SlideShare uma empresa Scribd logo
09/05/2013
1
AULA 4
Educação Especial
Profª Cleudimara Sanches Sartori Silva
Tema da aula:
Tema 4:
A Integração Escolar de Pessoas com
Necessidades Especiais
Conteúdos da aula
•Os desafios da inclusão de alunos necessidades
especiais em escolas regulares e/ou em classes
comuns.
•Construção do conceito de deficiência.
•Maneiras pelas quais a Política Nacional de
Educação Especial pode ser cumprida.
•Perspectivas, propostas e consequências da
Educação Especial.
09/05/2013
2
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as
seguintes questões:
•O desenvolvimento da proposta inclusiva e do
modelo de integração.
• As diferentes dimensões e denominações do
continuum de serviços que visam à integração
escolar.
•As consequências das críticas ao modelo de
integração escolar que fortaleceram a luta
educacional inclusiva.
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as
seguintes questões:
Em que momento histórico iniciou a reivindicação
inclusiva?
Do que se trata a integração escolar?
09/05/2013
3
De que maneira a integração escolar se tornou real
na vida de alunos com necessidades especiais?
Quais eram os questionamentos sobre os critérios
estabelecidos para o acesso de alunos com
necessidades especiais à escola?
Educação de qualidade
Avanços significativos
acontecem
A característica
destes avanços
Princípio a
educação inclusiva
Modelo de ação
Integração escolar
09/05/2013
4
A integração escolar tem como objetivo
minimizar a distância entre os alunos com
necessidades especiais dos demais.
Integração escolar, para que haja é necessário que
nas atividades grupais dos alunos, aqueles com
necessidades especiais estejam inseridos e
participem ativamente.
REFLEXÃO:
Na sua concepção a integração escolar da pessoa
com necessidades especiais está ocorrendo? De
que forma?
09/05/2013
5
Com os movimentos sociais nacionais e
internacionais foram estruturadas as propostas
educacionais de inclusão, fundamentadas na idéia
de que no ambiente escolar, se os alunos
pudessem ter a oportunidade de estar o mais
próximo possível dos demais, seria apropriado e
benéfico para todos.
Com o objetivo de disponibilizar para às pessoas
com necessidades especiais “padrões de vida
próximas as normas e padrões da sociedade”, na
década de 1970 a Associação Americana de
Reabilitação Connseling (ANARC), conclamou a
proposta que se denominou INTEGRAÇÃO.
Para que a integração não se transformasse
numa mera proposta e pudesse se concretizar no
cotidiano dos alunos com necessidades especiais,
a garantia dos direitos educacionais se daria pelo
estabelecimento de um continuum de serviços
especializados.
09/05/2013
6
CONTINUUM cuja dimensão é física neste a
integração tem como objetivo garantir a
proximidade na perspectiva física de alunos com
necessidades especiais dos demais alunos e da
comunidade escolar como um todo. A
reivindicação é pelo direito de partilhar espaços
sociais que, no caso em questão, trata-se da
escola.
CONTINUUM cuja dimensão é funcional, neste a
integração é passível de percepção a partir do
momento em que alunos com necessidades
especiais podem realmente usufruir de classes
comuns aquelas destinadas e abertas a todos os
tipos de alunos regularmente matriculados.
CONTINUUM cuja dimensão é social, neste a
integração tem como objetivo o cumprimento dos
fatores da dimensão funcional, de modo que que
potencialize nos alunos com necessidades
especiais as possibilidades deles interagirem
socialmente.
09/05/2013
7
Vale lembrar que a integração escolar para
realmente acontecer é necessário que nas
atividades sociais dos alunos, aqueles com
necessidades especiais estejam inseridos e
participem ativamente das mesmas, se
comunicando com todos .
A construção das noções de CONTINUUM de
serviços possuem três denominações distintas:
Hierarquia de serviços – modelo de educação
especial;
Sistema de cascata dos serviços de educação
especial;
Modelo da pirâmide invertida
Essas três denominações são concordantes em
basear suas propostas no foco do atendimento
das necessidades dos alunos com deficiência.
09/05/2013
8
Os alunos devem ser encaminhados para esses
serviços especializados somente quando isto for
necessário; e que assim que for possível, devem
ocupar classes comuns; partilhar do convívio e das
atividades didático-pedagógicas com os demais
alunos num espaço social caracterizado pelas salas
de aulas ofertadas no ensino regular.
As diferenciações das denominações sobre o
continuum de serviços, todas têm algo em
comum: a consideração da existência de classes
comum, de classes especiais, de escolas
especiais, de atendimento educacional em
ambiente domiciliar e/ou hospitalar.
Situações como encaminhamentos para serviços
especializados, alimentaram as críticas sobre a
maneira pela qual, inicialmente, ocorreu a
implantação da integração escolar no Brasil, e
como ela foi até certo ponto distorcida.
09/05/2013
9
Dessa distorção foi o desrespeito ao chamado
princípio da transitoriedade, ou seja, que um
aluno com necessidades especiais
permanecesse apenas por tempo determinado
em ambientes exclusivos de educação especial.
Princípio da transitoriedade quer dizer
Permanência de alunos com necessidades
especiais por tempo determinado em ambientes
exclusivos de educação especial.
REFLEXÃO:
Será que o princípio da transitoriedade ainda
aconteçe?
09/05/2013
10
LEMBRE-SE:
Continuum de serviços: Ofertas de
serviços especializados que acontecem
através de dimensões variáveis,
garantindo os direitos de alunos com
necessidades especiais.
APRIMORAMENTO DO CONHECIMENTO
Acesse o site do MEC - Ministério da
Educação. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/r
evistainclusao1.pdf
APRIMORAMENTO DO CONHECIMENTO
Leia o artigo: Integração escolar das pessoas
portadoras de deficiência: uma busca da educação
para todos, de Kátia da Silva Soares Barroso.
Revista de Ciências Jurídicas e Sociais da Unipar,
2007. Disponível em: <
http://revistas.unipar.br/juridica/article/viewFile/64
5/562
09/05/2013
11
BOM ESTUDO
Até a próxima aula!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
complemearcurso
 
