SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Ciclo de Formações
Fundos de Investimento Imobiliário
Lisboa
09 de Janeiro de 2015
O que são?
Património autónomo pertencente a uma pluralidade de pessoas
singulares ou colectivas;
Instrumento de poupança colectiva;
Responsabilidade limitada ao património, não extensível aos
participantes;
Obrigatoriamente geridos por entidade terceira, independente –
Sociedade Gestora.
Como funcionam?
Investidor
Fundo
Imóveis
Fundo
Inquilinos
Compra Unidades de
Participação de um Fundo
Com o dinheirodo
investidor compra imóveis
São arrendados a inquilinos*
Pagam rendas ao
Fundo
Incorpora ou distribui as rendas
e a valorização ou
desvalorização dos imóveis
gerando ganhos ou perdas para
o investidor
Circuito Fundo de Investimento Imobiliário
Tipologia de Fundos
A tipologia dos Fundos Imobiliários pode variar, consoante:
• Variabilidade do capital;
• Forma de remuneração dos participantes;
• Distribuição das unidades de participação.
Tipologia de Fundos
Quanto ao capital
Variabilidade do Capital
MistoFechado
Subscrição Particular
Nº de participantes <5
ou>5 exclusivamente
investidores institucionais
Nº de participantes >5
não sendo apenas
institucionais
Subscrição Pública
Aberto
Tipologia de Fundos
Quanto às unidades de participação e remuneração das mesmas
Formas de Remuneração
Fundos de Rendimento
Fundos Capitalização
Distribuem os rendimentos gerados aos Participantes, de forma
periódica.
Reinvestem automaticamente os rendimentos gerados pelas
respectivas carteiras, não distribuindo rendimentos.
Constituídos por UP’s em número fixo, estabelecido no momento da emissão podendo,
eventualmente, ser aumentado, em condições pré-definidas no regulamento de gestão. O
investimento ou desinvestimento num Fundo Fechado faz-se através da compra ou venda de
UP’s.
Fundo de Investimento Imobiliário Fechado
Fundo de Investimento Imobiliário Misto
Constituídos por duas categorias de unidades de participação, sendo uma em número fixo e outra
em número variável.
Fundo de Investimento Imobiliário Aberto
Constituídos por unidades de participaçãp (UP’s) em número variável, ou seja, o número de
unidades de participação varia de acordo com a procura do mercado. Uma subscrição resulta
num aumento das UP’s e um resgate traduz-se numa eliminação das UP’s correspondentes.
Composição das Carteiras
Limites à
Composição da Carteira
Fundos
Abertos
Fundos Fechados
de Subscrição
Pública
Fundos Fechados de
Subscrição Particular com nº
>5 Participantes não sendo
exclusivamente Investidores
Institucionais
Fundos Fechados de
Subscrição Particular com
nº <5 Participantes ou nº
>5 sendo todos eles
Investidores Institucionais
Fundos Mistos
Investimento
mínimo em
Imóveis
75% 75% 75% 75% 75%
Investimento
máximo em
Projetos de
Construção
25%
50%
60% em caso de
Reabilitação
- - 25%
Investimento
máximo num só
Imóvel
20% 25% - - 20%
Exposição
máxima de
arrendamento a
um só grupo
económico
20% 20% - - 20%
Investimento
máximo em
Sociedades
Imobiliárias
25% 25% - - 25%
Investimento
máximo em Ups
de outros FIIs
25% 25% 25% 25% 25%
Endividamento
máximo
25% 33% 33% -
Não é
permitido
endividamento
A Sociedade Gestora
OperaçõespermitidasàSociedade GestoraFundosImobiliários
Aquisiçãode imóveis para arrendamentooudestinados aoutras
formas de exploraçãoonerosa
Aquisiçãode imóveis para revenda
Aquisiçãode outros direitos sobre imóveis, nos termos previstos
emregulamentodaCMVM, tendoemvistaarespetivaexploração
económica
Operaçõesvedadasà Sociedade GestoraFundosImobiliários
Onerarporqualquerformaos seusvalores, exceptoparaobtenção
de financiamento, dentrodoslimitesestabelecidosnoRJFII
Concedercrédito, incluindoaprestaçãode garantias
Efetuarpromessasde vendade imóveisque aindanãoestejamna
