Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5



           Tabela matriz a utilizar p...
Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5




          Conhecimento na área      ...
Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5




            Conhecimento na área    ...
Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5




             Conhecimento na área   ...
Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5




             Conhecimento na área   ...
Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5




Gestão da mudança
SÍNTESE           ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tabela Matriz Sessão 1

321 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tabela Matriz Sessão 1

  1. 1. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Tabela matriz a utilizar para a realização da 1ª parte da tarefa, conforme indicações do Guia da Sessão Conhecimento na área Biblioteca escolar Aspectos críticos que a Literatura Desafios. Acções Domínio Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças identifica a implementar Papel de liderança. Maior apoio no Percepção negativa Evidenciar os seus Sobrecarga de Concepção de um Facilitador do processo de ensino – do seu papel, por contributos para o responsabilidades, programa para a BE, conhecimento. aprendizagem. parte dos outros apoio ao aumento de com a colaboração Difusor da Articulação e docentes. desenvolvimento exigências dos docentes e órgãos informação/gestor da acompanhamento Acções desadequadas curricular. burocráticas, falta de de gestão. informação. curricular das ao desenvolvimento As transformações na tempo para colaborar Acções de Constante formação e aprendizagens. das literacias e sociedade em com os docentes e sensibilização junto actualização de Articular com os competências e articulação com as algum desrespeito por dos docentes sobre a aprendizagens/conhec docentes para direccionadas para a competências do parte deles. BE e da importância imentos. desenvolvimento de colecção. Prof. bibliotecário e Falta de apoio. do desenvolvimento Ter uma postura de competências que Falta de formação missão da BE. Desvalorização do das competências da Competências do investigação e de suportam as necessária tendo em papel do PB em favor informação e das professor bibliotecário aprendizagem aprendizagens e a vista o desempenho do fácil acesso ao literacias. contínua. construção do das suas funções. conhecimento. Divulgação da BE. Mudança de atitudes, conhecimento. Frequentar formação. planeamento de Envolvimento dos acções de promoção e alunos no processo de desenvolvimento da aquisição dos BE. conhecimentos. Formar para as Atitude positiva face diferentes literacias. aos novos desafios. Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 1
  2. 2. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Conhecimento na área Biblioteca escolar Apoio a todos os Falta de formação. Promoção dos Constituição de uma Organização de utilizadores e às suas Número reduzido de recursos da BE Falta de recursos equipa para a BE. equipas por diferentes elementos na equipa através dos meios económicos. Qualidade da equipa Agrupamento. necessidades. da BE da EB1. informáticos. Dificuldade em da BE. Gestão do horário e Integração na escola Falta de formação na Adequar o horário da articular o horário Organização e Gestão da Trabalho actividades de forma (PEE, PCA, PAA, área do tratamento BE às necessidades para assegurar a colaborativo entre a a garantir que grande BE PCT) e no processo documental. da escola e dos utilização do espaço equipa e a BE e os parte dos alunos do 1º de ensino alunos. da BE a todos alunos professores. CEB e Pré – Escolar aprendizagem. Articulação com a do 1ºCEB e do Pré – A BE como um lugar tenham acesso à BE. Recolha sistemática equipa da BE do Escolar do centro de de evidencias. agrupamento. agrupamento. difusão/coração da Reuniões com os escola. conselhos de Apoio dos Integrar a BE no docentes (1ºCiclo e coordenadores inter PEE. Pré - Escolar). concelhios. Integrar a BE no Dinamização de currículo. actividades Realizar a auto (exposições, avaliação. encontros, divulgação de trabalhos, …). Espaço onde os alunos se sentem bem, apelativo e que faz parte do dia à dia estudantil. Organização, Falta de apoio técnico Apoio da Biblioteca Redução dos Formar o pessoal Qualidade e divulgação e para desenvolvimento do Agrupamento no elementos da equipa. auxiliar nesta área. adequação ao informatização da de uma rede tratamento do fundo Elaborar o Gestão da Colecção público. colecção. concelhia. documental. documento que Diversidade de Adequação da Ausência de define o recursos e suportes. colecção e de outros Biblioteca Municipal. desenvolvimento da recursos de Colecção”Política de Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 2
