SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
A IGREJA NO SÉCULO  DAS REVOLUÇÕES
ESQUEMA  GERAL  DA  EXPOSIÇÃO A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
1830. Começa na França, por sublevações organizadas por sociedades secretas, e se estende por vários outros países. Na Polônia, a revolução é levada por católicos unidos a maçons contra russos ortodoxos. Na Bélgica, católicos e liberais se unem contra os holandeses. Na Irlanda, pelos católicos; em Portugal, pelos maçons. Espanha, Bálcãs, etc. 1848. Nova onda revolucionária, atingindo França, Alemanha, Hungria, etc. Os movimentos trazem agora um anticlericalismo mitigado (alguns padres chegam a participar das sublevações!), mas temperado com a questão operária, já premente. Influência milenarista e historicista. Primeiras manifestações socialistas. 1860-70. Unificação da Itália. Os revoltosos são organizados por sociedades secretas. As terras pontifícias são tomadas, deixando tão-somente Roma, que depois também é tomada e tornada capital da Itália unificada (em substituição a Florença). O Papa torna-se “prisioneiro do Vaticano”. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
imagens que dizem muito x Pensamentos reveladores A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
FRANÇA, 1830 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
BÉLGICA, 1830 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
ALEMANHA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
ÁUSTRIA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
HUNGRIA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
BRASIL, 1888 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
GUARARAPES, 1879 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
GUARARAPES, 1758 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“Eis que chega o terceiro mundo. Eis que se desenha o arco-íris da humanidade, este sinal de suprema e eterna aliança! Acabou-se a era da graça, a do mérito começa!    ... Cabe à humanidade criar sua própria vida, cabe a ela criar a terra prometida!  Chegamos ao término da era inaugurada por Cristo! ... Delineia-se um futuro que precisamos conhecer a partir das premissas contidas no passado.” Cieskowski A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“Homens do futuro! É a vós que está reservado realizar essa profecia, se Deus estiver conosco. Será obra de uma nova revelação, de uma nova religião, de uma nova sociedade, de uma nova humanidade! Essa religião não abjurará o cristianismo, mas o despojará de suas formas. Será para o cristianismo o que é a filha para a sua mãe, quando uma é levada ao túmulo enquanto a outra está no auge da vida.” George Sand A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“O caráter mais marcante ... que distingue exclusivamente o homem é o progresso, um progresso contínuo, indefinido; e todo o progresso se resume em um progresso social ... O homem sozinho, portanto, não passa de um fragmento de ser:   o ser verdadeiro é o ser coletivo, a Humanidade, que não morre nunca, que, em sua unidade, se desenvolve sem cessar, recebendo de cada um de seus membros o produto de sua atividade própria e comunicando a cada um, na medida em que este pode participar dela, o produto da atividade de todos.” Lamennais A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“O que separava os irmãos oscila e desaba; as próprias distâncias se apagam. Entrevê-se ao longe a época feliz em que o mundo formará uma mesma cidade regida pela mesma lei, a lei de justiça, de igualdade e fraternidade, religião futura da raça humana inteira, que saudará em Cristo seu legislador supremo e derradeiro...” “Cada homem individual e a humanidade inteira devem se transfigurar, passar de um estado inferior a um estado mais elevado, por uma espécie de crescimento que só tem limite em Deus mesmo.” Lamennais A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“Graças a dezoito séculos de sofrimentos e esforços, começamos também a dominar a matéria; servimo-nos dela como de um escravo. As forças naturais começam a ser subjugadas e entrevemos o momento em que a luta da natureza e do homem poderá terminar com a vitória da inteligência.   Como poderíamos, como os cristãos, lançar ao mundo e à natureza um anátema reprovador e buscar a vida beata fora das condições do mundo?  Um homem que pregasse hoje o fim próximo do mundo com o mesmo entusiasmo de São Pedro e São Paulo e de todos os apóstolos não apenas não seria escutado , mas seria tido como insensato.” Pierre Leroux A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“O abalo que a revolução produziu foi tamanho e tantas coisas extraordinárias foram vistas, tantas montanhas rebaixadas, tantos vales preenchidos, que não há mais milagre social que não pareça possível ...   Coisa nova, grande em si, presságio do futuro!  Há  homens que acreditavam já abraçar o seu ideal. O que outrora chamava-se engodo, utopia, chama-se agora teorias. Não desprezemos os sonhos!” Edgar Quinet A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