titularidade dofundode investimento
FundosImobiliários
destinadosaoutras
ostermosprevistos
respetivaexploração
Fundos Sectoriais
Fundo Especial de Investimento Imobiliário Florestal (FEIIF);
Fundo de Investimento Imobiliário em Reabilitação Urbana (FIIRU);
Fundo de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional
(FIIAH);
Fiscalidade
Perda gradual dos benefícios fiscais;
Apenas Fundos Imobiliários Abertos mantêm 50% de isenção em sede
de IMI e IMT (OE 2014);
Fundos sectoriais têm igualmente alguns benefícios fiscais.
Sobre os FIIAH
Devem investir maioritariamente em imóveis de arrendamento de
habitação própria e permanente (75%)
Podem alavancar-se dentro das regras previstas para os Fundos,
consoante a sua tipologia (abertos ou fechados)
Apresentam um conjunto diversificado de benefícios fiscais:
• Isenção de IMT (na aquisição por parte do Fundo);
• Isenção de IMI;
• Isenção de taxas de supervisão;
• Isenção de IRC.
Sobre os FIIAH
Montantes sob gestão dispararam em 2013 (portaria inicial vigorava apenas
até 31 de Dezembro de 2013)
Governo concedeu prorrogação por mais 2 anos (até final de 2015)
0
200 000
400 000
600 000
800 000
1 000 000
1 200 000
1 400 000
1 600 000
1 800 000
2009 2010 2011 2012 2013 2014
159 805 170 387
321 763
590 022
1 611 834 1 580 387
Montantes sob Gestão FIIAH (€'000)
Fonte: APFIPP
Alguns números do mercado
34 Gestoras em
actividade
Número de
Sociedades Gestoras
estável desde 2007
20
25
30
35
40
2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Evolução nº de Sociedades Gestoras (FII + FEII)
Fonte: CMVM
Alguns números do mercado
Interfundos, Fundger
e Montepio, as 3
maiores
Juntas gerem 1/3 do
mercado
Espírito Santo
(actual GNB) perdeu
15% de activos em
2014
13%
11%
9%
8%
7%7%
6%
6%
5%
4%
24%
Split do mercado por SGFII
Interfundos
Fundger
Montepio Valor
GNB
Norfin
Square Asset Management
Banif Gestão de Activos
Gesfimo
Imofundos
Santander Asset Management
Restantes
Fonte: APFIPP
Alguns números do mercado
251 fundos em
actividade
Crescimento
exponencial no nº de
fundos entre 2005 e
2009
Fim dos benefícios
fiscais travou a
subida
0
50
100
150
200
250
300
Evolução do n.º de FIIs e FEIIs (1996-2013)
Fonte: CMVM
Alguns números do mercado
€ 11,76 mil milhões
actualmente sob
gestão
Crescimento de
6,5% nos montantes
geridos, entre 2009
e 2013
Queda de -4,3% em
2014
Fonte: CMVM
0
2 000
4 000
6 000
8 000
10 000
12 000
14 000
2008 2009 2010 2011 2012 2013
4 149
5 278 4 884 4 537 4 378 4 150
6 486
6 498 6 600 6 727 6 949
8 141
Montantes sob gestão (€ Milhões)
FII Abertos FII Fechados
Alguns números do mercado
€ 13,48 mil milhões
de activos em
carteira
Fundos fechados
representam 67%
dos activos em
carteira no mercado
Queda de -5,89%
em 2014
Fonte: CMVM
0
2 000
4 000
6 000
8 000
10 000
12 000
14 000
16 000
2008 2009 2010 2011 2012 2013 nov/14
4 575
5 184 4 995 5 017 5 008 4 813 4 295
8 181
8 704 9 111 9 301 9 458 9 517
9 191
Activos em carteira (milhões de euros)
FII Abertos FII Fechados
Alguns números do mercado
Endividamento tem
vindo a reduzir-se
desde 2011
Alavancagem é
superior nos fundos
fechados
Fonte: CMVM
0
500
1 000
1 500
2 000
2 500
3 000
3 500
2008 2009 2010 2011 2012 2013
541
325 226
662 637 645
1 987 2 457 2 743
2 661 2 542
2 023
Endividamento FII
FII Abertos FII Fechados
Alguns números do mercado
Endividamento tem
vindo a reduzir-se
desde 2011
Alavancagem é
superior nos fundos
fechados
Fonte: CMVM
13,0%
6,2%
4,6%
14,6%
14,6% 15,5%
14,1%
30,6%
37,8%
41,6%
39,6% 36,6%
24,9% 23,8%
0,0%
5,0%
10,0%
15,0%
20,0%
25,0%
30,0%
35,0%
40,0%
45,0%
2008 2009 2010 2011 2012 2013 nov/14
Alavancagem FII
FII Abertos FII Fechados
Alguns números do mercado
Liquidez dos fundos
tem vindo a subir
nos últimos 2 anos