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
katiaregyna
 
Reflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusãoReflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusão
Fátima Nunes
 
Curriculo Educacao Especial
Curriculo Educacao EspecialCurriculo Educacao Especial
Curriculo Educacao Especial
Carlos Junior
 
Inclusão: Do que Falamos?
Inclusão: Do que Falamos?Inclusão: Do que Falamos?
Inclusão: Do que Falamos?
Joaquim Colôa
 
Arlete Forum Educacao Inclusiva
Arlete Forum Educacao InclusivaArlete Forum Educacao Inclusiva
Arlete Forum Educacao Inclusiva
robertaoliva
 
Educação Especial - alguns aspetos
Educação Especial - alguns aspetos Educação Especial - alguns aspetos
Educação Especial - alguns aspetos
João Pinto
 
Marcos legais
Marcos legaisMarcos legais
Marcos legais
karin
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
Daniel Rodrigues de Lima
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
Ministério da Educação
 
Ed Esp Prefeitura
Ed Esp PrefeituraEd Esp Prefeitura
Ed Esp Prefeitura
Professora Josete
 
Ot EducaçãO Especial Pcop Marisa
Ot EducaçãO Especial Pcop MarisaOt EducaçãO Especial Pcop Marisa
Ot EducaçãO Especial Pcop Marisa
DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE ITU
 
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
cefaidreguaianases
 
Integração e inclusão 2 formas de olhar
Integração e inclusão    2 formas de olharIntegração e inclusão    2 formas de olhar
Integração e inclusão 2 formas de olhar
isamota
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Craedi apresentação
Craedi apresentaçãoCraedi apresentação
Craedi apresentação
craeditgd
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
Marileide Alves
 