“A humanidade há de ser apenas uma família de heróis, de cientistas e de artistas” Proudhon “A cidade socialista não tem igreja nem cemitério. Deus está suprimido e os mortos transformam-se em cinzas. Os vivos têm o seu clube e os cadáveres o seu forno crematório.  A cidade antiga agrupava suas casas baixas em torno do campanário. A cidade socialista agrupa seus altos prédios em torno da escola!” Vaillan-Couturier A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
NON  DOMINO SED  NOBIS A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
Giovanni Mastai-Ferretti . Papa de  1846  a  1878.   Foi eleito num conclave dividido entre conservadores e reformadores.  No início de seu pontificado era tido por liberal , aberto às novas idéias do século. Ao final, é considerado um Papa reacionário, conservador,  avesso às reformas e ao progresso. Foi beatificado por João Paulo II, em setembro de 2000. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
Pio IX foi o Papa da Encíclica Quanta Cura, que se fez acompanhar por um documento que enunciava oitenta erros do século: o conhecido SYLLABUS ERRORUM. Foi o Papa que convocou o Concílio Vaticano I. A Igreja entre liberais fanáticos, católicos liberais, reformadores, tradicionais. A Igreja entre estados nacionais que querem arregimentá-la para atingir os seus objetivos (Itália contra Áustria, Polônia contra Rússia, etc.). A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
O   SYLLABUS   CONDENA “TUDO” ,[object Object]
o galicanismo, porque reconhecia ao poder civil questionar a autoridade religiosa
o estatismo, porque atacava o ensino religioso e as ordens religiosas
O naturalismo, porque retirava a religião do governo da sociedade
o socialismo, porque submetia tudo à autoridade do Estado
A maçonaria, promotora das revoluções nacionaisA IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
Pio IX também definiu o dogma da Imaculada Conceição (Encíclica Ineffabilis Deus) e consagrou o mundo inteiro ao Sagrado Coração de Jesus, em 16 de junho de 1875. Foi no seu reinado que a Itália foi unificada, em 1860, sob a  liderança de Vittorio Emanuele, que deixa apenas Roma sob a autoridade pontifícia.   Em 1870 , Roma também é tomada e ao Papa é garantida tão-somente a extraterritorialidade dos palácios papais na cidade.  A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
Questões  polêmicas que foram ventiladas antes de sua convocação, em 1868:  Sendo o 1º concílio após a reforma, os protestantes poderiam participar?  Os chefes dos estados que se separaram da Igreja deveriam ser convidados? (alguns, sobretudo na América do Sul, eram maçons) Para que um concílio se o Papa pode decidir sem ele? As questões mal-resolvidas da Revolução Francesa (Igreja vs. Estado) seriam retomadas no Concílio? Os liberais temiam Pio IX, os tradicionais temiam os teólogos alemães e franceses, considerados liberais. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
CONVOCAÇÃO:   Bula AeternisPatris,  de junho de 1868. SESSÕES: Primeira: início em 8 de dezembro de 1869, com o decreto de abertura do Concílio. Segunda: início em 6 de janeiro de 1870, com a profissão de fé. Terceira: início em 24 de abril de 1870, encerrando com a aprovação da Constituição Dogmática Dei Filiussobre a fé católica. Quarta: início em 18 de julho de 1870, concluída com a aprovação da Constituição Dogmática Pastor Aeternussobre a Igreja de Cristo, que declara o dogma da infalibilidade papal. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI FILIUS  –  principais pontos Há um Deus pessoal, livre, Criador de todas as coisas e independente do mundo criado (contra o materialismo e o panteísmo). A existência de Deus pode ser conhecida com certeza pela luz natural da razão humana.  Houve uma Revelação Divina, que nos chega pela tradição e pelas Escrituras Sagradas.  A fé é uma adesão livre do homem a Deus, que surge de um dom da graça divina.  O desacordo entre a razão e a fé pode vir da falsa compreensão das proposições da fé ou das conclusões da razão. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA  PASTOR AETERNUS - INFALIBILIDADE PAPAL   As condições para o exercício do carisma da infalibilidade, de acordo com o dogma estabelecido, são quatro: 1 - que o Papa se pronuncie como sucessor de Pedro, usando os poderes das chaves, concedidas ao Apóstolo pelo próprio Cristo;2 - que se pronuncie sobre fé e moral;3 - que queira ensinar à Igreja inteira;4 - que defina uma questão, declarando o que é certo, proibindo que se ensine a tese oposta. A forma do pronunciamento é irrelevante: pode ser numa encíclica ou num decreto especial, bula, constituição apostólica etc.; o Papa tem que deixar evidente que o faz nessas quatro condições citadas. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
Encíclica pastoral do Papa Leão XIII sobre a condição dos operários (publicada em 15 de maio de 1891): ,[object Object]
Refuta o método socialista para a solução dos conflitos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.Rodrigo Ribeiro
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxCelso Napoleon
 
