ESTAGIO SUPERVISIONADO IV

285 visualizações

Publicada em

ESTAGIO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ESTAGIO SUPERVISIONADO IV

  1. 1. 113 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 Tecnologias Móveis em Educação: o uso do celular na sala de aula Maria Cristina Marcelino Bento Professora Titular da FATEA- Lorena/SP, Mestre em Educação pela UMESP/SBC/SP, Doutoranda pela PUC/SP –TIDD Rafaela dos Santos Cavalcante Bolsista PIBIC-EM/CNPq/E.E.L.C.P. Resumo A presente pesquisa busca atender ao objetivo do PIBIC-EM: fortalecer o processo de disseminação das informações e conhecimentos científicos e tecnológicos básicos, bem como desenvolver as atitudes, habilidades e valores necessários à educação científica e tecnológica dos estudantes do ensino médio. Palavras-chave Tecnologias Móveis; Prática Educativa; Ensino Médio; Tecnologias da Informação e Comunicação. Abstract This research seeks to meet the goal of PIBIC-IN: strengthen the process of disseminating information and basic scientific and technological knowledge, and develop the attitudes, skills and values necessary for science and technology education for high school student. Keywords Mobile Technologies; Educational Practice; High School; Information Technology and Communication.
  2. 2. 114 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 1. Introdução O uso das Tecnologias da Informação e Comunicação Móveis e sem Fio (TIMS) aumentam os desafios da realidade escolar. Educadores precisam se adequar a realidade desenhada pelas TIMS. Entre as TIMS, temos o celular, um aparelho popular, com aplicativos que podem vir a ser utilizados em sala de aula como recurso pedagógico. Desta forma, a presente pesquisa busca responder: qual a visão de um grupo de professores do Ensino Médio em relação ao uso do celular em sala de aula? Os objetivos da pesquisa são: conhecer a história do celular; apresentar possibilidades do uso do celular como recurso pedagógico para as aulas no Ensino Médio. A justificativa desta pesquisa se dá pelo registro de Moura (2012): “O acesso a conteúdos multimédia deixou de estar limitado a um computador pessoal (PC) e estendeu-se também às tecnologias móveis (telemóvel, PDA, Pocket PC, Tablet PC, Netbook), proporcionando um novo paradigma educacional, o mobile learning ou aprendizagem móvel, através de dispositivos móveis. O mobile learning, uma extensão do e-learning, tem vindo a desenvolver-se desde há alguns anos, resultando em vários projetos de investigação”. Foi realizado um estudo de caso, com professores que atuam no Ensino Médio, em uma escola estadual pública, do Vale do Paraíba do Sul. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário, a análise dos dados é quantitativa e qualitativa. Para o grupo de docentes que participou desta pesquisa o celular pode ser um recurso pedagógico, ainda que proibido pelo Decreto Estadual. Entendemos que se faz necessário um momento de estudo e organização de atividades escolares de modo que o celular não seja apenas um instrumento de entretenimento para os alunos. 2. Referencial teórico O uso das Tecnologias da Informação e Comunicação Móveis e Sem Fio (TIMS) aumentam os desafios da realidade escolar. Educadores precisam se adequar a realidade desenhada pelas TIMS. Entre as TIMS, temos o celular, um aparelho popular, com aplicativos que podem vir a ser utilizados em sala de aula como recurso pedagógico. Na perspectiva de Saccol, Schlemmer e Barbosa (2011,p.30): “Em boa parte das instituições formais de ensino o uso de telefones celulares é restrito, por uma espécie de convenção social.” O Estado de São Paulo determinou a proibição do uso do celular pelos alunos das escolas do sistema estadual de ensino durante as aulas, conforme consta no Decreto nº 52.625, de 15 de Janeiro de 2008. Essa prática precisa ser revista se esse dispositivo for usado com fins educacionais. O educador precisa ter consciência que a escolha de tecnologias educacionais estão vinculadas à concepção de conhecimento que concebe. Desta forma concordamos com Saccol, Schlemmer e Barbosa (2011, p.31): “... se adotarmos uma concepção epistemológica de que o conhecimento é fruto de construção do indivíduo feita em colaboração com professores e colegas, devemos selecionar tecnologias que permitam interação intensiva entre as pessoas, por exemplo, por meio de ambientes virtuais que disponibilizem fóruns, chats, espaços para compartilhamento de projetos, arquivos de interesse comum.” Os telefones celulares surgiram.