EQUIPE APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
EQUIPE  APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIsEQUIPE  APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
EQUIPE APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
Rosemeire Fernanda
 
Gestao inclusiva
Gestao inclusivaGestao inclusiva
Gestao inclusiva
borgonha
 

Mais procurados (20)

Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
 
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
 
Reflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusãoReflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusão
 
Curriculo Educacao Especial
Curriculo Educacao EspecialCurriculo Educacao Especial
Curriculo Educacao Especial
 
Inclusão: Do que Falamos?
Inclusão: Do que Falamos?Inclusão: Do que Falamos?
Inclusão: Do que Falamos?
 
Arlete Forum Educacao Inclusiva
Arlete Forum Educacao InclusivaArlete Forum Educacao Inclusiva
Arlete Forum Educacao Inclusiva
 
Educação Especial - alguns aspetos
Educação Especial - alguns aspetos Educação Especial - alguns aspetos
Educação Especial - alguns aspetos
 
Marcos legais
Marcos legaisMarcos legais
Marcos legais
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
 
Ed Esp Prefeitura
Ed Esp PrefeituraEd Esp Prefeitura
Ed Esp Prefeitura
 
Ot EducaçãO Especial Pcop Marisa
Ot EducaçãO Especial Pcop MarisaOt EducaçãO Especial Pcop Marisa
Ot EducaçãO Especial Pcop Marisa
 
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
Legislação de Educação Especial para concurso de professor de Educação Infantil
 
Integração e inclusão 2 formas de olhar
Integração e inclusão    2 formas de olharIntegração e inclusão    2 formas de olhar
Integração e inclusão 2 formas de olhar
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Craedi apresentação
Craedi apresentaçãoCraedi apresentação
Craedi apresentação
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
 
EQUIPE APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
EQUIPE  APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIsEQUIPE  APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
EQUIPE APRESENTA O TRABALHO DO CEMAEE NAS EMEIs
 
Gestao inclusiva
Gestao inclusivaGestao inclusiva
Gestao inclusiva
 

Destaque

Modelo de gestão e instrumento de mudanças estratégicas
Modelo de gestão e  instrumento de mudanças estratégicasModelo de gestão e  instrumento de mudanças estratégicas
Modelo de gestão e instrumento de mudanças estratégicas
Ouvidoria Geral do Estado da Bahia
 
O Intrigante Iraque
O Intrigante IraqueO Intrigante Iraque
O Intrigante Iraque
guest54e09e
 
Feira pedagógica
Feira pedagógicaFeira pedagógica
Feira pedagógica
Escola Maria Lovatel Pires
 
Avalia forma2
Avalia forma2Avalia forma2
Avalia forma2
guest38b08da2
 
Trastornos menstruales
Trastornos menstrualesTrastornos menstruales
Trastornos menstruales
Cliopemelia Teretaurania
 
Receitas juninas da yeda saraiva
Receitas juninas da yeda saraivaReceitas juninas da yeda saraiva
Receitas juninas da yeda saraiva
mucamaba
 
Visiones Del Ojo
Visiones Del OjoVisiones Del Ojo
Visiones Del Ojo
guestaf8d400b
 
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
Universidade Técnica de Lisboa
 
Porque Collor Foi Melhor que Lula
Porque Collor Foi Melhor que LulaPorque Collor Foi Melhor que Lula
Porque Collor Foi Melhor que Lula
guest345c8a
 
Receitas junina especial
Receitas junina especialReceitas junina especial
Receitas junina especial
mucamaba
 
Civilización de japón
Civilización de japónCivilización de japón
Civilización de japón
carlaryla
 
Newsletter Interna FO 06 de maio
Newsletter Interna FO 06 de maioNewsletter Interna FO 06 de maio
Newsletter Interna FO 06 de maio
rafafound
 
Coca por mar
Coca por marCoca por mar
Coca por maradolfoje
 
Leite de coco
Leite de cocoLeite de coco
Leite de coco
mucamaba
 
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisolDivorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
Cliopemelia Teretaurania
 