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen White
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen WhiteO Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen White
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen WhiteAndré Luiz Marques
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slidesJose Ventura
 
Milênio e suas doutrinas
Milênio e suas doutrinasMilênio e suas doutrinas
Milênio e suas doutrinasRobson Santana
 
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem CristãoOs perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem CristãoSamir Isac Dantas
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoViva a Igreja
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaMarcia oliveira
 
sLição 5 jesus e a implantação do reino de deus
sLição 5   jesus e a implantação do reino de deussLição 5   jesus e a implantação do reino de deus
sLição 5 jesus e a implantação do reino de deusNayara Mayla Brito Damasceno
 
Slide de missoes
Slide de missoesSlide de missoes
Slide de missoespaulode3
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasRavena B
 
(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidadeAfonso Murad (FAJE)
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristãFilipe
 

Mais procurados (20)

Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen White
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen WhiteO Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen White
O Ecumenismo e as Profecias da Bíblia e de Ellen White
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slides
 
Milênio e suas doutrinas
Milênio e suas doutrinasMilênio e suas doutrinas
Milênio e suas doutrinas
 
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem CristãoOs perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
sLição 5 jesus e a implantação do reino de deus
sLição 5   jesus e a implantação do reino de deussLição 5   jesus e a implantação do reino de deus
sLição 5 jesus e a implantação do reino de deus
 
Slide de missoes
Slide de missoesSlide de missoes
Slide de missoes
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
 
As bodas do cordeiro
As bodas do cordeiroAs bodas do cordeiro
As bodas do cordeiro
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
 
(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 

Destaque

Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...manoel ramos de oliveira
 
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XX
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XXHistória da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XX
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XXAndre Nascimento
 
Avivamento martin lloyd-jones
Avivamento   martin lloyd-jonesAvivamento   martin lloyd-jones
Avivamento martin lloyd-jonesDeusdete Soares
 
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonO que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonIgreja Vitória
 
Verdades essenciais da fe crista 1 caderno - r[1]. c. sproul
Verdades essenciais da fe crista   1 caderno - r[1]. c. sproulVerdades essenciais da fe crista   1 caderno - r[1]. c. sproul
Verdades essenciais da fe crista 1 caderno - r[1]. c. sproulAlexandre N. Pereira
 
História da Igreja - Revolução Francesa
História da Igreja - Revolução FrancesaHistória da Igreja - Revolução Francesa
História da Igreja - Revolução FrancesaGlauco Gonçalves
 
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...Nome Sobrenome
 
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasHistória da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os Anabatistas
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os AnabatistasHistória da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os Anabatistas
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os AnabatistasAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos Espiritualistas
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos EspiritualistasHistória da Igreja II: Aula 9: Movimentos Espiritualistas
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos EspiritualistasAndre Nascimento
 
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd Jones
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd JonesO Clamor de um Desviado - Marthin lloyd Jones
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd JonesRosangela Borkoski
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e CalvinoHistória da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e CalvinoAndre Nascimento
 
História da Igreja II: Aula 1: Pré Reforma
História da Igreja II: Aula 1: Pré ReformaHistória da Igreja II: Aula 1: Pré Reforma
História da Igreja II: Aula 1: Pré ReformaAndre Nascimento
 
Evangélico abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpad
Evangélico   abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpadEvangélico   abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpad
Evangélico abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpadmanoel ramos de oliveira
 
Evangélico eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpad
Evangélico   eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpadEvangélico   eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpad
Evangélico eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpadmanoel ramos de oliveira
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma ProtestanteAdriano Pascoa
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reformavr1a2011
 

Destaque (20)

A história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igrejaA história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igreja
 
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...Evangélico   claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
Evangélico claudionor de andrade - fundamento bíblico de um autêntico aviva...
 