Em 2011, fundos
abertos
praticamente não
tinham liquidez
Fonte: CMVM
1,7%
6,7%
4,9%
0,8% 0,50%
0,9%
2,7%
7,0%
7,5%
7,1%
5,7%
5,6%
10,0%
11,2%
0,0%
2,0%
4,0%
6,0%
8,0%
10,0%
12,0%
0,0
100,0
200,0
300,0
400,0
500,0
600,0
700,0
800,0
900,0
1 000,0
2008 2009 2010 2011 2012 2013
%dovalorgerido
Milhõesdeeuros
Liquidez FII
FII Abertos FII Fechados
Alguns números do mercado
Fundos estão
finalmente
vendedores de
activos
Descida de activos
sob gestão, de
divida e aumento de
liquidez deve-se,
assim, a forte
actividade
vendedora
Fonte: Banco de Portugal
777,2 768,8
477,2
214,8
134,2
475,2
-288-400
-200
0
200
400
600
800
1000
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Transacções Líquidas FII (milhões de euros)
Crédito Imobiliário e
Mal-Parado em Portugal
Crédito Habitação
CH concedido na
ordem dos € 104 mil
milhões
Subida de 60%
entre 2005 e 2011
Ligeira
desalavancagem
desde 2011 Fonte: Banco de Portugal
50.000
60.000
70.000
80.000
90.000
100.000
110.000
120.000
Nov-03
Abr-04
Set-04
Fev-05
Jul-05
Dez-05
Mai-06
Out-06
Mar-07
Ago-07
Jan-08
Jun-08
Nov-08
Abr-09
Set-09
Fev-10
Jul-10
Dez-10
Mai-11
Out-11
Mar-12
Ago-12
Jan-13
Jun-13
Nov-13
Abr-14
Crédito Habitação em dívida (€ milhões)
Crédito Habitação
Apesar da lenta
desalavancagem,
valores
mensalmente
concedidos estão
hoje 90% abaixo de
máximos históricos
Fonte: Banco de Portugal
0
200
400
600
800
1 000
1 200
1 400
1 600
1 800
2 000
Jan-04
Jun-04
Nov-04
Abr-05
Set-05
Fev-06
Jul-06
Dez-06
Mai-07
Out-07
Mar-08
Ago-08
Jan-09
Jun-09
Nov-09
Abr-10
Set-10
Fev-11
Jul-11
Dez-11
Mai-12
Out-12
Mar-13
Ago-13
Jan-14
Jun-14
Crédito Habitação Concedido (milhões de euros)
Crédito Habitação
O crédito é curto e
caro, apesar dos
indexantes estarem
em mínimos
históricos
Spreads voltaram a
subir
Fonte: INE
0
50
100
150
200
250
300
350
Mar-08
Jun-08
Set-08
Dez-08
Mar-09
Jun-09
Set-09
Dez-09
Mar-10
Jun-10
Set-10
Dez-10
Mar-11
Jun-11
Set-11
Dez-11
Mar-12
Jun-12
Set-12
Dez-12
Mar-13
Jun-13
Set-13
Dez-13
Mar-14
Jun-14
Empontospercentuais
Spread médio novos contratos CH
Crédito Actividades Imobiliárias
Crédito concedido a
actividades
imobiliárias na
ordem dos 28,5 mil
milhões
À semelhança do
CH, subida desde
2005
Descida ocorre mais
cedo, a partir de
2009, mais forte na
construção (-40%)
Fonte: Banco de Portugal
0
5.000
10.000
15.000
20.000
25.000
30.000
Dez-97
Jul-98
Fev-99
Set-99
Abr-00
Nov-00
Jun-01
Jan-02
Ago-02
Mar-03
Out-03
Mai-04
Dez-04
Jul-05
Fev-06
Set-06
Abr-07
Nov-07
Jun-08
Jan-09
Ago-09
Mar-10
Out-10
Mai-11
Dez-11
Jul-12
Fev-13
Set-13
Abr-14
Crédito Concedido (€ Milhões)
Construção Actividades Imobiliárias
Crédito Imobiliário
Mais de 60% do
crédito concedido é
ao sector imobiliário
Parte do crédito a
empresas tem como
garantia…
imobiliário!
Fonte: Banco de Portugal
60,7%
9,7%
29,6%
Crédito concedido sistema não-financeiro
% Imobiliário % Particulares % Empresas
Crédito Mal-Parado
Fonte: Banco de Portugal
Mal-parado totaliza
já quase € 9,5 mil
milhões
Muito elevado na
construção
Na promoção em
igual valor que CH
(mas este
representa 10 vezes
mais…)
0,0%
1,0%
2,0%
3,0%
4,0%
5,0%
6,0%
7,0%
8,0%
0
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
8.000
9.000
10.000
Nov-03
Abr-04
Set-04
Fev-05
Jul-05
Dez-05
Mai-06
Out-06
Mar-07
Ago-07
Jan-08
Jun-08
Nov-08
Abr-09
Set-09
Fev-10
Jul-10
Dez-10
Mai-11
Out-11
Mar-12
Ago-12
Jan-13
Jun-13
Nov-13
Abr-14
Crédito Imobiliário Vencido (€ Milhões)
Crédito Imobiliário Vencido % s/ crédito concedido
think@outofthebox.com.pt
www.outofthebox.com.pt
Financial Capabilities. Real Estate Expertise
Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016
A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016
A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016Quantopian
 
