Torah Oral, enquanto os Saduceus negavam-na.<br />Posicionamento político. O partido saduceu era principalmente sacerdotal e aristocrático, enquanto os fariseus recrutavam seus membros nas classes populares. <br />
  9. 9. Teologia dos Fariseus<br />Ensinavam a Soberania divina e a Liberdade Humana. Os Essênios eram fatalistas e negavam a responsabilidade do homem, já os saduceus rejeitavam a soberania divina e aceitavam a liberdade humana. <br />A lei Oral foi colocada em paridade ao Velho Testamento. Mt 23:4.<br />Acreditavam em Vida Futura. O saduceus defendiam apenas o Pentateuco, e negavam toda expectativa de vida futura. Mt 22:29-33; 25:46; At 23:8. <br />Possuem a esperança messiânica. Os fariseus esperavam o Filho do Homem de Daniel, enquanto que os Saduceus aguardavam o Messias. <br />
  10. 10. Os Fariseus Criticaram Jesus<br />Questionaram a autoridade Messiânica: Jo 2:13-22. Jesus questionava a corrupção do Templo realizada pelos Saduceus. Essa atitude de Jesus atraiu muita atenção, tanto dos Fariseus como dos Zelotas. Quando Tentaram Jesus em Mt 19:3; Mc 10:2, esperavam que acontecesse o mesmo que à João Batista Mc 6:14-25. O Sinédrio foi investigar João Batista e Jesus Jo 1:19-26; Lc 7:29-30; <br />Questionaram Jesus como Basfêmia. Lc 5:17-26; Jô 5:1-18; 10:22-42; Mt 26:65; Mc 14:64. Quem é este? O que ensina Mc 1:27; Esse Blasfema Mt 9:3; <br />Questionaram sua associação com Publicanos e Pecadores. Mt 9:10ss; Mc 2:15ss; Lc 5:29ss; 7:29; 15:1-32. Judeus e não pecadores Gl 2:15; Jô 9:16; Lc 19:7; Jô 9:24.<br />Questionaram a negligencia religiosa e o comparecimento em festas. Mt 9:14-17; Mc 2:18-22; Lc 5:33-39; 7:34.<br />Questionaram os poderes de Jesus como vindo de belzebu. Mt 9:34; 12:22-37; Mc 3:19-30; Lc 11:14-36.<br />Questionaram a quebra do Sábado por Jesus e seus discípulos. Jo 5; Mt 12:1-14; Mc 2:23; 3:6; Lc 6:1-11; Jo 9; Lc 8:10-21; 14:1-24; Mc 1:21-28. <br />Questionaram suas afrontas à tradição. Mt 15:1-30; Mc 7:1-23; Lc 11:37-54.<br />Questionaram a identidade de Jesus – Impostor.Jo 7:14-30; Mt 27:63ss; Mt 27:62-66.<br />Questionaram a afronta ao templo. Jô 2:19-22; Mt 16:61; Mc 14:58; Mt 17:39ss; Mc 15:29.<br />Questionaram a alta traição contra César. Lc 23:2; Jô 18:8-30; 19:15; Lc 23; Mt 27: 17-25; Mc 15:9-14. <br />
  11. 11. Jesus condena os Fariseus<br />Cegueira Espiritual: Jô 3:1-14; Mt 9:13; Lc 5:39; Mc 3:5; Mt 8:13-17; Mc 4:12; Lc 8:10; Jô 6:44, 64ss; Mt 15:12-20; Mt 16:1-4; Mc 8:11-13; Jô 9:40ss; Lc 11:37-54.<br />Formalismo: Mt 5:17-6:18; Lc 2:37-54; 18:1-4.<br />Rejeição: Jô 5:40; Mt 11:16-19; Lc 7:29-35.<br />Tradicionalismo: Mt 15:1-20; Mc 7:1-23.<br />Hipocrisia: Mt 6:2-7; 5:15-23; Lc 6:37-42; Mt 15:7-9; Mc 7:6-7; Mt 16:5-12; Mc 8:14-21; Lc 12:1-2; 13:15-17; Mt 23:13-39.<br />Blasfêmia contra o Espírito Santo. Mt 12:31-33; Mc 3:28-30; Lc 12:10.<br />Rejeição a Deus na rejeição a Cristo. Jo 5:42ss; 6:52; Mt 17:12; Jô 7:48; 8:21-52; 10:25-38.<br />
  12. 12. A questão dos Zelotas: Oscar Culmann<br />O ideal teocrático Judeu, de um reino sobre todos os outros reinos é rejeitado pelo cristianismo como satânico. Não é por acaso que satanás oferece a Cristo os reinos do mundo. <br />Para entendermos melhor a questão iniciaremos pelo nome Zelota, que deriva da palavra Zelo. As principais fontes estão nos trabalhos de Josefus, BellumJudaicum,e noantiquitios, Representavam a ala extremada do partido anti-romano. Este partido extremista pregava a guerra santa, e preparavam-se para ela. Foram uma pedra no sapato Romano. Em At. 21:38, aparecem sob o título romano: Sicaros - Bandidos. Nos anos 60-70 a.D. entraram em guerra, o que terminou com a destruição do templo de Jerusalém, os remanescentes se organizaram e 65 anos adiante, sob Adriano, ocorreu a segunda guerra, na qual Barkochba proclamou-se messias e rei político de Israel, e terminou como um dos maiores massacres da história. <br />