  3. 3. 115 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 De acordo com o guia do celular em 1947, foi inaugurado o primeiro sistema móvel de maior amplitude, que atendia todo o trajeto da rodovia que liga as cidades americanas de Nova Yorque e Boston. Desde então, a comunicação móvel foi sendo aperfeiçoada, principalmente pelos pioneiros do laboratório Bell. No mesmo site, encontramos a informação de que a primeira cidade brasileira a contar com a telefonia móvel celular foi o Rio de Janeiro, em 1990; no ano seguinte implantado em Brasília, e depois em Campo Grande, Belo Horizonte e São Paulo; não temos certeza se exatamente nesta ordem ou não. Ainda no site Guia do celular, encontramos uma explicação sobre o funcionamento deste aparelho: “por mais que evolua a tecnologia, um aparelho celular não deixa de ser um rádio, que estabelece comunicações com uma Estação Rádio-Base (ERB)”. Uma ERB é uma estação emissora e receptora, que consiste de uma torre e uma pequena caixa, aproximadamente do tamanho de um contêiner, que contém o equipamento de rádio. Este aparelho converge vários aplicativos, entre eles, listamos alguns, os mais simples e considerados por nós de uso, também, na escola: calculadora, relógio, calendário, rádio, câmera fotográfica, jogos. Conforme o nível de sofisticação do aparelho os aplicativos aumentam. O acesso à internet possibilita a utilização de outros aplicativos, se fossemos relacioná-los aqui usaríamos muitas páginas. Mediante as facilidades da utilização de diferentes aplicativos no celular, fica nítida para nós a possibilidade de sua utilização em sala de aula: desde a calculadora ao acesso de bibliotecas virtuais. 3. Metodologia A pesquisadora bolsista pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio do Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento - PIBIC-EM- CNPq solicitou permissão à coordenadora pedagógica da escola em estudo, para aplicar um questionário durante a Hora de Trabalho Pedagógico Coletivo (ATPC), onde todos os professores estariam reunidos, permissão foi concebida. A autorização para a pesquisa na instituição de ensino já havia sido realizada, momento em que o projeto de pesquisa foi apresentado à direção da escola. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da FATEA pelo Parecer nº 79068, está cadastrado na Plataforma Brasil. Conforme combinado no dia vinte e oito de agosto durante a ATPC, foi exposto o trabalho de pesquisa. Porém, quando a coordenadora da escola em questão apresentou a pesquisadora do PIBIC-EMFATEA, muitos professores ali presentes não sabiam do que se tratava esse projeto. Iniciamos explicando sobre o que é o projeto PIBIC-EM. O que esta sigla significa, quais eram os objetivos desta bolsa de estudo para os jovens, e a importância da pesquisa -fortalecer o processo de disseminação das informações e conhecimentos científicos e tecnológicos básicos, bem como desenvolver as atitudes, habilidades e valores necessários à educação científica e tecnológica dos estudantes do ensino médio. Continuando, apresentamos o tema da pesquisa e os objetivos da mesma. Convidamos os presentes a participarem da pesquisa respondendo a um questionário pré-elaborado pelas pesquisadoras responsáveis, com duas questões abertas e quatro fechadas. Alguns professores chegaram a citar exemplos sobre o uso das tecnologias como o notebook nas escolas. Todos os professores presentes, no momento, aceitaram participar. Distribuiu-se a Carta de Consentimento de Livre e Esclarecido, na medida em que os professores liam e assinavam o documento distribuiu-se o questionário para iniciar a coleta de dados. Os dados coletados foram analisados de forma quantitativa e qualitativa.