How to build a trading system
How to build a trading systemHow to build a trading system
How to build a trading systemFXstreet.com
 
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_trading
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_tradingIntroduction to elliott_wave_fibonacci_spread_trading
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_tradingPragasit Thitaram
 
Breakout trading strategies
Breakout trading strategiesBreakout trading strategies
Breakout trading strategiesmgeek007
 
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon Simeonov
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon SimeonovPatterns of Successful Angel Investing by Simeon Simeonov
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon SimeonovSimeon Simeonov
 
Venture Capital 101
Venture Capital 101 Venture Capital 101
Venture Capital 101 Brett Munster
 
Sources Of Finance
Sources Of FinanceSources Of Finance
Sources Of Financelittle robie
 
23512555 trade-life-cycle
23512555 trade-life-cycle23512555 trade-life-cycle
23512555 trade-life-cycleahaline
 
Venture Capital 101
Venture Capital 101Venture Capital 101
Venture Capital 101Eventbrite
 
SMC structure.pdf
SMC structure.pdfSMC structure.pdf
SMC structure.pdfTan Ngoc
 
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazz
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazzFinding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazz
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazzProduct School
 
Understanding VC Term Sheets
Understanding VC Term SheetsUnderstanding VC Term Sheets
Understanding VC Term SheetsMark Haddad
 
Asset liability management
Asset liability managementAsset liability management
Asset liability managementAnil Chaurasiya
 
All About Forex Trading - BlueMax Capital
All About Forex Trading - BlueMax CapitalAll About Forex Trading - BlueMax Capital
All About Forex Trading - BlueMax CapitalBlueMax Capital
 
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019Ulu Ventures
 
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 sz
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 szSpectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 sz
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 szColeago Consulting
 

Mais procurados (20)

A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016
A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016
A Guided Tour of Machine Learning for Traders by Tucker Balch at QuantCon 2016
 
How to build a trading system
How to build a trading systemHow to build a trading system
How to build a trading system
 
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_trading
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_tradingIntroduction to elliott_wave_fibonacci_spread_trading
Introduction to elliott_wave_fibonacci_spread_trading
 
ADM115-Aula4_2011-2 - Risco.pptx
ADM115-Aula4_2011-2 - Risco.pptxADM115-Aula4_2011-2 - Risco.pptx
ADM115-Aula4_2011-2 - Risco.pptx
 
Breakout trading strategies
Breakout trading strategiesBreakout trading strategies
Breakout trading strategies
 
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon Simeonov
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon SimeonovPatterns of Successful Angel Investing by Simeon Simeonov
Patterns of Successful Angel Investing by Simeon Simeonov
 
Venture Capital 101
Venture Capital 101 Venture Capital 101
Venture Capital 101
 
Sources Of Finance
Sources Of FinanceSources Of Finance
Sources Of Finance
 
23512555 trade-life-cycle
23512555 trade-life-cycle23512555 trade-life-cycle
23512555 trade-life-cycle
 
Venture Capital 101
Venture Capital 101Venture Capital 101
Venture Capital 101
 
SMC structure.pdf
SMC structure.pdfSMC structure.pdf
SMC structure.pdf
 
my fox
my fox my fox
my fox
 
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazz
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazzFinding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazz
Finding Product-Market Fit and Scale w/ Warung Pintar and PayFazz
 
Rácios
RáciosRácios
Rácios
 
Understanding VC Term Sheets
Understanding VC Term SheetsUnderstanding VC Term Sheets
Understanding VC Term Sheets
 
Asset liability management
Asset liability managementAsset liability management
Asset liability management
 
All About Forex Trading - BlueMax Capital
All About Forex Trading - BlueMax CapitalAll About Forex Trading - BlueMax Capital
All About Forex Trading - BlueMax Capital
 
Lecture no 37 short iron condor
Lecture no 37   short iron condorLecture no 37   short iron condor
Lecture no 37 short iron condor
 
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019
Decision Analysis in Venture Capital Workshop, DAAG 2019
 
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 sz
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 szSpectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 sz
Spectrum auction failure and how to avoid it v001 030319 sz
 