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XX
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XXHistória da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XX
História da Igreja II: Aula 13: A Igreja no Século XX
 
Avivamento martin lloyd-jones
Avivamento   martin lloyd-jonesAvivamento   martin lloyd-jones
Avivamento martin lloyd-jones
 
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonO que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
 
Verdades essenciais da fe crista 1 caderno - r[1]. c. sproul
Verdades essenciais da fe crista   1 caderno - r[1]. c. sproulVerdades essenciais da fe crista   1 caderno - r[1]. c. sproul
Verdades essenciais da fe crista 1 caderno - r[1]. c. sproul
 
História da Igreja - Revolução Francesa
História da Igreja - Revolução FrancesaHistória da Igreja - Revolução Francesa
História da Igreja - Revolução Francesa
 
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...
O avivamento evangélico do século xviii é herdeiro da Reforma Protestante do ...
 
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas ReformadasHistória da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
História da Igreja II: Aula 5: Igrejas Reformadas
 
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os Anabatistas
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os AnabatistasHistória da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os Anabatistas
História da Igreja II: Aula 4: Reforma Radical: Muntzer e os Anabatistas
 
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos Espiritualistas
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos EspiritualistasHistória da Igreja II: Aula 9: Movimentos Espiritualistas
História da Igreja II: Aula 9: Movimentos Espiritualistas
 
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd Jones
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd JonesO Clamor de um Desviado - Marthin lloyd Jones
O Clamor de um Desviado - Marthin lloyd Jones
 
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas CatólicasHistória da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
História da Igreja II: Aula 6: Reformas Católicas
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e CalvinoHistória da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
História da Igreja II: Aula 3: Reforma na Suíça: Zuínglio e Calvino
 
História da Igreja II: Aula 1: Pré Reforma
História da Igreja II: Aula 1: Pré ReformaHistória da Igreja II: Aula 1: Pré Reforma
História da Igreja II: Aula 1: Pré Reforma
 
Evangélico abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpad
Evangélico   abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpadEvangélico   abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpad
Evangélico abraão de almeida - o sábado a lei e a graça cpad
 
Evangélico eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpad
Evangélico   eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpadEvangélico   eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpad
Evangélico eurico bergstén - teologia sistemática vol 4 cpad
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 

Semelhante a História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções

Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileirosusr_isaltino
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iiiLéo Mendonça
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSandra Vale
 
A caminho da_luz
A caminho da_luzA caminho da_luz
A caminho da_luzeneci
 
Apostila 21 teologia
Apostila 21 teologia Apostila 21 teologia
Apostila 21 teologia Omar Gebara
 
O livro negro do cristianismo dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...
O livro negro do cristianismo  dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...O livro negro do cristianismo  dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...
O livro negro do cristianismo dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...Ruby Vitória
 

Semelhante a História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções (20)

Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iii
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 
Sebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte viSebenta espiritualidade parte vi
Sebenta espiritualidade parte vi
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
 
Apostila 09
Apostila 09Apostila 09
Apostila 09
 
Apostila 09
Apostila 09Apostila 09
Apostila 09
 
Teologia 09
Teologia 09Teologia 09
Teologia 09
 
A Caminho Da Luz
A Caminho Da LuzA Caminho Da Luz
A Caminho Da Luz
 
A caminho da Luz
A caminho da LuzA caminho da Luz
A caminho da Luz
 
A Caminho da Luz
A Caminho da LuzA Caminho da Luz
A Caminho da Luz
 
A caminho da_luz
A caminho da_luzA caminho da_luz
A caminho da_luz
 
A caminho da luz
A caminho da luzA caminho da luz
A caminho da luz
 
A caminho da luz,emmanuel
A  caminho da luz,emmanuelA  caminho da luz,emmanuel
A caminho da luz,emmanuel
 
A caminho da luz
A caminho da luzA caminho da luz
A caminho da luz
 
História da Igreja 2
História da Igreja 2História da Igreja 2
História da Igreja 2
 
Teologia 21
Teologia 21Teologia 21
Teologia 21
 
Apostila 21 teologia
Apostila 21 teologia Apostila 21 teologia
Apostila 21 teologia
 
O livro negro do cristianismo dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...
O livro negro do cristianismo  dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...O livro negro do cristianismo  dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...
O livro negro do cristianismo dois mil anos de crimes em nome de deus www.ia...
 