  3. 3. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Conhecimento na área Biblioteca escolar informação às gestão da colecção.”. necessidades dos Avaliar a colecção alunos da escola. existente. Definir uma política de empréstimos no Agrupamento. Promoção do trabalho Alguns professores Falta de comunicação Desenvolvimento de Descentralização da Desenvolvimento de A BE como espaço de de pesquisa e da orientam este tipo de entre alguns metodologias que sala de aula como novas metodologias conhecimento e aprendizagem. autonomia dos trabalho com o apoio professores – alunos apoiem o trabalho de núcleo de que apoiem os alunos Trabalho colaborativo e alunos. da BE/aprendizagem – BE. pesquisa e alunos aprendizagem. (aprender a articulado com Departamentos Promover papel da tem lugar noutro Relutância de alguns colaborantes, Aumento da aprender). e docentes. BE na escola. espaço – BE. professores em parceiros activos e responsabilidade do Tornar públicos os Trabalho Desenvolvimento da colaborarem neste produtores de professor resultados desses colaborativo. Literacia da processo. conhecimento. bibliotecário. Agrupamentos. Articulação e Informação. Métodos de trabalho RBE reforça a missão Currículos extensos. planificação conjunta Participação do sem a inclusão da BE da BE do órgão de Avaliações externas das actividades a professor e os seus recursos. Gestão. (Provas globais). desenvolver de bibliotecário nas Competências acordo com o reuniões Conselho de baseadas nos currículo. Docentes. O conteúdos e não a Espaço de ligação ao conhecimento e a construção do saber. mundo actual e não aprendizagem Estudantes como de armazenamento de acontecem receptor passivo e colecções. informalmente e consumidor de Lugar activo e não acidentalmente informação. passivo. Age e quer (acesso livre à BE). causar mudança Métodos de ensino (atitudes e activos e de mentalidades). construção do Espaço de formação e conhecimento e de desenvolvimento das descoberta. várias literacias. Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 3
  4. 4. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Conhecimento na área Biblioteca escolar Algumas BE usam a Necessidade de Motivar, com Falta de verba para Encontrar novos Identificação de estratégia: “caixa de formação na área de resposta aos alunos e aquisição de todas as patrocínios, participar necessidades de sugestões”. animação da leitura. docentes que sugestões. em concursos. Criar leituras e preferências A vertente lúdica da Inclusão das TIC nas colaboram. pequenas dos alunos. leitura/leitura por áreas curriculares. comunidades de Falta de capacidades prazer. Falta de capacidades A adesão espontânea leitores. nos alunos e com Conhecimento do nos alunos e com dos alunos do 1º CEB Convidar baixo nível de fundo documental. baixo nível de à BE (formal e especialistas na área competências e Adequação do fundo competências e informalmente). da animação da Formação para a leitura e para literacias. documental aos literacias. leitura e/ou as literacias Reconhecimento da alunos e à escola. importância da BE como espaço para Dinamização de leitura. o desenvolvimento projectos em Divulgação da BE e das competências e articulação com os das suas acções de das literacias. docentes. promoção da leitura. O auxiliar para o Articulação com os sucesso dos alunos. PCT. Envolvimento dos alunos nas actividades da BE. A sociedade do séc. A BE tem na sua Promoção de Diversidade de XXI como a posse os recursos actividades que não recursos. Reforçar a articulação sociedade da Internet para se manter ligada conseguem competir Divulgação do fundo Desactualização e a da BE com as NACs e das novas às exigências da com os interesses dos da BE. rapidez com que onde exista o tecnologias sociedade. utilizadores. Apoio aos surge novos fomento das TIC. BE e os novos ambientes A relação dos alunos Identificação das Falta de recursos utilizadores, de conhecimentos. Adaptar o modelo de digitais. com as novas áreas de informático nas EB1 acordo com o seu pesquisa do tecnologias e a articulação/intervençã para integrar com nível, na selecção e Agrupamento às grande diversidade de o da BE nas áreas sucesso as TIC nas utilização dos media. necessidades do 1º informação que disciplinares. práticas de Produção de CEB. precisa de ser tratada, Colaboração com o ensino/aprendizagem materiais Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 4
  5. 5. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Conhecimento na área Biblioteca escolar descodificada/compre cumprimento do informativos e de endida e PTE. apoio à utilização dos transformada em recursos. conhecimento. Existência de um Modelo de Auto – Avaliação. Gerir para o sucesso educativo e melhoria das aprendizagens, Encontrar formas de Demonstrar, com Falta de tempo, por Avaliação como optimização do Continuar a quantificar o base em evidências, a parte do professor Gestão de evidências/ instrumento de processo que frequentar a formação envolvimento da BE importância da BE no bibliotecário, para avaliação. implementação de produzam resultados. sobre o modelo de no sucesso e nos desenvolvimento de realização desta mudança e eficácia. Capacidade de auto - Auto - Avaliação resultados dos alunos, competências. avaliação. avaliação como forma de atingir o sucesso e a desempenhar eficazmente e missão da BE. Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 5
  6. 6. Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5 Gestão da mudança SÍNTESE Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias A Biblioteca Escolar tem um Inverter os papéis de poder no processo Trabalho colaborativo. Relutância de alguns docentes e órgãos de papel central na escola. ensino/ aprendizagem. Reconhecimento da importância de praticas gestão para entender o papel da BE, nesta A compreensão e o Definir um rumo para a mudança de acordo direccionadas para a construção do mudança de século. conhecimento são essenciais com as transformações tecnológicas. conhecimento e da compreensão. Maior desagrado por parte de alguns docentes, para o desenvolvimento de BE = lugar de conhecimento em vários podem sentir-se desautorizados. cidadãos activos. suportes e de contribuição para o Falta de recursos/desadequação dos recursos desenvolvimento do conhecimento. aos utilizadores. A BE pode incentivar para mudança de Encarar a BE como centro de informação metodologias e de paradigmas educacionais. estática. Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 6

×