Destaque (10)

Workshop Investimentos Imobiliários
Workshop Investimentos ImobiliáriosWorkshop Investimentos Imobiliários
Workshop Investimentos Imobiliários
 
Dívida Imobiliária e Hoteleira
Dívida Imobiliária e HoteleiraDívida Imobiliária e Hoteleira
Dívida Imobiliária e Hoteleira
 
Buy to let
Buy to letBuy to let
Buy to let
 
Eu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de voltaEu quero o sporting de volta
Eu quero o sporting de volta
 
A Habitação como produto de investimento
A Habitação como produto de investimentoA Habitação como produto de investimento
A Habitação como produto de investimento
 
O impacto do crédito e das taxas de juro na habitação em portugal – 1998 a 2010
O impacto do crédito e das taxas de juro na habitação em portugal – 1998 a 2010O impacto do crédito e das taxas de juro na habitação em portugal – 1998 a 2010
O impacto do crédito e das taxas de juro na habitação em portugal – 1998 a 2010
 
Real Estate Investments
Real Estate InvestmentsReal Estate Investments
Real Estate Investments
 
As 10 regras de ouro no buy to let
As 10 regras de ouro no buy to letAs 10 regras de ouro no buy to let
As 10 regras de ouro no buy to let
 
Salvador - Marketing de performance para vender imóveis - Mariana Ferronato -...
Salvador - Marketing de performance para vender imóveis - Mariana Ferronato -...Salvador - Marketing de performance para vender imóveis - Mariana Ferronato -...
Salvador - Marketing de performance para vender imóveis - Mariana Ferronato -...
 
Métodos de avaliação imobiliária
Métodos de avaliação imobiliáriaMétodos de avaliação imobiliária
Métodos de avaliação imobiliária
 

Semelhante a Fundos de investimento imobiliário

Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbook
Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbookBrazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbook
Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbookFGV Brazil
 
Dr. josé henrique longo 28-10
Dr. josé henrique longo   28-10Dr. josé henrique longo   28-10
Dr. josé henrique longo 28-10Fernanda Moreira
 
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 379023º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790APEPREM
 
Encontro temático financeiro bovespa
Encontro temático financeiro   bovespaEncontro temático financeiro   bovespa
Encontro temático financeiro bovespaAPEPREM
 
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...PAULOLEAL73
 
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...PAULOLEAL73
 
Apresentação girotto
Apresentação girottoApresentação girotto
Apresentação girottoplerias
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1joseesade
 
Apresentação Tozzini Freire
Apresentação Tozzini FreireApresentação Tozzini Freire
Apresentação Tozzini FreireVinícius Scaramel
 
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosClasse 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosAminudineCarlosAbaca
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosFelipe Pontes
 
Finanças pessoais: Renan Lima
Finanças pessoais: Renan LimaFinanças pessoais: Renan Lima
Finanças pessoais: Renan LimaCra-es Conselho
 
Slides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdfSlides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdfPedro Luis Moraes
 
Tesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdfTesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdfPAULOJOSE80
 
Relatório candidatura QREN
Relatório candidatura QRENRelatório candidatura QREN
Relatório candidatura QRENHugo Rodrigues
 

Semelhante a Fundos de investimento imobiliário (20)

Fundos imobiliários e dívida em Portugal
Fundos imobiliários e dívida em PortugalFundos imobiliários e dívida em Portugal
Fundos imobiliários e dívida em Portugal
 
Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbook
Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbookBrazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbook
Brazilian Mutual Fund Industry 2014 yearbook
 
Dr. josé henrique longo 28-10
Dr. josé henrique longo   28-10Dr. josé henrique longo   28-10
Dr. josé henrique longo 28-10
 
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 379023º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
23º Encontro Regional | Politica de Investimentos Perante a Resolução 3790
 
Institucional%20 itaú
Institucional%20 itaúInstitucional%20 itaú
Institucional%20 itaú
 
Encontro temático financeiro bovespa
Encontro temático financeiro   bovespaEncontro temático financeiro   bovespa
Encontro temático financeiro bovespa
 
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
 
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu L...
 