Mais de Glauco Gonçalves

História da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasHistória da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasGlauco Gonçalves
 
Nubilum: Resource Management System for Distributed Clouds
Nubilum: Resource Management System for Distributed CloudsNubilum: Resource Management System for Distributed Clouds
Nubilum: Resource Management System for Distributed CloudsGlauco Gonçalves
 
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasNubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Fátima e o Século XX
História da Igreja - Fátima e o Século XX História da Igreja - Fátima e o Século XX
História da Igreja - Fátima e o Século XX Glauco Gonçalves
 
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãosHistória da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãosGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reformaHistória da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reformaGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - O Renascimento
História da Igreja - O RenascimentoHistória da Igreja - O Renascimento
História da Igreja - O RenascimentoGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeGlauco Gonçalves
 
Burst TCP: an approach for benefiting mice flows
Burst TCP: an approach for benefiting mice flowsBurst TCP: an approach for benefiting mice flows
Burst TCP: an approach for benefiting mice flowsGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Cluny e a reforma da Igreja
História da Igreja - Cluny e a reforma da IgrejaHistória da Igreja - Cluny e a reforma da Igreja
História da Igreja - Cluny e a reforma da IgrejaGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos Magno
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos MagnoHistória da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos Magno
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos MagnoGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoGlauco Gonçalves
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaGlauco Gonçalves
 

Mais de Glauco Gonçalves (20)

História da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - CruzadasHistória da Igreja - Cruzadas
História da Igreja - Cruzadas
 
Nubilum: Resource Management System for Distributed Clouds
Nubilum: Resource Management System for Distributed CloudsNubilum: Resource Management System for Distributed Clouds
Nubilum: Resource Management System for Distributed Clouds
 
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens DistribuídasNubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
Nubilum: Sistema para gerência de recursos em Nuvens Distribuídas
 
A Santa Inquisição
A Santa InquisiçãoA Santa Inquisição
A Santa Inquisição
 
História da Igreja - Fátima e o Século XX
História da Igreja - Fátima e o Século XX História da Igreja - Fátima e o Século XX
História da Igreja - Fátima e o Século XX
 
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãosHistória da Igreja - Embates islâmico-cristãos
História da Igreja - Embates islâmico-cristãos
 
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reformaHistória da Igreja - Reforma e Contra-reforma
História da Igreja - Reforma e Contra-reforma
 
História da Igreja - O Renascimento
História da Igreja - O RenascimentoHistória da Igreja - O Renascimento
História da Igreja - O Renascimento
 
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da ModernidadeHistória da Igreja - Visão Geral da Modernidade
História da Igreja - Visão Geral da Modernidade
 
Burst TCP: an approach for benefiting mice flows
Burst TCP: an approach for benefiting mice flowsBurst TCP: an approach for benefiting mice flows
Burst TCP: an approach for benefiting mice flows
 
Igreja na Idade Média
Igreja na Idade MédiaIgreja na Idade Média
Igreja na Idade Média
 
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do OcidenteHistória da Igreja - O Cisma do Ocidente
História da Igreja - O Cisma do Ocidente
 
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIIIHistória da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
História da Igreja - Os gloriosos séculos XII e XIII
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
 
História da Igreja - Cluny e a reforma da Igreja
História da Igreja - Cluny e a reforma da IgrejaHistória da Igreja - Cluny e a reforma da Igreja
História da Igreja - Cluny e a reforma da Igreja
 
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos Magno
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos MagnoHistória da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos Magno
História da Igreja - Francos: de Clóvis a Carlos Magno
 
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade MédiaHistória da Igreja - Visão geral da Idade Média
História da Igreja - Visão geral da Idade Média
 
O Primado de São Pedro
O Primado de São PedroO Primado de São Pedro
O Primado de São Pedro
 
História da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império RomanoHistória da Igreja - A queda do Império Romano
História da Igreja - A queda do Império Romano
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 