Vivencia para ler e reler (1) paz (1)
Vivencia para ler e reler (1)  paz (1)Vivencia para ler e reler (1)  paz (1)
Vivencia para ler e reler (1) paz (1)
angelafreire
 
Citizen Experience- E-Services
Citizen Experience- E-ServicesCitizen Experience- E-Services
Citizen Experience- E-ServicesMohamed Elharty
 
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
Inesting
 
Cinema na areia
Cinema na areiaCinema na areia
Cinema na areia
blog do Gudin
 
Intestino delgado histologia
Intestino delgado histologiaIntestino delgado histologia
Intestino delgado histologia
Cliopemelia Teretaurania
 

Destaque (20)

Modelo de gestão e instrumento de mudanças estratégicas
Modelo de gestão e  instrumento de mudanças estratégicasModelo de gestão e  instrumento de mudanças estratégicas
Modelo de gestão e instrumento de mudanças estratégicas
 
O Intrigante Iraque
O Intrigante IraqueO Intrigante Iraque
O Intrigante Iraque
 
Feira pedagógica
Feira pedagógicaFeira pedagógica
Feira pedagógica
 
Avalia forma2
Avalia forma2Avalia forma2
Avalia forma2
 
Trastornos menstruales
Trastornos menstrualesTrastornos menstruales
Trastornos menstruales
 
Receitas juninas da yeda saraiva
Receitas juninas da yeda saraivaReceitas juninas da yeda saraiva
Receitas juninas da yeda saraiva
 
Visiones Del Ojo
Visiones Del OjoVisiones Del Ojo
Visiones Del Ojo
 
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
Prémios Melhores Estudantes UTL/Santander Totta 2008
 
Porque Collor Foi Melhor que Lula
Porque Collor Foi Melhor que LulaPorque Collor Foi Melhor que Lula
Porque Collor Foi Melhor que Lula
 
Receitas junina especial
Receitas junina especialReceitas junina especial
Receitas junina especial
 
Civilización de japón
Civilización de japónCivilización de japón
Civilización de japón
 
Newsletter Interna FO 06 de maio
Newsletter Interna FO 06 de maioNewsletter Interna FO 06 de maio
Newsletter Interna FO 06 de maio
 
Coca por mar
Coca por marCoca por mar
Coca por mar
 
Leite de coco
Leite de cocoLeite de coco
Leite de coco
 
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisolDivorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
Divorcio buap-psiquitria-moralopezmarisol
 
Vivencia para ler e reler (1) paz (1)
Vivencia para ler e reler (1)  paz (1)Vivencia para ler e reler (1)  paz (1)
Vivencia para ler e reler (1) paz (1)
 
Citizen Experience- E-Services
Citizen Experience- E-ServicesCitizen Experience- E-Services
Citizen Experience- E-Services
 
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
Seminário Marketing Digital - Projecto Digitalligence de análise de indicador...
 
Cinema na areia
Cinema na areiaCinema na areia
Cinema na areia
 
Intestino delgado histologia
Intestino delgado histologiaIntestino delgado histologia
Intestino delgado histologia
 

Semelhante a Teleaula 4 tema 4

Inclusão sol e lucy
Inclusão  sol e lucyInclusão  sol e lucy
Inclusão sol e lucy
Marlene Evangelista
 
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
ProfessorPrincipiante
 
D96538ad222366c38efc70d4f24487aa
D96538ad222366c38efc70d4f24487aaD96538ad222366c38efc70d4f24487aa
D96538ad222366c38efc70d4f24487aa
300878
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
mkbariotto
 
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
waldilsonBarros1
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
christianceapcursos
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
christianceapcursos
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
christianceapcursos
 
TCC - Facon
TCC - FaconTCC - Facon
TCC - Facon
mkbariotto
 
Todas as crianças são bem
Todas as crianças são bemTodas as crianças são bem
Todas as crianças são bem
Alana Bregantin
 