Apresentação girotto
Apresentação girottoApresentação girotto
Apresentação girotto
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Geralnews28mar
Geralnews28marGeralnews28mar
Geralnews28mar
 
Geralnews06jun
Geralnews06junGeralnews06jun
Geralnews06jun
 
Apresentação Tozzini Freire
Apresentação Tozzini FreireApresentação Tozzini Freire
Apresentação Tozzini Freire
 
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultadosClasse 5 - Capital, reservas e resultados
Classe 5 - Capital, reservas e resultados
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Geralnews14jan
Geralnews14janGeralnews14jan
Geralnews14jan
 
Finanças pessoais: Renan Lima
Finanças pessoais: Renan LimaFinanças pessoais: Renan Lima
Finanças pessoais: Renan Lima
 
Slides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdfSlides de aula - módulo 4.pdf
Slides de aula - módulo 4.pdf
 
Tesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdfTesouro Direto.pdf
Tesouro Direto.pdf
 
Relatório candidatura QREN
Relatório candidatura QRENRelatório candidatura QREN
Relatório candidatura QREN
 

Fundos de investimento imobiliário

  • 1. Ciclo de Formações Fundos de Investimento Imobiliário Lisboa 09 de Janeiro de 2015
  • 2. O que são? Património autónomo pertencente a uma pluralidade de pessoas singulares ou colectivas; Instrumento de poupança colectiva; Responsabilidade limitada ao património, não extensível aos participantes; Obrigatoriamente geridos por entidade terceira, independente – Sociedade Gestora.
  • 3. Como funcionam? Investidor Fundo Imóveis Fundo Inquilinos Compra Unidades de Participação de um Fundo Com o dinheirodo investidor compra imóveis São arrendados a inquilinos* Pagam rendas ao Fundo Incorpora ou distribui as rendas e a valorização ou desvalorização dos imóveis gerando ganhos ou perdas para o investidor Circuito Fundo de Investimento Imobiliário
  • 4. Tipologia de Fundos A tipologia dos Fundos Imobiliários pode variar, consoante: • Variabilidade do capital; • Forma de remuneração dos participantes; • Distribuição das unidades de participação.
  • 5. Tipologia de Fundos Quanto ao capital Variabilidade do Capital MistoFechado Subscrição Particular Nº de participantes <5 ou>5 exclusivamente investidores institucionais Nº de participantes >5 não sendo apenas institucionais Subscrição Pública Aberto
  • 6. Tipologia de Fundos Quanto às unidades de participação e remuneração das mesmas Formas de Remuneração Fundos de Rendimento Fundos Capitalização Distribuem os rendimentos gerados aos Participantes, de forma periódica. Reinvestem automaticamente os rendimentos gerados pelas respectivas carteiras, não distribuindo rendimentos. Constituídos por UP’s em número fixo, estabelecido no momento da emissão podendo, eventualmente, ser aumentado, em condições pré-definidas no regulamento de gestão. O investimento ou desinvestimento num Fundo Fechado faz-se através da compra ou venda de UP’s. Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Misto Constituídos por duas categorias de unidades de participação, sendo uma em número fixo e outra em número variável. Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Constituídos por unidades de participaçãp (UP’s) em número variável, ou seja, o número de unidades de participação varia de acordo com a procura do mercado. Uma subscrição resulta num aumento das UP’s e um resgate traduz-se numa eliminação das UP’s correspondentes.
  • 7. Composição das Carteiras Limites à Composição da Carteira Fundos Abertos Fundos Fechados de Subscrição Pública Fundos Fechados de Subscrição Particular com nº >5 Participantes não sendo exclusivamente Investidores Institucionais Fundos Fechados de Subscrição Particular com nº <5 Participantes ou nº >5 sendo todos eles Investidores Institucionais Fundos Mistos Investimento mínimo em Imóveis 75% 75% 75% 75% 75% Investimento máximo em Projetos de Construção 25% 50% 60% em caso de Reabilitação - - 25% Investimento máximo num só Imóvel 20% 25% - - 20% Exposição máxima de arrendamento a um só grupo económico 20% 20% - - 20% Investimento máximo em Sociedades Imobiliárias 25% 25% - - 25% Investimento máximo em Ups de outros FIIs 25% 25% 25% 25% 25% Endividamento máximo 25% 33% 33% - Não é permitido endividamento