Último

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções

  • 1. A IGREJA NO SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 2. ESQUEMA GERAL DA EXPOSIÇÃO A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 3. 1830. Começa na França, por sublevações organizadas por sociedades secretas, e se estende por vários outros países. Na Polônia, a revolução é levada por católicos unidos a maçons contra russos ortodoxos. Na Bélgica, católicos e liberais se unem contra os holandeses. Na Irlanda, pelos católicos; em Portugal, pelos maçons. Espanha, Bálcãs, etc. 1848. Nova onda revolucionária, atingindo França, Alemanha, Hungria, etc. Os movimentos trazem agora um anticlericalismo mitigado (alguns padres chegam a participar das sublevações!), mas temperado com a questão operária, já premente. Influência milenarista e historicista. Primeiras manifestações socialistas. 1860-70. Unificação da Itália. Os revoltosos são organizados por sociedades secretas. As terras pontifícias são tomadas, deixando tão-somente Roma, que depois também é tomada e tornada capital da Itália unificada (em substituição a Florença). O Papa torna-se “prisioneiro do Vaticano”. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 4. imagens que dizem muito x Pensamentos reveladores A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 5. FRANÇA, 1830 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 6. BÉLGICA, 1830 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 7. ALEMANHA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 8. ÁUSTRIA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 9. HUNGRIA, 1848 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 10. BRASIL, 1888 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 11. GUARARAPES, 1879 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 12. GUARARAPES, 1758 A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 13. “Eis que chega o terceiro mundo. Eis que se desenha o arco-íris da humanidade, este sinal de suprema e eterna aliança! Acabou-se a era da graça, a do mérito começa! ... Cabe à humanidade criar sua própria vida, cabe a ela criar a terra prometida! Chegamos ao término da era inaugurada por Cristo! ... Delineia-se um futuro que precisamos conhecer a partir das premissas contidas no passado.” Cieskowski A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 14. “Homens do futuro! É a vós que está reservado realizar essa profecia, se Deus estiver conosco. Será obra de uma nova revelação, de uma nova religião, de uma nova sociedade, de uma nova humanidade! Essa religião não abjurará o cristianismo, mas o despojará de suas formas. Será para o cristianismo o que é a filha para a sua mãe, quando uma é levada ao túmulo enquanto a outra está no auge da vida.” George Sand A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 15. “O caráter mais marcante ... que distingue exclusivamente o homem é o progresso, um progresso contínuo, indefinido; e todo o progresso se resume em um progresso social ... O homem sozinho, portanto, não passa de um fragmento de ser: o ser verdadeiro é o ser coletivo, a Humanidade, que não morre nunca, que, em sua unidade, se desenvolve sem cessar, recebendo de cada um de seus membros o produto de sua atividade própria e comunicando a cada um, na medida em que este pode participar dela, o produto da atividade de todos.” Lamennais A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 16. “O que separava os irmãos oscila e desaba; as próprias distâncias se apagam. Entrevê-se ao longe a época feliz em que o mundo formará uma mesma cidade regida pela mesma lei, a lei de justiça, de igualdade e fraternidade, religião futura da raça humana inteira, que saudará em Cristo seu legislador supremo e derradeiro...” “Cada homem individual e a humanidade inteira devem se transfigurar, passar de um estado inferior a um estado mais elevado, por uma espécie de crescimento que só tem limite em Deus mesmo.” Lamennais A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 17. “Graças a dezoito séculos de sofrimentos e esforços, começamos também a dominar a matéria; servimo-nos dela como de um escravo. As forças naturais começam a ser subjugadas e entrevemos o momento em que a luta da natureza e do homem poderá terminar com a vitória da inteligência. Como poderíamos, como os cristãos, lançar ao mundo e à natureza um anátema reprovador e buscar a vida beata fora das condições do mundo? Um homem que pregasse hoje o fim próximo do mundo com o mesmo entusiasmo de São Pedro e São Paulo e de todos os apóstolos não apenas não seria escutado , mas seria tido como insensato.” Pierre Leroux A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 18. “O abalo que a revolução produziu foi tamanho e tantas coisas extraordinárias foram