Trabalho Psicologia da Educação.pptx
Trabalho Psicologia da Educação.pptxTrabalho Psicologia da Educação.pptx
Trabalho Psicologia da Educação.pptx
VictorHugoGuimares3
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
mkbariotto
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
Andreia Branco
 
educaçao especial
 educaçao especial educaçao especial
educaçao especial
MIRIAN PREDES
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
O acesso de alunos com deficiencia
O acesso de alunos com deficienciaO acesso de alunos com deficiencia
O acesso de alunos com deficiencia
Silvia Maltempi
 
Dcn educação especial
Dcn  educação especialDcn  educação especial
Dcn educação especial
marcaocampos
 
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoioOs desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
LAURA64791
 
Módulo v
Módulo vMódulo v
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Rute Pereira
 

Semelhante a Teleaula 4 tema 4 (20)

Inclusão sol e lucy
Inclusão  sol e lucyInclusão  sol e lucy
Inclusão sol e lucy
 
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
 
D96538ad222366c38efc70d4f24487aa
D96538ad222366c38efc70d4f24487aaD96538ad222366c38efc70d4f24487aa
D96538ad222366c38efc70d4f24487aa
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
 
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
01. A Adequação curricular como facilitadora.pdf
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
 
TCC - Facon
TCC - FaconTCC - Facon
TCC - Facon
 
Todas as crianças são bem
Todas as crianças são bemTodas as crianças são bem
Todas as crianças são bem
 
Trabalho Psicologia da Educação.pptx
Trabalho Psicologia da Educação.pptxTrabalho Psicologia da Educação.pptx
Trabalho Psicologia da Educação.pptx
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
 
educaçao especial
 educaçao especial educaçao especial
educaçao especial
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
O acesso de alunos com deficiencia
O acesso de alunos com deficienciaO acesso de alunos com deficiencia
O acesso de alunos com deficiencia
 
Dcn educação especial
Dcn  educação especialDcn  educação especial
Dcn educação especial
 
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoioOs desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
 