  • 8. A Sociedade Gestora OperaçõespermitidasàSociedade GestoraFundosImobiliários Aquisiçãode imóveis para arrendamentooudestinados aoutras formas de exploraçãoonerosa Aquisiçãode imóveis para revenda Aquisiçãode outros direitos sobre imóveis, nos termos previstos emregulamentodaCMVM, tendoemvistaarespetivaexploração económica Operaçõesvedadasà Sociedade GestoraFundosImobiliários Onerarporqualquerformaos seusvalores, exceptoparaobtenção de financiamento, dentrodoslimitesestabelecidosnoRJFII Concedercrédito, incluindoaprestaçãode garantias Efetuarpromessasde vendade imóveisque aindanãoestejamna titularidade dofundode investimento FundosImobiliários destinadosaoutras ostermosprevistos respetivaexploração
  • 9. Fundos Sectoriais Fundo Especial de Investimento Imobiliário Florestal (FEIIF); Fundo de Investimento Imobiliário em Reabilitação Urbana (FIIRU); Fundo de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional (FIIAH);
  • 10. Fiscalidade Perda gradual dos benefícios fiscais; Apenas Fundos Imobiliários Abertos mantêm 50% de isenção em sede de IMI e IMT (OE 2014); Fundos sectoriais têm igualmente alguns benefícios fiscais.
  • 11. Sobre os FIIAH Devem investir maioritariamente em imóveis de arrendamento de habitação própria e permanente (75%) Podem alavancar-se dentro das regras previstas para os Fundos, consoante a sua tipologia (abertos ou fechados) Apresentam um conjunto diversificado de benefícios fiscais: • Isenção de IMT (na aquisição por parte do Fundo); • Isenção de IMI; • Isenção de taxas de supervisão; • Isenção de IRC.
  • 12. Sobre os FIIAH Montantes sob gestão dispararam em 2013 (portaria inicial vigorava apenas até 31 de Dezembro de 2013) Governo concedeu prorrogação por mais 2 anos (até final de 2015) 0 200 000 400 000 600 000 800 000 1 000 000 1 200 000 1 400 000 1 600 000 1 800 000 2009 2010 2011 2012 2013 2014 159 805 170 387 321 763 590 022 1 611 834 1 580 387 Montantes sob Gestão FIIAH (€'000) Fonte: APFIPP
  • 13. Alguns números do mercado 34 Gestoras em actividade Número de Sociedades Gestoras estável desde 2007 20 25 30 35 40 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Evolução nº de Sociedades Gestoras (FII + FEII) Fonte: CMVM
  • 14. Alguns números do mercado Interfundos, Fundger e Montepio, as 3 maiores Juntas gerem 1/3 do mercado Espírito Santo (actual GNB) perdeu 15% de activos em 2014 13% 11% 9% 8% 7%7% 6% 6% 5% 4% 24% Split do mercado por SGFII Interfundos Fundger Montepio Valor GNB Norfin Square Asset Management Banif Gestão de Activos Gesfimo Imofundos Santander Asset Management Restantes Fonte: APFIPP
  • 15. Alguns números do mercado 251 fundos em actividade Crescimento exponencial no nº de fundos entre 2005 e 2009 Fim dos benefícios fiscais travou a subida 0 50 100 150 200 250 300 Evolução do n.º de FIIs e FEIIs (1996-2013) Fonte: CMVM
  • 16. Alguns números do mercado € 11,76 mil milhões actualmente sob gestão Crescimento de 6,5% nos montantes geridos, entre 2009 e 2013 Queda de -4,3% em 2014 Fonte: CMVM 0 2 000 4 000 6 000 8 000 10 000 12 000 14 000 2008 2009 2010 2011 2012 2013 4 149 5 278 4 884 4 537 4 378 4 150 6 486 6 498 6 600 6 727 6 949 8 141 Montantes sob gestão (€ Milhões) FII Abertos FII Fechados
  • 17. Alguns números do mercado € 13,48 mil milhões de activos em carteira Fundos fechados representam 67% dos activos em carteira no mercado Queda de -5,89% em 2014 Fonte: CMVM 0 2 000 4 000 6 000 8 000 10 000 12 000 14 000 16 000 2008 2009 2010 2011 2012 2013 nov/14 4 575 5 184 4 995 5 017 5 008 4 813 4 295 8 181 8 704 9 111 9 301 9 458 9 517 9 191 Activos em carteira (milhões de euros) FII Abertos FII Fechados
  • 18. Alguns números do mercado Endividamento tem vindo a reduzir-se desde 2011 Alavancagem é superior nos fundos fechados Fonte: CMVM 0 500 1 000 1 500 2 000 2 500 3 000 3 500 2008 2009 2010 2011 2012 2013 541 325 226 662 637 645 1 987 2 457 2 743 2 661 2 542 2 023 Endividamento FII FII Abertos FII Fechados