  4. 4. 116 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 4. Resultados e Discussões 4.1. Questionário aos Professores O questionário aplicado aos professores foi composto de duas partes, a primeira sobre dados pessoais, para descrever o perfil dos sujeitos participantes. De acordo com a figura 1, 71% dos sujeitos pertencem ao sexo feminino, apresentando a maioria feminina no trabalho docente. Figura 1 – Sexo Dos docentes que participaram 71% possuem curso de graduação, 19% Latu Sensu e 10% Stricto Sensu, conforme figura2. Figura 2 – Formação Acadêmica A figura 3, o tempo de serviço no magistério dos sujeitos está entre 5 a 20 anos de docência. Figura 3 - Tempo de serviço no Magistério
  5. 5. 117 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 Ao verificarmos as disciplinas lecionadas pelos sujeitos encontramos: quatro professores de Matemática; cinco professores de Português, um de Ciência, quatro de História, três de Geografia, um de Arte, dois de Inglês, um de Biologia, dois de Física, um de Química, um de Espanhol e dois que se apresentaram como polivalentes, lecionando qualquer disciplinas na ausência do professor regente. A primeira questão da segunda parte do questinário ajudar-nos-ia a verificar se os sujeitos tinham celulares. Entre os vinte e um sujeitos somente um não possui celular. A questão seguinte completava a primeira, indagamos quantos aparelhos de celular cada docente possuía. A figura abaixo mostra que 71% dos professores possuíam um aparelho. Figura 4 - Quantidade de aparelhos que possui Entre as marcas de celular utilizadas pelos sujeitos encontramos: Apple, LG, Motorola, Multilaser, Nokia, Sansung, Sony Ericsson, ZTE. Um sujeito registrou não conhecer a marca do produto e outro deixou a resposta em branco. A penúltima questão, indagou-se sobre a permissão do uso do celular em sala de aula. A figura 5 mostra que 71% dos sujeitos não permite o uso do celular. Entre as justificativas pela não permissão as respostas se dividem entre a proibição pelo Decreto nº 52.625, de 15 de Janeiro de 2008 e “atrapalha os alunos a prestarem atenção as aulas”, “não perceber relação didática com o aparelho”, “muitos alunos em sala dificulta o controle por parte do professor” e “o acesso a esta tecnologia é só para alguns, além de ser um instrumento contra o professor e expor os colegas de classe.” . Os professores que permitem o uso em sala de aula – 14% - “utilizam tradutor”, “fotografias, músicas e vídeos para aprimorar os conteúdos em sala e aula”, “uso da calculadora”. Um professor registrou sim e não, explicou que solicita fotografias tiradas pelo celular fora da escola, com o intuito de utilizar em atividades em sala de aula. Figura 5 – Permite o uso do celular em sala de aula
  6. 6. 118 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 Na última questão do questionário, indagou se o docente considera o celular um recurso pedagógico. A maioria reconhece o celular como recurso pedagógico, as justificativas para tal são: “ necessidade de planejamento prévio”, “alguns modelos possuem internet e podem facilitar as pesquisas e dúvidas em sala de aula”, “deve haver uso consciente por parte do aluno”, “ se usado corretamente, o aluno em geral não usa o celular para aumentar seus conhecimentos e sim só para mandar mensagem”. Dos 14% da população do estudo que desconsideram o celular um recurso pedagógico justificaram: “outros recursos deveriam ser melhor trabalhados em sala de aula, como os computadores da sala de informática, lousa digital” “não” “nem todos têm acesso à internet, usam para fins próprios e podendo usá-lo contra você.” Figura 6 - O celular pode ser considerado um recurso pedagógico 4.2 Possibilidades de uso do celular pelo olhar da aluna bolsista Existem várias formas de se utilizar um celular em sala de aula, seja de um celular simples até mais moderno. Um celular simples, por exemplo, que tem como aplicações, a calculadora, o conversor de moeda, de comprimento, de peso, de volume, de área, e de temperatura, tem também a contagem regressiva e o cronômetro. E os mais modernos possuem, além disso, tudo como aplicações, também o tradutor de línguas que bastante conhecido por ser utilizado no Google, mais que em alguns não têm necessidade da internet para o uso, o gravador de voz, a filmadora a câmera, e a internet. A calculadora pode ser utilizada na aula de matemática, como uma forma de conferir os resultados, ou até mesmo resolver algumas frações e equações antes, para saber o resultado que se deve obter no final da conta antes de fazê-las em seu caderno. O conversor como é uma ferramenta para se transformar metro em centímetro e vice- versa, peso em grama, etc., pode ser utilizada em física que exige esses tipos de transformação de um para outro, também uma forma de conferir os resultados a ser obtido. O cronômetro como é um marcado de tempo, servi para as aulas de químicas como um instrumento útil para as experiências em sala, saber quanto tempo leva para uma reação de duas substancias deferentes reagirem. A contagem regressiva é também uma ferramenta que marca tempo que poderá ser muito bem utilizada em educação física, como uma forma de marca o tempo de cada esporte como o futebol e o vôlei, por exemplo, quanto estiver praticando. O tradutor que pode ser utilizado como dicionário na aula de língua portuguesa, é será um modo mais fácil que o dicionário na versão impressa, já que tem a vantagem da portabilidade; mas não que o dicionário fique de lado, ele também pode ser utilizado normalmente por aqueles que preferirem.