vistas, tantas montanhas rebaixadas, tantos vales preenchidos, que não há mais milagre social que não pareça possível ... Coisa nova, grande em si, presságio do futuro! Há homens que acreditavam já abraçar o seu ideal. O que outrora chamava-se engodo, utopia, chama-se agora teorias. Não desprezemos os sonhos!” Edgar Quinet A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 19. “A humanidade há de ser apenas uma família de heróis, de cientistas e de artistas” Proudhon “A cidade socialista não tem igreja nem cemitério. Deus está suprimido e os mortos transformam-se em cinzas. Os vivos têm o seu clube e os cadáveres o seu forno crematório. A cidade antiga agrupava suas casas baixas em torno do campanário. A cidade socialista agrupa seus altos prédios em torno da escola!” Vaillan-Couturier A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 20. NON DOMINO SED NOBIS A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 21. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 22. Giovanni Mastai-Ferretti . Papa de 1846 a 1878. Foi eleito num conclave dividido entre conservadores e reformadores. No início de seu pontificado era tido por liberal , aberto às novas idéias do século. Ao final, é considerado um Papa reacionário, conservador, avesso às reformas e ao progresso. Foi beatificado por João Paulo II, em setembro de 2000. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 23. Pio IX foi o Papa da Encíclica Quanta Cura, que se fez acompanhar por um documento que enunciava oitenta erros do século: o conhecido SYLLABUS ERRORUM. Foi o Papa que convocou o Concílio Vaticano I. A Igreja entre liberais fanáticos, católicos liberais, reformadores, tradicionais. A Igreja entre estados nacionais que querem arregimentá-la para atingir os seus objetivos (Itália contra Áustria, Polônia contra Rússia, etc.). A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 24.
  • 25. o galicanismo, porque reconhecia ao poder civil questionar a autoridade religiosa
  • 26. o estatismo, porque atacava o ensino religioso e as ordens religiosas
  • 27. O naturalismo, porque retirava a religião do governo da sociedade
  • 28. o socialismo, porque submetia tudo à autoridade do Estado
  • 29. A maçonaria, promotora das revoluções nacionaisA IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 30. Pio IX também definiu o dogma da Imaculada Conceição (Encíclica Ineffabilis Deus) e consagrou o mundo inteiro ao Sagrado Coração de Jesus, em 16 de junho de 1875. Foi no seu reinado que a Itália foi unificada, em 1860, sob a liderança de Vittorio Emanuele, que deixa apenas Roma sob a autoridade pontifícia. Em 1870 , Roma também é tomada e ao Papa é garantida tão-somente a extraterritorialidade dos palácios papais na cidade. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 31. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 32. Questões polêmicas que foram ventiladas antes de sua convocação, em 1868: Sendo o 1º concílio após a reforma, os protestantes poderiam participar? Os chefes dos estados que se separaram da Igreja deveriam ser convidados? (alguns, sobretudo na América do Sul, eram maçons) Para que um concílio se o Papa pode decidir sem ele? As questões mal-resolvidas da Revolução Francesa (Igreja vs. Estado) seriam retomadas no Concílio? Os liberais temiam Pio IX, os tradicionais temiam os teólogos alemães e franceses, considerados liberais. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 33. CONVOCAÇÃO: Bula AeternisPatris, de junho de 1868. SESSÕES: Primeira: início em 8 de dezembro de 1869, com o decreto de abertura do Concílio. Segunda: início em 6 de janeiro de 1870, com a profissão de fé. Terceira: início em 24 de abril de 1870, encerrando com a aprovação da Constituição Dogmática Dei Filiussobre a fé católica. Quarta: início em 18 de julho de 1870, concluída com a aprovação da Constituição Dogmática Pastor Aeternussobre a Igreja de Cristo, que declara o dogma da infalibilidade papal. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 34. CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI FILIUS – principais pontos Há um Deus pessoal, livre, Criador de todas as coisas e independente do mundo criado (contra o materialismo e o panteísmo). A existência de Deus pode ser conhecida com certeza pela luz natural da razão humana. Houve uma Revelação Divina, que nos chega pela tradição e pelas Escrituras Sagradas. A fé é uma adesão livre do homem a Deus, que surge de um dom da graça divina. O desacordo entre a razão e a fé pode vir da falsa compreensão das proposições da fé ou das conclusões da razão. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 35. CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA PASTOR AETERNUS - INFALIBILIDADE PAPAL As condições para o exercício do carisma da infalibilidade, de acordo com o dogma estabelecido, são quatro: 1 - que o Papa se pronuncie como sucessor de Pedro, usando os poderes das chaves, concedidas ao Apóstolo pelo próprio Cristo;2 - que se pronuncie sobre fé e moral;3 - que queira ensinar à Igreja inteira;4 - que defina uma questão, declarando o que é certo, proibindo que se ensine a tese oposta. A forma do pronunciamento é irrelevante: pode ser numa encíclica ou num decreto especial, bula, constituição apostólica etc.; o Papa tem que deixar evidente que o faz nessas quatro condições citadas. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 36.