  • 19. Alguns números do mercado Endividamento tem vindo a reduzir-se desde 2011 Alavancagem é superior nos fundos fechados Fonte: CMVM 13,0% 6,2% 4,6% 14,6% 14,6% 15,5% 14,1% 30,6% 37,8% 41,6% 39,6% 36,6% 24,9% 23,8% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% 35,0% 40,0% 45,0% 2008 2009 2010 2011 2012 2013 nov/14 Alavancagem FII FII Abertos FII Fechados
  • 20. Alguns números do mercado Liquidez dos fundos tem vindo a subir nos últimos 2 anos Em 2011, fundos abertos praticamente não tinham liquidez Fonte: CMVM 1,7% 6,7% 4,9% 0,8% 0,50% 0,9% 2,7% 7,0% 7,5% 7,1% 5,7% 5,6% 10,0% 11,2% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 0,0 100,0 200,0 300,0 400,0 500,0 600,0 700,0 800,0 900,0 1 000,0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 %dovalorgerido Milhõesdeeuros Liquidez FII FII Abertos FII Fechados
  • 21. Alguns números do mercado Fundos estão finalmente vendedores de activos Descida de activos sob gestão, de divida e aumento de liquidez deve-se, assim, a forte actividade vendedora Fonte: Banco de Portugal 777,2 768,8 477,2 214,8 134,2 475,2 -288-400 -200 0 200 400 600 800 1000 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Transacções Líquidas FII (milhões de euros)
  • 23. Crédito Habitação CH concedido na ordem dos € 104 mil milhões Subida de 60% entre 2005 e 2011 Ligeira desalavancagem desde 2011 Fonte: Banco de Portugal 50.000 60.000 70.000 80.000 90.000 100.000 110.000 120.000 Nov-03 Abr-04 Set-04 Fev-05 Jul-05 Dez-05 Mai-06 Out-06 Mar-07 Ago-07 Jan-08 Jun-08 Nov-08 Abr-09 Set-09 Fev-10 Jul-10 Dez-10 Mai-11 Out-11 Mar-12 Ago-12 Jan-13 Jun-13 Nov-13 Abr-14 Crédito Habitação em dívida (€ milhões)
  • 24. Crédito Habitação Apesar da lenta desalavancagem, valores mensalmente concedidos estão hoje 90% abaixo de máximos históricos Fonte: Banco de Portugal 0 200 400 600 800 1 000 1 200 1 400 1 600 1 800 2 000 Jan-04 Jun-04 Nov-04 Abr-05 Set-05 Fev-06 Jul-06 Dez-06 Mai-07 Out-07 Mar-08 Ago-08 Jan-09 Jun-09 Nov-09 Abr-10 Set-10 Fev-11 Jul-11 Dez-11 Mai-12 Out-12 Mar-13 Ago-13 Jan-14 Jun-14 Crédito Habitação Concedido (milhões de euros)
  • 25. Crédito Habitação O crédito é curto e caro, apesar dos indexantes estarem em mínimos históricos Spreads voltaram a subir Fonte: INE 0 50 100 150 200 250 300 350 Mar-08 Jun-08 Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Dez-09 Mar-10 Jun-10 Set-10 Dez-10 Mar-11 Jun-11 Set-11 Dez-11 Mar-12 Jun-12 Set-12 Dez-12 Mar-13 Jun-13 Set-13 Dez-13 Mar-14 Jun-14 Empontospercentuais Spread médio novos contratos CH
  • 26. Crédito Actividades Imobiliárias Crédito concedido a actividades imobiliárias na ordem dos 28,5 mil milhões À semelhança do CH, subida desde 2005 Descida ocorre mais cedo, a partir de 2009, mais forte na construção (-40%) Fonte: Banco de Portugal 0 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 Dez-97 Jul-98 Fev-99 Set-99 Abr-00 Nov-00 Jun-01 Jan-02 Ago-02 Mar-03 Out-03 Mai-04 Dez-04 Jul-05 Fev-06 Set-06 Abr-07 Nov-07 Jun-08 Jan-09 Ago-09 Mar-10 Out-10 Mai-11 Dez-11 Jul-12 Fev-13 Set-13 Abr-14 Crédito Concedido (€ Milhões) Construção Actividades Imobiliárias
  • 27. Crédito Imobiliário Mais de 60% do crédito concedido é ao sector imobiliário Parte do crédito a empresas tem como garantia… imobiliário! Fonte: Banco de Portugal 60,7% 9,7% 29,6% Crédito concedido sistema não-financeiro % Imobiliário % Particulares % Empresas
  • 28. Crédito Mal-Parado Fonte: Banco de Portugal Mal-parado totaliza já quase € 9,5 mil milhões Muito elevado na construção Na promoção em igual valor que CH (mas este representa 10 vezes mais…) 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 4,0% 5,0% 6,0% 7,0% 8,0% 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 8.000 9.000 10.000 Nov-03 Abr-04 Set-04 Fev-05 Jul-05 Dez-05 Mai-06 Out-06 Mar-07 Ago-07 Jan-08 Jun-08 Nov-08 Abr-09 Set-09 Fev-10 Jul-10 Dez-10 Mai-11 Out-11 Mar-12 Ago-12 Jan-13 Jun-13 Nov-13 Abr-14 Crédito Imobiliário Vencido (€ Milhões) Crédito Imobiliário Vencido % s/ crédito concedido