  7. 7. 119 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 A câmera, em arte como uma forma de registrar as cenas de um teatro, por exemplo, e mandar para o blog da escola direto do celular, a filmadora também poderá ser bem útil a filmar as cenas de cada personagem, assim como o gravador que pode auxiliar nos ensaios da fala de cada pessoa em seu papel de personagem A filmadora também pose ser usada na aula de português, em trabalhos que pedem para o aluno entrevistar uma pessoa, e o gravador como uma maneira de corrigir o próprio modo se falar, como um autoajuda para si mesmo melhora a fala em relação a linguagem correta. A internet é um meio em que todos têm para se comunicar com a outra, e levando em consideração que o aparelho celular pode levar a qualquer lugar sem problema. Pode ser útil para se pesquisar em sala durante a aula sem precisar se locomover para outro espaço. Seria ainda melhor se as escolas possuíssem um sistema que desse acesso aos alunos para usar a internet da mesma em seus aparelhos, durante as situações que fosse preciso. Essas são só algumas das funções de um celular que pode servir de material pedagógico na escola. Mas para que isso se torne um hábito comum em sala de aula, os professores e os demais representantes do corpo docente necessitam de um treinamento com a finalidade de obter conhecimento sobre as mudanças que vêm acontecendo na era da tecnologia, para assim aproveitar melhor o celular como uma forma de educação e não só para comunicação. E para os alunos que possuem um aparelho celular simples, o que pode ser feito? Para esses alunos pode-se deixá-los fazer as atividades propostas junto a um amigo, de forma colaborativa. Mas quem não possui um celular hoje em dia? Podemos até dizer que existe sim, mas são raros os que não possuem. Propor atividades em dupla ou até mesmo coletivas seria uma boa ideia para amenizar essas situações, além de proporcionar uma discussão com opiniões diversificadas e preparando para que eles possam trabalhar em equipe sabendo respeitar as ideias contrárias. Conclusão Para o grupo de docentes que participou desta pesquisa, o celular pode ser um recurso pedagógico, ainda que proibido pelo Decreto Estadual. Entendemos que se faz necessário um momento de estudo e organização de atividades escolares de modo que o celular não seja apenas um instrumento de entretenimento para os alunos. Para a pesquisadora, o celular pode ser um recurso didático a ser utilizado em diferentes momentos na escola, desde que conste no planejamento do plano de aula do docente e da instituição escolar. Para isto é necessário que o corpo docente, as famílias e a escola comuniquem-se e promovam um trabalho colaborativo. Referências MOURA, Adelina. Geração Móvel: um ambiente de aprendizagem suportado por tecnologias móveis para a “Geração Polegar”. Disponível em:<http://adelinamouravitae.com.sapo.pt/gpolegar.pdf>. Acesso em: 03 agosto de 2012 SACCOL A., SCHLEMMER E. e BARBOSA J. m-learming e u-learning – novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua. São Paulo: Pearson, 2011. SILVA, Mauro Alves da. Portal do Movimento COEP. Disponível em:<http://movimentocoep.ning.com/forum/topics/lei-estadual-de-sp-n-12730-de> Acesso em
  8. 8. 120 ECCOM, v. 4, n. 7, jan./jun. 2013 12 agosto de 2012 http://www.guiadocelular.com/2011/09/historia-do-celular.html Acesso em 12 agosto de 2012 Agradecimentos Agradecemos ao CNPq por conceder a bolsa de Iniciação Científica, PIBIC-EM, que possibilitou a realização da presente pesquisa.

×