  • 37. Refuta o método socialista para a solução dos conflitos
  • 38. Dispõe sobre o papel do estado, da Igreja e dos patrões
  • 39. Primeiro documento a sistematizar a doutrina social da IgrejaA IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 40. A condição dos operários O problema nem é fácil de resolver, nem isento de perigos. É difícil, efetivamente, precisar com exatidão os direitos e os deveres que devem, ao mesmo tempo, reger a riqueza e o proletariado, o capital e o trabalho. Em todo caso, estamos persuadidos, e todos concordam nisto, que é necessário, com medidas prontas e eficazes, vir em auxílio dos homens das classes inferiores, atendendo a que eles estão, pela maior parte, numa situação de infortúnio e de miséria imerecida. A usura voraz veio condenar ainda mais o mal. Condenada muitas vezes pelo julgamento da Igreja, não tem deixado de ser praticada sob outra forma por homens, ávidos de ganância, e de insaciável ambição. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 41. Refutação da solução socialista Os socialistas, para curar este mal, instigam nos pobres o ódio contra os que possuem, e pretendem que toda a propriedade de bens particulares deve ser suprimida, que os bens de um indivíduo qualquer dever ser comuns a todos, e que a sua administração deve voltar para os Municípios ou para o Estado. Mas, e isso parece ainda mais grave, o remédio proposto está em oposição flagrante com a justiça, porque a propriedade particular e pessoal é, para o homem, de direito natural. ... a teoria socialista da propriedade coletiva deve absolutamente repudiar-se como prejudicial àqueles mesmos a que se quer socorrer, contrária aos direitos naturais dos indivíduos, como desnaturando as funções do Estado, e perturbando a tranqüilidade pública. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 42. O papel do Estado ... E se os indivíduos e as famílias, entrando na sociedade, nela achassem em, vez de apoio, um obstáculo, em vez de proteção uma diminuição de seus direitos, dentro em pouco a sociedade seria mais para evitar do que para procurar. Querer, pois, que o poder civil invada arbitrariamente o santuário da família, é um erro grave e funesto. Certamente, se existe algures uma família que se encontre numa situação desesperada e que faça esforços vãos para sair dela, é justo que, em tais extremos, o poder público venha em seu auxílio, porque cada família é um membro da sociedade. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 43. O papel da Igreja É a Igreja, efetivamente, que haure no Evangelho doutrinas capazes ou de pôr termo ao conflito ou ao menos de o suavizar, expurgando-o de tudo o que ele tenha de severo e áspero; a Igreja, que não se contenta em esclarecer o espírito de seus ensinos, mas também se esforça em regular, de harmonia com eles a vida e os costumes de cada um. O primeiro princípio é que o homem deve aceitar com paciência a sua condição: é impossível que na sociedade civil todos sejam elevados ao mesmo nível. É, sem dúvida, isto o que desejam os socialistas; mas contra a natureza, todos os esforços são vãos. O erro capital na questão presente é crer que as duas classes são inimigas natas uma da outra, como se a natureza tivesse armado os ricos e os pobres para se combaterem mutuamente num duelo obstinado. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 44. Patrões e empregados [o operário] deve fornecer integralmente e fielmente todo o trabalho a que se comprometeu por contrato livre e conforme à equidade; não deve lesar o seu patrão, nem nos seus bens, nem na sua pessoa; as suas reivindicações devem ser isentas de violências. [os patrões] não devem tratar o operário como escravo, mas respeitar nele a dignidade do homem, realçada ainda pela do cristão. [...] O que é vergonhoso e desumano e usar dos homens como de vis instrumentos de lucro. [...] entre os deveres principais do patrão, é necessário colocar, em primeiro lugar, o de dar a cada um o salário que convém. Certamente, para fixar a justa medida do salário. A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES
  • 45. fui! A IGREJA O SÉCULO DAS REVOLUÇÕES