  13. 13. Jesus e o cenário político<br />A relevância principal está no relacionamento de Cristo com o cenário político. Jesus foi identificado com um Zelota. 1) Membros dentre seus discípulos eram zelotas. Em Lc 6:15 e At 1:13. Em João 6:71 o nome de Judas está separado IshKariot, é provável que seja uma transcrição semita de Sicarioth (sicaro). Esta afirmações esclarecem o papel de Pedro tentando impedir a missão de Jesus, e sua identificação com a tentação de Satanás oferecendo os reinos. Pedro queria que Jesus dominasse o mundo. Também entendemos Pedro dispondo de uma espada (Em João, no getsemani). Em Mc 10:37 encontramos mais uma marca Zelota: o pedido de sentar-se à direita e esquerda do trono de o rei do mundo. São chamados de “filhos do trovão”. Assim a tese do Dr. Culmann é que no circulo de Cristo existiam: Um, Simão o zelota, com certeza; dois, Judas e Pedro, provavelmente, e os filhos de Zebedeu, possivelmente. <br />Para Jesus o ideal Zelota era uma das maiores tentações, por isso está presente desde o começo. È interessante que o evangelista Lucas narra da seguinte maneira em Lc 4:34 – “até outra ocasião”. 1) Após o Batismo, 2) por Pedro, quando é severamente repreendido, 3) No getsemani, durante a revolta iniciada por Pedro. <br />
  14. 14. Jesus e o Estado?<br />Não aceita o Estado como instituição final. Lc 13:32 – Critica Herodes; em Mt 9:10;18:17;21:31 – cita do coletores de impostos com os pecadores, as prostitutas e os pagãos.<br />Por outro Lado, recebe os coletores de impostos e os pecadores. Até mesmo entre os doze está um coletor de impostos, Mc 2:15; Mt 9:10; 10:3.<br />
  15. 15. Jesus foi um Zelota?<br />Interessante nesse relato é a atitude de Jesus unindo pessoas de perspectivas políticas tão opostas, Zelotas e Cobradores de impostos. Dessa perspectiva entendemos que no discurso de Cristo existem pronunciamentos diretos às classes em questão. Uma das passagens clássicas direcionadas aos zelotas é a de Mc 12:17, e também Mt 17:27 em que Pedro acha uma moeda na boca do peixe. Mt 11:12; Lc 16:16;... Em Jô 6:5 também vemos uma cena interessante sobre a coroação de Jesus. Em Jô 10:8, todos que vieram antes de mim foram ladrões e salteadores, em seguida no verso 11, Jesus é o pastor que salva as ovelhas, enquanto os (zelotas?) tiram-nas.<br />Vejamos Jesus, foi um zelota? Do ponto de vista romano, sim. A acusação era de messias, e tentativa de ser rei. Lembrem-se Jesus tinha 5000 pessoas ao seu comando, o que poderia ser muito preocupante. Do ponto de vista de Jesus temos uma situação contrária. Ele não se identificou com o Messias, preferiu sempre o título: Filho do Homem. Sempre que alguém chamava-o de messias, mandava que se calasse Mc 8:29-31, ou a censura de Pedro em Mc 8:33. A postura de Cristo se deve a dependência política do título messias. Baseado nesse título é que o sumo sacerdote tenta incriminar Jesus diante dos romanos: Mc 14:61, “sois o Messias?”. Esse também é o contexto da passagem de Jô 18:33, “meu reino não e deste mundo”. Outra acusação contra Jesus que o identificava com os zelotas foi a de Lc 23:2 – sonegação de impostos, vide problema em Mc 12:12-13. Nesse texto existe um mistério, o relacionamento entre César e Deus. <br />
  16. 16. Daí a Cesar o que é de Cesar<br />“Por que me experimentais? Trazei-me um denário para que eu o veja. E eles lho trouxeram. Perguntou-lhes: De quem é esta efígie e inscrição? Responderam: De César. <br />Dai a César o que é de César e <br />a Deus o que é de Deus. <br />Será que Jesus realmente comparou César com Deus? Atribuiu mesmo valor? A pergunta dos herodianos tinha por principio a equivalência: César é Deus, assim a preposição antes da pergunta: “Sabemos que ensinas o caminho de Deus”, não poderia ser contradita, e se fosse afirmada, desmontaria uma das principais afrontas dos zelotas. Jesus, na realidade afirmou sobre seu reino, daí mamon a césar, por que lhe pertence, é o valor desse mundo, e daí sua vida a Deus, por que lhe pertence, é o valor do reino de Cristo. E por fim sua resposta soa como uma cobrança, pois não é Deus quem está privando César do que é dele, mas é César quem está privando Deus do que é dele, ou seja, não dêem a César o que é de Deus! Sendo assim quebrou o título e honraria indevida a César, pois não é Deus. Com sua afirmativa, ao invés de comparar César com Deus, diferenciou-o.<br />Na entrada em Jerusalém, em no Domingo de Ramos, Jesus não optou por um burro por acaso, pois diferente de Zac 9:9, propôs um ideal não revolucionário em termos puramente políticos. Alguns estudiosos atribuem as Palmas a lembrança do movimento de reisistência dos macabeus. Mas Jesus frustrou seus discípulos zelotas. Estavam preparados para lutar, mas Jesus disse: “Embainha tua espada” Mt 26:52, então os discípulos fugiram v.56. No fim, a condenação de Jesus atribuída pelos romanos foi de Zelota: Rei dos Judeus – Jô 19:19. Durante a decisão final são apresentados dois líderes zelotas: Jesus, e Barrabas. Barrabas preso numa insurreição: Mc 15:7. <br />

×