Módulo v
Módulo vMódulo v
Módulo v
 
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
 

Teleaula 4 tema 4

  • 1. 09/05/2013 1 AULA 4 Educação Especial Profª Cleudimara Sanches Sartori Silva Tema da aula: Tema 4: A Integração Escolar de Pessoas com Necessidades Especiais Conteúdos da aula •Os desafios da inclusão de alunos necessidades especiais em escolas regulares e/ou em classes comuns. •Construção do conceito de deficiência. •Maneiras pelas quais a Política Nacional de Educação Especial pode ser cumprida. •Perspectivas, propostas e consequências da Educação Especial.
  • 2. 09/05/2013 2 Habilidades Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: •O desenvolvimento da proposta inclusiva e do modelo de integração. • As diferentes dimensões e denominações do continuum de serviços que visam à integração escolar. •As consequências das críticas ao modelo de integração escolar que fortaleceram a luta educacional inclusiva. Habilidades Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões: Em que momento histórico iniciou a reivindicação inclusiva? Do que se trata a integração escolar?
  • 3. 09/05/2013 3 De que maneira a integração escolar se tornou real na vida de alunos com necessidades especiais? Quais eram os questionamentos sobre os critérios estabelecidos para o acesso de alunos com necessidades especiais à escola? Educação de qualidade Avanços significativos acontecem A característica destes avanços Princípio a educação inclusiva Modelo de ação Integração escolar
  • 4. 09/05/2013 4 A integração escolar tem como objetivo minimizar a distância entre os alunos com necessidades especiais dos demais. Integração escolar, para que haja é necessário que nas atividades grupais dos alunos, aqueles com necessidades especiais estejam inseridos e participem ativamente. REFLEXÃO: Na sua concepção a integração escolar da pessoa com necessidades especiais está ocorrendo? De que forma?
  • 5. 09/05/2013 5 Com os movimentos sociais nacionais e internacionais foram estruturadas as propostas educacionais de inclusão, fundamentadas na idéia de que no ambiente escolar, se os alunos pudessem ter a oportunidade de estar o mais próximo possível dos demais, seria apropriado e benéfico para todos. Com o objetivo de disponibilizar para às pessoas com necessidades especiais “padrões de vida próximas as normas e padrões da sociedade”, na década de 1970 a Associação Americana de Reabilitação Connseling (ANARC), conclamou a proposta que se denominou INTEGRAÇÃO. Para que a integração não se transformasse numa mera proposta e pudesse se concretizar no cotidiano dos alunos com necessidades especiais, a garantia dos direitos educacionais se daria pelo estabelecimento de um continuum de serviços especializados.
  • 6. 09/05/2013 6 CONTINUUM cuja dimensão é física neste a integração tem como objetivo garantir a proximidade na perspectiva física de alunos com necessidades especiais dos demais alunos e da comunidade escolar como um todo. A reivindicação é pelo direito de partilhar espaços sociais que, no caso em questão, trata-se da escola. CONTINUUM cuja dimensão é funcional, neste a integração é passível de percepção a partir do momento em que alunos com necessidades especiais podem realmente usufruir de classes comuns aquelas destinadas e abertas a todos os tipos de alunos regularmente matriculados. CONTINUUM cuja dimensão é social, neste a integração tem como objetivo o cumprimento dos fatores da dimensão funcional, de modo que que potencialize nos alunos com necessidades especiais as possibilidades deles interagirem socialmente.
  • 7. 09/05/2013 7 Vale lembrar que a integração escolar para realmente acontecer é necessário que nas atividades sociais dos alunos, aqueles com necessidades especiais estejam inseridos e participem ativamente das mesmas, se comunicando com todos . A construção das noções de CONTINUUM de serviços possuem três denominações distintas: Hierarquia de serviços – modelo de educação especial; Sistema de cascata dos serviços de educação especial; Modelo da pirâmide invertida Essas três denominações são concordantes em basear suas propostas no foco do atendimento das necessidades dos alunos com deficiência.
  • 8. 09/05/2013 8 Os alunos devem ser encaminhados para esses serviços especializados somente quando isto for necessário; e que assim que for possível, devem ocupar classes comuns; partilhar do convívio e das atividades didático-pedagógicas com os demais alunos num espaço social caracterizado pelas salas de aulas ofertadas no ensino regular. As diferenciações das denominações sobre o continuum de serviços, todas têm algo em comum: a consideração da existência de classes comum, de classes especiais, de escolas especiais, de atendimento educacional em ambiente domiciliar e/ou hospitalar. Situações como encaminhamentos para serviços especializados, alimentaram as críticas sobre a maneira pela qual, inicialmente, ocorreu a implantação da integração escolar no Brasil, e como ela foi até certo ponto distorcida.
  • 9. 09/05/2013 9 Dessa distorção foi o desrespeito ao chamado princípio da transitoriedade, ou seja, que um aluno com necessidades especiais permanecesse apenas por tempo determinado em ambientes exclusivos de educação especial. Princípio da transitoriedade quer dizer Permanência de alunos com necessidades especiais por tempo determinado em ambientes exclusivos de educação especial. REFLEXÃO: Será que o princípio da transitoriedade ainda aconteçe?
  • 10. 09/05/2013 10 LEMBRE-SE: Continuum de serviços: Ofertas de serviços especializados que acontecem através de dimensões variáveis, garantindo os direitos de alunos com necessidades especiais. APRIMORAMENTO DO CONHECIMENTO Acesse o site do MEC - Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/r evistainclusao1.pdf APRIMORAMENTO DO CONHECIMENTO Leia o artigo: Integração escolar das pessoas portadoras de deficiência: uma busca da educação para todos, de Kátia da Silva Soares Barroso. Revista de Ciências Jurídicas e Sociais da Unipar, 2007. Disponível em: < http://revistas.unipar.br/juridica/article/viewFile/64 5/562